Translate this Page

Rating: 3.0/5 (902 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


o que é dispenssacionalismo?
o que é dispenssacionalismo?

 

                          O que é dispensacionalismo?.

 

Muitos evangélicos e liberais acreditam que o dispensacionalismo é ou heresia francamente ou próximo a ela. Na verdade, alguns anos atrás, enquanto pastor de uma igreja, uma senhora em minha congregação me perguntar: "Por que o dispensacionalismo ruim?" Eu perguntei o que provocou a sua pergunta. Ela tinha recentemente conversou com uma mulher que sabia que a nossa igreja era dispensacional. As mulheres falaram duramente contra o dispensacionalismo à minha reúnem e avisou-lhe que era antibíblico e nenhum cristão biblicamente responsável deve ser envolvido em tal heresia. Para muitos, o dispensacionalismo é um palavrão cristão! A senhora em minha igreja perguntar: "Qual é o dispensacionalismo?" Essa é uma boa pergunta. Espero que para respondê-la neste artigo.

Um conjunto de itens

Na verdade, o dispensacionalismo é um conjunto de itens unidas para formar um sistema de pensamento. Assim como termos como calvinismo, arminianismo, anglicanismo, catolicismo, ou o luteranismo são rótulos históricos que representam, não uma única ideia, mas um grupo de itens se uniram para formar um esquema multifacetado, assim é o dispensacionalismo. Dispensacionalismo é um termo que surgiu na história da igreja para rotular certos cristãos que acreditam que um grupo de certas coisas que são ensinadas na Bíblia.

Dispensationalists são aqueles que acreditam que as seguintes coisas:

A Bíblia é inspirada, inerrante (ou seja, sem erros) a revelação de Deus ao homem. Escritura fornece a estrutura através da qual a interpretar a história (passado e futuro). Palavra escrita de Deus nos fala de Seu plano para a sua criação e isso certamente virá para o passado.

Visto que a Bíblia é a Palavra literal de Deus de Seu plano para a história, deve ser interpretada literalmente e historicamente (passado e futuro).

Visto que a Bíblia revela o plano de Deus para a história, segue-se que há um fluxo e refluxo de Seu plano. Portanto, o plano de Deus inclui diferentes dispensações, idades ou épocas da história através do qual Suas criaturas (homem e anjos) são testados. Portanto, Deus está instruindo suas criaturas através do curso da história, como a Sua criação progride de um jardim de uma cidade.

Desde toda a humanidade caiu em pecado, cada pessoa deve receber individualmente oferta de salvação de Deus através da morte de Cristo por crer no evangelho. Assim, Jesus Cristo é o único caminho para um relacionamento com Deus.

Por causa da queda da humanidade em pecado, a Escritura ensina que toda a humanidade é naturalmente rebelde a Deus e as coisas de Deus. É por isso que somente os crentes genuínos em Cristo estão abertos para os ensinamentos da Bíblia. Assim, a salvação através de Cristo é um pré-requisito para compreender corretamente a Palavra de Deus.

O plano de Deus para a história inclui um propósito para os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó, isto é Israel. Este plano para Israel inclui promessas que terão a terra de Israel, terá uma semente, e será uma benção para as nações em todo o mundo. Muitas das promessas feitas a Israel nacional estão ainda no futuro, portanto, Deus não terminou com Israel.

O plano de Deus desde toda a eternidade também inclui um propósito para a igreja, no entanto, esta é uma fase temporária que vai acabar com o arrebatamento. Após o arrebatamento, Deus vai completar seu plano para Israel e aos gentios.

O principal objetivo no plano de Deus para a história é o de glorificar a Si mesmo por meio de Jesus Cristo. Portanto, Jesus Cristo é o objetivo e herói da história.

