Translate this Page

Rating: 3.0/5 (920 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


o mar Vermelho (historia e geografia)
o mar Vermelho (historia e geografia)

 

                          O MAR VERMELHO HISTORIA E GEOGRAFIA

1. Nome:

O nome hebraico inhame - Sufe deu origem a muita controvérsia. Inhame é a palavra geral para o mar, e quando está sozinho pode referir-se ao Mediterrâneo, o Mar Morto, o Mar Vermelho, ou para o Mar da Galiléia. Em vários lugares designa o rio Nilo ou Eufrates. Sufe significa uma corrida ou algas como abunda nas partes inferiores do Nilo e as porções superiores do Mar Vermelho. Foi no Sufe à beira do rio que a arca de Moisés foi escondido ( Êxodo 2: 3 , Êxodo 2: 5 ). Mas, como essa palavra não significa por si só vermelho, e como essa não é a cor do junco, as autoridades estão muito divididos a respeito da razão para essa designação. Alguns supõem que ele foi chamado de vermelho a partir do aparecimento das montanhas na costa ocidental, outros da cor vermelha dada à água pela presença de zoófitos, ou coral vermelho, ou algumas espécies de algas marinhas. Outros ainda, com probabilidade considerável, suponha que o nome teve origem na cor vermelha ou cobre dos habitantes da península Arábica limítrofe. Mas o nome inhame-cuph, embora aplicado a todo o mar, foi especialmente usado com referência para a parte norte, que é por si só mencionado na Bíblia , e para os dois golfos (Suez e Aqabah) que fazem fronteira com a Península do Sinai, especialmente no Golfo de Suez.

2. peculiaridades:

O Mar Vermelho tem um comprimento de 1.350 milhas e uma boca máxima de 205 milhas. É notável que, enquanto que não tem os rios que atravessam e que a evaporação a partir da sua superfície é enorme, ele não é muito Salter que o oceano, a partir do qual infere-se que deve haver um fluxo constante de água a partir do Oceano Índico pela Estreito de Bab- el -Mandeb, Juntamente com uma saída de mais água salina sob a superfície. A porção mais profunda mede 1.200 braças. Devido aos níveis mais baixos da terra que prevaleceram em tempos geológicos recentes, o Golfo de Suez anteriormente estendida nas terras baixas do que o separa os lagos amargos, uma distância de 15 ou 20 milhas agora percorrido pelo Canal de Suez, que encontrou nenhuma elevação de mais de 30 pés maré acima. Em tempos históricos primitivos do Golfo terminou em Ismailia na cabeça do Lago Timsah. North desta terra sobe a uma altura de mais de 50 pés e por um longo tempo forneceu uma estrada que conduz da África para a Ásia. Em um período um pouco mais cedo geológica (meio e final do Terciário) a depressão da terra era de tal forma que esta ponte também foi submersa, para que o Mar Vermelho e do Mediterrâneo estavam ligados por uma ampla extensão de água que transbordou toda a superfície do Baixo Egito .

A evidência da depressão mais recente da superfície terrestre em todos Baixo Egito é inconfundível. Praias levantadas contendo conchas e corais que ainda vivem no Mar Vermelho são encontrados em vários níveis até mais de 200 pés acima da maré. Um dos mais interessante deles é para ser visto perto do cume do "Ninho de Corvo", de meia milha do Sul das grandes pirâmides, onde, perto do cume da eminência, e cerca de 200 pés acima da maré, em um nível da base das pirâmides, há uma praia mar recente claramente definida constituída por seixos usado em água a partir de 1 cm para um ou dois pés de diâmetro, os interstícios dos que são preenchidos com pequenos reservatórios frouxamente colados. Estes são identificados como pertencentes a uma forma variável, Alectryonia cucullata Nascimento , que vive na atualidade no Mar Vermelho. No lado oposto do rio, na Mokattam Hills sul do Cairo, a uma altitude de 220 ​​pés acima da maré, depósitos similares são encontrados contendo inúmeras conchas de data recente, enquanto a face da rocha é penetrada por numerosas perfurações de moluscos (lithodomus Pholades rugosa Broc .). Outras evidências da recente depressão geral da terra nesta região vêm de vários lugares na costa oriental do Mediterrâneo. De acordo com Lartet em Ramleh, perto Jaffa, uma praia recente ocorre mais de 200 pés acima do nível do mar que contém muitas conchas de Pectunculus violascens Lamk , que é na atualidade o molusco mais abundante na costa do Mediterrâneo ao lado. A praia semelhante foi descrito por Dr. Post at Lattakia, cerca de 30 quilômetros ao norte de Beirute; enquanto outros, de acordo com Hull, ocorrer após a ilha de Chipre. Outra evidência desta depressão também é visto no fato de que o istmo entre Suez e os lagos amargos é coberto com depósitos recentes de lama do Nilo, segurando escudos modernos do Mar Vermelho, mostrando que, em data não muito distante, havia um transbordamento do Nilo através de um ramo oriental para este nível um pouco deprimido. A linha deste ramo do transbordamento do Nilo foi nos primeiros tempos usados ​​para um canal, que foi inaugurado recentemente, para fornecer água fresca para Suez, ea depressão é seguido pela ferrovia. De acordo com Dawson, grandes superfícies do deserto do Norte de Suez, que agora estão acima do nível do mar, contêm enterrado na areia "conchas marinhas recentes em tal estado de preservação que não muitos séculos pode ter decorrido desde que eram no fundo de o mar "( Egito e da Síria , 67).

