Translate this Page

Rating: 3.0/5 (934 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Templo judaico de Jerusalém
Templo judaico de Jerusalém

 

                                     O Templo de Jerusalém ou Templo

Sagrado ( hebraico : בֵּית-הַמִּקְדָּשׁ , Moderno : Bet HaMikdash , Tiberian : aposta HamMiqdāš , Ashkenazi : Beis Hamicdash ; árabe : بيت القدس : Beit al-Quds ou بيت المقدس: Beit al-Maqdis  ; Ge 'ez: ቤተ መቅደስ: Beta Mäqdäs) foi um de uma série de estruturas que foram localizados no Monte do Templo na Cidade Velha de Jerusalém , o local atual do Domo da Rocha . Estes templos sucessivos estava neste local e funcionava como um local de culto israelita antiga e mais tarde judaica.

 

Etimologia

 

Esta seção não cita nenhuma fonte ou referência . Por favor, ajudem a melhorar esta seção adicionando citações de fontes confiáveis ​​. O material de Unsourced pode ser desafiado e removido . (Fevereiro de 2015)

O nome hebraico dada na Bíblia hebraica para o complexo de edifícios é ou Beit YHWH (Casa de Yahweh , ou Jeová ), Beit HaElohim "Casa de Deus", ou simplesmente Beiti "minha casa", Beitekhah "sua casa" etc. O termo Hekhal "hall" ou edifício principal é muitas vezes traduzida como "templo" em mais velhas Bíblias em inglês. Na literatura rabínica o templo é Beit HaMikdash , "O Santificado House", e só o Templo de Jerusalém é conhecido por este nome.

Primeiro ou Solomon Templo Ver artigo principal: Templo de Salomão

A Bíblia hebraica diz que o Primeiro Templo foi construído em 957 aC  pelo rei Salomão .  De acordo com o livro de Deuteronômio , como o único lugar do sacrifício israelita ( Deuteronômio 12: 2-27 ), o Templo substituiu o Tabernáculo construído no deserto de Sinai , sob os auspícios de Moisés , bem como santuários locais, e altares nas colinas.  Este templo foi saqueado algumas décadas mais tarde por Sheshonk eu , Faraó do Egito . ]

 

Embora os esforços foram feitos na reconstrução parcial, foi apenas em 835 aC, quando Jeoás, rei de Judá, no segundo ano de seu reinado investiu somas consideráveis ​​na reconstrução, apenas para tê-lo despojado novamente por Senaqueribe , rei da Assíria c. 700 aC. O Primeiro Templo foi totalmente destruído pelos babilônios em 586 aC, quando eles saquearam a cidade.

 

Segundo Templo

De acordo com o livro de Esdras , a construção do Segundo Templo foi autorizada por Ciro, o Grande e começou em 538 aC, após a queda do Império Babilônico no ano anterior. Foi concluída 23 anos depois, no terceiro dia de Adar, no sexto ano do reinado de Dario, o Grande (12 de Março 515 aC), [ 5 ] dedicada pelo governador judeu Zorobabel . Apesar do fato de que o novo templo não era tão extravagante ou impor como o seu antecessor, ainda dominado o horizonte de Jerusalém e manteve-se uma importante estrutura ao longo do tempo de suserania persa. O templo evitou ser destruída novamente em 332 aC, quando os judeus se recusaram a reconhecer a deificação de Alexandre, o Grande da Macedónia. Alexander foi alegadamente "virou a partir de sua raiva" no último minuto pela diplomacia astuto e bajulação. Depois da morte de Alexander em 13 de junho 323 aC, eo desmembramento de seu império, os Ptolomeus veio para governar a Judéia e do Templo. Sob os Ptolomeus, os judeus foram dadas muitas liberdades civis e viveu conteúdo sob seu domínio. No entanto, quando o exército de Ptolomeu foi derrotado em Panium por Antíoco III dos selêucidas em 198 aC, essa política mudou. Antíoco queria helenizar os judeus, a tentativa de introduzir o panteão grego para o templo. A rebelião se seguiu e foi brutalmente esmagada, mas nenhuma ação adicional por Antíoco foi tomada. Quando Antíoco morreu em 187 aC, Luristan , seu filho Seleuco IV Philopator o sucedeu. No entanto, suas políticas nunca teve efeito na Judéia, uma vez que ele foi assassinado no ano depois de sua ascensão.