Em poucas palavras, os cristãos que acreditam como este são conhecidos por toda a cristandade como dispensacionalistas. Eu sou um dispensacionalista. Acreditamos que é o mesmo que dizer que eu acredito que o que a Bíblia ensina, literalmente. Milhões de cristãos em todo o mundo são dispensacionalistas. Na verdade, a palavra "dispensação" ocorre quatro vezes na versão King James da Bíblia (1 Coríntios 9:17, Efésios 1:10; 3.:. 2; Col. 1:25).

A Definição de Dispensationalism

Provavelmente, o principal porta-voz dispensacionalismo é professor aposentado Seminário Teológico de Dallas, Dr. Charles Ryrie. Muitos sabem Ryrie através de seus livros e artigos, mas ele é mais conhecido por seu popular Bíblia de Estudo Ryrie . O livro de Ryrie, Dispensationalism , [1] e alguns itens adicionais são o ponto de referência para procurar um entendimento do dispensacionalismo. Desde que o Dr. Ryrie é o especialista neste assunto, vamos deixá-lo falar como nós resumir seu material.

Ele observa que o Dicionário Oxford de Inglês define uma dispensação teológica como "uma etapa de uma revelação progressiva, expressamente adaptado às necessidades de uma nação ou de uma época particular... também, a idade ou o período durante o qual um sistema tem prevalecido." [2] O Inglês palavra "dispensação" traduz o substantivo grego oikonoma , muitas vezes traduzida por "administração" em traduções modernas. O verbo oikonom refere-se a um gerente de um agregado familiar. [3] "No Novo Testamento", observa Ryrie, " dispensação significa gerenciar ou administrar os assuntos de uma família, como, por exemplo, na história do Senhor do mordomo infiel em Lucas 16:. 1-13 " [4]

Use bíblica de Dispensação

A palavra grega oikonoma é um composto de Okos que significa "casa" e nmos que significa "lei". Tomados em conjunto "a idéia central na palavra dispensação é a de gerenciar ou administrar os negócios de uma família ". [5]

As várias formas da palavra dispensação aparece no Novo Testamento, vinte vezes. O verbo oikonom é usado uma vez em Lucas 16: 2, onde é traduzido "para ser um administrador." O substantivo oikonmos aparece dez vezes (Lucas 0:42, 16:. 1, 3, 8, Rm 16:23; 1 Cor 4. 1, 2; Gl 4. 2, Tito 1: 7; um Pet . 4:10), e é geralmente traduzida como "mordomo" ou "manager" (mas "tesoureiro" em Rom. 16:23). O substantivo oikonoma é usada nove vezes (Lucas 16: 2, 3, 4, 1 Coríntios 9:17, Efésios 1:10; 3.:. 2, 9; Col. 1:25; 1 Tm 1: 4. ). Nestes casos, é traduzida de várias formas ("mordomia", "dispensação", "administração", "trabalho", "comissão"). [6]

Características do Dispensationalism

Exame de oikonmos nos Evangelhos encontra Cristo usando a palavra em duas parábolas de Lucas (Lc 12:42, 16:. 1, 3, 8). Ryrie assinala que em Lucas 16 encontramos "algumas características importantes de uma administração, ou arranjo dispensational". [7] As características são:

(1) Basicamente, existem duas partes: a uma autoridade de quem é a delegar funções, e um cuja responsabilidade é realizar esses encargos. O homem rico (ou gerente) desempenham esses papéis na parábola de Lucas 16 (v. 1).

(2) Trata-se de responsabilidades específicas. Na parábola do mordomo falhou em seus deveres conhecidos quando ele perdeu os bens de seu senhor (v. 1).

(3) Prestação de Contas, bem como a responsabilidade, faz parte do acordo. Um comissário de bordo pode ser chamado a prestar contas para a quitação de sua administração, em qualquer momento, pois é do proprietário ou prerrogativa do mestre que esperar obediência fiel aos deveres confiados ao steward (v. 2).

