Translate this Page

Rating: 2.9/5 (953 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


parabola de Jesus os trabalhadores da vinha
parabola de Jesus os trabalhadores da vinha

                                                     Os trabalhadores da vinha


 

Mateus 20: 1-16
". Porque o reino dos céus é semelhante a um proprietário que saiu de manhã cedo para contratar trabalhadores para a sua vinha Ele concordou em pagar-lhes um denário por dia e enviou-os para a sua vinha. 
" Sobre a terceira hora ele saiu e viu outros que estavam no mercado sem fazer nada. Ele lhes disse: 'Ide também vós e trabalhar na minha vinha, e eu lhe pagarei o que for justo. " E eles foram. 
"Ele saiu de novo quase a hora sexta e nona hora e fez a mesma coisa. Quem da hora undécima, saiu e encontrou outros ainda em pé ao redor. Ele perguntou-lhes:" Por que você tem aqui de pé o dia todo longo sem fazer nada? ' "'Porque ninguém nos contratou", eles responderam. "Ele disse-lhes: Ide também vós e trabalhar na minha vinha. ' 
"Quando a noite chegou, o proprietário da vinha disse ao capataz: 'Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, começando pelos últimos contratados e indo para o primeiro. " 
"Os trabalhadores que foram contratados cerca da hora undécima veio e cada um recebeu um denário. Então, quando veio aqueles que foram contratados primeiro, esperavam receber mais. Mas cada um deles também receberam um denário. Quando eles recebê-lo, começou a resmungar contra o dono da terra. "Estes homens que foram contratados último trabalharam apenas uma hora, 'eles disseram,' e você fez-los igual a nós, que suportamos o peso do trabalho eo calor do dia . ' 
"Mas ele respondeu a um deles: Amigo, não estou sendo injusto com você. Você não concordam em trabalhar por um denário? Leve o seu salário e ir embora. Eu quero dar o homem que foi contratado último o mesmo que eu te dei. Não tenho o direito de fazer o que quero com o meu próprio dinheiro? Ou você está com inveja porque sou generoso? ' 
"Assim, os últimos serão primeiros, e os primeiros serão os últimos."
 

Os materiais dos quais esta parábola construiu exigem pouca explicação, exceto o que é necessário entender o método judeu de tempo de computação. Eles consideravam o dia de sol a sol, dividindo-o em doze porções ou horas. Consequentemente, "no início da manhã," o tempo em que o "proprietário" foi pela primeira vez para fora para contratar trabalhadores - respostas para o nosso seis horas.

A "terceira hora," a nossa nove da manhã.

"A sexta hora", ao nosso meio-dia .

"A nona hora", para a nossa três horas da tarde.

E "décima primeira hora", a cinco horas, ou uma hora antes de anoitecer.

Nessas várias horas "o senhor da vinha" saiu para o lugar de mercado (ou bazar, como ele é chamado no Oriente, o resort ordinário de porteiros e trabalhadores à espera de emprego), para obter trabalhadores para a sua vinha, e contratou cinco conjuntos diferentes de trabalhadores.

"Quando já era tarde," o mordomo foi direcionado para "Chama os trabalhadores e dar-lhes o salário, começando pelos últimos até aos primeiros." Os trabalhadores da décima primeira hora, portanto, avançado, e "receberam um denário cada um" - uma soma igual aos salários diários habituais de um trabalhador, eo salário de um soldado. Vendo isso, os que haviam trabalhado o dia todo suposto que, quando a sua vez de ser pago veio, eles receberiam mais ", mas do mesmo modo receberam um denário cada um." Eles haviam trabalhado três, seis, nove e 11 horas mais do que os primeiros trabalhadores pagos; eles tinham trabalharam, alguns deles, através de "a carga eo calor do dia", e eles pensaram que eles tinham um direito a mais salários; e embora eles levaram o denário estipulado - mas eles "murmuravam contra o dono da terra", como se os tivesse feito grande injustiça.

