Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


teologia historica periodo patristico
teologia historica periodo patristico

                     TEOLOGIA HISTORICA - PERIODO PATRISTICO 

 

Introdução à Teologia Histórica - O período patrístico (c 100-450.) 

O período patrístico (c 100-450.)

Teólogos notáveis ​​durante o Período Patrístico

hereges durante o período patrístico

Vários desenvolvimentos teológicos Durante o Período Patrístico

Study Short - a Bíblia ea Tradição

Estudos curtas: As controvérsias cristológicas:

Arianismo

Apolinarianismo

Nestorianismo

 The Trinity

 A controvérsia donatista

 A controvérsia pelagiana

 Fé e Filosofia 

 

                                                          O período patrístico

 

O período patrístico é um ponto vital na história do cristianismo, uma vez que as informações contexturalizes cristã a partir do momento da morte do último apóstolo (João) (que corre cerca de cerca de 100 dC até a Idade Média (451 dC e do conselho de Calcedônia). Ele descreve a coesão entre o judaísmo eo cristianismo e vários pontos teológicos a ser resolvido. A maioria das denominações encontrar esse período da história da igreja de vital importância em uma escala similar. Do catolicismo romano para as Igrejas Reformadas seguinte Zwinglio e Calvino, muitos conceitos cristãos básicos nascem durante esta idade, o que, por uma boa razão, a igreja vai continuar a acreditar para sempre como ortodoxa sobre e contra todos os sectários heréticos.

Durante os dois primeiros séculos desta era a igreja estava sob perseguição de vários imperadores romanos. Foi aumentada e no seu pior, com Diocleciano (303 AD), que mesmo perseguidos sua própria esposa e filha por serem cristãos. O cristianismo tornou-se legalizada como uma religião na era de Constantino (321 AD), que era o lado oposto do espectro em relação à perseguição anterior.

Várias cidades e áreas geográficas tornou-se de maior importância. A cidade de Alexandria emergiu como um centro de educação teológica cristã. A cidade de Antioquia tornou-se também um dos principais centros do pensamento cristão. África do Norte ocidental deu à luz a homens como Tertuliano, Cipriano de Cartago, e Agostinho de Hipona.

O período patrístico é preenchido com importância teológica sobre o desenvolvimento da doutrina cristã. Muitos dos debates desse tempo estão alojados em ambas as questões teológicas e filosóficas. Sem uma compreensão útil de ambas as disciplinas, o estudante de teologia histórica encontra-se o período patrístico difícil de compreender de forma coesa. Este período é caracterizado pela diversidade doutrinária imenso e idade de "fluxo". Muitos estudiosos se referem a esta idade, quando os pais da igreja primitiva se notar, no entanto, seria mais adequado considerar que eles os "primeiros filhos da Igreja" que tinham começado a trabalhar teologia cristã para fora. Além disso, houve uma grande divisão na igreja em termos de linguagem. De língua grega a leste ea igreja de fala latina ocidental teve as duas barreiras políticas e lingüísticas a serem superados.

 