(4) A mudança pode ser feita a qualquer momento, a infidelidade é encontrado na administração existente ("não pode mais ser meu mordomo."). [8]

Outras características pode ser adquirida nas outras ocorrências da "dispensação" grupo de palavras. Todos os outros usos, exceto 1 Pedro 4:10, são encontradas nos escritos de Paulo. Ryrie cita as seguintes características:

(1) Deus é o único a quem os homens são responsáveis ​​pelo cumprimento de suas obrigações administrativas. Em três casos, esta relação com Deus é mencionado por Paulo (I Coríntios 4: 1-2., Tito 1: 7).

(2) A fidelidade é exigido daqueles a quem a responsabilidade dispensational está comprometida (I Cor 4. 2). Isto é ilustrado pelo Erasto, que ocupou o cargo importante de tesoureiro (administrador) da cidade (Rom. 16:23).

(3) A administração pode acabar em um tempo determinado (Gl 4. 2). Nesta referência a extremidade do veio porque a administração de um propósito diferente a ser introduzido. Esta referência mostra também que a dispensa está ligada com o tempo.

(4) As dispensações estão conectados com os mistérios de Deus, isto é, com a revelação específica de Deus (I Coríntios 4:.. 1; Ef 3, 2; Col. 1:25).

(5) Dispensação e idade são idéias ligadas, mas as palavras não são exatamente intercambiáveis. Por exemplo, Paulo declara que a revelação da presente dispensação estava escondido "para as idades", que significa simplesmente um longo período de tempo (Ef 3. 9). A mesma coisa se diz em Colossenses 1:26. No entanto, desde a dispensa opera dentro de um período de tempo, os conceitos estão relacionados.

(6) Pelo menos três dispensas (como comumente entendido no ensino dispensacionalista) são mencionados por Paulo. Em Efésios 1:10 ele escreve sobre "uma administração [dispensação, KJV] adequado para a plenitude dos tempos", que é um período futuro. Em Efésios 3: 2, ele designa o "mordomia [dispensação, KJV] da graça de Deus", que foi o destaque do conteúdo de sua pregação na época. Em Colossenses 1: 25-26 fica implícito que outra dispensação precedeu a actual, em que o mistério de Cristo no crente é revelada. [9]

Deve notar-se que dispensationalists desenvolveram o termo teológicas "dispensa" de um modo semelhante ao do uso do termo bíblicos. Portanto, acreditamos que o sistema de teologia que hoje conhecemos como o dispensacionalismo é consistente com o ensino bíblico.

Definições

Com base nas observações bíblicas acima, estamos agora em condições de definir dispensacionalismo. Segundo Ryrie, " a dispensa é uma economia distinguíveis na realização do propósito de Deus. " Além de uma definição de uma dispensação, Ryrie observa que, se "alguém estivesse descrevendo uma dispensação, ele iria incluir outras coisas, como as ideias de revelação distinta, teste, fracasso e juízo ". [10] Finalmente, observa preocupante uma dispensação que,

As características distintivas são introduzidos por Deus; as características semelhantes são mantidos por Deus; eo propósito combinado global de todo o programa é a glória de Deus. Eric Sauer afirma que desta forma:

um novo período começa sempre quando apenas a partir do lado de Deus a alteração é introduzida na composição de princípios válidos até que o tempo; isto é, quando do lado de Deus três coisas coincidem:

1 A continuação de certas ordenanças válidas até então;

2 A anulação de outras regulamentações até então válidas;

3 A introdução de novos princípios fresco antes não válido. [11]

Em sua obra clássica, Dispensationalism , Ryrie formula a seguinte definição ampla do dispensacionalismo:

Dispensationalism vê o mundo como uma casa dirigida por Deus. Neste mundo doméstico Deus é dispensar ou administrar seus assuntos de acordo com sua própria vontade e em vários estágios de revelação no decorrer do tempo. Estes vários estágios marcar os distinguishably diferentes economias na realização do Seu propósito total e essas diferentes economias constituem as dispensas. A compreensão das economias diferentes de Deus é essencial para uma correcta interpretação de Sua revelação dentro dessas várias economias. [12]

