Translate this Page

Rating: 3.0/5 (934 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


a vulgata latina
a vulgata latina

 

                                            Vulgata

 

I. NOME E SUA HISTÓRIA

1 Presente Uso 2 No início Uso 3 Pós-Hieronymic 4. importância histórica da Vulgata

II. ORIGEM

1. Corrupção e confusão de versões antigas 2. Heresy 3. inevitável separação entre Oriente e Ocidente 4. Pedido do Papa Dâmaso

III. JEROME 'S Tradução e revisão : MÉTODO

1 O Novo Testamento Evangelhos ou Whole Novo Testamento? 2 Antigo Testamento da Septuaginta 3 Tradução do Antigo Testamento do hebraico IV. Recensões POSTERIORES e História da VUL Portão 1 Nos Manuscritos 2. impresso Vulgata

V. MANUSCRITOS DE VULGATE

VI. LATINIDADE

VII. Uso de versões Vulgata

LITERATURA

I. Nome e sua história.

1 Uso atual:

O termo "Vulgata" com nós significa apenas uma coisa - o padrão bíblico de autoridade da igreja latina ou romana, elaborado principalmente pelo trabalho de Jerome. Mas este não é o uso original da palavra e nunca foi tão usado pelo próprio Jerônimo; de fato, não a princípio se referir a uma versão latina ou tradução. A palavra "Vulgata" vem do adjetivo ou particípio vulgataque geralmente acompanhada editio , e significou a primeira corrente de texto ou usados ​​regularmente.Foi originalmente usado como o equivalente a ἔκδοσις κοινὴ , KOINE ékdosis = Septuaginta. Jerônimo e Agostinho ambos usam o termo neste sentido.

 

2 No início Uso:

Jerome ( Comentário em Isaías 65:20 ), " Hoc juxta Septuaginta interpretes diximus, quorum editio toto orbe vulgata est "(e mesmo lugar Isaías 30:22 ), editio vulgata novamente refere-se a Septuaginta. Em outros lugares Jerome realmente dá as palavras gregas (da Septuaginta) como encontradas em editione vulgata ( Comentário em Oséias: 7 13). Agostinho identifica a expressão com a Septuaginta ( De doctr Cristo. , xvi 10..): " Secundum vulgatam editionem, hoc est interpretum Septuaginta ". 

O termo vulgata editio estava próximo estendida à forma em que a Septuaginta foi a primeira conhecida no Ocidente - as versões latinas antigas (ver LATINA; Versões latinas), Embora, como Westcott observa, não parece haver nenhuma instância na idade de Jerome da aplicação do termo para a versão latina do Antigo Testamento sem levar em conta sua derivação a partir da Septuaginta ou ao do Novo Testamento , de modo que Jerome geralmente destinado a Septuaginta que ele citou na forma latina. Vulgata Editio , tendo adquirido o significado do atual texto ou usado normalmente de Septuaginta, foi novamente estendido para significar um texto corrompido ou não corrigido, em oposição ao padrão emendado versão Septuaginta Hexapla de Orígenes, e, nesse sentido, é usada por Jerome como sinônimo de antiqua ou Vetus editio .

 

CVI Epístola. 

2 merece citando a esse respeito: " Admoneo aliam Translatores ESSE editionem quam Origenes et Caesariensis Eusébio omnesque Graeciae ( κοινήν , koinḗn ), Ou seja communem recorrente atque vulgatam, et um plerisque ( Λουκιανός , Loukianos nunc dicitur: aliam Septuaginta interpretum quae em ( Ἑξαπλοῖς , Hexaploıs ) (Ou seja, de Orígenes) codicibus reperitur, et a nobis em Latinum sermonem fideliter versa ... ( κοινή , KOINE ) ( communis editio ) ... Vetus Corrupta editio est, ea antem quae habetur em ( Ἑξαπλοῖς , Hexaploıs et quam Nos vertimus, ipsa quae est em eruditorum libris incorrupta et Imaculada Septuaginta interpretum translatio reservatur . "(" Lembro-me de que um é o texto que Orígenes e Eusébio de Cesaréia e todos os tradutores gregos chamam de (κοινή , KOINE ), Ou seja, o texto comum e corrente, e agora é chamado pela maioria das pessoas de Lucian (versão); o outro é o texto dos tradutores da Septuaginta, que é encontrado em códices (ou livros) de Orígenes (ou a Hexapla), e foi fielmente traduzido por nós para a língua latina ... o KOINE (O texto comum) ... é o velho texto corrompido, mas o que se encontra na Hexapla, e que estamos traduzindo, é o mesmo que a versão dos tradutores da Septuaginta tem preservado inalterado e imaculada nos livros dos estudiosos. ")

 