Visão geral dos principais teólogos Durante o período patrístico

Justino Mártir (c. 100-165) é um dos maiores apologistas cristãos que escrevem contra o paganismo. Ele forneceu a história com um dos primeiros exemplos de um teólogo que tentou relacionar o Evangelho às perspectivas da filosofia grega. Irineu de Lyon (c. 130-200), provavelmente um nativo da Ásia Menor, foi eleito bispo da cidade francesa de Lyon em torno de 178. Ele é principalmente conhecido por suas grandes haereses escrita Adversus (Contra as Heresias), que defendeu a fé cristã contra o gnosticismo. Clemente de Alexandria (c. 150-215) foi um escritor alexandrino líder, com uma preocupação de explorar a relação entre o pensamento cristão ea filosofia grega. Tertuliano (c. 160-255) foi uma figura importante na teologia latina cedo que produziu uma série de escritos polêmicos e apologéticos significativos. Ele é conhecido por sua capacidade de cunhar novos termos latinos para traduzir o vocabulário teológico emergente da igreja oriental de língua grega. Orígenes (c. 185-254) foi um dos maiores representantes da escola de teologia Alexandrino, especialmente conhecido por sua exposição alegórica da Escritura, e seu uso de idéias platônicas em teologia, particularmente cristologia. Os originais de muitas das suas obras, que foram escritos em grego, foram perdidos, com o resultado de que alguns são conhecidos apenas em traduções latinas de confiabilidade duvidosa. Cipriano de Cartago (morto em 258) foi um retórico romano de considerável habilidade, que se converteu ao cristianismo em torno de 246, e eleito bispo da cidade norte-Africano de Cartago em 248. Ele foi martirizado naquela cidade, em 258. Seus escritos se concentram principalmente na unidade da Igreja eo papel de seus bispos na manutenção da ortodoxia e da ordem. Atanásio (c. 296-373) foi um dos defensores mais significativos da cristologia ortodoxa durante o período da controvérsia ariana. Eleito bispo de Alexandria em 328, ele foi deposto por causa de sua oposição ao arianismo. Embora ele tenha sido amplamente apoiada no Ocidente, seus pontos de vista foram apenas finalmente reconhecida no Concílio de Constantinopla (381), após a sua morte. Gregório de Nazianzo (c. 329-389), também conhecido como Gregório Nazianzeno, é lembrado por seus cinco Orations teológicas escritas em torno de 380, e uma compilação de trechos de escritos de Orígenes chamado Philokalia. Ele também escreveu defensivamente sobre a doutrina ortodoxa da Trindade. Basel de Cesaréia (c. 330-379), também conhecido como "Basílio, o Grande" foi baseado em Capadócia, na Turquia moderna. Ele é lembrado por seus escritos sobre a Trindade, especialmente quanto ao papel específico do Espírito Santo. Ele foi eleito bispo de Cesareia em 370. Gregório de Nissa (c. 330-395), um dos pais da Capadócia, é especialmente conhecido por sua vigorosa defesa da doutrina da Trindade ea encarnação durante o quarto século. Agostinho de Hipona (c. 354-430) é amplamente considerado como o escritor patrística latina mais influente. Ele se converteu ao cristianismo, na cidade italiana de Milão, no verão de 386. Ele retornou ao norte da África, e foi feito bispo de Hipona, em 395. Ele estava envolvido em duas grandes controvérsias - a controvérsia donatista, com foco na igreja e sacramentos, ea controvérsia pelagiana, com foco na graça e pecado. Ele também fez contribuições substanciais para o desenvolvimento da doutrina da Trindade, e da compreensão cristã da história. Cirilo de Alexandria (morreu por volta de 444) foi um escritor importante, que foi nomeado patriarca de Alexandria em 412. Ele estava envolvido com a polêmica sobre os pontos de vista cristológicos de Nestório, e produziu grandes refutações e defesas da posição ortodoxa sobre as duas naturezas de Cristo . Vicente de Lerins (falecido antes de 450) foi um teólogo francês que se estabeleceu na ilha de Lerins. Ele é particularmente conhecido por sua ênfase no papel da tradição na proteção contra as inovações na doutrina da igreja, e é creditado com o "cânone Vicentina".

Visão de Key Hereges Durante o período patrístico

Orígenes pode ser considerado um herege em várias posições teológicas. Sua exegese era muitas vezes duvidosa e caiu na interpretação alegórica em vez do literal que expõe seus muitos erros teológicos. No entanto, por agora, a notação deve ser feito que muitos estudiosos colocam Orígenes em ambos os campos: como teólogo chave e como um herege, dependendo das questões discutidas. Ário (c. 250-336) foi o criador do arianismo, uma doutrina cristológica herética que se recusou a admitir a plena divindade de Cristo. Pouco se sabe de sua vida, e pouco sobreviveu de seus escritos. Seus pontos de vista são encontradas principalmente nos escritos de seus adversários durante a controvérsia (com a exceção de uma carta a Eusébio de Nicomédia, que sobreviveu). Apolinário de Laodicéia (310-390 c.) Foi um defensor vigoroso da ortodoxia contra o arianismo, mas, infelizmente, a sua visão caiu no outro extremo. Sua heresia cristológica foi uma reação exagerada ao arianismo que mesclava a natureza do Logos como a alma da pessoa de Cristo. Seus pontos de vista foram criticadas e condenadas como heresia no Concílio de Constantinopla, em 381 dC Teodoro de Mopsuéstia (c. 350-428) foi um dos maiores representantes da escola de Antioquia, conhecido especialmente por seu trabalho exegético. Após Apolinário, Theodore ensinou que o Logos assumiu uma natureza humana, mas fez esta uma mistura de modo que a humanidade compartilhada na divindade. Ele foi condenado como herege no Concílio de Éfeso, em 431 dC, e Constantinopla, em 553 dC Nestório (morreu c. 451) foi um grande representante da escola de Antioquia da teologia, que se tornou patriarca de Constantinopla, em 428. Sua ênfase vigorosa em a humanidade de Cristo feri-lo-se em negar sua divindade. O seu é um dos maiores hereges da igreja em negar a divindade de Cristo e fazendo Jesus simplesmente um grande professor ungido por Deus. Ele negou vigorosamente o uso da Theotokos prazo ou Deus portador como denominação de Maria (um termo teológico aceitos). Pelágio (c. 354) foi um teólogo britânico que era ativo em Roma, na última década do quarto, ea primeira década do quinto, séculos. Não existe informação confiável sobre a data de seu nascimento ou morte. Pelágio foi um reformador moral que negou depravação total e abraçou o livre arbítrio na medida em que ele negou que os homens são afetados pela queda de Adão. Isso o colocou em conflito com o teólogo ortodoxo Agostinho. Agostinho escreveu vigorosamente contra ele em seus escritos anti-pelagianos, e Pelágio foi conhecido através da história como um dos maiores hereges da Igreja para negar o que a queda foi imputada a todos da descendência de Adão.