Virando-se, no entanto, para aquele que foi, talvez, acima de tudo em reclamar, ele disse: "Amigo, eu faço-lhe nada de errado. Será que você não concorda comigo um denário?" Eu não obrigar você a trabalho; Eu contratei você para os salários habituais; você concordou com a minha oferta; você tem feito a sua parte, que era, ao trabalho, até o por do sol; Eu tenho feito o meu, que era, a pagar-lhe um denário. Onde está a injustiça desta? Portanto, "Leve o seu salário e ir embora. Eu quero dar o homem que foi contratado último o mesmo que eu te dei. Não tenho o direito de fazer o que quero com o meu próprio dinheiro? Ou você está com inveja porque eu sou generoso? "

Muitas interpretações foram dadas a esta parábola. As diferentes horas especificadas ter sido por algum referiu-se às várias idades do homem . A chamada para o trabalho na vinha do Senhor que está sendo feito em muitos casos, "no início da manhã" de vida, como acontece com Samuel e Timóteo; em outros, na terceira hora, ou juventude, como nos casos de José e Josias; em outros, na sexta, ou masculinidade hora, como foi feito para os apóstolos do Senhor; em outros na nona, ou em declínio hora; e, em alguns casos extraordinários, como o ladrão arrependido na hora antes do por do sol da vida.

Outros comentaristas se referem os períodos em que os trabalhadores foram contratados, para as várias idades do mundo ; como que a primeira chamada foi feita no mundo "de manhã cedo", no Éden; a chamada de terceira hora foi no dia do Noah; a chamada sexta-hora, nos tempos de dispensação mosaica; a chamada nona hora foi no dia do advento de Cristo; ea décima primeira foi a missão para os gentios.

Várias outras interpretações foram feitas dessas chamadas; mas será desnecessária, bem como não rentável para consumir tempo a esgotar-se em qualquer uma dessas analogias, como veremos, assim, ser levados para longe do alcance e importação da parábola, como eles mesmos se desdobram nas circunstâncias em que foi entregue, e o moral , que nosso Senhor deduzida. Os pontos que são distintamente trouxe na parábola, e que é importante para nós saber, são estes:

Primeiro. Que existe um vinhedo na qual trabalhar. De acordo com a semelhança de um vinhedo, a Bíblia freqüentemente representa o judeu ea Igreja cristã. Parece ser uma ideia favorita dos profetas antigos, sendo usado por Davi, Salomão, Isaías, Jeremias e Ezequiel; e nosso Senhor, muitas vezes emprega as mesmas imagens para ilustrar as relações que a Igreja detém a si mesmo e ao mundo. A adequação dessa linguagem para expressar o que é projetado é peculiarmente feliz; para um vinhedo era mais valorizada e estimado de todos os bens; necessitaram de cuidados mais cuidadosa em todas as estações do ano, e rendeu ao jardineiro diligente um retorno maior do que qualquer outra cultura.

A Igreja Cristã é agora o que a Igreja judaica foi na dispensação levítico, "a vinha do Senhor Todo-Poderoso. " É vedada a partir do mundo pelas formas de uma profissão pública de fé em Cristo;plantada com o "vides," mesmo Cristo, "a videira verdadeira"; e vestida por jardineiros de chamada e nomeação de Deus, cujo dever é tão superintender a cultura, como que ele dê fruto para a glória de "o Senhor da vinha".

Neste vinha, ou Igreja visível de Cristo - há muito trabalho a ser feito, mais do que suficiente para tributar todas as energias da mente e do corpo; ea chamada é: "Vai trabalhar hoje na minha vinha!" Não é o trabalho de capina e cultivando o próprio coração, até que se torne fecundo com todas as graças do Espírito. Não é o trabalho de manter a pureza de vida e de fé na igreja particular com a qual estamos conectados. Não é o trabalho de trazer aqueles que nos rodeiam sob as influências da verdade do Evangelho e instituições do Evangelho - a grande casa de trabalho da Igreja, abrangendo todas as agências e os instrumentos necessários para o preparo do campo doméstico. Há, por fim, o trabalho de espalhar a religião de Jesus "para as regiões além"; o grande estrangeira trabalho da Igreja, através do qual é agir de acordo com sua comissão do Senhor: "Ide por todo o mundo, e pregai o Evangelho a toda criatura."

"O mundo inteiro jaz no Maligno", ea instrumentalidade terrena segundo o qual é para ser convertido para Deus, é na manutenção dos cristãos professos. Eles devem ser "co-trabalhadores com Deus"; e, se eles não conseguem trabalho na medida de sua capacidade, a responsabilidade de almas perdidas e de comandos desobedeceram repousará sobre eles para sempre.

