Translate this Page

Rating: 3.0/5 (934 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


lição CPAD Cristologia 1 trim-2008
lição CPAD Cristologia 1 trim-2008

                                                           Lições Bíblicas CPAD

                                                   Jovens e Adultos

                                               1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

Lição 1: Jesus, O Verbo de Deus

Data: 6 de Janeiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo 1.14).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Cristo Jesus é o Verbo de Deus que se fez carne e habitou entre nós, a fim de nos redimir do pecado.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - 1 Jo 1.1-4

Jesus é a Palavra da Vida

 

 

 

Terça - Ap 19.13

Jesus é a Palavra de Deus

 

 

 

Quarta - Cl 1.15-17

Jesus é o Criador do Universo

 

 

 

Quinta - Rm 9.5

Jesus existe eternamente

 

 

 

Sexta - Jo 17.5,24

Jesus com o Pai antes da criação do mundo

 

 

 

Sábado - Mt 1.23

Jesus é Deus entre os homens

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

1.1-10,14.

 

1 - No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

2 - Ele estava no princípio com Deus.

3 - Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.

4 - Nele, estava a vida e a vida era a luz dos homens;

5 - e a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.

6 - Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.

7 - Este veio para testemunho para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele.

8 - Não era ele a luz, mas veio para que testificasse da luz.

9 - Ali estava a luz verdadeira, que alumia a todo homem que vem ao mundo,

10 - estava no mundo, e o mundo foi feito por ele e o mundo não o conheceu.

14 - E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.

 

INTERAÇÃO

 

Prezado professor, neste trimestre estudaremos um tema extremamente importante para esses tempos de crise espiritual e quase total desprezo pelo estudo bíblico ortodoxo: “Jesus Cristo, Verdadeiro Homem, Verdadeiro Deus”. Durante esse período, examinaremos treze assuntos que compõem a Cristologia. Esta disciplina da Teologia Sistemática estuda a pessoa, a natureza e as obras de Jesus Cristo. Essas lições são tão cruciais para a fé cristã, que o teólogo Lewis Sperry Chafer afirmou ser esse tema o mais relevante da Teologia Cristã.

As lições foram comentadas pelo Pr. Esequias Soares - Professor de Grego, Hebraico, Apologia Cristã, Conferencista e autor de obras publicadas pela CPAD.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Explicar o texto de João 1.1.
  • Descrever as qualidades divinas do Verbo.
  • Aplicar o conteúdo da lição à sua vida cristã.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, aguce a curiosidade de seus alunos! Use para isso um dos símbolos cristãos primitivos. O Cristianismo possui diversos símbolos que representam à fé cristã: a cruz, o peixe, o lábaro de Constantino, entre outros. Mas, seus alunos sabem o significado do “peixe” como símbolo cristão? Vejamos. As letras da palavra “peixe”, em grego (ICHTHYS), formam um acróstico que representa aidentidade e a missão de Jesus: 0 “I” (iōta) corresponde a lēsous (Jesus); o “CH” (chi) a Christos (Cristo); o “TH” (thēta) a tou Theou (de Deus); o “Y” (üpsilon) a huiós (Filho); e o “S” (sigma) a Soter (Salvador). O símbolo significa: Jesus Cristo de Deus Filho e Salvador. Veja o exemplo abaixo.

 

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Logos: Título cristológico que designa o Senhor Jesus como o Eterno, o Criador e o verdadeiro Deus.

 

Neste trimestre, estudaremos a vida de Jesus em seus aspectos humanos e divinos (Jo 1.14). Iniciaremos com uma reflexão acerca do Filho de Deus como o Verbo divino encarnado. Esta doutrina, claramente exposta no prólogo do evangelho de João, apresenta Jesus como aquEle que possui os atributos exclusivos e únicos da divindade. Nesta lição, portanto, destacaremos a eternidade e o poder criador de nosso Senhor Jesus.

 

I. O SIGNIFICADO DO TERMO “VERBO”

 

1. A revelação gloriosa. O prólogo do Evangelho de João revela várias verdades a respeito da natureza e deidade de nosso Senhor Jesus Cristo. Aprouve ao Espírito Santo revelar oito maravilhosos títulos divinos de Cristo em Jo 1.1-51: Verbo (v.1); Vida (v.4); Luz (v.7); Filho Unigênito de Deus (vv.18,49); Cordeiro de Deus (v.29); Messias (v.41); Rei de Israel (v.49); e Filho do Homem (v.51). A deidade, natureza, identidade, encarnação e missão de nosso glorioso Salvador manifestos em apenas um capítulo! Prostremo-nos reverentemente diante do Senhor, e, assim como o salmista, declaremos: “Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta, que não a posso atingir” (Sl 139.6; Rm 11.33; Ef 1.3).

2. O Verbo Divino. O termo “Verbo”, aplicado a Jesus, procede do originalLogos e, apesar de seu amplo significado secular, “palavra”, “razão”, ou “pensamento”, é usado no versículo 1 com o sentido de “Verbo ou Palavra divina”. O mesmo vocábulo aparece em 1 Jo 1.1 descrevendo o “Verbo da vida”, e no capítulo 5 versículo 7 da mesma epístola, apenas como “Palavra”.

Na Bíblia, o termo “palavra”, quando vinculado a Deus, revela o seu infinito poder criador, protetor e sustentador de todas as coisas criadas, visíveis e invisíveis (Gn 1.3; Sl 33.6,9; 107.20; Hb 1.3; 11.3).

Por conseguinte, em Deus, o crente sempre estará seguro, pois Ele cuida dos seus filhos e, com a sua destra, protege-os do mal (Sl 60.5; 118.15; Is 45.2-8; Mt6.13).

Quando o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo foi anunciado pela igreja cristã no Século I, os vocábulos, “A Palavra” e “O Verbo”, foram satisfatoriamente compreendidos pelos judeus e gregos, pois essas expressões lhes eram conhecidas.

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Apesar de seu amplo significado secular, “palavra”, “razão”, ou “pensamento”, o termo “Verbo” é usado com o sentido de “Palavra Divina”. O vocábulo expressa a eternidade e deidade de Jesus.

 

II. AS AFIRMAÇÕES DOUTRINÁRIAS DE JOÃO 1.1

 

1. “No princípio era o Verbo” (Jo 1.1a). Esse trecho afirma que Jesus é eterno. A Bíblia assevera: “No princípio criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1). Porém, em Jo 1.1 a Sagrada Escritura vai infinitamente além do fato expresso em Gn 1.1 ao afirmar que “No princípio era”, ou seja, o Verbo já existia. O Senhor Jesus existe antes de todas as coisas, inclusive antes de o tempo ter início: “E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” (Cl 1.17).

O Filho de Deus, além de existir por si mesmo (Jo 5.26), estava com o Pai antes da criação do mundo (Jo 17.5,24). Ele existe por si mesmo e sustenta “todas as coisas pela palavra do seu poder” (Hb 1.3). Isto é consolo e restauração espiritual para o crente, pois o propósito dessa gloriosa encarnação do Verbo divino é prover a “purificação dos nossos pecados”, como afirma a parte final de Hb 1.3 (cf. Jo 1.14). Louvemos ao Verbo, o Criador, Sustentador e Fim de todas as coisas (Ap 1.8).

2. “E o Verbo estava com Deus” (Jo 1.1b). O texto é inequívoco: O Filho Unigênito estava com o Pai (Jo 1.18). O Verbo, o Emanuel, não é apenas eterno, mas também distinto do Pai. Essa ortodoxa afirmação aniquila o falso ensino dos modalistas e unicistas que, embora defendam a divindade de Jesus, negam a santa doutrina bíblica da Trindade. Segundo os hereges, Pai, Filho e Espírito Santo são uma só pessoa. Eles não crêem na doutrina da existência de um só Deus que subsiste em três distintas e Santíssimas Pessoas (Mt 28.29). Todavia, esse ensinamento está claramente exposto nas Escrituras. O batismo de Jesus (Mt 3.16,17), sua oração sacerdotal (Jo 17), e a declaração da sua suprema autoridade são refutações clássicas contra essas heresias (Jo 8.17, 18; 1 Jo 2.22-24). Crer e defender a santa doutrina da Trindade não é um privilégio, mas um dever de cada cristão (1 Pe 3.15; Jd v.3).

3. “E o Verbo era Deus” (Jo 1.1c). Observe que o conceito expresso nesse versículo é progressivo. Uma declaração (1a; 1b) esclarece a outra até culminar com uma verdade enfática: “e o Verbo era Deus” (1c). Se o prólogo do evangelho de João (1.1-14) fosse o único lugar nas Escrituras em que a divindade do Verbo é afirmada, já teríamos subsídios suficientes para crer e confessar a doutrina. Todavia, esse ensino é asseverado em todo o contexto bíblico (Jo 5.18, 10.30; Cl 2.9). Portanto, inúmeras e inegáveis provas bíblicas atestam que a crença na divindade de Jesus é indispensável para a salvação da alma (1 Co 15.1-4; 1 Tm 6.15,16; Hb 1.1-3; 1 Pe 1.2-5; 1 Jo 5.5.1-13).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

As três afirmações doutrinárias de João 1.1 são: “No princípio era o Verbo”; “o Verbo estava com Deus”, e “o Verbo era Deus”.

 

III. QUALIDADES DIVINAS DO VERBO

 

Após apresentar o Verbo divino, enfatizando sua preexistência, natureza e igualdade com o Pai, João descreve alguns de seus atributos e prerrogativas.

1. Criador (vv.3,10). O Verbo é apresentado nas Escrituras como o Deus Criador: “Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez” (v.3). Ele “estava no mundo, e o mundo foi feito por ele” (v.10). Essa doutrina invalida a crença dos grupos religiosos que dizem ser o Verbo uma mera criatura, e não o Criador. Contudo, a Bíblia é categórica: “Porque nele foram criadas todas as coisas que há no céu e na terra” (Cl 1.16). O Verbo divino não faz parte da criação; transcende-a, pois é o Criador de todas as coisas (Hb 1.1,2,10). Quando a Bíblia afirma que Jesus é o Criador, atribui-lhe o mesmo título pelo qual o Pai é conhecido no Antigo Testamento (Gn 1.1; Jó 33.4; Sl 138.13-18). Assim como o salmista prorrompeu em júbilo diante do Deus Criador, façamos o mesmo perante o Filho, o Criador de todas as coisas: “Ó, vinde, adoremos e prostremo-nos! Ajoelhemos diante do Senhor que nos criou” (Sl 95.6).

2. “Nele estava a Vida” (v.4). Jesus declarou que além de possuir a “vida em si mesmo” (Jo 5.26) era a “ressurreição e a vida” (Jo 1 1.25; 5.25). No Antigo Testamento, o Pai é identificado como a fonte e o manancial da vida (Gn 2.7; Dt 30.20; Sl 36.9). Era um título que pertencia exclusiva e unicamente ao Criador de toda vida (Sl 133.3).

Cristo, entretanto, atribuiu a si mesmo essa designação divina (Jo 5.21,26) e, como tal, foi reconhecido seja através de seus ensinos (Jo 5.32-35; 11.25) seja por meio de seus atos milagrosos (Jo 11.42-45; Mt 9.18,19,23-25).

A vida em Cristo é eterna não apenas no sentido de sua duração, mas por sua qualidade (Cl 3.4; 1 Tm 1.1; 2 Tm 1.10). A vida que provém de Deus é cheia de gozo, paz e alegria. Jesus asseverou-nos: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14.6).

3. “A luz verdadeira” (v.9). A Palavra de Deus ensina enfaticamente que Deus é Luz (1 Jo 1.5; Sl 27.1) e que “habita na luz inacessível” (1 Tm 6.16). Esse título divino seria também uma designação do Messias, o Servo do Senhor (Is 42.6,7; 9.2; Mt 4.16). O termo “luz” aparece cerca de 20 vezes no evangelho de João (1.4,5,89; 3.19; 8.12; 12.46), e, na maioria das ocasiões, refere-se a Jesus como a luz do mundo (Jo 8.12). No relato da Criação, lemos que Deus, pelo poder de sua Palavra, fez surgir a luz, que desfez o caos (Gn 1.2,3). O Senhor Jesus é a “luz que alumia a todo homem que vem ao mundo” (v.9), e por isso, desfaz o caos da vida humana (2 Co 4.6).

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Três qualidades divinas do Verbo são afirmadas no prólogo do Evangelho de João: Criador, Fonte da vida e Luz verdadeira.

 

CONCLUSÃO

 

Em Jesus estão reunidas todos os atributos divinos que o descrevem como o único e suficiente Salvador da humanidade. Sua história e suas obras não se limitam ao período entre seu nascimento e sua morte (Hb 13.8). O Filho de Deus esteve presente eternamente, atuando especialmente na História da Salvação. Ele veio como homem e sua glória foi vista pelos de sua geração; realizou a obra da redenção na cruz do Calvário, e retornou ao Céu, de onde dirige a sua Igreja e voltará em glória para estabelecer a paz universal.

 

VOCABULÁRIO

 

Asseverar: Afirmar com certeza, segurança; assegurar.
Culminar: Chegar ao ponto culminante, mais alto, ao auge.
Modalismo: Heresia cristã de Fótino (300-376), herético grego, bispo de Esmirna, que reduzia as pessoas divinas a simples modos de uma única pessoa em Deus.
Prólogo: Introdução; abertura.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ARRINCTON, F. L; STRONSTAD, R. (eds.) Comentário Bíblico Pentecostal: Novo Testamento. RJ: CPAD, 2004.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Descreva os oito títulos divinos de Cristo em Jo 1.

R. Verbo (v.1); Vida (v.4); Luz (v.7); Filho Unigênito de Deus (vv.18,49); Cordeiro de Deus (v.29); Messias (v.41); Rei de Israel (v.49); e Filho do Homem (v.51).

 

2. Explique o termo “Verbo” de acordo com a Bíblia.

R. Procede do original Logos e, apesar de seu amplo significado secular, “palavra”, “razão”, ou “pensamento” é usado no versículo 1 com o sentido de “Verbo ou Palavra divina”.

 

3. Quais as três afirmações doutrinárias de Jo 1.1?

R. “No princípio era o Verbo”; “E o Verbo estava com Deus”; “e o Verbo era Deus”.

 

4. Cite três refutações clássicas contra as heresias unicista e modalista.

R. O batismo de Jesus (Mt 3.16,17), sua oração sacerdotal (Jo 17), e a declaração da sua suprema autoridade.

 

5. Descreva três qualidades divinas do Verbo.

R. Criador; Vida; Luz Verdadeira.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“A Palavra na Eternidade (1.1-5)

Os versículos 1 a 4 narram o estado preexistente de Jesus e como Ele agia no plano eterno de Deus. ‘No princípio’ (v.1a) fala da existência eterna da Palavra (o Verbo). As duas frases seguintes expressam a divindade de Jesus e sua relação com Deus Pai. Esta relação é uma dinâmica na qual constantemente são trocadas comunicação e comunhão dentro da deidade. O versículo 2 resume o versículo 1 e prepara para a atividade divina fora da relação da deidade no versículo 3. No versículo 4 Ele é o Criador mediado. O uso da preposição ‘por’ informa o leitor com precisão que o Criador original era Deus Pai que criou todas as coisas pela Palavra. Os verbos que João usa nestes versículos fazem distinção entre o Criador não-criado, a Palavra (o Verbo) e a ordem criada. Numa boa tradução, a RC observa esta distinção: a Palavra (o Verbo) ‘era’ mas ‘todas as coisas foram feitas’. O versículo 4 conta várias coisas para o leitor: 1) A Palavra divina, como Deus Pai, tem vida em si mesma, vida inchada (ou seja, é a fonte da vida eterna). 2) Esta vida revelou a pessoa e natureza de Deus para todas as pessoas. 3) ‘Luz’ neste ponto pertence à revelação autorizada e autêntica de Deus [...]”.

(ARRINGTON, F. L; STRONSTAD, R. (eds.) Comentário bíblico Pentecostal: Novo Testamento. 2.ed., RJ: CPAD, 2004, p. 496.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

“No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”.

As três incisivas afirmações a respeito da deidade de Jesus são formuladas com base nos diversos sentidos do verbo “eimi”, ou “eu sou”: era, estava, era.

Na primeira expressão, “era o Verbo”, o sentido de “era” é “existir”: “No princípio, havia, existia o Logos”. Afirma a preexistência ou eternidade do Filho de Deus.

Na segunda sentença, “o Verbo estava com Deus”, “estava” refere-se à posição do Filho de “estar frente a frente com Deus”, idéia reforçada pela preposição “pros” que significa “face a face” ou “frente a frente”. O Logos, portanto, estava “face a face com Deus”. Isto atesta que o Filho é distinto do Pai, mas de natureza idêntica.

Na última oração, “o Verbo era Deus“, é asseverado o “ser” ou a “natureza” da Palavra: Aquele que existe por si mesmo. Por conseguinte, o Verbo era divino. Portanto, no princípio existia o Verbo, e o Verbo estava face a face com Deus, e o Verbo era Deus verdadeiro.

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 2: Jesus, o Filho de Deus

Data: 13 de Janeiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele e ele em Deus” (1 Jo 4.15).

 

VERDADE PRÁTICA

 

A expressão “Filho de Deus” refere-se à relação particular do Unigênito com o Pai e ao relacionamento espiritual de Deus com os seres humanos mediante o sacrifício de Cristo no Calvário.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Sl 2.7

Jesus Cristo e sua encarnação

 

 

 

Terça - Jo 3.16

O Filho Unigênito foi enviado para nos trazer vida eterna

 

 

 

Quarta - Jo 8.36

O Filho foi enviado para libertar os oprimidos

 

 

 

Quinta - Jo 5.18

O Filho é igual ao Pai

 

 

 

Sexta - 1 Jo 5.10

Negar o Filho é negar o Pai

 

 

 

Sábado - Gl 1.10

O Filho de Deus morreu pelos pecadores

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Hebreus 1.1-8.

 

1 - Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho,

2 - a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo.

3 - O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da Majestade, nas alturas;

4 - feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles.

5 - Porque a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho?

6 - E, quando outra vez introduz no mundo o Primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.

7 - E, quanto aos anjos, diz: O que de seus anjos faz ventos e de seus ministros, labareda de fogo.

8 - Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos, cetro de eqüidade é o cetro do teu reino.

 

INTERAÇÃO

 

Professor, os nomes e títulos de Cristo expressam diversas características de sua pessoa, estados e obras. Assim como Deus revelou-se no Antigo Testamento através de vários nomes que lhe descreviam a natureza e ações, os nomes de Cristo também revelam a identidade e a missão de Jesus. Portanto, enfatize a natureza e o caráter de Cristo através do estudo de seus nomes.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Explicar as expressões “Filho de Deus” e “Filho Unigênito”.
  • Descrever o conceito bíblico de “primogênito”.
  • Analisar o conceito soteriológico de “Filho” nas Escrituras.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Os nomes e títulos concedidos pelas Escrituras ao Senhor Jesus revelam sua natureza, ministério e ofícios. Os títulos de Cristo são tão importantes para compreendermos a sua natureza e ministério que Oscar Cullmann (1902-1999), teólogo franco-alemão, utilizou-os como método de pesquisa ao desenvolver o tema da Cristologia em o Novo Testamento.

Os títulos e ofícios de Jesus revelam-lhe o messianato (Profeta, Cristo), a divindade (Filho de Deus, Eu Sou), a humanidade (Filho de José), e sua ascendência real (Filho de Davi). Muitos desses títulos aparecem combinados, como por exemplo, Filho do Homem. Este pode designar tanto a humanidade de Jesus quanto a sua divindade (Jo 6.62).

Portanto, ao apresentar os nomes de Cristo, não se esqueça de explicá-los de acordo com o contexto histórico, e de aplicá-los ao cotidiano dos alunos. Reproduza a tabela abaixo conforme os recursos disponíveis.

 

NOMES E TÍTULOS DE CRISTO

DIVINDADE

HUMANIDADE

OFÍCIOS

 

Filho de Deus (Mt 8.29)

Nazareno (Mt 2.23)

Profeta (Jo 7.40)

 

Alfa e o Ômega (Ap 1.8)

Carpinteiro (Mc 6.3)

Sacerdote (Hb 5.10)

 

Verbo de Deus (Jo 1.1)

Filho do Homem (Mt 3.23)

Rei (Mc 15.9)

 

Senhor (Jo 13.13)

Filho de José (Jo 6.42)

Apóstolo (Hb 3.1)

 

Eu sou (Jo 8.58)

Filho de Davi (Mt 1.1)

 

 

Todo-Poderoso (Ap 1.8)

Jesus de Nazaré (Jo 1.45)

 

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Filho de Deus: Expressa a divindade de Cristo e a relação eterna com o Pai.

 

Na lição anterior, estudamos a Pessoa de Jesus como o Verbo divino, enfatizando três aspectos importantes da cristologia: Jesus como Deus, como Eterno e como Criador. Nesta lição, estudaremos Jesus como Filho, Primogênito e Unigênito de Deus. O objetivo é mostrar que, apesar desses títulos, sua eternidade e divindade precedem a tudo.

 

I. JESUS, O FILHO DE DEUS

 

1. Filho gerado por Deus (v.5). “Tu és meu Filho, hoje te gerei” [...] “eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho”. Temos aqui uma profecia messiânica cumprida cabalmente em Jesus (At 13.33; Sl 2.7; Hb 5.5; 2 Sm 7.14). A expressão “Filho de Deus” nas Escrituras, indica claramente a natureza divina de Jesus. Sua procedência revela que ele compartilha a mesma essência e natureza do Pai. O Mestre mesmo o disse: “Saí e vim do Pai ao mundo” (Jo 16.28).

2. Filho desde a eternidade (v.2). O ensino de que o Verbo tornou-se Filho a partir da sua encarnação não tem apoio entre os teólogos realmente bíblicos, piedosos e conservadores. O Filho de Deus é eterno; sempre existiu; Ele é o Pai da Eternidade. Ele já era chamado Filho mesmo antes da sua encarnação, como vemos em 1 João 4.9: “Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos”.

3. O Filho é Deus (v.8). O termo “Deus”, no versículo oito, é uma referência ao Deus de Israel (Sl 45.6,7). No Salmo 45.7 há duas menções proféticas de Deus. A primeira, “por isso, Deus”, é uma referência a Cristo. A segunda, “o teu Deus”, é uma alusão a Deus, o Pai Eterno (Hb 1.8,9).

A relação de Jesus com o Pai revela sua deidade (Jo 10.30-36). Portanto, é uma heresia e blasfêmia afirmar que Jesus é o Filho de Deus, mas que não é Deus.

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

“Filho de Deus” indica tanto a origem divina de Jesus quanto à sua deidade.

 

II. JESUS, O FILHO UNIGÊNITO DE DEUS

 

1. Origem e significado do termo “Unigênito”. O termo aparece cinco vezes nos escritos de João, todas relacionadas a Jesus (Jo 1.14, 18; 3.16, 18; 1 Jo 4.9). Isso revela claramente sua divindade.

“Unigênito”, na Bíblia, conduz a idéia de natureza, caráter, tipo, e não de geração. Jesus é o “unigênito do Pai” no sentido do seu relacionamento exclusivo com Ele. Cristo não foi criado por Deus, Ele preexiste eternamente, por isso é chamado de Pai da Eternidade (Is 9.6).

