Translate this Page

Rating: 2.9/5 (953 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


geografia e historia de Jerusalem
geografia e historia de Jerusalem

                              Jerusalém

1. No cuneiforme

A primeira menção de Jerusalém está nas Tell el-Amarna Letras (1450 aC), onde ele aparece sob a forma Uru-lim-sa; aliado a isso, temos Ur-sa-li-IMMU sobre os monumentos assírios do século 8 aC.

A forma bíblica mais antiga é ירוּשׁלם , yerūshālēm , Encurtado em Salmo 76: 2 (compare Gênesis 14:18 ) para Salem, mas no Texto Massorético temos vocalizado ירוּשׁלם ,Yerushalaim. Em Jeremias 26:18 ; Esther 2: 6 ; 2 Crônicas 25: 1 ; 2 Crônicas 32: 9 , temos ירוּשׁלים ,Yerushalayim, Uma forma que ocorre nas moedas judaicas da Revolta e também na literatura judaica; ele é comumente usado pelos modernos judeus talmúdicos.

2. Em hebraico

O hebraico forma com o final - objetivo ou - ayim é interpretado por alguns como sendo uma dupla, referindo-se a Jerusalém superior e inferior, mas essas formas ocorrem em outros nomes como implicando solenidade especial; tal pronúncia é local e tarde.

3. Em grego e latim

Na Septuaginta chegarmos ( Ἰερουσαλήμ , Ierousalem ), Refletindo constantemente a maior brevidade e a pronúncia hebraica comum, a letra inicial sendo provavelmente unaspirated; em breve, no entanto, nos encontramos com ( Ἱερουσαλήμ , Hierousalḗm ) - Com o aspirado - a forma comum de Josep hus, e ( Ἱεροσόλυμα , Hierosóluma ) Em Macc (Livros 2 a IV), e em Estrabo. Esta última forma foi transportada para os escritores latinos, Cícero, Plínio, Tácito e Suetônio. Foi substituído no uso oficial para alguns séculos por Adriano Aelia Capitolina , que ocorre mais tarde como Jerome, mas mais uma vez entra em uso comum nos documentos das Cruzadas, enquanto Solyma ocorre em vários períodos como uma abreviatura poética.

No Novo Testamento, temos ( Ἱερουσαλήμ , Hierousalḗm ), Especialmente nos escritos de Lucas e Paulo, e ( τὰ Ἱεροσόλυμα , tá Hierosóluma ) Em outro lugar. The King James Version de 1611 tem Ierosalem no Antigo Testamento e Hierusalem no Novo Testamento. O formulário de Jerusalém ocorre pela primeira vez em escritos franceses do século 12.

4. The Meaning of Jerusalem

No que diz respeito ao significado do nome original não há coincidência de opinião. A mais antiga forma conhecida, Uru-sa-lim, foi considerado por muitos como significar tanto a "Cidade da Paz" ou a "Cidade das (o deus) Salem", mas outros intérpretes, considerando-se o nome como de origem hebraica, interpretar ela como a "posse de paz" ou "fundamento da paz." É uma das ironias da história que uma cidade que em toda a sua longa história tem visto até pouco de paz e para cuja posse desses rios de sangue foram derramadas deve ter um significado tão possível para o seu nome.

5. Outros nomes

Outros nomes para a cidade ocorrer. Para o nome de Jebus verJESUS. Em Isaías 29: 1 , ocorre o nome אריאל , 'Ărı̄'ēl provavelmente "o coração de Deus", e em Isaías 01:26 "a cidade da justiça". No Salmo 72:16 ; Jeremias 32:24 f; Ezequiel 07:23 , temos o termo העיר ,Ha'ir, "A cidade" em contraste com "a terra." Todo um grupo de nomes está conectado com a idéia da santidade do site;'Ir ha -ḳōdhesh, A "cidade santa" ocorre em Isaías 48: 2 ; Isaías 52: 1 ; Neemias 11: 1 , eYerushalayim ha -ḳedhōshāh"Jerusalem o santo" está inscrita em moedas de Simon. Em Mateus 4: 5 ; Mateus 27:53 temos ἡ ἁγία πόλις ,ele Hagia pólis, "A cidade santa", e em Philo, Ἱερόπολις ,Hieropolis , Com o mesmo significado.

Em árabe o nome comum é Beit el Maḳdis , "A casa do santuário", ou el Muḳaddas , "O santo", ou o nome comum, usado pelos muçulmanos em todos os lugares hoje, el Kuds , Uma forma abreviada de el Kuds esh Sheref , "O santuário nobre".

Os não-muçulmanos costumam usar a forma árabe Yerusalem .

II. Geologia, clima e Molas

1. Geologia

A geologia do local e arredores de Jerusalém é relativamente simples, quando estudado em conexão com o da terra da Palestina como um todo (ver GEOLOGIA DE PALESTINA). A característica marcante é que as rochas consistem inteiramente de várias formas de calcário, com estratos contendo pedras; não há rochas primárias, não arenito (como vem à superfície no leste do Jordão) e não há rochas vulcânicas. As formações de pedra de cal estão em imersão estratos regulares para o Sudeste, com um ângulo de aproximadamente 10 graus.

Nas colinas alto com vista para Jerusalém no Leste, Sudeste e Sudoeste ainda há estratos de espessura considerável desses calcários calcárias do período pós-Terciário, que coroa tantas colinas da Palestina, e uma vez que cobriu toda a terra. Sobre o "Monte das Oliveiras", por exemplo, ocorre uma camada de pedra calcária conglomerado conhecido como Nari Ou "Firestone", e um outro depósito mais grosso, conhecido como Ka'kūli , Dos quais dois estratos distintos podem ser distinguidos. Nestas camadas, especialmente o último, ocorrer bolsas contendo marga ou haur , E em ambos existem bandas de sílex.

Sobre o site da cidade real de tudo isso tem sido desnudada longas eras atrás. Aqui temos três camadas de pedra calcária de densidade variável muito claramente distinguidos por todos os construtores nativas e pedreiros:

(1) Mizzeh Helu , Literalmente, "mizzeh doce", uma camada de cinza-avermelhado disco capaz de polonês e, ao chegar em locais a uma profundidade de 70 pés ou mais. O "santo rock" na área de templo-the pertence a esta camada, e grande parte do antigo edifício de pedra foi dessa natureza.

