Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


LACTANCIO (os pais da igreja primitiva)
LACTANCIO (os pais da igreja primitiva)

                                                                                  LACTANCIO

               Lactantius, Lucius Coelius (ou Cecilius) Firmianus 

Um dos pais latinos, chamados por Jerome (Catai. c. 80) o homem mais erudito de seu tempo, e, por conta da cultura multa e retórica que seus escritos evidenciam, não raro chamado o Cícero cristão (ou, como Jerome tem isso ", Fluvius eloquentime Tullianse"), antigamente era suposto ter sido por nascimento um Africano, mas agora é geralmente acredita-se ter sido de nascimento italiana, natural de Firmum (Fermo), no Adriático, na Itália. Ele nasceu provavelmente perto do meio do século 3d; seus pais, de acordo com seu próprio relato, eram pagãos, e ele só se tornou um cristão em uma idade um pouco madura (comp De Ira Dei, c 2; Instit Div. 7:.. 2.), certamente antes da perseguição de Diocleciano. Lactantius prosseguiu os seus estudos de retórica na escola do célebre orador e defensor Arnóbio de Sicca, em proconsular África, e é assim, com toda a probabilidade, que surgiu a noção de que Lactantius era de origem Africano.

 Embora ainda jovem Lactantius ganhou celebridade com a publicação de uma obra poética chamada Symposion, uma coleção de cem enigmas em hexâmetros para mesa de diversões. Mas foi a sua eloquência que lhe assegurou realmente grande renome, e ele foi ouvido por Diocleciano, e por ele chamado para Nicomédia como professor de eloquência Latina. Esta cidade foi, no entanto, habitada e visitada principalmente por gregos e Lactantius encontrado, mas alguns alunos para instruir. Isso deu-lhe a abundância de lazer, e ele acolheu-a como uma oportunidade para dedicar-se em grande parte à autoria. Assim, ele continuou em Nicomédia 10 anos, enquanto os cristãos não foram apenas perseguidos pelos imperadores a ferro e fogo, mas também atacou os filósofos pagãos com as armas da ciência, sagacidade e ridículo. Contra tantos ultrajes Lactantius se sentiram impelidos a fazer a defesa da religião odiado e desprezado, eo mais como ele pensou que tinha observado que eles passaram, pelo menos em parte, da ignorância e equívocos grosseiros. 

Foi durante essa defesa do Cristianismo, com toda a probabilidade, que ele se tornou-se um convertido à verdadeira fé, e, portanto, podem ser responsáveis ​​por que Constantino chamou-o para sua corte na Gália como preceptor (após 312 diz Dr. Schaff, Ch . Hist. 3: 956) de seu filho Crispus, a quem Constantino depois (326) causou a ser condenado à morte. Eusébio diz-nos que, mesmo nesta posição exaltada ficou tão pobre como muitas vezes a desejar para as necessidades da vida. Ele deve ter sido muito velho, quando ele chegou na Gália, pois ele é, então, já falado como um homem de cabelos grisalhos, e mentira é suposto ter morrido na residência imperial em Treves pouco depois de sua pupila Crispus, cerca de 330. tem sido muitas vezes uma questão de grande perplexidade a antiquários para explicar o fato de que Lactantius escapou sem ferimentos pessoais durante a perseguição de Diocleciano.

 Alguns pensam, e isso parece ser razoável, que Lactantius escapou sofrendo por sua fé, porque ele foi considerado geralmente como um filósofo, e não como um escritor cristão; e, de fato, a julgar por seu De Opificio Dei, ele parece ter sido mais atraídos pelos aspectos morais e filosóficos do cristianismo do que o sobrenatural eo dogmático. Na verdade, em todas as obras teológicas de Lactantius é manifestar a influência de seus estudos iniciais de todas as obras-primas da retórica e filosofia antiga, e ele pode ser definido como um aluno cristão de Cícero e de Sêneca. (Comp., Sobre a inclinação dos professores cristãos no Império Romano para denominar-se "filósofos", Brit. Quart. Rev. de julho de 1871, p. 9, Colossenses 1) Jerome diz mesmo dele (Epist 83. , ad Paulinuns [alias 84 ad Magnum]) ", escreveu Lactantius sete livros contra os gentios, e dois volumes sobre o trabalho, a ira de Deus. Se você quiser ler esses tratados, você vai encontrar nelas um compêndio de diálogos de Cícero . "Ele tinha entrado mais profundamente moral cristã do que em metafísica cristã, e suas obras oferecem nenhuma dessas exposições aprendidas e profunda dos dogmas que encontramos em Clemente de Alexandria ou Orígenes. 