Outro estudioso dispensational, Paul Nevin, resumiu o dispensacionalismo da seguinte forma:

Método distinto de Deus de governar a humanidade ou um grupo de homens durante um período da história humana, marcada por um importante evento, teste, fracasso e julgamento. Do ponto de vista divino, é uma economia, ou administração. Do ponto de vista humano, é uma mordomia, uma regra de vida, ou a responsabilidade pela gestão dos assuntos de Deus em sua casa. Do ponto de vista histórico, é uma etapa no progresso da revelação. [13]

Dispensacionalista, Renald Showers, enfatizando a visão dispensacionalista da história, dá a seguinte definição:

Teologia Dispensational pode ser definido de maneira muito simples, como um sistema de teologia que tenta desenvolver a filosofia bíblica da história com base do governo soberano de Deus. Ele representa a totalidade da Bíblia e da história como sendo coberto por várias dispensas do governo de Deus.

. . . o termo dispensação que se refere à Teologia Dispensational poderia ser definido como uma forma particular de Deus de administrar seu domínio sobre o mundo como Ele progressivamente funciona Seu propósito para a história do mundo . [14]

Fundamentos de Dispensationalism

Quem é um dispensacionalista? Essentials são necessários para a apreciação de uma teologia. Quais são os elementos essenciais que caracterizam um dispensacionalista? Ryrie afirmou que ele chama de três elementos essenciais ou sine qua non (do latim, "que sem a qual") do dispensacionalismo.

A essência do dispensacionalismo, então, é a distinção entre Israel ea igreja. Este nasce de emprego consistente da dispensacionalista de interpretação normal ou comum ou histórico-gramatical, e reflete uma compreensão do propósito básico de Deus em todo o Seu trato com a humanidade como a de glorificar a Si mesmo através de propósitos de salvação e outros também. [15 ]

Os três elementos essenciais não são uma definição ou descrição do dispensacionalismo, em vez disso, são testes teológicos básicos que podem ser aplicados a uma pessoa para ver se ele é ou não um dispensacionalista.

Primeiro Essencial: Interpretação Literal

Primeiro essencial do dispensacionalismo de Ryrie não é apenas a interpretação literal, mas mais plenamente, um consistente hermenêutica literal. "A palavra literal talvez não seja tão bom quanto qualquer palavra normal, ou simples ", explica Ryrie," mas em qualquer caso, é interpretação que não espiritualizar ou alegorizar interpretação como nondispensational faz ". [16] A interpretação literal é fundamental para a abordagem dispensacional às Escrituras. A interpretação literal é fundamental para a abordagem dispensacional às Escrituras. Earl Radmacher foi tão longe a ponto de dizer que a interpretação literal "é o 'bottom-line' do dispensacionalismo". [17]

O dicionário define literal como "pertencente às letras." Ele também diz que a interpretação literal envolve uma abordagem "baseada nas palavras reais em seu sentido comum,... Não vai além dos fatos". [1] "A interpretação literal da Bíblia significa simplesmente para explicar o sentido original da Bíblia de acordo com os usos normal e habitual de sua linguagem ". [2] Como isso é feito? Ela só pode ser realizado através do gramatical (de acordo com as regras da gramática), histórico (de acordo com o contexto histórico da passagem), contextual (de acordo com o seu contexto) método de interpretação. Literalism olha para o texto, as palavras reais e frases de uma passagem. Interpretação não literal importa uma idéia não encontrado especificamente no texto de uma passagem. Até certo ponto, todos os intérpretes da Bíblia interpretar literalmente. No entanto, os dispensacionalistas consistentemente lidar com o texto literal do Gênesis ao Apocalipse.