Desenvolvimentos teológicos tecla durante o período patrístico

Teologia cristã, desde o seu início, apelou à Escritura e foi baseada na Bíblia. Como, porém, é que se define "a Escritura?" O termo "canônico" foi usado para descrever o que seria incluído nas Escrituras. Estes são escritos bíblicos-que definem um número limitado de que são aceitos como a Palavra de Deus pela igreja. Para os escritores do Novo Testamento, o termo "Escrituras" se refere principalmente às Escrituras do Antigo Testamento. Tertuliano declarou que, ao lado do Antigo Testamento eram os evangelicae et Apostolicae Litterae - escritos evangélicos e apostólicos. Acordo foi finalmente feita em um momento posterior, como o que os livros devem ser incluídos. Atanásio, em 367 dC, circulou a 39 Festal Letter que incluiu os 27 livros do Novo Testamento, os cristãos têm em sua Bíblia hoje. Como esses livros vêm juntos como autoritário? O princípio utilizado é de reconhecimento, não de imposição. A igreja não cria o cânone, em vez disso, eles reconhecem, conservar e recebê-lo.

Como é tradição coincidem com as Escrituras? Durante os primeiros anos muitas doutrinas foram desposada que parecia repousar sobre as Escrituras, mas eram na verdade um desvio da verdade cristã. Num contexto em que grupos sectários estavam distorcendo a verdade, e apelo à tradição tornou-se importante. A palavra "tradição" significa "proferida." Irineu chamou a fide regula, ou regra de fé. Esta regra de fé foi fielmente preservado pela igreja apostólica, e é encontrado nas Escrituras. Tradição veio a significar, então, "uma interpretação tradicional das Escrituras." Desta forma, a regra de fé foi o que era comumente aceito pela igreja como um que recebeu a verdade das Escrituras e formulou uma declaração, credo ou confissão sobre essas verdades (como o Credo Apostólico). O Inglês palavra "credo" vem do credo em latim que significa "eu creio". Mais tarde, declarações de fé eram conhecidos como confissões, como a Confissão de Fé de Westminster. Estas são as bases da crença cristã de que cada cristão deve ser capaz de aceitar e ser obrigado por. Um credo difere de uma confissão na medida em que é uma declaração universal das verdades mais simplistas da fé cristã.

O Credo Apostólico é o credo mais familiar da igreja cristã. Ele é dividido em três seções que tratam de Deus, Jesus Cristo eo Espírito Santo. O Credo Niceno é uma versão mais longa que destaca o material na relação entre Jesus Cristo eo Espírito Santo.

As duas naturezas de Cristo foi também um grande assunto controverso durante o período patrístico. A conclusão foi de que Jesus Cristo era da mesma substância de Deus, descrito nos termo homoousios (da mesma substância). Duas escolas tiveram duas opiniões sobre isso: a Escola de Alexandria colocado ênfase na divindade de Cristo, e da escola de Antioquia colocado ênfase na humanidade de Cristo. Os debates cercaram a controvérsia ariana de determinar se Jesus era Deus ou um ser criado. Arius ensinava que Cristo era um ser criado. O Concílio de Nicéia (c. 325) foi convocado por Constantino e resolveu a controvérsia ariana, afirmando que Jesus era homoousios com o Pai (ou seja, da mesma substância).

