Translate this Page

Rating: 3.0/5 (909 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


hinologia e poesia cristãparte N.1
hinologia e poesia cristãparte N.1

                                                   HINOLOGIA E POESIA

 

"A poesia e sua música irmã gêmea são as artes mais sublimes e espirituais, e são muito mais parecido com o gênio do cristianismo, eo ministro muito mais copiosamente para fins de devoção e edificação de arquitetura, pintura e escultura. Eles empregam palavra e tom, e pode falar assim, mais diretamente para o espírito do que as artes plásticas em pedra e cor, e dar expressão mais adequada a toda a riqueza do mundo do pensamento e do sentimento. 

 No Antigo Testamento, como é sabido, eles foram essenciais partes do culto divino;. e então eles têm sido em todos os séculos, e quase todos os ramos da Igreja Cristã das várias espécies de poesia religiosa, o hino é o mais antigo e mais importante Ele tem uma história rica, em que o mais profundo. experiências de vida cristã são armazenados. Porém ela alcançou plena floração (como notaremos abaixo) na Igreja evangélica da língua alemã e Inglês, em que, como a Bíblia, tornou-se pela primeira vez verdadeiramente a posse das pessoas, em vez de ser restrito ao sacerdote ou coro "(Schaff, Ch. História). "Um hino é um discurso lírico aos sentimentos. Deve ou excitar ou expressar sentimentos. A recitação de fatos históricos, descrições de paisagens, narrativas de eventos, meditações. Podem todos tendem a inspirar sentimentos. Hinos não devem ser excluídos, portanto, , porque eles são deficientes em forma lírica ou no sentimento, se a experiência mostra que eles têm o poder de despertar emoções piedosas. Not muitos. hinos de Newton pode ser chamado de poético, mas alguns hinos no idioma Inglês são mais úteis "(Beecher, Prefácio à coleção Plymouth). O hino, como tal, não se destina a ser didático, e ainda é um dos meios mais seguros de transmitir a "sã doutrina", e de perpetuá-lo na Igreja. Os gregos e padres latinos entenderam bem isso. Bardesanes (veja abaixo) "difundido seus erros gnósticos em hinos siríaco, e até que a linguagem deixou de ser o órgão vivo de pensamento, os pais da Síria adotou este modo de inculcar a verdade em composições métricas.

Os hinos de Arius foram grandes favoritos, e contribuiu para espalhar suas doutrinas peculiares. Crisóstomo encontrados os hinos de adoração Arian tão atraente que ele teve o cuidado para neutralizar o efeito deles, tanto quanto possível, fornecendo a Igreja Católica com composições métricas. Agostinho também compôs um hino a fim de verificar os erros dos donatistas, que representa como fazendo uso de hinos recém compostas para a propagação de suas opiniões. Os escritos de Efrém Syrus, do século 4, contêm hinos sobre vários temas, relacionados principalmente às questões religiosas do dia, que agitou a Igreja "No entanto, um mero ajuste diante da doutrina cristã no versículo não constitui um hino;. Dos pensamentos ea linguagem das Escrituras deve ser reproduzido de uma forma lírica, a fim de atender às necessidades de música.

Os hinos mais populares e duradouros são aqueles que são mais lírico em forma, e ao mesmo tempo mais penetrou profundamente com a vida cristã e sentimento . Nem pode hinos, no sentido próprio da palavra, ser diferente de popular. Igreja Romana desencoraja adoração congregacional, e, portanto, ela produz alguns hinos, não obstante o número de belas composições religiosas, que podem ser encontrados em seus escritórios, e as belas produções métricas da Idade Média, dos quais mais de uma parte posterior deste artigo. Hinos para os protestantes, sendo "composta para uso congregacional, deve expressar todas as variedades de emoção comum para o cristão. Eles devem incluir na sua vasta gama o tremor do pecador, a esperança ea alegria do crente; eles devem fazer soar o alarme para os impenitentes, e torcer os aflitos; eles devem chamar a Igreja a um seguimento sério do seu Redentor, desça com a morte para o vale da morte, e torná-lo vocal com as notas de triunfo; eles devem assistir o cristão em todas as etapas de sua vida como uma melodia celestial. Não pode haver nada de esotérico no hino. Além 'disso, o hino, habilmente ligados com a música, torna-se o companheiro de horas solitárias de um cristão.

 É a propriedade de uma boa letra de existir na mente como uma presença espiritual; e, portanto, como uma ' alma escondida de harmonia ", que habita uma alma na alma, e eleva-se, muitas vezes, não procurado, na consciência distinta. O Gothe mundana aconselhados, como um meio de tornar a vida menos comum, que se deve " todos os dias, pelo menos, ouvir um pouco de música ou ler um bom poema. " Mais feliz aquele que, a partir de seu conhecimento abundante com letras cristãs, tem a música dentro de si; que pode seguir o conselho mais pura de Paul, e " fale consigo mesmo, com hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor "( Efésios 5:19 ) "(Metodista Quarterly, de julho de 1849). Para o vocal execução de hinos, como parte do serviço na Igreja, , e para os seus acompanhamentos instrumentais,.

