Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


biblia e arqueologia Randall Price
biblia e arqueologia Randall Price

 

                                                       Arqueologia ea Bíblia

 artigo Randall Price

No início da semana da Páscoa Jesus montou um burro para baixo do Monte das Oliveiras em direção aos grandes muralhas construído-rock da cidade de Jerusalém. Sua jornada naquele dia tinha sido há muito tempo previsto pelo profeta Zacarias, que tinha dito ao povo judeu que esperar o Messias para chegar a eles desta maneira humilde (Zacarias 9: 9). Enquanto multidões de-acenando palmeiras judeus se alegrou com sua "entrada triunfal", o estabelecimento religioso exigiu que ele silenciar esses discípulos recém-descobertos. Mas Jesus respondeu: "Digo-vos que, se estes tornam-se calarem, as pedras clamarão!" (Lucas 19:40). As palavras de Jesus talvez referenciada os enormes blocos de pedra que o cercaram em cada turno na Cidade Santa. Hoje, embora discípulos multiplicado por milhões ainda regozijar-se sobre ele, as pedras têm também acrescentou sua voz. Na verdade, as próprias pedras dos quais Jesus falou hoje foram desenterrados no sopé do Monte do Templo em Jerusalém. Cumprindo Jesus própria profecia de que eles cairiam (Lucas 19: 43-44), eles ainda clamam a nossa idade que o triunfo da primeira Páscoa que continua ainda. Essas pedras são parte do testemunho histórico de arqueologia, uma ciência que tem vindo a serviço da Escritura num momento em que outras ciências têm procurado subvertê-la.

Vivemos em um momento emocionante! Novas descobertas estão sendo desenterrados em todo o mundo muitas vezes mais rápido do que os nossos jornais podem relatá-los. Eles abrem uma nova janela para o mundo antigo que nos permite ver as histórias da Bíblia com uma precisão nunca conheceu antes.A primeira geração de judeus-cristãos que foram legados os Evangelhos, sem dúvida, teve tal experiência em primeira-mão da história e lugares que eles descrevem. Até o advento da arqueologia, os cristãos foram deixados para reconstruir o mundo da Bíblia eo drama dos acontecimentos da Páscoa o melhor que podiam. Obras-primas da arte religiosa dos séculos anteriores retratados a crucificação, sepultamento e ressurreição de Cristo, com o único ponto de referência que tinham - o seu próprio mundo. Mesmo se eles incluíram modelos orientais, o olhar era ainda mais que de-século XVII Turks turbante em vez de judeus do primeiro século e romanos. Apesar de não desvirtuar o drama, e, certamente, com toda boa intenção para com a história, no entanto, tais cenas retratadas uma imagem irreal que era mais fé do que fato. Hoje, a arqueologia tem restaurado muito do mundo do primeiro século, o que nos permite experimentar a realidade de Páscoa em uma forma não disponível para séculos anteriores dos cristãos.

No final do século 18, ninguém poderia ter sonhado que maravilhas arqueologia era revelar. O mundo do passado era por si só um sonho, esquecido, exceto para a parada da Bíblia de nomes antigos e lugares. No entanto, a Bíblia ficou como o testemunho único sobrevivente a si mesmo. O leitor foi o abençoado por suas verdades, mas muitas vezes deixou perplexos com os locais e indivíduos que gravou. A arqueologia tem reclamado perdido património da humanidade, afugentando as aranhas de tempo cujo teias de ruína ter escondido o nosso passado de nós. Ele ressuscitou a glória desbotada de eras esquecidas, para que as gerações futuras possam se aproximar de sua fé com fatos maior do que qualquer outro na história. Em muitos casos, também tem perseguido vista afastado céticos da Bíblia apresentado a nossa cultura cristã pela invasão de alta crítica bíblica mais de um século atrás. Não mais a Bíblia pode ser pensado para ter sido o produto final de editores hebreus fantasiosas que procuram criar uma história religiosa para uma corrida sem origens. Pelo contrário, como o professor William Foxwell Albright, a notoriedade de Dean americanos Arqueologia Bíblica professada décadas atrás: "Descoberta após a descoberta estabeleceu a precisão de inúmeros detalhes, e trouxe maior reconhecimento do valor da Bíblia como fonte da história." Como resultado, a arqueologia tem sido de importância especial para aqueles que procuram capturar o contexto original da escritura. A este respeito, Joseph Callaway observou certa vez: "O verdadeiro negócio da arqueologia é estabelecer benchmarks de facto no mundo da Bíblia para orientar intérpretes."