3. Antigo Testamento Referências:

O Mar Vermelho é conectada com os filhos de Israel, principalmente através do cruzamento de que registrado em Êxodo (ver 4, abaixo); mas há algumas referências a ele em momentos posteriores. Solomon é dito ( 1 Reis 09:26 ) ter construído uma marinha em "Asiongaber, que está junto a Elote, na costa do Mar Vermelho, na terra de Edom." Isso está na cabeça do Golfo de Ácaba, o ramo oriental do Mar Vermelho. Aqui seus navios foram tripulados por Hiram, rei de Tiro com "shipmen que tiveram conhecimento do mar" ( 1 Reis 09:27 ). E ( 1 Reis 09:28 ) "Eles foram a Ofir, e tomaram de lá ouro." Mas Elote foi evidentemente perdeu para Israel quando Edom se revoltou com sucesso no tempo de Jorão ( 2 Reis 8:20 ). Por um curto período, no entanto, foi restaurada a Judá por Amazias ( 2 Reis 14:22 ); mas, finalmente, durante o reinado de Acaz, os sírios, ou, mais provavelmente, de acordo com uma outra leitura, os edomitas, recuperou o lugar e permanentemente expulsou os judeus de distância. Mas, em 1 Reis 22:48 Josafá disse ter "navios de Társis fez para ir para Ophir para o ouro; mas não foi, porque os navios se quebraram em Eziom-Geber"; enquanto que em 2 Crônicas 20:36 Josafá disse ter se juntou com Acazias ", para fazerem navios que fossem a Társis; e fizeram os navios em Eziom-Geber."

A menos que haja alguma confusão textual aqui, "navios de Társis:" é simplesmente o nome do estilo do navio, como "East Indiaman", e Társis em Crônicas pode se referir a algum lugar nas Índias Orientais. Este é o mais provável, uma vez que "navy" de Salomão que foi para Társis, uma vez a cada 3 anos veio ", trazendo ouro, prata, marfim, bugios e pavões", que dificilmente poderia ter vindo de qualquer outro lugar do que a Índia. VerNavios e barcos , II., 1., (2).

4. A passagem através do Mar Vermelho pelos israelitas:

Até que, nos últimos tempos, foi descoberto que o Golfo de Suez anteriormente estendida 30 milhas para o norte para o local da atual Ismailia eo Pithom antiga, a cena do milagre bíblico foi colocado em Suez, o atual chefe do Golfo. Mas há pelo Suez nenhuma medida de água cardume suficiente para o vento leste mencionados na Bíblia ( Êxodo 14:21 ) ter aberto uma passagem de ida suficientemente amplo para ter permitido o acolhimento de ter atravessado em uma única noite. O bar que leva de Suez em frente, que é agora, por vezes, forded, é muito insignificante para ter fornecido uma passagem de ida como Robinson suposto ( BR3 , I, 56-59). Além disso, se os filhos de Israel eram do Sul dos lagos amargos quando não houve prorrogação do Golfo Norte de seus limites atuais, não teria havido necessidade de um milagre para abrir a água, uma vez que não havia espaço abundante para eles e o exército de Faraó ter ido ao redor do extremo norte do Golfo para chegar à costa oriental, enquanto South of Suez a água é profundo demais para o vento em qualquer lugar para ter aberto uma passagem de ida. Mas, com uma extensão das águas do Golfo para os lagos amargos e Lake Timsah, rendido provável pelos fatos citados no parágrafo anterior, a narrativa ao mesmo tempo tão perfeitamente acordos com as condições físicas envolvidas, para se tornar não só facilmente credível, mas auto-evidenciada.

