Translate this Page

Rating: 3.0/5 (908 votos)



ONLINE
8




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


teologia sistamatica eclesiologia n.3
teologia sistamatica eclesiologia n.3

                                                                  ECLESIOLOGIA N.3                  

  

Sinônimos

I. A palavra Igreja. -

 

1. A origem da palavra é incerta. Nas línguas germânicas e eslavas é encontrado da seguinte forma: anglo-saxão, cyrica, circ, seguintes derivações foram atribuídos à palavra: (1) Heb. קַרְיָה eקָרָא ; (2) Teutonic, Koren, karen; (3) Celtic, cyrch ou cylch, cyrchu ou cylchu; (4) Latim, cúria; grego, κυριακόν ( a casa do Senhor, a partir κύριος , Senhor ) . A preponderância de opinião é a favor da última derivação (Gieseler, .. Eclesiastes Hist § 1; Hooker, Eclesiastes Pol.. v 13; Pearson,. Sobre o Creed, Oxf 1820, 1:. 504, e, a principal autoridade, Jacobson, Kirchenrechtliche Versuche, Konigsb 1833., 8vo). Por outro lado, Meyrick, no Dicionário de Smith da Bíblia (em, Apêndice, p. Ci), argumenta longamente contra essa derivação principalmente no solo (1) que os missionários gregos, que deveriam ter levado a Palavra entre as tribos do norte, usados ​​ἐκκλησία , não κυριακόν ; e que utiliza Ulphilas aikklesjo ( Romanos 16:23 et al.); (2) que a Igreja Romana (e as línguas românicas depois) adotou a palavra gregaκκλησία , não κυριακόν , de seus professores gregos. Sua conclusão, depois de deixar a primeira derivação, é que "é difícil dizer o que é para ser substituído. Provavelmente havia alguma palavra que, nos os antigos lugares pagãos da assembléia religiosa, e esta palavra, tendo tomado diferentes formas em diferentes dialetos, foi adotado pelos missionários cristãos. Ele provavelmente estava conectado com o circo Latina, circulus, e com o grego κύκλος , possivelmente também com os galeses cylch, número de cilindros, cynchle, ou caer. Lipsius, que foi o primeiro a rejeitar o recebido tradição, provavelmente estava certo em sua sugestão, ' Credo et um circo Kirck nostrum esse, quia veterum templa instar Circi rotunda "(Epist. anúncio Belgas, Cent. 3 Ep. 44)."

 

. 2 NT usa da palavra Igreja. - A palavra grega κκλησία no Novo Testamento ( Mateus 16:18 ; Mateus 18:17 ; 1 Coríntios 10:32 ; Efésios 1:22 ), o que corresponde ao hebraico קָהָל , עֵדָה , מַקְרָא, é de καλεν , para chamar ( κλσις , uma vocação; κλητοί , chamado), e é prestado por nossa igreja palavra. O significado da palavra seria, portanto, parecem ser, no NT, toda a companhia dos eleitos de Deus, aqueles a quem ele chamou para ser seu povo, sob a nova dispensação, como fez com os israelitas sob o antigo. Esse é o significado de uma das duas instâncias em que Cristo usa a palavra nos Evangelhos: "Sobre esta pedra edificarei a minha igreja " ( Mateus 16:18 ). O outro ( Mateus 18:17 ) refere-se à única congregação. Em vez de κκλησία , Cristo geralmente usado os termos "reino de Deus "," reino dos céus ", ou simplesmente" reino ", ou o teu reino, ou o Filho do reino do homem ( João 3: 3 ; Mateus 06:32 ; ib. 4:23, etc .; ib. 20:21; . ib 13:41; 16:28). A palavra "igreja" é aplicado pela primeira vez por São Lucas para a companhia dos discípulos originais em Jerusalém no dia de Pentecostes ( Atos 2:47 ), e é posteriormente aplicada (nos Atos, Epístolas e Apocalipse) para, 1. O corpo todo cristão ou a sociedade, como os santificados de Deus ( Efésios 5:27 ); 2 O número total dos que professam a religião cristã sob pastores, etc ( 1 Coríntios 00:18 ); 3. sociedades particulares de cristãos em cidades específicas ou províncias, por exemplo, a igreja em Jerusalém ( Atos 8: 1 ); 4. assembléias religiosas dessas sociedades e os lugares em que eles se conheceram, por exemplo, ( Romanos 16: 5 ), "Saudai a igreja que está em sua casa"; etc ( 1 Coríntios 11:18 ; 1 Coríntios 14:19 ; 1 Coríntios 14:28 ).

 

3. usos comuns da palavra Igreja. - O sentido mais comum, em que a palavra igreja é usado é para denotar o corpo dos seguidores de Cristo reconhecidos, ou seu corpo visível.

 

2. Ele também é usado para designar a comunidade de crentes verdadeiros, se conhecido por ser tal ou não. entre os crentes ainda na terra, e ainda lutando com a oposição, e os crentes já glorificado no céu.

 

4. Ele é usado para designar o local de culto cristão.

 

5. Qualquer denominação particular de pessoas cristãs, como a Luterana, ou a Episcopal protestante, ou Methodist Episcopal Church.

 

6. Uma congregação particular de qualquer denominação cristã.

 

7. A instituição religiosa de qualquer nação ou governo em particular, como a Igreja da Inglaterra.

 

8. A soma das várias denominações cristãs em um país, como a Igreja nos Estados Unidos.

 

Estes são os usos comuns da palavra, e é importante, a fim de um entendimento correto de sua força, em qualquer caso, para saber em qual destes sentidos é empregado. Muita confusão pode ser evitada se disputantes sempre indicar claramente em que de todos esses sentidos igualmente admissíveis eles usam a palavra.

 

. II idéia da Igreja. - A religião cristã (subjetivamente considerada) é uma vida divina forjado na alma do crente em Jesus, pelo Espírito Santo, através do qual o homem está unido por meio de Cristo a Deus, caminha diante dele em santidade e finalmente morre em seu favor, e é recebido em sua glória eterna. A relação pessoal encontra-se totalmente entre o indivíduo e Deus. Mas o instinto desta nova vida é para se propagar por difusão, e por essa difusão deve ter organização. Esta organização é encontrada na Igreja, cuja função é fazer com que a religião universal do indivíduo. Além disso, o crente, para a nutrição de sua própria vida espiritual, procura a comunhão com outros crentes; e esta comunhão é fornecido pela Igreja. "A Igreja cristã é uma sociedade religiosa, moral, ligados entre si por uma fé comum em Cristo, e que pretende representar em sua vida unida do Reino de Deus anunciado por Cristo" (Gieseler, Ec. Hist. vol. 1, § 1 ). O cristianismo contém, por um lado, a filosofia divina, que podemos chamar de sua religião, e um sistema de governo divino, que é a sua Igreja "(Arnold, miscell. Works, NY p. 11). A Igreja é a forma ou expressão particular do reino de Deus, a instituição através de cuja agência neste reino espiritual e eterna deve ser efetivada entre os homens. Mas, embora haja elementos de verdade nas declarações já feitas, é ainda mais verdade que. Igreja, sob a dispensação do Espírito Santo, é a forma ou o corpo do cristianismo necessário no mundo.