(2) A seguir esta é a Melekeh ou camada de "royal", que, embora não muito grosso - 35 pés ou assim -. tem sido de grande importância na história da cidade. Esta rocha é peculiar em que quando o primeiro exposta ao ar é muitas vezes tão macia que pode ser cortada com uma faca, mas sob a influência do ambiente que endurece para fazer uma pedra de durabilidade significativa, útil para edifícios de construção corrente. A grande importância desta camada, no entanto, reside no fato de que nele foram escavadas as centenas de cavernas, cisternas, túmulos e aquedutos que Honeycomb local da cidade.

(3) No âmbito do Melekeh é um calcário Cenomanian de grande durabilidade, conhecido como Mizzeh Yehudeh Ou "mizzeh judaica." É uma pedra de construção altamente valorizada, embora difícil de trabalhar. Geologicamente distingue-se de Mizzeh Helu por seus amonites contendo. Caracteristicamente, é uma pedra cinza-amarelada, às vezes ligeiramente avermelhado. Uma variedade de um aspecto distintamente avermelhada, como conhecido Mizzeh ahmar Ou "mizzeh vermelho", faz uma pedra muito ornamental para colunas, lápides, etc .; é preciso uma alta polonês e às vezes é conhecida localmente como "mármore".

Esta camada profunda, que está na base de toda a cidade, vem à tona no vale do Cedron, e sua impermeabilidade é provavelmente a explicação do aparecimento lá do único e verdadeiro primavera, de "Fonte da Virgem". A água sobre o local e arredores de Jerusalém se infiltra com facilidade a camada superior, mas é conduzido para a superfície por esta camada dura; a fonte comparativamente superficial da água desta mola é responsável pela esterilidade da sua qualidade.

2. clima e das chuvas

As grandes características do clima de Jerusalém provavelmente permaneceram as mesmas ao longo da história, apesar de haver muitas evidências de que houve ciclos de maior e menor abundância de chuva. Os quase incontáveis ​​cisternas pertencentes a todas as idades sobre o local e as condutas longas e complicadas para levar água a partir de uma distância, testemunhar que na maior parte da história da precipitação deve ter sido, como no presente, apenas sazonal.

Como um todo, ao clima de Jerusalém podem ser considerados saudáveis. As doenças comuns deve ser em grande parte evitáveis ​​- sob um governo esclarecido; mesmo a malária, que é tão prevalente é em grande medida um importações provenientes do país de baixa altitude, e poderia ser interrompido de uma vez, foram meios eficientes tomadas para destruir os portadores da infecção, as abundantes mosquitos do gênero Anopheles. Por conta de sua altura e sua posição exposta, quase em cima da bacia, vento, chuva e frio são todos mais excessiva do que nas planícies marítimas ou no vale do Jordão. Embora frio do inverno é sentida severamente, por conta de sua coincidindo com os dias de maior precipitação (compare Esdras 10: 9 ), e também por causa das habitações e roupas dos habitantes sendo adequado para suportar o calor mais do que o frio, o real mais baixo frio registrado é de apenas 25 graus F., e geada ocorre apenas em talvez uma dúzia de noites em um ano médio. Durante os meses de verão sem chuva, a temperatura média se eleva de forma constante até agosto, quando ele atinge 73, 1 graus F., mas os dias de maior calor, com temperatura acima de 100 ° C na sombra às vezes, ocorrem comumente em setembro. No meio do verão a brisa noroeste legal, que geralmente sopram durante as tardes e início da noite, fazer muito para tornar a vida saudável. Os dias mais desagradáveis ​​ocorrem em maio e de meados de setembro até o final de outubro, quando os ventos do sudeste secos - o siroco - sopro de ar quente e sufocante de ao longo dos desertos, levando com eles às vezes poeira fina em quantidade suficiente para produzir uma neblina acentuada na atmosfera. Nesses momentos, toda a vegetação droops, ea maioria dos seres humanos, especialmente os residentes não levantadas sob tais condições, sofrem mais ou menos de depressão e desconforto físico; malária, "mosquito-pólvora", e outras febres tendem a ser particularmente prevalente. "Naquele tempo se dirá ... Jerusalém: Um vento quente vindo dos altos escalvados no deserto em direção à filha do meu povo, não para cirandar, nem para limpar" ( Jeremias 04:11 ).

Durante o final do verão - exceto em períodos de siroco - pesado "orvalho" ocorrem à noite, e no final de setembro ou início de outubro os "antigos" chuvas caem - não raro em chuvas tropicais acompanhada de trovoadas. Após isso, há frequentemente um período de seca de várias semanas, e depois da chuva do inverno cai em dezembro, janeiro e fevereiro. Em algumas estações de chuvas abundantes março dá satisfação peculiar aos habitantes por encher as cisternas no final da temporada e através da produção de uma colheita abundante. A precipitação média é de cerca de 26 polegadas, a máxima registrada na cidade sendo 42,95 centímetros na temporada 1877-1878, e sendo 12,5 polegadas em 1869-1870 o mínimo. Um chuvas abundantes não só é importante para o armazenamento, para o reabastecimento das molas e para as culturas, mas como esgoto da cidade acumula em grande parte nos ralos muito primitivas durante todo o período de seca, que exige uma força considerável de água para removê-lo. A neve cai pesadamente em algumas épocas do ano, causando uma destruição considerável para os telhados mal construídas e as árvores; no inverno de 1910-1911 uma queda de 9 polegadas ocorreu.

3. The Springs Natural

Há apenas uma mola real na área de Jerusalém, e até mesmo a este algumas autoridades negaria o nome da verdadeira primavera por conta da fonte relativamente rasa da sua origem; esta é a fonte intermitente hoje conhecido como 'Ain Umm ed deraj (Literalmente, "primavera da mãe dos passos"), chamado pelos cristãos nativos 'Ain Sitti Miriam (A "primavera da Lady Mary"), e pelos europeus comumente chamado de "fonte da Virgem". Todas as evidências apontam para este arqueológicos como a fonte original da atração dos primeiros ocupantes do local; no Antigo Testamento, na Primavera deste ano é conhecido como Giom (Que ver). A água surge no fundo real, embora aparente lado oeste, do vale do Kidron cerca de 300 metros ao sul da parede sul do Haram ̌. A abordagem para a primavera é abaixo de dois lances de escada, uma superior de 16 levando a uma plataforma de nível pequeno, coberto por um arco moderno, e um vôo mais baixo, mais estreita de 14 etapas, que termina na boca de uma pequena caverna. A água tem a sua fonte real de uma longa fenda (talvez 16 pés de comprimento) executando o Oriente eo Ocidente no fundo rochoso do vale do Cedron, agora muitos metros abaixo da superfície atual. O extremo ocidental ou superior da fissura é na própria entrada da caverna, mas a maior parte da água jorra da parte inferior e mais largo que se encontra por baixo os passos. Quando a água é escassa, as mulheres de Siloé rastejar para dentro da cavidade sob as etapas e encher seus odres lá; nessas horas sem água em tudo encontra o seu caminho para dentro da caverna. Na outra extremidade da caverna é a abertura de que o sistema de antigos aquedutos-túnel que é descrito em VI, abaixo. Esta mola é "intermitente", a água subindo rapidamente e jorrando com força considerável, várias vezes nas 24 horas após o período chuvoso, e apenas uma ou duas vezes no seco. Esta condição "intermitente" das molas não é incomum na Palestina, e é explicado pelo acúmulo de água subterrânea em certas cavidades ou fissuras na rocha, que juntos compõem um reservatório que se esvazia por ação do sifão. Onde a água acumulada atinge a curva do sifão, o estouro começa e continua a ser executado até que o reservatório é esvaziado. Tal fenômeno é naturalmente atribuído à agência sobrenatural pelo ignorante - neste caso, entre o moderno fellahin , Para um dragão - e nativos, especialmente os judeus, visite a fonte, ainda hoje, em tempos de seu excesso, para a cura. Se esta condição intermitente da fonte é muito antiga, é impossível dizer, mas, como Jerônimo ( Comm., em Esa , 86) fala dele, ele provavelmente estava presente no Novo Testamento, e se assim for, temos um argumento forte para encontrar aqui o "Tanque de Betesda".