Os filhos de Israel estavam em Ramsés ( Êxodo 00:37 ), na terra de Goshen, um lugar que não tenha sido certamente identificado, mas não poderia ter sido muito longe da modernaZagazig à frente do canal de água doce líder do Nilo até os lagos amargos. Viagem de um dia para o leste ao longoWady Tumilat, Regada por este canal trouxe para Sucot , uma estação provavelmente idêntico comThuket, Close em cima da linha de fronteira que separa o Egito da Ásia. Através das descobertas de Naville em 1883 este foi identificada como Pithom, uma das cidades-armazéns construídos pelo faraó durante o período de opressão hebraico ( Êxodo 01:11 ). Aqui Naville descoberto vastos poços de loja para a realização de grãos construído durante o reinado de RamsésII e construído de acordo com a descrição dada no Ex 1: as partes inferiores de tijolos feitos com palha, o meio com restolho, e no topo da argila simples, mesmo sem a palha para manter o tijolo juntos (veja Naville, "A Loja-City Pithom e Rota do Êxodo, " Fundo Egyptian Exploration , 1885; MG Kyle, "A Re-exame das obras de Naville," registros do passado , VIII, 1901, 304-7). A jornada do dia seguinte trouxe a Etã na "beira do deserto" ( Êxodo 13:20 ; Números 33: 6 ), provavelmente na vizinhança do Ismailia moderno na cabeça do Lago Timsah. A partir deste ponto, a estrada natural para a Palestina teria sido ao longo da rota de caravanas no pescoço de terra acima indicadas como agora cerca de 50 pés acima do nível do mar. Etã foi cerca de 30 km ao sudeste de Zoan ou Tanis, o quartel-general na época de Faraó, da qual ele estava observando os movimentos do host. Se eles devem ir para a estrada direto para a Palestina, o exército poderia facilmente executar um movimento de flanco e interceptá-los no deserto de Etã. Mas por ordem divina ( Êxodo 14: 2 ) Moisés virou em direção ao sul, no lado oeste da extensão do Mar Vermelho, e acamparam "antes de Pi-Hairote, entre Migdol eo mar, diante de Baal-Zefom" ( Êxodo 14:22 Números 33: 5 -7 ). Nessa mudança de rumo Faraó ficou encantado, vendo que os filhos de Israel foram "embaraçados na terra" e "deserto" tinha "encerrou." Em vez de emitir um movimento de flanco sobre eles, o exército do faraó agora seguiu-os na parte traseira e "os alcançaram acampados junto ao mar, perto de Pi-Hairote , "a localização do que é essencial para uma compreensão adequada da narrativa que se segue.

Em Êxodo 14: 2 , Pi-Hairote está a ser dito "entre Migdol eo mar, diante de Baal-Zefom." Agora, porém Migdol originalmente significava "torre de vigia", dificilmente é supposable que este pode ser o seu significado aqui, caso contrário, os filhos de Israel teria sido movendo diretamente em direção a um lugar fortificado. O mais provável, portanto, Migdol era a torre-como a montanha que marca o canto nordeste de pico Jebel Geneffeh, Que corre em paralelo com a Lagos Bitter, apenas a uma curta distância de sua fronteira ocidental. Baal-Zefom pode igualmente bem ser alguns dos picos das montanhas na fronteira do deserto de Paran oposto Cheloof, A meio caminho entre os lagos amargos e Suez. Na atmosfera clara da região esta linha de montanhas é claramente visível em toda a distância de Ismailia a Suez. Não parece haver nenhuma objeção a esta suposição, uma vez que todas as autoridades estão em desacordo quanto à sua localização. A partir do significado do nome parece ser a sede de alguma forma de culto a Baal, naturalmente uma montanha. Brugsch iria identificá-lo com o Sr. Cassius na costa do norte do Egito. Naville (veja Murray Illustrated Bible Dictionary , "Mar Vermelho, a passagem da") seria conectá-lo com a colina chamadaTûssûm East of Lake Timsah, onde há um santuário nos dias de hoje visitado todos os anos cerca de 14 de julho por milhares de peregrinos para celebrar um festival religioso; mas, como este é um festival muçulmano, não parece haver razão para conectá-lo com todo o santuário dos cananeus. Dawson favorece a localização geral que temos atribuído a Pi-Hairote, mas colocá-lo ao lado da porção sul estreito dos lagos amargos.