2. O Filho é superior aos anjos (v.4). Os anjos são criaturas espirituais, mas limitadas. Eles estiveram presentes no ministério terreno de Jesus como afirma o apóstolo Paulo: foi “visto dos anjos” (1 Tm 3.16). Aliás, Jesus é adorado pelos próprios anjos: “E todos os anjos de Deus o adorem” (Hb 1.6).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

“O Filho Unigênito” não reflete a idéia de nascimento, mas de natureza, caráter e tipo.

 

III. JESUS, O PRIMOGÊNITO DE TODA A CRIAÇÃO

 

1. A expressa imagem de Deus (1.3). Cristo é “a imagem do Deus invisível” (Cl 1.15). Essa expressão confirma a divindade de Jesus. A palavra original para “imagem” comunica dois conceitos importantes: aparência e manifestação; ambos relacionados a Cristo e à sua obra. Ele “é a expressa imagem de Deus” e também a sua manifestação (Jo 1.18). É o que ensina a Bíblia em 1 Timóteo 3.16: “Aquele que se manifestou em carne foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo e recebido acima, na glória”.

2. O conceito bíblico de “primogênito” (1.6). O termo “primogênito”, aplicado a Cristo, não contradiz a sua eternidade. A Palavra de Deus declara, em muitos textos, que o Filho é eterno (Is 9.6; Mq 5.2; Hb 13.8; Jo 1.3). Na Bíblia, o vocábulo original para “primogênito”, além do sentido natural e humano de “filho mais velho”, abrange também o significado de primazia, preeminência, supremacia, predomínio, autoridade total. Apesar de Davi ser “o filho mais novo de Jessé” (1 Sm 16.11), foi chamado de “primogênito” (Sl 89.20,27). O mesmo aconteceu com Efraim. Era este o filho mais novo de José (Gn 48.18,19), mas fora apresentado como primogênito (Jr 31.9). A Igreja de Jesus Cristo também é formada de “primogênitos” (Hb 12.23).

As Escrituras, em Colossenses 1.15-18, apresenta-nos Jesus como “o primogênito de toda a criação”. Isso não quer dizer que Ele seja a primeira criatura de Deus, pois nos versículos 16 e 17, o Filho é apresentado como Criador e, também, como um ser à parte da criação. Portanto, Cristo como “primogênito” tem a ver com posição, e não com criação. A Palavra de Deus é taxativa ao concluir esse ponto: “para que em tudo tenha a preeminência” (Cl 1.18).

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Primogênito não significa “o primeiro criado”, mas “primeiro em categoria”.

 

IV. OS FILHOS DE DEUS

 

1. Na época da Lei. O conceito de filhos de Deus no Antigo Testamento, concernente a Israel, denota relacionamento com Deus mediante uma aliança ou concerto coletivo (Os 1.11). O hebreu devoto naquela época não se apresentava individualmente como filho de Deus. Os judeus não ousam chamar Deus de Pai, embora o Antigo Testamento apresente-o como o Pai de Israel (Êx 4.22; Jr 31.9).

2. Na época da graça. Em o Novo Testamento, a filiação espiritual do crente com Deus ocorre por adoção. Não no sentido jurídico e moderno, mas na acepção bíblica e espiritual. Por isso clamamos a Deus “Aba, Pai” (Rm 8.15). Essa filiação não é coletiva como a de Israel no Antigo Testamento; é individual. A expressão “Filho de Deus”, aplicada a Cristo, tem sentido bem diferente quando aplicada a nós. Deus nos concedeu a posição de filhos pelos méritos da obra redentora de Cristo: “a fim de recebermos a adoção de filhos. E, por que sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai” (Gl 4.5,6).

 

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

 

Jesus Cristo é o verdadeiro Filho de Deus e, por meio dEle, o cristão pode clamar: “Aba, Pai” (Rm 8.15).

 

CONCLUSÃO

 

A posição singular de Jesus como Filho, Primogênito e Unigênito aponta para a sua divindade. O sentido de “Filho” e de “Primogênito” não deve ser entendido pela perspectiva meramente humana. Estudemos esses termos teológicos com muito esmero, a fim de compreendermos sua verdadeira significação, pois ajudar-nos-á a desfazer a visão distorcida dos muitos grupos religiosos não-cristãos.

 

VOCABULÁRIO

 

Mérito: Merecimento.
Preeminência: Primazia, superioridade; Grandeza, excelência.
Preexistir: Existir anteriormente; ser anterior; anteceder, preceder.
Taxativo: Limitativo, restritivo; que não admite réplica ou contestação.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

CARSON, D. A. A difícil doutrina do amor de Deus. RJ: CPAD, 2007.

 

EXERCÍCIOS

 

1. O que indica a expressão “Filho de Deus”?

R. A expressão Filho de Deus indica tanto a origem divina de Jesus quanto a sua eternidade e deidade.

 

2. Descreva três características de Jesus como Filho de Deus.

R. Filho gerado, eterno e divino.

 

3. Explique a palavra “unigênito” na Bíblia.

R. “Unigênito”, na Bíblia, conduz a idéia de natureza, caráter, tipo, e não de geração. Jesus é o “unigênito do Pai” no sentido do seu relacionamento exclusivo com Ele.

 

4. Explique o conceito bíblico de “primogênito”.

R. Primogênito não significa “o primeiro criado”, mas “primeiro em categoria”. Jesus não é uma criatura, mas o Criador de todas as coisas.

 

5. Qual a diferença entre a adoção dos crentes e a de Israel?

R. A filiação de Israel é coletiva enquanto a adoção do crente é individual.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“Implicações Teológicas de João 5.17

[...] As autoridades judaicas do primeiro século entraram em disputas teológicas concernentes à guarda do sábado por Deus. Um lado disse que Ele guardava; o outro negou, argumentando que se Deus cessasse todas as suas obras no sábado, as suas ações de providência parariam, e o Universo entraria em colapso [...] No entanto, em João 5.17 Jesus está reivindicando o direito de trabalhar no sábado, porque Deus é o seu Pai, e, implicitamente, Ele é o Filho que segue os passos de seu Pai nesse aspecto. O ponto é que embora alguém possa ser chamado de um filho de Deus por ser um pacificador (Mt 5.9), os mortais comuns não podem ser corretamente chamados de filhos de Deus em todos os aspectos, uma vez que eles não imitam ao Todo-Poderoso em todos os aspectos. Eu não criei um Universo recentemente; certamente não sou um filho de Deus em termos decreatio ex nihilo. Os judeus reconheceram que a brecha que se aplicava a Deus, trabalhando no sábado, estava ligada à transcendência do Todo-Poderoso e servia somente para Ele. A atitude do Senhor Jesus ao justificar o seu próprio trabalho no sábado, apelando para o fato de Deus ser o seu Pai, era, para aqueles judeus, uma extraordinária reivindicação”.

(CARSON, D. A. A difícil doutrina do amor de Deus. RJ: CPAD, 2007.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

Aceitar ao nosso Senhor Jesus Cristo como Senhor e Salvador pessoal é um cálice de regozijo eterno! Jesus, o verdadeiro Filho de Deus, concede ao crente o direito de se tornar filho de Deus (Jo 1.12). E, se tu és filho, também és herdeiro de Deus e co-herdeiro de Cristo (Rm 8.17). Então, porque temes os males noturnos? Não sabeis que o vosso Pai é Luz na escuridão? (Jo 1.9,10). Porque te assombras no vale da morte? Esqueceste que a Lázaro Ele ressuscitou depois de sepultado? (Jo 11.25). Filho do Pai celeste porque paras? Ele ordena que prossigas até que recebas a tua coroa (Ap 3.11). Tu és filho especial de Deus! A lápide fria e mortal não é a tua sina, mas o trono: “Ao que vencer, lhe concederei que se assente comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com meu Pai no seu trono” (Ap 3.21).

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 3: Jesus, verdadeiro Homem, verdadeiro Deus

Data: 20 de Janeiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Dos quais são os pais, e dos quais é Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém!” (Rm 9.5).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Assim como é heresia negar a divindade de Cristo, também é heresia negar-lhe a humanidade. A natureza divina e a humana estão juntas na pessoa única de Jesus Cristo.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Is 9.6

Os cinco nomes do Messias

 

 

 

Terça - Jr 23.5,6

A divindade do Renovo de Davi

 

 

 

Quarta - 1 Tm 2.5

Jesus é o verdadeiro homem

 

 

 

Quinta - Cl 2.9

Jesus é o verdadeiro Deus em toda a sua plenitude

 

 

 

Sexta - 1 Jo 5.20

Jesus é o verdadeiro Deus e a vida eterna

 

 

 

Sábado - Mt 1.23

Jesus é o Deus em forma humana

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Romanos 1.1-7.

 

1 - Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus,

2 - o qual antes havia prometido pelos seus profetas nas Santas Escrituras,

3 - acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi segundo a carne,

4 - declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos - Jesus Cristo, nosso Senhor,

5 - pelo qual recebemos a graça e o apostolado, para a obediência da fé entre todas as gentes pelo seu nome,

6 - entre as quais sois também vós chamados para serdes de Jesus Cristo.

7 - A todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados santos: Graça e paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

 

INTERAÇÃO

 

Professor, nesta aula enfatize a verdade de que em Jesus havia duas naturezas: a divina e a humana. Porém, afirme aos alunos que essas duas naturezas não implicam duas personalidades ou pessoas. As naturezas divina e humana coexistem com suas diferenças, mantendo suas características peculiares em uma mesma pessoa. Assim, Jesus é perfeito em divindade e perfeito em humanidade; verdadeiro Deus e verdadeiro homem.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever as duas naturezas de Cristo.
  • Contestar as heresias cristológicas.
  • Explicar a união das duas naturezas.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, o Novo Testamento assevera em diversos textos a humanidade de Jesus (Mt 1.18,20; 21.18; 26.37). Acerca dessa verdade não há qualquer dúvida seja entre os evangélicos seja entre os não-cristãos. Já a sua deidade é um tema muito debatido. Portanto, para ratificar a divindade do Senhor use como exemplo a expressão sagrada “Eu Sou” de Êx 3.15. Nenhum judeu em qualquer época a empregou referindo-se a si mesmo. Porém, Jesus a utilizou várias vezes para designar-se Deus, o eterno Eu Sou. Antes de ministrar a lição faça uma pesquisa a respeito do termo hebraico YHWH e de seu correspondente grego “Eu Sou”. Use a tabela abaixo a fim de que seus alunos comprovem o uso da expressão “Ego Eimi”, isto é, “Eu Sou”.

 

OITO DECLARAÇÕES DE JESUS ACERCA DA SUA DIVINDADE

Pão da Vida

“Eu sou o pão da vida” (Jo 6.35,48; 6.51; 12.46).

 

Luz do Mundo

“Eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12).

 

Eu sou

“Eu sou” (Jo 8.18,23,24,28,58; 13.19).

 

A Porta

“Eu sou a porta” (Jo 10.7,9).

 

O Bom Pastor

“Eu sou o bom Pastor” (Jo 10.11,14)

 

A Ressurreição e a Vida

“Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo 11.25)

 

O Caminho, Verdade e Vida

“Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida” (Jo 14.6)

 

Videira Verdadeira

“Eu sou a videira verdadeira” (Jo 15.1,5)

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

União Hipostática: Expressão teológica que descreve a perfeita união entre as naturezas divina e humana na Pessoa única de Jesus.

 

Esta lição fala das duas naturezas de Cristo: a humana e a divina. Jesus viveu entre nós, empregando as qualificações e características humanas, exceto o pecado. Como Deus, Ele manifestou todo o seu poder e glória. Ele é o Eterno e verdadeiro Deus, e ao mesmo tempo, verdadeiro e perfeito homem, algo desconhecido na raça humana devido à Queda no Éden.

 

I. A NATUREZA HUMANA DE JESUS

 

1. “Nasceu da descendência de Davi segundo a carne” (v.3). Essa expressão, usada amiúde por Paulo, revela a identificação de Jesus com a humanidade.

O apóstolo empregou o termo “carne” com esse mesmo sentido em Romanos 9.5. Era conveniente que Jesus viesse ao mundo como homem; se assim não fora, não poderia sofrer e, por conseguinte, ser o Salvador da humanidade (Hb 2.17). Além disso, a Bíblia mostra a humanidade de Jesus, inclusive sua linhagem (Sl 22.22; Fp 2.6-11; 1 Tm 2.5; 2 Tm 2.8). Sua genealogia encontra-se em Mateus 1.1-17 e Lucas 3.2-38.

2. Características humanas. Os Evangelhos revelam que Jesus possuía atributos próprios do ser humano.

Embora gerado por ato sobrenatural do Espírito Santo, o Mestre nascera de uma mulher (Mt 1.18,20; Lc 1.35) e teve irmãos e irmãs (Mt 12.47; 13.55-56). Sentiu sono, fome, sede e cansaço (Mt 21.18; Mc 4.38; Jo 4.6; 19.28). Sofreu, chorou, angustiou-se (Mt 26.37; Lc 19.41; Hb 13.12) e, por fim, passou pela agonia da morte.

Mas, ressuscitou glorioso, poderoso e triunfante ao terceiro dia (1 Co 15.3,4).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Embora gerado pela ação sobrenatural do Espírito Santo, Jesus possuía todos os atributos humanos, exceto o pecado: sentiu sono, fome, sede e cansaço.

 

II. A NATUREZA DIVINA DE JESUS

 

1. Explícita na declaração “Filho de Deus” (v.4). A expressão “Filho de Deus”, conforme vimos na lição passada, é uma das revelações da divindade de Jesus (Jo 5.18, 10.33-36).

O Senhor Jesus declarou “ser um com o Pai”; isso significa ser o mesmo Deus e não a mesma pessoa (Jo 10.30).

A divindade de Cristo é ensinada em toda a Bíblia de maneira direta: “e o Verbo era Deus” (Jo 1.1), “este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1 Jo 5.20) e, também, através dos seus atributos divinos, tais como onipresença, onipotência, onisciência, eternidade entre outros (Mt 18.20; 28.18; Jo 21.17; Hb 13.8).

2. Explícita em seu ministério terreno. Jesus nunca disse “eu acho”, “eu penso”, “eu suponho”; jamais afirmou não poder resolver este ou aquele problema. Para o Mestre, não há impossível. Jesus não somente declarou ser Deus, mas revelou suas qualidades divinas, demonstrando seu poder sobre a natureza, o pecado, as enfermidades, o inferno, e a morte.

Os Evangelhos estão repletos de suas manifestações divinas e sobrenaturais (Lc 24.19; At 2.22) Claro exemplo disso é o fato de Jesus ter perdoado os pecados do paralítico de Cafarnaum (Lc 5.21,24) e, por diversas vezes, ter recebido adoração (Mt 8.2; 9.18; Jo 9.38). Ele afirmou ser o grande “Eu Sou”: “antes que Abraão existisse, eu sou” (Êx 3.14; Jo 8.58).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

A natureza divina de Jesus é comprovada pelo seu extraordinário ministério terreno, seus nomes e títulos, e por suas incontestáveis declarações explícitas.

 

III. PRINCIPAIS HERESIAS SOBRE AS NATUREZAS DE JESUS

 

1. Gnosticismo. Os gnósticos deram muito trabalho às igrejas dos tempos apostólicos. Seu pior período ocorreu em 135-160 d.C. Seus ensinamentos não passavam de enxertos das filosofias pagãs nas doutrinas cristãs mais importantes. Eles negavam o cristianismo histórico, afirmando que o Senhor Jesus jamais teve um corpo como o nosso. Segundo eles, o corpo de Cristo existia apenas aparentemente.

A Bíblia é incisiva: “O Verbo se fez carne” (Jo 1.14); “todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus” (1 Jo 4.3). É bom lembrar que os escritos de João são do final do primeiro século e compostos na cidade de Éfeso, então capital da Ásia Menor, onde surgiu o gnosticismo.

2. Apolinarismo. Apolinário, bispo de Laodicéia, nasceu em 310 d.C. e morreu em 392. Ele afirmava que Jesus não tinha espírito humano porque, em sua encarnação, o “Logos” ocupou o lugar da alma. Afirmou ainda que, quem põe em Cristo sua confiança como homem, destitui-se de racionalidade e torna-se indigno de salvação. Essa doutrina contraria a ortodoxia bíblica, pois a Palavra de Deus afirma que o Senhor Jesus é o verdadeiro homem (1 Tm 2.5). Em Hebreus 2.14,17,18; 4.15, as Escrituras declaram que a humanidade de Jesus é igual à nossa, exceto quanto ao pecado: “Pelo que convinha que, em tudo, fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. Porque, naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados”.

3. Monofisismo. Trata-se da falsa doutrina que afirma haver apenas uma única natureza em Cristo: só a divina ou divina e humana amalgamadas. Ou seja: mista. Assim, Jesus teria uma natureza híbrida; nem totalmente Deus nem totalmente homem. Todavia, a Bíblia ensina que o verdadeiro Deus veio ao mundo como um verdadeiro homem. Sendo homem, podia fazer a reconciliação pelos homens; sendo Deus, a sua reconciliação torna-se infinitamente valiosa.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

O gnosticismo, apolinarismo e monofisismo são heresias históricas que se opuseram à doutrina das duas naturezas divinas de Cristo.

 

IV. A UNIÃO DAS DUAS NATUREZAS DE JESUS

 

1. O perfeito homem e o perfeito Deus. Convém ressaltar que Jesus não é metade Deus nem metade homem. Ele é o perfeito homem Jesus Cristo (1 Tm 2.5), e o perfeito Deus, em toda a plenitude “porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Cl 2.9).

2. O kenoticismo. A doutrina kenótica diz que Jesus não era Deus quando esteve aqui na Terra. Afirmam isso, por interpretarem erroneamente, em Fp 2.7, o termo “aniquilou-se”, ou “esvaziou-se”, concernente a Cristo. Esse “esvaziamento”, porém, não é de sua divindade, mas de sua glória. Jesus jamais “deixou no céu” a sua divindade para recuperá-la depois. É impossível a nós, seres frágeis, mortais e pecadores, encontrar nas Escrituras Sagradas a linha divisória entre a divindade e a humanidade de Jesus; trata-se de um mistério oculto aos seres humanos (1 Tm 3.16; Rm 9.20; Jó 9.3-14).

 

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

 

Ao contrário do que afirma o kenoticismo, as naturezas divina e humana de Jesus coexistem com suas diferenças, mantendo suas características peculiares na pessoa única de Jesus: Ele é perfeito em humanidade e deidade.

 

CONCLUSÃO

 

Assim como é herético negar a divindade de Cristo, da mesma forma o é negar a sua humanidade. Devemos reconhecer e defender a ortodoxia bíblica a respeito das duas naturezas de Jesus, pois, Ele é verdadeiro homem e verdadeiro Deus.

 

VOCABULÁRIO

 

Amalgamar: Reunir, misturar, mesclar.
Amiúde: Repetidas vezes; repetidamente; freqüentemente.
Enxerto: Aquilo que se insere ou coloca.
Sínodo: Assembléia de bispos do mundo inteiro.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

COHEN, A. C. Vida terrena de Jesus. 4.ed., RJ: CPAD, 2000.
SOARES, E. Manual de apologética cristã. RJ: CPAD, 2002.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Cite três características humanas de Jesus.

R. Sofreu, chorou, angustiou-se (Hb 13.12; Lc 19.41; Mt 26.37).

 

2. Mencione um fato do ministério de Jesus que prova a sua divindade.

R. O fato de Jesus ter perdoado os pecados.

 

3. Descreva a heresia de Apolinário, bispo de Laodicéia.

R. Segundo Apolinário Jesus não tinha espírito humano porque, em sua encarnação, o “Logos” ocupou o lugar da alma.

 

4. O que ensinava o monofisismo?

R. Ensinava haver apenas uma natureza em Cristo: só a divina ou divina e humana amalgamadas.

 

5. Explique o erro do kenoticismo.

R. A doutrina kenótica diz que Jesus não era Deus quando esteve aqui na Terra.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“EU SOU

A Bíblia diz que somente o Deus Jeová, de Israel, é ‘Eu Sou’ (Dt 32.39). O texto hebraico diz Ani Hu, ‘eu [sou] ele’, e aparece também em Isaías 41.4; 43.10; 46.4; 52.6. A Septuaginta traduziu essa expressão por ego eimi, ‘Eu sou’, a mesma usada em João 8.58. Mesmo o texto hebraico do Novo Testamento traduz João 8.58 por Ani Hu. O ‘Eu Sou’ de Êxodos 3.14 é ehyeh, em hebraico, Ehyeh Asher Ehyeh, ou seja, ‘eu sou o que sou’. A Septuaginta traduziu essa expressão por Ego Eimi ho On, ou seja, ‘Eu Sou o Ser’. Convém ainda salientar que o verbo ‘ser’ está desprovido de tempo, não encerrando, portanto, a idéia temporal. Com isso, Jesus está afirmando que é Eterno. O conceito de tempo nesse texto recai sobre a palavra prin, que se traduz por ‘antes’, e o acentuado contraste entre os verbos gregos ‘existisse’ (genesthai) e eu ‘sou’ (eimi) mostra que mesmo antes de Abraão existir Jesus já existia eternamente [...]

Portanto, o nome ‘Jeová’ procede do verbo ‘ser’. A expressão ‘EU SOU O QUE SOU’ revela o caráter e a natureza de Deus como o Ser que tem existência própria, que é imutável e que causa todas as coisas, logo, o que existe por si mesmo: aquele que é, que era e o que há de vir, o Eterno. O Senhor Jesus tem esse mesmo atributo, porque Ele é Deus igual ao Pai”.

(SOARES, E. Manual de apologética cristã. RJ: CPAD, 2002, pp.104-5.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

“E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1.14a). Com essas magistrais palavras o discípulo amado sintetizou o mistério da encarnação e das naturezas divina e humana coexistindo na pessoa única de Cristo. Jesus é Deus, o Verbo, mas também é homem, pois “se fez carne e habitou entre nós”. Quão profundo é o mistério da encarnação de Cristo Jesus! O Verbo, que, sem deixar de ser Deus, se fez homem (Fp 2.6,7); o Rico que se tornou pobre (2 Co 8.9); o Santo que abraçou a maldição da cruz (Cl 3.13); o Rei que se manifestou como servo (Fp 2.7), o Exaltado que “humilhou-se a si mesmo” (Fp 2.8). Como podes viver enclausurado na pequenez dos teus problemas? Acaso não sabes que o nosso Senhor Jesus Cristo, “sendo rico, por amor de vós se fez pobre, para que, pela sua pobreza, enriquecêsseis” (2 Co 8.9). Levanta-te! Ergue a cabeça, a graça de Jesus te sustenta!

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 4: A infância de Jesus

Data: 27 de Janeiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens” (Lc 2.52).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Jesus em sua vida terrena desenvolveu-se física, social e mentalmente como toda criança, agradando a Deus e aos homens.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Is 9.6

A vinda do Menino é anunciada

 

 

 

Terça - Os 11.1

Do Egito o Menino foi chamado

 

 

 

Quarta - Lc 2.27

O Menino é apresentado no templo

 

 

 

Quinta - Mt 2.11

Presentes para o Menino

 

 

 

Sexta - Mt 2.13-15

A fuga do Menino para o Egito

 

 

 

Sábado - Mt 2.21

O Menino retorna do Egito

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Lucas 2.40-51.