Lactâncio, no entanto, tem sido chamado, como já deu a entender, o Cícero cristão, por causa de sua semelhança com este celebrado escritor clássico na elegância e acabamento de seu estilo, mas ainda mais por conta de ter feito a si mesmo o defensor e propagador de a grande verdade moral do cristianismo, ao mesmo tempo evitando cuidadosamente toda a especulação dogmática; assim também fez Cícero defender todas as grandes verdades práticas das melhores sistemas filosóficos da Antiguidade, mas definir pequena loja por qualquer era puramente metafísico. 

Na aprendizagem e cultura Lactantius destacou todos os homens de seu tempo; nas palavras de Jerome, que estava "omnium tempore suo. eruditissimus." Seus escritos revelam uma inconsciência nobre que se esquece de que se esforça para atingir o seu objetivo sublime. A modéstia de suas reivindicações e de sua estimativa de si mesmo é exibido e incorporados nos fatos de sua vida. Embora na corte do maior príncipe na terra, e por sua posição convidados a luxuosa indulgência, ele voluntariamente preferiu uma pobreza que não só excluídos supérfluo, mas também muitas vezes dispensado as necessidades da vida. Alguns têm representado que ele empurrou suas austeridades até ao extremo não autorizado. "Eu vou pensar que tenho vivido suficientemente", escreve ele, "e que tenho cumprido suficientemente o escritório de um homem, se o meu trabalho devem ter libertado qualquer de seus erros, e dirigiu-los no caminho para o céu." 

Lactantius era um leigo e um retórico, e vet ele mostra em seus escritos, em geral, e não foram poucos, tal profundidade e extensão do conhecimento teológico como dificilmente poderia ter sido o esperado. É surpreendente com que a penetração e precisão ele lida com muitos assuntos complicados. O calor do sentimento, a riqueza de pensamento, e clareza de apreensão estão impressionados sobre todas as suas produções literárias. Suas expressões são sempre lúcida, atencioso e bem arranjado. Em nenhum lugar o leitor sentir um tom desagradável de pedantismo ou afetação; em todos os lugares que ele é atraído pelo cunho de uma verdadeira aprendizagem e eloqüência. Em harmonia e pureza de estilo, em beleza e elegância de expressão, ele supera todos os pais da antiguidade cristã, se excetuarmos Ambrose em algumas de suas cartas, e Sulpício Severo. Sua reputação nesse aspecto era tão célebre nas primeiras vezes que os homens gostavam de chamá-lo de Cícero cristã. Tanto para a forma e dicção.

 O caso é bem diferente, com a exposição das doutrinas peculiares do cristianismo em detalhe. No meio de desenvolvimentos filosóficos admiráveis​​, como acontece com outros escritores desta classe, nos deparamos com muitos erros, muitas visões errôneas e meias-verdades, para que Gelásio classificadas seus escritos com os apócrifos. Se a sentença acima expressa é, portanto, em alguma medida, modificado, ainda é o seu mérito não muito diminuída. Ou seja, há, no fundo, quase inteiramente tais anomalias como ele conheceu nos escritores mais velhos antes dele, e que a Igreja ainda não tinha claramente excluído por uma definição mais precisa das doutrinas em questão. O que nos parece mais desagradável é que perdemos o estabelecimento do cristianismo por prova de seus próprios dogmas, que ele próprio havia prometido dar; nos solidarizamos com Jerome no desejo ", Utinam tam nostra confirmare potuisset, quam facile aliena distinxit." 

Dr. Schaff dá o seguinte resumo das opiniões doutrinárias de Lactantius (Igreja Hist. 3: 957): "Seus erros e erros na exposição de pontos de doutrina cristã não constituem heresias, mas são principalmente devido ao petróleo e instável estado da doutrina da Igreja na época. na doutrina do pecado, Ele faz fronteira sobre o maniqueísmo. na antropologia e soteriologia ele segue o sinergismo que, até Agostinho, era quase universal. na doutrina da Trindade era, como a maioria do ante -. Nicéia, um subordinationist Ele ensinou um duplex Nativitas de Cristo, um na criação, e uma na encarnação Cristo saiu da parte de Deus na criação como uma palavra da boca, ainda hypostatically ".. 