Em segundo lugar. Todos os que não estão trabalhando na vinha de Cristo são "ocioso". Não que eles são fisicamente inativo; não que eles são intelectualmente inativo; nem ainda que eles sãomoralmente ocioso, pois isso é impossível, como todo homem em um sentido é moralmente ativa. Aalma está sempre trabalhando; pensamentos estão ocupados lá, paixões lutar lá, afetos mudar para lá - e nunca há um momento em que há vazio e repouso.

Mas por "idle" se entende sem lucro empregada . Todos emprego inútil do nosso tempo é virtual deociosidade, mesmo em um aspecto mundano e negócios - quanto mais em um celestial e espiritual!

Tudo é moralmente inútil que não tem uma tendência para avançar a glória de Deus ea salvação de nossas almas. Homens não convertidos, embora possam ser ocupados com suas fazendas, seus estudos, sua mercadoria - não estão fazendo nada para a glória de Deus, ou para a salvação de suas próprias almas; por isso, todos os homens não convertidos são espiritualmente "ocioso".

Eles podem ser diligentes na elaboração de uma moralidade mundana - mas eles são espiritualmente ocioso! Eles podem ser diligente na construção de uma auto-justiça pelas obras de caridade, do ritualismo, de penitência, de culto voluntário, de devoção farisaica - mas eles são apenas preguiçosos ocupados aos olhos de Deus. Suas obras são vãs - o seu trabalho não deverá lucro - e sua labuta só poderá terminar em sua ruína mais profunda; porque eles não estão a trabalhar no campo da Igreja, e, consequentemente, não estão obedecendo a liminar do proprietário do terreno Divino, "Você também vai trabalhar na minha vinha!"

Em terceiro lugar. Nunca é tarde demais para ir para a vinha da Igreja. Esta observação é feita para não incentivar presunção -, mas a repreendê desespero.

A incerteza da vida, 
a possibilidade de luto de distância do Espírito Santo, 
o perigo de que nossos poderes mentais não pode ser preservado para nós em nossa última doença, ou 
que pode ser de repente convocados para o tribunal de Deus - 
nos avisar com grande força contra qualquer atraso na tomada de nossa paz com Deus. Para adiar, portanto, uma profissão de religião de Cristo, porque podemos, talvez , entrar no vinhedo na última hora - é a rebelião mais ousadia e irreverência para com Deus, e uma insignificante solene com a nossa alma, que deve encher-nos com tremor e alarme!

Quando dizemos, portanto, que não é tarde demais para ir para a vinha, não queremos dizer que ele não vai ser tarde demais se nós colocá-lo fora para um dia futuro; para nada sabemos do futuro, nem mesmo "o que um dia poderá trazer". Mas queremos dizer que se nós colocá-lo fora para o presente momento, não é tarde demais agora para ir a Cristo.

Todos os convites do Evangelho são dirigidas a nós no presente tenso. A linguagem da Bíblia é: "Eis que agora é o tempo aceitável, eis aqui agora . é o dia da salvação " "Hoje ., se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações " "Exorta os um ao outro diariamente, enquanto é chamado hoje . ""Filho, vai trabalhar hoje na vinha. "

Não há amanhã em todas as ofertas de graça, ou em todas as aberturas do Espírito. Amanhã é uma ficção de tempo - ele nunca vem. É um presente trabalho que temos de fazer - há um momento alocado para nós por fazê-lo; há um presente Espírito dada para começar e continuar o trabalho. Nos valer desses privilégios atuais e do futuro será brilhante com glória celestial; negligenciá-los, eo futuro será sombrio com consternação eterna.

Você pode ter passado o "início da manhã" de sua vida, e "a terceira hora "pode ​​encontrá-lo para fora da vinha. Chamamos-lhe, então, nesta terceira hora, este tempo de orvalho da juventude: "Ide também para a minha vinha." Você pode ter chegado ao meridiano de vida, eo " sexto hora "pode ​​achar que você ainda" ocioso ". E nós chamamos-lhe, portanto, no meio-dia de masculinidade: ". Vá também para a vinha" Você pode ter progredido para a tarde da vida, e "a nona hora "pode ​​achar que você ainda unengaged no serviço de Cristo; e apelamos a você, portanto, neste período de declínio do dia: ". Vá também para a vinha" Ou pode ser que "as sombras da tarde são esticados para fora", e o sol de sua existência, já muito baixo no céu ocidental, está acelerando a sua definição; e nesta décima primeirahora você é e ter sido "ociosos o dia todo." E nós gritar para você, portanto, com mais uma hora de luz do dia em sua posse, e na noite da morte rápida chegando: "Ide também para a vinha, e tudo o que é direito, que deve receber."