 

Não que a Igreja é o cristianismo, mais do que o corpo do homem é a sua vida. O objetivo do Cristianismo é a redenção da humanidade; ea Igreja é o meio divinamente constituídos da aplicação comum de redenção para os indivíduos da humanidade. Por isso, é algo bem mais e mais alto do que uma mera forma de sociedade, ou uma organização de mola, como qualquer sociedade meramente humana, dos desejos comuns e simpatias daqueles que se unem para formar-lo. Ele é "o reino ea morada real de Cristo" sobre a terra (Neander). Tem, portanto, uma vida própria, do qual Cristo é a fonte, independente da vida ordinária da ordem da natureza. Cristo, de fato, é a fonte central de vida para ambos os reinos (o reino da natureza e do reino da graça), mas o modo de sua operação vivificante é muito diferente da de um do que é na outra. Mas a visão romanista (e para os gregos e alta Anglicana) assume que a Igreja é uma forma de vida orgânica imposta a sociedade cristã em uma espécie de caminho para fora. A doutrina protestante, por outro lado, é que a Igreja é o crescimento orgânico de inspiração divina da vida cristã; não é, portanto, uma sociedade meramente humana, mas a sociedade de fiéis, constituída pelo Espírito Divino. A visão romanista faz a forma externa da Igreja essencial, e que diz respeito à natureza interna como derivado; a visão protestante que diz respeito à vida interna como a essência ea forma exterior e visível, como derivado, mas ambos como divinamente inspirada e constituído ( João 10:16 ; Mateus 16:18 ; Mateus 18: 15-18 ).

 

1 . The Idea Escrituras. - No NT a Igreja significa "que um corpo místico, do qual Cristo é a única cabeça, e na unidade da qual todos os santos, quer no céu ou na terra, ou em outro lugar, são necessariamente incluídas como partes constituintes. " Para esta Igreja Cristo deu a si mesmo ( Efésios 5:23 ). Esta Igreja, escolheu nele antes da fundação do mundo ( Efésios 1: 4 ; 1 Pedro 1: 2 ), ele a alimenta e sustenta, como a sua própria carne ( Ef 5, 29-30 ). A Igreja é chamada a Casa, a cidade, o Templo de Deus. Para quem vem sois edificados casa espiritual, um templo santo ( 1 Pedro 2: 4-5 ). Este templo espiritual é composto de todo o povo de Deus, e é a sua morada ( 1 Coríntios 03:17 ; 2 Coríntios 6:16 ; Apocalipse 21: 3 ; Apocalipse 22: 14-15 ). A Igreja é uniformemente representada no NT como a empresa do salvo, e eles são mencionados como o corpo de Cristo ( 1 Coríntios 0:27 ), como um só corpo ( Ef 3, 6 ; Efésios 4: 4 ; 1 Coríntios 12 : 13 ; 1 Coríntios 0:20 ). Desse corpo Cristo é o Salvador ( Efésios 5:23 ). Eles também são a sua noiva ( Efésios 5: 31-32 ; Apocalipse 21: 9-10 ), e sua plenitude ( Efésios 1:23 ). Eles são chamados também a luz do mundo ( Mateus 5:14 ), eo sal da terra ( Mateus 5:13 ), como uma indicação de que a Igreja seja a verdadeira fonte de iluminação espiritual e instrumento de salvação para o mundo. Para o trabalho que a Igreja deve realizar para Cristo através do ensino, disciplinando ,. reconfortante, etc, deve ser necessariamente visível, embora todos os seus membros não podem sempre ser conhecido.

 

2. Os Credos e dogmática Definições. - O Credo dos Apóstolos diz, eu acredito "na Santa Igreja Católica, na comunhão dos santos", ao que o Credo Niceno acrescenta apostolicidade. O Catecismo em uso na Igreja grega dá a seguinte definição: "A Igreja é uma comunidade divinamente instituída dos homens, unidos pela fé ortodoxa, a lei de Deus, a hierarquia e os sacramentos" ( Catecismo completa dos ortodoxos, Católica, Igreja do Oriente, Moscou, 1839). Ao falar da unidade da Igreja, Platon diz: "A partir desta unidade da Igreja a todos aqueles que se separaram ou não receber a palavra divina em tudo, ou misturar com ele as suas próprias opiniões absurdas" (ver Bibliotheca Sacra, 21: 827). A Igreja Católica Romana ( Catecismo de Trento ), diz: "A Igreja é una, porque, como diz o apóstolo, não há uma só fé, um só Senhor, um só batismo;" mas, sobretudo, porque tem um governante invisível, Cristo, e uma visível, viz., o ocupante para o momento da cadeira de São Pedro em Roma "..." A Igreja é santa, em primeiro lugar, porque é dedicado a Deus, em segundo lugar, porque a Igreja, que consiste em o bem eo mal misturados, está unida a Cristo, fonte de toda a santidade, em terceiro lugar, porque a Igreja só foi entregue a administração dos sacramentos, através dos quais, como instrumentos eficientes da graça divina, Deus nos torna santos, para que todo aquele que é verdadeiramente santificados devem estar dentro dos limites da Igreja A Igreja é católica ou universal, pois é difundido em todo o mundo, abraçando dentro de seus homens pálidos de todas as nações e condições,. e também porque compreende todos os que acreditaram desde o início, e todos os que hão de crer doravante para o fim dos tempos. A Igreja é chamada apostólica, tanto porque deriva suas doutrinas dos apóstolos, segundo o qual é habilitado para condenar hereges de erro e porque ele é governado por um ministério apostólico, que é o órgão do Espírito de Deus "(Catecismo, Conc. Trid. c. 10, § 1). Belarmino define a Igreja assim: "É uma sociedade de homens unidos por uma profissão da mesma fé cristã, e uma participação dos mesmos sacramentos, sob o governo legítimo de pastores e, principalmente, de um vigário de Cristo na terra, o pontífice romano. " A Igreja Luterana define a Igreja como "uma congregação de santos, em que o Evangelho é puramente pregada e os sacramentos são administrados corretamente" (Confissão de Augsburg, sec. 7). "A soma do que nós aqui professam crer, portanto, esta: Eu acredito que há sobre a terra uma certa comunidade de santos, composto unicamente de pessoas santas, sob uma cabeça, reunidos pelo Espírito; de uma só fé e um só espírito, dotado de múltiplos dons, mas unidos no amor, e sem seitas ou divisões "(Catecismo Maior de Lutero).