 

40 - E o menino crescia e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele.

41 - Ora, todos os anos, iam seus pais a Jerusalém, à Festa da Páscoa.

42 - E, tendo ele já doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume do dia da festa.

43 - E, regressando eles, terminados aqueles dias, ficou o menino Jesus em Jerusalém, e não o souberam seus pais.

44 - Pensando, porém, eles que viria de companhia pelo caminho, andaram caminho de um dia e procuravam-no entre os parentes e conhecidos.

45 - E, como o não encontrassem, voltaram a Jerusalém em busca dele.

46 - E aconteceu que, passados três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os.

47 - E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas.

48 - E, quando o viram, maravilharam-se, e disse-lhe sua mãe: Filho, por que fizeste assim para conosco? Eis que teu pai e eu, ansiosos, te procurávamos.

49 - E ele lhes disse: Por que é que me procuráveis? Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai?

50 - E eles não compreenderam as palavras que lhes dizia.

51 - E desceu com eles, e foi para Nazaré, e era-lhes sujeito. E sua mãe guardava no coração todas essas coisas.

 

INTERAÇÃO

 

Caro professor, estude atentamente a Orientação Pedagógica desta lição. Leia os textos bíblicos relacionados à infância de Jesus, e faça uma correspondência entre os fatos e a localização geográfica em que eles ocorreram. Explique aos alunos que apesar de haver cerca de dezoito anos de silêncio entre a infância e vida adulta de Cristo, temos fatos suficientes para crermos em sua humanidade e deidade (Jo 20.31). Deus o abençoe!

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever o tríplice desenvolvimento de Jesus.
  • Explicar a razão pela qual parte da infância de Jesus é omitida.
  • Identificar, no mapa, as regiões da infância de Jesus.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Com base nas informações abaixo e no mapa seguinte, apresente aos alunos os fatos e regiões relacionadas à infância de Jesus. Acompanhe a ordem alfabética.

(A) Nazaré: Anunciação (Lc 1.26-38), cerca de 7-6 a.C.

(B) Nas montanhas [Hebrom?]: Visita a Isabel (Lc 1.39-56). Decreto de César Augusto (Lc 2.1-2).

(C) Belém: Censo (Lc 2.1-4), cerca de 6-5 a.C. Fatos consequentes: Nascimento de Jesus (Lc 2.7); Anúncio aos Pastores (Lc 2.8-20); Circuncisão de Jesus (Lc 2.21), 8 dias de nascido.

(D) Jerusalém: Apresentação de Jesus (Lc 2.22-38), 40 dias de nascido; Visita dos magos (Mt 2.1,2,8).

(C) Belém: Herodes, seu decreto e fuga da matança (Mt 2.8,13-18), cerca de 5 a.C.

(E) Egito: Estadia (Mt 2.19-21).

(A) Nazaré: Retorno e infância (Mt 2.23; Lc 2.31), cerca de 7 d.C.

(D) Jerusalém: Entre os doutores aos 12 anos (Lc 2.42,46 ), cerca de 7-8 d.C.

(A) Nazaré: Dos 12 aos 30 anos (Lc 2.51,52).

 

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Infância: Período de crescimento, no ser humano, que vai do nascimento até a puberdade.

 

O texto bíblico da lição desta semana trata da infância de Jesus, o Filho de Deus (Jo 1.49; Mc 15.39). São poucos os relatos inspirados da infância de Cristo, por isso devemos extrair deles tudo o que pudermos para uma melhor compreensão da mais bela e incomparável historiada humanidade.

 

I. A INFÂNCIA DE JESUS

 

1. Jesus também foi criança. Muitos se esquecem de que Jesus, como homem, já foi criança. Ele cresceu junto a seus pais terrenos. Como toda a criança, teve que aprender a falar, escrever etc. Somente Lucas registrou, ainda que de forma bem resumida, a primeira fase da vida terrena de Jesus.

A expressão, “e o menino crescia”, (v.40) afirma que Ele viveu entre nós e passou por todas as etapas do desenvolvimento humano até chegar à idade adulta. Como verdadeiro homem, Jesus experimentou o crescimento físico e mental. Ele crescia em sabedoria na graça divina. Era perfeito quanto à natureza humana, e prosseguia para a maturidade, segundo o desígnio do Pai.

a) O crescimento físico de Jesus (v.40). O texto nos diz claramente: “e o menino crescia”. Tudo indica que Jesus teve um crescimento normal, fora de qualquer anomalia. Era uma preparação para o cumprimento do seu ministério.

b) O crescimento espiritual (v.40). O menino Jesus não fora levado pelas paixões juvenis e carnais do seu tempo. Ele estava no mundo, porém não era do mundo (Jo 1.10). “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há”, adverte-nos a Palavra (1 Jo 2.15). O infante Jesus viveu dentro desses preceitos, tornando-se forte espiritualmente. Por isso o apóstolo Paulo adverte-nos: “Fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus” (2 Tm 2.1).

c) Crescimento intelectual (v.40). Jesus também cresceu em toda sabedoria a ponto de confundir os doutores da lei. Pedro nos ensinou: “Crescei na graça e no conhecimento” (2 Pe 3.16). Jesus cresceu em toda a extensão, embora fosse tudo em todos. Ele é a graça de Deus manifestada (Tt 2.11).

2. Fonte de informação sobre a infância de Jesus. Os Evangelhos são as fontes básicas de informação sobre Jesus como homem. Os escritores dos Evangelhos tinham como objetivo mostrar a redenção da humanidade por nosso Senhor Jesus Cristo: “Esta é uma palavra fiel e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores” (1 Tm 1.15).

O silêncio que precedeu o início da apresentação pública de Jesus não deve surpreender-nos. Mateus, Marcos, Lucas e João deram profundo enfoque à última semana da vida terrena de Jesus, quando a tão aguardada redenção do pecador foi consumada.

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Os Evangelhos são as únicas fontes confiáveis de informações sobre a infância de Jesus. Por eles sabemos que Jesus, como homem, desenvolveu-se física, espiritual e intelectualmente.

 

II. O MENINO JESUS ENTRE OS DOUTORES

 

1. Uma família piedosa (v.41). A Páscoa era a mais importante festa religiosa de Israel. Todo homem adulto tinha o compromisso, segundo o preceito divino, de ir anualmente a Jerusalém, à Festa da Páscoa (Dt 16.16).

As mulheres não tinham esse compromisso. Isso mostra o quanto Maria era devotada.

Zelosos no cumprimento da Lei de Deus, José e Maria iam todos os anos à Festa da Páscoa (v.41). Não dispunham de muitas posses, mas, mesmo assim, não deixavam de ir a Jerusalém para a adoração. Eles são exemplos de dedicação e amor a Deus.

2. O menino Jesus em Jerusalém (vv.43-46). Jesus foi levado, por seus pais, a Jerusalém pela primeira vez para a cerimônia de purificação de acordo os preceitos da lei (Lc 2.22). Segundo o costume judaico, Ele foi circuncidado, recebendo seu nome pessoal no oitavo dia (Lc 2.21-24). A festa durava sete dias (Êx 12.15). Aos doze anos, foi o menino Jesus outra vez a Jerusalém. Nessa ocasião, seus pais o perderam na multidão. É provável que, na viagem de regresso, Maria tivesse pensado que Jesus estava com José e vice-versa. Descobriram, então, que Ele não estava entre os que retornavam. E, assim, decidiram voltar para Jerusalém.

Passado três dias, os pais de Jesus o encontraram “no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os” (v.46). O que chamou a atenção dos doutores e dos que presenciaram a cena era o conhecimento e interesse de Jesus, ainda um adolescente, pelas coisas de Deus. Ele não somente fazia perguntas, mas também as respondia.

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

A família de Jesus era piedosa e temente a Deus, razão pela qual o menino cumpriu todos os rituais e tradições do judaísmo. A piedade e sabedoria de Cristo surpreenderam até os doutores da lei.

 

III. O DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA DIVINA EM JESUS

 

1. Consciente de sua identidade e filiação divina (v.49). José e Maria estavam conscientes da origem divina de Jesus, bem como de sua missão redentora (Lc 1.30-38; 2.8-19,25-35). Então, Maria perguntou a Jesus: “Filho, por que fizeste assim conosco (v.48)?” Jesus lhe respondeu com outra pergunta: “Por que é que me procuráveis? Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai?” (v.49). O menino demonstrou ter plena consciência de que era, de fato, o Filho de Deus e o Messias de Israel.

2. Um exemplo de obediência (v.51). Mesmo plenamente consciente de que era o Filho de Deus, Jesus era ao mesmo tempo submisso a José e Maria: “e era-lhes sujeito” (v.51). A obediência é um ato de rendição voluntária, do contrário, se torna escravidão, o que é contrário ao Espírito Santo (Mt 14.36; Gl 5.1). Jesus foi obediente em tudo: “embora fosse Filho aprendeu a obediência” (Hb 5.8). Neste versículo encontramos a última referência a José no Novo Testamento. Nas bodas de Cana da Galiléia, ele não estava presente (Jo 2.1). Talvez já houvesse falecido.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Jesus aos doze anos já era consciente de sua filiação divina. No entanto, foi obediente aos seus pais em tudo.

 

CONCLUSÃO

 

O limitado relato bíblico que temos a respeito da infância de Jesus é plenamente suficiente para a compreensão da Sua vida. O compromisso do cristão só tem a ver com o que está escrito na Bíblia; não com especulações.

 

VOCABULÁRIO

 

Anomalia: Anormalidade.
Especulação: Investigação teórica; exploração.
Infante: Que está na infância; infantil; criança.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

COHEN, A. C. A vida terrena de Jesus. 4.ed., RJ: CPAD, 2000.
DOWLEY, T. Pequeno Atlas Bíblico. RJ: CPAD, 2005.
SILVA, S. P. A vida de Cristo. RJ: CPAD, 2000.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Descreva as três características do desenvolvimento do menino Jesus.

R. Crescimento físico, espiritual e intelectual.

 

2. Quais são as fontes de informações a respeito da infância de Jesus.

R. Os Evangelhos.

 

3. Cite um fato que comprove o zelo da família de Jesus.

R. O fato de irem anualmente à Festa da Páscoa.

 

4. Explique o ritual de apresentação do menino Jesus no Templo.

R. Jesus fora apresentado e circuncidado no oitavo dia conforme o costume judaico.

 

5. Faça uma síntese da obediência de Jesus aos seus pais.

R. Embora consciente de sua filiação divina, Jesus era submisso aos seus pais.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Bíblico

 

“A Infância de Jesus

Na passagem de Lucas 2.7, encontramos nosso Senhor com apenas ‘um dia’ de nascido; envolto em panos, deitado numa manjedoura, e visitado pelos pastores belemitas. Oito dias depois, Ele foi conduzido ao ato da circuncisão mosaica, e foi ‘lhe dado o nome’ (Lv 12.3; Lc 2.21). Quarenta e um dias depois, seus pais o levaram ao Templo para apresentação, segundo a lei cerimonial (Lv 12.3ss; Lc 2.22). Ali foi contemplado pela profetiza Ana e seus pais foram abençoados por Simeão (Não Jesus, porque Ele é a bênção!). Ver Hb 7.7.

Aproximadamente dois anos depois, Jesus é visitado pelos magos do Oriente, que o encontram numa casa (oikia) e não em uma manjedoura (phatnē), conforme fica depreendido de Mateus 2.11. Herodes, sendo iludido pelos magos, procura matá-lo e, sobre a benévola escuridão da noite, orientado pelo anjo, José foge para o Egito levando consigo Maria e a criança (Mt 2.14,16).

As Escrituras não nos informam por quanto tempo Jesus e seus pais permaneceram no Egito, entretanto, antes de doze anos, aconteceu o regresso (cf. Os 11.1; Lc 2.43)”.

(SILVA, S. P. A vida de Cristo. RJ: CPAD, 2000, p. 37.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

José e Maria, pais de Jesus, eram dedicados às leis e costumes da religião Judaica. Educaram os seus filhos conforme os ditames da Lei e de suas tradições religiosas. O menino Jesus reconhecia a piedade de seus pais e “era-lhes sujeito” (Lc 2.51). Embora cônscio de sua identidade divina, Jesus foi obediente aos seus pais até o final, e mesmo na cruz não abandonou sua mãe (Jo 19.25,27). Da infância até a crucificação, Jesus foi submisso ao Pai Eterno e aos seus pais mortais, deixando-nos um memorável exemplo, a fim de que cuidemos de nosso pai e mãe e a eles sejamos obedientes em tudo. Se o próprio Filho de Deus foi sujeito aos seus pais humanos, porque nós, algumas vezes, os desobedecemos? “Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo” (Ef 6.1).

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 5: O batismo de Jesus

Data: 3 de Fevereiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

E eu não o conhecia, mas, para que ele fosse manifestado a Israel, vim eu, por isso, batizando com água” (Jo 1.31).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Assim como Jesus foi batizado para cumprir toda a justiça, o cristão deve obedecer às Escrituras para cumprir a vontade de Deus.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Lc 3.21,22

O Espírito Santo no batismo de Jesus

 

 

 

Terça - Mt 3.16

O batismo de Jesus foi por imersão

 

 

 

Quarta - Lc 3.22; Jo 1.33

O Pai certifica a identidade do Filho no batismo

 

 

 

Quinta - Mt 3.15

Jesus foi batizado para cumprir toda a justiça

 

 

 

Sexta - Mt 28.19; Mc 16.16

O batismo nas águas é uma ordenança bíblica

 

 

 

Sábado - At 8.37

É necessário crer em Jesus para ser batizado

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Mateus 3.1-6, 13-17.

 

1 - E, naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judéia

2 - e dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus.

3 - Porque este é o anunciado pelo profeta Isaías, que disse: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.

4 - E este João tinha a sua veste de pêlos de camelo e um cinto de couro em tomo de seus lombos e alimentava-se de gafanhotos e de mel silvestre.

5 - Então, ia ter com ele Jerusalém, e toda a Judéia, e toda a província adjacente ao Jordão;

6 - e eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados.

13 - Então, veio Jesus da Galiléia ter com João junto do Jordão, para ser batizado por ele.

14 - Mas João opunha-se-lhe, dizendo: Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim?

15 - Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o permitiu.

16 - E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele.

17 - E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.

 

INTERAÇÃO

 

Caro professor, o seu ministério de ensino é uma dádiva que Deus concedeu a igreja local. Agradeça ao Senhor e ao seu pastor-superintendente pelo privilégio de ser professor da Escola Dominical. Porém, ter apenas a vocação não basta é indispensável irrestrita dedicação ao ensino (Rm 12.7), comunhão com Deus e profundidade teológica (Hb 5.12; 6.1). Deus o abençoe!

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Distinguir o batismo de João do ritual judaico.
  • Explicar o propósito do batismo de Cristo.
  • Descrever os fatos do batismo de Jesus.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, após cumprimentar os alunos, faça a seguinte pergunta: “Se Jesus não era pecador por que se submeteu ao batismo de arrependimento realizado por João?”. Ouça atentamente as respostas e a seguir ministre a lição. Lembre-se de que o método de perguntas e respostas, segundo o professor Marcos Tuler, “leva o aluno a pensar e a estabelecer as relações entre as verdades já apreendidas e a organizá-las em sua memória”. Ao final de cada tópico da lição, continue a empregar a problematização como recurso, usando as questões presentes neste manual e que constam também na lição do aluno. Após as respostas da classe, use a sinopse de cada tópico para fixar o ensino principal da seção, e, somente depois, avance para o assunto seguinte.

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Batismo: Ritual ministrado ao crente como testemunho de seu arrependimento e fé na obra salvífica de Jesus.

 

O batismo de Jesus é narrado nos quatro Evangelhos: Mateus (3.13-17), Marcos (1.9-11), Lucas (3.21,22) e João (1.32-34). Isso, por si só, constitui forte testemunho de sua importância e singularidade. Entretanto, o Evangelho de João destaca-se dos demais. Em sua narrativa, o apóstolo apresenta o testemunho do Pai a respeito da identidade do Filho, e ainda registra a declaração de João Batista sobre a missão redentora de Cristo (Jo 1.29-34).

Em seu batismo, Jesus foi apresentado como o Filho amado do Pai (Mt 3.17) e Servo do Senhor (Mt 3.17 cf. Is 42.1). Estudemos, pois, esta valiosa lição.

 

I. O PROFETA JOÃO

 

1. João, o batista (vv.1,2). “Batista” significa “aquele que batiza”. João era chamado de “Batista” porque batizava no deserto da Judéia, nas águas do rio Jordão (Mt 3.1,6; Mc 1.4,5; 6.14). Ele fora escolhido por Deus desde o ventre de sua mãe para realizar uma obra muito especial (Lc 1.15-17): pregar “o batismo de arrependimento, para remissão de pecados” (Mc 1.4), e ordenar a todos que produzissem “frutos dignos de arrependimento” (Mt 3.8). João promovera em seu tempo, em pleno deserto, uma campanha nacional de arrependimento e confissão de pecados.

2. O precursor do Messias (v.3). João estava consciente de sua chamada, missão e identidade (Mt 3.11; Jo 1.33; 3.28). Fora ele enviado por Deus para anunciar a chegada do Messias e “testificar a respeito da Luz” (Jo 1.7, 8; Mc 1.2,3): “Este é aquele que vem após mim, que foi antes de mim, do qual eu não sou digno de desatar as correias das sandálias... E eu vi e tenho testificado que este é o Filho de Deus” (Jo 1.27,34). O testemunho de João atestava a infinita superioridade de Jesus.

3. Sua mensagem (vv.2-5). A mensagem de João tinha por objetivo convencer o povo de seus pecados e os líderes judeus de sua hipocrisia religiosa (Mt 3.7-12). Homens e mulheres eram batizados e instados a produzirem frutos “dignos de arrependimento” (Mt 3.8). Muitos provenientes de Jerusalém, da Judéia e das províncias adjacentes ao Jordão, caminhavam quilômetros atraídos pelo ardor da mensagem do contundente profeta (v.5). João era admirado e reconhecido pelo povo (Mc 11.32), porém, tenazmente odiado pela classe dominante (Mc 6.14-29; Rm 10.21).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

O profeta João foi o precursor do Messias, pregador eloqüente na região desértica da Judéia e batizador daqueles que criam em sua mensagem.

 

II. O BATISMO EM ÁGUAS NA BÍBLIA

 

1. Entre os judeus. O batismo em águas já existia em Israel quando João iniciara seu ministério profético no deserto da Judéia. A novidade não estava no ato em si, mas no fato de os judeus também serem submetidos ao batismo. Pois, até então, esse ritual restringia-se aos gentios convertidos ao judaísmo. Para os judeus, somente os pagãos necessitavam de arrependimento (Cl 2.15; Mt 3.9). Era por esse motivo que as autoridades judaicas estranhavam o fato de João batizar os descendentes de Abraão (Mt 3.7-9). Todavia, a mensagem divina é incisiva: “É necessário nascer de novo”, e não simplesmente pertencer a uma nação (Mt 3.9; Jo 3.3).

2. Seu significado. O batismo é um ritual repleto de significados espirituais, ministrado ao crente como testemunho de arrependimento e de fé nos méritos salvadores de Cristo. No original, o termo batismo significa “mergulho”, “imergir” ou “imersão”.

Essa mesma palavra grega foi empregada na Septuaginta em 2 Reis 5.14, referindo-se aos sete mergulhos de Naamã no rio Jordão. O sentido de “mergulho”, no ato do batismo, também está presente na descrição do apóstolo Paulo em Romanos 6.4,5.

3. O batismo cristão. O arrependimento e o perdão dos pecados precedem o batismo cristão. João somente batizava àqueles que estivessem dispostos a renunciar o pecado e a mudar de estilo de vida: “Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento” (Mt 3.8; Lc 3.8). Os primeiros convertidos, no dia de Pentecostes, foram batizados justamente porque primeiro receberam a Palavra “de bom grado” (At 2.41). Em lugar algum, o Novo Testamento ensina que o batismo é eficaz para ministrar a salvação, ou transmitir “graças espirituais” ao batizando. Embora ineficaz para a salvação da alma, o batismo é uma ordenança divina que deve ser cumprida cabalmente por todos os cristãos (Mt 28.19, 20; Mc 16.16), pois atesta a obra salvífica já realizada na vida dos que crêem.

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Ao invés de batizar os prosélitos do judaísmo, João batizava os judeus, filhos de Abraão. O batismo cristão, contudo, deve ser precedido pelo arrependimento e perdão dos pecados através dos méritos salvíficos de Cristo.

 

III. O BATISMO DO SENHOR JESUS

 

1. Jesus é superior a João Batista (v.14). Em razão de reconhecer o senhorio e a impecabilidade de Cristo, João recusou-se a batizá-lo (Jo 1.29; 3.31). A Bíblia revela que “João opunha-se-Ihe, dizendo: Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim?” (v.14).

No original, o verbo traduzido por “opor-se”, significa “impedir energicamente”. Isso significa que João recusou-se ardorosamente a batizar o Senhor Jesus. Ele dizia, e com toda razão, que necessitava ser batizado por Ele, e não o contrário. Assim como João, muitos ainda hoje ficam perplexos com o batismo de Jesus, uma vez que ele não tinha pecado e, portanto, não necessitava de arrependimento e confissão.

2. Em seu batismo, Jesus cumpriu toda a justiça (v.15). Há os que pensam que Jesus insistiu em ser batizado para que a igreja seguisse o seu exemplo. Outros imaginam que o objetivo de Jesus era endossar o ministério de João. Porém, o verdadeiro propósito era cumprir “toda a justiça” de Deus: “Porque assim nos convém cumprir toda a justiça” (v.15). É oportuno salientar que o pronome oblíquo “nos” não se refere apenas a Jesus e a João, mas a todos os que se submetiam ao batismo. Assim, mesmo sem ter cometido qualquer pecado (2 Co 5.21), o Senhor Jesus identificou-se com a massa pecadora (Gl 3.13; Hb 2.17), por meio do batismo.

3. A descida do Espírito Santo sobre Jesus (v.16). Em Gênesis 1.2, a Bíblia afirma que o Espírito de Deus “flutuava” ou “voava” “sobre a face das águas”. No original, o verbo “movia”, significa “pairava”, “flutuava”, “voava”. Traduz a idéia de “cobrir os filhotes com asas”, indicando “preservação”, “criação” e “cuidado”.

No dia de Pentecostes, o Espírito desceu como vento e fogo sobre os discípulos (At 2.2-4). Entretanto, foi “em forma corpórea, como pomba” (Lc 3.22) que o Espírito de Deus pousou sobre o Senhor Jesus, visto que não possuía qualquer pecado para ser consumido. A pomba, como símbolo do Espírito Santo, representa pureza, simplicidade e mansidão.

4. O testemunho do Pai (v.17). Assim que Jesus saiu da água uma voz bradou dos céus dizendo: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo” (v.17). Agora não era mais o testemunho de João Batista (Jo 1.29; Lc 3.16), mas a certificação pública do próprio Pai. Duas importantes profecias messiânicas cumpriram-se nessa afirmação: Sl 2.7 e Is 42.1.