Poucos , no entanto, que passam a terceira ea sexta hora fora da vinha, insira-o no nono ou décimo primeiro horas. Sabemos de muitos que se deu ao serviço de Deus na manhã da vida, no meio-maré de vida; mas o número de pessoas que se tornam seus na noite de seus dias, são muito poucos; e os registros bíblicos, mas um convertido décima primeira hora, o ladrão na cruz. Um - que ninguém poderia desespero! Apenas um - que ninguém poderia presumir!

Em quarto lugar. Deus irá recompensar todos os que trabalham para ele, quando seu trabalho é feito. Não é até a noite vem, que o Senhor da Vinha vai "chamar os trabalhadores e dar-lhes os seus salários." Muitas vezes o trabalho neste mundo sem parecer para receber qualquer recompensa; nem devemos esperar para recebê-lo aqui. Mas, apesar de muito atrasado, ele vai vir, finalmente, para "Ele é fiel, que prometeu." Trata-se, em grande medida, retido de nós aqui, porque o nosso trabalho não é tudo feito quando são removidos da vinha. Nós vivemos e trabalhamos na nossa influência e nas agências e instituições que colocam em movimento - muito tempo depois que já passaram. Embora mortos - nós ainda falar às gerações futuras; e, como é um princípio da economia divina, para manter-nos responsáveis ​​não só por nossas palavras e ações ostensivas reais -, mas por tudo o que resulta do nosso exemplo, a nossa influência , os nossos trabalhos - de modo que é impossível medirei as recompensas que dizem respeito a nós através da graça divina, até que, no fechamento até final do cenas e contas de terrenos, deve ser visto o que nós realizamos para Cristo; não apenas o que fizemos para ele enquantoviver - mas o que fizemos para ele através de meios e instituições e influências que emanavam de nós, e que estavam em operação ativa por muito tempo depois que tinha cochilado na poeira!

Por isso, é que o dia do juízo é colocado no "fim do mundo", porque então só se todas as linhas deinfluência , bom e mau, ser executado totalmente. Então, somente, todos os resultados de nossas vidas, boas e más, ser plenamente desenvolvido.

Tomemos, por exemplo, o trabalho feito pelo apóstolo Paulo . Ele poderia ter sido recompensado (falando à maneira dos homens) durante a sua vida? Não é o poder de Paul ainda se sentia? Não é ainfluência de Paul ainda no trabalho? E, embora ele morreu dezoito séculos atrás, que ele não fala para os habitantes no século XIX, e para os habitantes da Inglaterra e na América, como força como fez com aqueles que viveram no início da era cristã, e que ouviu seus ensinamentos orais em Damasco, Corinto e Roma? Então, de Agostinho, Wycliff, Lutero, Cranmer, Martyn, Simeão, e toda uma galáxia de uns sainted, que agora brilha "como estrelas no firmamento". Eles têm ido para seu descanso, e deixou seu trabalho, como o mundo iria dizer, inacabado; mas não é assim; seu trabalho ainda está em andamento, e continuará até o tempo já não deve estar.

Pouco importa, portanto, se vemos muito do fruto do nosso trabalho enquanto nós tenda na carne - mas quando a noite do mundo vem, quando o Senhor da Vinha dirá: "Chama os trabalhadores" para o julgamento e "dar-lhes o salário," então vamos receber "de acordo com o que nós temos feito, seja ele bom ou mau." Só então, poderá a soma total do nosso trabalho ser aplainados; só então, toda a quantidade de trabalho ser conhecido; só então, a recompensa ser justamente agraciado.

Por fim, a recompensa que receberemos será nada que possamos reclamar de direito - mas será concedido a nós pela graça soberana livre de Deus.