Nos tempos antigos, toda a água escorria a céu aberto, vale rochoso, mas em um breve período um muro foi construído para o banco até a água e converter a fonte em uma piscina. Sem esse acordo sem água poderia encontrar o seu caminho para a caverna e os túneis. Os túneis, descritos a seguir (VI), foram construídas para o efeito (1) de alcançar o abastecimento de água a partir de dentro dos muros da cidade, e (2) de impedir que os inimigos dos judeus de entrar na água ( 2 Crônicas 32: 4 ). A água desta fonte, embora utilizada para todos os fins por parte das pessoas de Siloé, é salobra para o gosto, e contém uma percentagem considerável de águas residuais; é bastante imprópria para beber. Esta condição é, sem dúvida, devido à ampla distribuição de esgoto, tanto intencionalmente (para irrigação dos jardins) e involuntariamente (por esgotos vazamento, etc.), sobre o solo que recobre as rochas de que os fluxos de água. Em tempos anteriores a água era certamente mais puro, e é provável, também, que a fonte era mais abundante, como agora centenas de cisternas aprisionar as águas que uma vez encontrado o seu caminho através do solo para as fontes profundas da primavera.

As águas do Fount da Virgem encontrar o seu caminho através do túnel de Siloé e para fora em 'Ain Silwan (A "primavera" de Siloé), na piscina de Siloé, e a partir desta fonte descem para o vale do Cedron para regar as numerosas hortas pertencentes à aldeia de Siloé .

A segunda fonte de água em Jerusalém é o poço profundo conhecido como Bir Eyyub "O trabalho do bem", que está situado um pouco abaixo do ponto onde o vale do Cedron e Hinnom se encontram. Com toda a probabilidade que deriva seu nome moderno de uma lenda na Alcorão ( Capítulo do corão 38 5,40-41), que narra que Deus ordenou Job para carimbar com o pé, depois do que uma mola estourou milagrosamente up. O poço, que havia sido bastante perdido de vista, foi redescoberto pelos cruzados em 1184 ad, e foi por eles limpo. Ele Isaías 125 ft. profunda. O abastecimento de água neste poço é praticamente inesgotável, embora a qualidade não é melhor do que o de de "Fonte da Virgem"; depois de vários dias de chuva forte a água transborda subterrâneo e explode a poucos metros mais abaixo, no vale, como um pequeno riacho. Ele continua a funcionar por alguns dias depois de uma queda pesada da chuva cessou, e esta "fluindo Kidron" é uma grande fonte de atração para os moradores nativos de Jerusalém, que derramam da cidade para apreciar a vista rara de água corrente . Em algum lugar no bairro de Bir Eyyub deve ter ficado 'En - Rogel , Mas se isso fosse uma vez uma mola real, a sua fonte está agora enterrado sob a grande massa de lixo acumulado aqui .

Cerca de 600 metros a sul do Bir Eyyub é uma pequena bacia de cascalho onde, quando o Bir Eyyub overflows, uma pequena mola chamado 'Ain el Lozeh (A "primavera da amendoeira") irrompe. Não é uma verdadeira primavera, mas é devido a um pouco da água do poço de Jó, que encontra o seu caminho ao longo de um antigo aqueduto talhado na rocha no lado oeste do Wady en Nar , Estourando aqui em cima.

O único outro local possível de uma nascente na área de Jerusalém é o Hammam esh Shefa , "O banho de cura." Este é um rock-bacia subterrânea no vale Tiropeon, dentro das muralhas da cidade, nos quais a água se acumula por percolação entre os escombros da cidade. Embora uma vez que um reservatório com canais provavelmente cortar-rock condução de água a ele, agora é um poço profundo com arcos erguidas sobre ele em vários períodos, como o lixo da cidade gradualmente acumulado ao longo dos séculos. Não há qualquer evidência de que haja qualquer fonte natural, ea água é, na estação seca, esgoto praticamente pura, embora usada em um banho turco vizinho.

GA Smith acha que o JACKAL 'S BEM (Que ver) mencionado por Neemias ( Neemias 02:13 ), o que deve ter sido situado no Vale de Hinom, pode ter sido possivelmente uma mola temporárias decorrentes lá por alguns anos, em consequência de um terremoto, mas é muito provável que qualquer bem afundado em seguida, iria tocar a água que flui de um longo do leito do vale. Não há "spring" tal ou "bem" lá hoje.

III. O Site Natural

Jerusalém Modern ocupa uma situação definida geograficamente como 31 graus 46 pés 45 polegadas de latitude norte., Por 35 graus 13 pés 25 polegadas de longitude leste. Encontra-se no meio de um platô nua e rochosa, os arredores de ser um dos mais pedregoso e distritos menos frutíferas nas partes habitáveis ​​da Palestina, com solo raso, cinza ou avermelhado e muitos afloramentos de calcário nua. Como todas as encostas com um aspecto southeasterly, é tão completamente exposta ao incêndio cheio de sol de verão que, em seu estado natural o site seria mais ou menos estéril. Hoje, no entanto, como resultado do cultivo diligente e molhar freqüente, um crescimento considerável de árvores e arbustos foi produzido nos subúrbios rapidamente se estendem. A árvore de fruta só que atinge a perfeição em torno de Jerusalém é o verde-oliva.