Os evangelhos não afirmam categoricamente se todos os presentes ouviram “a voz dos céus”. Contudo, é possível que de fato a tenham ouvido. Mateus, entretanto, ao narrar o ministério público de Jesus, tornou claro o que está implícito nas palavras celestes.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Embora João relutasse em batizar o Senhor Jesus, este se submeteu ao rito a fim de cumprir toda a justiça de Deus e a identificar-se com a massa pecadora, apesar de santo e inculpável.

 

CONCLUSÃO

 

Os quatro Evangelhos asseveram que Jesus foi batizado por João. O batismo do Senhor revela sua plena identificação com a humanidade. Assim, pelo batismo nas águas, nós também somos identificados com Ele na sua morte e ressurreição (Rm 6.4).

 

VOCABULÁRIO

 

Ardor: Energia; vivacidade.
Atestar: Testemunhar; testificar; provar.
Ineficaz: Não eficaz; inútil.
Vaticinar: Predizer; profetizar; anunciar.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ARRINGTONN, F.L; STRONSTAD, R. (eds.) Comentário bíblico pentecostal: Novo Testamento. RJ: CPAD, 2004.
TULER, M. Manual do professor da Escola Dominical. RJ: CPAD, 2002.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Explique o motivo pelo qual o profeta João ficou conhecido como “João Batista”.

R. Porque batizava no deserto da Judéia, nas águas do rio Jordão (Mt 3.1,6; Mc 1.4,5; 6.14).

 

2. Descreva dois objetivos da mensagem pregada por João.

R. Convencer o povo de seus pecados e os líderes judeus de sua hipocrisia religiosa (Mt 3.7-12).

 

3. O que diferenciava o batismo de João do rito Judaico?

R. A novidade não estava no ato em si, mas no fato de os judeus também serem submetidos ao batismo.

 

4. O que é o batismo cristão?

R. O batismo é uma ordenança divina que deve ser cumprida cabalmente por todos os cristãos (Mt 28.19, 20; Mc 16.16), pois atesta a obra salvífica já realizada na vida dos que crêem.

 

5. Quais as duas profecias que se cumpriram no batismo de Jesus?

R. Sl 2.7 e Is 42.1.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Doutrinário

 

“Por que Jesus se submeteu ao batismo?

Há várias maneiras de responder. De acordo com Lucas, era necessário para que Jesus recebesse o poder do Espírito Santo a fim de cumprir sua chamada como Messias. Em Mateus, Jesus disse: ‘Assim convém cumprir toda a justiça’ (3.15). Ele carecia de purificação de pecados? Não, pois o Novo Testamento destaca que o entendimento que os primeiros cristãos tinham de sacrifício exigia um sacrifício sem mancha nem pecado, como nos sacrifícios judaicos. Jesus é apresentado como Cordeiro imaculado de Deus e o sacrifício pascal (Mt 26.17-29; Jo 1.29; Ap 5.6-8). Paulo também entendeu que Jesus não tinha pecados (2 Co 5.21); portanto, a purificação de pecados não é o ponto de debate para Jesus.

O frequente tema de Mateus - cumprimento - afiança a resposta: para ‘cumprir toda a justiça’. A justiça para Mateus não é meramente guardar normas e regulamentos [...] Contudo a verdadeira justiça está baseada numa relação com Deus, que está implícita no seu perdão misericordioso, e num recebedor arrependido que deseja cumprir a justiça de Deus - e não no próprio entendimento que a pessoa tenha disso (Mt 5.20; 6.33)”.

(ARRINGTONN, EL; STRONSTAD, R. (eds.) Comentário bíblico pentecostal: Novo Testamento. 2.ed., RJ: CPAD, 2004, p.27.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

Jesus, o Cordeiro santo de Deus, submeteu-se ao batismo de João para “cumprir toda a justiça de Deus”. Além da vontade do Senhor Jesus em cumprir a justiça de Deus, não havia qualquer outra obrigação para tal. João reconhecera este fato e relutou em batizá-lo. Ora se o próprio Senhor sujeitou-se ao batismo, por que alguns crentes protelam em cumprir esse rito? Acaso são melhores e mais justos do que o Santo?

“O batismo não salva”, dizem. Porém, todos os salvos em Cristo Jesus desejam descer as águas batismais! “O batismo não transmite fé”, afirmam. Todavia, confirma publicamente a fé dos conversos a Cristo. Que os tais aprendam em silêncio com o eunuco etíope: “Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração” (At 8.36,37).

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 6: Jesus, o Profeta das nações

Data: 10 de Fevereiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

E a multidão dizia: Este é Jesus, o Profeta de Nazaré da Galiléia” (Mt 21.11).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Jesus é o Cristo-Profeta que ilumina e salva as nações.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Dt 18.15,18

Jesus, Profeta semelhante a Moisés

 

 

 

Terça - Jo 6.14

Jesus, Profeta que devia vir ao mundo

 

 

 

Quarta - Lc 7.16

Jesus, o Grande Profeta

 

 

 

Quinta - Lc 24.19

Jesus, o Poderoso Profeta

 

 

 

Sexta - Jo 4.19

Jesus, reconhecido como Profeta

 

 

 

Sábado - Jo 7.40

Jesus, o Profeta aclamado

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Atos 3.18-26.

 

18 - Mas Deus assim cumpriu o que Já dantes pela boca de todos os seus profetas havia anunciado: que o Cristo havia de padecer.

19 - Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor.

20 - E envie ele a Jesus Cristo, que já dantes vos foi pregado,

21 - o qual convém que o céu contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio.

22 - Porque Moisés disse: O Senhor, vosso Deus, levantará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser.

23 - E acontecerá que toda alma que não escutar esse profeta será exterminada dentre o povo.

24 - E todos os profetas, desde Samuel, todos quantos depois falaram, também anunciaram estes dias.

25 - Vós sois os filhos dos profetas e do concerto que Deus fez com nossos pais, dizendo a Abraão: Na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra.

26 - Ressuscitando Deus a seu Filho Jesus, primeiro o enviou a vós, para que nisso vos abençoasse, e vos desviasse, a cada um, das vossas maldades.

 

INTERAÇÃO

 

Prezado professor, esta lição trata da maior e mais importante expectativa do Antigo Testamento: a revelação do Messias, o Profeta escatológico. Antes de iniciar a lição, leia atentamente os textos a seguir: Mt 13.57; 14.5; 21.11; Mc 6.15; Lc 1.76; 7.16, 39; 13.33; 24.19; Jo 4.19; 6.14; 7.40,52; 9.17; At 3.22,23; 7.37; Hb 1.1. Essas porções bíblicas tratam direta e indiretamente do ofício profético de Jesus. Boa aula!

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever a função dos profetas na Bíblia.
  • Explicar o ministério profético do Messias.
  • Sintetizar a história da ordem profética em Israel.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, uma das palavras mais comuns para profeta no Antigo Testamento é nābî, termo que também significa “porta-voz” e “pregador”. Certo gramático afirmou que nābî procede de uma raiz cujo significado original é "ferver" ou "borbulhar". Um outro vocábulo é Chōzeh (pronúncia ro’eh), isto é, “vidente”, “aquele que vê o futuro e o anuncia”. Por meio desses dois termos, o profeta no Antigo Testamento era conhecido e respeitado como Homem de Deus, outro título a eles concedido. Use a tabela abaixo para reforçar o ensino do tópico "I" da lição.

 

PROFETA NO ANTIGO TESTAMENTO

HEBRAICO

TRADUÇÃO

SENTIDO

 

nābî

Porta-voz; profeta e pregador

Aquele que ferve com a inspiração divina, pronunciando palavras fervorosas por meio do Espírito de Deus: Êx 7.1; Dt 18.14-22.

 

Chōzeh

Vidente; aquele que vê e profetiza

Aquele que é sobrenaturalmente capacitado a ter visões e a ver aquilo que se encontra além do conhecimento comum: 1 Sm 9.9; 1 Cr 29.29; Jr 23.28.

 

‘Ish há ’Ĕlohîm

Homem de Deus; profeta

Título que se refere ao caráter santo do profeta e expressa a estreita comunhão dele com Deus: Dt 33.1; 1 Sm 2.26; 9.9; 1 Rs 13.1; 2 Rs 4.9.

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Profeta: De acordo com Êx 4.15,16 “aquele que fala no lugar de outrem”; “porta-voz de Deus”.

 

A Bíblia ensina que Jesus exerceu, entre outras funções, a de profeta, como pode ser conferido na leitura diária desta semana. A função do profeta é revelar a vontade de Deus e instruir o povo; isso Jesus fez como nenhum outro poderia fazer. Nesta lição, estudaremos tanto o conceito bíblico de profeta, como o ministério e o ofício profético de Jesus.

 

I. OS PROFETAS NA BÍBLIA

 

1. Os profetas no Antigo Testamento. No Antigo Testamento, havia três classes de mediadores entre Deus e seu povo: o profeta, o sacerdote e o rei. Jesus, como o nosso perfeito Mediador (1 Tm 2.5), reuniu, em si, os três ofícios. Ele é o Cristo-Profeta que ilumina as nações através de sua doutrina e palavra de autoridade. O profeta era o “porta-voz” de Deus (Êx 7.1; 4.10-16). Era alguém que falava em nome do Senhor: “Serás como a minha boca” (Jr 15.19). O testemunho dos profetas revelava que o Messias seria um profeta para ser a luz do mundo, tanto para Israel como para os gentios (Is 42.1; Rm 15.8).

2. O fundador da ordem dos profetas. Por ser o primeiro profeta nacional (Nm 11.29; Dt 18.18), Moisés tornou-se um modelo para os demais profetas. Foi certamente sob sua influência que Samuel, mais tarde, viria a estabelecer as conhecidas escolas de profetas (1 Sm 19.18,20; 2 Rs 2.3, 5; 4.38; 6.1).

À semelhança de Moisés, Jesus, o Filho de Deus, proclamou a Palavra de Deus com coragem e veemência (Dt 18.15,18; Jo 1.45; 4.19,29; At 3.22,23, 7.37).

3. Os profetas no Novo Testamento. Jesus disse que “a Lei e os profetas duraram até João” (Lc 16.16). Teve este um papel especial como profeta. Aliás, ele foi o cumprimento de Malaquias 4.5, o “Elias do Novo Testamento”, o precursor do Messias.

Quanto ao Senhor Jesus, foi ele reconhecido nos Evangelhos como profeta que havia de vir (Mc 1.27; 6.4,15; Jo 4.19; 6.14; 9.17). No passado, o instrumento principal para a revelação divina eram os profetas, mas agora, Deus tem se revelado aos homens através de seu Filho (Hb 1.1,2).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

No Antigo e Novo Testamento, o profeta era o porta-voz de Deus. Por meio da influência do ministério profético de Moisés, Samuel fundou as escolas de profetas. Entretanto, todos aguardavam o Messias, o profeta de Deus às nações.

 

II. O MINISTÉRIO DOS PROFETAS NO VELHO TESTAMENTO

 

1. Instruir o povo de Israel. Deus escolheu, preparou e inspirou seus servos, os profetas, para admoestar seu povo. Eles se utilizavam de métodos variados para ensinar (Os 12.10; Hb 1.1). Eram educadores ungidos pelo Senhor para ensinar ao povo a viver em santidade, tornando-lhe conhecida sua revelação e desvendando-lhe as coisas futuras (Nm 12.6; 1 Rs 19.16; Jr 18.18). Eles não hesitavam em enfrentar reis desobedientes, governadores, sacerdotes ou qualquer tipo de liderança que não seguisse a Palavra de Deus (1 Sm 1 Rs 18.18). Tinham, ainda, como missão: lutar contra a idolatria, zelar pela pureza religiosa, justiça social e fidelidade a Deus. Suas mensagens deveriam ser recebidas integralmente por toda a nação como palavra de Deus (2 Cr 20.20).

2. Anunciar a vinda do Messias (vv.18,21,24). Os profetas do Antigo Testamento vaticinaram a vinda do Profeta por Excelência. Sua Obra Redentora pode ser encontrada, tipológica e profeticamente, na Lei de Moisés e nos Profetas: “E todos os profetas, desde Samuel, todos quantos depois falaram, também anunciaram estes dias” (v.24). No texto em apreço, o apóstolo Pedro apresenta o perfil de Cristo no Antigo Testamento, provando, assim, que os últimos episódios eram o cumprimento das Escrituras.

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Entre as várias funções dos profetas na Bíblia, destacam-se: o ensino da vontade de Deus ao povo, a condenação da idolatria e da injustiça social, e o anúncio da vinda do Messias, o maior de todos os profetas.

 

III. O OFÍCIO PROFÉTICO DE CRISTO

 

1. Muito mais que profeta. Em o Novo Testamento, Jesus foi aclamado profeta em diversas ocasiões (Mt 21.11; Mc 6.15; Lc 7.16). Aliás, Ele mesmo assim se considerava (Mt 13.57; Lc 4.24; 13.33). Certa feita, afirmou, categoricamente, ser Ele mesmo o cumprimento das profecias (Lc 24.44), uma vez que estas nEle se convergem (Lc 24.27). Todavia, Jesus não é apenas um profeta, como ensinam os muçulmanos. Ele é Deus em forma humana, o amado Emanuel - Deus conosco e Unigênito de Deus (Mt 1.23).

2. O Profeta semelhante a Moisés (v.22). A promessa de um grande Profeta feita a Israel cumpriu-se em Jesus (v.22). Ele reunia todas as condições necessárias ao exercício do ministério profético. Ou seja, o Mestre estava apto para exercer, de modo singular, todas as funções proféticas do Antigo Testamento.

Jesus não era apenas mais um profeta, mas o Legislador do Reino de Deus, cuja missão era estabelecer os “tempos do refrigério”. Um dos assuntos principais da prédica de Jesus era: “Arrependei-vos, porque é chegado o reino de Deus” (Mt 4.17).

3. “Toda alma que não escutar esse profeta será exterminada dentre o povo” (v.23). A ameaça de se cortar alguém dentre o povo, conforme o discurso de Moisés, mencionado pelo apóstolo Pedro, pode ser interpretada como o julgamento escatológico. Isto porque, mostra claramente que os incrédulos serão cortados do convívio do povo de Deus; trata-se de uma expressão que designa a perdição eterna dos que rejeitam a Cristo. Como profeta, Jesus desvenda-nos o futuro, revelando o triunfo de sua causa e de seu reino na consumação de todas as coisas (Mt 24 e 25).

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Jesus não era apenas um profeta, mas o Profeta-Messias que havia de cumprir todas as profecias do Antigo Testamento e “anunciar o ano aceitável do Senhor”.

 

CONCLUSÃO

 

O ministério profético de Jesus continua através de Seu corpo, a Igreja, a qual prometeu inspiração (Jo 14.26), e concedeu o dom de profecia (1 Co 12.10). Por intermédio da inspiração do Espírito Santo, os crentes de hoje recebem mensagens de edificação, exortação e consolação (1 Co 14.3) tendo sempre como alicerce a Palavra de Deus.

 

VOCABULÁRIO

 

Prédica: Sermão; discurso; oração.
Resignado: Que sofre com resignação; que não lamenta a sua sorte.
Vaticinar: Profetizar, predizer; prenunciar.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

SILVA, S. P. A vida de Cristo. RJ: CPAD, 1990.
LUCADO, M. Simplesmente como Jesus. RJ: CPAD, 2000.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Quem era o profeta?

R. Era o “porta-voz” de Deus, alguém que falava em nome do Senhor.

 

2. O que você sabe acerca da “ordem dos profetas”?

R. Moisés foi o primeiro profeta nacional e o modelo seguido pelos demais, inclusive pelas escolas de profetas estabelecidas por Samuel.

 

3. Cite duas funções dos profetas no Antigo Testamento.

R. Instruir o povo de Israel e anunciar a vinda do Messias.

 

4. Descreva o ministério profético de Jesus.

R. Jesus não apenas afirmou que era profeta, mas foi aclamado como tal. Ele não era um profeta comum, mas Deus encarnado.

 

5. Explique a sentença de At 3.23.

R. Essa sentença mostra que os incrédulos serão cortados do convívio do povo de Deus; é uma expressão que designa a perdição eterna dos que rejeitam a Cristo.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Doutrinário

 

“Cristo, o Profeta

O ministério profético de Cristo foi o mais proeminente de toda a Bíblia. Deus o levantou (At 7.22); e o ungiu (Lc 4.18), para este sublime ofício durante seu ministério terreno; e, por extensão, em parte de seu ministério celestial (Lc 23.42,43; 24.19). Por essa razão, seu ministério profético é predito em muitas passagens do Antigo Testamento (Dt 18.18; Is 42.1-11; 49; 50.4; 61). Essas profecias e textos tiveram realmente seu cumprimento na pessoa única de Cristo Jesus, como é expresso em Lc 4.18,21 e At 3.22; 7.37. Ao mesmo tempo, seu ministério profético foi prefigurado por uma série de profetas do Antigo Testamento, de Moisés a Malaquias.

Em seu ministério terreno, Cristo não apenas permitiu que os homens o considerassem um profeta (Lc 7.16; Jo 4.19), mas Ele próprio se apresentou como tal (Lc 4.17-21; 13.33). O procedimento do Messias, seja em palavras seja em ações, trazia a marca de que Ele não era apenas um profeta enviado por Deus, mas o Profeta de Deus. A tarefa profética de Jesus não estava limitada ao tempo de duração de sua vida terrena, como os demais antes dEle, mas por meio do Espírito Santo e de sua vitoriosa e profética Igreja, o seu ministério profético continuou depois da crucificação”.

(SILVA, S. P. A vida de Cristo. RJ: CPAD, 1990, p.78.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

“Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo” (Lc 24.19). Jesus demonstrou em seu ofício profético todos os atributos pessoais de um profeta. Assim como os verdadeiros profetas no Antigo Testamento, Ele foi reconhecido e aclamado como tal (Mt 21.11; Jo 4.19 cf. 1 Sm 3.20). As maravilhas operadas pelo Senhor Jesus confirmava-lhe o ministério profético: na ressurreição do filho da viúva (Lc 7.11-17 cf. 1 Rs 17.17-23); na multiplicação de víveres (Lc 9.10-17 cf. 1 Rs 17.13-16); na autoridade do ensino (Mt 7.28,29 cf. Dt 18.18,19); na resposta imediata das orações (Jo 11.41-45 cf. 1 Rs 18.37-39), entre outros extraordinários eventos. Ele era o Messias, o Profeta de Deus (Jo 6.14; 7.40).

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 7: O sacerdócio eterno de Cristo

Data: 17 de Fevereiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Jurou o SENHOR e não se arrependerá: Tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque” (Sl 110.4).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Cristo é sumo sacerdote eterno. Seu sacerdócio e sacrifício são perfeitos, por isso, pode salvar perfeitamente os que por Ele se chegam a Deus.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Gn 14.18

Melquisedeque, rei e sacerdote

 

 

 

Terça - Jó 1.5

O sacerdócio exercido pelo chefe da família

 

 

 

Quarta - Êx 28.1

Instituição do sacerdócio de Arão

 

 

 

Quinta - Hb 6.19

Jesus, nosso precursor e sumo sacerdote eterno

 

 

 

Sexta - Hb 4.15,16

Jesus, o sumo sacerdote santo e misericordioso

 

 

 

Sábado - Hb 9.11

Jesus, o sumo sacerdote dos bens futuros

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Hebreus 7.11,20-28.

 

11 - De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão?

20 - E, visto como não é sem prestar juramento (porque certamente aqueles, sem juramento, foram feitos sacerdotes,

21 - mas este, com juramento, por aquele que lhe disse: Jurou o Senhor e não se arrependerá: Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque);

22 - de tanto melhor concerto Jesus foi feito fiador.

23 - E, na verdade, aqueles foram feitos sacerdotes em grande número, porque, pela morte, foram impedidos de permanecer;

24 - mas este, porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo.

25 - Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.

26 - Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e feito mais sublime do que os céus,

27 - que não necessitasse, como os sumos sacerdotes, de oferecer cada dia sacrifícios, primeiramente, por seus próprios pecados e, depois, pelos do povo; porque isso fez ele, uma vez, oferecendo-se a si mesmo.

28 - Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens fracos, mas a palavra do juramento, que veio depois da lei, constitui ao Filho, perfeito para sempre.

 

INTERAÇÃO

 

Professor, esta lição trata de um dos grandes temas da Cristologia e da Hermenêutica Bíblica: a relação tipológica entre o sacerdócio de Melquisedeque e o de Cristo. A Tipologia é o ramo da interpretação bíblica que investiga a relação entre pessoas, eventos e objetos do Antigo Testamento com o Senhor Jesus Cristo (Rm 5.14; 1 Co 10.6,11; Hb 8.5; 9.24; 10.1). Assim, Melquisedeque é tipo de Cristo, e Cristo seu antítipo. Em Hb 7.3 está escrito que Melquisedeque foi “feito semelhante ao Filho de Deus”, isto é, o antítipo, Cristo, já existia, mas o tipo (Melquisedeque) o representou. O antítipo é superior ao tipo, como Jesus é superior a Melquisedeque, pois este é a sombra daquele que é a realidade (Hb 9.24).

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Explicar a transitoriedade do sacerdócio arônico.
  • Descrever a importância do sacerdócio de Melquisedeque.
  • Pesquisar a relação tipológica entre Melquisedeque e Cristo.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, no estudo dos tipos bíblicos destacam-se três elementos: o tipo, o antítipo e a tipologia. O tipo é a figura que representa o antítipo, enquanto a tipologia é o estudo da relação entre o tipo e o antítipo. Portanto, Melquisedeque é tipo de Cristo; Jesus é antítipo de Melquisedeque, e a relação comparativa entre ambos é chamada de tipologia. Recomendamos que o prezado mestre leia as páginas 226 a 236 do livro Hermenêutica Fácil e Descomplicada (CPAD), a fim de pesquisar as técnicas de interpretação dos tipos bíblicos. Deus o abençoe!

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Sacerdote: Ministro autorizado por Deus para o exercício das coisas sagradas e mediador entre o homem e Deus.

 

Nesta lição, veremos Jesus Cristo como “sumo sacerdote dos bens futuros”. O Antigo Testamento refere-se a Cristo como sacerdote em inúmeras ocasiões; quer pelos “tipos” quer pelas profecias. A presente lição tem por objetivo investigar e comparar o sacerdócio de Arão com o da Ordem de Melquisedeque, da qual o Messias procede.

 

I. A TRANSITORIEDADE DA ORDEM DE ARÃO

 

1. O sacerdote nas Escrituras. No Antigo Testamento, o sacerdote era o “ministro das coisas sagradas” (Êx 18.12; 28.1; Lv 1.1-8; Nm 3.3). Esta é também a concepção do Novo Testamento, segundo Hebreus 5.1 e 8.2,3. Os romanos chamavam-no de pontifex, isto é, “aquele que estabelece uma ponte”.

O sacerdócio da ordem de Arão foi estabelecido por Deus para oferecer sacrifícios pelos pecados do povo, e representar o Eterno entre os israelitas.

2. O sacerdócio de Arão (v.11). Este sacerdócio era exercido por Arão e seus filhos e, de uma forma geral, pela tribo de Levi (Nm 3.1-3,6-10). Todos, porém, eram falhos (Nm 3.4; Hb 7.27,28) e mortais (Hb 7.23). Após o exílio babilônico, os sacerdotes tiveram de atestar sua genealogia; os que não o conseguiram foram expulsos dessa Ordem (Ne 7.64).