Após a polêmica sobre a divindade de Cristo foi resolvido, a doutrina da Trindade, naturalmente, aconteceu uma vez que este era tudo interligados. A idéia básica por trás da Trindade é que há três pessoas na Divindade - Pai, Filho e Espírito Santo, e que estes três devem ser considerados igualmente divina e da igualdade de estatuto. Atanásio e Basílio de Cesaréia escreveu vigorosamente sobre este assunto defender a ortodoxia. Os pais da Capadócia Oriental (Gregório Nazianzeno, Basileia e Gregório de Nissa) também escreveu em defender esta doutrina.

A doutrina da Igreja (Eclesiologia) também subiu como um assunto importante, especialmente quanto à sua santidade. Os donatistas argumentou que a igreja era um corpo de santos onde os pecadores não tinha lugar. Isto tornou-se particularmente importante quando a perseguição eclodiu em que os donatistas não queria permitir que volta para os desertores da igreja que se retratou e, em seguida, se retratou de sua retratação por causa dessa perseguição. Os donatistas defendeu sua exclusão da igreja. Agostinho, de outra forma, afirmou que a Igreja deve continuar a ser um corpo misto de indivíduos - santos e pecadores. A validade da santidade das igrejas não depende da santidade dos membros, mas a pessoa de Jesus Cristo.

As doutrinas da graça também vieram à tona nos escritos de Agostinho sobre a heresia propagada por Pelágio, um monge britânico que acreditava que o pecado de Adão não afecta nenhum dos seus descendentes. Tão forte era a pena de Agostinho contra Pelágio que ele ficou conhecido como o "doutor da graça". Pelágio ensinava que os recursos da salvação fosse dentro da humanidade, onde Agostinho ensinou que estavam em Cristo Jesus sozinho. O ethos do Pelagianismo poderia ser resumido como "a salvação por mérito", enquanto que Agostinho ensinou "salvação pela graça", seguindo Efésios 2: 8-10Open in Logos Bible Software (if available) . O Concílio de Cartago (c. 418) resolveu defender as doutrinas da graça e condenou o pelagianismo em termos inflexíveis.

 

Study Short - a Bíblia e Tradição

Quem decide o que é uma interpretação ortodoxa da Escritura, e quem decide o que não é? Desde seus primeiros tempos Cristianismo se espalhou através da transmissão oral de ensino. Esta "tradição" indica os elementos básicos da verdade cristã. Alguns dizem que Mateus, Marcos e Lucas são baseados em coletas de material que foram transmistted oralmente antes de serem finalmente estabelecido por escrito. Alguns estudiosos dizem que o Evangelho de Marcos parece ser a fonte usada para Mateus e Lucas, retendo cerca de 90% em cada um desses evangelhos. Há também material comum tanto para Mateus e Lucas que corre cerca de 200 versos de comprimento e é referido como a fonte "Q". Não há nenhuma evidência de que "Q" foi-se um evangelho, ou que ele existia como uma fonte escrito em separado. Há material encontrado em Mateus sozinho chamada de "M", e material encontrado somente em Lucas chamado "L".

Alguns escritores gnósticos acreditavam que uma tradição oral secreta foi transmitida através dos apóstolos e que foi encontrado em forma "velada" na Bíblia. Apenas algumas pessoas que sabiam ler a Bíblia em "Desta forma" poderia ver e entender. A igreja defendeu a Bíblia contra esta posição por tradicionalmente interpretar as Escrituras dentro da comunidade de fé. Isso é o que a tradição tem vindo a dizer. Tradição, neste sentido, não é uma adição de uma outra fonte ao lado da Bíblia, mas sim que é o ensino básico das Escrituras chamado de "teoria de uma única fonte." Irineu argumentou, em seu Contra as Heresias, que a comunidade cristã que vive possuído uma tradição de interpretação das Escrituras que foi negado por hereges. Por sua sucessão histórica dos apóstolos, os bispos, pastores e mestres garantir que suas congregações permanecem fiéis aos seus ensinamentos e interpretações. Tertuliano também faz com que este mesmo ponto onde ele diz que a ortodoxia depende restante historicamente contínuo com e teologicamente dependente dos apóstolos. Os hereges, ao contrário, não podem demonstrar qualquer continuidade. Tertuliano diz, "se o Senhor Jesus Cristo enviou os apóstolos para pregar, nenhum outro do que os pregadores que são designados por Cristo devem ser recebidos." Ele repreende os hereges, dizendo: "deixe que eles se desdobram a ordem de seus bispos, mostrando que há uma sucessão desde o início, de modo que o primeiro bispo teve como seu precursor e antecessor um apóstolo ou algum homem apostólico, que foi associado a sagacidade dos apóstolos. "Vicente de Lerins encontra a" regra "no que veio a ser conhecido como o consenso fidelium - ". o consenso dos fiéis" Até o final do período patrístico, a idéia de interpretar a Bíblia dentro da tradição viva da Igreja cristã era vista como um antídoto essencial para a heresia, e tornou-se parte da forma aceita de fazer teologia.