1. As montanhas ao redor

O site de Jerusalém está encerrado por um triângulo aproximada de serras mais altas: para o Ocidente corre o cume principal, ou separação de água, da Judéia, que aqui faz uma varredura para o oeste. A partir deste cume um esporão corre Sudeste e Leste, culminando devido Leste da cidade naMONTE DAS OLIVEIRAS (Que ver), cerca de 2.700 pés acima do nível do mar e cerca de 300 pés acima do nível médio da cidade antiga. Outro estímulo, conhecido como Jebel Deir Abu Tor , 2.550 pés de altura, vai de leste a partir do planalto de el Buḳei'a e fica a sudoeste da cidade; é o tradicional "Colina de Mau Conselho." O site da cidade é, portanto, dominada por todos os lados por essas faixas superiores - "as montanhas (que) estão ao redor Jerus" ( Salmo 125: 2 ) - de modo que, enquanto por um lado a cidade antiga foi escondido, em qualquer distância considerável, a partir de qualquer direção, exceto o Sudeste, é somente através dessa lacuna aberta para o deserto e as montanhas de Moab que qualquer perspectiva ampla é alcançável. Esta estranha visão de deserto e parede da montanha distante - muitas vezes de beleza requintado à luz do sol poente - devem todos através dos tempos têm sido os mais familiar e mais potente de influências cênica para os habitantes de Jerusalém.

2. Os Vales

Entre as colinas envolventes local apropriado da cidade é demarcado por dois vales principais. Isso no Oeste e Sudoeste começa em uma cavidade ocupada pelo cemitério muçulmano em volta da piscina Birket Mamilla . O vale corre para o Leste em direção ao moderno Portão de Jaffa, e não se dobra do Sul, sendo conhecido nesta parte superior do seu curso como o Wady el Mês . Neste curso sul-lo é atravessado por uma grande barragem, ao longo do qual a estrada moderna Belém corre, que converte uma grande área da cama vale em uma grande piscina, o Birket es Sultan . Abaixo deste vale - sob o nome de Wady er Râbâbi - Se curva Sudeste, em seguida, Leste, Sudeste e, finalmente, mais uma vez, até perto Bir Eyyub junta-se o vale ocidental para formar o Wady en Nar , 670 pés abaixo da sua origem. Este vale foi muito geralmente identificado como o Vale de Hinom (veja Hinnom .)

O vale oriental leva uma varredura mais ampla. Com início no alto do planalto ao norte da cidade, perto da grande-divisão de água, que desce como um vale amplo e aberto em direção sudeste, até que, onde é atravessada pelo Great North Road, sendo aqui conhecido como Wady el Joz (O "Valley of the Nozes"), verifica-se mais diretamente Médio. Ele gradualmente curvas para o Sul, e como ele é executado Leste dos muros da cidade, que recebe o nome de Wady Sitti Miriam (O "Valley of the Lady Mary"). Abaixo do canto sudeste da área do templo-a, perto do tradicional "Túmulo de Absalão," o vale rapidamente se aprofunda e toma uma direção um pouco a oeste da Sul. Ele passa de "Fonte da Virgem", e um quarto de milha menor ele é acompanhado por el Wād do Norte, e um pouco mais adiante pela Wady er Râbâbi do Ocidente. Sul de Bir Eyyub , O vale formado pelo seu sindicato continua sob o nome de Wady en Nar para o Mar Morto. Este vale ocidental é que vulgarmente conhecida como a Brook Kidron, ou, mais em breve, o "Brook" ( Nahal ), Ou ravina (veja KIDRON ), Mas o nome a partir do século 5 em diante pelos cristãos os Vale de Jeosafá (Que ver). A língua rochosa do terreno vedado entre estas ravinas profundas, uma área, a grosso modo, um pouco mais de um quilômetro de comprimento por meia milha de largura, é subdividida em uma série de colinas distintas por alguns vales rasos. O mais importante deles - na verdade, o único visível para o observador superficial hoje - é o grande vale central conhecido até os tempos modernos pelo nome único el Wād , "O vale." Ela começa em uma pequena depressão do solo um pouco ao norte da moderna "Porta de Damasco", e depois de entrar na cidade neste portão rapidamente se aprofunda - um fato em grande parte disfarçado hoje pelo grande acúmulo de lixo em seu curso. Ele atravessa a cidade com o Haram a seu leste, e os bairros cristãos e muçulmanos em rápida ascensão chão a seu oeste. Seu curso é observado perto do Bâb es Silseleh , Onde é atravessada por uma ponte antiga, mas muito mais ao sul do vale reaparece, tendo as paredes do Haram (Perto do "lugar lamentando" e "arco de Robinson") no Oriente, e penhascos íngremes atravessada por casas do bairro judeu no Ocidente. Ele deixa a cidade na "Dung Gate," e passa com uma curva aberta para o leste, até atingir o tanque de Siloé, abaixo ", que se funde na Wady Sitti Miriam . Este é o curso do vale principal, mas um ramo de grande importância na antiga topografia da cidade começa a cerca de 50 metros a oeste do moderno Portão de Jaffa e corre pelo Suwaikat Allun geralmente conhecido por viajantes como "Street de Davi", e, portanto, de leste, ao longo da Tarık Bâb es Silseleh , Até que ele se funde no vale principal. O vale principal é geralmente considerado o Tiropeon, ou "Vale Cheesemongers '" de Josephus, mas alguns escritores têm tentado limitar o nome especialmente para este braço ocidental do mesmo.

Outro vale interior, que é conhecido em vez pelos contornos de rock, que por observações de superfície, sendo amplamente preenchido hoje, cortes na diagonal do canto nordeste da cidade moderna. Não tem nome moderno, embora às vezes é chamado de "Vale de St. Anne." Ela surge no planalto perto "Portão de Herodes", conhecida como es Sahra E, entrando na cidade cerca de 100 metros para o leste da porta, corre Sul-Sudeste., E deixa a cidade entre o ângulo nordeste do Haram ea Golden Gate, juntando-se o vale do Cedron mais Sudeste. O Birket Israel corre através da largura do vale, que tinha muito mais influência na determinação da antiga topografia da cidade que tem sido popularmente reconhecida. Há um vale feito artificialmente entre a Haram e os edifícios ao seu norte, e não é considerado por muitos como um vale entre o morro Sudeste, comumente chamado de "Ofel" e área do templo-a. Tal, então, são os vales, grandes e pequenos, pelo qual as colinas históricas em que a cidade estavam definidos. Todos eles, especialmente em suas partes do sul, eram consideravelmente mais profunda nos tempos antigos, e em locais a resíduos acumulados Isaías 80 ft. ou mais. Todos eles eram originalmente camas de torrent, seco, exceto imediatamente após a chuva pesada. A única saída perene de água é o fluxo escasso e intermitente que transborda da piscina de Siloé, e é usado para irrigar os jardins na Wady Sitti Miriam .