De acordo com o historiador Josefo, de Arão até à destruição do Templo de Jerusalém, em 70 d.C, cerca de oitenta sumos sacerdotes exerceram o ministério entre os hebreus. Todos, ao morrerem, eram substituídos, como afirmam as Escrituras: “E, na verdade, aqueles foram feitos sacerdotes em grande número, porque, pela morte, foram impedidos de permanecer” (Hb 7.23). Todavia, o Todo-Poderoso estabelecera, mediante Cristo, um sacerdócio imutável e eterno: “Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb 7.17,21, 24 cf. Sl 110.4). A ordem sacerdotal do Messias é única, singular, eterna (Êx 40.12,13; Hb 7.13-21).

3. Sacrifícios transitórios. De acordo com Levítico capítulo 4, quando um israelita violava a lei, interrompendo sua comunhão com Deus, tinha de oferecer um sacrifício a fim de expiar sua culpa e reconciliar-se com o Altíssimo. Esse ritual, entretanto, não era capaz de restabelecer plenamente a harmonia perdida e, muito menos, aperfeiçoar o adorador (Is 1.10-17; Hb 7.19; 8.8-13; 9.9). Foi por isso que o sacerdócio de Arão foi demovido: “Porque, se aquele primeiro fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para o segundo” (Hb 8.7).

Semelhantemente, os sacrifícios de touros e bodes eram incapazes de aperfeiçoar o sacerdote e o adorador (Hb 9.9,10,13; 10.1-4). Contudo, o sacrifício único e perfeito de Cristo é poderoso para purificar nossa consciência das obras mortas, para servirmos ao Deus vivo (Hb 9.14,24,26).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

O sacerdócio arônico e levítico eram transitórios, assim como os sacrifícios e oblações no AT.

 

II. O SACERDÓCIO DE MELQUISEDEQUE

 

1. Significado bíblico (Hb 7.1-3). Melquisedeque é um dos mais fortes tipos de Cristo no Antigo Testamento. O relato de sua vida é o mais curto das histórias do Gênesis (Gn 14.18-20). Entretanto, seu nome é mencionado na profecia messiânica registrada no Salmo 110.4 e nos capítulos 5.6-10 e 6.20-7.28 da Epístola aos Hebreus.

Melquisedeque é apresentado na Bíblia como rei de Salém, que significa “paz”, antiga designação de Jerusalém (Sl 76.2; Hb 7.1). Seu nome provém do hebraico:melek, “rei”, e tsedeq, “justiça, retidão”. Isto é, este homem de Deus era um Rei de Justiça que governava a Cidade de Paz (Hb 7.2). Assim, desde o limiar da História, Deus já havia escolhido Jerusalém para ser o palco da redenção da humanidade.

2. A misteriosa origem de Melquisedeque. A informação de que Melquisedeque era “sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias e nem fim de vida” (Hb 7.3) vem suscitando, ao longo dos anos, calorosos debates. Alguns têm sugerido que se tratava de um ser celeste. Outros, de uma manifestação pré-encarnada de Cristo. Todavia, a Bíblia limita-se a descrevê-lo como um personagem histórico; era um dos mais perfeitos tipos de Cristo.

3. Abraão e Melquisedeque. De acordo com Gênesis, capítulo 14, Melquisedeque entra em cena imediatamente após o grande conflito entre os reis babilônicos e palestínicos. Os confederados reis da Babilônia venceram a guerra, e prenderam a Ló, sobrinho de Abraão que, ao saber do ocorrido, logo interveio. O patriarca e seus aliados (Gn 14.13) surpreenderam os caldeus, e libertaram a Ló e os demais cativos. Após a vitória, Abraão encontrou-se com Melquideseque, sacerdote do Deus Altíssimo e rei de Salém (Gn 14.18). Ato contínuo, o patriarca entregou-lhe os dízimos, sendo por Melquisedeque abençoado (Gn 14.19, 20; Hb 7.6). O modo como este se apresenta na História Sagrada revela que ele era conhecido e não precisava ser apresentado.

4. Implicações teológicas. Os judeus cristãos certamente ficaram surpresos ao serem informados, através da carta aos Hebreus, que Melquisedeque era superior ao patriarca. Para prová-lo, o autor destaca duas verdades. Em primeiro lugar, Abraão deu os dízimos a Melquisedeque (Gn 14.20; Hb 7.2-5). Este fato, por si só, prova que o sacerdócio de Melquisedeque é superior ao de Arão, pois até Levi, por meio de Abraão, “pagou dízimos” ao sacerdote e rei de Salém (Hb 7.6-10). Em segundo, porque Melquisedeque abençoou “o que tinha as promessas”. “Ora sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior” (Gn 14.19; Hb 7.6,7).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

O rei e sacerdote Melquisedeque, além de ser superior a Abraão e Arão, era tipo do sacerdócio de Cristo.

 

III. O SACERDÓCIO PERPÉTUO DE CRISTO

 

1. O sacerdócio perpétuo (v.24). Nesse versículo, o vocábulo “perpétuo” significa “imutável”, “imperecível”, “inalterável” e “intransferível”. Portanto, como afirmou certo teólogo: “Deus pôs a Cristo neste sacerdócio, e ninguém mais pode introduzir-se nele”.

Jesus não era descendente de Arão ou Levi, não podendo, por conseguinte, exercer o sacerdócio terreno (Hb 5.4; 7.5; 8.4). Mas, pertencendo à “Ordem de Melquisedeque” (Hb 5.6,10; 7.11,12), o seu sacerdócio é perpétuo e superior ao de Arão (Hb 7.15-22). Melquisedeque é tipo do sacerdócio eterno de Cristo (Hb 7.3,28).

2. O sacrifício perfeito (v.27). Os descendentes de Arão ofereciam sacrifícios diários por si e pelos pecados do povo (Hb 7.37). Porém, o Senhor Jesus ofereceu a si mesmo a Deus como perfeito e perpétuo sacrifício (Hb 7.26,27). Ele era ao mesmo tempo o sumo sacerdote e o sacrifício “santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e feito mais sublime do que os céus” (v. 26; Hb 9.11-15; 1 Jo 2.1,2). Seu sacerdócio e sacrifício são perfeitos; por isso, “pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (v.25).

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

O sacerdócio e o sacrifício de Cristo são eternos e imutáveis. Ele era o sacerdote e o sacrifício perfeitos.

 

CONCLUSÃO

 

Jesus é o nosso único sumo sacerdote e mediador diante de Deus. Ofereceu a si mesmo, uma só vez, pelos nossos pecados (v.27), tornando-se fiador de um melhor concerto (Hb 7.22). Israel tinha um sacerdócio humano, mas a Igreja, além de ser um sacerdócio (Ap 1.6; 5.10), possui um sumo sacerdote eterno nos céus (Hb 9.24).

 

VOCABULÁRIO

 

Arônico: Descendente ou próprio a Arão.
Tipo: Objeto, figura ou pessoa que se assemelha ou corresponde à outra; modelo; sinal; exemplo.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

BENTHO, E. C. Hermenêutica fácil e descomplicada. 4.ed., RJ: CPAD, 2006.
PFEIFFER, C. F. (et al.) Dicionário bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2006.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Explique o sentido do termo sacerdote na Bíblia.

R. No Antigo e Novo Testamento, o sacerdote era o “ministro das coisas sagradas” (Êx 18.12; 28.1; Lv 1.1-8; Nm 3.3; Hb 5.1 e 8.2,3).

 

2. Cite duas fraquezas do sacerdócio arônico.

R. Todos eram falhos (Nm 3.4; Hb 7.27,28) e mortais (Hb 7.23).

 

3. Faça um resumo da história de Melquisedeque.

R. O misterioso personagem Melquisedeque além de superior a Abraão e Arão, e rei e sacerdote era tipo do sacerdócio eterno de Cristo.

 

4. Descreva duas razões pelas quais Melquisedeque era superior a Abraão.

R. Melquisedeque recebeu o dízimo de Abraão e o abençoou.

 

5. Comente a respeito do sacerdócio de Cristo conforme a ordem de Melquisedeque.

R. Jesus não era descendente de Arão ou Levi, não podendo, por conseguinte, exercer o sacerdócio terreno (Hb 5.4; 7.5; 8.4). Por essa razão era sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Doutrinário

 

“O Sacerdócio de Cristo

Tratando-se de sacerdócio, a relação doutrinária entre a organização do AT e o cristianismo do NT está mais claramente retratada na Epístola aos Hebreus, e foi dito que o sacerdócio de Arão nunca se mostrou efetivo para a remoção dos pecados. Por causa da necessidade de repetição desses sacerdócios e dos sacrifícios, o sacerdócio do AT mostra-se incapaz de aperfeiçoar o adorador (Hb 7.23; 10.1-4). Mesmo o sacerdócio de Arão nunca representou o perfeito exemplo de Cristo em seus elevados atos sacerdotais de redenção e em sua atuação. Melquisedeque, por causa de sua real posição, e da falta de registros sobre o início e final de sua vida, função e serviço, tornou-se o melhor exemplo de Cristo como provedor de um ministério salvador, permanentemente ativo e efetivo (Hb 4.14-5.10; 7.1-28).

Entretanto, dentro de um panorama geral, e de acordo com algumas formas específicas, o sacerdócio de Arão é típico da obra salvadora de Cristo como o cumprimento do sacerdócio arônico cumprido em Cristo, e de acordo com a Epístola aos Hebreus, podemos destacar: (1) a idéia do próprio sumo sacerdote (Hb 4.14); (2) o sacerdote como um homem escolhido por Deus (5.4)...”.

(PFEIFFER, C. F. (et al.) Dicionário bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2006, pp.1718-19.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

Jesus é o nosso misericordioso e fiel sumo sacerdote (Hb 2.17). Com exceção do pecado, Ele participou integralmente de nossa natureza e fragilidades humanas: fome, sede, cansaço (Mt 21.18; Mc 4.38; Jo 4.6; 19.28). Ele sofreu, chorou e angustiou-se (Mt 26.37; Lc 19.41; Hb 13.12). Era “homem de dores, experimentado nos trabalhos e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado” (Is 53.3). Ele em tudo foi tentado (Mt 4.1-10; Hb 2.18; 4.15). Qual a razão de tanto sofrimento? Hebreus 4.15 responde: “Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (cf. Hb 2.18). Eis o motivo pelo qual o Filho do Altíssimo aceitou tal fardo: socorrer o crente na tentação e nas vicissitudes. Clame ao Senhor! Ele conhece o teu padecer!

 

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 8: Jesus, Filho de Davi

Data: 24 de Fevereiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Não diz a Escritura que o Cristo vem da descendência de Davi e de Belém, da aldeia de onde era Davi?” (Jo 7.42).

 

VERDADE PRÁTICA

 

“Filho de Davi” é o título messiânico conferido por Deus a Jesus e anunciado pelos profetas do Antigo Testamento como Rei dos reis e Senhor dos senhores.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - 2 Sm 7.16

Deus promete a Davi um descendente eterno, o Messias

 

 

 

Terça - Sl 132.11

O rei Davi confirma a promessa divina

 

 

 

Quarta - Is 9.7

O vaticínio do Messias davídico

 

 

 

Quinta - Jr 23.5,6

O Renovo de Davi

 

 

 

Sexta - Mt 1.1

Jesus, Filho de Davi

 

 

 

Sábado - Rm 1.3

Jesus, descendente de Davi

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Mateus 21.8-11; 22.41-46.

 

Mateus 21

8 - E muitíssima gente estendia as suas vestes pelo caminho, e outros cortavam ramos de árvores e os espalhavam pelo caminho.

9 - E as multidões, tanto as que iam adiante como as que o seguiam, clamavam, dizendo: Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas!

10 - E, entrando ele em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, dizendo: Quem é este?

11 - E a multidão dizia: Este é Jesus, o Profeta de Nazaré da Galiléia.

 

Mateus 22

41 - E, estando reunidos os fariseus, interrogou-os Jesus,

42 - dizendo: Que pensais vós do Cristo? De quem é filho? Eles disseram-lhe: De Davi.

43 - Disse-lhes ele: Como é, então, que Davi, em espírito, lhe chama Senhor, dizendo:

44 - Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés.

45 - Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como é seu filho?

46 - E ninguém podia responder-lhe uma palavra, nem, desde aquele dia, ousou mais alguém interrogá-lo.

 

INTERAÇÃO

 

Caro professor, Jesus raras vezes identificou-se publicamente como o Messias. Porém, à beira do poço em Samaria, revelou-se à mulher samaritana como o Cristo (Jo 4.25,26). Isto implicava na identificação do Senhor com o Rei-Messias prometido no Antigo Testamento. Nesta lição, ressalte as profecias messiânicas de caráter real e o cumprimento em Jesus, o Rei dos reis.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Sintetizar a história do reinado de Davi.
  • Explicar a relação do Messias com a casa davídica.
  • Descrever a promessa do Rei-Messias.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, o método de preleção ou exposição oral é a base do ensino! Porém, nem todos os docentes usam com maestria esse recurso. Alguns, infelizmente, não planejam adequadamente a aula e caem na monotonia, outros na rotina. O professor é diferente do “falador”. Este não se preocupa com o público, pois está satisfeito tão somente em “falar”, quer seja ouvido quer não. Já o professor tem objetivo e se preocupa com a recepção e participação dos alunos no processo de ensino. Portanto, use como recurso para esta lição a “aula dialógica”. Este método consiste em transformar a aula expositiva tradicional em um diálogo entre o professor e a classe. O método divide-se em três seções: Introdução - em que o aluno é preparado para o tema. Desenvolvimento - a lição dialógica, na qual ocorre as contestações e re-elaborações. Conclusão - ocasião em que o conhecimento é consolidado mediante aplicação prática, e onde a posição teológica é testada, descobrindo-se seus limites e valores. Boa aula!

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Filho de Davi: Título messiânico que descreve o Senhor Jesus como herdeiro eterno do trono de Davi.

 

Nesta lição, estudaremos mais um dos títulos do Senhor Jesus Cristo: “Filho de Davi”. Segundo o pastor e teólogo Myer Pearlman, esse título é equivalente a “Messias”, pois uma qualidade importante do Messias era sua ascendência davídica (2 Sm 7.16; Is 9.7).

 

I. A DINASTIA DAVÍDICA

 

1. O reinado de Davi. Davi foi o segundo rei de Israel. Seu nome, na língua hebraica, significa “amado”. Nasceu em Belém e era filho de Jessé. Davi foi ungido rei, mas em segredo; somente muito mais tarde seria apresentado publicamente (2 Sm 2.4; 5.3). Ele reinou sete anos em Judá e 33 em todo o Israel, num total de 40 anos. Começou a reinar aos 30 anos de idade (2 Sm 5.4,5). Fundou uma dinastia que durou 425 anos; poucas famílias reais conseguiram tal proeza.

2. Um rei segundo o coração de Deus. Deus escolheu Davi para reinar sobre seu povo quando ele ainda era um pastor de ovelhas (1 Sm 16.12,13). Davi era um jovem que se conduzia de acordo com a vontade do Senhor: “Achei a Davi, filho de Jessé, varão conforme o meu coração, que executará toda a minha vontade” (At 13.22). Davi é o tipo profético do Rei dos reis, destinado a estabelecer o Reino de Deus neste mundo. Davi reconhecia que a sua força e a vitória do seu reinado dependiam de Deus (2 Sm 22.2,3). Ele foi citado na galeria dos Heróis da Fé em Hebreus 11.32. Foi um rei segundo o padrão de Deus (2 Sm 7.8-16).

3. Seu reinado. Davi reunificou as 12 tribos que andavam errantes por causa dos desatinos de Saul. Consolidou seu reino ao fazer de Jerusalém sua capital administrativa. Derrotou os inimigos (2 Sm 5.6-10) e compôs 73 dos 150 salmos da Bíblia. Como rei, Davi criou um efetivo governo central, e foi recompensado por sua fidelidade a Deus. O Senhor prometeu-lhe uma dinastia perpétua (2 Sm 7.16).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Davi, no hebraico, “Amado”, foi o sucessor de Saul aos 30 anos de idade e um rei segundo o coração do Senhor. A dinastia davídica durou cerca de 425 anos, mas será perpetuada por meio do Rei-Messias, Jesus.

 

II. O MESSIAS E A CASA DE DAVI

 

1. A promessa divina. O plano divino com a casa de Davi ia além do trono de Jerusalém. A primeira promessa que Deus fez a Davi de estabelecer um trono eterno parece ter sentido ambíguo (2 Sm 7.11-16). É claro que Salomão, seu sucessor imediato, também está nesse contexto. Porém, o Espírito Santo, ao longo da história do Antigo Testamento, encarregou-se de revelar o caráter messiânico dessa promessa (Sl 89.3,4, 34-37; Is 9.7; 11.1,10; Jr 23.5,6). O povo de Israel durante muitos anos esperou o Messias como descendente legal de Davi.

2. Aguardando a promessa. Todo o Israel tinha conhecimento dessa profecia e aguardava o seu cumprimento. Paulo e Barnabé, na sinagoga de Antioquia da Pisídia, trouxeram o assunto à tona lembrando aos judeus da Diáspora a promessa feita a Davi: “Da descendência deste, conforme a promessa, levantou Deus a Jesus para Salvador de Israel” (At 13.23). Mateus inicia o seu relato sobre o nascimento do Salvador descrevendo a sua genealogia. Ele vincula o Senhor Jesus à casa de Davi (Mt 1.1). O evangelista queria provar aos judeus que Jesus era o Messias esperado que governaria eternamente o seu povo (Is 11.1-5). Os israelitas, por seu turno, estavam cientes da promessa divina de que o Messias seria um descendente legal da família de Davi (2 Sm 7.12-19; Jr 23.5).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Deus prometeu a Davi um trono eterno. A dinastia davídica seria perpetuada através do Rei-Messias, o Senhor Jesus Cristo.

 

III. A ENTRADA TRIUNFAL DO REI DOS REIS

 

1. A relevância desse evento (21.8,9). A importância desse evento pode ser vista no fato de ter sido registrado nos quatro Evangelhos (Mc 11.1-11; Lc 19.29-38; Jo 12.12-19). A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém ocorreu em um domingo. Era a grande oportunidade de ele testificar publicamente que era o predito Rei e Messias de Israel. O profeta Zacarias já havia previsto que o Rei-Messias viria, humildemente, montando um jumentinho (Zc 9.9). Naquele momento, o filho do carpinteiro apresentava-se oficialmente à nação judaica como o Messias que haveria de vir. Quando o Mestre amado entrou triunfante em Jerusalém, “toda a cidade se alvoroçou”. Todos perguntavam: “Quem é este?” A resposta foi unânime: “Este é Jesus, o Profeta de Nazaré da Galiléia”.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Jesus, o Rei-Messias, adentrou triunfante em Jerusalém, como rei e profeta de Nazaré da Galiléia.

 

IV. JESUS, O FILHO DE DAVI

 

1. “Que pensais vós do Cristo?” (22.42). Jesus perguntou de quem o Cristo era filho. Todos conheciam a promessa de Deus a respeito do Messias davídico. Assim, foi aclamado pelo povo quando entrou em Jerusalém montado num jumento (21.9). As discussões entre o povo sobre Jesus versavam sobre esse título (Jo 7.40-43). A pronta resposta à pergunta de Cristo confirma essa verdade. Eles responderam bem: “De Davi” (22.42).

2. A profecia (22.43,44). Usando como base a resposta dos fariseus, Jesus fez outra pergunta, que eles não puderam responder: “Como é, então, que Davi, em espírito, lhe chama Senhor?” De acordo com o Comentário Bíblico Beacon, “em espírito” significa “inspirado pelo Espírito”, isto é, o Espírito Santo. Jesus estava afirmando duas verdades ao mesmo tempo: Davi era o autor do Salmo 110 e sua inspiração era divina. Jesus revela que o descendente de Davi é superior a este porque é Filho de Deus.

3. O silêncio dos fariseus (22.45,46). Os fariseus, saduceus e herodianos não queriam responder à pergunta de Jesus: “Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como é seu filho?” A resposta é uma só: O Senhor de Davi tornou-se o filho legal de Davi por meio da encarnação. Jesus, com toda a sua eficiência, mais uma vez havia feito os seus oponentes se calarem.

4. Um reino eterno. Davi era humano, e morreu; seu reino com o tempo acabou. Mas, de acordo com Isaías 9.6,7, o descendente de Davi, Rei-Messias, é divino, e seu Reino é eterno. Davi foi um “pai” temporário para seu povo; o Messias é um Pai imortal, eterno para todos os povos (Sl 2.6-8; Lc 22.29).

 

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

 

A profecia do Rei-Messias, de acordo com o Salmo 110, vaticinava a encarnação do Filho de Deus e a perpetuação da dinastia davídica por meio de Jesus.

 

CONCLUSÃO

 

O Reino de Jesus é eterno. O Messias foi exaltado como Senhor pelo SENHOR (Sl 110.1). Em breve Ele voltará a este mundo para buscar os seus súditos: “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre eles. Sim! Amém!” (Ap 1.7).

 

VOCABULÁRIO

 

Ambíguo: Que se pode tomar em mais de um sentido.
Desatino: Falta de juízo; loucura.
Dinastia: Série de soberanos pertencentes a uma mesma família.
Vaticinar: Profetizar, predizer; prenunciar.
Versar: Considerar, examinar, ponderar.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

HORTON, S. M. (org.) Teologia sistemática: uma perspectiva pentecostal.RJ: CPAD, 1996.
MERRILL, E. História de Israel no Antigo Testamento. RJ: CPAD, 2001.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Qual o significado do nome Davi na língua hebraica?

R. Amado.

 

2. Como recompensa por sua fidelidade, o que foi prometido a Davi?

R. Uma dinastia ou trono perpétuo.

 

3. O que Mateus queria provar ao vincular Jesus à casa de Davi?

R. Desejava provar aos judeus que Jesus era o Messias esperado que governaria eternamente o seu povo (Is 11.1-5).

 

4. De acordo com o Comentário Bíblico Beacon, o que significa “inspirado pelo Espírito”?

R. O Espírito Santo inspirando divinamente o salmista.

 

5. Qual a mais lógica conclusão da pergunta feita por Jesus aos fariseus em Mt 22.45?

R. O Senhor de Davi, tornou-se o filho legal de Davi por meio da encarnação.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“O Rei-Messias

A maior expectativa nos dias de Jesus era que o Messias fosse um governante político. Seria o Descendente do Rei Davi. Davi era o protótipo do Messias: um libertador e conquistador. E depois, a comunidade de Cumrã acrescentou a expectativa de dois Messias: O Messias de Arão, sacerdotal, e o Messias de Israel, um Rei-Messias. Parece que não conseguiram manter justos os conceitos de Messias político-soberano e o de Messias sacerdotal, que servia e ministrava. Por isso, dividiram o conceito do Messias em duas figuras.

Talvez, naqueles tempos, Cumrã previsse o Cristianismo mais do que qualquer outro no Judaísmo, porque (de modo mais poderoso) Jesus realizaria exatamente a obra que estava prevista. Na sua primeira vinda, Ele era o Messias sacerdotal, que servia; e Ele será o Rei-Messias no poder e glória da segunda vinda. Esse ponto de vista concordante, entretanto, não torna cristãos os membros da comunidade de Cumrã, nem mesmo os cristãos incipientes. Eram judeus, mas certamente tinham uma abordagem bem diferente à questão inteira do Messias, ao proporem duas personagens, a idéia de dois Messias”.