Fins de Arqueologia

A arqueologia tem revelado as cidades, os palácios, os templos, as casas daqueles que viveram ombro a ombro com aqueles cujos nomes foram inscritos nas escrituras. Ela torna possível para nós o que o apóstolo João uma vez expressou a autenticidade sua mensagem: "O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que nós temos visto, e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da Vida "(1 João 1: 1). Coisas tangíveis ajudar a fé em seu crescimento em direção a Deus. Arqueologia traz as coisas tangíveis da história para que a fé pode ter um contexto razoável para se desenvolver. Ele também manter a fé em equilíbrio com os fatos, confirmando a realidade das pessoas e eventos da Bíblia de modo que os céticos e os santos tanto pode perceber claramente a sua mensagem espiritual dentro de um contexto histórico. Muitas pessoas erroneamente supor que o propósito da arqueologia é para "provar" a Bíblia. No entanto, desde que a Bíblia descreve-se como a "Palavra de Deus", ele não pode ser provado ou refutado pela arqueologia mais do que o próprio Deus está sujeito à evidência limitada de outro mundo. O uso adequado de arqueologia em relação à Bíblia é para confirmar, corrigir, esclarecer e complementar sua mensagem teológica.

Confirmando a Palavra da Bíblia

De acordo com o Dicionário de Inglês de Webster um dos significados da palavra "confirm" é "dar nova garantia da validade" de algo. Arqueologia dá-nos nova garantia das pedras para acompanhar a certeza de que já temos do Espírito. Por exemplo, um pouco mais de 100 anos atrás, os estudiosos da alta crítica duvidou da existência dos hititas, povo mencionado 47 vezes no Antigo Testamento e entre cujas fileiras foram Efrom, o hitita, que vendeu sua caverna enterro Abraão (Gênesis 23: 10- 20), e Urias, o hitita, o marido de Bate-Seba, mãe de Salomão (2 Samuel 11). Em seguida, em 1876 as ruínas do império hitita foi descoberto em Boghaz-Koy com mais de 10.000 tábuas de argila narrando sua história. Arqueologia produziu a mesma confirmação dos locais históricos de Nínive, Babilônia, e inúmeras cidades perdidas em Israel e na Jordânia. Essa confirmação ocorre constantemente com novas escavações arqueológicas. Até recentemente não havia nenhuma evidência material do registro arqueológico para confirmar o relato bíblico da existência de um bíblico rei Davi. Isso mudou em 1993-1994 quando o professor Avraham Biran desenterraram uma inscrição monumental na cidade israelita do norte de Dan.A inscrição, escrito por um dos antigos inimigos de Israel (assim nenhum israelita pode ser acusado de inventar isso) registrou o nome de um dos reis de Judá "da casa de Davi." Estes Tell-Tale palavras dão nova garantia do mais famoso guerreiro e salmista de escritura, uma vez que se houvesse uma "casa de Davi" que tinha de haver um David de ter uma casa! Da mesma forma, apenas alguns anos atrás uma confirmação surpreendente de um dos profetas bíblicos foi descoberto. A Bíblia nos diz que o profeta Jeremias, que estava contra um império ímpio nos últimos dias da história de Judá, tinha um associado chamado Baruch que serviu como seu escrevente. O livro bíblico de Jeremias, uma vez queimado por um rei rebelde, foi pessoalmente escrita pela mão deste Baruch.Em escavações na antiga cidade de David foram descobertos mais de 50 selos de argila, preservado pelo incêndio que destruiu a cidade de acordo com a profecia de Jeremias. Um dos selos a partir deste site, uma vez utilizado para selar um documento antigo papiro, continha o nome de escriba de Jeremias Baruch. Mais surpreendente, no canto superior esquerdo do selo é a marca do próprio dedo de Baruch, feita na argila mole do dia a carta foi selado e cozido pelo fogo a uma dureza que o protegia contra o tempo. Aqui, então, é a impressão digital de um homem que escreveu um dos livros da Bíblia e servido ao lado de uma das grandes figuras proféticas de Israel.