3. Os Hills

Os vales Leste e Oeste isolar uma língua aproximadamente quadrilateral de terra fugindo do Noroeste-Oeste para o Sul-Sudeste, e inclinada de modo a enfrentar Sudeste. Esta língua é subdividida por el Wād em dois sulcos longos, que se fundem uns nos outros no planalto a Norte. O cume ocidental tem sua origem real consideravelmente norte do muro moderno, sendo parte do terreno elevado situada entre a estrada moderna Jaffa para o Ocidente, e do início do vale do Cedron para o Oriente. Dentro das muralhas da cidade que sobe tão alto quanto 2.581 pés perto do canto noroeste. É dividido pelo ramo oeste do vale Tiropeon em duas partes: a parte norte - a colina do noroeste - em que se situa hoje a Igreja do Santo Sepulcro ea maior parte do "bairro cristão" da cidade, e um colina do sul - sudoeste - que está ligado com a colina do noroeste por mas um selim estreito - 50 metros de largura - perto do Portão de Jaffa. Este monte sustenta a cidadela (a chamada "Torre de David"), o quartel e do bairro armênio dentro das muralhas, e o Cenáculo e edifícios adjacentes fora dos muros. Este monte é de 2.500 a 2.350 pés de alta ao longo de sua cúpula, mas cai rapidamente nas laterais do sudoeste, sul e sudeste. Em sua parte central cai muito mais suavemente em direção à colina oriental através do vale agora amplamente preenchido el Wad.

O cume oriental pode ser contado a começar na colina rochosa el - Edhemıyeh - Popularmente conhecida como Calvário de Gordon -, mas a grande trincheira feita aqui por pedreiras pouco obscurece esse fato. O Maio cume por conveniência ser consideradas como apresentando três partes, as cimeiras do nordeste, central ou centro-oriental, e Sudeste. O morro do nordeste dentro da parede moderna apoia o trimestre muçulmano, e sobe em locais a uma altura de mais de 2.500 pés .; estreitando a um mero pescoço perto do arco "Ecce Homo", onde se juntou ao quartel, no site da Antonia antiga. Sob a superfície atual é aqui separada da cúpula do templo por um fosso profundo rochoso.

A central, ou centro-oriental, a cimeira é que aparece como es Sakhra , A rocha sagrado templo, que Isaías 2,404 ft. elevado. Este é o ponto mais alto do qual o solo cai rapidamente Leste, Oeste e Sul, mas os contornos naturais do terreno adjacente são muito obscurecida pelas grandes infraestruturas que foram feitas para sustentar a plataforma do templo.

O declive, sudeste, colina, Sul da área do templo aparece hoje, em todo o caso, para ter uma queda constante de de 2.350 pés ao sul da Haram parede sul para pouco mais de 2.100 pés perto da piscina de Siloé. É um cume estreito que funciona em uma direção um pouco curvado, com uma cúpula perto 200 pés acima do Cedron e 100 pés acima do leito do Tiropeon. Em comprimento, é não mais de 600 metros, de largura, no seu mais largo, a apenas 150 metros, mas a sua principal característica, a sua força natural, é hoje muito obscurecida por conta do lixo que desce seus lados e em grande parte enche seu entorno vales. Em épocas anteriores, pelo menos três dos seus lados eram protegidos por vales profundos, e, provavelmente, em muito de dois terços da sua circunferência seu cume foi cercado por escarpas rochosas natural. Segundo o professor Guthe, esta colina é dividida do terreno mais elevado para o Norte por uma depressão 12 pés de profundidade e 30-50 metros de largura, mas isso não foi confirmado por outros observadores. A cidade cobrindo assim montanhosa um site como este deve sempre ter consistido, como faz hoje, de casas geminadas em encostas íngremes 'com escadas para as ruas.

IV. Topografia Geral de Jerusalém

A partir da descrição anterior do "sítio natural", ele será visto que temos que lidar com cinco subdivisões ou colinas naturais, duas no oeste e três nos cumes orientais.

1. Descrição do Josephus

Na discussão sobre a topografia é útil começar com a descrição de Josefo, em que ele dá a estas cinco áreas os nomes comuns em seu dia ( BJ , V, IV, 1,2). Ele diz: "A cidade foi construída sobre duas colinas que são opostos um ao outro e têm um vale para dividi-los em pedaços ... Agora o Vale dos Cheesemongers, como era chamado, e foi o que distingue o morro da parte superior cidade do que da parte inferior, se estendia até Siloé "(ibid., V, IV, 1). Aqui temos a primeira característica física proeminente, o bisection da cidade local em duas colinas principais. Mais adiante, no entanto, na mesma passagem - um, deve-se admitir, de alguma obscuridade- J osephus distingue 5 regiões distintas:

(1) A Cidade Alta ou superior Market Place

(O morro) ", que sustenta a cidade alta é muito maior e de comprimento mais direta. Assim, ele foi chamado a cidadela ( φρούριον , phroúrion ) De Rei Davi ... mas é por nós chamado Upper Market Place. "Este é sem disputa do sudoeste colina.

(2) Akra e Cidade Baixa

"O outro morro, que foi chamado Akra, e sustenta a cidade baixa, foi dupla curvatura" ( ἀμφίκυρτος , amphıkurtos ). A descrição pode aplicar-se apenas à forma semicircular da colina do sudeste, como visto a partir da "cidade alta". Estes nomes, "Acra" e "inferior City", são, com reservas, por conseguinte, para ser aplicado para a colina sudeste.

(3) O Temple Hill

Descrição de Josefo aqui é curioso, por conta de sua indefinição, mas não pode haver dúvida sobre qual colina ele pretende. Ele escreve: "Ao longo contra esta é uma terceira colina, mas naturalmente inferior ao Akra e se separaram antes do outro por um vale fiat No entanto, naqueles momentos em que os Hasmoneans reinou, acabaram com este vale, que desejam conectar o. cidade com o templo, e cortar o cume da Akra, eles fizeram isso mais baixo, de modo que o templo pode ser visível sobre ele ". A comparação com outras passagens mostra que esta "terceira colina" é o centro-leste - o "Temple Hill."