Funciona. - Nós vamos brevemente observar suas obras em ordem: 1 Divinarum Institutionurn, libri VII (Institutos Divinos, sete livros), um pedido de desculpas abrangente para a religião cristã, que, por conta do estilo elegante em que está escrito, tem sido favorito leitura, e é dito ter aparecido em mais de uma centena de edições. Seu motivo para escrever este trabalho que, assim, atribui a si mesmo: Desde que os homens, por sua própria culpa desnorteado, não pode mais encontrar o caminho de volta para a verdade, seu objetivo é indicá-lo para eles, e, ao mesmo tempo, para confirmar em que aqueles que já o alcançaram.

 Ele se sente o mais impelidos a isso porque seus antecessores neste campo-e nomes especialmente Tertuliano e Cipriano - não tinha, mal sua opinião, satisfez as necessidades de cada caso em todos os lados, e tinha realizado sua tarefa nem com a aprendizagem necessária e rigor, nem com o adorno apropriado da arte e da profundidade científica. Para esta circunstância infeliz ele atribui-se que a religião cristã foi realizada em tal desprezo, e com as classes educadas era tão bom quanto totalmente desconhecido. Quando, com todo o poder da linguagem e do gênio que ele eminentemente possuía, Lactantius promete fazer a defesa da fé, a precedência a este respeito deve por todos os meios ser concedido a ele; na beleza da forma e esplendor de dicção, ele supera todos; Jerome mas justamente se recusa a admitir o mesmo em relação ao peso do conteúdo e a solidez das provas. 

O trabalho é dedicado a Constantino, o Grande, se a passagem não é uma interpolação, a quem ele exalta com a maior reverência e elogios como o primeiro príncipe Christian, eo restaurador da justiça. Consequentemente, ele foi escrito no momento em que ele, de idade avançada, já estava no tribunal; mas a Igreja ainda estava suspirando sob uma severa perseguição, evidentemente que de Licínio, uma vez que o autor se refere ao de Diocleciano como tendo muito tempo já morreu. Isso nos leva ao ano de 320, embora ele tivesse, como em outros lugares aparece a partir de suas próprias palavras, formou o propósito eo plano em um período muito mais cedo. Alguns supõem que o trabalho foi iniciado na Bitínia e completou doente Gália após um lapso de 20 anos. Outros, de uma alusão que ele contém a Diocleciano persecution- "Spectatae sunt enim spectanturque adhuc per orbem penme cultorum Dei", etc (v, 17, § 5), suponho que ter sido escrito antes Lactantius foi para a Gália. 

Os sete livros em que este trabalho está dividido formulário sete tratados separados. O primeiro livro se inscreve De fallsa religione. Ele intencionalmente deixa intocado o principal questão no que diz respeito à existência de uma suprema Providence, e leva sua saída da proposição de que há um só Deus, e que, de acordo com a nossa idéia de sua essência, de sua relação com o mundo sob seu comando, e de que, para ele, não pode haver senão um só. Ele passa então para confirmar este dogma pela autoridade dos profetas (das quais, no entanto, ele faz mais uso em seu programa do que em seu desempenho, e que, na verdade, teria sido apenas uma petição de princípio), pelas declarações do poetas, os filósofos e as sibilas-tudo de quem consentimento em uma única e mesma verdade; e isso, pelo menos, é bom como ANL argumentum ad honminem,, embora ele pareça alegam como tendo uma força superior e adequada da prova. A última parte do livro consiste na exposição ridícula e confutation sarcástico do sistema mitológico dos orixás em geral e em detalhe, como foi reconhecido pelos seus defensores. 