3 Pós-Hieronymic:

Foi só muito lentamente que a versão de Jerônimo adquiriu este nome, a frase vulgata editiosendo aplicada a Septuaginta ou as versões latinas antigas da Septuaginta, por vezes, até os tempos medievais, enquanto a tradução de Jerônimo era conhecido como editio nostra, códices nostri, Tradução emendatior, ou tradução quam Tenet Rorn ecclesia . Os Padres tridentinas eram, portanto, culpado de um anacronismo quando se referiam a tradução de Jerônimo como Vetus et vulgata editio . Roger Bacon foi aparentemente o primeiro, no século 13, a aplicar o termo Vulgata em nosso sentido (não exclusivamente, mas também para a Septuaginta), e este uso tornou-se clássica através da sua aceitação por parte do Concílio Tridentino (" Vetus et vulgata editio " ).

 

4. importância histórica da Vulgata:

 

O interesse da Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo, 390-405 AD) será aparente quando refletimos que esta tradução mostrou-se para o Ocidente que a Septuaginta foi para o Oriente, que foi preparado com muito carinho pelo maior estudioso quem cristianismo latino produzido, que foi por centenas de anos, a única Bíblia em uso universal na Europa, que nos deu muito da nossa terminologia teológica moderna, além de ser o patrocinador para muitas palavras gregas que têm enriquecido as nossas concepções. Ele também provou ser de primordial importância como testemunha cedo e excelente para o texto sagrado. 

Acrescente-se que "direta ou indiretamente, é o pai verdadeiro de todas as versões vernaculares da Europa Ocidental", exceto o gótica de Ulfilas. Para os estudantes de língua Inglês possui interesse peculiar como a fonte das traduções anteriores feitos pelo Venerável Bede, e porções do Antigo Testamento foram traduzidas no século 10 a partir da Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo, 390-405 AD) por Aelfric.Sua maior influência foi exercida na versão em Inglês de Wycliffe - uma tradução literal da Vulgata (1383). E a Bíblia de Coverdale (1535) era "fiel e verdadeiramente traduzido de Holandês (isto é, alemão de Lutero) e latim." A versão Douay Rheims e foi baseada na Vulgata, embora "diligentemente conferida com o hebraico e grego." A Vulgata exerceu considerável influência sobre a versão de Lutero e através dele sobre a nossa a King James Version.

II. Origem.

1. Corrupção e confusão de versões antigas:

Cristianismo Latina não tinha sido sem uma Bíblia em sua própria língua. Versões latinas antigas são encontrados no norte da África, logo no meio do 3century e são encontradas nos textos de Cipriano e Tertuliano. Mas essas traduções foram caracterizadas por "simplicidade", "grosseria" e provincianismo. Não houve uma versão oficial de fábrica com qualquer reconhecimento eclesiástico. Versões foram bastante devido a "esforços individuais e sucessivas."

 Agostinho diz que qualquer um que se apoderou de um manuscrito grego e achava que sabia latim e grego se aventuraria em uma tradução. Estas versões originaram na África e não a partir de Roma, outra coisa que tinha sido mais autoritário. Além disso, os dois primeiros séculos da Igreja Rom foram bastante grego; a mais antiga literatura cristã de Roma é grego, seus bispos têm nomes gregos, sua primeira liturgia era grego. Quando a igreja da Itália tornou-falando Lat - provavelmente no final do 3century - os provincianismos da versão Africano tornava impróprio para os romanos mais polidas, e assim recensões foram chamados. 

Os estudiosos reconhecem agora um modelo europeu de texto Old Latina. E Westcott acha que uma recensão italiana do Norte (pelo menos nos Evangelhos) foi feita no século 4. e conhecido como o Itala (ver LATINA), E que ele reconhece na Itala mencionado em agosto, De doctr. Cristo , xv, como "verborum tenacior cum perspicuitate sententiae".; mas o FC Burkitt ( The Old Latina e Itala, 54 ss) leva a Itala aqui como se referindo a versão de Jerônimo. Em meio a tanta confusão eo aparecimento de recensões nacionais ou provinciais, a Igreja Latina tornou-se consciente da necessidade de uma edição padrão. Havia quase tantos tipos de textos como havia manuscritos: "Tot exemplaria paene códices quot", diz Jerônimo ( Prefácio à Evangelhos ). Translatitons independentes e não autorizadas ou anônimos "- especialmente do Novo Testamento - auxiliados pela negligência dos escribas, fez uma confusão ainda pior Agostinho se queixa disso." Latinorum interpretum infinita varietas ".

 

2. Heresia:

Além da inconveniência na pregação e as variações litúrgicas, uma maior demanda por uma versão autoritária surgiu do relógio contínua da igreja primitiva contra os hereges. Confusão de texto cumplicidade heresia, ea ausência de um texto padrão tornou mais difícil para refutá-la.Além disso, os judeus, com um texto autorizado, riu da confusão das Escrituras cristãs.