Estudos curtas: As controvérsias cristológicas - o arianismo, Apolinarianismo e Nestorianismo

O debate sobre a divindade de Cristo foi realizado principalmente na igreja oriental. Agostinho, por exemplo, nunca escreveu nada extensa sobre cristologia. Seria a Igreja do Oriente para rivalizar com esta heresia. Dois pontos de vista iniciais de uma heresia cristológica foi Ebonitism que considerava Jesus como um ser humano comum, e Doceticism (vindo do dokeo trabalho grega que significa parecer ou pensar) ensinando que Jesus apenas parecia humano, mas não era. Subordinationism também entrou em jogo, e foi defendida por Orígenes, que ensinou que o Logos deve ser considerado como subordinado ao Pai. Mas de todas as posições heréticas defendidos, o arianismo foi o mais abrangente eo pior.

Ário ensinou que o Pai existiu antes do Filho. Isso coloca o Pai eo Filho em um nível diferente e por Ário acreditava que o filho era um ser criado. O Filho supera outros seres criados, mas ainda assim é criado. Arius sublinha a impossibilidade de conhecer Deus com as criaturas, assim, para ele, é impossível que Cristo conhecia a Deus em qualquer sentido real. Arius também disse que as Escrituras que "parecem" para apontar para a divindade de Cristo são realmente apenas "honorífica". Eles estão lá simplesmente para elevar Jesus um pouco mais do que a maioria dos homens. O termo "Filho", então, é uma metáfora, um termo de honra, para sublinhar a posição do Filho contra outras criaturas.

Em contraste com Ário, Atanásio escreveu vigorosamente para a verdade. Atanásio disse que, se Cristo é uma criatura, então Ele é uma criatura assim como todas as outras criaturas, não importa o quanto Arius quer colocar nele de revestimento de açúcar. Além disso, nenhuma criatura poderia salvar outra criatura, o que derrubaria a salvação em sua totalidade. Mas os cristãos adoram e rezar para Cristo, o que derrubaria os mandamentos se negado. Assim, Atanásio atacou tanto as idéias teológicas e práticas Arius estava tentando derrubar. O silogismo que foi usado pela igreja por tanto tempo contra Arius (além da autoridade das Escrituras) foi a seguinte: 1) Nenhuma criatura pode resgatar outra criatura. 2) De acordo com Ário, Jesus Cristo é uma criatura. 3) Portanto, de acordo com Ário, Jesus Cristo não pode redimir a humanidade. Outros têm simplificado o silogismo da seguinte maneira: 1) Só Deus pode salvar. 2) Jesus Cristo salva. 3) Portanto, Jesus Cristo é Deus. O debate, então, chegou ao fim no Concílio de Constantinopla, em c. 381 declara que Cristo "era da mesma substância" como o Pai.

Mais tarde, Apolinário ensinou que o Logos assumiu a natureza humana de Cristo como sua alma. Isto significava que o Logos habitou na pessoa de Jesus, mas não era a pessoa de Jesus. O Logos, desta forma, foi contaminado pela fraqueza da carne humana. O Logos, porém, anima a alma ea mente humana, mas a natureza humana é incompleta sem ele. Como resultado, Cristo não pode ser dito para ser totalmente humano. A natureza divina assumiu o humano ainda misturado com ele. Gregório de Nazianzo lutou esta heresia em afirmar que Jesus é Deus perfeito e homem perfeito. Se Jesus é apenas parcialmente humano, então a salvação seria impossível.

Na escola cristológica antioqueno surgiu um problema com um homem chamado Nestório. Nesta escola os problemas não eram necessariamente teológico, mas moral. Eles acreditavam que os seres humanos foram mortos e em necessidade de redenção. A única pessoa capaz de redimir a humanidade foi Deus que se encarnou em Jesus Cristo. Mas surgiu uma disputa sobre a Theotokos prazo, ou portador de Deus para Maria. Jesus Cristo é Deus. Maria deu à luz Jesus Cristo. Por isso, Maria é a mãe de Deus. Nestório não podia compreender isso de maneira teologicamente aceitável. Ele pensou, por exemplo, Jesus Cristo sofreu na cruz. Jesus Cristo é Deus. Por isso, Deus sofreu na cruz. Este seria, então coloque um enorme problema teológico sobre a imutabilidade de Deus, e outras questões. No momento em que Nestório cam em cena, o termo Theotokos foi realmente aceito em um contexto teológico adequado. Nestório, no entanto, completamente separada da humanidade e divindade de Cristo como uma pessoa humana e um Filho divino. Assim, Cristo tornou-se esquizofrénica. Cirilo de Alexandria defendeu a verdade da união hipostática e escreveu extensivamente contra Nestório. Nestório foi condenado oficialmente como um herege da igreja pelo Concílio de Calcedônia.