Corrigindo nossa Redacção da Bíblia

Um dos primeiros passos na compreensão das escrituras é discernir o texto como originalmente escrito por seus autores. Embora seja improvável que os arqueólogos nunca vai desenterrar um dos autographas (textos originais da Bíblia), as cópias antigas que chegaram até nós foram preservadas e passadas a nós de tal maneira como para nos dar confiança que temos a própria "Palavra de Deus" em nossas mãos. Das areias do Egito para as cavernas de Qumran, a arqueologia tem descoberto centenas de cópias de livros do Velho Testamento e milhares de cópias de livros do Novo Testamento. Na primeira categoria estão centenas de hebraico, aramaico inscrições que contêm vocabulário familiarizados com o Antigo Testamento. Nossa cópia mais antiga de um texto bíblico vem de uma inscrição descoberto apenas em 1979 pelo arqueólogo israelense Gabriel Barcay em uma tumba no Vale do Hinom de Jerusalém.Entre as mais de 1.000 objetos retirados do túmulo havia vários rolos de prata minúsculo que datam de antes do exílio da Judéia de 586 aC Um continha o texto completo da bênção de Aaronic em Números 6: 24-26. Este texto mostrou estudiosos quão bem as nossas versões posteriores da Bíblia preservada essa bênção bíblica importante, assim como forçou uma reavaliação da velha teoria crítica maior que a autoria da maior parte do Pentateuco só tinha ocorrido depois de os judeus regressar do exílio. Uma das maiores descobertas de manuscritos de todos os tempos tem sido a fabulosa Manuscritos do Mar Morto.Incluem-se nesta coleção de 1.100 documentos são inteiras ou fragmentárias 233 exemplares de todos os livros do Antigo Testamento (com exceção do livro de Ester), a maioria escritas pelo menos cem anos antes do nascimento de Cristo. No entanto, ainda maior do que a nossa descoberta desses documentos do Antigo Testamento são aqueles para o Novo Testamento. Alguns 14.000 cópias integrais ou parciais estão agora disponíveis para os estudiosos. Para isso, podemos adicionar as descobertas sensacionais de manuscritos antigos em Nag Hammadi que contêm evangelhos e textos gnósticos, bem como milhares de textos recém-recuperados perdido há muito tempo no monastério de Santa Catarina, no sopé do Monte tradicional Sinai. Estes manuscritos antigos fornecem a base para restaurar a forma precisa, gramática e sintaxe do hebraico, aramaico e grego palavras da Bíblia, bem como o seu significado exato no tempo em que foram escritos. Tais tesouros literários arqueológicos nos deram uma muito maior coleção de manuscritos bíblicos do que possuía pela Igreja em séculos anteriores e permitiram que os estudiosos a tomar melhores traduções das línguas antigas, melhorando assim nossas próprias versões de idioma Inglês da Bíblia.

Clarificar o mundo da Bíblia

Uma vez que a "Palavra" foi anunciado para pessoas neste mundo, em determinados lugares e tempos, o contexto histórico, cultural e religioso das pessoas atendidas devem ser compreendidos. No entanto, nós nos Estados Unidos são 8.000 milhas e alguns 4.000 anos removidos de datas e locais.Portanto, o melhor que somos capazes de compreender o significado original da mensagem, como primeiro comunicadas no mundo antigo da Bíblia, melhor seremos capazes de aplicar suas verdades eternas de nossa vida no mundo moderno. Professor Amihai Mazar, diretora da Universidade Hebraica de Instituto de Arqueologia de Jerusalém explica a importância deste quando ele diz: "arqueologia é a nossa única fonte de informação que vem diretamente do próprio período bíblico ... uma imagem toda a vida diária desta período ... que é o único ... evidência de que temos do período bíblico, exceto a própria Bíblia ... Agora podemos imaginar o tamanho eo tipo de assentamentos pessoas viviam em, que tipo de plano cidade havia, que tipo dos navios que eles usaram na vida de cada dia, que tipo de inimigos que tinham e que tipo de armas que eles usaram contra esses inimigos - tudo relacionado ao aspecto material da vida no período do Antigo Testamento pode ser descrito por achados arqueológicos deste período particular. " Todos estes detalhes arqueológicos nos ajuda em nossa reconstrução Neste contexto original da Bíblia de modo que a verdade teológica que contém não vai ser mal interpretada e mal aplicado. As escavações monumentais no Egito, Mesopotâmia, e Israel têm agora revelado muito da forma e substância destas impérios longo enterrado. Com base em pinturas de túmulos egípcios e relevos em seus templos nós sabemos o que os patriarcas bíblicos podem ter parecido bem como muitos dos exércitos estrangeiros que atacou tanto o Egito e Israel antigo longo de sua história.Temos, inclusive, em alguns casos, de pedra "instantâneos" de personalidades bíblicas reais. Desde as altas falésias de Behistun temos o retrato do monarca persa Dario, o Grande, a partir de um obelisco assírio uma imagem do rei judeu Jeú, e de Israel imagem de um entronizado rei Ezequias um pintado. Tal trivia arqueológica tornou possível as recriações maravilhosamente precisas dessas civilizações antigas em documentários de televisão e filmes.