E aqui vem a verdadeira intenção eo propósito da parábola. Na divisão arbitrária da Bíblia em capítulos, feita por Hugo em 1240, o capítulo que contém essa parábola, infelizmente, foi cortado do capítulo 19, que é, na verdade, uma continuação do mesmo. Nesse capítulo 19, encontramos que uma "régua nova," com muita reverência externo para Cristo, tinha chegado a ele com a pergunta: "Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?" Nosso Senhor disse-lhe o que fazer, e colocou sua sinceridade para o teste, ordenando-lhe "para vender tudo o que tinha, e dar aos pobres" - um teste que revelou a latente a cobiça de seu coração, e uma que ele não o fez tentar levar a cabo, por "retirou-se triste, porque possuía muitos bens."

Este exemplo notável de se apegar à vista eo terrestre, em vez de para o invisível eo paradisíaco - deu ocasião para Cristo a dizer, "é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar o reino de Deus "- que tão maravilhado com os discípulos que expressava a sua admiração," Quem pode ser salvo " Mas Peter, primeiro entre os discípulos em falar como em atuar, disse ao Salvador: "Eis que nós deixamos tudo, e te seguimos; que vamos ter, portanto?" Nós, que, ao contrário do jovem rico, deixamos tudo e te seguimos. No espírito de um mercenário que estava olhando para os salários , em vez de trabalho - ele parecia pensar que algo foi merecida por aqueles que tinham feito tais sacrifícios, e que na primeira chamada tinham ido para a vinha; e, no trabalho de uma mente auto-complacente, ele desejou saber o que eles iriam receber.

Nosso Senhor responde a eles e diz: "Todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, filhos ou campos por minha causa, receberá cem vezes mais e herdará a vida eterna!"acrescentando, "mas muitos que são primeiros serão últimos, e os últimos serão os primeiros". E, em seguida, segue a parábola em apreço, destinada a mostrar que as recompensas de graça não são para o primeiro chamado sozinho, e não seguem o tempo de serviço cristão - mas que, embora todos devem receber o salário prometido, ou seja, a vida eterna - Deus vai fazer o que quiser com suas próprias bênçãos infinitas, concedendo-lhes, quando, onde e como ele quiser, de acordo com seu bom prazer.

O valor da obra não está na quantidade de trabalho realizado, do número de horas empregadas, ou em suportar a carga eo calor do dia - mas no espírito em que ele é feito. E esse espírito deve ser a humildade , não gozando de serviço longa, árdua ou serviço; não relutante em 'preferências ou Outro' Outro salários, mas em relação a qualquer pagamento como imerecida, e tudo recompensa como fora de infinita graça de Deus, e não para o merecimento do mérito individual.

E como o trabalho está apenas em humildade - para que a recompensa está somente em graça . Faça o que podemos; amontoe trabalho em cima de trabalho, e sacrificar sobre sacrifício - ainda há muito depecado misturado com tudo o que fazemos, que estávamos a receber de acordo com o mérito real das obras executadas, teriam cada ser lançado fora da vista de Deus como pecaminosa, e nós mesmos ser expulsos de sua presença! Se a recompensa, então, é de graça ", não é mais de obras, caso contrário, a graça já não é graça; mas se é pelas obras, já não é mais graça, caso contrário o trabalho não é mais trabalho."

Gostaria que pudéssemos sentir isso mais! Seria humilhar o coração orgulhoso; ele iria refrear em nossos espíritos desenfreados; que iria diminuir a nossa auto-elevatórias mentes, lisonjeiro nós mesmos que merecem mais, e rancoroso que quer que seja conferido a outros; ela iria trazer-nos mais como dóceis, frágeis, filhinhos, para os pés de Jesus, fazendo-nos agarrar a ele por uma fé simples, e inclinar-se apenas mediante os méritos de "Sua paixão e morte abençoada precioso."

E então, também, como é que vai aumentar o valor da recompensa - para saber que nós merecíamos nada! Que o melhor, o mais diligente, o mais fiel, era, afinal, mas um servo inútil - e que a recompensa é a expressão do amor transbordante e generosidade do nosso Deus, que nos foi dada, e não para o nosso serviço ou para a nossa merecimentos - mas por conta de alegações de Cristo e em virtude do seu sacrifício perfeito!

fonte William Bacon Stevens, 1857   www.avivamentonosul.blogspot.com