 

Antíoco IV Epifânio sucedeu seu irmão mais velho para o trono selêucida e imediatamente adotou a política anterior de seu pai de helenização universal. Os judeus se rebelaram novamente e Antíoco, em um acesso de raiva, retaliou em vigor. Considerando-se os episódios anteriores de descontentamento, os judeus se tornou irritado quando as observâncias religiosas de sábado e circuncisão foram oficialmente banida. Quando Antíoco erigiu uma estátua de Zeus em seu templo e sacerdotes Hellenic começou sacrificar porcos (o sacrifício habitual oferecido aos deuses gregos na religião Helénica ) sua raiva começou a espiral. Quando um oficial grego ordenou um sacerdote judeu para realizar um sacrifício Helénica, o sacerdote ( Matatias ) matou. Em 167 aC, os judeus se levantaram em massa atrás de Matatias e seus cinco filhos para lutar e ganhar sua liberdade da autoridade selêucida. Filho Mattathias ' Judas Macabeu , agora chamado de "The Hammer", re-dedicou o templo em 165 aC e os judeus celebram este evento para este dia como uma parte importante do festival de Hanukkah .

O templo foi dedicado novamente sob Judas Macabeu em 164 aC.  Durante a era romana, Pompeu entrou (e, assim profanado) o Santo dos Santos , em 63 aC, mas deixou o templo intacto.  Em 54 aC, Crasso saqueado o tesouro do Templo,  só para ele morrer no ano seguinte na Batalha de Carras contra Partia . Quando a notícia desta alcançou os judeus, eles se revoltaram novamente, apenas para ser colocado para baixo em 43 aC.

Cerca de 20 aC, o edifício foi renovado e ampliado por Herodes, o Grande , e ficou conhecido como Templo de Herodes . Ele foi destruído pelos romanos em 70 dC, durante o cerco de Jerusalém . Durante a revolta de Bar Kokhba contra os romanos em 132-135 CE, Simão Bar Kokhba e rabino Akiva queria reconstruir o Templo, mas a revolta de bar Kokhba fracassou e os judeus foram proibidos em Jerusalém (exceto para Tisha B'Av ) pelo Império Romano . O imperador Juliano não teve o Templo reconstruído em 363 CE.

Depois da conquista muçulmana de Jerusalém, no século 7, Umayyad califa Abd al-Malik ibn Marwan ordenou a construção de um islâmico santuário, a Cúpula da Rocha , no site do Templo. O santuário ficou no monte desde 691 CE; o al-Aqsa Mosque , de aproximadamente o mesmo período, também está no pátio do Templo.

A história recente

O Monte do Templo, junto com toda a Cidade Velha de Jerusalém, foi capturado a partir da Jordânia por Israel em 1967 durante a Guerra dos Seis Dias , permitindo que os judeus mais uma vez para rezar no local sagrado. Jordan tinha ocupado de Jerusalém Oriental eo Monte do Templo imediatamente após a declaração de independência de Israel em 14 de maio de 1948. Israel oficialmente unificada Jerusalém Oriental , incluindo o Monte do Templo, com o resto de Jerusalém, em 1980, sob a Lei de Jerusalém , embora Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas 478 declarou a lei de Jerusalém para estar em violação do direito internacional.  O Waqf muçulmana, com base na Jordânia, tem o controle administrativo do Monte do Templo.

Localização

Existem três teorias a respeito de onde o templo estava; onde o Domo da Rocha está agora localizado, a norte do Domo da Rocha (Professor Asher Kaufman ) e ao leste do Domo da Rocha (Professor Joseph Patrich da Universidade Hebraica ). [ 12 ] Outras teorias têm o Templo ou para o norte ou para o sul [ 13 ] do Monte do Templo.

Layout físico

Os restos das escadas do século 1 de Ascent, descoberto pelo arqueólogo Benjamin Mazar , para a entrada do Templo pátio. Os peregrinos que vêm a fazer sacrifícios no Templo teria entrado e saído por esta escada.