(4) Bezetha

"Foi Agripa que abrangeu as peças adicionadas a parte antiga da cidade com esta parede (ou seja, a terceira parede), que tinha sido tudo nu diante, pois, como a cidade cresceu mais populoso, ela gradualmente se arrastou para além dos seus limites de idade, e essas partes dele que ficava ao norte do Templo, e juntou-se que morro para a cidade, tornou consideravelmente maior, e que ocasionou colina que está no número do quarto, e é chamado de 'Bezetha, "para ser habitada também. Encontra-se defronte da torre de Antonia , mas está dividida a partir dele por um vale profundo, que foi escavado de propósito .... Esta parte nova construção da cidade foi chamado de 'Bezetha' em nossa língua, que, se interpretadas em língua grega, pode ser chamado de 'Cidade Nova'. "Esta é claramente a colina nordestino.

(5) O Bairro do Norte da Cidade

A partir da consideração das paredes dadas por Josephus, é evidente que a parte norte da sua "primeira parede" correu ao longo da borda norte do sudoeste da colina; a segunda parede fechado a parte habitada do morro do noroeste. Assim Josephus escreve: "A segunda parede teve o seu início a partir do portão que eles chamaram de Gennath na primeira parede, e envolvente, o bairro norte só chegou ao Antonia." Esta área não é descrito como um monte separado, como a área habitada, exceto no Sul, foi definida por não vales naturais, e além de cobrir o morro do noroeste, deve ter estendido para o vale Tiropeon.

2. Resumo dos nomes dos cinco Hills

Aqui, então, temos nomes de Josefo para estes cinco distritos:

(1) o sudoeste da Colina

Sudoeste Hill, "Cidade Alta" e "Superior Market Place"; também o Resumo, Phrourion Ou "fortaleza de David." Desde o anúncio do século 4, este morro também foi conhecido como "Zion", e nele hoje é o chamado "Torre de David," construído sobre as fundações de dois dos grandes torres de Herodes.

(2) Northwestern Colina

"O bairro do norte da cidade." Este bairro não parece ter tido qualquer outro nome no Antigo Testamento ou Novo Testamento, embora algumas das autoridades mais velhas colocaria o "Akra" aqui (ver infra ). Hoje é o "bairro cristão" de Jerusalém, que se centra em volta da Igreja do Santo Sepulcro.

(3) Northeastern Colina

"Bezetha" ou "New City", mesmo agora uma área um pouco pouco habitada, não tem nome na literatura bíblica.

(4) Central-Eastern Hill

A "terceira monte" de Josephus, claramente o local do Templo que, como diz Josephus ( BJ , V, v), "foi construído em cima de uma colina forte." Em épocas anteriores foi o "eira de Araúna, o jebuseu." Por questão de saber se tem alguma afirma ser o Moriah de Gênesis 22: 2 , como é chamado em 2 Crônicas 3: 1 , . A colina do templo é também em muitos dos escritos hebraicos chamado Zion, em que ponto  .

(5) Southeastern Colina

Este Josephus chama de "Akra" e "Cidade Baixa", mas ao mesmo tempo, por um lado esses nomes exigir alguma elucidação, há outros nomes que têm em um período ou outro venham a ser aplicada a este monte, ou seja, "Cidade de David, "" Zion "e" Ofel ". Estes nomes para esta colina vamos agora tratar em ordem.

3. O Acra

Apesar da descrição muito clara de Josephus, tem havido considerável diferença de opinião sobre a situação do "Akra." Várias partes do noroeste, do nordeste, as colinas do sudeste, e até mesmo o próprio centro-leste, foram sugeridas pelas autoridades anteriores, mas ao invés de considerar os vários argumentos, agora em grande parte fora da data, para outros sítios propostos, será melhor para lidar com os argumentos positivos para a colina do sudeste. Josefo afirma que em sua época o termo "Akra" foi aplicado para a colina do sudeste, mas em referências à história anterior é evidente que a Akra não era toda a colina, mas uma fortaleza definido ( ἄκρα , Ákra = "Fortaleza").

(1) Ela estava situada no site, ou em parte do local, que foi considerado nos dias dos Macabeus ter sido o "Cidade de Davi". Antíoco Epifânio (168 aC), depois de destruir Jerusalém ", fortitled a cidade de David com um grande e forte parede, com torres fortes e tornou-se-lhes um Akra" ( 1 Macabeus 1: 33-36 ). O formidável fortaleza - conhecido doravante como "a Akra" - tornou-se uma ameaça constante para os judeus, até que finalmente, em 142 aC, foi capturado por Simon, que não só arrasou toda a fortaleza, mas, de acordo com Josephus ( Ant. , XIII , Vi, 7; BJ , V, iv, 1), na verdade, reduzir a colina sobre a qual ele se encontrava. Ele diz que "todos eles, trabalhando com zelo, demoliu a colina, e não cessar a partir da noite de trabalho e dia, durante três anos inteiros, trouxe-a para um nível e mesmo declive, para que o templo tornou-se o maior de todos após a Akra e a colina sobre a qual foi construída havia sido removido "( Ant. , XIII, Vi, 7). O fato de que, no momento da Josephus esta colina era evidentemente menor do que o templo colina é em si mesmo argumento suficiente contra qualquer teoria que colocaria o Akra nas colinas do noroeste ou sudoeste. (2) O Akra estava perto do templo ( 1 Macabeus 13:52 ), e das suas muralhas a guarnição realmente pode esquecê-lo ( 1 Macabeus 14:36 ​​). Antes do monte foi cortada obscureceu o local do templo (o mesmo lugar). (3) É identificado por Josefo como parte de formação, pelo menos, da cidade baixa, que (veja abaixo) confinava com o templo (compare BJ , I, i, 4; V, iv, 1; vi, 1). (4) A Septuaginta identifica o Akra com Millo ( 2 Samuel 5: 9 ; 1 Reis 9: 15-24 ; 2 Crônicas 32: 5 ).

Permitindo que o Akra original dos sírios estava no morro do sudeste, ainda é uma questão de um pouco de dificuldade para determinar o paradeiro estava, especialmente porque, se as declarações de Josephus estão corretos, a configuração natural do solo foi profundamente alterada. O ponto mais importante sobre a colina do sudeste, no bairro de Giom, parece ter sido ocupada pela fortaleza de JebusiteZION (Que ver), mas o site da Akra dificilmente pode ser idêntico a este, por isso tornou-se a "Cidade de Davi", e aqui foram os túmulos venerados de David e os reis de Judá, que devem ter sido destruídas se esta colina era , como Josephus afirma, cortada. Por este e outros motivos, devemos procurar um local mais ao norte. Sir Charles Watson ( FIPs , 1906,1907) produziu argumentos fortes topográficos e literárias para colocá-lo onde a al Aksa mesquita é hoje; outros escritores estão mais inclinados para colocá-lo mais ao sul, em algum lugar do bairro da torre enorme descoberto por Warren na parede "Ofel" (veja MILLO). Se a conta de Josephus, escrito dois séculos após os acontecimentos, é para ser tomado como literal, então a visão de Watson é a mais provável.