3. inevitável separação entre Oriente e Ocidente:

A separação inevitável do Oriente e do Ocidente, tanto política quanto eclesiasticamente, ea divisão entre o grego eo latim cristianismo, tornou a existência de um texto em latim norma imperativa. O cristianismo foi considerada a religião de um livro, e, portanto, que o livro deve ser inspirada e autorizada em cada palavra - mesmo na sua ordem de palavras.

Papa Dâmaso determinado a remediar este estado de coisas, e com toda a autoridade do papa ver encomendado Jerome para produzir uma versão autêntica e padrão autorizado

4. Pedido do Papa Dâmaso:

A escolha do papa não poderia ter caído em cima de um estudioso mais competente - um homem que tinha sido providencialmente talentoso e preparado para a tarefa. Jerome - seu nome em latim era Eusébio Hieronymus - nasceu em Stridon nas fronteiras da Dalmácia cerca de 340 AD, ou um pouco mais tarde, de ascendência cristã. Ele tinha as vantagens da melhor educação clássica e tornou-se um estudante devotado dos melhores escritores latinos. Em um sonho que ele teve uma visão de julgamento, e no que diz ser um cristão que foi repreendido: "Mentiris, Ciceronianus es ., Não Christianus "Ele começou seus estudos teológicos na Gália, mas depois procurou o isolamento da vida ascética no deserto perto de Antioquia Aqui ele estudou hebraico de um rabino convertido, a fim de subjugar paixões ferozes pelas dificuldades de linguagem que cerca de 375.. ou 376 começou sua correspondência com Dâmaso. Em 382 ele chegou a Roma, e tornou-se amigo íntimo e conselheiro de Dâmaso.

III. Traduções e Revisões de Jerônimo: Método.

1 O Novo Testamento:

Estas se dividem em três grupos principais: (1) revisão do Novo Testamento; (2) Antigo Testamento juxta a Septuaginta; (3) Antigo Testamento do hebraico. A data exata da comissão do papa não é dado: foi provavelmente em 382 - o ano da chegada de Jerome em Roma - ou no início de 383, ano em que os Evangelhos apareceu em forma de revista. Dâmaso pediu simplesmente para uma revisão das versões Old latim, com a ajuda do grego, em vez de uma nova versão Jerome recolhidos manuscritos gregos e, cuidadosamente, comparando-os com o tipo "italiano" de textos do Antigo Latina; sempre que possível, a Velha Latina foi preservada.Assim, Jerome abordado a tarefa com um espírito conservador. Ainda assim, o resultado foi uma mudança considerável no antiga versão latina, as mudanças que são (1) linguística, a remoção de provincianismos e grosseria, (2) na interpretação, por exemplo supersubstantialis paraἐπιούσιον , epioúsion , Na oração do Senhor, (3) a remoção de interpolações, (4) a inserção dos Cânones Eusebian.

Evangelhos ou Whole Novo Testamento?

É discutível se Jerome revisto todo o Novo Testamento, ou apenas os Evangelhos.

Contra a revisão de todo o Novo Testamento, os argumentos brevemente são: (1) Que Agostinho, escrita 20 anos após o aparecimento dos Evangelhos revista, fala apenas de "Evangelho": (. Civ Epístola 6) "Evangelium ex greco interpretatus est" ; mas Augustine pode aqui ser de modo geral ou a aplicação de "Evangelho" para todo o Novo Testamento. (2) Jerome em seu prefácio, aparentemente, fala de "apenas quatro Evangelhos" ("quattuor tantum Evangelia"). (3) O resto do Novo Testamento não mostram os mesmos sinais de Revisão dos Evangelhos. (4) A ausência dos prefácios habituais ("praefatione solita") para versões revisadas de Jerome. Por outro lado, mais do que contrabalançar estes, (1) Dâmaso necessário uma revisão do conjunto do Novo Testamento, não só dos Evangelhos ( Prefácio de Dâmaso ). (2) Em outras declarações de Jerome ele expressamente diz que revisou o Novo Testamento (não Evangelho ou Evangelhos); em cxii Epístola. 20, ele parece corrigir de Agostinho evangeliumescrevendo: " Si me, dicis UT, em Novi testamenti Emendatione suspicis ", e na Epístola lxxi. 5, "I traduziu o Novo Testamento de acordo com o grego" (" NT Graecae reddidi auctoritati "); comparar também De Vir . Ill, CXXXV (3) Jerome cita passagens fora dos Evangelhos, onde sua versão difere da Velha Latina.. VSS, Por exemplo, Romanos 12:11 ; 1 Timóteo 1:15 ; compararEpístola xxvii. (4) Dâmaso morreu no final de 384 - talvez antes do resto da revisão de Jerônimo foi publicado, e assim por Jerome pensei Nada mais prefácios necessário.