A interpretação literal reconhece que uma palavra ou frase pode ser usado claramente (denotativo) ou sentido figurado (conotativo). Em discurso moderno, como na Bíblia, falamos plainly- "avó morreu" (denotativo), ou mais colorida, "Avó chutou o balde" (conotativo). Um ponto importante a destacar é que, embora possamos usar uma figura de linguagem para se referir à morte, estamos usando esse número em referência a um evento que aconteceu literalmente. Ryrie diz:

Símbolos, figuras de linguagem e tipos são todos interpretados claramente neste método e eles não são de forma contrária à interpretação literal. Afinal, a própria existência de qualquer significado para uma figura de linguagem depende da realidade do significado literal dos termos envolvidos. Figuras muitas vezes cometem o mais claro o significado, mas é o significado literal, normal, ou simplesmente que eles transmitem ao leitor. [3]

Alguns estão enganados ao pensar que só porque uma figura de linguagem é utilizada para descrever um acontecimento (isto é, a experiência de Jonas no ventre do grande peixe em Jonas 2), que o evento não era literal. Tal não é o caso. A "Regra de Ouro de Interpretação" foi desenvolvido para ajudar a discernir se uma figura de linguagem se destina.

Quando o sentido claro das Escrituras faz sentido comum, não procure outro sentido; portanto, tome cada palavra em seu sentido primário, normal, usual, literal, a menos que os fatos do contexto imediato, estudados à luz de passagens relacionadas e verdades axiomáticas e fundamentais, indicam claramente o contrário. [4]

EE Johnson (Seminário Teológico de Dallas) observa que grande parte da confusão sobre o literalismo é removido quando a compreensão das duas maneiras de ser utilizado: "(1) a noção clara, simples de uma palavra ou frase que mais contra um uso figurado, e (2) um sistema que vê o texto como fornecendo a base da verdadeira interpretação ". [5] Assim, dispensacionalistas, em geral, use "literal" para se referir ao seu sistema de interpretação (o uso consistente do sistema gramatical-histórico), e uma vez dentro desse sistema, literal refere-se ao facto de uma palavra ou frase específica é usada em seu contexto figurativa ou literalmente.

Segundo uso de Johnson literal (ie, literalismo sistemático) é simplesmente o sistema histórico-gramatical usada de forma consistente. O sistema gramatical-histórico foi revivido pelos reformadores e estava preparada contra o significado espiritual (espiritualizado) ou mais profunda do texto comum na Idade Média. O significado literal era usado simplesmente como um trampolim para um ("espiritual") significado mais profundo, o que foi visto como mais desejável. A interpretação espiritualizada clássico veria os quatro rios do Genesis 2 a Pishon, Havilá, Tigre e Eufrates, como representando o corpo, alma, espírito e mente. Vindo de um tal sistema, os reformadores viram a necessidade de voltar para o sentido literal ou textual da Bíblia.

O sistema de interpretação literal é a abordagem histórico-gramatical ou textual à hermenêutica. Uso de literalismo, nesse sentido, poderia ser chamado de "macroliteralism." Dentro macroliteralism, o uso consistente do sistema histórico-gramatical leva à conclusão interpretativa, por exemplo, que Israel sempre e só se refere a Israel nacional. A igreja não será substituído para Israel se o sistema histórico-gramatical é constantemente utilizado, porque não existem indicadores textuais que esse é o caso. É preciso importar uma ideia de fora do texto, dizendo que a passagem realmente significa algo que não diz. Esta abordagem de substituição é uma forma leve de interpretação espiritual ou alegórico. Então, quando se fala dos que substituir Israel com a igreja como não tomar a Bíblia literalmente e espiritualizar o texto, é verdade, uma vez que tal crença é contrária a uma interpretação macroliteral.

Consistentemente intérpretes literais, no âmbito do sistema histórico-gramatical, que discutir se deve ou não uma palavra, frase ou o gênero literário de um livro bíblico é uma figura de linguagem (conotativo) ou é para ser tomado literalmente / claramente (denotativo) . Este é o primeiro uso de Johnson de literal, que poderia ser chamado de "microliteralism."

