Translate this Page

Rating: 3.0/5 (902 votos)



ONLINE
8




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


confissão de fé catecismo de Heidelberg
confissão de fé catecismo de Heidelberg

                 CONFISSÃO DE FÉ CATECISMO DE HEIDELBERG

O CATECISMO DE HEIDELBERG: SUA HISTÓRIA E INFLUÊNCIA


 FONTE PORTAL MAKENZIE  Alderi S. de Matos

 

 

CRONOLOGIA DAS PRINCIPAIS CONFISSÕES DE FÉ PROTESTANTES

Data

Confissão

Comentários

1529

Catecismo Menor

Trata-se de uma síntese das doutrinas bíblicas essenciais direcionadas ao povo.

1529

Catecismo Maior

Trata-se de uma "repetição" do Catecismo Menor, porém, com explicações doutrinárias minuciosamente direcionadas aos adultos.

1530

Confissão de Augsburgo

Elaborada na Alemanha, a pedido do imperador Carlos V, e compilada por Philipp Melanchthon, é considerada a principal confissão de fé luterana e reúne, ao todo, 28 artigos, divididos em duas partes: as que tratavam de fé e doutrina (1-21) e as que tratavam dos abusos medievais, corrigidos pelos luteranos (22-28).

1531

A Apologia da Confissão

Trata-se de uma defesa do conteúdo doutrinário exposto na Confissão de Augsburgo.

1536

Confissões Helvéticas

Trata-se de documentos doutrinários expositivos sobre a fé comum das igrejas protestantes suíças. Foi, sem dúvida, uma das mais reconhecidas confissões reformadas entre os protestantes.

1537

Artigos de Esmalcalde

Além de fazer apologia à Confissão de Augsburgo, se alonga na exposição da doutrina da Santa Ceia.

1558

Confissão de Fé de Guanabara

Foi elaborada na Bahia de Guanabara, no Rio de Janeiro, pelos calvinistas refugiados da França. Perseguidos e condenados à pena capital, esses calvinistas foram obrigados, antes de serem mortos, a professar, por escrito, sua fé, documento que se tornou a primeira confissão de fé na América.

1559

Confissão Galicana

Também chamada de Confissão de La Rochelle, foi o resultado do primeiro Sínodo da Igreja Reformada Francesa. Esse documento foi inteiramente redigido pelo reformador João Calvino.

1560

Confissão de Fé Escocesa

Documento erudito elaborado por John Knox e outros cinco "Johns" (Willock, Winram, Spottiswood, Row e Douglas). Redigido após a guerra civil escocesa, suas doutrinas centrais são a eleição dos santos e a igreja.

1561

Confissão Belga

Trata-se de 37 artigos elaborados por Guido de Bres. Adotados pelo Sínodo de Dort, em 1619, tornaram-se o modelo confessional das igrejas reformadas holandesas e belgas.

1563

Os 39 Artigos

Trata-se das declarações doutrinárias aceitas pela Igreja da Inglaterra que consubstanciaram a fé anglicana (episcopal) em face do Catolicismo Romano.

1577

Fórmula da Concórdia

Trata-se de uma exposição doutrinária sobre o pecado original, a salvação pela graça e a cristologia.

1618

Cânones do Sínodo de Dort

Baseada nas confissões das igrejas reformadas, o Sínodo de Dort foi o resultado dos cinco artigos de fé disputados na Holanda: a divina eleição e reprovação; a morte de Cristo e a redenção do homem por meio dela; a corrupção do homem, sua conversão a Deus e como essa conversão ocorria; e a perseverança dos santos.

1646

Confissão de Westminster

Incontestavelmente, o resultado mais importante da teologia do século 18. Foi norteada por quatro grandes princípios: a autoridade das Escrituras, a soberania de Deus, os direitos da consciência e a responsabilidade da Igreja em seu campo de atuação.

 


Introdução

O mais atraente de todos os catecismos da Reforma, foi elaborado a mando de Frederico III., Eleitor do Palatinado, e publicado nesta terça-feira a 19 de janeiro de 1563 A nova religião no Palatinado foi em grande parte sob a orientação de Philip Melanchthon, que tinha reviveu a antiga universidade de Heidelberg e pessoal It With professores solidários. Um deles, Tillemann, Heshusius, que geralmente Tornou-superintendente em 1558, realizada visualizações luteranos extremos no Real Presença, e em Seu desejo de forçar a comunidade para a posição excomungado His Own Seu colega Klebitz, que possuíam o Zwinglian. 

Quando a violação foi alargando Frederick, "der Fromme Kurfiirst", veio à sucessão, os dois chefe demitido Combatentes e referiu-se ao trabalho Melanchthon, cujo veredicto foi claramente guardado Swiss ao invés de luterano. Em um decreto de agosto 1560 o eleitor declarado para Calvino e Zwingli, e logo depois resolvi emitir uma nova e inequívoca catecismo da fé evangélica. Tenho a tarefa confiada a dois jovens que venceu os lembrança merecida, aprendendo e Seu caráter semelhante. Zacharias Ursinus nasceu em Breslau em julho de 1534 e alcançou grande honra na Universidade de Wittenberg. Em 1558 eu fui feito reitor do ginásio em sua cidade natal, mas a luta incessante com os luteranos extremas levou a Zurique, onde Frederick, a conselho de Peter Martyr, o chamou para ser professor de teologia em Heidelberg e superintendente da Collegium Sapientiae. Eu era um homem de espírito modesto e gentil, não pregação dotada de grandes presentes, mas incansável em estudo e para transmitir Sua aprendizagem consummately confiável para os outros. Deposto de sua cadeira pelo eleitor Louis, em 1576, eu morava com John Casimir em Neustadt e encontrou uma esfera agradável no novo seminário lá, morrendo em seu ano 49, março 1583.

 Olevianus Caspar nasceu em Treves em 1536 eu desisti de lei para a teologia, estudou em Genebra sob Calvin, Peter Martyr em Zurique, e Beza em Lausanne. William Farel pediu-nos ter pregado pela nova fé em sua cidade natal, e quando expulsou dali encontrou uma casa com Frederick de Heidelberg, onde eu ganhei alto renome como pregador e administrador. Seu ardor e entusiasmo fez o complemento de Ursinus feliz. Quando a reação veio no reinado de Luís I foi ajudado por Ludwig von Sain, príncipe de Wittgenstein, e John, conde de Nassau, em cuja cidade de Herborn eu fiz notável trabalho na escola, até sua morte na 15 de março de 1587 O eleitor poderia ter escolhido não melhores homens, jovens como eles eram, para a tarefa em mãos.