 

Study Short: The Trinity

Através dos debates em torno da cristologia, a doutrina da Trindade foi a próxima grande questão doutrinária para explorar. Jesus Cristo era visto como sendo da mesma substância do Pai (homoousios). Se Jesus Cristo fosse Deus, porém, que isso significa que havia dois deuses - uma visível e invisível? Irineu usou o termo "economia da Divindade" para distinguir os papéis apropriados entre Pai, Filho e Espírito Santo. Não são distintos, mas os papéis relacionados do Pai, Filho e Espírito Santo. A doutrina em si é aterrado diretamente na experiência humana complexa da redenção em Cristo, e está preocupado com a explicação dessa experiência.

A Igreja Oriental enfatizou a individualidade distinta das três pessoas, ou hipóstases da cabeça de Deus, e salientou que tanto o Filho eo Espírito derivado do Pai. O prazo entre a relação com o Pai eo Filho é "gerado". A igreja ocidental começou com a unidade de Deus e interpretou a relação entre os três em termos de sua função. Assim, as idéias da Igreja Oriental poderiam ser tomadas como se houvesse três diferentes agentes que fazem três coisas diferentes. A Igreja Ocidental teria visto o trabalho da Divindade como um todo unificado. Eles pressionaram a idéia de que a Divindade é uma "comunidade de ser", em que cada pessoa, mantendo a sua identidade distinta, penetra os outros e é penetrada por eles. Isso é chamado, mais tecnicamente, perichoresis. Agostinho formulou muito das idéias das Igrejas ocidentais aqui e argumentou, biblicamente, para a divindade como visto em Gênesis 1: 3Open in Logos Bible Software (if available) - Deus, a Palavra, eo Espírito - ativo na criação.

Modalismo entrou em jogo (um termo usado de Adolph von Harnack) para descrever uma heresia trinitária associada a Noetus e Praxeas no segundo século, e Sabélio no século III. Estes escritores acreditavam que Deus se revelou de três maneiras diferentes - como três máscaras usadas em momentos diferentes.

Os Cappadocians desempenhou um papel fundamental no estabelecimento da divindade do Espírito Santo sobre e contra as heresias trinitárias emergentes. O Concílio de Constantinopla aceitou formalmente esta decisão em 381 dC As fórmulas expressas por eles eo credo era "uma substância (ousia) em três pessoas (hypostaeis)." O Pai se distingue pela paternidade, o Filho de filiação eo Espírito Santo por a capacidade de santificar a igreja. O Pai é ingenerate (não sendo gerado), o Filho é gerado (derivado do Pai), eo Espírito está sendo enviado ou procedimento (spirated). Agostinho movido mais do que estes homens dizendo que o Espírito Santo é uma espécie de cola, ligando o Pai eo Filho juntos e é uma parte central da teologia de Agostinho. Seu trabalho sobre a Trindade é uma das obras mais úteis desta época sobre a natureza distintiva da Divindade.

O Credo Niceno trouxe uma grande quantidade de estabilidade para a doutrina da Trindade, uma vez que foi finalmente formulada. Uma das questões mais importantes foi a notação feita sobre o Espírito Santo procede do Pai e do Filho - algo comumente aceita e rotineiramente falado até o século IX. A Igreja Ocidental usou o termo filioque o que significava que o Espírito Santo tinha uma procissão de casal, do Pai e do Filho. Isso não foi aceito pela Igreja do Oriente que tentou amarrar o Espírito Santo só procede do Pai. Este debate foi uma grande causa da divisão entre a Igreja do Oriente ea Igreja do Ocidente, que ocorreu em 1054.

A Igreja Oriental usou a figura do Pai falando a Palavra, ea respiração levando a Palavra, tanto as que se originam com o Pai. Eles tentaram manter o Pai como a única autoridade para estar do Supremo. Agostinho, por outro lado, viu o Espírito procede do Filho, bem como - como disse em João 20:22Open in Logos Bible Software (if available) ". receber o Espírito Santo", onde Cristo diz aos discípulos para O Conselho de Lyons tentou reconciliar isso afirmando que a Santa Espírito Santo procede do Pai e do Filho, mas não a partir de duas origens, mas a partir de um único e mesmo conjunto.