2 Antigo Testamento da Septuaginta:

A conclusão mais provável é que Jerome revisto todo o Novo Testamento, embora nem todos com o mesmo cuidado. Sua revisão foi precipitada e logo tornou-se mais ou menos confuso com as versões latinas antigas para que as pessoas se agarravam como eles fazem para todas as versões antigas. Tendo provavelmente completou o Novo Testamento do grego, Jerome começou imediatamente no Antigo Testamento do grego da Septuaginta.

(1) Saltério Romano.

Ele começou com os Salmos, que ele simplesmente emended apenas quando imperativamente exigido (compare prefácio), e superficialmente (cerca de 384). Esta revisão é chamado de Rom Saltério ( Psalterium Romanum ), que continuou em uso em Roma e na Itália até que foi deslocado sob o pontificado do Plus 5 pela galicano Saltério, embora o Saltério Romano ainda é usado em Pedro, em Roma, e em Marcos , Milan.

(2) Galliean Saltério.

Este Saltério logo tornou-se tão corrompida pela antiga versão latina que Jerome (cerca de 387) realizou uma segunda revisão a pedido de Paula e Eustochium. Isso ficou conhecido como o Saltério galicano causa de sua popularidade no início de Gália. Também foi feita a partir da Setenta, mas com a ajuda de outras versões grego. Jerome adotado em que os sinais críticos usados ​​por Orígenes - uma passagem fechada entre um e dois pontos Obelus estar ausente do hebraico, mas presente na Septuaginta, que entre um asterisco e dois pontos estando ausente a partir da Septuaginta, mas fornecida a partir de Theodotion ( Prefácio Salmos ).

(3) Resto do Antigo Testamento.

Sobre o mesmo tempo Jerome publicou traduções de outros livros do Antigo Testamento da Septuaginta. Job foi revisto logo após o galicano Saltério. O prefácio de Provérbios, Eclesiastes, Cânticos e Chronicles é existentes para mostrar que ele tinha revisto esses livros. Jó e Salmos são os únicos livros desta revisão juxta Septuaginta existentes.

Ele é novamente contestado se Jerome concluído todo o Antigo Testamento nesta revisão porque (1) os prefácios habituais são novamente falta (a não ser para os livros já citados), e (2) em seus prefácios para a revisão do hebraico Jerome não faz referência para uma revisão anterior do seu próprio; (3) o trabalho implícita era grande demais para o espaço breve possível e deve ter sido feito entre 387.390 (ou 391), para por esta última data ele já estava na tradução do hebraico. Mas Jerome era um trabalhador fenomenal, como ficamos sabendo que sua tradução de Provérbios, Eclesiastes e Cantares do hebraico foi feita em três dias. E seu comentário sobre Efésios foi escrito a uma taxa de 1.000 linhas por dia.

Jerome provavelmente completou o todo, como podemos inferir a partir de suas próprias declarações positivas diretas. Ele fala de "mea em libris canonicis interpretatio "(cxii Epístola 19;. ver referências em Westcott), e no prefácio aos Livros de Salomão após a Septuaginta , ele afirma que ele fez Sabedoria não é correto e Eclesiástico ", desejando apenas apostilas do livros canônicos "(" tantummodo canonicas scripturas vobis emendare desiderans "). Mais uma vez, ele fala de ter cuidadosamente traduzidos da Septuaginta para o latim ( Con Ruf , ii 24;.. comparar Epístola LXXI).

3 Tradução do Antigo Testamento do hebraico:

Se o pós-escrito Epístola CXXXIV, para Agostinho é genuíno, Jerome reclama que ele tinha perdido a maior parte de seus antigos trabalhos por fraude (" pleraque enim priori laboris fraude cuiusdam amisimus "). E os pedidos Agostinho ( Epístola xcvi. 34) de Jerome suas versões da Septuaginta (" mittas Nobis, obsecro, interpretationem tuam de Septuaginta quam te edidisse nesciebam "). Tendo no decurso destes trabalhos descobriu a condição insatisfatória do texto da Septuaginta e seus amigos implorando a necessidade de uma tradução direta do hebraico, Jerome começou esta enorme tarefa cerca de 390 com Samuel e Reis, que publicou com ogaleatus Prologus (" prólogo de capacete ") ao lado dos Salmos (cerca de 392), Jó e os profetas (393), 1,2 Esdras (cerca de 394) (3,4 sendo omitida), Crônicas (396). Seguiu-se uma doença grave até 398, quando "aegrotationem pós longam" ele traduziu Provérbios, Eclesiastes e Cânticos.Ele então começou a Octateuch: "Octateucho QUEM nunc em manibus habeo" ( Epístola lxxi 5.), o Pentateuco sendo traduzido pela primeira vez em 401, Josué, Juízes, Rute e Ester logo depois (xl.4: "post Sanctae Paulae dormitionem" ). Tobit e Judith foram traduzidos para ele a partir de Caldeu em hebraico do que ele então os traduziu para o latim (cerca de 405), e um pouco antes ou depois destes acrescentou as adições apócrifas a Daniel e Ester. Baruch ele passou.Sabedoria e Eclesiástico não foram revisadas por ele. Se ele revisados ​​Macabeus é duvidosa.Assim, foi concluído em 15 anos extenuantes (390-405) um trabalho que se tem revelado umκτῆμα ἐς ἀεί , ktḗma es AEI (Tucídides i. 22), "a posse de todos os tempos." A tradução foi em grande parte realizada a pedido de amigos e sem nenhum pedido papal. Na verdade Jerome não fingiu estar trabalhando para publicidade; ele realmente pediu um amigo para não mostrar sua tradução.