(NICHOLS, D. R. O Senhor Jesus Cristo. In HORTON, S.M. (org.) Teologia sistemática: uma perspectiva pentecostal. RJ: CPAD, 1996, p.315.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

“Porque brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará” (Is 11.1). Jesus é o eterno Renovo do tronco de Jessé. Ele não se manifestou no período áureo do reinado de Davi ou de Salomão, quando o reino de Israel era uma árvore frondosa e frutífera. Mas, na ocasião em que o machado derrubara o arvoredo, restou à descendência de Jessé, apenas um caule, por amor a Davi. Desse tronco surge o Netzer, o Renovo. Deste termo origina-se a palavra Nazaré, região da qual surgiu o Profeta-Messias (Lc 24.19). Jesus brotou como um rebento da combalida dinastia davídica (“a raiz de Jessé”), a fim de cumprir as profecias messiânicas feitas a Davi, o rei teocrático do Eterno. Esta profecia demorou cerca de 700 anos para se cumprir. E, hoje, passados mais de 2000 anos, nós, os salvos, aguardamos o pleno cumprimento da restauração do trono de Davi, por meio do Rei dos reis e Senhor dos senhores.

 

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 9: O Ministério de ensino de Jesus

Data: 02 de Março de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

E, chegando o sábado, começou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se admiravam, dizendo: De onde lhe vêm essas coisas? E que sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se fazem tais maravilhas por suas mãos?” (Mc 6.2).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Ninguém esteve mais preparado e se mostrou mais idôneo para exercer o ministério de ensino do que Jesus.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Jo 7.46

Jamais alguém ensinou como Jesus

 

 

 

Terça - Mt 13.3

Jesus ensinava por parábolas

 

 

 

Quarta - Jo 8.2

Jesus ensinava no Templo

 

 

 

Quinta - Lc 4.15

Jesus ensinava nas sinagogas

 

 

 

Sexta - Lc 5.2,3

Jesus não perdia a oportunidade de ensinar

 

 

 

Sábado - Lc 20.21

O ensino de Jesus era divino

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Mateus 7.24-29.

 

24 - Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha.

25 - E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha.

26 - E aquele que ouve estas minhas palavras e as não cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia.

27 - E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.

28 - E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina,

29 - porquanto os ensinava com autoridade e não como os escribas.

 

INTERAÇÃO

 

“Nunca homem algum falou assim como este homem” (Jo 7.46). Professor, com esta frase o apóstolo João resume o impacto dos ensinos de Jesus sobre as pessoas. Os servidores dos fariseus foram enviados para prender a Jesus, entretanto, nada puderam fazer frente ao poder e autoridade dos ensinos do Mestre. Jesus era ungido pelo Espírito Santo para “anunciar” a Palavra de Deus. Ninguém ficava inerte ou indiferente diante de seus ensinos (Lc 4.20-22).

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Explicar o conceito de ensino na Bíblia.
  • Descrever o ministério pedagógico de Jesus.
  • Indicar duas características do ensino de Jesus.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, na Grécia Antiga, o filósofo Sócrates empregou o método de perguntas e respostas, ou “maiêutica”. Este recurso pedagógico consistia em interrogar insistentemente uma pessoa até que a mesma “gerasse o conhecimento”. Sócrates dizia que sua função era semelhante ao de uma parteira. Portanto, para a presente lição, faça uma interação didática chamada “sacola de perguntas”. Consiste em fazer previamente perguntas sobre um determinado tema e colocá-las em uma sacola, a fim de que um dos alunos sorteados retire a pergunta e a responda. Use as perguntas do questionário da lição, e, conforme o número de alunos em classe, faça outras relativas ao tema. Use esse recurso no término de cada lição para fixar os pontos centrais da aula.

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Ensino: Dirigir ou orientar tecnicamente a aprendizagem.

 

Jesus ensinava com autoridade, clareza e originalidade. Era o Mestre por excelência. Seu ensino ocupou grande parte do seu ministério terreno. Foi Ele quem ordenou aos discípulos: “Ide, ensinai todas as nações [...] ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado” (Mt 28.19,20).

 

I. ENSINO NAS ESCRITURAS

 

1. O que é ensinar? Segundo o pastor e teólogo Myer Pearlman, ensinar “é despertar a mente do aluno para captar e reter a verdade”. A educação e o ensino sempre foram prioridades entre os judeus. A Bíblia está repleta de referências ao ensino e aos mestres. O ministério de ensino ocupa espaço relevante no cristianismo e aparece na lista dos dons da graça de Deus: “se é ensinar, hajadedicação ao ensino” (Rm 12.7b).

2. O ensino no Antigo Testamento. O vocábulo “ensino” aparece no Antigo Testamento com o sentido de “doutrina” (Dt 32.2; Jó 11.4; Pv 4.2), e “entendimento” (Pv 1.5,29; 2.3). Com o passar do tempo, a palavra veio a significar o “ensino de Moisés” que se encontra no Pentateuco. Tão logo o povo de Israel atravessou o mar Vermelho, Deus chamou Moisés e responsabilizou-o de, juntamente com os anciãos e os sacerdotes, ensinar ao povo os seus mandamentos (Dt 31.12; 1 Sm 12.23; 2 Cr 15.3; Jr 18.18). Esta responsabilidade também cabia aos pais. Eles deveriam ensinar seus filhos no temor do Senhor (Dt 6.6,7; 11.19).

3. O ensino no Novo Testamento. As duas principais palavras no original para ensino são didachē, “instrução, ensino” e didaskalia, “ensino, doutrina”. Esses termos transmitem a idéia tanto do ato de ensinar como do conteúdo do ensino. A primeira aparece para indicar os ensinos de Jesus (Mt 7.28; Jo 7.16,17) e também para realçar a “doutrina dos apóstolos” (At 2.42). A segunda, para indicar a “doutrina dos homens” (Mt 15.9; Mc 7.7). Todavia, é nas epístolas pastorais que elas aparecem com o sentido mais rígido de crenças ou corpo doutrinal da igreja.

4. O ensino na pregação do Evangelho. O ensino bíblico acompanha a pregação do Evangelho. Na passagem bíblica da “Grande Comissão” (Mt 28.19,20), são usados dois verbos para “ensinar”. O primeiro é “ensinai todas as nações”, “fazer discípulos”, pois o discipulado acompanha, necessariamente, a evangelização. O segundo, “ensinado-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado”, inclui ética e teologia. O Senhor Jesus ensinou, nesse sentido, durante todo o seu ministério.

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Nas Escrituras, o termo “ensino” é definido como “doutrina”, “entendimento” ou “instrução”. O ensino e a pregação são indissociáveis na tarefa missionária da Igreja.

 

II. JESUS, O MESTRE DOS MESTRES

 

1. Jesus ensinava a todos. Ele ensinava sempre que surgia a oportunidade. Ensinava a pequenos (Jo 3.3-21) e a grandes grupos (Mc 6.34); ensinava no Templo (Mc 12.35), nas casas (Mc 2.1,2), ou ao ar livre (Mt 5.1). O Mestre empregou vários métodos e recursos para ensinar. Muitos dos seus métodos são utilizados até os dias atuais — parábolas, preleção, perguntas e respostas, etc.

2. Jesus ensinava com autoridade. O Sermão do Monte é o melhor exemplo dessa autoridade, pois ninguém jamais ousaria expressar: “Ouvistes que foi dito... Eu, porém, vos digo” (Mt 5.21,22,27,28,31-34,38,39,43,44). O povo ficava admirado da doutrina de Jesus, ou melhor, do seu ensino. Ele ensinava com autoridade (Mt 7.29). O povo percebia a autoridade divina no ensino de Jesus e a reverenciava.

3. Jesus era pertinente. A mensagem de Jesus era relevante e válida pelo fato de ter sido revelada. Ele satisfazia às necessidades das pessoas. Mas, de acordo com o autor de Hebreus, Jesus não era um mero ensinador: “Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hb 4.15). Ele também explica: “Porque, naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados” (Hb 2.18). Os ensinos de Jesus eram de ordem prática. Atraíam a atenção e o interesse das multidões (Mt 7.28). Até mesmo os que não gostavam dEle voltavam dizendo: “Nunca homem algum falou assim como este homem” (Jo 7.46).

4. Jesus ensinava por parábolas (Mc 4.1-3). Jesus utilizou vários métodos em seu ministério de ensino. Um dos mais utilizados foi o de contar parábolas. O Mestre deixou claro por que utilizou esse método: “Por isso, lhes falo por parábolas, porque eles, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem, nem compreendem” (Mt 13.13). Nem todos os que seguiam a Jesus estavam preocupados com o Reino de Deus e muito menos interessados em aprender. O propósito do Mestre era atrair os verdadeiros interessados por sua mensagem, pois, não entendendo, iam pedir-lhe explicações (Mt 13.10). Como toda a Palavra de Deus, as parábolas do Senhor Jesus eram como espada de dois gumes. Se por um lado explicava os mistérios do Reino de Deus aos pequenos e humildes (Lc 10.21), por outro, ocultava esses mesmos mistérios aos sábios e inteligentes. Se quisermos aprender os mistérios do Reino de Deus, devemos nos prostrar aos pés do Mestre divino e, assim, em profunda humildade, guardar seus ensinamentos em nosso coração.

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Jesus ensinava a todos com autoridade, pertinência e usando métodos didáticos variados. Ele é o Mestre dos mestres.

 

III. A PRÁTICA DO ENSINO DE JESUS (MT 7.24-27)

 

Jesus conclui o sermão do Monte com a parábola dos construtores ou dois alicerces. O contraste entre os dois tipos de ouvintes é representado nesses construtores. O insensato procura livrar-se do incômodo de ter que trabalhar a rocha para fazer o alicerce; assim, sua construção é vulnerável à chuva ou a qualquer tempestade. Isso mostra que o cristão meramente intelectual, que professa uma fé artificial, não resiste às intempéries da vida. Qualquer dificuldade abala a sua fé, porque construiu sua casa na areia. Porém, o que constrói sobre a rocha representa o cristão que ouve o ensino de Jesus e o pratica.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

De acordo com Jesus, os seus ouvintes distinguem-se entre aqueles que ouvem as suas palavras e as praticam, e aqueles que as ouvem, mas na vida cotidiana as ignoram.

 

CONCLUSÃO

 

Depois da ascensão de Jesus, os apóstolos deram continuidade ao seu ministério de ensino (At 18.11; 20.31). Deus ainda hoje tem concedido a muitos em sua Igreja o dom de ensinar, a fim de que o Corpo de Cristo seja aperfeiçoado e edificado (Ef 4.12).

 

VOCABULÁRIO

 

Intempérie: Mau tempo; dificuldades.
Vulnerável: Fraco; frágil.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ARRINGTON, F.L.; STRONSTAD, R. Comentário bíblico pentecostal: Novo Testamento. RJ: CPAD, 2004.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Explique o sentido bíblico do verbo “ensinar” no Antigo Testamento.

R. O vocábulo aparece com o sentido de “doutrina”, “entendimento”, ou “ensino de Moisés”.

 

2. Descreva a relação entre ensino e a pregação do Evangelho.

R. Conforme Mt 28.19,20 o ensino acompanha a pregação do Evangelho.

 

3. Mencione três métodos de ensino usados por Jesus.

R. Parábolas, preleção, perguntas e respostas.

 

4. Cite quatro características do ensino de Jesus.

R. Jesus ensinava a todos, com autoridade e pertinência, e por meio de parábolas.

 

5. Explique com suas palavras a parábola dos dois alicerces.

R. (Livre). O que constrói a casa sobre a rocha é o que ouve e pratica os ensinos de Jesus. O que constrói a casa sobre a areia é o que ouve, mas não pratica os ensinos de Cristo.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“Jesus, o Mestre

Mateus apresenta mais dos ensinos de Jesus do que os outros escritores dos Evangelhos. Ele aumenta o relato de Marcos com mais ensinos de Jesus, fazendo acréscimo crucial e necessário ao registro escrito da Igreja.

Mateus apresenta Jesus como Rei e também como Mestre (Rabi); por conseguinte, um Mestre-Rei. Jesus cumpre simultaneamente os papéis de Moisés, o legislador, e de Davi, o rei. Não causa surpresa que Mateus apresente os ensinos de Jesus como os ensinos do Reino ou Governo de Deus.

Ao retratar Jesus como Mestre, Mateus apresenta cinco grupos principais de ensinos, referindo-se a Jesus como o novo Moisés. Há os que sugerem que o propósito de Mateus era traçar um paralelo entre os ensinos de Cristo e o Pentateuco. Esta é a razão de os ensinos de Jesus terem sidos chamados ‘a nova Torá’ (isto é, a nova lei). Estas seções pedagógicas estão emolduradas pelo começo do Evangelho (Mt 1-4) e na conclusão (Mt 26-28). Os cinco discursos de ensino de Jesus são: O Sermão da Montanha; A chamada para a Missão; As Parábolas do Reino; Instrução à Igreja e o Discurso no Monte das Oliveiras.

Cada seção conclui com palavras semelhantes: ‘Concluindo Jesus este discurso’ (Mt 7.28); ‘Acabando Jesus de dar instruções’ (Mt 11.1); ‘Jesus, concluindo essas parábolas’ (Mt 13.53)...”.

(ARRINGTON, F.L.; STRONSTAD, R. Comentário bíblico pentecostal: Novo Testamento. RJ: CPAD, 2004, pp. 5,6.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

Jesus é o Mestre por excelência.

Ele não ensinava como os fariseus - seus ensinos refletiam o modo como vivia.

Ele não ensinava à moda dos escribas - seus ensinos tinham autoridade.

Ele não ensinava como os filósofos gregos - seus ensinos produziam vida eterna.

Ele não ensinava como os tribunos romanos - seus ensinos impunham à ética do Reino.

Ele não ensinava tal qual os rabinos - seus ensinos eram da Nova Aliança.

Ele não ensinava semelhante os monarcas - seus ensinos eram graciosos.

Ele não estudou nas escolas rabínicas, mas muitos rabinos se tornaram discípulos seu.

Ele não era membro do Sinédrio, mas os inquietou com suas verdades.

Ele não era amigo de Pilatos, mas, no silêncio, o ensinou a verdade.

Ele ensinava o que ouvira do Pai Eterno (Jo 15.15), enquanto outros, o que aprenderam nos livros.

 

 

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 10: Os milagres de Jesus

Data: 9 de Março de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Varões israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, varão aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis” (At 2.22).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Os milagres são acontecimentos extraordinários que têm como principal objetivo glorificar o nome de Deus, e mostrar a sua soberania sobre todas as esferas da criação.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Lc 8.23,24

O poder de Jesus sobre a tempestade

 

 

 

Terça - Mt 8.28-32

O poder de Jesus sobre as forças do mal

 

 

 

Quarta - Lc 17.12-14

Jesus cura dez leprosos de uma só vez

 

 

 

Quinta - Jo 11.25-44

O poder de Jesus sobre a morte

 

 

 

Sexta - Jo 9.1-7

Jesus cura um cego de nascença

 

 

 

Sábado - Mt 14.13-21

O milagre da multiplicação dos pães e dos peixes

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Mateus 11.1-6; João 20.30,31.

 

Mateus 11

1 - E aconteceu que, acabando Jesus de dar instruções aos seus doze discípulos, partiu dali a ensinar e a pregar nas cidades deles.

2 - E João, ouvindo no cárcere falar dos feitos de Cristo, enviou dois dos seus discípulos

3 - a dizer-lhe: És tu aquele que havia de vir ou esperamos outro?

4 - E Jesus, respondendo, disse-lhe: Ide e anunciai a João as coisas que ouvis e vedes:

5 - Os cegos vêem, e os coxos andam; os leprosos são limpos, e os surdos ouvem; os mortos são ressuscitados, e aos pobres é anunciado o evangelho.

6 - E bem-aventurado é aquele que se não escandalizar em mim.

 

João 20

30 - Jesus, pois, operou também, em presença de seus discípulos, muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro.

31 - Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.

 

INTERAÇÃO

 

Professor, nesta lição reafirme à classe um dos mais importantes dogmas do pentecostalismo: a atualidade dos milagres operados por Deus. Lembre-a de que os milagres são testemunhos irrefutáveis da ação de Jesus na Igreja. Deus o abençoe!

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever os propósitos dos milagres.
  • Explicar a relação entre ciência e milagre.
  • Classificar os milagres no ministério de Jesus.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, o Novo Testamento emprega quatro palavras gregas para descrever as obras milagrosas de Jesus e dos apóstolos: terassēmeionergon e dynamis. O primeiro, teras, significa “maravilhas” e faz alusão ao caráter extraordinário do milagre (Jo 4.48; At 14.3). O segundo, sēmeion, ou “sinal”, indica a imediata conexão com o mundo espiritual, simbolizando a verdade celestial (Mt 16.3; 24.3,30). O terceiro, ergon, literalmente “trabalho”, se refere aos feitos miraculosos realizados por Jesus (Mt 11.2; Jo 7.3). O quarto, dynamis, isto é, “poder”, “prodígio”, descreve o exercício do poder divino e demonstra o fato de que forças espirituais se introduziram e estão trabalhando neste mundo (Mt 11.20; Mc 6.5) Atos 2.22 traz três desses termos: “Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com ‘milagres’ [dynamis], ‘prodígios’ [teras] e sinais [sēmeion], os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós” (ARA). Use a tabela abaixo após o tópico “I".

 

ALGUNS MILAGRES DE JESUS

Cura e Libertações

Leproso
Endemoninhado mudo
Dois cegos

Mt 8.2-4
Mt 9.32,33
Mt 9.27-31

 

Poder sobre a Natureza

Acalmando a tempestade
Alimentando 5.000
Andar sobre o mar

Mt 8.23-27
Mt 14.15-21
Mt 14.25

 

Ressurreição dos Mortos

A filha de Jairo
O filho da viúva
Lázaro

Mt 9.18,19-23-25
Lc 7.11-15
Jo 11.1-44

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Milagre: Intervenção e ação divina que independe das leis físicas e do fluxo da história.

 

A despeito dos diversos registros de milagres nos Evangelhos e em Atos dos Apóstolos, céticos e teólogos liberais de todas as épocas têm ridicularizado as intervenções extraordinárias de Deus na história. Estes atos sobrenaturais revelam o poder de Cristo sobre as enfermidades, a natureza, a morte, o Inferno e o Diabo.

 

I. OS MILAGRES NA BÍBLIA

 

1. Conceito. Milagre é a intervenção divina sobre as leis da natureza. Em cada prodígio ocorre uma alteração na ordem natural do Universo. De acordo com as Escrituras, esse modo de Deus manifestar-se é um ato de sua soberana vontade e, sob certos aspectos, está sujeito à fé daquele que espera pelo socorro celestial (Mc 11.23,24; Jo 11.40). Uma vez que a história do povo de Deus está repleta de milagres em ambos os Testamentos, podemos afirmar categoricamente que o Cristianismo é a religião dos sinais, milagres e maravilhas.

2. No Antigo Testamento. São inúmeros os milagres manifestados no Antigo Testamento (Êx 14.2; 15.24,25; Nm 17.1-8; Js 3.14-17; 2 Rs 4.32-36). O profeta Jeremias chegou a afirmar que os sinais e as maravilhas produzidos no Egito eram freqüentes “tanto em Israel, como entre outros homens” (Jr 32.20). Esses atos portentosos eram testemunhos da presença do Eterno entre o povo em todos os lugares (Êx 6.3-8; 8.19): no Egito (Êx 7-12), no deserto (Êx 13.20,21), em Jericó (Js 6.6-21), no mar (Jn 1.1 7), na paz (2 Cr 7.1), e até na cova dos leões (Dn 6.16-23). Deus, em todo tempo, sempre operou prodígios e maravilhas em favor de seu povo. Creia que Ele é “o mesmo ontem, e hoje, e eternamente” (Hb 13.8) e verás as grandes obras que realizará em tua vida.

3. Em o Novo Testamento. O Novo Testamento está repleto de milagres (Mt 11.4,5). Os operados por Jesus são de três categorias: cura e libertação (Mt 8.2-4; 17.14-18); poder sobre a natureza (Mc 4.37-41; Lc 5.4-11); e ressurreição de mortos (Lc 7.11-15; Jo 11.1-44).

a) As evidências dos milagres de Jesus (Mt 11.4,5). A Bíblia revela o poder de Cristo sobre todas as coisas. Ele expulsava os demônios (Mt 12.22,23), curava os cegos (Mt 20.34; Jo 9.6,7), os mudos (Mt 12.22) e os paralíticos (Jo 5.2-9). Em diversas ocasiões exerceu poder sobre a natureza: ao apaziguar a tempestade (Mc 4.37-39), ao andar sobre o mar (Mc 6.48-51) e ao transformar água em vinho (Jo 2.1-11). Não é possível descrever todos os milagres de Jesus (Jo 20.30,31). Todavia, os trinta e cinco narrados nos Evangelhos foram “escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus” (Jo 20.31). Suas extraordinárias obras também serviam para autenticar seu ministério e revelar sua identidade messiânica (Mt 11.5).

b) Os milagres apostólicos. Muitos milagres de cura e ressurreição de mortos foram realizados pelos apóstolos mediante o poder do Espírito Santo (At 3.6-9; 9.33-41; 14.8-9; 20.9,10). Estas maravilhas não cessaram com a morte daqueles abnegados servos do Altíssimo, mas continuam acontecendo no seio da igreja contemporânea (Mc 16.17,18; Jo 14.12; 11.40).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Milagre é a intervenção divina sobre as leis naturais. Há inúmeras evidências dos milagres no Antigo e Novo Testamentos.

 

II. OS PROPÓSITOS DOS MILAGRES

 

1. No ministério de Jesus. Uma das marcas do ministério de Cristo foi a operação de milagres, especialmente a cura e a libertação: "E a sua fama correu por toda a Síria; e traziam-lhe todos os que padeciam acometidos de várias enfermidades e tormentos, os endemoninhados, os lunáticos e os paralíticos, e ele os curava" (Mt 4.24 cf. Lc 4.17-19).

Esses milagres cumpriam alguns propósitos específicos: a) testificavam que Ele era o Messias (Mt 11.4,5); b) revelavam que Jesus havia sido enviado pelo Pai (Jo 11.40-42); c) autenticavam a mensagem e o ministério terreno de Jesus (Mc 1.27,28); d) confirmavam a deidade de Cristo (Mc 2.5-12; 3.10-12); e) conduziam os homens à adoração (Mc 2.12); e, f) fortaleciam a fé dos discípulos (Mc 4.40,41). Os prodígios de Cristo provêem socorro e solução para o ser humano aflito. Todavia, seu objetivo principal é conduzir todos a Deus (Jo 20.30,31).

2. Na Igreja (Jo 20.31). Os milagres revelam o poder de Deus e o seu controle sobre todas as coisas. Mediante os dons de fé, curas e operações de maravilhas, eles atestam a obra e a manifestação do Espírito Santo na vida Igreja (At 2.43; 4.29-31; 1 Co 12.4-6,9,10). Portanto, busquemos com zelo os dons espirituais, pois, assim como os milagres, são para os dias de hoje.