 Como primeiro passo, cada elaborou um catecismo de sua própria composição, de Ursinus Sendo naturalmente de um rumo mais sério e mais livre acadêmico do que a produção de Olevianus, enquanto cada um fez pleno uso dos catecismos anteriores já em uso. Mas quando a junção foi realizada constatou-se que os espíritos dos dois autores foram mais apegada feliz e harmoniosa, a exatidão ea erudição do que está sendo misturado com o fervor e graça do outro. Assim o Catecismo de Heidelberg, que foi completado o seu dentro de um ano de criação, você tem uma individualidade que as distinguem de todos os seus antecessores e sucessores. 

O sínodo Heidelberg aprovada por unanimidade dele, que foi publicado em janeiro de 1563, e no mesmo ano virou oficialmente para o latim por Josh. Lagus e Lambert Pithopoeus. Os ultra-luteranos atacou o catecismo com grande amargura, o assalto está sendo liderada por Heshusius e Flacius Illyricus. Maximilian II. protestou contra ele como uma violação da paz de Augsburg. A conferência foi realizada em abril 1564 em Maulbronn, e um ataque pessoal foi feita no eleitor na dieta de Augsburg, em 1566, mas a defesa foi bem sustentado, eo livro Heidelberg rapidamente passou para além dos limites do Palatinado (onde, de fato, sofreu eclipse 1576-1583, durante o eleitorado de Louis), e um sucesso abundante Ganhou não apenas na Alemanha (Hesse, Anhalt, Brandemburgo e Bremen), mas também nos Países Baixos (1588), e nas Igrejas Reformadas da Hungria, a Transilvânia e na Polónia. Foi reconhecida oficialmente pelo Sínodo de Dort em 1619, passou para a França, Grã-Bretanha e Estados Unidos, e provavelmente compartilha com a Imitação de Cristo e O Peregrino a honra de vir ao lado da Bíblia no número de línguas em que ela foi-traduzido.

 

Esta ampla aceitação e alta estima são em grande parte devido a uma fuga de temas polêmicos e controversos, e ainda mais para a ausência do espírito polêmico. Não há erro ACERCA ITS protestantismo, mesmo. Quando omitir a adição infeliz feito para responder a 80 pelo próprio Frederick (em resposta indignada com a proibição proferida pelo Concílio de Trento), na Missa que é descrito como "nada mais do que uma negação do único sacrifício e paixão de Jesus Cristo e uma idolatria maldita "- um acréscimo que é a única mancha na / coo criados do catecismo.

 O trabalho é o produto das melhores qualidades de cabeça e coração, e sua prosa é marcada por toda a faq freqüentemente beleza de uma letra. Segue-se o plano da epístola aos Romanos (capítulos excetuando, X.-x1.) E se divide em três partes: pecado, redenção e da vida nova. Esse arranjo só iria marcá-lo para fora do catecismo reforma regular, que corre ao longo das linhas estereotipadas do Decálogo, Creed, Oração do Senhor, a Igreja e os Sacramentos. Estes temas estão incluídos, mas são mostrados como organicamente relacionados. Os Mandamentos, por exemplo, "Pertencem à primeira parte medida em que" são um espelho da nossa miséria livre e, mas também para a terceira parte, como sendo a regra da nossa nova obediência e da vida cristã. "O Credo - um panorama sublime dos fatos da redenção - e os sacramentos encontrar o seu lugar na segunda parte; Oração do Senhor (com o Decálogo) no terceiro. 

 

fonte enciclopédia britanica


Uma das principais características da Reforma Protestante do século XVI foi a produção de um grande número de declarações doutrinárias na forma de confissões de fé e catecismos. Essas declarações resultaram tanto de necessidades teológicas quanto pastorais, à medida que os novos grupos definiam a sua identidade em um complexo ambiente religioso, cultural, social e político. O historiador Mark Noll observa que esse fenômeno é típico da Reforma, uma vez que o termo “confissão”, em seu sentido mais comum, designa as declarações formais de fé cristã escritas especialmente por protestantes, desde o início do seu movimento.[1]


Embora tais documentos normalmente sejam classificados como confissões e catecismos, é importante recordar que, via de regra, os catecismos são também confissões de fé.  A distinção é formal, já que os catecismos são simplesmente “declarações de fé escritas na forma de perguntas e respostas que na época da Reforma freqüentemente serviram aos mesmos propósitos que as confissões formais”.[2]


O ramo reformado ou calvinista do protestantismo foi pródigo na produção de tais documentos, particularmente no período decorrido entre o primeiro catecismo de João Calvino, Instrução na Fé (1537), e os catecismos de Westminster (1648). Uma das mais extraordinárias declarações de fé escritas naquele período foi o famoso Catecismo de Heidelberg, também conhecido como o Heidelberger – o mais importante documento confessional da Igreja Reformada Alemã.


O objetivo deste estudo é refletir sobre a singularidade desse documento, tanto no que diz respeito às circunstâncias históricas que levaram à sua elaboração, quanto no que se refere à natureza excepcional do seu conteúdo e da sua contribuição à igreja.  Conforme destacou o teólogo Karl Barth, o Catecismo de Heidelberg resultou das necessidades imediatas da vida de uma igreja específica.[3] Ao final, todavia, ele tornou-se a mais amplamente aceita das confissões de fé protestantes. As próximas seções irão abordar os antecedentes históricos do catecismo, os dois homens associados mais de perto à sua preparação, suas principais características e a sua influência duradoura.

 

                         Reforma no Palatinado

                                      Palatinado

 Surgida às margens do Rio Neckar, a cidade de Heidelberg era então a capital do território chamado de Baixo Palatinado. Junto com suas regiões superiores, o Palatinado (Pfalz, em alemão) era um dos mais importantes territórios do Sacro Império Romano.

O governador do Palatinado, também chamado de Conde ou mais comumente de Eleitor, era um dos sete eleitores que tinham a responsabilidade de escolher, quando fosse necessário, um novo imperador. Além disso, o Eleitor do Palatinado servia como imperador interino, ou comissário imperial, no caso de haver vacância no cargo imperial devido à morte ou outra circunstância trágica.

É bastante dizer que a cidade de Heidelberg não era apenas uma cidade proeminente dentro do Palatinado, mas dado o peso das responsabilidades de seu Eleitor dentro do Sacro Império Romano, sua influência sobrepujou em muito ao seu tamanho.