Em algum lugar nas redondezas seria um lugar mais natural para os filhos de Israel para impedir, e não há nenhuma dificuldade, como Naville supõe, a sua passagem entre Jebel Geneffeh e os lagos amargos; para a montanha não vem abruptamente para o lago, mas deixa um amplo espaço para a passagem de uma caravana, enquanto a montanha de um lado e do lago do outro iria protegê-los a partir de um movimento de flanco por Faraó e limitar o seu exército para assediar o traseira do anfitrião israelita. Protegido assim, os israelitas encontraram uma planície ampla sobre a qual eles poderiam se espalhar seu acampamento, e se supõe que sejam, tanto do Sul como Cheloof , Todas as condições seriam encontradas para se adequar a narrativa que se segue. Moisés foi dito pelo Senhor que, se ele deve ordenar que os filhos de Israel para ir para a frente, o mar seria dividido e os filhos de Israel puderam atravessar a pé enxuto. E quando, em conformidade com a ordem divina, Moisés estendeu a mão sobre o mar, "Yahweh fez com que o mar para voltar por um forte vento oriental toda aquela noite, e fez do mar terra seca, e as águas foram divididas. E os filhos de Israel entraram pelo meio do mar em seco; e as águas foram-lhes como muro à sua direita e à sua esquerda e os egípcios perseguiram, e entraram atrás deles até o meio do mar. , todos os cavalos de Faraó, os seus carros e os seus cavaleiros "( Êxodo 14: 21-30 ). Mas quando os filhos de Israel estavam a salvo do outro lado as águas voltaram e oprimido todo o exército de Faraó. No Cântico de Moisés, que se segue, que descreve o evento, diz-se que as águas estavam empilhados pelo "sopro de tuas narinas (de Deus)" ( Êxodo 15: 8 ) e, novamente, Êxodo 14:10 , "fizeste soprar com o teu vento, o mar os cobriu ". Assim, 3 vezes o vento é mencionado como os meios utilizados por Deus na abertura da água. A competência do vento temporariamente para remover a água a partir da passagem que liga o Golfo de Suez com a Lagos Bitter, desde que tinha apenas alguns metros de profundidade, está amplamente provado pelos fatos de observação recente. Maior Tullock Geral do exército britânico ( Proc. Victoria Inst ., XXVIII, 267-80) relata ter presenciado a condução fora da água do Lago Menzaleh pelo vento, de tal forma a diminuir o nível de 6 pés, deixando, assim, pequenos vasos sobre a água rasa encalhado por um tempo no fundo lamacento. De acordo com o relatório da Suez Canal Company, a diferença entre o maior eo menor de água em Suez é 10 pés 7 polegadas, todos os quais devem ser devido ao efeito do vento, uma vez que as marés não afetam o Mar Vermelho . A força do vento para afetar os níveis de água é impressionante testemunhou sobre Lake Erie, nos Estados Unidos, onde, segundo o relatório da Comissão profundos Waterways para 1896 (165, 168), parece que o forte vento do sudoeste, por vezes, diminui a água em . Toledo, Ohio, no extremo oeste do lago para a extensão de mais de 7 pés, ao mesmo tempo, fazendo com que ele a subir em Buffalo, no extremo leste de uma quantidade similar; enquanto que uma mudança no vento, durante a passagem de uma única tempestade inverte o efeito, assim, por vezes produzindo uma mudança de nível em cada extremidade do lago de 14 pés ao longo de um único dia. Seria necessário muito menos do que uma furacão para reduzir a água aCheloof o suficiente para pôr a nu o canal raso que temos suposto naquela época para separar o Egito desde a Península do Sinai.

Objeções:

Várias objeções a essa teoria, no entanto, foram instados que não deve passar sem aviso prévio.

(1) íngremes margens do Canal:

Alguns disseram que os filhos de Israel teria encontrado um obstáculo insuperável para o seu avanço nas margens íngremes em ambos os lados do canal suposto. Mas não havia bancos íngremes para ser encontrados. Um afundamento suave conduz para baixo de um lado para o centro da depressão e correspondentemente um aumento suave conduz-se do outro.