Recepção.

Mas a natureza humana raramente reconhece mérito em sua própria geração, eo espírito de conservadorismo subiu em rebelião contra a inovação benéfica. Jerome foi acusado de desprezar a Septuaginta, que mesmo aos olhos de Agostinho foi igualmente inspirada com o original hebraico. Temperamento explosivo de Jerônimo e sua língua mordida não foram calculados para conciliar.

IV. Recensões subseqüentes e História da Vulgata.

1 Nos Manuscritos:

Aos poucos, a oposição feroz morreu para baixo, e até mesmo pelo tempo dos homens de Jerome morte estavam começando a perceber os méritos de sua versão que Agostinho utilizados nos Evangelhos. Algumas partes da Vulgata de Jerônimo (390-405 AD), ganhou o seu caminho para a popularidade muito mais cedo do que os outros - as versões latinas idade morreu duro e não sem causar muitos uma ferida na Vulgata. 

Sua Saltério do hebraico nunca derrubou o gaulês, que ainda mantém o seu lugar na Vulgata. Alguns estudiosos foram capazes de apreciar a edição de Jerome, mais cedo do que outros. E foi em datas diferentes, que as diferentes províncias e países do Ocidente adotaram. Pelágio usou em seu comentário sobre as epístolas paulinas. Como seria de esperar, as versões Old latim manteve o seu lugar o mais longo no lugar da sua origem- NÁfrica Orth. Grã-Bretanha revelou o próximo mais conservador. As versões antigas nunca foram autoritariamente deposto, e assim a versão de Jerônimo foi obrigado a ganhar o seu caminho por seus próprios méritos.

 No século 5 - especialmente na Gália - continuou a crescer em popularidade entre os estudiosos, sendo adotado por Vicente de Lerins, Eucherius de Lyons, Sedulius e Claudianus Mamertus e Próspero de Aquitânia. No século seguinte, seu uso tornou-se quase universal, exceto na África, onde a Velha Latina foi contratada pela Junilius e Facundus. No final do século 6. Papa Gregório Magno reconhece que o novo (ou seja, a Vulgata) ea idade são ambos igualmente utilizado pela Sé Apostólica; e, assim, a Vulgata foi, pelo menos em pé de igualdade com o velho. No século 7 retiros latino-idade, mas vestígios de que sobrevivem até à Idade Média, afetando e corrompendo a versão Jerome. Textos mistos e leituras fundidos surgiu - a familiaridade do velho latim em lectionaries e liturgias dizendo na Vulgata. O Novo Testamento, sendo apenas uma revisão e não uma nova tradução, e estar mais em uso, degenerou mais.

(1) No início do século 6 a necessidade de um texto emendated Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo, 390-405 dC) foi sentida, e Cassidorius decidiram rever parte dela. Esta foi apenas a iniciativa privada e pouco fez para conter a enxurrada de corrupção.

(2) Sobre o fim do século 8, Carlos Magno encomendou um inglês Alcuíno, abade de Martin, Tours, para produzir um texto revisto em função dos melhores manuscritos latinos, sem referência ao texto grego. Alcuíno enviado para York por seus manuscritos e, assim, produziu um texto depois de manuscritos britânicos. No dia de Natal, 801 AD, ele apresentou o imperador com o texto emendado. A autoridade pela qual este texto foi preparado e seu uso público, juntamente com a classe de manuscritos utilizados fez muito para preservar a pura Vulgata (latim Bíblia de Jerônimo, 390-405 AD) Texto e ficar interpolações: "Os melhores manuscritos de sua recensão não diferem muito do texto Hieronymian puro "(Westcott).