Fica claro, então, que o Catecismo de Heidelberg nasceu em uma cidade que era não só bela, mas igualmente importante.

Reforma religiosa

Embora o Catecismo de Heidelberg só tenha sido escrito em 1563, uma reforma espiritual estava ocorrendo dentro do Palatinado muitos anos antes. De fato, o que começou com Martinho Lutero pregando as 95 Teses na porta da igreja de Wittenberg em 31 de outubro de 1517, muito em breve apareceria em Heidelberg. Em abril de 1518 Lutero viajou a Heidelberg para um debate, ou disputa, no encontro anual dos monges agostinianos. Ali apresentou as Teses de Heidelberg, quarenta delas no total, que clamavam por um claro e consistente foco na cruz de Cristo como o único meio de salvação.

As Teses de Heidelberg defendidas por Lutero aparentemente não tiveram muito efeito imediato sobre a cidade ou seus cidadãos. Talvez isso se devesse, em grande medida, ao fato de que o Eleitor da época, Ludwig V (1478-1544), não tivesse qualquer compromisso com a reforma espiritual em seu território. Ele estava mais interessado em caçar e fazer política do que em doutrina e vida santificada.

Contudo, durante os anos de 1520, alguns líderes de pensamento reformado subiram ao poder. Heidelberg era uma cidade universitária, e algumas das faculdades da Universidade de Heidelberg começaram a ensinar a partir de uma perspectiva protestante. Além disso, Wenzel Strauss, um dos pregadores da igreja principal, a Heiliggestkirche, não temia pregar a salvação pela fé somente em Cristo. Ele se tornou conhecido popularmente como “a trombeta evangélica”. Heinrich Stoll foi outro pregador em Heidelberg que não temia clamar, e agir por reforma.

Frederico II, que sucedeu o Eleitor Ludwig V, foi bem mais aberto à Reforma. Em 1546 ele chegou a promover várias reformas religiosas no Palatinado. Contudo, mesmo sendo um homem influente, ele não era nem de longe tão poderoso quanto o próprio imperador, Carlos V, um católico romano fervoroso. Especialmente após uma aliança dos príncipes protestantes, chamada Liga de Esmalcalda (Schmalkaldic Bund, em alemão), perder uma batalha contra o exército imperial, Carlos V garantiu que a Reforma seria reprimida, tanto no Palatinado como em qualquer outra parte. Em 1548 ele promulgou a Dieta de Augsburgo que basicamente exigia que todos os territórios sob o seu domínio retornassem aos ensinos e práticas de Roma.

 

Embora a Dieta tenha sido um revés para a Reforma, certamente não a deteve. A resistência culminou na Paz de Augsburgo (1555). Esse decreto permitia que cada príncipe local decidisse qual o posicionamento religioso de sua região. Essa política foi resumida na expressão latina, cuius regio, eius religio (tal príncipe, tal crença).

No ano seguinte, em 1556, Eleitor Frederico II foi sucedido por Oto Henrique (Ottheinrich), que apoiou fortemente a Reforma. Ele não somente implementou um novo governo da igreja e promoveu o uso do Catecismo de Württemberg para a educação, como também enviou um grupo para visitar as igrejas em todas as congregações locais para determinar qual o estado real e espiritual de seu território. Os resultados que ele obteve não foram encorajadores. Os ministros não eram bem treinados; as igrejas não estavam sendo alimentadas; as superstições e tradições eram mais proeminentes do que o conhecimento da Escritura e um viver santo. Eleitor Oto Henrique estava ansioso para mudar tudo isto, e começou bem, mas seus nobres esforços foram detidos quando morreu três anos após se tornar Eleitor. Ele foi sucedido por seu sobrinho, Frederico III, que continuou o que seu tio havia começado.

 

Reforma educacional

 

No século dezesseis ocorreram mudanças significativas, não somente nas igrejas, mas também nas escolas. Por muito tempo, a educação formal foi predominantemente um privilégio dos ricos. O ensino nessas escolas era feito em latim. Contudo, ao longo do século XVI houve uma crescente conscientização de que a educação não deveria estar restrita somente ao latim, nem tampouco aos ricos. Muitas escolas alemãs foram criadas, como resultado disto. Em tais escolas, meninos e meninas tinham três componentes principais no currículo: leitura, escrita, e... catecismo!

Considerando a reforma religiosa e educacional que estava ocorrendo no Palatinado, não é de surpreender que houvesse uma demanda por um bom e sólido catecismo. Tal catecismo poderia unificar e solidificar a reforma religiosa, enquanto ao mesmo tempo preenchia uma necessidade básica dentro do currículo ensinado aos jovens cidadãos — e futuros líderes — do Palatinado.

]

http://www.heidelberg-catechism.com/pt/history/?s=26#sthash.kVL6P2PX.dpuf

 

A controvérsia sobre a Ceia do Senhor

Como mencionado na seção anterior sobre a reforma no Palatinado, Frederico III (1515-1576) sucedeu a seu tio Oto Henrique, que não tivera filhos. Ele assumiu o cargo em 1559 e, nem bem começara, teve de lidar com uma tremenda controvérsia.

A discordância foi sobre a doutrina da Ceia do Senhor. De um lado da disputa estava Tilemann Heshusius. Ele era professor na Universidade de Heidelberg, e também serviu como pregador na igreja principal de Heidelberg, a Heiliggeistkirche. Esse homem era um ferrenho defensor da visão luterana da Ceia. Isso significava que ele insistia que Cristo estava presente de forma real e física quando o sacramento era celebrado. Do outro lado estava Wilhelm Klebitz. Ele era estudante na Universidade e diácono na igreja. Klebitz defendia uma visão mais reformada da Ceia do Senhor. Ele sustentava que os crentes tinham comunhão real, espiritual com Cristo, o qual com certeza estava presente espiritualmente, mas não fisicamente. A disputa entre esses dois homens se tornou tão acirrada e pública que era até mesmo abordada de púlpito. Em certo ponto, Frederico III decidiu que, para a paz e o bem-estar da igreja, este embate entre esses dois homens tinha de parar. Ele agiu decisivamente e dispensou ambos, mandando-os que encontrassem outro lugar para viver.
Após Frederico III despedir Heshusius e Klebitz, as coisas se acalmaram um pouco em Heidelberg. Contudo, com a partida de Heshusius, duas vagas importantes precisavam ser preenchidas. A Universidade precisava de um novo professor de teologia. E a igreja precisava de outro pregador. O primeiro homem que Frederico III recrutou para preencher essas lacunas foi Gaspar Oleniano. Durante um tempo, ele ensinou na Universidade, mas logo se estabeleceu em sua nova atribuição como pregador naHeiliggeistkirche. Pouco depois, Zacarias Ursino também veio a Heidelberg a pedido de Frederico III. Ele foi aquele que assumiu o papel de ensinar teologia na Universidade. A chegada desses dois homens preparou o palco para a escrita do Catecismo de Heidelberg, mas é importante entender que o homem que realmente pôs as coisas em movimento não foi o pregador ou o professor, mas o próprio Eleitor Frederico III. Ele viu a necessidade de um novo catecismo, e cuidou para que fosse produzido.
Eleitor Frederico III encomenda um novo catecismo
Uma vez completo o Catecismo de Heidelberg, Frederico III incluiu seu próprio prefácio ao documento. Esse prefácio traz esclarecimentos interessantes sobre o porquê ele estava tão interessado em ter um catecismo de qualidade superior para seu território. Nesse prefácio, o Eleitor salienta o seguinte:

  • Oficiais do governo não só têm o dever de manter a paz e boa ordem em seu território, mas “também e acima de tudo, constantemente admoestar e conduzi-lo ao devoto conhecimento e temor do Todo-Poderoso e da sua santa palavra de salvação”.
  • Embora seus predecessores houvessem plantado as sementes da reforma no Palatinado, tais esforços nunca resultaram na colheita espiritual abundante que muitos estavam esperando.
  • Uma das principais razões para os parcos resultados estava na insuficiente atenção dedicada à juventude que estava “descuidada em relação à doutrina cristã”, “inteiramente sem instrução cristã”, “ensinada de forma não sistemática”, ou “paralisada por questões desnecessárias e irrelevantes” — em muitos casos, esses quatro aspectos se aplicavam.

Portanto, a fim de resolver o problema acima referido — que, certamente, não se restringia aos jovens — Eleitor Frederico III delegou poderes para “a preparação de um curso sumário de instrução ou catecismo de nossa religião cristã, de acordo com a palavra de Deus”.
Esse novo catecismo deveria ser usado em “igrejas e escolas” por “pastores e professores”. Desse modo, haveria ensino consistente, ao invés de professores e pregadores que “adotavam mudanças diárias, ou introduziam doutrinas errôneas”.
Assim, tendo no coração a juventude de sua cidade e o futuro da igreja de Cristo, Eleitor Frederico III encomendou a feitura do Catecismo de Heidelberg. Com este ato expressou a esperança de que “se nossa juventude for, no início da vida, fervorosamente instruída e educada na Palavra de Deus, dela irá agradar-se o Deus Todo-Poderoso e conceder reforma da moral pública e privada, e bem-estar temporal e eterno”.
——————

Nota: Todas as citações desta página foram extraídas da tradução inglesa do prefácio original, tal como encontrado em Richards, G. W. The Heidelberg Catechism: Historical and Doctrinal Studies (Filadélfia, 1913), p. 182-199

                          ORIGEM E HISTORIA 

                      A controvérsia sobre a Ceia do Senhor


Como mencionado na seção anterior sobre a reforma no Palatinado, Frederico III (1515-1576) sucedeu a seu tio Oto Henrique, que não tivera filhos. Ele assumiu o cargo em 1559 e, nem bem começara, teve de lidar com uma tremenda controvérsia.

A discordância foi sobre a doutrina da Ceia do Senhor. De um lado da disputa estava Tilemann Heshusius. Ele era professor na Universidade de Heidelberg, e também serviu como pregador na igreja principal de Heidelberg, a Heiliggeistkirche. Esse homem era um ferrenho defensor da visão luterana da Ceia. Isso significava que ele insistia que Cristo estava presente de forma real e física quando o sacramento era celebrado. Do outro lado estava Wilhelm Klebitz. Ele era estudante na Universidade e diácono na igreja. Klebitz defendia uma visão mais reformada da Ceia do Senhor. Ele sustentava que os crentes tinham comunhão real, espiritual com Cristo, o qual com certeza estava presente espiritualmente, mas não fisicamente. A disputa entre esses dois homens se tornou tão acirrada e pública que era até mesmo abordada de púlpito. Em certo ponto, Frederico III decidiu que, para a paz e o bem-estar da igreja, este embate entre esses dois homens tinha de parar. Ele agiu decisivamente e dispensou ambos, mandando-os que encontrassem outro lugar para viver.
Após Frederico III despedir Heshusius e Klebitz, as coisas se acalmaram um pouco em Heidelberg. Contudo, com a partida de Heshusius, duas vagas importantes precisavam ser preenchidas. A Universidade precisava de um novo professor de teologia. E a igreja precisava de outro pregador. O primeiro homem que Frederico III recrutou para preencher essas lacunas foi Gaspar Oleniano. Durante um tempo, ele ensinou na Universidade, mas logo se estabeleceu em sua nova atribuição como pregador naHeiliggeistkirche. Pouco depois, Zacarias Ursino também veio a Heidelberg a pedido de Frederico III. Ele foi aquele que assumiu o papel de ensinar teologia na Universidade. A chegada desses dois homens preparou o palco para a escrita do Catecismo de Heidelberg, mas é importante entender que o homem que realmente pôs as coisas em movimento não foi o pregador ou o professor, mas o próprio Eleitor Frederico III. Ele viu a necessidade de um novo catecismo, e cuidou para que fosse produzido.
Eleitor Frederico III encomenda um novo catecismo
Uma vez completo o Catecismo de Heidelberg, Frederico III incluiu seu próprio prefácio ao documento. Esse prefácio traz esclarecimentos interessantes sobre o porquê ele estava tão interessado em ter um catecismo de qualidade superior para seu território. Nesse prefácio, o Eleitor salienta o seguinte:

  • Oficiais do governo não só têm o dever de manter a paz e boa ordem em seu território, mas “também e acima de tudo, constantemente admoestar e conduzi-lo ao devoto conhecimento e temor do Todo-Poderoso e da sua santa palavra de salvação”.
  • Embora seus predecessores houvessem plantado as sementes da reforma no Palatinado, tais esforços nunca resultaram na colheita espiritual abundante que muitos estavam esperando.
  • Uma das principais razões para os parcos resultados estava na insuficiente atenção dedicada à juventude que estava “descuidada em relação à doutrina cristã”, “inteiramente sem instrução cristã”, “ensinada de forma não sistemática”, ou “paralisada por questões desnecessárias e irrelevantes” — em muitos casos, esses quatro aspectos se aplicavam.