4. A Cidade Baixa

Josephus, como vimos, identificou a Akra de seu dia com a Cidade Baixa. Este último não é um nome que ocorre na Bíblia porque, como será mostrado, o nome do Antigo Testamento para esta parte foi "Cidade de Davi". Que por Cidade Baixa Josephus significa a colina do sudeste é mostrado por muitos fatos. É, na verdade, a parte mais baixa da cidade, em comparação com o "Cidade Alta", Temple Hill eo Bezetha; ela é, como Josephus descreve, separado da Cidade Alta por um vale profundo - o Tiropeon; esta colina sudeste é "double-curvada", como descreve Josephus, e, por fim várias passagens em seus escritos mostram que a Cidade Baixa foi associada com o Templo por um fim e no tanque de Siloé, no outro (compare Ant , XIV , Xvi, 2; BJ , II, xvii, 5; IV, IX, 12; VI, VI, 3; vii, 2).

No sentido mais amplo, o "Cidade Baixa" deve ter incluído, não só a parte da cidade que cobre o monte sudeste até os recintos do templo, onde estavam os palácios ( BJ , V, VI, 1; VI, VI, 3), e as casas de o fazer bem-, mas também que no vale do Tiropeon de Siloé até a "Casa do Conselho", que estava perto do norte "primeira parede" (compare BJ , V, iv, 2), sem dúvida, uma parte habitada pelos mais pobres.

5. Cidade de Davi e Zion

É claro ( 2 Samuel 5: 7 ; 1 Crônicas 11: 5 ) que a cidadela "Zion" dos Jebusites tornou-se a "Cidade de Davi", ou como GA Smith chama, "de David Burg," depois de sua captura pela Hebreus. Os argumentos para a colocação de "Zion" no morro do sudeste são dadas em outros lugares (verZION), Mas alguns atos relevantes especialmente para a "Cidade de Davi" pode ser mencionado aqui: a captura da cidade Jebusite por meio da calha ( 2 Samuel 5: 8 ), que é mais razoavelmente explicada como "Shaft de Warren" ( veja VII); as referências à parada de David em seu vôo ( 2 Samuel 15:23 ), e seu envio Salomão a Giom para ser coroado ( 1 Reis 01:33 ), e a expressão comum "para cima", usada para descrever a transferência da Arca de a Cidade de Davi para o Templo Hill ( 1 Reis 8: 1 ; 2 Crônicas 5: 2 ; comparar 1 Reis 09:24 ), são todos consistentes com esta opinião. Mais convincentes são as referências ao aqueduto de Ezequias que trouxe as águas de Giom "para baixo no lado oeste da cidade de Davi" ( 2 Crônicas 32:30 ); a menção da cidade de David, como ao lado da piscina de Selá (ou Siloé; comparar Isaías 8: 6 ), e do "jardim do rei" em Neemias 03:15 , ea posição da porta da fonte, nesta passagem e Neemias 12 : 37 ; ea declaração de que Manassés construiu "uma parede exterior para a cidade de David, no lado oeste de Giom" no Nahal, Ou seja, o vale do Cedron ( 2 Crônicas 33:14 ).

O nome parece ter tido um significado mais amplo, como a cidade cresceu. Originalmente "Cidade de Davi" era apenas o nome do jebuseu forte, mas, mais tarde, tornou-se o equivalente a toda a colina do sudeste. Da mesma forma, Akra era originalmente o nome do Sírio forte, mas o nome tornou-se alargado a toda a colina do sudeste. Josephus olha para "Cidade de Davi" e "Akra" como sinônimos, e aplica-se tanto o nome de "Cidade Baixa". Para os nomes Ophel e Ophlas verOfel .

V. Escavações e Antiguidades

Durante os últimos cem anos explorações e escavações de uma sucessão de engenheiros e arqueólogos mobilado uma enorme massa de observações para a compreensão da condição da antiga Jerusalém. Alguns dos mais importantes são os seguintes:

Em 1833, os Srs. Bonorni, Catherwood e Arundale fez um primeiro estudo aprofundado da Haram (-Área do templo), uma obra que foi a base de todos os mapas subsequentes há mais de um quarto de século.

1. Robinson

Em 1838, e novamente em 1852, o famoso viajante americano e divina, E. Robinson, DD, visitou a terra como o representante de uma sociedade americana, e fez uma série de brilhantes investigações topográficas de profunda importância para todos os alunos da Terra Santa , ainda hoje.

Em 1849, Jerusalém foi supervisionado por Lieuts. Aldrich e Symonds dos Engenheiros Reais, e os dados obtidos foram utilizados para um mapa construído por Van de Vilde e publicado por T. Tobler.

Em 1857, um americano, JT Barclay, publicou um outro mapa de Jerusalém e seus arredores "da pesquisa atual e minuto feitas no local."

Em 1860-1863 De Vogüé no curso de algumas pesquisas elaboradas na Síria explorou o site do santuário.

2. Wilson e do Fundo de Exploração da Palestina (1865)

Em 1864-65 a comissão foi formada em Londres, para considerar a condição sanitária de Jerusalém, especialmente tendo em vista a apresentação da cidade, com um abastecimento de água satisfatório, e Lady Burdett-Coutts deu £ 500 em direção a uma pesquisa adequada de Jerusalém e seus arredores como uma etapa preliminar. Capitão (mais tarde, o tenente-general Sir Charles) Wilson, RE, foi emprestado pelo Ordnance Survey Departamento da Grã-Bretanha para o efeito. Os resultados desta pesquisa, bem como de certas escavações preliminares e observações feitas ao mesmo tempo, foram tão animadores que, em 1865, "O Fundo de Exploração Palestina" foi constituído, "com a finalidade de investigar a arqueologia, geografia, geologia e história natural da Terra Santa. "

3. Warren e Conder

Durante 1867-1870 Captain (tenente-general mais tarde Sir Charles) Warren, RE, realizou uma série de escavações mais excitantes e originais em todo o local de Jerusalém, especialmente em torno da Haram ̌. Durante 1872-1875 tenente (mais tarde o tenente-coronel) Conder, RE, no curso do grande levantamento da Palestina Ocidental, fez outras contribuições para o nosso conhecimento sobre a Cidade Santa.