Curto Estudo: A controvérsia donatista

Sob a perseguição de Diocleciano (284-313) indivíduos na igreja cristã tinha que tomar uma decisão quanto a saber se eles iriam dar em um edital abordados em 303 AD afirmando que todos os livros cristãos devem ser queimados. Aqueles que entregou seus livros foram chamados traditores. Esta era uma forma primitiva do pior tipo de cisma. Os donatistas, então, afirmou que a igreja deve ser mantido puro dos pecadores que se negam a fé, e declarou uma forma primitiva de ideologia Batista, que diz que a igreja só deve ser feita do eleito regenerado. Os donatistas foi mais longe, porém, e disse que os pecadores não tinha lugar na igreja. Cipriano começou a escrever sobre o assunto e disse que cisma é injustificada a qualquer título. Esses ministros que promulgar qualquer tipo de cisma perder todos os direitos para pregar e administrar os sacramentos no escritório do ministro. Ao passar fora da esfera da igreja, eles perderam toda a sua autoridade. Qualquer que foram ordenados devem ser vistos como invalidamente ordenado, e qualquer que foram batizados devem ser vistos como não-batizado. Ele argumenta que há apenas uma igreja, e todos os cristãos devem ser membros de uma igreja que decorrente dos apóstolos. Cipriano disse que qualquer pastor que caduca em apostasia e é cismático, ao arrependimento, deve ser definido de volta na graça de Cristo por seus co-irmãos. O donatistas, no entanto, não faria tal coisa. Como resultado, os donatistas pensei que todo o sistema da Igreja tornou-se corrompido, porque a igreja estava permitindo que os cismáticos de volta para a igreja depois de terem apostatado. Agostinho refutou-los demonstrando que a Igreja é composta de pecadores e santos, e que a santidade não é algo intrínseco em santos, mas vem de Cristo. Cristo, então, afeta a santidade da igreja, e não os santos da igreja. Os donatistas, em seguida, tornou-se cismático - a mesma coisa que eles achavam que estavam tentando rejeitar. Agostinho demonstrou aos donatistas que todo ministro deve ter sua autoridade por meio de Cristo, através dos apóstolos e seus sucessores. Caso contrário, uma partilha de cisma.

Study Short - A controvérsia pelagiana

No início do século V, um dos maiores hereges da igreja surgiu - Pelágio. Pelágio é conhecido na cena histórica como um monge britânico de olhos azuis, com o sobrenome de Morgan, que é fama surgiu de Roma no início do quinto século. Ele estudou a teologia grega, especialmente a da escola de Antioquia, e no início mostrou grande zelo para a melhoria de si mesmo e do mundo. No entanto, ele ensinou pontos doutrinários divergentes sobre a liberdade da vontade, o entendimento do pecado, da graça, e um dos motivos de justificação.

Agostinho ensinou que a vontade era ativo, sob a égide da soberania de Deus. Ele é ativo em seus próprios desejos, que, antes da queda estava disposto a qualquer santidade ou mal, embora ainda não havia sido corrompida, e depois da queda como inteiramente corrompido e mal em cada desejo. Pelágio ensinava que os homens não foram afetados pela queda de Adão, mas só se tornam pecadores depois de terem pecado. Pelágio também ensinou que não havia necessidade da graça divina (no caminho Agostinho ensinou) para cada comando dado na Bíblia foi algo que Deus queria me obedecer, e que demonstrou que poderia obedecê-la com excepção de qualquer ajuda divina. É sempre possível para os seres humanos para cumprir as suas obrigações antes do homem e Deus. A humanidade, então, nasce sem pecado, e só se torna corrompido, escolhendo para o pecado sobre a escolha de fazer o bem - duas opções igualmente possíveis.

Graça, para Agostinho, era a soberana misericórdia de Deus dado aos homens perversos através da mediação de Jesus Cristo eo poder santificador do Espírito Santo. Para Pelágio era simplesmente a capacidade humana de razão. Pelágio também disse que a graça pode ser visto nos comandos morais de Deus e do exemplo moral de Jesus Cristo. Graça simplesmente nos informa sobre o que deve ser feito. A humanidade, então, é justificada com base ou mérito. Agostinho ensinou que a justificação foi baseada na graça divina que deve ser colocado em nós pelo poder de Deus. Pelágio rejeitou esta e viu que os homens devem fazer o bem diante de Deus, porque os mandamentos de Deus argumentam que os homens têm a capacidade de fazer o que Deus ordena. Agostinho, no entanto, como indica a sua oração, não acredito que esta em tudo: "Deus, manda o que tu queres, mas conceder-nos o que tu mandares." O conselho de Éfeso condenou Pelágio como herege em 431 dC por visões não-cristãs do pecado, a graça, a justificação ea liberdade da vontade.