De acordo com o Talmud , o templo tinha uma HaNashim Ezrat ( Tribunal das Mulheres ) para a área leste e principal para o oeste. [ 14 ] A área principal continha a área de abate para os sacrifícios eo Altar Outer sobre quais partes da maioria das ofertas eram queimadas . Um edifício continha o ulam (antecâmara), o Hekhal (o "santuário", o prédio principal), eo Santo dos Santos . O santuário eo Santo dos Santos foram separados por uma parede no Primeiro Templo e por duas cortinas do Segundo Templo. O santuário continha a sete ramificada candelabro , a mesa de pães da proposição e do altar do incenso.

O pátio principal tinha treze portões. No lado sul, começando com o canto sudoeste, havia quatro portas;

Shaar Ha'Elyon (porta superior)

Shaar HaDelek (a Kindling Gate), onde a madeira foi trazida

Shaar HaBechorot (o Portão de primogénitos), onde as pessoas com ofertas primogênitos dos animais entrou.

Shaar hamayim (o Portão das Águas), onde a água entrou em Libation Sukkot .

No lado norte, começando com o canto noroeste, havia quatro portas;

Shaar Yechonyah (O Portão de Jeconias), onde os reis da linhagem de Davi entrar e Jeconias deixou pela última vez ao cativeiro

Shaar HaKorban (O portão da Oferta ), onde sacerdotes entrou com kodshei Ḳodashim ofertas

Shaar HaNashim (Os Feminina Gate), onde as mulheres entraram na Azara ou pátio principal para realizar oferendas

Shaar Hashir (The Gate of Song), onde os levitas entraram com seus instrumentos musicais

No lado leste foi Shaar Nikanor , entre Pátio das Mulheres e da principal Temple Courtyard, que tinha duas portas menores, um à sua direita e um à sua esquerda. Na parede ocidental, que era relativamente sem importância, havia duas portas que não têm qualquer nome.

Serviços do Templo

Modelo de Segundo Templo feita por Michael Osnis de Kedumim.

Artigos principais: Korban e Ketoret

O templo era o lugar onde as ofertas descritas no curso da Bíblia Hebraica foram realizadas, incluindo a manhã e à tarde ofertas diárias e ofertas especiais no sábado e feriados judaicos . levitas recitou salmos em momentos apropriados durante as ofertas, incluindo o Salmo do Dia , salmos especiais para o novo mês , e outras ocasiões, o Hallel durante grandes feriados judaicos, e salmos para sacrifícios especiais, tais como o "Salmo da Oferta de Ação de Graças" ( Salmo 100).

Como parte da oferta diária, um serviço de oração foi realizada no Templo, que foi utilizado como base do tradicional judaica serviço (manhã) recitou a este dia, incluindo orações bem conhecidas, tais como o Shema , ea Bênção sacerdotal . O Mishna descreve-o como segue:

O superintendente disse-lhes: abençoar uma bênção! e eles abençoado, e ler os Dez Mandamentos , e da Sema , "E ela deve vir a passar, se você vai ouvir", e "E [Deus] falou ...". Eles pronunciado três bênçãos com as pessoas presentes: "A verdadeira e firme", eo "Avodah" "Aceite, Senhor, nosso Deus, ao serviço do seu povo Israel, e as ofertas queimadas de Israel e de sua oração receber com simpatia Bem-aventurado. Aquele que recebe o serviço do seu povo Israel com favor "(semelhante ao que é hoje a bênção 17 do Amidah ), ea Bênção sacerdotal , e no sábado eles recitou uma bênção; "Aquele que faz com que o seu nome a maio habitam nesta Casa, causar habitar entre você ama e fraternidade, paz e amizade "em nome da Guarda Priestly semanal que partiu.

No Talmud

O Talmud (Yoma 9b) fornece razões teológicas tradicionais para a destruição: Por que foi o primeiro templo destruído? Porque os três pecados capitais eram galopante na sociedade: a adoração de ídolos, libertinagem, e assassinato ... E por que então foi o segundo Temple - em que a sociedade estava envolvida em Torah, mandamentos e os atos de bondade - destruído? Porque o ódio gratuito  era galopante na sociedade. Isto ensina que o ódio gratuito é igual em termos de gravidade para os três pecados capitais.

Papel dos serviços judaicos contemporâneos

Parte da tradicional judaica manhã serviço, a parte em torno do Shema oração, é essencialmente inalterada desde o culto de adoração diária realizada no Templo. Além disso, o Amidah oração tradicionalmente substitui diária do Templo tamid e especial-ocasião Mussaf ofertas (adicionais) (existem versões separadas para os diferentes tipos de sacrifícios ). Eles são recitadas durante os tempos suas ofertas correspondentes foram realizadas no Templo.