 

As Confissões Reformadas. - A Igreja da Inglaterra: "A congregação de fiéis, na qual a pura palavra de Deus é pregada e os sacramentos ser devidamente administrada de acordo com os mandamentos de Cristo em todas as coisas que são de necessidade requisito para o mesmo" . (. art 19) - . A mesma definição é dada pela Igreja Metodista Episcopal - "A Igreja é uma comunidade de crentes e santos, reuniram-se para fora do mundo; cuja distinção é conhecer e adorar, através da Palavra e pelo Espírito, o verdadeiro Deus, em Cristo, nosso Salvador, e pela fé a participar de todas as bênçãos dadas gratuitamente a nós por meio de Cristo. Esses são todos os cidadãos de uma comunidade política, temas do mesmo Senhor sob as mesmas leis, e os destinatários dos mesmas bênçãos espirituais "(Confissão Helvética, 1566). - "A Igreja Católica é a comunidade de todos os verdadeiros crentes, ou seja, aqueles que esperam em Cristo para a salvação, e são santificados pelo seu Espírito Ele não é ligado a qualquer um.. colocar ou limitada a pessoas em particular, os membros sendo dispersos por todo o mundo "(Belg. Confissão, sec. . 27, 29) - ... Scot arte A Confissão Escocesa (Conf 16) define a Igreja "para ser uma sociedade dos eleitos de todas as idades e países, tanto judeus como gregos, esta é a Igreja católica ou universal Aqueles que. são membros dela adorar a Deus em Cristo, e desfrutar de comunhão com ele através do Espírito. Esta Igreja é invisível, conhecida apenas por Deus, o único que sabe quem é seu, e compreende tanto os que partiram no Senhor e os eleitos na terra. " - A Confissão de igrejas poloneses: "Há Igrejas particulares ea Igreja universal a Igreja universal verdade é a comunidade de todos os crentes dispersos por todo o mundo, que são e que permanecem única Igreja católica, desde que eles estão unidos por sujeição a um. Cabeça, Cristo, pela habitação de um espírito e da profissão da mesma fé;. e isto apesar de não estar associada em uma política externa comum, mas, no que diz respeito a comunhão externa e regime eclesiástico, não fique em comunhão uns com os outros " - "A verdadeira Igreja particular distingue-se de um falso pela profissão da verdadeira fé, as administrações livres de mutilações dos sacramentos eo exercício da disciplina" (Declaratio Thoruniensis); - Dr. Gerhart, falando para a igreja reformada alemã da América em sua forma depois de pensamento, sob a influência da chamada teologia Mercersburg, diz: "A Igreja cristã é uma constituição divina-humana no tempo e no espaço: divina como ao seu final terra e da vida interior, e humano quanto à sua forma; trazido à existência pela operação milagrosa do Espírito Santo no dia de Pentecostes, que é enviado por Cristo como o portador de sua vida encarnada e salvação, a fim de continuar e desenvolver nesta vida e salvação, de acordo com a lei do Espírito, na sua qualidade de membro até o final do tempo de forma ininterrupta. Como tal, não é uma coleção de unidades, mas um organismo objetivo que tem um princípio, uma unidade, uma lei, órgãos e recursos de poder e graça, que estão nele e no seu próprio absolutamente "(Bibliotheca Sacra, 1863, p. 53, 54 Veja também Dr. Nevin, em Mercersburg Review, vol. 9 [artigos sobre" Hedge em Efésios "];. vol 10 [" Reflexões sobre a Igreja ", dois artigos]).

 

Essa é a noção da Igreja como apresentado nas grandes símbolos líderes das principais igrejas e por seus homens representativos. O assunto é um cercado de dificuldades, por causa do fracasso sempre a discriminar entre a Igreja visível e invisível, e porque cada denominação, a fim de tornar-se poderoso e prático, deve assumir a forma de uma Igreja, e é, consequentemente, levados a definir a Igreja para se adequar a sua própria posição e história. A distinção entre a Igreja visível e invisível foi reconhecido por Agostinho; em sua controvérsia com os donatistas, que considerou que predicar catolicidade da Igreja, era necessário ele deve ter pureza subjetiva de seus membros, e que, por isso, logo que permitiu que os membros corruptos e indignos, ela deixa de ser católica, manteve, "Muitos, por tomar o sacramento, estão com a Igreja, e que ainda não estão na Igreja." Além disso: "Aqueles que parecem ser da Igreja, e contradizer Cristo, portanto, não demorará muito para que a Igreja, que é chamado o corpo de Cristo" (ver Neander, Christian Dogmas, 2, 395). Que existe uma Igreja visível todas essas Confessions admitir; mas se há ou não ser uma Igreja visível na terra o direito de ser chamado a verdadeira Igreja, e que a única verdadeira Igreja, é a questão em discussão entre os dois. Romanistas e protestantes. Certamente, "se nós julgamos das várias igrejas em que a cristandade se divide por sua conformidade em todos os aspectos de os princípios e normas dos Evangelhos, não podemos permitir que qualquer um deles é a representação perfeita do que o estado ideal em que todos visam, nem, por outro lado, podemos negar totalmente o nome de uma igreja cristã para qualquer um que professa ser construída sobre o Evangelho de Cristo Eles têm tudo muito em comum nesta fé e da vida religiosa, e muito. que os distingue de todas as outras sociedades religiosas, como para nos justificar em considerá-los como um todo, e chamá-los, em um sentido amplo, a igreja cristã? (Gieseler, História da Igreja, vol. 1, § 1).

 

3. Notas, fé e Atributos da Igreja. -

 

(1) As notas da Igreja são os sinais pelos quais a Igreja visível é distinto, e diferem de acordo com os pontos de vista que são realizadas na definição da Igreja.

 

(A) O Catecismo Romano afirma que eles sejam unidade, santidade, catolicidade e apostolicidade ( Cat. Cone. Trid. p. 80, 81). Belarmino atribui, para além destas, a antiguidade, a duração ininterrupta, amplitude, em acordo com a doutrina da Igreja primitiva, santidade da doutrina, a eficácia da doutrina, a glória de milagres, a luz da profecia, a confissão dos adversários, o final infeliz de inimigos da Igreja e felicidade temporal ( Notas do Bellarmino da Igreja examinado e refutado pela eminente Inglês Divines, Lond. 1.840). O "fim infeliz de inimigos da Igreja" e "prosperidade temporal" são rejeitados pelos Tournély, Bailly e, geralmente, pelos teólogos romanistas modernos (ver Palmer, sobre a Igreja, 1:27).

 

(B) A Igreja da Inglaterra não tem nenhuma declaração autorizada para além do seu sexto artigo - a pregação da pura Palavra de Deus e da boa administração dos sacramentos, etc .; mas a boa administração dos sacramentos pelos ministros regularmente autorizados levou a uma diferença de opinião na determinação dessas notas, que se tornou uma grande divergência, de um lado, aderir a uma interpretação livre, em comum com todos os protestantes, eo outro se aproximando para a visão católica romana mais rigorosa. O rigoroso, os chamados, interpretação eclesiástica começa com a inclusão de apostolicidade (Palmer), e estende-se a verdade da doutrina, o uso de meios (assim como sacramentos) instituída por Cristo, a antiguidade sem mudança de doutrina, sucessão legítima, sem mudança de doutrina e universalidade no sentido sucessiva, ou seja, a prevalência da Igreja sucessivamente em todas as nações (Dr. Campo). Esta tendência de visualizações Romanizing culminou no que é, por conveniência, denominado de Alto Igreja, ou partido Sacramentarian, alguns dos quais defendem abertamente a união da Igreja da Inglaterra com a Igreja de Roma ea Igreja grega, a fim de realizar sua nota da unidade visível da Igreja. "É digno de nota", diz Litton ", que toda teoria da Igreja, se professam ser romanista ou não, que ensina que o verdadeiro ser do mesmo reside na sua característica visível, adota instintivamente as notas romanistas, e rejeita a protestante. "

 

