Translate this Page

Rating: 3.0/5 (915 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


historia da igreja na AUSTRIA
historia da igreja na AUSTRIA

                                           HISTORIA DA IGREJA NA AUSTRIA 

 

Quando pensamos sobre a Áustria, temos que lembrar que a nossa terra não era sempre tão pequeno como é hoje. Ao longo dos séculos, as fronteiras mudaram. Ao mesmo tempo, eles abrangeu toda a Hungria, a parte norte da Itália, bem como partes da República Checa, Eslováquia e da antiga Iugoslávia.

escritura de doação do imperador Otto III

A primeira vez "Ostarrîchi" é mencionado em registros históricos foi Em 996 AD Encontramos este estava em uma escritura de doação do imperador Otto III da Bistum de Freising, onde ele deu-lhe 30 Königshufen "em regione vulgari vocábulo Ostarrîchi dicitur" ("um espaço que é chamado Ostarrîchi na língua vulgar") . Não se sabe onde o nome ou descendentes de quem primeiro a usou.

 

Escritura de doação de Amperor Otto III 

996 AD foi um ano em que a dinastia Babenberger já reinou por 20 anos neste domínio do "Sacro Império Romano". O Babenberger foram substituídos pelos Habsburgos em 1273 e seu reinado só terminou após a I Guerra Mundial, em 1918 Infelizmente, os Habsburgos foram usados ​​para destruir a maioria dos grupos cristãos na Áustria e matar seus sucessores. 

Quando olhamos para trás, temos que perceber que as pessoas foram ensinadas e cresceu com a Igreja Católica Romana ser a religião dominante. Imperador Flavius​​Valerius Constantinus I Maximus (o grande) reinou 307-337 dC e fez a Igreja Católica a religião oficial do Império Romano, que incluiu sul da Alemanha e moderna Áustria. Os Hunnens, bem como as tribos germânicas, como o Lugier, Ostogoten eo Bajuwaren (Bayern), invadiram a terra na 5 ª e 6 séculos e lutou contra os romanos. A maioria dos habitantes do sul da Alemanha e Áustria, hoje são os descendentes dessas tribos. No entanto, houve alguns verdadeiros cristãos que se levantaram contra a Igreja Católica, o seu falso ensino e desvios da Bíblia. 

12 a 15 Séculos

Este foi o tempo da Kathars e valdenses . Este último foi fundado por Pierre Valdo (1140-1217 dC), um homem de Lyon que se converteu ao cristianismo verdadeiro em 1176 AD e que teve o seu ensino directa e exclusivamente a partir da Bíblia. Pequenos grupos foram estabelecidos em toda a região dos Alpes, mas durante a época da Inquisição e da guerra dos Albigenses (1209-1229 dC), o Kathars juntamente com os valdenses foram perseguidos e forçados a afastar-se dos países de língua alemã. Um evento histórico conhecido que ocorreu na Baixa Áustria durante este tempo foi o "julgamento Sangue de Steyr" 1397, onde cerca de cem valdenses foram queimados vivos na fogueira. 

16 a 18 séculos

Em 1525 dC, os irmãos, igrejas ou anabatistas , foram estabelecidas em todo o país. Muitos de seus líderes, como Konrad Grebel, Felix Mantz, Jörg Blaurock e Baltasar Hubmaier, bem como seus sucessores, tiveram suas vidas acabaram na fogueira por causa da perseguição da Igreja Católica. 

As igrejas anabatistas aderido ao ensinamento da Bíblia e ensinou as pessoas dos caminhos de Deus. Anabatistas batizados adultos debaixo de água e tomou a comunhão como uma lembrança do sacrifício do Senhor. Eles eram estritamente contra os falsos ensinos da Igreja Católica, como a aspersão de água sobre a cabeça de um bebê como um método de batismo. Eles também pregou contra a doutrina da 'transubstanciação' (a afirmação de que há uma transformação física do pão da comunhão e do vinho no corpo e sangue de Jesus, milagrosamente realizada pelo padre na missa católica). 

O Hutterites

J. Hutter - placa comemorativa

Placa comemorativa na parede no Golden Roof

Em 1529 AD um chapeleiro pelo comércio chamado Jakob Hutter (nascido em Moos, no Vale do Puster, meia milha de Bruneck) juntou-se um dos grupos anabatistas no Tirol e logo foi escolhido como ministro e dedicou-se ao serviço do Evangelho. Jacob Hutter, foram a base para a maneira Hutterian da vida, onde os membros viviam juntos em 'Brüderhöfe' (fazendas Irmãos) e compartilhamos tudo, que existe até hoje. Com base em ATOS 2: 44-47 ; Hutterites acreditava que a partilha dos bens é o maior mandamento do amor. 

Principal área de Hutter de trabalho foi no Tirol e, mais tarde, na Morávia, onde ele teve que fugir após perseguição surgiu e um preço foi colocado em sua cabeça em 1533 como a perseguição chegou a Morávia, a igreja teve que enviar de volta para Hutter Tyrol, e em 29 de novembro de 1535 ele foi traído em Klausen. Como resultado, ele foi amarrado e amordaçado e, em seguida, levado para Innsbruck, onde foi torturado e interrogado na prisão. 

Em 02 de fevereiro de 1536, ele foi condenado e queimado vivo na fogueira em frente ao "Golden Roof / Telhado Dourado" por se recusar a renunciar à sua fé. As palavras finais de Hutter foram: 

"Chegue mais perto, ó povos contraditórios, vamos tentar a fé no fogo". (Naher Kommt, ihr Widersprecher, Lasst den uns probieren Glauben im Feuer.) 