O segundo livro, De orgiine erroris, demonstra o absurdo bloco com o qual a humanidade, enquanto que toda a natureza leva-los para o conhecimento do único Deus, e uma lei da necessidade ensina a cada um instintivamente a procurá-lo, no entanto, são tão cegos quanto a vaguear longe à adoração de ídolos. Ele refuta os motivos espúrios pelos quais particularmente a classe educada entre as nações procuravam desculpar ou justificar a idolatria, e mostra como toda essa religião pagã, mais de perto considerado, é apenas um reflexo de sua completamente materializado e secularizado hábito de espírito. Mas desde que o pagão usado principalmente para apelar para a antiguidade do seu culto e venerável tradição, o autor encontra-lhes desta maneira: Em matéria de religião cada um tem que ver por si mesmo; erro, embora nunca tão cheia de anos, tem, por sua idade avançada, adquiriu o direito, e deve dar lugar à verdade, tão logo ela estabelece contra suas pretensões primitivas e imprescritíveis. Ele prossegue, com a constante referência às opiniões divergentes dos filósofos, a desenvolver a partir das Sagradas Escrituras a história da criação e da origem da idolatria.

 Segundo ele, este se originou em seu primeiro germe de Ham, que estava sob a maldição de seu pai. Entre os seus descendentes a perda do conhecimento do verdadeiro Deus em primeiro lugar prevaleceu; este passou para Sabaism ou Parseeism (adoração dos corpos celestes); espalhar-se dessa forma pela primeira vez no Egito, e de lá entre os povos vizinhos. Na sua maior progresso incluiu a deificação dos homens, um culto externamente pomposo, e, finalmente, desenvolveu-se em idolatria adequada, o que, valorizado e promovido pela influência de daemons, e reforçada por meio de outras artes, por oráculos, magia, etc , levedada toda a vida das nações pagãs. A verdade dessa ligação íntima do reino daemon com o culto pagão politeísta, e com os fenômenos inerentes às mesmas, está visivelmente diante de nós, diz Lactâncio, no poder cristã de exorcismo; e witth esta conclui. 

O terceiro livro, De falsa sapientia, expõe a filosofia pagã como inoperante e falsa. A etimologia da palavra filosofia indica, diz ele, e não a posse de sabedoria, mas a correr atrás dele; e em seu resultado final deixa-nos nada, mas meras opiniões, sobre cuja fundamentação ou improcedência ele pode nos dar nenhum critério de confiança, e, conseqüentemente, nenhuma certeza. O resultado de toda a filosofia, portanto, quando postos em relação ao nosso maior objetivo, é insatisfatório e inútil. 

O nosso coração tem sede de felicidade, e esta ansioso, fervoroso impulso nenhuma sabedoria humana pode saciar. A razão pela qual ele não pode é esta: porque, arrancado de sua união com a religião, a condição fundamental da felicidade, deve, necessariamente, tornar-se externo, unilateral e abstrato. Ele finalmente aponta em detalhe este resultado de toda a filosofia da história das diferentes escolas, nenhuma delas encontrou a verdade, ou poderia encontrá-lo, porque o seu princípio formal já tinha perdido o caminho para o objetivo desejado. Por isso, e essa é a conclusão natural - ainda sua sede de conhecimento, o homem não deve se entregar a isso, mas a própria revelação de Deus. 

O quarto livro, De vera sapientia, se propõe a preparar o caminho para este objetivo. Começando com o princípio já enunciado, mas aqui estabelecidos mais em detalhes, que a sabedoria (genuína) e religião são, em última análise, um, eles podem, só na nossa concepção, se realizará em pedaços tão distintos, elementos abstratos, mas em realidade e na vida nunca deveriam ser separados. A filosofia pagã e da religião, em que essa antítese natural e separação ocorreu, foram, portanto, por essa simples razão, falsa. A verdadeira unidade dos dois é encontrado apenas no cristianismo. 

A fim de apresentar este princípio como um fato, ele revê a história de nossa religião. Depois de ter brevemente, mas por mais que ele considera necessárias para o seu propósito, de que falou pelos profetas, ele passa a desenvolver a doutrina, a seu modo, da pessoa de Jesus Cristo, desde o primeiro, o nascimento eterno do Logos do pai, e do segundo, sua encarnação no tempo; ele estabelece a verdade deles, juntamente com sua divindade e seu ofício messiânico, de sua vida, seus milagres, e os profetas, com referência quase sempre apenas para os judeus; mas, finalmente, ele mostra aos pagãos como a própria idéia da verdadeira sabedoria ética em algum tipo inclui em si mesmo a encarnação do legislador, que até um exemplo perfeito pode ser dada a possibilidade de guardar a lei. As necessidades do homem exigidos isso para uma mediação entre Deus e manl; ea vida humilde de Cristo, seus sofrimentos, e até a sua morte na cruz, estão em perfeita harmonia com o seu design. 