(C) Os distintamente ' notas protestantes " - A pregação da pura Palavra de Deus ea administração dos sacramentos - são aplicáveis ​​não o corpo místico de Cristo, mas para a Igreja visível, ou melhor, para as igrejas ou congregações . dos crentes ", diz o protestante, em geral, a igreja (ou parte dele) é lá onde a Palavra e os sacramentos são; e da sociedade em que um é pregado e outro administrado é uma parte legítima do visível Igreja Católica "(Litton, sobre a Igreja, Phila. p. 254)." Alguns formulários, por exemplo, o Scotch Conf. (Art 18.) Adicione o exercício da disciplina "(ibid.), E isso ele faz muito bem, pois se a pureza da doutrina e da vida é para ser mantida, deve ser sempre uma marca de uma verdadeira Igreja que haja disciplina. Mas na medida em que é impossível discernir sempre que estão interiormente pura, e também perfeitamente para impor a disciplina, a Igreja visível será sempre responsável perante a intrusão dos ímpios, e, portanto, não pode pretender ser idêntico com o corpo místico de Cristo, em qualquer um lugar, mas pode pretender ser uma parte dela, tanto quanto em sua doutrina e vida que está em conformidade com as exigências do Evangelho. "Como observa" (os sacramentos eo ministério da Palavra) ", portanto, servem para assegurar-nos da existência desse corpo místico que em si é um objeto não de sentido, mas de fé; pelo qual a acusação feita na antiguidade contra doutrina protestante - que sua igreja invisível é uma ficção da imaginação - é abundantemente refutada "(Litton, p 257.).

 

(2) Faith. - A fé da Igreja é dado, em autoridade, embora não de forma dogmática, na Palavra de Deus. " " A Igreja, como corpo de crentes em Cristo, já existia antes do Novo Testamento foi escrito. Era a Igreja que a Palavra foi dirigida. É pela Igreja que a autenticidade da Palavra tem sido testemunhado desde o início. Mas a Palavra foi dada à Igreja como seu teste e padrão de fé A. ' fé 'foi na Igreja diante da Palavra foi escrita, mas a palavra foi dada para ser a norma da fé, pela qual a Igreja pode e deve, em todas as idades, testar a fé, ou quaisquer modificações ou desenvolvimentos da fé proposto. "

 

A fé da Igreja, elaborado a partir de, e descansando sobre a Palavra de Deus, é expressa em seus credos ou confissões. Em períodos sucessivos, conforme as exigências dos tempos têm exigido, ou que pareciam exigir, suas mentes líderes convocaram, às vezes por civis, às vezes pela autoridade eclesiástica, outras vezes por ambas, nos conselhos gerais, quando, por consenso, o doutrinas da Igreja foram jogados na forma de confissões ou símbolos. Nestes símbolos, os flutuantes, indefinidos, mas crenças atuais da Igreja em geral se cristalizaram e, assim, ter sido transmitido para nós. O primeiro é o Credo dos Apóstolos. Este é universalmente aceite na Igreja, e é da mais alta autoridade. Embora o mais antigo de todos os formulários de crença, não há nenhuma evidência de que os apóstolos compôs tal como está redigido; a melhor explicação é que ele cresceu em forma de confissão comum e geral de fé na Igreja primitiva, até que muito cedo assumiu a forma que agora tem. É o germe de todo o desenvolvimento posterior credo. O próximo é o símbolo Nicaeno-Constantinopolitano, comumente chamado de Credo de Nicéia, que foi o trabalho de dois conselhos ecumênico em 325 e 381 Esta tem sido sempre de grande peso, como principalmente se estabelecer a doutrina da Trindade, e expressa a opinião geral da Igreja até hoje. O símbolo de Calcedônia seguido em 451; e, em seguida, o Credo de Atanásio, chamado após Atanásio, embora seja duvidoso se ele foi o autor. Não houve outras confissões até a Reforma, uma vez que temos os símbolos Luterana (7); Reformada (18); o papal (Canones et Decreta Concilii Tridentini 1545;. Professio fidei Tridentina do Papa Pio IV, etc); confissões da Igreja grega; Confissões Arminianas e Socinian; mas nenhum deles é de autoridade universal, como são os quatro originais da Igreja primitiva.

 

(3) Os atributos da Igreja são a unidade, santidade, catolicidade e apostolicidade. Estes também são explicados de forma diferente, de acordo com a teoria da Igreja mantida. Protestantes geralmente encontrar estes atributos somente na Igreja invisível. Há, evidentemente, uma unidade da fé ( Efésios 4:13 ), uma unidade de amor ( 1 Coríntios 13:13 ), um só espírito ( Efésios 4: 4 ) (. ibid 12), uma esperança, um só corpo ( Romanos 12: 5 ), uma cabeça ( Efésios 4:15 ), e um objeto de adoração ( Efésios 4: 6 ). Que esta unidade está em uma cabeça terreno comum é realizada pelos católicos romanos, mas negou pelos protestantes. Por estes uma unidade espiritual é afirmada a existir, mesmo quando não há uniformidade de governo da Igreja, nem todo acordo de doutrina, nem, na verdade, qualquer ligação interna salvar a da "comunhão dos santos". Santidade é atribuída à Igreja, como expressão da pureza moral de seus membros; eles são abordados no NT como "santos" santificado ", em razão da sua união com Cristo como seu cabeça viva, e que a posse do Espírito Santo, o Santificador ( 1 Coríntios 1: 2 ; 1 Coríntios 6:19 ). Porque a santidade é um trabalho pessoal nos corações dos crentes, como tal, pode ser predicado estritamente só da Igreja invisível, mas deve ser manifestado na vida individual e social da Igreja, a fim de que ela possa cumprir seu original constituição.

 

Catolicidade: foi aplicada pela primeira vez para a Igreja Cristã para designar não apenas a sua universalidade como abrangendo todos os verdadeiros crentes, mas também a unidade daqueles crentes como a excluir todos os hereges. Nos tempos modernos, ele é usado para significar a natureza universalmente difundida da Igreja pela sua presença, sem respeito às fronteiras locais ou nacionais. O romanista afirma que tudo, e só esses, que estão unidos ao pontífice em Roma, pertencem à Igreja Católica; enquanto os protestantes admitem que seja todo o corpo de cristãos, de qualquer comunhão visível que pode ser: daí composto por todas as igrejas de todas as nações ( Marcos 15:15 ; Atos 10: 34-35 ), o mesmo em todos os tempos ( Mateus 28:20 ), e possuía, em razão da presença de sua grande cabeça, dos meios de graça salvadora (ibid .; Efésios 1:22 ). Apostolicidade não se insiste pelos protestantes; quando utilizado, no entanto, por eles, isso significa que a posse pela Igreja da verdadeira doutrina apostólica, espírito e vida; enquanto pelos católicos romanos que significa ter um ministério regularmente e visivelmente sucedendo aos apóstolos.

 

Os atributos (unidade, santidade, catolicidade, perpetuidade) são, sem dúvida, essencial para a verdadeira Igreja, e são atribuídas a ela no Novo Testamento. Mas nem o NT nem o Credo dos Apóstolos definir a Igreja como uma organização visível, mas como a "comunhão dos santos". Esta Igreja sempre existiu; mas nenhuma empresa ou sociedade visível na terra sempre foi dotado com os atributos acima nomeados. Veja este argumento bem indicado na Princeton Review (outubro 1853); comparar Barrow, Sermão da Unidade da Igreja, 3 311 (NY 1845).