Complementando a Testemunha da Bíblia

Os 66 livros da Bíblia foram escritos em pelo menos cinco continentes mais de 4.000 anos de história por profetas, poetas e camponeses, bem como por pastores e estadistas. Enquanto uma vasta e diversificada testemunha, as escrituras mencionar apenas determinadas pessoas e registrar eventos específicos que foram necessárias para o seu propósito teológico maior. Como consequência, a maior parte significância é deliberadamente excluir que verdades de uma maior importância pode ser incluído. No entanto, tais exclusões necessárias causar alguns a questionar a precisão histórica dos autores bíblicos. Arqueologia através de sua revelação do contexto e da cultura das terras e civilizações em que o drama bíblico foi promulgada, acrescenta um testemunho complementar como preenche o esboço desenhado pelos autores bíblicos que verificam que as menções que apresentam eles fiel aos fatos. Por exemplo, embora o rei israelita Omri que construiu Samaria e fez dela a capital do Reino do Norte, foi um dos governantes mais importantes de sua época (885-874 aC), o texto bíblico dá-lhe apenas uma referência de passagem (1 Reis 16: 21-28). Este foi provavelmente porque ele era um dos mais perversos dos reis israelitas e suas realizações orgulhosas não merecia reconhecimento.Arqueologia complementa o aviso bíblica do Rei Omri, fornecendo o contexto histórico para suas façanhas extra-bíblicas a partir dos registros recuperados de seus inimigos estrangeiros. Ele revela que os autores bíblicos estão corretos em sua avaliação de seu caráter e de comando. Este testemunho complementar tem sido especialmente útil para a compreensão da época de Jesus e da exactidão e do contexto de seu comentário sobre e extensos diálogos com as várias seitas religiosas judaicas. O problema para os intérpretes até tempos recentes foi que, enquanto tais grupos como os fariseus e saduceus eram bem conhecidos a partir dos Evangelhos, nenhuma testemunha contemporânea lhes era conhecido por ter sido preservado. No entanto, quando os Manuscritos do Mar Morto foram descobertos e estudados verificou-se que eles foram preenchidos com inúmeras descrições e relatos dessas seitas judaicas, com os quais a Comunidade que escondeu os pergaminhos também tiveram controvérsia. Os alunos dos Evangelhos agora têm a vantagem de ler comentários complementares sobre esses grupos desde antes do nascimento de Cristo, ainda empregando as fortes declarações semelhantes reminiscentes de Jesus. A esta luz, a arqueologia também nos deu incontáveis ​​textos complementares, tais como contas de Criação e inundação que paralelo as histórias das escrituras, demonstrando a confiabilidade de Bíblia. Estes não só revelar o caráter histórico da Bíblia, mas enfatizam a sua singularidade quando comparado com outros documentos antigos do Oriente Próximo. A este respeito as descobertas das literaturas religiosas dos sumérios, egípcios, hititas, assírios, babilônios e cananeus foram todos destacou a originalidade eo carácter distintivo teológica da Bíblia.

Arqueologia e Páscoa

Quando chegamos à mensagem da Páscoa de mudança de vida, com a sua conta da crucificação e ressurreição de Jesus, a arqueologia confirma mais uma vez que, apesar de milagres estão envolvidos estão sendo promulgada na arena da história real. Isto é importante para os cristãos em dois aspectos. Em primeiro lugar, nossas histórias da temporada, pregou com paixão em serviços Páscoa e realizada com pompa em produções de Páscoa, pode conotar um ar de irrealidade. Como acontece com qualquer verdade que se tornou tradição podemos perder o sentido de sua configuração original neste mundo e sentir que pertence a algum outro. Tal perda de conexão com o contexto do mundo real do cristianismo - e, especialmente, dos fatos definidores da nossa fé - põe em perigo a nossa prática do verdadeiro significado da temporada, ou seja, a nossa salvação pessoal fornecida na cruz e ressurreição de vida eo futuro esperança da nossa própria ressurreição corporal. Arqueologia transforma nossas concepções flanelógrafo de Jesus em pressionado roupa que anda na grama tapete e substitui-lo com uma figura real a partir de um mundo real que apela para a fé verdadeira. Como arqueologia informa justamente a nossa compreensão dos eventos de Páscoa, isso não diminui o milagre da mensagem, mas aumenta a nossa fé no seu cumprimento histórico.