Dentro microliteralism, pode haver discussão literalists quanto à existência ou não de uma determinada palavra ou frase está sendo usada de forma literal ou figurado dentro de uma determinada passagem. Algumas passagens são naturalmente mais claro do que os outros e um consenso entre os intérpretes se desenvolve, enquanto outras passagens podem encontrar intérpretes literais divididos quanto a se é ou não deve ser tomada como uma figura de linguagem. Isto é mais um problema de aplicação do método de.

Reconstructionist, Ken Gentry, em seu ataque ao literalismo, argumenta que " consistente literalismo é razoável ". [6] Ele tenta provar seu ponto, argumentando que, uma vez que os dispensacionalistas tomar algumas palavras e frases como figuras de linguagem, eles não são consistentemente literal . [7] Ele diz: "a alegação dispensational para ' consistente literalismo "é frustrante devido a sua no emprego consistente ". [8] Gentry procura desacreditar a hermenêutica dispensacionalista, citando exemplos de dispensacionalistas que interpretam certas passagens como contendo figuras de linguagem , citando isso como incompatível com o sistema de interpretação literal. De acordo com Gentry, o dispensacionalista tem de abandonar a interpretação literal quando ele percebe que Jesus se refere a si mesmo no sentido figurado como uma porta em João 10: 9. [9] Gentry não está definindo a interpretação literal da maneira dispensationalists fazer. Por isso, suas conclusões sobre a interpretação literal é equivocada, porque ele geralmente se mistura os dois sentidos observado por Johnson. Quando se fala do macroliteral, ele usa um exemplo do microliteralism, e vice-versa, portanto, parecendo ter mostrado uma incoerência na interpretação literal. Na realidade, seus exemplos cair no âmbito de como dispensacionalistas definiram o que entendem por interpretação literal.

Este é o primeiro essencial do dispensacionalismo. A maneira de abordar a Escritura que permite a Escritura, através do progresso da revelação de interpretar a si mesmo. Ele não se aproxima da Bíblia através de algum esquema interpretativo fantástico, composto por simbolismo complexo que reduz as Escrituras para um livro de código místico que requer um manual de decodificação especial, a fim de descobrir isso. A segunda essencial, flui a partir do primeiro. É uma distinção entre Israel ea Igreja.

Segundo Essencial: distinção entre Israel ea Igreja

" A dispensationalist mantém Israel ea igreja distinta ", declara Ryrie. Ele também observa que qualquer pessoa "que não consegue distinguir Israel ea igreja sempre, inevitavelmente, não vai segurar a distinções dispensacionalistas, e aquele que faz, vai." [18] O que significa manter Israel ea igreja distinta? Dispensationalists acreditam que a Bíblia ensina que o único programa de Deus para a história inclui um plano distinto para Israel e um plano diferente para a Igreja. O plano de Deus para a história tem duas pessoas: Israel ea Igreja. John Walvoord diz que "dispensações são regras de vida. Eles não são caminhos de salvação. Há apenas um caminho para a salvação e que é pela graça mediante a fé em Jesus Cristo". [19] Lewis Sperry Chafer, fundador e primeiro presidente da Dallas Seminário descreveu a distinção da seguinte forma:

O dispensacionalista acredita que ao longo dos tempos Deus está buscando dois objetivos distintos: um relacionado com a terra, com as pessoas terrenas e objetivos terrenos envolvidos, que é o judaísmo; enquanto o outro é relacionado para o céu com as pessoas celestiais e objetivos celestiais envolvidos, o que é o cristianismo. . . . Contra isso, o dispensacionalista parcial, embora vagamente observar algumas distinções óbvias, baseia a sua interpretação sobre a suposição de que Deus está fazendo, mas uma coisa, ou seja, a separação geral do bom do mau, e, apesar de toda a confusão esta teoria limitada cria, sustenta que as pessoas terrenas fundem as pessoas celestiais; que o programa terrestre deve ser interpretado de forma espiritual ou ignorado completamente. [20]