O templo é mencionada extensivamente em ortodoxos serviços . judaísmo conservador mantém menciona do Templo e sua restauração, mas remove as referências aos sacrifícios . As referências a sacrifícios sobre férias são feitas no passado, e petições para sua restauração são removidos. Menções em Ortodoxa serviços judaicos incluem:

A recitação diária de passagens bíblicas e talmúdicas relacionados com os korbanot (sacrifícios) realizada no Templo (Veja korbanot em siddur ) .

As remissões para a restauração do Templo e cultos sacrificiais no cotidiano Amidah oração, a oração central no Judaísmo.

Um apelo pessoal tradicional para a restauração do templo no final da recitação privada do Amidah.

Uma oração para a restauração da "casa de nossas vidas" e as shekhinah (presença divina) "habitar no meio de nós" é recitado durante a oração Amidah.

Recitação do salmo do dia; o salmo cantado pelos levitas no Templo para esse dia durante o serviço diário de manhã.

Numerosos salmos cantados como parte do serviço ordinário fazem referências extensas para o culto Temple e Temple.

Recitação dos especiais feriado judaico orações para a restauração do Templo e sua oferta, durante os Mussaf serviços em feriados judaicos.

Uma extensa recitação do serviço do Templo especial para Yom Kippur durante o serviço para esse feriado.

Serviços especiais para Sukkot (hakafot) contêm referências extensivas (mas geralmente obscuras) para o serviço do Templo especial realizada no mesmo dia.

A destruição do Templo é lamentada no dia de jejum judaico de Tishá Be Av . Três outros jejuns menores (Décimo de Tevet , dia 17 de Tamuz , e Terceiro de Tishrei ), também choram eventos levando a ou após a destruição do Templo. Há também práticas de luto que são observados em todos os momentos, por exemplo, a obrigação de deixar parte da casa sem reboco.

Em outras religiões

Cristianismo

O templo é mencionada muitas vezes no Novo Testamento . Nessas escrituras, Jesus reza lá ( Marcos 11: 12-19 ) e afugenta cambistas e outros comerciantes do pátio, virando suas mesas e acusando-os de profanar um local sagrado com formas seculares. De acordo com os do Novo Testamento Evangelhos , foi ao Tribunal templo que Jesus foi levado como uma criança, a ser apresentado no Templo (Lucas 2:22) e para participar de festivais (Lucas 02:41). Jerusalém historiador Dan Mazar relatado na Jerusalém cristã comentário sobre as numerosas descobertas arqueológicas feitas neste local por seu avô, o professor Benjamin Mazar , que incluiu os primeiro século escadas de subida, onde Jesus e seus discípulos pregavam, bem como o "Mikvaot "(ou baptismals) usado por ambos peregrinos cristãos e judeus . Os acontecimentos de Pentecostes , que são registradas no Livro de Atos , também ocorreu neste local. Na área em que Jesus purifica o templo dos moneychangers, perseguindo diferentes operadores comerciais de pombas necessário para os rituais de sacrifício de distância dos recintos sagrados ( Marcos 11 ), os resultados notáveis ​​foram descobertos pela Mazar mais velho, como um navio do século 1- com a palavra hebraica " Korban ", que significa sacrifício (s). Acreditava-se por Benjamin Mazar que dentro deste navio, comerciantes teria armazenado os sacrifícios vendidos no Tribunal do Templo.

Jesus prediz a destruição do Segundo Templo ( Mateus 24: 2 ) e alegoricamente compara seu corpo a um templo que será demolido e ressuscitou em três dias. Esta ideia, do Templo como o corpo de Cristo , tornou-se um tema rico e multi-camadas no pensamento cristão medieval (onde Temple / corpo pode ser o corpo celeste de Cristo, o eclesial corpo da Igreja, eo corpo eucarístico na altar).

Islam

O Monte do Templo carrega significado no Islã como ele agiu como um santuário para muitos profetas hebreus. A tradição islâmica diz que um templo foi construído no Monte do Templo por Jacob e renovado por Salomão , filho de David . Além disso, considera-se ser o local de Muhammad 's Night Journey e sua ascensão para o céu ( Isra e Mi'raj ), um dos eventos mais significativos narrados no Alcorão .