Uma segunda preocupação para a importância da arqueologia à Páscoa cresce fora o primeiro e relaciona-se com o problema do conceito atual pós-moderna do cristianismo como uma experiência que transcende a história. Isso é bem expressa por Marcus Borg, professor da Oregon State University e presidente do Seminário Jesus: "A verdade da Páscoa não depende se realmente havia um túmulo vazio ... É porque Jesus é conhecido como uma realidade viva que nós levar a sério as histórias de Páscoa, e não o contrário. E levá-los a sério não precisa significar a tomá-los literalmente. " No entanto, escavações arqueológicas (ver barras laterais) têm dado provas suficientes de que não há qualquer razão para levar as histórias de Páscoa tanto a sério e, literalmente.

Tocando o túmulo de Jesus

Os eventos mais graves da história da Páscoa estão centradas em torno do sepultamento e ressurreição de Jesus. A arqueologia tem revelado muitos túmulos da Judéia do primeiro século que correspondem à descrição no tipo dos Evangelhos do túmulo de Jesus. No entanto, é possível identificar o túmulo real em Jerusalém registrado nestas contas? Turistas cristãos mais favorecem o site protestante conhecida como "Jardim da Tumba" descoberto em 1883 pelo oficial britânico Charles Gordon. Aqui em um ambiente sereno fora das paredes apresentam -dia de Jerusalém pode ser encontrada uma tumba resistido situado ao lado de uma colina de pedra calcária profundamente erodido que Gordon identificado como "Colina do crânio" (agora conhecido como "Calvário de Gordon"). No entanto, o exame arqueológico do local por arqueólogos Jerusalém Gabriel Barkay e Amos Kloner demonstraram que o Jardim do Sepulcro é parte de um sistema de túmulos tipo II Idade do Ferro na área todos datando do período do Primeiro Templo (oitavo-sétima séculos BC). O mais proeminente destes túmulos estão localizados ao lado do túmulo do jardim na propriedade da escola francesa de arqueologia, a Escola Bíblica. Uma vez que o Novo Testamento diz que Jesus foi enterrado em "um sepulcro novo, em que ninguém ainda havia sido posto" (João 19:41), o Jardim da Tumba, já cerca de 800 anos no tempo de Jesus, não pode satisfazer explícito do Evangelho critérios.

No entanto, o local tradicional da Igreja do Santo Sepulcro, que tem uma história que remonta pelo menos ao século IV dC, com base na sua descrição em fontes bizantinas ea existência de colunas ainda em uso hoje da igreja de Constantino, o Grande , tem o apoio arqueológico significativo. Embora hoje ele está localizado dentro dos atuais muros da Cidade Velha, e os Evangelhos especificar que Jesus foi crucificado "fora dos muros" (João 19:20; Hebreus 13: 11-12), as paredes modernos não seguir o curso antigo . Isso foi comprovado no final dos anos 1960, quando o arqueólogo britânico Kathleen Kenyon descobriu que a parede agora colocando o Santo Sepulcro foi um "Second Wall" construídos depois da época de Jesus (cerca de 41 dC). Portanto, quando Jesus foi crucificado o site teria sido fora do anterior "Primeiro Wall." Além disso, em 1976 o arqueólogo israelense Magen Broshi descobriu uma parte da parede herodiano original na seção nordeste da igreja. Isto revelou que a área sobre a qual a Igreja está construída foi apenas fora da parede ocidental da cidade, na linha da primeira parede. Além disso, outros arqueólogos descobriram que uma "porta de jardim" foi nesta parede, fato que está de acordo com menção de um jardim na área do Evangelho. O exame dos túmulos nas proximidades da Igreja do Santo Sepulcro confirmar que eles são do final do período do Segundo Templo (século I dC), o próprio tempo em que Jesus teria vivido. O tipo de tumba também coincide com o tipo exato do túmulo em que Jesus foi colocado.No primeiro século dois tipos de túmulos estavam em uso. Um deles foi o túmulo kokim mais comum que empregava nichos longo estreitas, abertas para a câmara das paredes da caverna de sepultamento em ângulos retos. A outra conhecida como thearcosolia sepultura tinha bancos rasas cortadas paralelamente à parede da câmara com um topo em forma de arco sobre o recesso. Estes tipo de túmulos foram reservados para aqueles de riqueza e alta posição. Este parece ser o tipo de túmulo em que Jesus foi colocado porque Jesus túmulo foi dito ser o túmulo de um homem rico (Mateus 27:57; cf. Isaías 53: 9), o corpo podia ser visto pelos discípulos como previsto ( algo possível apenas com um corte túmulo banco), John 20: 5, 11, e os anjos foram vistos sentados, tanto a cabeça e os pés (João 20:12). O "Tomb of Jesus" no local tradicional, embora deformada por séculos de peregrinos devotos, é claramente composta de uma antecâmara e uma arcosolium talhado na rocha ..