(3) Outra recensão sobre a mesma data - mas a iniciativa privada de um estudioso - foi produzido por visigodo, Theodulf, um bispo de Orleans. Ele fez a família espanhola de manuscritos, juntamente com os do Sul da França, a base de seu texto. Seus inscreverem variantes na margem realmente ajudou no processo de corrupção. Seu texto - embora preparado pelo enorme trabalho - foi muito inferior ao de Alcuíno e exerceu pouca influência em face da versão oficial de Alcuíno. manuscritos foram rapidamente multiplicado no século 9 no modelo Alcuinian pela escola de Tours, mas com descuido e pressa que ajudou a uma degeneração rápida do texto.Mais uma vez a confusão pediu remédio.

(4) No século 11 Lanfranco, bispo de Canterbury (1069-1089), tentativa de correção - aparentemente com pouco sucesso. Em meados do século 12, Stephen Harding de Cister produziu uma revisão - existente no manuscrito em Dijon biblioteca pública (número 9), como também o cardeal Nicolau. O aumento da demanda por Bíblias no século 13 deu oportunidade para mais corrupção do texto - editores e copistas ser indiferente quanto ao caráter do manuscrito escolhido como base.

(5) Em consequência da fama, da Universidade de Paris no século 13 ea enorme actividade na produção de manuscritos bíblicos, não resultou de um tipo de texto chamado por Roger Bacon Exemplar Parisiense, para o qual ele não tem nada de bom a dizer.

(6) os mesmos passos do século foram levados para um texto padrão e para ficar a corrupção, a elaboração de correctoria, ou seja, livros em que as leituras dos manuscritos gregos e latinos foram pesadas para decidir um texto, a autoridade dos Padres citados, etc . Alguns dos principais correctoria são: Correctorium Parisiense conhecido também como Senonense - um dos piores, seguindo o tipo parisiense de texto; Correotorium Vaticanum , o melhor; Correctorium Sorbonicum , na Sorbonne; Correctorium Dominicanum .

2. impresso Vulgata:

(1) As primeiras edições.

Pouco mais foi feito até a invenção da imprensa, e os primeiros produtos da imprensa foram Latina Bíblias. Infelizmente no início do texto atual foi aceite sem quaisquer trabalhos críticos, e assim os primeiros Vulgates impressos apenas perpetua um texto inferior. Apenas uns poucos dentre algumas centenas de versões anteriores podem ser observados: ( a ) o Mazarin Bíblia - um dos livros mais belos e valiosos do mundo - impresso em Mainz sobre a meados do século 15 (1455, Westcott) por Gutenberg , Schoffer ou Fust; ( b ) a primeira Bíblia publicada em Roma em 1471 por Sweynheym e Pannartz e reimpresso em Nuremberg em 1475; ( 100 ) 1.504 a edição de Paris com variantes; ( d ) uma edição em Poliglota Complutense (1514 ff) de manuscritos antigos e do grego; ( e ) praticamente a primeira edição crítica, por Robertus Stephanus (edição lst 1528,2nd 1532, reimpressa mais tarde), de interesse como sendo praticamente a base do padrão Vulgata Roman; ( f ) Edição crítica Hentenian (Louvain, 1547). As tentativas de produzir um texto corrigido pela ajuda do original foram feitas por Erasmo em 1516, Pagninus em 1518 ff, o Cardeal Caetano, Steuchius em 1529, Clarius em 1542, etc Mesmo novas traduções foram feitas por ambos católicos e protestantes. Este número desconcertante de versões e as controvérsias do século 16 chamado para uma edição standard. O Concílio de Trento (1546) retomou o assunto e decretou que o "ipsa Vetus et vulgata editio quae Iongo tot saeculorum usu em ipsa ecclesia probata" ("o mesmo texto antigo e usado normalmente que foi aprovado na igreja se pela longo uso de tantos séculos ") deve ser considerada como autêntica ( authentica ). Por isso, eles aparentemente significava a versão Jerome, mas não indicou em que manuscrito ou edição impressa que era para ser encontrado.

(2) Sixtine Edição (1590).

Não foram tomadas novas medidas para o presente para garantir uma Bíblia padrão oficial para a Igreja - a edição privada de John Hentenius de Louvain servindo entretanto até o pontificado de Sisto V. Este papa confiou o trabalho de uma comissão sob o Cardeal Caraffa, mas ele próprio tenazmente cooperado. Manuscritos e edições impressas foram examinados, mas o original grego ou hebraico deveria ser considerado decisivo nas dificuldades. O resultado foi publicado como edição Sixtine da Vulgata pela imprensa do Vaticano, em 1590 (veja o título na primeira e segunda páginas). O texto se assemelha a edição de Stephanus de 1540 Um novo método enigmático verso de enumeração foi introduzido.