 

. III História da Doutrina da Igreja. - Os apóstolos e seus sucessores imediatos foram muito absortos com a obra de pregar o Evangelho a pausa para prescrever a natureza de uma instituição que era certo para crescer na forma como as necessidades do caso necessário. Os próprios apóstolos foram muito sinceramente empregadas no cumprimento do mandamento de Cristo de fazer discípulos de todas as nações, e mangueira directamente segui-los participou também em grande parte de seu espírito, e entendeu também plenamente a sua mente, a ser desviados pela necessidade de explicar o que sabiam é um fato. Por isso "não há definições exatas da Igreja encontram-se anterior ao tempo de Cipriano" (Hagenbach, História das Doutrinas, 1: 193). As definições deste último (Cipriano) fazer uma época na história desta doutrina. A primeira dificuldade surgiu como a unidade da Igreja, em confundir o interior com o exterior. "Irineu mostra os primeiros germes dessa perversão, que foi amadurecido b) y Cipriano" (Neander, Christian Dogmas, vol 1, p 220)... "Assim, o ponto de vista judaico (a teocracia), que a princípio tinha sido superado, fez o seu caminho para a Igreja de outra forma" (ibid.).

 

Irineu diz que a Igreja só contém todas as riquezas da verdade; Clement descreve a Igreja como mãe, tanto como mãe e virgem, como o corpo do Senhor; Orígenes, embora geralmente leve para os hereges, não conhece a salvação fora da Igreja; Tertuliano afirmou que quem separada da ligação com a comunhão externa, que era de origem apostólica, e tinha em sua cabeça as sedes Apostolicae, ao fazê-lo renunciou Cristo, embora depois de entrar Montanistas ele essencialmente mudou de opinião. É inútil, diz Cipriano, o que um homem ensina; é o suficiente para que ele ensina fora da Igreja; onde está o bispo, não é a igreja, etc As raízes da doutrina da igreja extrema devem ser rastreados, assim, mais cedo. A reação, no entanto, logo aconteceu, crescendo fora de um discernimento mais científica da idéia espiritual da Igreja. Clemente chama a Igreja uma comunidade de homens liderados pelo Logos divino, uma cidade invencível na terra, o que nenhuma força pode subjugar, onde a vontade de Deus é feito como no céu. Outros combatido a unidade para fora da Igreja como anti-bíblica. Montanism insistiu em que a unidade é para dentro; considerava o fato interno de possuir o Espírito como o fundamental - não a influência normal dos do espírito em santidade, mas o seu poder extraordinário em dar novas revelações, que foram as fontes de autoridade e de unidade na Igreja. A reação mais longe do separatismo contra a idéia católica ocorreu em Novaciano e seus seguidores. Eles insistiram que a Igreja Católica é essencialmente santo em todos os seus membros, e, portanto, deve excluir da sua comunhão todos os membros indignos, e nunca readmitir-los, sob pena de perder a sua catolicidade. Eles consequentemente retirou, e afirmou ser a Igreja Católica. "O falso idealismo dos gnósticos, e as tendências subjetivas, hereges, cismáticos e de seitas distintas, especialmente dos Montanistas e os seguidores de Novaciano (os puritanos primitivas), formam um contraste marcante com essa unidade externa falsa da Igreja Católica" (Veja Hagenbach E Neander ).

 

"Duas causas contribuíram (no segundo período da história da Igreja) para determinar sobre a Igreja: 1 O triunfo externo da própria Igreja, na sua vitória sobre o paganismo, e sua potência emergente sob a proteção do Estado 2. a vitória. de Augustinism sobre as doutrinas da pelagianos, maniqueístas e donatistas, que de diferentes maneiras ameaçou destruir unidade eclesiástica. Contra os donatistas, Agostinho afirmou que a Igreja consiste na soma total de todos os que são batizados, e que o ( ) santidade ideal da Igreja não é prejudicada pelos elementos impuros externamente ligadas a ele. Os bispos de Roma impressionado sobre este catolicismo o carimbo da hierarchyby papal reivindicando para si o primado de Pedro. Mas, qualquer que seja variante opiniões foram realizadas respeitando o assento ea natureza da verdadeira Igreja, a proposição de que não há salvação fora da Igreja estava firmemente aderido, e realizado em todas as suas consequências "(Hagenbach, vol. 1, p. 352). É, vorthy de nota que, neste período Jovinian ensinou que a Igreja está fundada na fé, esperança e amor. Nesta Igreja, não há nada impuro; cada um é nada de Deus .; ninguém pode invadi-la pela violência ou roubar para ele pelo artifício. "" Como Jovinian ensinou a doutrina paulina da fé, de modo que surgiu a idéia paulina da Igreja invisível, enquanto Agostinho obstruiu sua idéia fundamental similar por uma mistura da Católica idéia da Igreja. "" Aqui, novamente, temos um sinal do elemento protestante em Agostinho "(seu comentário sobre o" Tu és Pedro ")," que toda a consciência religiosa é imediatamente a ser rastreado até Cristo, e que com ele a comunidade de origem, que é chamado a Igreja "(Neander, Christian Dogmas, vol. 2, 397 p., 398).

 

Até o século 14 a hierarquia romana teve comparativamente nenhuma oposição na realização de supremacia no Ocidente toda a sua extensão; neste momento um espírito mais livre começou a mostrar-se. Mesmo do ponto de stand Católica diferença foi agitada respeitando a relação do mutável e imutável no desenvolvimento da Igreja; sobre a posição do papado no que diz respeito à Igreja; se o papa devia ser considerada como seu representante ou chefe soberano; se os conselhos gerais ou o papa ficou mais alto. A Universidade de Paris, com a chanceler Gerson, na sua cabeça, levou sobre esta controvérsia. (Veja GERSON ). "A idéia mística da Igreja e da noção de um sacerdócio universal, que estava intimamente ligado com ele, foi proposta, com mais ou menos rigor de definição, por Hugo de St.Victor, bem como pelos precursores da Reforma, Wycliffe, Matthias de Janow, Huss, John de Wesel, Wessel, e Savonarola "(Hagenbach). Essas tendências foram totalmente desenvolvido na Reforma e nos seus resultados. O mundo religioso ocidental tornou-se dividido na declaração do dogma da Igreja, uma vez que olhou para a questão da salvação. O protestante, sobre a doutrina da justificação pela fé como fundamental, disse que a Igreja é abordado através dela; o romanista, ainda aderir à Igreja como a fonte da vida espiritual, afirmou que a justificação é obtida por meio da Igreja. Os protestantes afirmam que a Igreja consiste na comunhão invisível de todos aqueles que estão unidos por laços de verdadeira fé, que a união ideal é imperfeitamente representadas pela Igreja visível, em que o verdadeiro Evangelho é ensinado e os sacramentos são administrados corretamente; os católicos romanos, que a Igreja é uma sociedade visível de todos os batizados que adotam um determinado credo externo, têm os mesmos sacramentos, e reconhecem o Papa como sua cabeça comum.