Portanto, a fim de resolver o problema acima referido — que, certamente, não se restringia aos jovens — Eleitor Frederico III delegou poderes para “a preparação de um curso sumário de instrução ou catecismo de nossa religião cristã, de acordo com a palavra de Deus”.
Esse novo catecismo deveria ser usado em “igrejas e escolas” por “pastores e professores”. Desse modo, haveria ensino consistente, ao invés de professores e pregadores que “adotavam mudanças diárias, ou introduziam doutrinas errôneas”.
Assim, tendo no coração a juventude de sua cidade e o futuro da igreja de Cristo, Eleitor Frederico III encomendou a feitura do Catecismo de Heidelberg. Com este ato expressou a esperança de que “se nossa juventude for, no início da vida, fervorosamente instruída e educada na Palavra de Deus, dela irá agradar-se o Deus Todo-Poderoso e conceder reforma da moral pública e privada, e bem-estar temporal e eterno”.
——————

Nota: Todas as citações desta página foram extraídas da tradução inglesa do prefácio original, tal como encontrado em Richards, G. W. The Heidelberg Catechism: Historical and Doctrinal Studies (Filadélfia, 1913), p. 182-199.

fonte www.heidelberg-catechism.com


1. Contexto Histórico


Foi especialmente na década de 1560 que o protestantismo reformado penetrou na região da Renânia.[4] Enquanto o luteranismo debatia-se com divisões internas, a tradição reformada suíça fez avanços em estados anteriormente luteranos. Os líderes do movimento eram alemães que haviam sido inspirados por Zurique e Genebra, mas que estabeleceram os seus próprios padrões. Para alguns, esse era o próximo passo a partir do filipismo (luteranismo moderado), em direção a uma ampla reestruturação do culto e da disciplina.  O movimento reformado ou reforma suíça algumas vezes tem sido denominado “a segunda reforma”.[5]


Nas cidades-estados do Baixo Reno, o movimento teve início através de pressões de comunidades. Ainda na década de 1540, refugiados holandeses começaram a chegar ao Baixo Reno e esse influxo de imigrantes tornar-se-ia gigantesco após a repressão promovida pelo Duque de Alba nos Países Baixos em 1567. Em outras áreas, as mudanças religiosas foram promovidas pelos governantes. A reforma de Estrasburgo, sob a liderança de Martin Butzer, ou Bucer (1491-1551), já havia manifestado algumas características reformadas. João Calvino havia trabalhado ali por três anos (1538-1541) e era conhecido de muitos naquela região. Na década de 1550, Estrasburgo veio a tornar-se fortemente luterana e anticalvinista.


O Palatinado Renano ou Baixo Palatinado foi o primeiro e o mais importante estado a envolver-se com o novo movimento. Lutero havia visitado Heidelberg em 1518; naquela época, Bucer, então um jovem dominicano, abraçara a causa protestante. Heidelberg adotou o luteranismo sob Frederico II em 1545-1546. Todavia, durante a maior parte dos vinte anos seguintes uma série de conflitos manteve a vida da cidade em turbulência.[6]


Sob o eleitor Oto Henrique (1556-1559), o Baixo Palatinado adotou um luteranismo moderado que tolerava o zuinglianismo e o calvinismo. Todavia, no final da década de 1550 houve um grave conflito na Universidade de Heidelberg, no qual luteranos extremados atacaram aqueles de convicção melanchtoniana e reformada e introduziram formas de culto vistas pelos seus oponentes como idolátricas. A intolerância anticalvinista desagradou Oto Henrique e seu sucessor Frederico III, o Piedoso (1559-1576).


O eleitor Frederico ficou particularmente incomodado com uma amarga controvérsia a respeito da Ceia do Senhor ocorrida em 1560. Um pastor luterano e um diácono calvinista discutiram violentamente diante dos cidadãos reunidos para uma celebração dominical da Ceia do Senhor. Frederico baniu os dois antagonistas e tentou achar um caminho melhor.  Ele era um homem sinceramente religioso e inteligente que havia sido convertido ao luteranismo através da esposa. O príncipe eleitor procurou familiarizar-se com os pontos controvertidos de culto e doutrina.  Seu desprazer em relação a cerimônias elaboradas fizeram-no inclinar-se em direção ao calvinismo. Era cada vez mais difícil manter o luteranismo liberal do seu predecessor, agora que Melanchton estava morto (abril de 1560) e outros príncipes alemães estavam apoiando o partido radical.


Depois de um debate de cinco dias realizado em Heidelberg (junho de 1560), no qual as doutrinas calvinistas foram apresentadas de maneira convincente, Frederico começou a tomar providências no sentido de adotar o calvinismo. Em agosto, os religiosos que não quiseram aceitar a confissão Augustana Variata (1541) tiveram de retirar-se. Em janeiro de 1561, uma conferência de príncipes realizada em Naumburg separou luteranos e calvinistas de modo ainda mais dramático, e o eleitor passou a promover o calvinismo nos seus domínios. Na realidade, tratava-se de um calvinismo marcado por um espírito melanchtoniano.[7]


Frederico precisava de teólogos que pudessem trabalhar juntos. Ele encontrou uma dupla notável em Zacarias Ursino e Gaspar Oleviano, talentosos teólogos de orientação suíça, ambos com menos de 30 anos. Ursino foi nomeado professor de teologia – ele havia iniciado os seus estudos teológicos com Melanchton, mas também estudara pessoalmente com Calvino. Oleviano era um protestante reformado francês que também havia estudado com Calvino e apreciava os escritos de Melanchton. Ele tornou-se o pastor da principal igreja de Heidelberg.

Noll observa que “juntos eles formaram uma equipe de rara compatibilidade... Ambos estavam ansiosos em trabalharem juntos a fim de apresentarem uma frente protestante comum. E ambos tinham o dom de discernimento pastoral”.[8] Seus nomes ficariam permanentemente associados ao produto mais influente do movimento reformado alemão – o Catecismo de Heidelberg –, publicado no dia 19 de janeiro de 1563.