A Igreja do Santo Sepulcro também inclui uma porção de uma colina pensado para ser o verdadeiro sítio do Calvário. Escavações para expor mais desta rocha revelaram que era uma parte rejeitada de um branco pedreira pré-exílico, como evidenciado pela Idade do Ferro II cerâmica no local. A esta luz, se este é o site real tem sido sugerido que a citação do Salmo de Peter 118: 22: "A pedra que os construtores rejeitaram ..." pode ter um duplo significado (ver Atos 04:11; 1 Pedro 2: 7). No primeiro século aC esta pedreira rejeitada tinha feito a transição de um despejo de lixo para um local de enterro. Ele também dá evidência de que ele foi localizado perto de uma estrada pública no tempo de Jesus, outro fator que ajuda a qualificá-la como o local autêntico desde registro dos Evangelhos que aqueles que passam pelo lugar onde a cruz de Jesus estava situada foram capazes de zombar Ele ( veja Mateus 27:39) .A natureza do local de rock se encaixa tanto as exigências judaicas e romanas como um local de execução e pode ser por causa de sua associação com um lugar de morte que era chamado na época de Jesus o "lugar da crânio. " Esta rocha sobre a qual a Igreja foi construída ainda pode ser visto hoje em parte através de uma seção preservada para a visão que tem evidência de atividade sísmica, o que está de acordo com a história do Evangelho (Mateus 27:51).

Escavações realizadas na década de 1970 atrasado no local revelou mais uma prova para este ser o lugar onde o drama da Páscoa original foi executada. Nas partes mais baixas da Igreja foram descobertos os fundamentos do imperador romano Adriano "Forum", em que seu Templo de Afrodite tinha sido erigida em torno AD135. Adriano seguido costume romano na construção de templos pagãos e santuários para substituem estruturas religiosas anteriores. Isso foi feito no local do Templo Judaico, localizado não muito longe da Igreja do Santo Sepulcro, eo quarto historiador da igreja do século e Bispo de Cesareia Eseubius confirma que também foi feito neste caso: "Adriano construiu uma plataforma rectangular enorme sobre esta pedreira, escondendo a caverna sagrada sob esta enorme monte. " Se a Igreja do Santo Sepulcro é o site real venerado pelos cristãos como o túmulo de Jesus, isso explicaria este local para o edifício romano.

Pensamentos Finais

Quando os discípulos do primeiro ao sepulcro naquela primeira manhã de Páscoa, os Evangelhos registro: ". O corpo de Jesus não encontraram" Da mesma forma, através dos tempos céticos e os críticos também vêm, seja literal ou figurativamente, eo veredicto da história manteve-se o mesmo como nos tempos antigos - ". Seu corpo não encontraram" Em última análise, a arqueologia pode nos levar para o túmulo, mas apenas fé - informado pelos fatos - pode nos conduzir a Cristo. No entanto, porque a arqueologia tem nos mostrado que os factos que suportam fé são precisos - um túmulo de identificação que comprove a eventos literais - nossa fé no Cristo da história não depende em cima de um túmulo vazio historicamente para a sua realidade.A arqueologia tem revelado as pessoas (Caifás, Pilatos) e eventos (crucificação, entombment) que compõem a história da Páscoa. A ressurreição é entrelaçada com estes fatos, de modo a comandar a mesma consideração. E quando considerado juntamente com os fatos históricos, sociais e psicológicos do primeiro século que cercam a alegação de que Cristo ressuscitou, as pedras ainda clamam acerca daquele que foi, é e está por vir!