O quinto livro, De justitia, desdobra primeira motivos e objeto do autor. Então, entrando em cima do próprio sujeito, ele ensina como, antigamente, nos tempos chamados pelos pagãos Idade de Ouro, o único Deus foi honrado, e com o seu culto justiça furo balanço; e como, na seqüência, em conexão com o politeísmo, todos os tipos de vício veio trooping, mas com Cristo uma espécie de idade de ouro mais uma vez apareceu através da propagação da justiça. Ele mostra ainda como isso está perto de tudo, e que só através wilfuhiess ele pode deixar de ser conhecida; e como os pagãos, em aberta contradição com a idéia de religião, a razão, e todo sentimento de direito, odeio os cristãos, e perseguirem e atormentá-los até a morte. Foram os tolos cristãos, devemos poupá-los; se sábio, imitá-los. Que eles são o último é claro pelo seu comportamento virtuoso e sua constância inabalável. É verdade que a sabedoria e justiça de Deus se rebaixar a vestir-se com a aparência de loucura, em parte, que, assim, a sabedoria do mundo pode ser convencido de sua nulidade, e, em parte, que o justo pode ser ajudado a frente no caminho estreito para a sua recompensa.

 Os pretextos oferecidos pelos pagãos na justificação de seu tratamento dos cristãos, como que eles procuravam trazê-los para uma mente sóbria, etc, eram, ele mantém, completamente vazio, porque, em primeiro lugar, este tratamento era em si inadequados, e, no que diz respeito aos cristãos, que sabiam muito bem como defender a sua causa com toda sobriedade, era de desprezo e destrutiva de seu próprio objeto; mas, em segundo lugar, estes pretextos foram contraditas e falsificados pela prática contrária de tolerância para com os outros e extremamente desprezível e sem sentido religiões dos romanos. Pelo contrário, foi bem claro que nada, mas um ódio feroz contra a verdade impelidos a essas ações sangrentas de violência e crueldade. 

O sexto livro, De cultu vero, trata do lado prático da verdadeira religião. Um culto meramente exterior, como a das nações, é absolutamente inútil, e só isso é verdade em que a alma humana se oferece a Deus. Como todos os filósofos concordam em dizer que há dois caminhos para o homem, um de virtude, o outro de vício; o ex estreito e penoso, levando a imortalidade; últimos fácil e agradável, levando à destruição: os cristãos chamam-lhes o caminho para o céu e para o inferno, e ansiosamente preferir a primeira, que no último eles podem atingir o gozo do bem-aventurança em que ela termina. Os filósofos não conseguiu encontrar o caminho da virtude, porque no início eles haviam formado a si mesmos uma idéia completamente diferente do bem e do mal, e, portanto, sempre buscou-lo onde ele nunca é encontrado - na terra e não no céu.

 Os cristãos, que andam à luz da revelação, tem o punho da verdade, a lei eterna, imutável de Deus, adaptado à natureza do homem. que se desdobra nossos deveres, tanto para com Deus (pietatis officia) e para o homem (humanitatis officia). Lactantius então começa a tratar das virtudes que são abraçados no princípio fundamental de uma verdadeira humanidade, piedade, generosidade, o cuidado com a viúva, o órfão, os doentes, os mortos, etc .; finalmente, de auto-governo e da moderação dos desejos e apetites, particularmente de castidade no casamento e fora dele; e, por último, de penitência ou penitência (poenitentia), eo verdadeiro serviço de Deus. O primeiro que ele trata como uma satisfação, e no último, ele não sobe acima da posição meramente ética, metafísica, embora, através de toda a sua exposição, ele faz referências, por contraste, as opiniões divergentes dos filósofos. 