3. Atualidade dos milagres. Infelizmente, não apenas os céticos rejeitam os milagres, mas também alguns cristãos piedosos e tementes a Deus, não crêem na atualidade dos milagres. Ora, se a mensagem da salvação é válida para hoje, os milagres também o são. Lembremos que Jesus ensinou a continuidade dos milagres (Jo 14.12).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Os milagres cumpriam diversos propósitos no ministério de Jesus e dos apóstolos.

 

III. OS MILAGRES E A CIÊNCIA

 

1. A realidade dos milagres. O cristianismo foi erigido sobre fatos. O que Jesus fez e ensinou foi às claras (Jo 11.42-44; 18.19-21; At 2.32-36). As pessoas curadas por Ele eram conhecidas do povo. Esta é a razão pela qual o Senhor nunca foi acusado de trapaça, embuste ou truques ao realizar os milagres. Os fatos eram incontestáveis (At 10.38,39 cf. Jo 9).

Ainda hoje o Senhor Jesus continua operando maravilhas em sua Igreja. Mesmo que não sejamos capazes de explicá-los racionalmente, os milagres são indiscutíveis, reais e atuais, haja vista os inúmeros testemunhos documentados no jornal Mensageiro da Paz.

2. Os métodos científicos. Segundo os cientistas, para que um fenômeno seja considerado pela Ciência é necessário que seja comprovado, repetido, mensurado, experimentado e publicado para contestação. Nesse caso, os milagres não possuem lastro científico, pois não podem ser explicados pelo método racional. Todavia, isso não nega sua ocorrência, apenas demonstra a incapacidade humana para explicá-los (Jó 26.14).

Os milagres existem, sim, e continuam desafiando a Ciência. Os métodos científicos têm seu mérito, mas nem sempre são aplicáveis aos acontecimentos extraordinários da Bíblia. Como se pode repetir experimentalmente um milagre? Apesar de os milagres não poderem ser submetidos a tais métodos, não significa que a fé cristã seja irracional. Jesus ordenou que amássemos a Deus de todo o nosso “entendimento” (Mc 12.30).

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Embora os milagres não sejam explicados cientificamente, eles são reais e não mitos, verdadeiros e não falsos.

 

CONCLUSÃO

 

Cristo, ainda hoje, dispensa aos seus servos o mesmo poder para operação de maravilhas (Mt 10.8; Jo 1.50; 5.20; 14.12) que conferira a seus discípulos no passado. São milhares os testemunhos de pessoas alcançadas pelas obras extraordinárias operadas pelo Filho de Deus em sua amada Igreja. Essas ocorrências admiráveis são marcas distintivas da doutrina pentecostal.

 

VOCABULÁRIO

 

Asseverar: Afirmar com certeza; assegurar.
Cf.: Confira.
Contestar: Negar a exatidão de; contrariar, contradizer.
Incontestável: Não contestável; indiscutível.
Mensurar: Medir; ter por medida.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

PFEIFFER, C. R. (et al.) Dicionário bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2006.
LUCADO, M. Graça para o momento. RJ: CPAD, 2004.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Conceitue o termo milagre.

R. Intervenção e ação divina que independe das leis físicas e do fluxo da história.

 

2. Quais são as três categorias de milagres operados por Jesus?

R. Cura e libertação; poder sobre a natureza; e ressurreição de mortos.

 

3. Cite três propósitos dos milagres no ministério de Jesus.

R. Testificar que Jesus era o Messias; revelar que Jesus era enviado pelo Pai; autenticar o ministério de Jesus.

 

4. Explique a razão pela qual o milagre não desapareceu com a era apostólica.

R. Se a mensagem da salvação é válida para hoje, os milagres também o são.

 

5. Descreva um milagre que o Senhor efetuou em sua igreja.

R. Livre.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“A Natureza do Miraculoso

Visto que o termo milagre é popularmente aplicado à ocasiões incomuns, até mesmo por aqueles que professam não acreditar no sobrenatural, nem sempre é fácil atribuir o verdadeiro significado bíblico à palavra. É provável que a definição mais simples seja a de C. S. Lewis: ‘Milagre é uma interferência na natureza por um poder sobrenatural’. Por outro lado, Machen define o milagre como ‘um evento no mundo exterior, que é trabalhado pelo poder imediato de Deus’. Com isso ele quer dizer que uma obra divina é milagrosa quando Deus ‘não usa meios, mas utiliza o seu poder criativo, como o utilizou quando fez todas as coisas a partir do nada’. Em outras palavras, um milagre acontece quando Deus dá um passo para fazer algo além do que poderia ser realizado de acordo com as leis da natureza, do modo como entendemos, e que na verdade pode estar em desacordo com elas e ser até uma violação delas. Além disso, um milagre está além da capacidade intelectual ou científica do homem [...]

Durante o ministério terreno de Jesus, por exemplo, Ele usou os milagres para demonstrar a sua divindade, para provar que era o Enviado de Deus, para sustentar o seu messianato, para ministrar com compaixão às multidões necessitadas [...]”.

(PFEIFFER, C. F. (et al.) Dicionário bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2006, p. 1267.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

“Medo e Fé

Grandes atos de fé raramente nascem de um cálculo sereno (At 16.25). Não foi a lógica que levou Moisés a erguer seu cajado à beira do mar Vermelho. Não foi uma pesquisa médica que convenceu Naamã a mergulhar sete vezes no rio. Não foi o senso comum que fez Paulo abandonar a Lei e abraçar a graça. E não foi um comitê confiante que orou numa pequena sala, em Jerusalém, para que Pedro fosse liberto da prisão. Foi um grupo de crentes assustados, desesperados, encolhidos num canto. Foi uma igreja que não tinha opções. Uma congregação que não tinha a quem apelar. E nunca eles foram mais fortes. No começo de cada ato de fé, geralmente, há uma semente de medo”.

(LUCADO, M. Graça para o momento. RJ: CPAD, 2004.)

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 11: A morte vicária de Jesus

Data: 16 de Março de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras” (1 Co 15.3).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Jesus morreu por nossas culpas, libertando-nos do castigo do pecado, que é a morte.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - At 13.26-29

A morte de Jesus anunciada pelos profetas do Antigo Testamento

 

 

 

Terça - Jo 8.20-24

Jesus falou de sua morte vicária

 

 

 

Quarta - Jo 19.1-3,17

O martírio de Jesus

 

 

 

Quinta - Hb 2.9

Jesus morreu por todos os homens

 

 

 

Sexta - Hb 9.15

A morte de Jesus foi para remissão dos nossos pecados

 

 

 

Sábado - Mt 27.45-53

O brado da cruz

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Lucas 23.33,44-53.

 

33 - E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram e aos malfeitores, um, à direita, e outro, à esquerda.

44 - E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona,

45 - escurecendo-se o sol; e rasgou-se ao meio o véu do templo.

46 - E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isso, expirou.

47 - E o centurião, vendo o que tinha acontecido, deu glória a Deus, dizendo: Na verdade, este homem era justo.

48 - E toda a multidão que se ajuntara a este espetáculo, vendo o que havia acontecido, voltava batendo nos peitos.

49 - E todos os seus conhecidos e as mulheres que juntamente o haviam seguido desde a Galiléia estavam de longe vendo essas coisas.

50 - E eis que um homem por nome José, senador, homem de bem e justo

51 - (que não tinha consentido no conselho e nos atos dos outros), natural de Arimatéia, cidade dos judeus, e que também esperava o Reino de Deus,

52 - este, chegando a Pilatos, pediu o corpo de Jesus.

53 - E, havendo-o tirado, envolveu-o num lençol e pô-lo num sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto.

 

INTERAÇÃO

 

Professor, esta lição trata da morte expiatória e vicária de nosso Senhor Jesus Cristo. Ore a Deus a fim de que seus alunos sejam profundamente sensibilizados com a ministração dessa aula. Não se esqueça de estudar as profecias dispostas na Orientação Pedagógica. Boa aula!

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever a história da crucificação de Jesus.
  • Estudar as profecias a respeito do sofrimento de Cristo.
  • Explicar o significado teológico da morte de Jesus.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, a respeito da morte de Jesus há uma teoria muito discutida: a teoria da fatalidade. De acordo com essa heresia, Jesus foi bem-sucedido no início de seu ministério terreno, porém, foi vítima de uma fatalidade: a morte na cruz. Entretanto, diversos fatos e textos comprovam que a morte de Jesus não fora uma fatalidade. Ela foi profetizada em suas minúcias, vejamos: a) sua entrada triunfal (Sl 118.26; Mt 21.9; Zc 9.9; Mt 21.7); b) a purificação do templo (Is 56.7; Jr 7.11; Mt 21.13); c) sua rejeição (Sl 118.22,23; Mt 21.42); d) suas dores (Is 53.4; Mt 8.17); e) seu abandono pelos discípulos (Zc 13.7; Mt 26.31); f) a repartição de suas vestes (Sl 22.18; Mt 35); g) seu brado (Sl 22.1; Mt 27.46). Ao fiel cumprimento dessas profecias acrescentam-se às declarações de Jesus a respeito de sua morte (Mt 26.18,24,31,32; Jo 3.14). Portanto, a morte de Jesus não foi uma fatalidade, mas uma entrega ou doação voluntária de si mesmo a favor da humanidade (Jo 10.18; At 2.23).

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Vicário: Aquele que se coloca no lugar do outro; substituto. O termo descreve a morte substituta de Jesus.

 

A morte vicária de Jesus não foi um mero incidente histórico, pois já havia sido predita no jardim do Éden (Gn 3.15). Portanto, não se tratava apenas da morte de um justo, mas de um sacrifício vivo e perfeito, como oblação pelos nossos pecados, recebido por Deus como propiciação pelas nossas ofensas (Rm 3.25).

 

I. A MORTE DE JESUS FOI PREDITA NO ANTIGO TESTAMENTO

 

1. A promessa do sacrifício de Jesus. A primeira referência ao anúncio da vinda do Messias já estava vinculada à sua morte: “esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gn 3.15). Com o passar dos tempos, Deus escolheu o patriarca Abraão e prometeu-lhe suscitar, dentre os seus descendentes, o Redentor (Gn 12.1-7; Gl 3.16). Dentre os filhos de Jacó, Deus escolheu Judá para ser um dos progenitores legais do Messias (Gn 49.10).

2. “Segundo as Escrituras”. A morte física de Jesus aconteceu “segundo as Escrituras” (1 Co 15.3). Ela já estava prevista no Antigo Testamento. Salmos 22 e Isaías 53 descrevem os pormenores dessa morte. Jesus afirmou que a Lei de Moisés e os Profetas se convergem nEle, sendo sua paixão e morte o cumprimento das Escrituras Sagradas (Lc 24.26, 27; 44-46). Os quatro Evangelhos apontam essa morte como cumprimento dos profetas (Mt 27.35; Mc 15.24; Lc 23.34; Jo 19.24,36,37). O sacrifício de Jesus é a conclusão dos ensinamentos do Antigo Testamento.

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

A morte vicária de Jesus foi amplamente profetizada no Antigo Testamento. O AT descreve minúcias do sofrimento e morte de Jesus.

 

II. O DIA DA CRUCIFICAÇÃO

 

1. O dia se tornou em trevas (v.44). Até a natureza foi afetada com a morte do Filho de Deus. O Sol negou a sua luz em pleno dia. Houve trevas em toda a Terra desde o meio-dia até às três horas da tarde. Isso aconteceu em todo o planeta e não foi um eclipse solar; tratava-se de uma escuridão sobrenatural.

2. O véu rasgado (v.45). Quando Jesus morreu, o véu do templo se rasgou em duas partes, de alto a baixo. O “véu do templo” era a cortina que separava o lugar Santo do lugar Santíssimo, onde somente o sumo sacerdote entrava uma vez por ano, no dia da expiação (Êx 26.33; 30.10; Lv 16.15). O véu rasgado revela que a morte de Jesus abriu a todos os seres humanos o caminho para Deus (Hb 6.19,20; 10.19,20). O significado espiritual desse acontecimento se afirma claramente em Hebreus 9.1-14; 10.19-22.

3. O brado de Jesus (v.46). Lucas foi o único escritor que registrou as últimas palavras de Jesus citadas antes de entregar o espírito ao Pai. O relato de Lucas mostra de maneira inconfundível que Jesus entregou-se por nós. Ele deu sua vida pelos pecadores, como havia prometido. A minha vida, disse, “ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou” (Jo 10.18). Jesus entregou o espírito com “grande brado” (Mc 15.37) ou com “grande voz” (Lc 23.46; Mt 27.50). O termo “está consumado” (Jo 19.30), tanto em grego como em aramaico, é uma só palavra. O brado de Jesus na cruz, declarando haver concluído a obra da redenção e entregando ao Pai o espírito, indica triunfo. Ele foi crucificado, mas vitorioso, cumpriu a sua missão gloriosamente.

4. A reação do centurião e da multidão (vv.47,48). A morte de Jesus foi um acontecimento ímpar. O centurião reconheceu haver crucificado um homem justo, e a multidão “voltava batendo nos peitos” (v.48) como gesto de aturdimento. Estavam ali participando de um espetáculo de zombaria, mas de repente, as palavras de Jesus e os miraculosos sinais da natureza, que acompanharam a morte de nosso Senhor na cruz, despertaram as consciências daquelas pessoas, levando-as a uma profunda lamentação por aquele crime sem precedentes na História. Era uma manifestação coletiva de culpa e vergonha; a reação foi um preparativo para o povo receber a mensagem de Pedro no dia de Pentecostes (At 2.23).

5. Evidências externas. Historiadores judeus e romanos atestaram o sacrifício de Jesus. O fato foi registrado por Flávio Josefo, historiador judeu do primeiro século da Era Cristã. A literatura judaica antiga também menciona a morte de Jesus.

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Imediatamente após a morte de Jesus, vários eventos atestaram a inocência, a filiação divina e o sacerdócio perfeito de nosso Senhor Jesus Cristo.

 

III. O SACRIFÍCIO VICÁRIO

 

1. A morte vicária. O termo “vicário” significa “o que faz as vezes de outro; substituto”. A morte vicária significa morte substitutiva, pois Jesus morreu, derramando o seu sangue, em nosso lugar. Os apóstolos entenderam o significado teológico da morte de Jesus. O apóstolo Paulo ensinava que Cristo morreu em nosso lugar (1 Co 15.3; Cl 2.20), e, que Deus propôs o sangue de seu Filho como propiciação pelos nossos pecados (Rm 3.25). Esse era também o ensino dos demais apóstolos (1 Pe 3.18; 1 Jo 2.1,2).

2. A reconciliação pelo sangue. O Antigo Testamento anunciava a vinda de Jesus, sua paixão e morte, apresentando também a importância do sangue, no sacrifício do Calvário: “... é o sangue que fará expiação pela alma” (Lv 17.11). Isso é confirmado no Novo Testamento: “... sem derramamento de sangue não há remissão” (Hb 9.22). Expiação significa “remir a culpa”, e, por extensão, “reconciliação”. É a restauração de uma relação quebrada. Na cruz fomos reconciliados com Deus (2 Co 5.19; Ef 2.11-19).

3. A provisão de Deus para a salvação. A Bíblia ensina que “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3.23) e que o homem é incapaz de salvar-se (Is 64.6; Ef 2.8,9) e de ir para o céu pela sua própria força, justiça e bondade. Deus proveu a salvação de maneira que a paz e a justiça se encontrassem (Sl 85.10). O sacrifício de Jesus satisfez toda a justiça da Lei e dos profetas.

4. Os opositores da cruz de Cristo. Os muçulmanos negam terminantemente a morte de Jesus. O Corão ensina que Jesus não morreu. Essa é a mais grotesca negação do cristianismo. Rechaçar a História, afirmando que Jesus não morreu, é um disparate. A confirmação bíblica e histórica da morte de Jesus é fato incontestável. A verdade é que a cruz de Cristo sempre foi escândalo para os que perecem (1 Co 1.23).

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

A morte vicária de Jesus proporciona ao crente reconciliação com Deus. Jesus é a única provisão de Deus para a salvação do homem.

 

CONCLUSÃO

 

Jesus morreu por toda a humanidade, a fim de expiar, diante de Deus, todos os nossos pecados. O nascimento, a morte e a ressurreição de Jesus foram os acontecimentos mais importantes da história da humanidade. Então, curvemo-nos diante da cruz para recebermos o perdão de Cristo e adoremos aquEle que morreu e ressuscitou para dar-nos a vida eterna.

 

VOCABULÁRIO

 

Aturdir: Espantar, surpreender, assombrar.
Convergir: Dirigir ou afluir para o mesmo ponto.
Oblação: Oferenda gratuita ou oferta votiva feita a Deus.
Propiciação: Tornar propício, favorável.
Suscitar: Fazer nascer; fazer aparecer; levantar.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

LUCADO, M. Graça para o momento. RJ: CPAD, 2004.
WIERSBE, W. W. O que as palavras da cruz significam para nós. RJ: CPAD, 2001.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Escreva a primeira alusão à morte do Messias na Bíblia.

R. “Esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gn 3.15).

 

2. Cite três referências bíblicas que provam que a morte de Cristo não foi acidental.

R. 1 Co 15.3; Mt 27.35; Mc 15.24.

 

3. Mencione três fatos que confirmam a morte inocente e inculpável de Jesus.

R. O véu rasgado; o brado de Jesus; a reação do centurião e da multidão.

 

4. Qual o significado teológico da morte de Cristo?

R. A morte de Jesus foi vicária e, o seu sangue justifica o crente.

 

5. O que Jesus satisfez com sua morte vicária?

R. O sacrifício de Jesus satisfez toda a justiça da Lei e dos profetas.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“O Sacrifício Expiatório

O sacrifício expiatório do Messias foi ensinado nas profecias e símbolos do Antigo Testamento, e Jesus compreendia perfeitamente as Escrituras judaicas. Todo o sistema sacrificial mosaico e o sacerdócio que o mantinha eram símbolos e sombras das Boas Novas vindouras. Jesus tinha conhecimento de que os demais judeus sabiam que o núcleo desse sistema era Levítico 17.11: ‘Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma, porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida’.

Ao ‘anunciar o seu nascimento’, Jesus declarou que a sua encarnação lhe deu um corpo que Ele ofereceria como sacrifício pelos pecados do mundo. Portanto, quando veio ao mundo, Ele disse: ‘Por isso, ao entrar no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste; antes, corpo me formaste; não te deleitaste com holocaustos e ofertas pelo pecado. Então, eu disse: Eis aqui estou (no rolo do livro está escrito a meu respeito), para fazer, ó Deus, a tua vontade’ (Hb 10.5-7).

Jesus se entregaria como oferta queimada, em submissão total a Deus, assim como oferta pelo pecado para pagar o preço das nossas ofensas contra Deus”.

(WIERSBE, W. W. O que as palavras da cruz significam para nós. RJ: CPAD, 2001, pp.12-3.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

“Você é Especial (Rm 8.39)

Desejamos saber até onde o amor de Deus resistirá... Não apenas no domingo de Santa Ceia, quando estamos com os sapatos brilhando e os cabelos arrumados... Não quando estou animado e confiante, e pronto para resolver o problema da fome no mundo. Não. Sei como Ele se sente a meu respeito nestes momentos. Até eu gosto de mim nestas horas.

Quero saber o que Ele sente por mim quando disparo contra qualquer coisa que se move, quando os meus pensamentos estão ao nível da sarjeta, quando minha língua está afiada o suficiente para fatiar uma rocha. Como Ele se sente a meu respeito então?...

Pode alguma coisa separar-nos do amor que Cristo tem por nós?

Deus respondeu nossa pergunta antes que a formulássemos. Para que enxergássemos a sua resposta, Ele iluminou o céu com uma estrela. Para que a ouvíssemos, Ele encheu a noite com um coral; e para que crêssemos nela, Ele fez que o homem algum jamais sonhara. Ele se fez carne e habitou entre nós, morreu e ressuscitou ao terceiro dia”.

(LUCADO, M. Graça para o momento. RJ: CPAD, 2004, p.27.)

 

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 12: A ressurreição de Jesus

Data: 23 de Março de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias e falando do que respeita ao Reino de Deus” (At 1.3).

 

VERDADE PRÁTICA

 

A ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo é a principal doutrina do Novo Testamento. Sem ela o Cristianismo seria impossível.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - At 2.25-32

A ressurreição de Jesus no Antigo Testamento

 

 

 

Terça - Os 6.1,2

A dupla aplicação do terceiro dia

 

 

 

Quarta - Mt 16.21

Jesus anuncia a sua ressurreição

 

 

 

Quinta - Jo 11.25

Jesus é a ressurreição e a vida

 

 

 

Sexta - At 3.6,13-16

A prova pública da ressurreição de Jesus

 

 

 

Sábado - 1 Co 15.17-20

A ressurreição de Cristo é a base da fé cristã

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

1 Coríntios 15.1-9.

 

1 - Também vos notifico, irmãos, o evangelho que já vos tenho anunciado, o qual também recebestes e no qual também permaneceis;

2 - pelo qual também sois salvos, se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado, se não é que crestes em vão.

3 - Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras,

4 - e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras,

5 - e que foi visto por Cefas e depois pelos doze.

6 - Depois, foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também.

7 - Depois, foi visto por Tiago, depois, por todos os apóstolos

8 - e, por derradeiro de todos, me apareceu também a mim, como a um abortivo.

9 - Porque eu sou o menor dos apóstolos, que não sou digno de ser chamado apóstolo, pois que persegui a igreja de Deus.

 

INTERAÇÃO

 

Caro professor, muitos ainda hoje têm negado a realidade objetiva da ressurreição de Cristo. Quem nega a ressurreição corpórea de Cristo, contraria totalmente a fé cristã. Porque se Cristo não ressuscitasse, não haveria perdão, nem livramento do pecado. A humanidade estaria irremediavelmente perdida.

Faça uma exposição do v.12, capítulo 15 de 1 Coríntios. Escreva-o no quadro e promova um pequeno debate antes de iniciar a lição propriamente.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Explicar o significado da ressurreição de Cristo.
  • Descrever as evidências da ressurreição de Cristo.
  • Apontar a ressurreição como a principal doutrina do Novo Testamento.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Ressuscitar significa despertar, levantar dentre os mortos. Converse com seus alunos sobre a imprescindibilidade dessa doutrina. Enfatize que Cristo foi feito as primícias dos que dormem, e os que morrerem nEle, em sua vinda ressuscitarão à semelhança de sua ressurreição. A Bíblia diz que o mesmo corpo, que foi sepultado, será reerguido (1 Co 15.35-44). Faça a seus alunos a seguinte pergunta:

Como será o corpo da ressurreição? Coloque as respostas abaixo no quadro e explique-as com todo cuidado. Como será o corpo da ressurreição? a) Visível (Lc 24.39); b) Incorruptível (1 Co 15.42,54); c) Palpável (Jo 20.27); d) Vivificado (Rm 8.11).

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Ressurreição: Voltar a viver.

 

Dando continuidade ao nosso estudo sobre Jesus, Verdadeiro Homem e Verdadeiro Deus, veremos na lição de hoje a sua ressurreição - a pedra angular do cristianismo, pois se Cristo não tivesse ressuscitado, não seria o que Ele próprio havia afirmado ser. “Mas, agora, Cristo ressuscitou dos mortos e foi feito as primícias dos que dormem” (1 Co 15.20).