2. Os Colaboradores


2.1. Zacarias Ursino

Zacarias Baer ou Ursinus (1534-1583) nasceu na cidade silésia de Breslau (hoje na Polônia). Seu pai era um homem de recursos modestos, mas Zacarias teve uma excelente educação preparatória graças às suas conexões e ao apoio de um benfeitor – Dr. João Crato, o médico da família. Na sua juventude, Ursino foi grandemente influenciado pelo seu pastor, Miobano, um luterano com tendências calvinistas. Ursino passou quase sete anos em Wittenberg (1550-1557) sob a orientação de Filipe Melanchton, ao qual se apegara fortemente. Ali ele estudou lógica, dialética e teologia.


Quando Melanchton foi para a conferência de Worms (1557), levou Ursino consigo.  Ao terminar a conferência, Ursino passou dez dias em Heidelberg com o eleitor Oto Henrique. Em 1557-1558 ele foi para a Suíça e a França numa viagem de estudos, e visitou todas as figuras conhecidas que pôde, inclusive Calvino. Logo após regressar para Wittenberg, foi chamado para ensinar na sua cidade natal, mas teve de partir em abril de 1560 durante uma controvérsia a respeito da Ceia do Senhor. Foi então para Zurique, onde o reformador italiano Pedro Mártir Vermigli (1491-1562) o conduziu ao calvinismo explícito.


“Com a idade de vinte e sete anos, Ursino era um estudioso altamente preparado, apreciador dos clássicos e da poesia, e familiarizado com todo o campo da teologia”.[9] Ele foi para Heidelberg em setembro de 1561. Com a reação luterana que se seguiu à morte de Frederico III, mudou-se para Neustadt, onde passou os últimos cinco anos da sua vida, ensinando na escola fundada por João Casimir.


À semelhança de Calvino, Ursino era um estudioso retraído que tinha a modesta ambição de levar uma vida tranqüila; porém, a sua posição em Heidelberg tornou isto impossível.[10] O conselho afixado à sua porta em Neustadt é bastante revelador da sua personalidade: “Meu amigo, seja você quem for, torne a sua visita breve, vá embora, ou ajude-me no meu trabalho”.[11]

Ursino sempre afirmou que pertencia à igreja evangélica. Derk Visser observa que “ele não pode ser categorizado como pertencente a nenhuma escola ou movimento que não seja a igreja evangélica”.[12] Ele esteve sempre ansioso por encontrar fórmulas conciliatórias e lutou sinceramente pela paz teológica.


Zacarias Ursino escreveu ou editou algumas das obras mais fundamentais da Igreja Reformada Alemã. A exposição mais sistemática da sua teologia pode ser encontrada no seu comentário sobre o Catecismo de Heidelberg. Peter Lillback argumenta que outra importante contribuição feita por ele à teologia reformada foi “a primeira apresentação claramente articulada do pacto das obras, que Ursino denominou o ‘pacto da criação’ ou o ‘pacto da natureza’”.[13]

2.2. Gaspar Oleviano
Kaspar von Olewig ou Olevianus (1536-1587) nasceu em Treves, na fronteira de Luxemburgo. Seu pai era o chefe da associação de padeiros da cidade. O jovem Oleviano freqüentou escolas católicas. Aos 14 anos foi para Paris e mais tarde, à semelhança de Calvino, estudou direito em Orléans e Bourges (1550-1557). Quando estava em Bourges, conheceu o futuro eleitor Frederico ao tentar inutilmente salvar o filho deste quando o mesmo se afogava em um rio. Durante aqueles anos, Oleviano foi influenciado por estudantes huguenotes e tornou-se um calvinista.[14]

Após a sua formatura, estudou com vários líderes protestantes na Suíça (Pedro Mártir, Beza e Calvino) e foi incentivado a voltar para Treves. Não havia nenhuma igreja protestante na cidade. Oleviano lecionou por um ano e meio na academia local e em agosto de 1560 pregou um sermão eletrizante no qual atacou a missa, o culto dos santos, procissões e outras práticas católicas. Suplicou ao povo que observasse os ensinamentos das Escrituras. Dois meses depois, foi preso juntamente com o prefeito e outras pessoas que o apoiaram.

Frederico imediatamente enviou embaixadores a Treves e obteve a sua soltura. Oleviano foi para Heidelberg no dia 22 de dezembro de 1560 e tornou-se pastor da Igreja de S. Pedro, bem como professor na escola de teologia. McNeill comenta: “Ele era dois anos mais moço que Ursino, mais eloqüente e menos erudito”.[15]

3. O Catecismo

Ursino e Oleviano trabalharam no Colégio da Sabedoria, a escola de teologia criada por Frederico. Oleviano atuou principalmente como pregador e Ursino como professor. Frederico III queria um catecismo conciliador que pudesse combinar o melhor da sabedoria luterana e reformada e servisse para instruir as pessoas comuns nos elementos básicos da fé cristã.[16] Anteriormente, ele havia buscado o conselho de Melanchton, que recomendou um documento baseado na simplicidade bíblica, moderação e paz, advertindo contra as sutilezas escolásticas.

A exata autoria do Catecismo de Heidelberg é uma questão controvertida. Joseph H. Hall declara que Ursino tornou-se a sua principal “fonte”, juntamente com Oleviano, mas “a verdadeira autoria do Catecismo de Heidelberg permanece inconclusiva”.[17] Barth vai além e diz que “o catecismo não é obra de um autor; é obra de uma comunidade”.[18] No entanto, ele admite que os dois teólogos tiveram uma participação decisiva no projeto.

Com respeito a Oleviano, Lyle Bierma observa que a historiografia dos últimos 350 anos o tem associado a pelo menos duas fases da obra: a preparação dos esboços iniciais e a redação final da primeira edição alemã.[19] Ele mesmo acredita que o papel de Oleviano foi o de um redator intermediário – ele teria preparado um esboço do texto alemão baseado em grande parte na Catechesis Minor de Ursino (1562), que então apresentou a um grupo maior de teólogos e pastores para a elaboração final.[20]

O catecismo foi publicado inicialmente sob o título Catecismo ou Instrução Cristã como tem sido transmitida nas Igrejas e Escolas do Palatinado Eleitoral.[21] Foram evitadas questões controvertidas quanto à Ceia do Senhor e o conceito calvinista da predestinação foi apresentado de uma forma mais moderada.

Uma edição latina publicada em 1563 foi usada como base para várias traduções para o inglês. O Catecismo Palatino, como veio a ser chamado, teve ampla aceitação na Escócia.  A sua aprovação pelo Sínodo de Dort (1618) aumentou grandemente a sua autoridade.