 Como seria de esperar, não foi prefixado para a edição de uma Bull Aeternus ille , etc, em que os sacerdotes deram a si mesmos o crédito por seu trabalho meticuloso, eo resultado foi declarada a Vulgata autorizada do Concílio Tridentino, "pro vera, legítima, authentica et indubitata, em omnibus Publicis privatisque disputationibus ... "(" em virtude da verdade, o uso, a autenticidade e certeza, em todos os conflitos de interesses públicos e privados "). Erros de impressão foram corrigidos pela caneta ou colando um pedaço de papel com a correção sobre o erro. Esta edição não estava a ser reproduzida por 10 anos, exceto no Vaticano, e depois disso qualquer edição deve ser comparado com a edição do Vaticano, de modo que "nem mesmo a menor partícula devem ser alterados, adicionados ou removidos", sob pena de o "maior excomunhão. " Sisto morreu no mesmo ano, eo jesuíta Bellarmino convenceu Clemente 8 recordar a edição Sixtine e preparar outro Vulgata padrão em 1592.

(3) Edição Clementine (1592).

No mesmo ano apareceu a edição Clementine com prefácio de Belarmino afirmando que Sisto tinha-se decidido a relembrar sua edição por conta de erros de impressão (do qual ele era notavelmente livre). As dores e penas da Sixtine Touro foram contornadas por imprimir o livro como um Sixtine edição, na verdade, a impressão do nome de Sisto, em vez de Clement na página de título: Biblia Sacra Vulgatae Editionis Sixti Quinti Pont. Max. iussu Recognita atque edita . O sistema estranho de verso enumeração do Sixtine foi descartado. O texto em si era bastante do tipo Hentenian. Sem edição futuro deveria ser impresso, exceto no padrão exato ", mesmo para a menor partícula" da edição do Vaticano. Graças em grande parte à bula papal desta edição Clementine de 1592 continua a ser a versão oficial da Igreja Católica Romana. A segunda edição foi publicada em 1593, e uma terceira em 1598 os estudiosos católicos romanos foram desencorajados a realização de uma nova versão, e estudiosos protestantes foram, até recentemente, muito ocupada com os textos originais.

Edição projetada da Bentley do Novo Testamento nunca apareceu. Sob a cobertura dos trabalhos de Jerome um texto corrigido foi publicado por Vallarsi, 1734 - realmente a conclusão e revisão da edição de Martianay de 1706 Pouco mais foi feito na forma de edições críticas até a última metade do século 19.

(4) edições críticas modernas.

Em 1861 Vercellone reimpresso o Clementine Vulgata (com um excelente prefácio), os nomes de Sisto e Clement tanto que aparecem na página de rosto. Em 1906 uma edição - bíblica Sac Vulgatae edição por Hetzenauer - foi publicado em Oeniponte. (A maioria das edições mais recentes foram confinados ao Novo Testamento ou parte dele: Tischendorf, novembro Teste Latina:. textum Hieronymi ... restituit ., Leipzig, 1864; Hetzenauer, novembro Teste Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo, 390 -405 dC) ed .: ex IVA. edições earumque correctorio critice edidit PMH ., ​​Oeniponte, 1899) The Oxford Vulg, preparado por J. Bishop Wordsworth e HJ Branco, de que a primeira parte foi publicada em 1889, é um abrangente trabalho de grande valor. P. Corssen publicada a primeira parcela de um Vulgata Novo Testamento ( Epístola ad Gal , Berlim, 1885).Esta é exclusiva das edições impressas de vários manuscritos importantes. Papa Pio 10 confiada a preparação de uma edição revisada da Vulgata para a ordem beneditina - mas ainda nada apareceu.

V. Manuscritos da Vulgata.

Para dar uma lista satisfatória seria impossível dentro dos nossos limites de espaço. O número é legião - estimado em cerca de 8.000. Até o momento a mesma ordem não foi chamado para fora do caos da Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo, 390-405 dC) e manuscritos velho latim na forma em que Westcott e Hort reduziram os manuscritos gregos do Novo Testamento a um sistema. O estudante pode convenientemente abordar o assunto na lista de Branca na quarta edição do Scrivener, APdeitado Introdução à Crítica do Novo Testamento , 2 67 ff, ou o mais longo por Gregory no de Tischendorf grego do Novo Testamento , 8 ª edição, III, 983 e ss, também no artigo de Westcott em DB ou na de White HDB ; Vercellone, Variae Lectiones , 1860; Berger, Histoire de la Vulgata , 374 e ss.

VI. Latinidade.

O espaço permite apenas algumas observações gerais. O latim das antigas versões era simples, rude e vernacular, abundante em literalisms e provincianismos. De muitas maneiras, no vocabulário, dicção e construção, que ofendeu os estudiosos. Como era natural Jerome suavizada a aspereza das antigas versões e removeu os solecismos mais gritantes e provincianismos ofensivos. Sua obra é uma obra-prima - como o nosso a King James Version - na mistura harmoniosa de popular, linguagem simples, forte e uma tradução acadêmica graciosa. "Como um monumento do poder linguística antiga tradução do Antigo Testamento está incomparável e único" (Westcott).