 

I. A DOUTRINA DA RESSURREIÇÃO DOS MORTOS

 

1. O ensino de Paulo sobre a ressurreição. O capítulo 15 da Primeira Epístola aos Coríntios é uma exposição detalhada sobre a doutrina da ressurreição dos mortos. Paulo começa tratando da ressurreição de Jesus. Muitos na igreja de Corinto diziam não haver ressurreição (15.12). Negavam até a ressurreição do próprio Cristo. Eram influenciados pelas idéias racionalistas dos filósofos gregos. Lembre-se: “as más conversações corrompem os bons costumes” (15.33). Por isso, Paulo apresenta aos irmãos de Corinto as provas indestrutíveis da ressurreição de Jesus.

2. A Bíblia e a ressurreição dos mortos. Ressuscitar significa despertar, levantar dentre os mortos. A Bíblia diz que o mesmo corpo, que foi sepultado, será reerguido quando da ressurreição (1 Co 15.35-44). Jesus afirmou que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz (Jo 5.28-29) assim como Lázaro ouviu a voz de Cristo, estando já quatro dias no sepulcro (Jo 11.39,43,44).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Ressuscitar significa despertar, levantar dentre os mortos.

 

II. OS QUE NÃO CRÊEM NA RESSURREIÇÃO

 

1. Os saduceus. Os saduceus eram os intelectuais da época de Cristo. Na sua maioria eram sacerdotes e membros do sinédrio - o supremo tribunal judaico (At 5.17). Eles aceitavam somente o Pentateuco — a Lei de Moisés. Os três Evangelhos sinóticos afirmam que eles não criam na ressurreição (Mt 22.23; Mc 12.18; Lc 20.27) e na existência de anjos (At 23.8). Diziam que a crença da ressurreição dos mortos não podia ser confirmada nos escritos de Moisés. O historiador Flávio Josefo declara que a crença deles era de que a alma morria com o corpo, opondo-se assim aos fariseus que criam nessas doutrinas.

2. Os gregos. Não eram só os saduceus que negavam a ressurreição dos mortos: os gregos também procediam da mesma forma (At 17.32; 1 Co 15.12). Na atualidade, os céticos, os materialistas e até grupos religiosos negam, de igual modo, a doutrina bíblica da ressurreição.

3. A insensatez dos incrédulos. Segundo Myer Pearlmam, os judeus poderiam ter refutado o testemunho dos primeiros pregadores se tivessem exibido o corpo de Jesus. Mas não o fizeram — porque Cristo ressuscitara corporalmente (Lc 24.3). Muitos argumentos contrários à ressurreição de Jesus são tão inconsistentes que, por si mesmos, se auto-refutam. Negar a ressurreição de Jesus é tolice. Se a ressurreição de Jesus não fosse um fato real, o Cristianismo teria morrido em seu nascedouro. A Bíblia, porém, afirma que o túmulo de Jesus foi encontrado vazio (Mt 28.6). Onde, pois, estava o corpo crucificado? O próprio Jesus falou acerca da sua morte e ressurreição ao terceiro dia (Jo 2.19-22).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Os saduceus e os gregos negavam a ressurreição dos mortos.

 

III. A RESSURREIÇÃO DE CRISTO

 

1. “Segundo as Escrituras” (v.4). A ressurreição de Jesus fazia parte do plano divino da redenção. As evidências da ressurreição do Mestre já se encontravam nas “Escrituras” desde o Antigo Testamento (Sl 16.8-10; Os 6.2). O primeiro argumento para fundamentar a doutrina do Cristo ressuscitado tem sua base na Palavra de Deus. Depois temos as provas factuais, pois a ressurreição de Jesus é um fato incontestável. A Bíblia afirma que Jesus “... se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias” (At 1.3). A expressão “infalíveis provas”, no original grego, só aparece aqui, em todo o Novo Testamento, e distingue-se do vocábulo “testemunho” e de outros termos similares. É uma palavra técnica para “prova incontestável” refere-se, por conseguinte, à prova baseada em fatos que, por si só, suscitam credibilidade. Essas provas infalíveis e incontestáveis jamais puderam ser refutadas. As autoridades religiosas de Jerusalém lutaram muito para neutralizá-las, mas não o conseguiram (Mt 28.11-15).

2. Evidências das testemunhas pessoais (v.5). Paulo afirmou que Jesus se apresentou vivo a Pedro (Lc 24.34), depois aos demais apóstolos durante 40 dias (At 1.3). Eles pagaram um preço muito alto pelo que viram e testemunharam. Foram perseguidos, presos, torturados e mortos porque afirmaram que Jesus estava vivo (At 12.1-3). Isso está também registrado na história, e não apenas no Novo Testamento. Quem estaria disposto a morrer por uma mentira? Talvez algum insensato, mas não tanta gente. De fato, Cristo ressuscitou. Aleluia!

3. Quinhentas testemunhas (v.6). Paulo afirma que caso os coríntios duvidassem de Pedro e dos outros apóstolos, eles poderiam apresentar um grupo maior, pois o Senhor Jesus foi visto, certa vez, por mais de quinhentos irmãos. É interessante ressaltar que o apóstolo escreveu a Primeira Epístola aos Coríntios cerca de 30 anos depois de o fato ter acontecido, afirmando que muitas dessas testemunhas ainda estavam vivas. Em outras palavras, estava colocando as provas à disposição de qualquer interessado.

4. Foi visto até pelos que não criam. Paulo menciona o fato de Tiago (irmão do Senhor, que durante a vida de Jesus na Terra não cria nEle) ter sido uma testemunha da ressurreição (Mc 6.3; Jo 7.5). Aparentemente, a ressurreição de Jesus o havia convencido da verdade a respeito de Cristo, pois ele estava entre o grupo que compareceu ao cenáculo depois da ascensão (At 1.13). Paulo, o maior perseguidor da fé cristã, também teve um encontro com o Cristo ressurreto. Ele mesmo conta como foi esse encontro (At 22.5-8). Jesus provou a Paulo que Ele estava vivo. Com isso, tornou-se Paulo o maior defensor dessa doutrina. Trata-se, pois, de um doutor da lei, líder da religião dos judeus e perseguidor dos cristãos que se converteu a Jesus.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

A ressurreição de Jesus é um fato incontestável (At 1.3).

 

IV. O SIGNIFICADO DA RESSURREIÇÃO DE JESUS

 

1. A ressurreição do corpo. Deus garantiu que o corpo do Senhor Jesus Cristo não veria a corrupção, não se deterioraria (Sl 16.10); essa profecia cumpriu-se em sua ressurreição (At 2.24-30). O corpo que foi crucificado, não pôde ficar na sepultura. Jesus apresentou-se aos seus discípulos, dizendo ser Ele mesmo, e não uma aparição fantasmagórica. Isso prova que a sua ressurreição não foi em espírito. Ele ressuscitou em carne e osso (Lc 24.39,40).

2. Seu significado. A ressurreição de Cristo não consistiu apenas no fato de Ele tornar a viver, pois, se assim fosse, não haveria diferença das ressurreições registradas no Antigo Testamento, nem Jesus poderia ser considerado “as primícias dos que dormem” (1 Co 15.20); nem o “primogênito dentre os mortos” (Cl 1.18). A ressurreição de Cristo significa a sua glorificação e exaltação (Jo 7.39; Rm 6.4; Fp 3.20,21); a vitória esmagadora sobre Satanás, o pecado, a morte e o inferno (1 Co 15.54-56; Ap 1.17,18). É a viga mestra e o pilar do cristianismo. Cristo foi o primeiro a ressuscitar dos mortos para jamais voltar a morrer (1 Co 15.20). Ele é o nosso precursor, a garantia de que, no final, ressuscitaremos para a vida eterna. Jesus determinou que sua morte e ressurreição fossem o centro da pregação do Evangelho (Lc 24.44-47).

 

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

 

A ressurreição de Cristo é a viga mestra e o pilar do cristianismo.

 

CONCLUSÃO

 

A morte expiatória de Jesus foi uma realidade divina; mostra que o homem pode encontrar o perdão dos seus pecados, e assim ter paz com Deus (Rm 4.25). A ressurreição de Jesus prova que a sua morte expiatória foi aceita pelo Pai. Ele ressuscitou e os que já dormem no Senhor, quando do arrebatamento da Igreja, também ressuscitarão para a vida eterna juntamente com Ele.

 

VOCABULÁRIO

 

Fantasmagórico: Imaginário, irreal, próprio de fantasma.
Nascedouro: Lugar onde se nasce.
Refutar: Dizer em contrário; desmentir; negar.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

HORTON, S. M. Teologia Sistemática: uma perspectiva pentecostal. RJ: CPAD, 1996.
MENZIES, W. W.; HORTON, S. M. Doutrinas bíblicas. RJ: CPAD, 1995.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Explique a razão pela qual Paulo ensina a doutrina da ressurreição aos coríntios.

R. Muitos na igreja de Corinto diziam não haver ressurreição. Negavam até a ressurreição do próprio Cristo.

 

2. Cite dois grupos no tempo de Paulo que negavam a ressurreição corporal.

R. Saduceus e gregos.

 

3. Qual o sentido da expressão “infalíveis provas”?

R. É uma referência às provas baseadas em fatos que, por si só, suscitam credibilidade.

 

4. Cite três provas da ressurreição corporal de Jesus.

R. Jesus se apresentou vivo a Pedro, depois aos demais apóstolos durante 40 dias, e foi visto por mais de 500 irmãos.

 

5. O que significa e garante a ressurreição de Jesus?

R. A ressurreição de Cristo significa a sua glorificação e exaltação; a vitória esmagadora sobre Satanás, o pecado, a morte e o inferno.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“A ressurreição

A ressurreição de Jesus como um evento real e histórico tem sido a pedra de esquina do cristianismo através dos séculos. O fato de que isso é crido por inúmeras pessoas por uma sucessão ininterrupta de gerações, tem dado pouca oportunidade para o surgimento de repentinos ‘mitos de Jesus’ ou lendas. Além disso, sempre podemos comparar a crença moderna com milhares de escritos antigos do Novo Testamento, e com escritos não-cristãos, para verificar a coerência de vários relatos e garantir a exatidão histórica na doutrina e nas crenças. Diferente de outras religiões, o cristianismo é baseado em fatos históricos. Ele não é uma filosofia ilusória. Se a ressurreição de Jesus nunca tivesse acontecido, não haveria absolutamente nenhuma base para a igreja cristã. Ela não existiria. Como vimos, há uma história contínua da igreja sem interrupção. Podemos voltar ao passado recorrendo aos documentos mais antigos da igreja (primeiros manuscritos do Novo Testamento) e encontrar o dogma essencial da igreja, que permanece o mesmo. Os muitos mártires da fé cristã morreram todos por essencialmente uma coisa - defender o fato histórico de que Jesus Cristo ressuscitou dos mortos. Os inimigos da igreja esperavam que a execução dos líderes da igreja fizesse a expansão do cristianismo cessar. Em vez disso, aumentou a determinação dos cristãos e fornece evidências pungentes da historicidade da ressurreição de Jesus às gerações posteriores”.

(MUNCASTER, R. O. Examine as evidências. RJ: CPAD, 2007, pp. 409-10.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

A Bíblia declara que seremos como Jesus quando o virmos por ocasião de sua vinda (I Jo 3.2). Nossos corpos serão gloriosos e dotados de esplendor e beleza; serão corpos poderosos e apropriados às regiões celestiais. Essa mudança será repentina e sobrenatural. Isto acontecerá ao soar da última trombeta. Então, encontrar-nos-emos com o Senhor nos ares; e, com Ele estaremos para sempre (1 Ts 4.17).

Não são poucos os que, amedrontados com as guerras e a poluição ambiental, dizem que já não nos resta qualquer esperança. Mas Deus não permitirá que as circunstâncias lhe prejudiquem os planos, nem que lhe frustrem os decretos. O certo é que Jesus voltará, e porá fim à corrupção, à miséria e às artimanhas. Ele instaurará o seu reino glorioso.

 

 

 

 

 

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

 

Lição 13: Jesus, o Rei dos reis e Senhor dos senhores

Data: 30 de Março de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

A qual, a seu tempo, mostrará o bem-aventurado e único poderoso Senhor, Rei dos reis e Senhor dos senhores” (1 Tm 6.15).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Jesus está acima de todos os reis e de todos os senhores da Terra, pois Ele é soberano e absoluto.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Gn 49.10

A realeza do Messias nas primeiras profecias da Bíblia

 

 

 

Terça - Jr 23.5,6

Os profetas vaticinam o reinado justo do Messias

 

 

 

Quarta - Zc 9.9

A profecia da vinda de um rei justo e salvador

 

 

 

Quinta - Lc 19.35-38

Jesus foi aclamado Rei pelo povo

 

 

 

Sexta - Jo 19.19-22

Jesus Nazareno, Rei dos Judeus

 

 

 

Sábado - Lc 1.31-33

O seu reino nunca terá fim

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Apocalipse 19.11-19.

 

11 - E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça.

12 - E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito que ninguém sabia, senão ele mesmo.

13 - E estava vestido de uma veste salpicada de sangue, e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.

14 - E seguiam-no os exércitos que há no céu em cavalos brancos e vestidos de linho fino, branco e puro.

15 - E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-poderoso.

16 - E na veste e na sua coxa tem escrito este nome: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES.

17 - E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde e ajuntai-vos à ceia do grande Deus,

18 - para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam, e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes.

19 - E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo e ao seu exército.

 

INTERAÇÃO

 

Caro professor, o texto-base desta lição narra o evento mais aguardado por todos os fiéis de todos os tempos. Trata-se da Segunda Vinda de Cristo à terra, como Rei dos reis e Senhor dos senhores. Ele virá do céu como o Messias vencedor para estabelecer a justiça e a verdade, julgar as nações e aniquilar o mal. Introduza a lição com essas preciosas verdades.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever o caráter do reino messiânico.
  • Estabelecer um paralelo entre os reinos desse mundo e o de Cristo.
  • Explicar porque Jesus é chamado de Rei dos reis e Senhor dos senhores.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Peça aos seus alunos para lerem os textos correspondentes às profecias escatológicas abaixo. A seguir, pergunte se elas já se cumpriram e, mediante a resposta negativa, também pergunte quando se cumprirão. Todos deverão concluir que essas profecias somente se cumprirão no futuro reinado literal de Cristo.

1. As profecias falam de um tempo em que Jesus governará a Terra (Lc 1.32,33; Zc 14.9; Ml 1.11; Dn 2.44,45; 7.12-14; Ez 34.24; Is 2.2,4,9; 1 Co 15.25).

2. As profecias falam de um tempo de glória e grandeza para Israel (Is 60 1,22; 62.4,8,12; At 1.7,15,16; Am 9.11-15).

3. As profecias falam de um tempo em que Jerusalém será a capital do mundo inteiro (Mq 4.2; Sf 3.13,20; Is 2.3,5; Is 60.1,3; 66.20; Zc 14.16).

4. As profecias falam de um reinado da Igreja junto com Jesus (Ap 1.6; 5.10; 11.15).

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Rei dos reis: Título messiânico que descreve o Senhor Jesus como Rei absoluto.

 

Ao longo desse trimestre, estudamos a identidade, os ensinamentos, as obras, os ofícios e vários outros aspectos da vida de Jesus. Nesta última lição, nosso estudo enfocará o Mestre nos derradeiros momentos da história da humanidade, quando Ele colocará seus inimigos debaixo de seus pés na Vitória Final como Rei dos reis e Senhor dos senhores.

 

I. OS DÉSPOTAS DESSE MUNDO

 

Todos os Impérios tiveram seu período de glória, mas entraram em declínio e acabaram por desaparecer do cenário mundial. Dentre eles podemos destacar o Egito, Assíria, Babilônia, Pérsia e Média, Macedônia e Roma (Ap 17.10). Em todos, havia reis constituídos sobre províncias de vastos territórios. Nabucodonosor foi chamado de “rei de reis” (Dn 2.37), pois dominava sobre muitos reinos. Assim também era chamado Alexandre, o Grande, e tantos outros que poderiam ser mencionados. Eles vieram e se foram, entretanto, o reinado de Cristo é o único que permanece para sempre (Dn 7.14): “E o seu Reino não terá fim” (Lc 1.33).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Os reinos desse mundo vieram e se foram, mas, o reinado de Cristo permanece para sempre.

 

II. CARÁTER DO REINO DO MESSIAS

 

1. “Fiel e Verdadeiro” (v.11). Jesus é chamado de Fiel e Verdadeiro, pois “julga e peleja com justiça” (v.11). É a hora de estabelecer a verdade e a justiça esperadas pelo povo de Deus desde a antiguidade. Assim, o Senhor cumprirá sua promessa do rei que reinará “e praticará o juízo e a justiça na terra” (Jr 23.5), e “julgará o mundo com retidão” (Sl 96.13). No v.13 Jesus é apresentado como a “Palavra de Deus”, o Logos Divino que estudamos na primeira lição (Jo 1.1,14).

2. Os diademas (v.12). Os “muitos diademas” são coroas reais que demonstram tratar-se de um rei ímpar em toda a história da humanidade. Pilatos escreveu um título, e o pôs em cima da cruz em três idiomas: hebraico, grego e latim, que dizia “Jesus Nazareno, rei dos Judeus” (Jo 19.2,19,20). Era um cenário armado pelas autoridades religiosas sob a autoridade de Roma, para um espetáculo de escárnio e zombaria. Foi sugerido ao governador, inclusive, mudar a frase: “Não escrevas, Rei dos judeus, mas que ele disse: Sou Rei dos judeus. Respondeu Pilatos: O que escrevi, escrevi” (Jo 19.21,22). Eles não sabiam que, mesmo com aquela zombaria, estavam anunciando uma verdade proclamada hoje em todos os quadrantes da Terra. Eles crucificaram não apenas o Rei dos judeus, mas o Rei dos reis e Senhor dos senhores.

3. A “veste salpicada de sangue” (v.13). As profecias messiânicas assinaladas no Antigo Testamento apontavam para a vinda de Jesus em duas etapas: a primeira para realizar a obra da redenção, e a segunda, para restaurar todas as coisas, e vencer os seus inimigos, razão pela qual as suas vestes foram vistas salpicadas de sangue. O Mestre preenchera, como ninguém, todos os requisitos de profeta, sacerdote e rei.

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

O Reino do Messias estabelecerá a verdade e a justiça esperadas pelo povo de Deus desde a Antiguidade.

 

III. A VITÓRIA FINAL

 

1. A redenção. Na primeira etapa de sua vinda, Jesus fora rejeitado por sua geração e padecera nas mãos dos pecadores, a fim de realizar a grande e sublime obra da redenção: “como raiz de uma terra seca; não tinha parecer nem formosura; e, olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos” (Is 53.2; Lc 24.46). Mas após ressuscitar, o Amado das nações anunciou com veemência: “É-me dado todo o poder no céu e na terra” (Mt 28.18).

Assim, Jesus cumpriu cabalmente sua missão: “Está consumado” (Jo 19.30). Hoje, seu poder é usado para a expansão do reino de Deus com a pregação do Evangelho, pois “convém que o céu o contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio” (At 3.21).

2. “Reis dos reis” (v.16). Jesus não é meramente “rei de reis”, mas o Rei dos reis. Isso significa que Ele é superior aos reis de reis; está sobre as hostes celestes: “acima de todo principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro” (Ef 1.21). Na segunda parte de sua vinda, Jesus virá em glória para restaurar o trono de Davi (Am 9.11) e estabelecer a paz universal (Is 2.4; 9.7; 11.10). Porém, esse domínio será exercido pela força, pois “convém que reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés” (1 Co 15.25). O texto da Leitura Bíblica em Classe descreve com clareza o cenário da Vitória Final de Nosso Senhor Jesus Cristo.

3. “Senhor dos senhores” (v.16). O poder de qualquer rei ou líder é sempre limitado. O poder de César, por exemplo, estava de certa forma sujeito ao senado. Era dessa instituição, que representava os cidadãos romanos, que procedia a força do imperador. Contudo, o senhorio de Cristo é ilimitado. Ele não é apenas o Rei dos reis, mas também o Senhor dos senhores! Seu poder vai além das instituições militares e políticas desse mundo. Está acima de todas as hostes celestes.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Na segunda parte da sua vinda, Cristo virá em glória para restaurar o trono de Davi e estabelecer a paz universal.

 

CONCLUSÃO

 

A presente lição revela o Senhor Jesus Cristo no epílogo da história da humanidade, vencendo a todos os inimigos e manifestando o seu poder e a sua glória como o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Diante dele todos os joelhos hão de dobrar-se, e toda a língua há de confessar que “Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Fp 2.9-11).

 

VOCABULÁRIO

 

Cabal: completo, pleno, inteiro.
Déspota: Senhor absoluto e arbitrário; tirano, opressor.
Epílogo: Conclusão, fim; final.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

SILVA, S. P. da. Apocalipse versículo por versículo. RJ: CPAD, 1997.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Cite três impérios antigos que desapareceram da história.

R. Egito, Assíria, Babilônia.

 

2. Qual reinado permanecerá para sempre?

R. O reinado de Cristo.

 

3. Descreva duas características do caráter do Messias.

R. Fiel e Verdadeiro; a Palavra de Deus.

 

4. Explique o significado dos diademas no v.12.

R. São coroas reais que demonstram tratar-se de um rei ímpar em toda a história da humanidade.

 

5. Explique a diferença entre “rei de reis” e “Rei dos reis”.

R. “Reis de reis” refere-se aos reis que possuíam autoridade sobre outros reinos; mas “Rei dos reis” que está acima e domina todos os reinos e reis.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Doutrinário

 

“Jesus, o Reis dos reis

‘...Rei dos reis, e Senhor dos senhores’. Apenas dois monarcas aqui na terra tiveram um título como este: Nabucodonosor e Artaxerxes (Ed 7.12).

Mas a profecia nos dá ali o desconto imediato: ‘...és rei (‘de’) reis’ (Dn 2.37a). O título, entretanto, ocorre de modo invertido referindo-se a Cristo, não como ‘rei de reis’ mas como ‘Rei dos reis’ (Ap 17.14).

O emblema expressivo tinha caracteres tanto na sua ‘veste’ com na sua ‘coxa’.

Entre os gregos era bastante natural um famoso guerreiro trazer sobre a sua coxa o título a que tinha direito [...]".

(SILVA, S. P. Apocalipse versículo por versículo. RJ: CPAD, 1997, p.248.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

“E no vestido e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis e Senhor dos senhores” (Ap 19.16).

Aquele que é a Palavra Viva, também é “Rei dos reis e Senhor dos senhores”. O nome está exposto à vista de todos. Ao apóstolo Paulo já havia sido revelado que este era o Senhor Jesus (I Tm 6.15). E o próprio João confirmou em Apocalipse 17.14 que Jesus, como “Senhor dos senhores e Rei dos reis”, venceria a todos os adversários.

Os crentes relembram com alegria o nascimento de Jesus numa estrebaria para identificar-se conosco em todas as coisas. Lembramos com louvor e gratidão ter Ele morrido por nossos pecados. Mas Deus o ressuscitou para a nossa justificação. Agora, Ele voltará em glória. Ele já é o Rei. Todo crente que o tem aceitado como Senhor, há de reinar com Ele.

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net