SIDE BAR # 1

Caifás - Nenhum osso de Contenção

Uma das figuras de destaque na história da Páscoa é o sumo sacerdote judeu Caifás. A partir AD 18-36 atuou como o líder do Sandhedrin, o conselho supremo judeu responsável pelos assuntos jurídicos nos dias de Jesus. Foi Caifás que profetizaram que Jesus havia de morrer pela nação e pôs em marcha o plano para matá-lo (João 11: 49-53; 18:14). E foi Caifás que presidiu o julgamento tarde da noite em que Jesus confessou a Si mesmo para ser o Messias e foi posteriormente condenado (Mateus 26: 57-68). Ele também estava no pátio da casa Caifás "que Peter esperou por palavra sobre Jesus, mas em vez traiu três vezes como o galo cantou (Mateus 26: 69-75). Hoje, graças à arqueologia, quase 2000 após sua morte, Caifás fez uma reaparição em Jerusalém. Seus restos mortais foram descobertos acidentalmente em novembro de 1990 por trabalhadores da construção civil que estavam começando a construção de um novo parque na Floresta da Paz de Jerusalém, ao sul do Monte do Templo. Como a equipe de trabalho estava cavando, o chão de repente, desmaiou expondo uma câmara funerária do primeiro século com 12 ossuários de calcário (caixas de sepultamento). Uma primorosamente ornamentado ossuário, decorado com rosetas incisos, obviamente pertencia a um patrono rico ou de alto escalão que poderiam ter recursos para tal caixa.Nesta caixa, porém, também foi uma inscrição. Lia-se em dois lugares: Qafa e Yehosef bar Qayafa ("Caifás", "José, filho de Caifás"). O Novo Testamento refere-se a ele apenas como Caifás, mas o historiador judeu do primeiro século Flávio Josefo dá o seu nome completo como "José, que se chamava Caifás do sumo sacerdócio." Dentro estavam os ossos de seis pessoas diferentes, incluindo as de um homem de 60 anos de idade. Na época da descoberta Steven Feldman, editor associado do Biblical Archaeology Review observou: "o achado deve ser particularmente emocionante para alguns cristãos crentes porque para eles isso pode reforçar a exatidão da Bíblia ..." Na verdade ele faz.

SIDE BAR # 2

Pôncio Pilatos - A prova de que Exige um Veredito

Durante a Páscoa Paixão talvez nenhuma pessoa é mais memorável do que a figura conturbado de Pôncio Pilatos, que pronunciou as palavras imortais "Que é a verdade?" Por dez anos a partir de AD 26-36 Pilatos era o oficial romano encarregado da Judéia e, portanto, destinado a confrontar Jesus de Nazaré. Esse dia chegou quando o Sumo Sacerdote Caifás entregou Jesus a autoridade romana para o julgamento e punição oficial. Pilatos tem a distinção de ser a única pessoa durante os ensaios de Jesus que Ele escolheu para falar com. Ele se recusou a responder às rei judeu Herodes Antipas e somente sob juramento fizeram por Caifás. Pilatos somente era dada a explicação muito procurado para créditos messiânica de Jesus, ou seja, que ele era um rei enviado do além deste mundo para trazer a verdade ao mundo (João 18: 36-37). Com base em seu interrogatório de Jesus, Pilatos encontrado provas suficientes para um veredicto, e teria aparentemente lançado Jesus, se não fosse para a pressão política trazida pelo judaica Sandhedrin (João 19: 12-15). Talvez tenha sido por essa razão que Pilatos, desafiando o protesto da Sandhedrin, colocou um cartaz (conhecido como titulus) em exibição pública acima de Jesus na cruz que ler em hebraico, latim e grego: "Jesus, o Nazareno, o Rei dos Judeus "(João 19: 19-22).Hoje, Pilatos falou novamente para trazer provas para a nossa idade que exige um veredicto histórico para a conta do Evangelho. A partir residência oficial de Pilatos no litoral da cidade mediterrânea de Cesaréia Marítima em escavações no teatro romano de Caesarea veio uma placa de pedra com o nome de Pilatos.Os dois pés por laje de três pés, agora conhecida como a Inscrição de Pilatos, foi encontrado re-utilizado como um bloco de construção de um projeto de remodelação do século IV, mas foi um autêntico monumento do primeiro século, aparentemente escrito para comemorar a ereção de Pilatos e dedicação de um Tiberium, um templo para o culto de Tiberíades César, o imperador romano durante o mandato de Pilatos na Judéia. A inscrição em latim de quatro linhas dá seu título como "Pôncio Pilatos, prefeito da Judéia," um título muito semelhante ao utilizado dele nos Evangelhos (cf. Lc 3: 1). Esta evidência arqueológica de Pilatos novamente atesta a veracidade dos escritores do Evangelho. Sua compreensão de tais termos oficiais indicam que viveu durante o tempo da sua utilização, e não um século ou dois depois, quando essa utilização teria sido esquecida.