 

As recentes controvérsias a respeito da idéia e natureza da Igreja todos giram em torno do um ponto, viz., Se a Igreja da qual Cristo é a "cabeça" é, ou não é, uma corporação visível aqui na terra, o direito de as promessas, privilégios e autoridade que as Escrituras atribuem à Igreja espiritual. Protestantes geralmente negar; os romanistas, os HighAnglicans, e alguns escritores de outros ramos da Igreja Protestante, afirmam. Os chamados New Luterana teólogos da Alemanha desenvolveram uma teoria da Igreja, na qual a idéia protestante dá lugar ao hierárquica; em que os sacramentos não são meramente notas da verdadeira Igreja, mas os guardas reais de sua vida continuou. A síntese profunda e misteriosa do divino e humano é encontrado em fé, de acordo com o sistema protestante de idade; de acordo com o novo, encontra-se nos sacramentos (compare Schwartz, Zur Geschichte d. neuesten Theologie, bk. 3 cap. 3). Rothe desenvolveu, com seu vigor habitual, uma teoria da Igreja semelhante ao de Arnold, a saber, que a Igreja é indispensável para a educação moral da humanidade.; mas que, como a humanidade aumenta, a necessidade de a Igreja diminui; e, finalmente, o estado vai se tornar religioso (a teocracia real), ea Igreja se tornará absorvido no estado.

 

. IV Constituição da Igreja. - Cristo não tanto criar uma igreja durante a sua permanência na terra como princípios de implantes, que seria posteriormente desenvolvido em uma Igreja. Enquanto ele ainda estava com os seus discípulos, eles precisavam de nenhum outro vínculo para mantê-los juntos de sua pessoa. O fundador da nova manifestação do reino de Deus parecia não projetar a recolher sobre ele inúmeros adeptos, mas para implantar profundamente as mentes de alguns o maior espírito que anima este reino, que através de suas vidas devem trabalhar para fora em uma completa e organização eficaz. Ele descobriu que aqueles a quem ele chamou para este trabalho os judeus; ele associado e instruiu-os segundo os costumes do judaísmo. Ele claramente disse-lhes, no entanto, que, em suas pessoas, fé, vida e ensino, foram para constituir o início ea agência de uma nova ordem das coisas.

 

Eles foram ordenados a sair depois de sua morte e discípulos de todas as nações, e batizá-los em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e, assim, trazer todas as pessoas para o reino de Deus. É, portanto, claro que a religião de Cristo foi concebido por ele para substituir todos os outros, não só pelo seu espírito e essência, mas também no método particular ou forma de sua manifestação. Ele fez provisão para esse resultado por apóstolos constituem, que deve comandar com autoridade e ensinar, deve abrir e fechar o reino dos céus, ligar e desligar na terra, e assim tornar visível e poderoso sua Palavra entre os homens. Antes de iniciarem a sua missão, eles deveriam permanecer em Jerusalém até que sejais revestidos da força do alto (Lucas), que poder eles foram assegurados viria não muitos dias depois da ascensão de seu Senhor.

 

Que já reconheceu-se como escolhido para um trabalho especial de alta é evidente pela sua encher a vaga em seu número causado pela apostasia e morte de Judas Iscariotes com a seleção de outro, Matthias, para preencher o seu lugar ( Atos 01:15 ; Atos 1:26 ). Assim, completa, eles continuaram a esperar e rezar para o espaço de sete dias. Quando o dia de Pentecostes havia chegado plenamente ", enquanto os apóstolos e discípulos, cento e vinte em número, foram montadas em ou perto do Templo para as devoções da manhã do dia festivo, e estavam esperando na oração para o cumprimento da promessa , o Salvador exaltado escorria de seu trono celeste a plenitude do Espírito Santo sobre eles, e fundou sua Igreja sobre a terra "(Schaff, História da Igreja, vol. 1, p. 59). No dia de Pentecostes pode ser considerado como o nascimento da Igreja cristã. Em seguida, ele foi formado; daí o seu desenvolvimento gradual prosseguiu. Há uma diversidade de opiniões sobre a política interna que assumiu, como seria de esperar; mas deve ser aceito por todos os que os apóstolos teriam "orientação suficiente" quanto à maneira pela qual ela deveria ser organizada. Esta orientação não implica que a sua forma particular deve ter sido dada a eles por Cristo, mas apenas a direção que os levaria a perseguir os métodos mais sábios. Conseqüentemente, eles começaram pregando; e, como os convertidos foram feitas, batizando-os, em seguida, levá-los a uma comunhão mais próxima para a celebração da Ceia do Senhor, a instrução espiritual, e da adoração (Atos 03:42, etc).

 

Como eles eram judeus, era provável que iriam adotar os métodos de culto, governo, etc, para que eles estavam acostumados. Arcebispo Whately diz ( Reino de Cristo delineada, p 88.): "Parece altamente provável, eu diria moralmente certo, que a sinagoga foi trazido - a totalidade ou parte principal dele - . abraçar o Evangelho, os apóstolos não o fez, então, tanto formar uma igreja cristã (ou congregação, ecclesia) como fazer uma congregação cristã existente através da introdução dos sacramentos e do culto cristão, e estabelecendo o que quer que os regulamentos eram necessárias para a fé recém-adotada, deixando a máquina (se assim posso falar ) do governo inalterada; os governantes de sinagogas, anciãos e outros oficiais, seja espiritual ou eclesiástico, ou de ambos, que já estão sendo prestados nas instituições já existentes ". Vitringa (ver seu De Synagoga Vetere), Neander, Litton, e muitos outros, concordam no presente parecer, que as sinagogas eram o padrão que os apóstolos propuseram a si mesmos, embora não seja de modo algum certo que eles adotaram qualquer modelo.

 

1. Tudo o que pode ser feito na determinação da forma de governo da Igreja apostólicaé traçar a prática dos apóstolos como registrado em seus atos e escritos. Esta política não se apresenta como atos legislativos, mas simplesmente como fatos, mostrando como os apóstolos agiram em determinados casos. No primeiro relato, encontramos a Igreja, composto dos apóstolos e outros discípulos, e, em seguida, dos apóstolos e "a multidão dos que criam." Assim, parece que a Igreja foi a primeira inteiramente composto por membros que estão em pé de igualdade com os outros, e que os apóstolos só realizou um posto mais alto, e exerceu uma influência orientando sobre o conjunto, que surgiu a partir da posição original em que Cristo tinha colocou-os em relação a outros crentes (Neander, Plantar e Treinamento, p. 32). Os apóstolos, conforme necessidade exigida, criou outros cargos, o primeiro dos quais temos menção é a de diácono ( διακονία ) ( Atos 6: 1 ), seguido logo depois pelo do mais velho ( πρεσβύτερος ) ( Atos 11:30 ). O tempo da criação do cargo de ancião ou presbítero não é dado, a partir do qual não é claro se ela surgiu antes ou depois do diaconato. A primeira referência aos anciãos assume sua existência. O ofício de presbítero e bispo que de modo geral são concedidos a ser idênticos. Os apóstolos, diáconos e presbíteros, com todo o corpo de crentes em todo lugar, constituíram a sociedade e governo da Igreja. (Veja BISPO ).