Study Short: Fé e Filosofia

Uma das questões mais importantes que a igreja primitiva trabalharam através foi a relação do cristianismo com a filosofia. Não há dúvida de que o apóstolo Paulo se reuniram, debateram, e pregou antes de filósofos ( Atos 17:18Open in Logos Bible Software (if available) ). Quando ele falou no Areópago aos filósofos epicuristas e estóicos, ele construiu seu sermão de improviso em torno de crenças básicas da filosofia estóica. O que ele fez foi apelar para o deus a quem eles seguiram sem saber quem ele era, e que Paulo estava indo para revelar este Deus para eles como o grande e todo-poderoso Deus do Universo. Filosofia clássica pode ser visto, então, de alguma forma e em algum grau, como preparar o caminho para a vinda da revelação cristã.

 

Como resultado do impacto dos sistemas filosóficos já existentes que tiveram alguma verdade para eles, mas foram crivados de erro, homens como Justino Mártir e Clemente de Alexandria adotou métodos de incorporação de idéias filosóficas em apresentação contra várias visões não-cristãs da realidade última. Jesus Cristo é o Logos divino a partir do qual toda a verdadeira sabedoria vem. Tudo o que é bom e verdadeiro em filosofia pode ser usado pelos cristãos, pois representa aquilo que é verdadeiro e bom como verdade. Tertuliano, por outro lado, queria criar uma parede divisória entre a filosofia eo cristianismo já que a maioria do que é defendida na filosofia é uma heresia. O gnosticismo é um dos muitos exemplos que Tertuliano usado como um exemplo de como a filosofia dá errado. (No entanto, alguns estudiosos acreditam que o gnosticismo é realmente anti-intelectual e não-filosófica.) Agostinho, defendendo o uso da filosofia, diz que não há nenhuma razão para que um cristão não gostaria de usar o que é bom sobre a filosofia desde toda a verdade é verdade de Deus. A teologia cristã deve usar o que é verdadeiro em todas as formas, uma vez que é verdade. Esta metodologia foi visto na sua maior altura na escolástica do cristianismo medieval, e mais reformaram por muitos teólogos reformados da época da Reforma e Pós-Reforma.

fonte www.apuritansmind.com

                                                                De 1750 até hoje.

                                       Avançado Teologia Histórica - Introdução

 Devido à natureza do material que está coberto de uma pesquisa da teologia histórica, a história do pensamento teológico tem de ser necessariamente um compromisso teológico. Todo o conteúdo da história do pensamento cristão não pode ser coberta a menos que a gente gostaria de escrever uma obra-prima de muitos volumes. Em vez disso, a seletividade devem ser tomadas a fim de cobrir os aspectos mais importantes da Teologia Histórica.

Doutrinas não sairá por geração espontânea, ou cair do céu em um livro não relacionado a eventos específicos que provocam a reflexão teológica. Dogmas são apresentadas como partes de pensamento cristão e servem como bacias hidrográficas na história do pensamento teológico. Eles agem como pontos de partida para o próximo conjunto de eventos que vão surgir para as gerações futuras. Doutrinas são forjados através de longos anos de reflexão teológica a partir de práticas estabelecidas de adoração, dentro do contexto de uma espiritualidade que se opõe a essas doutrinas que parecem atacar a própria essência da fé. Por isso, alguns acham que é mais útil para ver teologia histórica não como uma história do dogma, mas como uma história do pensamento cristão. Para os fins deste panorama, este escritor vai resumir a história do pensamento cristão.

 Quando estabelecendo uma história do pensamento cristão, tem duas escolhas a fazer na forma em que é realizado: ou uma sistematização da doutrina (e, em seguida, introduzindo figuras-chave ao longo da história em que a doutrina), ou uma abordagem cronológica. Em uma pesquisa do pensamento cristão, é muito mais fácil de seguir uma ordem cronológica do que sistematizar épocas uma e outra vez para doutrinas distintas. Isso deve permitir que os cristãos um tempo muito mais fácil de lidar com a informação do que se tivessem de continuar a refazer seus passos ao longo da história da igreja cristã para cada novo turno teológica.

Postado por AVIVAMENTO NO SUL