De acordo com o estudioso muçulmano Seyyed Hossein Nasr , professor de Estudos Islâmicos na Universidade George Washington, Jerusalém tem o significado como um local sagrado para os muçulmanos, principalmente de três formas.  Em primeiro lugar, enquanto em Meca, Maomé usou o Templo de Jerusalém como sua primeira qiblah (direção da oração); em seguida, depois de Muhammad emigraram de Meca para Medina, Allah permitiu que seu profeta para virar para Meca em oração 16 meses depois de sua chegada (Sura 2: 144, 149-150). Em segundo lugar, enquanto Muhammad ainda estava vivendo em Meca, ele relata que ele tomou uma viagem noturna a Bait-ul-Maqdis (ou seja, Templo de Jerusalém), que é considerado como um evento muito auspicioso no Islã conhecida como Isra . O terceiro fator, diz Nasr, é a crença muçulmana na Segunda Vinda de Cristo a Bait-ul-Maqdis (ou seja, Templo de Jerusalém).

Imam Abdul Hadi Palazzi , líder da Assembléia Muçulmana Italiana, cita o Alcorão para suportar conexão especial do Judaísmo para o Monte do Templo. De acordo com Palazzi, "As fontes islâmicas mais autoritário afirmar os Templos". Ele acrescenta que Jerusalém é sagrada para os muçulmanos por causa de sua santidade antes de judeus e sua posição como o lar dos profetas bíblicos e reis Davi e Salomão, os quais, segundo ele, são figuras sagradas do Islã. Ele afirma que o Alcorão "reconhece expressamente que Jerusalém desempenha o mesmo papel para os judeus que tem Meca para os muçulmanos".

 

Em seu livro de 2007, The Fight for Jerusalém: Radical Islam, o Ocidente, eo Futuro da Cidade Santa , Dore ouro chama afirmações de que o Templo de Jerusalém nunca existiram ou não foi localizado no Monte " Temple Denial ". David Hazony tem descreveu o fenômeno como "uma campanha de apagamento intelectual [por líderes palestinos, escritores e estudiosos] ... destinado a minar o direito judeu a qualquer parte da terra" e comparou o fenômeno a negação do Holocausto .

Evidências arqueológicas

Esta seção não cita nenhuma fonte ou referência . Por favor, ajudem a melhorar esta seção adicionando citações de fontes confiáveis ​​. O material de Unsourced pode ser desafiado e removido . (Fevereiro de 2015)

O toque de trombeta Local inscrição , uma pedra (2,43 × 1 m) com hebraico escrito "Para o toque de trombeta Place" descoberto durante escavações arqueológicas por Benjamin Mazar no pé do sul do Monte do Templo é acreditado para ser uma parte do complexo do Segundo Templo .Escavações arqueológicas descobriram dezenas de imersão ou batismais piscinas rituais que datam do primeiro século nesta área em torno do Monte do Templo .

Construção de um terceiro templo

Desde a destruição do Segundo Templo, uma oração para a construção de um terceiro templo tem sido um formal e, por algumas autoridades [ carece de fontes? ] , parte opcional das três vezes por dia oração judaica serviços. No entanto, a questão de saber se e quando a construção do Terceiro Templo é disputada tanto dentro da comunidade judaica e sem; grupos dentro do judaísmo argumentar a favor e contra a construção de um novo templo, enquanto a expansão da religião abraâmica desde o século 1 dC tornou a questão controversa dentro cristã e islâmica pensei assim. Além disso, o complicado status político de Jerusalém torna difícil reconstrução, enquanto Al-Aqsa eo Domo da Rocha foram construídos no local físico tradicional do Templo. Quando o califa omíada Abdel-Malik ibn Marwan construiu o Domo da Rocha, alguns relatórios indicam que os judeus estavam cheios de euforia. Alguns até acreditam que este santuário islâmico foi o terceiro templo. Durante um século, os judeus tinham pleno acesso a este santo dos sites.

Em 363 dC, o imperador romano Juliano ordenou Alípio de Antioquia para reconstruir o Templo, como parte de sua campanha para reforçar as religiões não-cristãs.  A tentativa falhou, talvez devido a sabotagem, um incêndio acidental, ou um terremoto na Galiléia .

Fonte wikipedia