 

Os diáconos eram superintendentes do culto pobres, e provavelmente conduzido e administra os sacramentos ( Atos 08:38 ). A função clerical do diácono é disputado (ver americana presb. e Theol. Review, vol. 5, p. 134). Os anciãos eram designados não só para ensinar e administrar os sacramentos, mas também para governar a Igreja ou igrejas na ausência dos apóstolos ( Atos 20:28 , etc). O ministério, porém, não se limitou a essas ordens; era sim um dom que qualquer um que possua poderia exercer, nos termos devidos regulamentos. Por referência a 1 Coríntios 12: 4-12 , também 28, ele será visto que "apóstolos", "profetas", "ajuda", e "governos", todos pertencentes ao ministério; Também na passagem correspondente, Efésios 4: 11-12 , o escritório ministerial é atribuída à agência direta do Espírito Santo: "Ele deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres ; para o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo ". "Essas passagens estabelecer nada respeitando os gabinetes ministeriais da era apostólica, o que eles nos ensinam é que os dons espirituais necessários para o escritório de um apóstolo, um pastor, um professor, ou um governador da Igreja, quer elas se uniram na mesma pessoa ou não, fluem diretamente de Cristo, e são uma parte da constituição espiritual pé da Igreja "(Litton, p. 374). Os múltiplos dons do Espírito eram chamados genericamente charismata ( χαρίσματα ), e foram tanto um dom natural, santificados e aplicada sob a influência do Espírito Santo para a edificação da Igreja, ou um dom sobrenatural de um caráter miraculoso, no exercício de que o agente divino era mais visível do que o humano. Outra divisão é entre aqueles que se exibido na palavra, e aqueles que tiveram uma referência mais específica à ação (Litton; Neander, Plantio e Formação; Olshausen, Hooker, etc). Estes dons, ao que parece, não se limitaram a qualquer classe particular, mas foram concedidos conforme o Espírito Santo achou por bem distribuí-los. (Veja PRESENTES, espiritual ).

 

A sacerdotal função pertencia ao escritório ministerial só no sentido de que todos os crentes eram sacerdotes, de oferecer sacrifícios espirituais a Deus por Cristo ( 1 Pedro 2: 4-5 , etc); e em nenhum sentido, houve uma santidade inerente ao ministro que não anexar ao crente comum, exceto, talvez, para os apóstolos, cuja função não era para ser permanente na Igreja. Sem mediação humana é representado no novo teste. como necessário para a alma que busca o perdão dos pecados e os frutos do Espírito, exceto como pode ajudar o conhecimento ea fé, mas nunca como indispensável. Cristo e sua salvação são igualmente acessíveis para ministrar e pessoas, e nos mesmos termos.

 

A disciplina da Igreja apostólica compreendeu quatro elementos em seu exercício:

 

1. nada de escandaloso ou ofensivo a algum, especialmente até a Igreja de Deus, poderia ser permitido ( 1 Coríntios 10:32 );

 

. 2 Todas as coisas eram para ser feito com decência e em ordem ( 1 Coríntios 14:40 );

 

3. Tudo para edificação ( 1 Coríntios 14:26 );

 

4. Tudo para a glória de Deus ( 1 Coríntios 10:31 ). A esfera de seu governo era estritamente espiritual. Os apóstolos honrou a autoridade civil como uma instituição divina, e ordenou a obediência nos dias de Cláudio e Nero, como fez nosso Salvador em todas as questões temporais prestar obediência a Herodes, e manda que "as coisas que pertencem a César deve ser processado a César . " Mas no chamado espiritual a regra era "obedecer a Deus do que aos homens", e por este princípio eles estavam prontos para morrer.

 

Desde os tempos apostólicos a Constituição da Igreja Cristã sofreu diversas modificações. A primeira dessas mudanças é a distinção entre o bispo eo presbítero. Ele é mantido pelos defensores extremos do episcopado que São Paulo, na capacitação Timóteo em Corinto, e Tito em Creta, na qualidade de presbíteros, de ordenar anciãos em cada cidade, e de exercer jurisdição sobre os funcionários dessa classe, bem como aqueles que ocupava o cargo de diácono, nomeou-os, assim, para ser permanente, e assim criou o escritório conhecido depois de tempos como o bispo local. Os episcopais moderados e os Presbiterianos afirmam que a missão de Tito e Timóteo era peculiar, contemplando um trabalho especial, e que a missão cessou com a sua realização.

 

Em geral, neste caso, bem como sobre a de St. James, em Jerusalém, e os anjos das igrejas apocalípticas, Litton diz: "Respeitando a origem da ordem episcopal, a Escritura nos deixa muito no escuro. No ordem de ministros que não estes três - apóstolos, presbíteros e deaconsare mencionada no Novo Testamento como parte da política então existente da Igreja, pois cada tentativa de estabelecer uma distinção entre o presbítero eo bispo da Escritura irá revelar infrutífera, tão abundante é a evidência que prova que eles eram apenas diferentes denominações de um único e mesmo escritório (p. 412). " Quanto ao aumento do episcopado, diz-se "a estes sucessores dos delegados apostólicos" (como Timóteo) "veio a ser apropriado o título de bispo, que foi originalmente aplicado aos presbíteros. No início do segundo século e daí em diante , bispos, presbíteros e diáconos são os oficiais da Igreja onde quer que a Igreja existiu. epístolas de Inácio (em sua forma não adulterada), e os outros registros que são preservados para nós, estão neste ponto decisivo ...

 

Eles (os bispos) retidos em suas próprias mãos a autoridade sobre os presbíteros e as funções de coordenação, mas com relação ao outro, eles eram iguais "(Smith Dict. De Bíblia, art. IGREJA). Dr. Hitchcock (Am. Presbyt. E Theol. Rev. vol. 5, no. 17) afirma: "Assim, durante todo encontramos em Clement a política Novo Testamento original (identidade dos presbíteros e bispos) como ainda inalterada" (p. 137). "Em suma, a inaciana episcopado, ao invés de ter a aparência de uma política constante, transmitida desde os apóstolos, tem a aparência de ser uma instituição nova e crescente, ao contrário do que aconteceu antes, bem como o que viria depois dele "(ibid. 146 p.) . "A terminologia oscilando de Irineu é indicativo não de tradição apostólica, mas de gênese mais tarde e crescimento, e que o crescimento ainda não está concluída" (ibid. 147). "Não hesitamos em Tertuliano em aceitar o regime Episcopal. Evidentemente, esta tornou-se a política estabelecida. A maturidade do sistema é indicado pela firmeza inteiro no uso dos termos "(ibid. 148)." Em Cipriano de Cartago, entre 248-258, encontramos o sistema totalmente amadurecido. Ora, estes são sinais de crescimento, e são incompatíveis com a idéia de tradição apostólica "(ibid. 153). Só há pouca dúvida de que os bispos no primeiro sucedeu ao cargo por antiguidade, e depois, como as dificuldades do escritório aumentou, AD . 200, eles se tornaram eletiva (Hilary) Como a Igreja multiplicado e ampliado, as igrejas mais antigas e as mais numerosas tornou-se relativamente mais importante e influente, e seus bispos mais poderosos, daí encontramos o episcopado passando por mudanças marcantes: 1. Os bispados em Jerusalém, Roma, Antioquia, Alexandria, Éfeso e Corinto são chamados por preeminência sedes apostolicae, sem, no entanto, a concessão de autoridade superior; 2 Decorrentes de sínodos provinciais a dignidade metropolitana surgiu, também, 3. A patriarcal, e 4, finalmente, o papado. Cipriano permitiu que "precedency deve ser dado a Pedro, que a Igreja de Cristo pode ser mostrado para ser um '." "A mesma propensão para a unidade monárquica, que criou fora do episcopado um centro, em primeiro lugar para cada congregação, em seguida, para cada diocese, pressionada no sentido de um centro visível para toda a Igreja. Primado e episcopado crescemos juntos "(Schaff, História da Igreja Cristã, vol. 1, p. 427).