Se as promessas não cumpridas dadas a Israel no Antigo Testamento literalmente se referir aos judeus, o que fazem, então é claro que muitos estão ainda por cumprir. Portanto, é claro que o plano de Deus para Israel, que está atualmente em dispersão (Dt 4: 27-28; 28.: 63-68, 30: 2-4), está em espera até que ele termine seu propósito atual com a igreja , que é tirar dos gentios um povo para o Seu nome (Atos 15:14), e arrebatamentos Sua Noiva para o céu. Após o arrebatamento, Deus então completar Sua negócios inacabados com Israel (Atos 15: 16-18) durante o período de sete anos da Tribulação. Assim, se um não faz distinção entre as passagens em que Deus fala para Israel daqueles destinados à igreja, então os resultados serão uma fusão indevido dos dois programas.

No Antigo Testamento, Deus fez certas promessas a Abraão quando Ele se comprometeu a fazê-lo o pai de um povo especial. Dispensationalists entender essas promessas, e outras promessas da aliança incondicional (ou seja, os subsídios do tratado) feitas por Deus a Israel como ainda no tato para Israel, mesmo que a igreja atualmente participações em algumas das bênçãos espirituais de Israel (15:27 Rom.). Em última análise, Deus não somente restaurar Israel para um lugar de bênção (Rom 11.), Mas também literalmente cumprir as promessas de terra e do reino feitas a Israel no Abraão (Gênesis 12: 1-3), Terra de Israel (Deut. 30: 1-10) e Davi (2 Sam 7:. 12-16) Convênios. No tempo presente, Deus tem outro plano para a igreja, que é distinto do Seu plano para Israel (Ef. 2-3). Dispensationalists não acreditam que a igreja é o novo Israel ou substituiu Israel como o herdeiro das promessas do Antigo Testamento. Ao contrário de alguns que dizem que a igreja substituiu Israel, o Novo Testamento em nenhum lugar chama a igreja de Israel. Dispensacionalista Arnold Fruchtenbaum diz:

A conclusão é que a igreja nunca é chamado de "Israel espiritual" ou um "novo Israel". O termo Israel é usada tanto da nação ou o povo como um todo, ou do remanescente crente dentro. Nunca é usada da igreja em geral ou de gentios crentes em particular. Na verdade, mesmo depois de a Cruz continua a haver uma distinção tríplice. Em primeiro lugar, há uma distinção entre Israel e os gentios como em 1 Coríntios 10:32 e Efésios 2: 11-12. Em segundo lugar, há uma distinção entre Israel ea Igreja em 1 Coríntios 10:32. Em terceiro lugar, há uma distinção entre os crentes judeus (o Israel de Deus) e os crentes gentios em Romanos 9:. 6 e Gálatas 6:16) [21]

Fruchtenbaum dá seis razões pelas quais o Novo Testamento mantém Israel ea igreja distinta. Eles são:

(1) a Igreja nasceu em Pentecostes, enquanto Israel já existe há muitos séculos. . . .

(2) certos eventos no ministério do Messias foram essenciais para o estabelecimento da igreja-a Igreja não veio à existência até que certos eventos ocorreram. . . .

(3) o personagem mistério da Igreja. . . .

(4) a igreja é distinta de Israel é a única relação entre os judeus e os gentios, chamado um novo homem em Efésios 2:15. . .

(5) a distinção entre Israel ea igreja é encontrada em Gálatas 6:16 [ie, "o Israel de Deus"]. . .