(2) Paredes Formado pela água:

Muito tem sido feito da declaração ( Êxodo 14:22 ) que "as águas foram-lhes como muro à sua direita e à sua esquerda"; mas quando consideramos o uso retórico da palavra "muro" que não apresenta nenhuma dificuldade. Em Provérbios 18:11 lemos que "Os bens do rico são a sua cidade forte, e como um muro alto na sua imaginação." Em Isaías 26: 1 nos é dito que Deus irá nomear salvação "para paredes e baluartes." Novamente Nahum ( Naum 3: 8 ) do Egito diz que sua "muralha era o mar (margem" Nilo "), e seu muro era do mar." A água de cada lado da abertura serviram o propósito de uma parede de protecção. Não havia chance para o faraó para interceptá-los por um movimento de flanco. Também não há necessidade de pagar mais atenção às expressões poéticas no Cântico de Moisés, onde, entre outras coisas, é dito que "os abismos coalharam-se no coração do mar", e que "a Terra (em vez da água) tragou. "

(3) Os ventos de leste:

Mais uma vez é que opôs um vento oriental não vem da direção certa para produzir o resultado desejado. Por outro lado, é apenas um vento leste, que poderia ter liberado o canal de água. Um vento norte teria explodido a água dos lagos amargos para o sul, e devido à quantidade de água retida teria aumentado a profundidade da água na passagem estreita do extremo sul de Suez. Um vento leste, no entanto, teria pressionado a água para fora do canal para os dois lados, e do contorno das linhas de costa seria o único vento que poderia ter feito isso.

(4) O Milagroso Retiradas:

Mais uma vez, é que opôs esta explicação destrói o caráter miraculoso do evento. Mas deve-se notar que pouco se fala na narrativa sobre a milagrosa. Por outro lado, é uma indicação direta de eventos, deixando seu caráter miraculoso de ser inferida a partir de sua natureza. Na explicação que temos dado a transação é o que Robinson felicitously chama um milagre mediato, ou seja, um milagre em que a mão de Deus é visto no uso de forças naturais que seria impossível para o homem para comandar. Se alguém deveria dizer que isso foi uma mera coincidência, que o vento leste soprou no momento preciso em que Moisés chegou ao local de travessia, a resposta é que essa coincidência poderia ter sido provocada apenas pela agência sobrenatural. Havia naquele tempo não serviço meteorológico para prever a aproximação de uma tempestade. Não há marés no Mar Vermelho com fluxo regular e fluxo. Foi por um milagre da profecia de que Moisés foi encorajado a obter o seu exército em posição para aproveitar a oportunidade temporária, exatamente no momento certo. Quanto à relação da agência divina para o evento, a especulação é inútil. A abertura do mar pode ter sido um evento predeterminado no curso da natureza que só Deus sabia de antemão, caso em que a ação divina direta limitou-se a essas influências sobre os atores humanos que os levaram a colocar-se onde eles poderiam tirar proveito da oportunidade natural. Ou, não há nenhuma dificuldade a priori em supor que o vento leste foi despertado diretamente para a ocasião; para o homem se produz distúrbios entre as forças da Natureza que são tão profundas em sua extensão, como seria uma tempestade produzido pela agência divina direta. Mas, neste caso, o distúrbio é ao mesmo tempo visto como além das competências da agência humana para produzir.

Resta acrescentar uma palavra importante sobre o valor probatório deste ajuste perfeito da narrativa com as condições físicas envolvidas. Tão perfeita é essa conformidade da narrativa com as condições físicas obscuros envolvidos, que apenas investigações recentes deixaram claro, que a conta se torna auto-evidenciação. Não está dentro do poder do homem de inventar uma história tão perfeitamente de acordo com as vastas e complexas condições envolvidas. O argumento é tão forte quanto o que para o projeto humano quando uma tecla é encontrado para caber um bloqueio de Yale. Esta não é uma conta geral, que se encaixam em uma variedade de circunstâncias. Há apenas um lugar em todo o mundo, e um conjunto de condições em toda a história, o que satisfaz os requisitos; e aqui eles são todos atendidos. Esta é a demonstração científica. Nenhuma prova superior pode ser encontrada nas ciências indutivas. A história é verdadeira. Não foi remodelado pela imaginação, um dos escritores originais ou dos copistas. Não é o produto da fantasia mitológica ou de acreção lendária.

FONTE Enciclopédia Internacional Standard Bible 1870

VEJAM MAIS WWW.BIBLIAGEOGRAFIA.BLOGSPOT.COM