SIDE BAR # 3

Uma testemunha da crucificação

Um dos eventos centrais da história da Páscoa é a morte de Jesus por crucificação romana. Quando Jesus e os dois criminosos foram crucificados era tanto na tarde do maior festival no judaísmo e no sábado. Portanto, os governantes judeus haviam exigido uma crucificação rápido para não profanar a aproximação dia santo (João 19: 31-32). Tais detalhes arqueológicos revelam que os escritores dos Evangelhos tinha sido testemunha histórica da crucificação, assim como eles disseram (João 19:35). No entanto, porque nenhuma prova material de qualquer vítima crucificado já havia sido descoberto nos céticos Terra Santa e estudiosos negou provimento aos Evangelhos contas como quer imaginado ou impreciso. Eles argumentaram que as unhas não poderia ter sido usado para prender uma vítima crucificada em uma cruz, porque a anatomia das mãos e pés não poderia apoiá-los. Eles foram, em vez ligado por cabos. Este contratados diretamente próprio testemunho de Jesus, quando após Sua ressurreição Ele mostrou Seu corpo crucificado aos seus discípulos e disse: "Vede as minhas mãos e os meus pés ..." (Lucas 24:39).De igual modo, estes mesmos críticos afirmaram que o corpo de Jesus, como o corpo de a maioria dos criminosos e rebeldes, não teria recebido um enterro apropriado, mas em vez disso teria sido despejado em uma vala comum reservado para os cadáveres dos contaminado por crucificação . Portanto, a narrativa a respeito do enterro de Jesus no túmulo de José de Arimatéia (Lc 23: 51-56), a partir do qual Ele ressuscitou, não era nada mais do que um conto fictício. No entanto, a arqueologia, desde então, produziu uma testemunha em contrário. Em 1968, os restos mortais de um homem crucificado de Giv'at ha-Mivtar, um subúrbio do norte de Jerusalém, foi descoberto em um ossário de perto da época de Jesus. O nome do homem, a partir de uma inscrição em aramaico no ossário, era Yohanan ben Ha'galgol, e de uma análise de seus restos esqueléticos ele estava na casa dos trinta anos, aproximadamente a mesma idade de Jesus no momento da Sua crucificação. Sua osso do tornozelo ainda estava perfurado com um 7 polegadas de comprimento prego crucificação e anexado a um pedaço de madeira de uma cruz. Aparentemente, o prego tinha atingido um nó no patíbulo de madeira de oliveira (a seção vertical de uma cruz) e tornar-se assim apresentada que a vítima não pôde ser removido sem reter tanto o prego e um fragmento da cruz. Além disso, de acordo com um analista antropológica, havia marcas de unhas também sobre os ossos do pulso e de uma placa tinha sido usado para apoiar os pés. Este achado revela de novo os horrores da punição romana como registrado nos Evangelhos. Eles indicam que a posição do corpo assumido na cruz estava com as pernas pregadas em ambos os lados da estaca vertical. Portanto, em vez de o corpo estar em linha reta, ele foi empurrado para cima e torcido, causando espasmos musculares dolorosos terrivelmente e, eventualmente, a morte pelo processo excruciante de asfixia. A descoberta refuta a teoria de que as vítimas foram crucificados simplesmente amarrado à cruz. O fato de que os ossos de Yohanan foram encontrados no enterro secundário dentro de um túmulo também refuta a segunda hipótese, para esta vítima crucificada, como Jesus, tinha recebido um enterro judaico adequada.