4. A Recepção do Catecismo

O novo documento confessional rapidamente obteve aceitação formal em virtualmente todas as igrejas calvinistas. Noll observa que “ele tornou-se imediatamente popular naquelas partes da Alemanha que se inclinavam na direção reformada e até mesmo alcançou algum sucesso em áreas luteranas, durante as duas décadas seguintes...”[22]

Frederico resistiu a todas as pressões de outros príncipes e do imperador Maximiliano no sentido de repudiar o catecismo. Em maio de 1566, ele foi convocado a explicar-se diante da dieta imperial reunida em Augsburgo, sob a acusação de ser um violador do Tratado de Augsburgo (1555). Em virtude de sua defesa eloqüente e convincente, nenhuma ação punitiva foi tomada e ele passou a organizar mais plenamente a igreja palatina, a fim de dar-lhe segurança e estabilidade.

O próximo eleitor, Luís VII (1576-1583), filho de Frederico, resolveu abolir a Igreja Reformada e restaurar o luteranismo estrito. Cerca de 600 pastores e professores foram expulsos, entre os quais Oleviano, que foi para Nassau-Dillenburg, e Ursino, que refugiou-se na corte do eleitor João Casimir. Casimir sucedeu ao seu irmão e restaurou o calvinismo.  Mais tarde, Frederico IV (1592-1610) continuaria a favorecer a Igreja Reformada e a fortalecer a sua organização.[23]

A importância do Catecismo de Heidelberg como um guia para a vida cristã é evidenciada pelas suas muitas edições e traduções. Somente nas últimas décadas do século XVI quarenta e três edições e traduções vieram à luz. Até 1981, mais de 200 versões já haviam sido identificadas.[24] O catecismo teria uma influência ainda maior na Holanda. Por volta de 1586, os ministros da igreja protestante holandesa precisavam subscrevê-lo como expressão de sua fé e ele tornou-se a base da “pregação catequética” semanal tanto na Holanda quanto na Alemanha.

5. Peculiaridades

O Catecismo de Heidelberg tem sido destacado como a mais bela das confissões de fé produzidas pela Reforma Protestante, a mais generosa e pessoal dentre as exposições do calvinismo. Trata-se de uma confissão constituída de 129 perguntas e respostas, tendo a sua seqüência baseada na Epístola aos Romanos. As duas primeiras perguntas são introdutórias.  A 1ª pergunta, “uma jóia de confissão existencial”,[25] estabelece o teor do documento, e a 2ª pergunta esboça o que vem a seguir: “meu pecado e miséria”, “como sou redimido” e “como devo ser grato”.

O documento tem três divisões principais: a 1ª Parte – “Nosso Pecado e Culpa: A Lei de Deus” (perguntas 3 a 11), é uma confissão da pecaminosidade humana e do desprazer de Deus. A 2ª Parte – “Nossa Redenção e Liberdade: A Graça de Deus em Jesus Cristo” (perguntas 12 a 85), revela o plano de redenção e inclui uma exposição do Credo dos Apóstolos. A 3ª Parte – “Nossa Gratidão e Obediência: Nova Vida através do Espírito Santo” (perguntas 86 a 129), apresenta a gratidão obediente como o fundamento das boas obras e inclui uma exposição dos Dez Mandamentos e da Oração Dominical.  Esta seção vê a vida cristã como a resposta de gratidão do crente às bênçãos de Deus. Constitui-se em um “pequeno clássico da vida devocional”.[26]

Os estudiosos têm destacado algumas outras características que tornam esse documento especialmente notável:

1. O uso do pronome da primeira pessoa, muitas vezes no singular, “confere ao seu testemunho evangélico um tom caloroso e pessoal”.[27] Bons exemplos disso são a pergunta n° 1: “Qual é o teu único consolo, na vida e na morte?” Resposta: “Que eu pertenço – corpo e alma, na vida e na morte – não a mim mesmo, mas ao meu fiel Salvador, Jesus Cristo...”; e a definição de fé encontrada na resposta à pergunta n° 21: “É não somente um conhecimento seguro pelo qual eu aceito como verdadeiro tudo o que Deus nos revelou em sua Palavra, mas também uma confiança plena que o Espírto Santo cria em mim através do evangelho...”

2. É a mais ecumênica dentre as confissões da Reforma, reunindo três correntes do pensamento reformado. Ademais, está isenta de definições dogmáticas e é notavelmente não-sectária.[28] A pergunta 80, sobre a diferença entre a Ceia do Senhor e a Missa, foi inserida pelo eleitor Frederico após a primeira impressão.

3. Possui um caráter inteiramente bíblico; toda a sua estrutura é moldada pela perspectiva bíblica. O catecismo deixa a Escritura falar e não procura substituí-la.

4. Em sua posição teológica, o catecismo é cristão, evangélico e reformado, estando plenamente radicado na tradição dos apóstolos e dos concílios ecumênicos da igreja antiga.[29]

5. O catecismo é um manual de religião prática. Ao invés de levantar problemas especulativos, a fé cristã é apresentada de maneira prática, acentuando-se a sua importância para a vida diária.  Foi concebido para ser ao mesmo tempo um guia para a instrução religiosa das crianças e dos jovens e uma confissão para toda a igreja.[30]

Bela Vassady comenta que o Catecismo de Heidelberg tem cumprido um quádruplo propósito: catequético, teológico, litúrgico e querigmático. “Ele combina de modo feliz a ênfase à necessidade humana de salvação com um testemunho ainda mais forte do triunfo da graça e da glória de Deus em Sua contínua obra de redenção”.[31]

Outros temas importantes são a sua ênfase na bondade e providência de Deus, sua forte preocupação soteriológica e sua insistência numa “interioridade que não se torna em mera subjetividade”.[32] Joseph Hall comenta que “o Catecismo de Heidelberg presta-se a uma pedagogia holística. Ele contém perguntas cognitivas com respostas devocionais.[33] Isso pode ser visto nas perguntas e respostas sobre a Oração Dominical (119-129).

Finalmente, como muitas outras declarações de fé reformadas, o ensino sobre os Dez Mandamentos vem após uma exposição do Credo dos Apóstolos (nas declarações de Lutero é o contrário). Essas posições não são antitéticas, mas apontam para ênfases diferentes: a Lei como parte do alegre serviço do crente a Cristo (ênfase reformada) e como a força que impele o pecador a ele (ênfase luterana).