4. Maudslay

Em 1875, o Sr. Henry Maudslay, aproveitando a ocasião da reconstrução da "Escola Boys 'do Bispo Gobat", fez um exame cuidadoso dos cortes de rocha notáveis ​​que estão agora mais ou menos incorporados nos edifícios escolares, e fez escavações consideráveis, os resultados que se descrevem nos FIPs (Abril de 1875).

Em 1881 Professor Guthe fez uma série de importantes escavações na colina do sudeste, comumente chamado de "Ofel", e também perto da piscina de Siloé; seus relatórios foram publicados em ZDPV De 1882.

5. Schick

No mesmo ano (1881), a famosa inscrição Siloé foi descoberto e foi primeiramente relatada por Herr Baurath Schick, morador de Jerusalém que, de 1866 até sua morte, em 1901, fez uma longa série de observações da mais alta importância na topografia de Jerusalém. Ele teve oportunidades únicas para cientificamente examinar os edifícios na Haram E os resultados do seu estudo sobre os detalhes dessa localidade são incorporados em seu modelo Temple maravilhoso. Ele também fez um relatório detalhado dos antigos aquedutos da cidade. Mais importante de tudo foram os registros ele tão pacientemente e fielmente mantidos os níveis de rock em todas as partes do site da cidade, sempre que a escavação de fundações de edifícios ou outras escavações dava acesso ao rock. Suas contribuições para a PEF e ZDPV deparar com centenas de artigos.

6. Clermont-Ganneau

M. Clermont-Ganneau, que era residente em Jerusalém no serviço consular francês, feita por muitos anos, de 1880 em diante, um grande número de observações agudas sobre a arqueologia de Jerusalém e seus arredores, muitos dos quais foram publicados pela PEF . Outro nome honrado em conexão com o estudo cuidadoso da topografia de Jerusalém sobre um pouco o mesmo período é o de Selah Merrill, DD, por muitos anos cônsul dos Estados Unidos em Jerusalém.

7. Bliss e Dickie

Em 1894-1897 o Fundo de Exploração Palestina realizou uma série elaborada de escavações com vista a determinar, nomeadamente o curso das antigas muralhas do Sul, sob a direção do Sr. TJ Bliss (filho de Daniel Bliss, DD, então presidente da Síria protestante College, Beirute), assistido pelo Sr. AC Dickie como arquiteto. Depois de pegar os fundamentos enterrados de paredes no canto sudeste, onde "escarpa de Maudslay" foi exposto no cemitério protestante, Bliss e Dickie os seguiu por todo o caminho para a piscina de Siloé, do outro lado da Tiropeon e sobre a "Ofel" - e também em outras direções. Descobertas de grande interesse também foram feitas no bairro do Tanque de Siloé .

Seguindo em cima destas escavações uma série de investigações privadas têm sido feitas pelos agostinianos em uma grande propriedade que adquiriram, no lado leste da colina tradicional de Zion.

Em 1909-1911 um grupo de ingleses, sob o capitão do Honrosa M. Parker, fez uma série de explorações com túneis muito elaboradas sobre a colina de Ofel, imediatamente acima Fount da Virgem. No decurso do seu trabalho, que limpou todo o aqueduto Siloé, encontrar algumas novas passagens; que reconstruiu a Piscina de Siloé, e eles completaram inquérito anterior de Warren, no bairro do que foi conhecido como "Shaft de Warren."

8. Arqueológico de Jerusalém Societies

Existem várias sociedades constantemente envolvidos em observar novos fatos relacionados com a topografia da antiga Jerusalém, nomeadamente a Escola de Arqueologia conectado com a Universidade de Stephens, sob os dominicanos; Escola Americana de Arqueologia; Escola Alemã de Arqueologia Bíblica sob Professor Dalman, e do Fundo de Exploração Palestina.

VI. Muros e portões da Cidade

1. As paredes existentes

Embora as paredes existentes de Jerusalém voltar em sua forma atual para, mas os dias de Suleiman, o Magnífico, por volta de 1542 o anúncio, seu estudo é uma preliminar essencial para a compreensão das antigas muralhas. O circuito total das paredes modernas Isaías 4.326 metros, ou cerca de 2 1/8 milhas, sua altura média Isaías 35 . ft, e eles têm completamente 35 torres e 8 portões - um dos quais está emparedado. Eles fazem um quadrado áspero, com os quatro lados voltados para os pontos cardeais da bússola. A alvenaria é de vários tipos, e por todos os lados há evidências de que os atuais paredes são uma colcha de retalhos de vários períodos. A parede norte, de perto do ângulo noroeste a uma certa distância do leste da "Porta de Damasco," encontra-se em paralelo com, embora um pouco dentro de, uma fossa antiga, e ele eo próprio portão, evidentemente, seguir as linhas antigas. As paredes oriental e ocidental, a seguir, assim, um sentido geral ao longo das arestas de vales profundos, deve ser mais ou menos ao longo do curso de paredes anteriores. A parede oriental, a partir de um pouco ao sul da Porta de Estêvão ao ângulo sudeste, contém muitos cursos antigos, e a linha geral é pelo menos tão antiga quanto o tempo de Herodes, o Grande; o trecho da parede ocidental da chamada "Torre de David" para o canto sudoeste é, certamente, ao longo de uma linha antiga e tem persistido através de muitos séculos. Esta linha de parede foi autorizado a permanecer undestroyed quando Tito conseguiu igualar o restante. No ângulo noroeste são alguns restos conhecidos como Ḳala'at Jalûd ("Castelo de Golias"), que, embora em grande parte medieval, contêm um núcleo rochoso e algumas de alvenaria dos tempos de Herodes, que são comumente aceitas como as relíquias da torre elevada Psephinus.

2. Teoria de Wilson

O curso da parede sul tem sido uma dificuldade; certamente não é a linha de parede antes de Tito; ele não tem nenhuma das vantagens naturais das paredes ocidentais e orientais, e não há vestígios de qualquer grande fosse rock, como é para ser encontrado no norte. A extremidade oriental é em grande parte construída sobre os cursos inferiores de parede sul de Herodes para seu templo-plataforma alargada e, ainda encontram-se emparedado os portões triplos, duplos e individuais que levam até o Templo. A linha irregular seguido pelo restante deste muro não tem até tempos recentes recebeu qualquer explicação. Sir Charles Wilson ( Gólgota e do Santo Sepulcro ) sugere a provável explicação de que a linha da parede do sudoeste ao "Zion Gate" foi determinada pelo acampamento legionário que estava na parte da cidade agora coberta pelos quartéis e o Armen

FONTE Enciclopédia Internacional Standard Bible 1915

VEJAM MAIS WWW.BIBLIAGEOGRAFIA.BLOGSPOT.COM