 A Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo, 390-405 AD) enriqueceu a nossa língua através da introdução de muitas palavras gregas, "apóstolo", "evangelho", "sinagoga", "batismo", etc Ele também nos deu grande parte do nosso vocabulário teológico , "edificação", "justificação", "propiciação", "regeneração", "Escritura", etc Ele ainda mantém muitas marcas de seu nascimento em (1) palavras latinas antigas elevados do vernáculo, (2) africanismos: clarifico , etc, Saeculum para mundus , verbos compostos longa como obtenebrare , etc, (3) Graecisms, como o uso do pronome para o artigo, como hic mundus =ὁ κόσμος , ho kósmos , (4) Hebraisms, como adposuit ut apprehenderet et Petrum ( Atos 12: 3 ; ver obras especiais mencionados no "Literatura").

VII. Use de Vulgata.

No Antigo Testamento, a Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo, 390-405 AD) não é de muita importância para a crítica do texto hebraico, por causa da liberdade que Jerome permitiu-se na tradução, e porque o nosso presente texto massorético hebraico tinha por que tempo gasto na sua forma actual. Mas na Septuaginta, muitas vezes, lança uma luz muito útil. Na versão de Novo Testamento Jerome o classifica praticamente em importância com os nossos manuscritos gregos mais antigos e melhores no estabelecimento (em conjunto com a Velha LatinaVSS) O texto grego recebeu do século 4, tanto por meio de complementar e corrigir nossas autoridades gregas. É nos Evangelhos que a obra de Jerome é mais completo e útil. Sua versão também fornece muitos uma dica para a interpretação do nosso texto grego.

VIII. Diferenças entre Vulgata e nossas versões em inglês.

Além de diferenças de renderização e pontos menores, a Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo, 390-405 AD) texto difere do Inglês na ordem dos livros, no valor contido em alguns deles, na divergência ocasional de capítulo e versículo enumeração. O Novo Testamento é praticamente o mesmo no texto Clementine, embora a ordem dos livros varia em muitos manuscritos - as Epístolas católicas sendo colocado, por vezes, depois de Atos. Em alguns manuscritos da Epístola aos laodicenses é encontrado.

 Mais variedade obtém no Antigo Testamento. A sequência de livros canónicos é o mesmo, mas os livros apócrifos são intercaladas entre eles e não colocado no final. Tobias e Judite estão inseridos entre Neemias (2 Esdras) e Ester, Sabedoria e Eclesiástico entre Cânticos e Isaías. Baruch segue Lamentaions, capítulo 5 do que é chamado de "oração de Jeremias, o Profeta"; 1,2 Macabeus são colocados depois de Malaquias;3,4 Esdras ea Oração de Manassés apresentada como apêndice após o Novo Testamento. Em Salmos a divergência é considerável, a Vulgata - como o hebraico - contando o título como o primeiro verso. Salmo 9 , 10 da nossa versão = Salmo 9 na Vulgata, para que a Vulgata é um Salmo por trás do Inglês até o Salmo 114: 1 -8 , em seguida, o Salmo 114: 1-8 ; 115 novamente formar um Salmo = Vulgata 113 A Vulgata é agora dois atrás. Questões são equalizados pelo Sl 116 sendo dividido em dois na Vulgata (= 114; 115), e 147 novamente = dois Vulgata Salmo 146: 1-10 ; 147 Assim, apenas Salmos 1 a 8 e 148 através de 150 executar o mesmo. Contra o conselho de Jerome as partes apócrifos de Daniel e Ester foram aceitos como parte integrante desses livros, o Cântico dos Três crianças sendo inserido em Daniel 03:23 , Susanna capítulo formando 13 e Bel eo Dragão capítulo 14 Ad Esther está ligada para a fim de Ester. Em conclusão, o presente Vulgata, como diz Westcott, é um composto de elementos pertencentes a cada período e forma de a versão Latina, incluindo (1) unrevised Old Latina (Sabedoria, Eclesiástico, 1 e 2 Macabeus e Baruc); (2) Old Latina corrigido a partir da Septuaginta (Salmos); (3) a tradução de Jerônimo livre do original (Jó e Judith); (4) a tradução de Jerônimo a partir do original (o Antigo Testamento, exceto o Saltério); (5) Old Latina revisto a partir de manuscritos gregos (os Evangelhos); (6) Old Latina superficialmente revista (o resto do Novo Testamento).

FONTE     Internacional Standard Bible Encyclopedia