Conclusão

 Por mais de quatrocentos anos, o Catecismo de Heidelberg tem sido uma fonte de conforto, encorajamento e alimento espiritual para muitas gerações de cristãos em vários continentes. Ele não só tem proporcionado inspiração a homens e mulheres que enfrentam pressões externas e lutas interiores, mas também tem sido um poderoso incentivo ao diálogo e à aceitação mútua entre diferentes grupos e tradições cristãs. Isto se tornou possível, por um lado, graças às circunstâncias peculiares que contribuíram para a sua composição e, por outro lado, devido à maneira feliz com que seus autores expressaram as antigas verdades de um modo que se tornou relevante e significativo para os seus contemporâneos naqueles dias turbulentos. Espera-se que as igrejas reformadas do início do século XXI possam conhecer e utilizar melhor mais esse valioso elemento de sua herança evangélica.

                              Por que ele foi escrito?

O Catecismo de Heidelberg foi primeiramente publicado no território alemão chamado Palatinado em 19 de Janeiro de 1563. Seus dois autores principais foram Zacarias Ursino e Gaspar Oleviano. Contudo, foi um oficial do governo, Eleitor Frederico III, que iniciou o projeto inteiro. Você pode ler mais sobre as circunstâncias que conduziram à publicação do Catecismo na seção História.

 

 

Esse mesmo homem, Eleitor Frederico III, escreveu um prefácio à primeira edição do Catecismo. Esse prefácio nos dá uma boa ideia do por que o Catecismo de Heidelberg foi escrito. É interessante ver que muitas das suas motivações ainda são inteiramente relevantes hoje. Eis um sumário dos principais pontos mencionados por Frederico III.

 

A igreja precisa crescer sempre

 

Frederico III gratamente reconheceu que alguns de seus predecessores trabalharam arduamente para melhorar o entendimento que as pessoas tinham da Bíblia, bem como a aplicação dela na vida diária. Assim, como se costuma dizer, o que era bom poderia ficar ainda melhor. Contudo, a Bíblia é um livro grande, com muitas verdades, algumas das quais reveladas em escritos históricos, outras em textos poéticos e outras ainda em visões. Às vezes é desafiador encaixar todos esses detalhes em um todo coerente. E se alguém não capta a figura maior, como irá perceber os detalhes, e aplicá-los sozinho à sua vida diária? Precisamente aqui é onde o Catecismo ajuda a igreja a avançar. Ele fornece um guia acessível do quadro geral e também mostra aos cristãos como começar a aplicar a Escritura a cada detalhe da vida diária.

 

Os jovens são o futuro da Igreja

 

Quer tenham vivido no século dezesseis ou estejam sentadas no quarto de casa agora mesmo, crianças ainda são crianças, e adolescentes ainda são adolescentes. Por natureza, eles não se inclinam a apanhar a Palavra de Deus e lê-la de capa a capa. Mas, ao mesmo tempo, se eles não aprenderem bem o Evangelho da Salvação, o futuro da igreja começará a parecer bem tenebroso, não é mesmo? O Catecismo é especialmente dirigido aos jovens. Ele fala num nível que eles podem compreender. Faz perguntas para as quais desejam respostas. Usar o Catecismo com a juventude da igreja trará abundância de frutos de justiça para as gerações vindouras.

 

Os pastores nem sempre são coerentes uns com os outros

 

Muitos pregadores são trabalhadores ardorosos e sinceros que merecem o nosso respeito (1Tm 5.17). Eles dão o melhor de si para explicar a Palavra de Deus à congregação. Contudo, sejamos sinceros, cada pastor tem suas doutrinas favoritas sobre as quais adora falar. E pode acabar pulando outras doutrinas, ainda que sem intenção. Além disso, um pastor pode explicar o significado da morte de Cristo de um jeito, enquanto o pastor de outra congregação o fará de modo diferente. Algumas vezes as duas abordagens são harmoniosas, mas outras vezes causam confusão. Os pregadores não têm de ser cópias mimeografadas uns dos outros, mas a coerência entre eles é um bom caminho para o fortalecimento da igreja. O Catecismo foi escrito para encorajar a pregação e o ensino com coerência e consistência entre os pastores.

 

Crentes curiosos às vezes se prendem a questões irrelevantes

 

Falando de modo geral, a curiosidade é algo bom. É questionando que se aprende. No entanto, há outro lado dessa moeda. Às vezes os cristãos enredam-se em questões para as quais não há uma resposta na Bíblia. Ou o assunto em discussão é realmente trivial quando se contempla o esquema maior. O que Deus estava fazendo antes de criar o mundo? Os anjos têm duas ou seis asas? O Catecismo nos ensina a fazer perguntas genuinamente importantes. De fato, muitas das questões feitas no Catecismo têm significado não só para esta vida, mas para a vida eterna. Aprender a fazer perguntas realmente proveitosas é outra forte razão para usar o Catecismo.

 

Reconhecer heresias é muitas vezes mais difícil do que se pensa

 

Muitos heréticos soam surpreendentemente ortodoxos. Citam a Deus Pai, Filho, e Espírito Santo. Proclamam a morte de Cristo na cruz, e chamam as pessoas a que confiem no eterno Filho de Deus. Contudo, como os bereianos (At 17.11), somos chamados a comparar todo e qualquer ensino com os padrões inspirados da Santa Palavra de Deus. Mas quem tem tempo para fazer isso de modo consistente? Quem tem conhecimento suficiente da Bíblia na ponta dos dedos para discernir a verdade do erro, de modo eficiente e preciso? Certamente, qualquer ajuda que possamos obter para identificar heresias é mais do que bem-vinda. E essa é outra coisa que o Catecismo tem a oferecer. Não podemos fugir da tarefa de apontar erros, e de nos afastarmos deles, para nosso próprio bem-estar espiritual.

 

Esses são alguns dos motivos principais que o Eleitor Frederico III tinha no coração quando encomendou a publicação do Catecismo de Heidelberg. Se desejar ler por si mesmo o prefácio inteiro, esse é um dos recursos disponíveis neste site. Basta clicar aqui.

 

Esperamos que você perceba que as razões de Frederico III para ter um catecismo ainda são relevantes para a igreja hoje. Se o povo de Deus necessitava de um resumo fiel da Escritura lá no século dezesseis, nós ainda precisamos disto no século vinte e um — talvez ainda mais urgentemente.

 

 

 http://www.heidelberg-catechism.com