 

Golden Roof Innsbruck

 Ao longo dos próximos anos, sua esposa Katharina foi capturado quatro vezes e, finalmente, se afogou em um cocho de água. Ao longo dos próximos cem anos, houve até 125 assembléias dos Hutterites no Tirol.

 

A Reforma Protestante (1517-1648)

Logo após a "Dieta Imperial em Worms" o ensino de Martin Luther também veio para a Áustria. Foi principalmente mineiros, mercenários, artesãos e comerciantes que traziam escritos de Lutero com eles e espalhá-los entre as pessoas. 

De 1520 em diante AD, o protestantismo espalhou-se rapidamente nesta parte da Europa, especialmente com a ajuda de duas famílias da aristocracia austríaca (Jörger e Starhemberger). Em um ponto a Áustria tinha mais de oitenta por cento protestante. 

No entanto, como resultado do "contra-reforma", A Áustria foi trazido de volta ao catolicismo. Este foi muitas vezes levada a cabo por meio da violência, por exemplo, Wolfgang Brandhuber e setenta de seus seguidores foram executados em Linz em 1528 AD por causa de sua crença na Bíblia. Outros tiveram que se esconder de perseguição, e cerca de cem mil protestantes foram forçados a fugir para a Hungria e Siebenbürgen (Transilvânia), na Roménia (ver Christian História da Hungria ). 

Na "Conferência de Munique" em 1579 AD, Karl Central de Áustria, seu irmão Fernando II de Tyrol e seu irmão-de-lei, Wilhelm da Baviera, declarou a lutar sistematicamente protestantismo em seus respectivos países. Como resultado, as seguintes medidas ocorreu: 

• Eles tentaram destruir infra-estrutura protestante pela expulsão dos pregadores; fechamento de escolas e igrejas protestantes; a queima de livros (principalmente a partir de Lutero), e através do preenchimento de vagas em locais oficiais com os não-protestantes. 

• Outras medidas foram tomadas para investigar todos os cidadãos e missionários através da Comissão de Reforma. A chamada foi feita para a re-conversão dentro de um determinado período de tempo, muitas vezes com represálias consideráveis, com um quarto das tropas estacionadas em sendo as casas dos protestantes. 

• Deportação de todos aqueles que não querem se converter ao catolicismo. Neste caso, todas as crianças menores de famílias protestantes tiveram que permanecer e as famílias tiveram que pagar um "imposto em movimento" (Wegzugsteuer) entre 5 e 10%. 

Os 200 anos seguintes, especialmente durante o reinado de Carlos VI e sua mãe Maria Theresa , trouxe um período de grande perseguição. Para ser um protestante tornou-se um crime e pesadas multas e sanções como "prisões de conversão" e sentenças de prisão, na melhor das hipóteses, e mais frequentemente a morte, foram impostas. Maria Theresa foi responsável pela morte cruel de milhares de protestantes em todo o império. Em um desses massacres, lemos que os soldados cruzaram o rio Danúbio em seus cavalos, montando ao longo de milhares de cadáveres de protestantes mortos.  

Maria Theresa

 Alguns exemplos de leis que foram introduzidas por Maria Theresa em 1778 AD são: 

Foram autorizados 1. livros Sem luteranos.

2. Ninguém foi autorizado a realizar reuniões cristãs em casa.

3. Somente os católicos foram autorizados a se casar.

4. Ninguém foi autorizado a comprar uma casa sem um certificado escrito de seu padre católico confirmando sua fé.

 A maioria dos camponeses fingiam ser católicos, mas secretamente mantido o ensino de Martin Luther, escondendo livros protestantes em estábulos, moinhos, árvores e cavernas e de tempos em reunião tempo nesses lugares. Essas pessoas eram conhecidos como os "protestantes secretos". 

Este período negro na história do cristianismo na Áustria só chegou ao fim em 13 de outubro de 1781, quando o imperador Josef II, conhecido como o "Imperador do Povo", decretou a "Lei de Tolerância" . Este ato deu plena liberdade religiosa aos protestantes, embora a fortaleza Católica do Tirol só aceitou o ato revogado mais de cem anos depois. 

Os séculos 19 e 20

Desde o século 19, a igreja protestante tornou-se mais estável na Áustria, ao mesmo tempo, perdendo seu fogo ao longo dos anos, ao ponto em que já não é uma ameaça para a Igreja Católica. Hoje, faz parte do movimento ecumênico e, como tal, já não significa a verdade bíblica. 

No início do século passado, por volta de 1926, os missionários do Exército de Salvação chegou à Áustria e começou seu trabalho. Hoje, 80 anos depois, há apenas cerca de trinta membros ativos deste trabalho anteriormente poderoso Christian, que foi fundada por William Booth, no século 19. 

Infelizmente, não há muitos grupos protestantes que colocar os pés em solo austríaco sobreviveu e hoje apenas uma minoria das pessoas acreditam na Bíblia. Há uma série de igrejas carismáticas e pentecostais espalhados por todo o país, muitas vezes apoiados pelos EUA ou na Suíça, mas, infelizmente, poucos crentes estão dispostos a curvar os joelhos a Deus e viver como os comandos da Bíblia.  

"Mais uma vez, ele limiteth um certo dia, dizendo por Davi, Hoje, depois de tanto tempo; como se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações " HEBREUS 4: 7 .

FONTE www.avivamentonosul.blogspot.com.br