(6) No livro de Atos, tanto Israel como a Igreja existem simultaneamente. O termo Israel é usado vinte vezes e ekklesia (igreja), dezenove vezes, no entanto, os dois grupos são mantidos sempre distinta. [22]

Terceiro Essencial: Glória de Deus é o propósito da História

A terceira essencial do dispensacionalismo também gira em torno de outra distinção importante. Chuveiros diz, este "fator indispensável é o reconhecimento de que o objetivo final da história é a glória de Deus através da demonstração de que somente Ele é o Deus soberano". [23] Ryrie explica:

nós reconhecemos que o princípio unificador da Bíblia é a glória de Deus e que isso é trabalhado de diversas maneiras, o programa de resgate, o programa para Israel, o castigo dos maus, o plano para os anjos, ea glória do Deus revelado através da natureza. Vemos todos estes programas como um meio de glorificar a Deus, e rejeitamos a acusação de que, distinguindo-los (especialmente o programa de Deus para Israel a partir de seu propósito para a igreja), temos bifurcado propósito de Deus. [24]

Este essencial é o mais incompreendido e muitas vezes pensado para ser o menos essencial. Quando corretamente entendido, eu acredito que este é um essencial válido. Dispensationalists não estamos dizendo que nondispensationalists não acredita na glória de Deus. Estamos fazendo o ponto que o entendimento dispensacionalista do plano de Deus significa que Ele é glorificado na história por mais áreas ou facetas, do que aqueles que vêem a salvação da humanidade (provavelmente o aspecto mais importante do plano de Deus) como a única área exibindo a glória de Deus .

A filosofia bíblica da História

Chuva observa que a visão dispensacionalista da Bíblia fornece um crente com uma filosofia bíblica da história. [25] Isto é importante para um cristão, porque quando entendemos o propósito de Deus para cada época da história, somos capazes de desenvolver uma visão de mundo para viver segundo a vontade de Deus para cada dispensação. Um crente que tem uma perspectiva divina sobre o passado, presente e futuro é capaz de saber o que Deus espera dele em cada área da vida em nossos dias atuais.

Na era da Igreja, o Novo Testamento nos instrui em ambas as esferas públicas e privadas da vida. O dispensacionalista, por exemplo, não vive na era da graça, como se ele ainda estava sob o domínio da Lei Mosaica. Em vez disso, entendemos que estamos agora sob as centenas de comandos que o Novo Testamento chama a lei de Cristo (1 Cor 9:21; Gl 6.. 2). Obrigações dispensacionalistas atuais são combinados com responsabilidades de épocas anteriores, que continuam em nossos dias, para fornecer um crente do Novo Testamento com um quadro bíblico completo para a compreensão de como agradar a Deus em todas as áreas de nossas vidas atuais.

Conclusão

Acreditamos que o dispensacionalismo é um sistema de teologia que tenha sido devidamente desenvolvido a partir da própria Bíblia. Dispensacionalismo é essencial para compreender corretamente a Bíblia, especialmente profecia bíblica. Ninguém será capaz de manejar bem a Palavra de Deus sem compreender estas grandes verdades. Em vez de ser um obstáculo para a correta compreensão da Palavra de Deus, como é regularmente reivindicada pelos adversários, o dispensacionalismo é um rótulo humano para a abordagem correta e compreensão das Escrituras. Nós declarar culpado de acusação do crítico que dizem que somos dispensacionalistas. Nós só queremos que eles devidamente vir a compreender o que é que nós acreditamos e muito deturpando dispensacionalismo como muitas vezes ocorre.

Neste trabalho nós fornecemos definições, descrições e essencial em um esforço para responder à pergunta: "Qual é o dispensacionalismo" Dr. Ryrie conclui:

Se um faz interpretar a Bíblia desta maneira, isso significa que ele corta algumas de suas partes? De modo nenhum. Na verdade, a Bíblia ganha vida como nunca antes. Não há necessidade de se esquivar o significado claro de uma passagem ou reinterpretar ou espiritualizar-lo, a fim de resolver os conflitos com outras passagens. Comandos e os padrões de Deus para mim hoje tornam-se ainda mais distinto, e Seu programa com o seu esplendor desdobramento cai em um padrão harmonioso. A história do dispensacionalismo está repleto de homens e mulheres que amam a Palavra de Deus e promover o seu estudo, e que têm um fardo para espalhar o evangelho a todo o mundo. [26]

FONTE WWW.ESTUDARESCATOLOGIABIBLICA.BLOGSPOT.COM