O sétimo e último livro, De vita beata, tem como tema o fim principal do homem. Ele dá-nos brevemente sua própria concepção da grande final de nossa existência, assim: "O mundo foi feito para que pudéssemos nascer; nascemos para que pudéssemos conhecer o Criador do mundo e de nós mesmos, sabemos o que podemos honrá-lo, nós honrá-lo para que possamos alcançar a imortalidade como a recompensa do nosso esforço, porque a honra de Deus exige o maior esforço, somos recompensados ​​com a imortalidade, que nós, como os anjos, pode sempre servir ao Pai supremo e Senhor, e podem formar a Deus um sempre durante reino:. que é a soma ea substância de todas as coisas, o segredo de Deus, o mistério do mundo "Após isso segue a prova da imortalidade da alma, perseguido através de dez argumentos distintos, com a refutação das acusações.

 Ele então começa com uma tentativa de mostrar em que condições a imortalidade natural da alma torna-se ao mesmo tempo uma bendita imortalidade. Com isso, ele se conecta seus pontos de vista em relação ao tempo e os sinais do fim do mundo atual para o último julgamento, para o reino milenar, para a ressurreição geral ea transformação deste mundo. Sobre as delícias superabundar e glórias do milênio, ele amplia com satisfação especial e eloqüência abundante. Em conclusão, ele felicita a Igreja sobre a paz que Constantino deu a ela, e exorta todos a abandonar a adoração de ídolos e de fazer uma homenagem ao único Deus verdadeiro. 

2. um epítome dos Institutos, dedicado a Pentadius, é anexada ao trabalho maior, e é atribuída a Lactantius por Jerome, que descreve como sendo mesmo em sua ἀκέφαλος tempo. Todas as edições anteriores deste resumo começam no décimo-sexto capítulo do quinto livro do original. Mas, no século 18 um MS. contendo quase todo o trabalho foi descoberto na biblioteca real em Turim, e foi publicado por C. NM. Pfaff, reitor da Universidade de Tiibingen (Paris, 1712). Walchius e outros têm duvidado da autenticidade deste Epitomse, mas a afirmação de Jerome, parece-nos conclusiva. 

3. De Ira Dei (On a ira de Deus). Tem sido muitas vezes. observar como a filosofia grega, e, seguindo o seu exemplo, a gnose herética, não conseguia conciliar a justiça ea bondade. Isso também tinha atingido Lactantius, e despertou nele o pensamento de provar neste tratado que o repúdio da justiça mal e primitivo são atributos do Ser divino necessárias e fundamentais. No julgamento de Jerome, este trabalho é composto com igual aprendizagem e eloqüência. Sua data é, provavelmente, um pouco mais tarde do que a dos Institutos. 

 

O sistema tanto dos epicuristas e dos estóicos excluída toda a reação de Deus contra os ímpios. O primeiro, a fim de não perturbar o repouso indolente de Deus; este último, a fim de não transferir para a idéia de características humanas Deus, não saberia nada de qualquer manifestação vital ou essencial da Divindade no curso do mundo ou para a humanidade. Lactantius mostrou como, ao contrário, na idéia digna de essência e operação de Deus, a concepção de providência pode não estar querendo; e como, por outro lado, complacência para com o bem tem como contrapartida natural, o ódio de seu oposto, o mal. 

Além disso, a religião é, incontestavelmente, fundada na natureza do homem; mas, se partirmos do princípio de que Deus não está zangado com os ímpios, ou não vingar as transgressões de seus comandos, da religião são retirados, por conseqüência, sua motivação racional e todos os seus fundamentos. Se há uma distinção moral entre as ações, é impossível que Deus deve ser afetado da mesma maneira para um como para o outro, e isso sem que seja necessário, em consequência, para atribuir a Deus da mesma forma paixões ou afetos, que consistem em uma fraqueza, como, por exemplo, medo. Quando Epicuro objetos que Deus poderia punir se punir deve-sem qualquer emoção dentro de si, Lactantius responde: o ponto de vista do mosto mal de si mesmo provocar a vontade de qualquer ser que é bom para um contador de emoção, e não pode ser indiferente à legislador como seus preceitos devem ser observados. A desproporção das fortunas externas do bem e do mal na vida presente não prova nada em contrário, quando consideramos a atitude correta e essência da virtude, etc A todo ele confirma as declarações dos profetas, e especialmente das sibilas.

fonte Cyclopedia of Biblical, Theological e Literatura Eclesiástica 1870