 

A alta antiguidade da Igreja Romana; os trabalhos missionários em Roma de Pedro e Paulo, os dois apóstolos de liderança; a preeminência política da metrópole do mundo; a sabedoria executivo e instinto ortodoxa da Igreja de Roma, e outras causas secundárias, favoreceu a ascendência da sé romana (ibid.). Os primeiros pais, como Inácio, Irineu, Tertuliano, Hipólito, Cipriano, etc, conceder prioridade à Igreja em Roma, mas só em honra, não na jurisdição. Após a conversão de Constantino, ea remoção da capital romana para Bizâncio (depois chamada de Constantinopla), a sede da nova capital corajosamente contestou a supremacia com a Sé de Roma, a partir do qual o tempo, à medida que novas agitações surgiu na Igreja, e o império caiu gradualmente à decadência, as duas grandes divisões na oriental ou grega, e Ocidental ou Católica Romana teve lugar, e se tornaram as formas e fontes de domínio eclesiástico assentadas. Pedidos adicionais e inferior do ministério rapidamente multiplicado na Igreja. Estes foram, archdeacons, diaconisas, subdiáconos, acólitos, exorcistas, leitores ou leitores, ostiarii ou porteiros, salmistas ou cantores, copiatae ou fossarii, catequistas, Defensores ou síndicos; oeconomi ou mordomos, além de outros (Antiguidades de Cristo. Ch. 1 vol. de Bingham, p. 126). Havia quatro diversas maneiras de designar as pessoas que o ministério na Igreja apostólica e primitiva: 1 Lançando muito; 2 Por escolha das primícias dos gentios; 3. Em especial direção do Espírito Santo; 4. por sufrágio eleitoral e comum. A ordenação foi o primeiro pela imposição das mãos dos apóstolos e presbíteros, e depois de um bispo ou bispos (ver ibid.).

 

Quanto aos poderes do clero no governo da Igreja, duas teorias principais, distintas e opostas obter. A Igreja Católica Romana é, que "o governo da Igreja é uma hierarquia, ou a relação do corpo clerical. Ao povo cristão é a de uma magistratura secular de seus súditos, e os ministros cristãos são mediadores entre Deus eo homem, isto é , são sacerdotes no sentido próprio da palavra "(Litton. p. 395). "O hierarquismo de Roma é a consequência natural e inevitável da doutrina que o clero são κατ ξοχήν , a Igreja "( ibid. 397). Belarmino resume a doutrina romana assim: "Tem sido sempre acreditou na Igreja Católica que os bispos em suas dioceses, e ao Romano Pontífice, em toda a Igreja, são príncipes eclesiásticos reais; competente por sua própria autoridade, e sem o consentimento do as pessoas ou o conselho de presbíteros, para promulgar leis que vinculem a consciência, para julgar a causas eclesiásticas como outros juízes, e, se necessário, para infligir punição "(Bellarm. Romanos De Pont. b. 4, 15 c.) .

 

A teoria protestante é que todos os crentes são um sacerdócio espiritual, e, como tal, constituem a Igreja, e que toda a Igreja, assim, composta de crentes em diferentes dons segundo a operação do Espírito, é a fonte da autoridade na administração de governo. "Em suma, nenhum princípio de política eclesiástica é mais claramente dedutível da Escritura de que a soberania de uma igreja não reside nas pessoas além de seus pastores. Este, no entanto, ser admitido, o inverso também se mantém fiel, que a soberania de um Igreja não está nos pastores exclusivamente do povo "(Litton, p. 399). Dr. Schaff diz, em referência ao primeiro concílio de Jerusalém ", embora não seja uma súmula vinculante, (ele) é um exemplo significativo, dando a sanção apostólica à forma sinodal do governo da igreja, em que todas as classes da comunidade cristã são representados na gestão dos assuntos públicos e na resolução de litígios referentes à fé e prática "(Ch. Hist. vol. 1, p. 136). Por muitos protestantes este ponto de vista do conselho é questionada, eo direito dos leigos para uma participação igualitária no governo da Igreja, a partir deste e de outros exemplos apostólicos, negado; de modo que, até hoje, os poderes relativos de ministério e leigos, na administração do governo eclesiástico, continuam indefinidos entre alguns dos grandes igrejas protestantes.

 

Membros da Igreja. - "Os membros da Igreja são os que compõem ou pertencem à igreja visível como para a verdadeira igreja, os verdadeiros membros dela são como sair do mundo,. 2 Coríntios 6:17 ; que nasceram de novo , 1 Pedro 1:23 ; ou feitos novas criaturas, 2 Coríntios 5:17 ; cuja fé opera por amor a Deus e toda a humanidade, Gálatas 5: 6 ; Tiago 2:14 ; Tiago 2:26 ; que andam em todas as ordenanças . do Senhor inocente Nenhum, mas tais são membros da igreja verdadeira, nem deverá qualquer ser admitido em qualquer igreja em particular, sem evidências de sua seriamente o buscam esse estado de salvação.

 

 

. Fellowship - "comunhão da Igreja é a comunhão que os membros desfrutam de um com o outro As extremidades da comunhão eclesial é, a manutenção e exposição de um sistema de sã doutrina, o apoio das ordenanças de culto evangélico em sua pureza e simplicidade, o. exercício imparcial do governo da igreja e disciplina, a promoção da santidade em toda maneira de conversação As funções mais específicas são, estudo sério para manter a paz ea unidade; rolamento de cargas uns dos outros,. Gálatas 6: 1-2 ; esforços sinceros para prevenir cada tropeço do outro, 1 Coríntios 10: 23-33 ; Hebreus 10: 24-27 ; Romanos 14:13 ; continuidade firmes na fé e culto do Evangelho, Atos 2:42 ; orando e simpatizando com o outro, 1 Samuel 12 : 23 ; Efésios 6:18 . As vantagens são, incitação peculiar à santidade, o direito de algumas promessas aplicáveis ​​a ninguém, mas aqueles que frequentam as ordenanças de Deus e manter comunhão com os santos, Salmos 92:13 ; Salmos 132: 13 ; Salmos 132: 16 ; Salmos 36: 8 ; Jeremias 31:12 ; a serem colocados sob o olhar atento de pastores, Hebreus 13: 7 ; para que possam restaurar o outro, se um cair, Gálatas 6: 1 ; ea promover mais efetivamente a causa da verdadeira religião "(Watson, sv)

fonte www.avivamentonosul.blogpsot.com

FONTECyclopedia of Biblical, Theological e Literatura Eclesiástica 1870