Sobre a questão do uso de hinos de composição humana. na Igreja, houve disputas em um período muito cedo. O Conselho de Braga (Portugal), AD 563; proibia o uso de qualquer forma de cântico, senão salmos e passagens das Escrituras (cânon 12). Sobre este assunto, Bingham comenta que foi em tempos antigos "não-objeção contra a salmodia da Igreja que ela às vezes fez uso de salmos e hinos de composição humana, além daqueles dos escritores sagrados e inspirados. Pois, embora St. Austin reflete sobre os donatistas para seus salmos de composição humana, ainda não foi simplesmente porque eles eram humanos, mas porque preferia os hinos divinos da Escritura, e sua maneira indecente de cantar eles, para o túmulo e método sóbrio da Igreja. St . próprio Austin fez um salmo de muitas partes, à imitação do Salmo 119, e isso ele fez para o uso de seu povo, para preservá-los dos erros de Donato Seria absurdo pensar que aquele que fez um salmo si mesmo. para o povo a cantar deve brigar com outros salmos simplesmente porque eram de composição humana.

Demonstrou-se que sempre houve tais salmos, e hinos, e doxologias compostas por homens piedosos, e usado na Igreja desde a primeira fundação da mesma; nem qualquer mas Paulus Samosatensis tomar exceção ao uso deles; e ele não fez isso porque eles eram de composição humana, mas porque eles continham uma doutrina contrária às suas opiniões particulares. St. Hilary e St. Ambrose fez muitos desses hinos, que, quando algum murmurou contra nas igrejas espanholas, porque eles eram de composição humana, o IV Concílio de Toledo fez um decreto para confirmar o uso deles. juntamente com os doxologias " Glória ao Pai ", etc, " Glória a Deus nas alturas, "excomunhão ameaçador para qualquer que deve rejeitá-los.

A única coisa de peso a ser instado contra tudo isso é um cânone do Concílio de Laodicéia, que proíbe a ἰδιωτικοὺς ψαλμούς , todos os salmos privadas, e todos os livros não-canônicos para ser lido na Igreja. Para que possa parecer que por salmos privadas que significam todos os hinos de composição humana. Mas se pretendia, em vez de excluir apócrifo, hinos, como foi sob o nome de Salomão, como Balzamon e Zonaras compreendê-lo, ou então, como não foram aprovados pela autoridade pública na Igreja. Se ser prorrogado, contradiz a prática corrente de toda a Igreja, além disso, e não pode, em razão, ser interpretado como aliado mais do que uma ordem particular para as igrejas daquela província, feita em cima de algumas razões específicas desconhecidas para nós neste dia . Não obstante, por isso, qualquer argumento a ser desenhado a partir deste cânone, é evidente que os antigos não fez nenhum escrúpulo de usar salmos ou hinos de composição humana, desde que fossem piedosa e ortodoxa para a substância, e composta por homens eminentes, e recebido por só autoridade, e não trouxe clandestinamente para a Igreja "(Orig Eccles bk 14.:... ch 1).

A Igreja cristã, em todos os períodos, está acostumado, como já dissemos, para usar salmos, e hinos na adoração pública. Os salmos são porções dos Salmos de Davi; os hinos são composições humanas. Sobre a história de cantar no culto em geral, (Veja Salmodia ), ao abrigo do qual a cabeça também será dado um relato dos hinários padrão nas diversas denominações evangélicas.

I. Antiga Hymns. - Alguns hinos têm chegado até nós da antiguidade muito remota. "Basil cita um hino à noite de um autor desconhecido, que ele descreve como no seu tempo (século 4) muito antiga, passada de pais, e em uso entre as pessoas. Dr. J. Pye Smith considera o mais antigo existente hino . Segue-se a tradução do mesmo: "Jesus Cristo, luz alegre do santo! Glória do Eterno, celestial, santo, abençoado Pai! Tendo agora chegado ao pôr do sol, contemplando a luz da noite, louvamos o Pai, e do Filho, e do Espírito Santo de Deus. Tu és digno de louvor, de vozes sagradas, em todas as estações, (Filho de Deus, que dás vida Portanto o universo glorifica-te "(Coleman, o cristianismo antigo, cap 16:.!. § 5) A partir da carta do ancião. Plínio a Trajano, sabemos que, logo no início do segundo século, os cristãos elogiou Cristo como seu Deus em músicas, e de Eusébio (. Eccles . Hist . 5, 28), aprendemos que havia uma grande multidão de tais músicas, mas o hino mais antigo para o Cristo, permanecendo nos completa do período de perseguição, é a de Clemente de Alexandria (qv) É dado em cheio o grego eo latim, em Coleman. (1 c.): ver também Piper Cementis Hymnus é Salvatorem (G ö . tting 1835) e Balt, Defensio fidei Nicceae, § .. 111, 2 pc, citado por Coleman "Embora considerado como uma produção poética, tem pouca pretensão de consideração, mostra a tensão da devoção do primeiros cristãos: vemos nele o coração de piedade primitiva trabalhando para dar expressão aos seus sentimentos de admiração, amor e gratidão, tendo em vista os escritórios e caráter do Redentor. Ela não é encontrada nos escritórios posteriores da Igreja, porque, como é suposto, ele foi pensado para assemelhar-se, na sua medida e estrutura antiphonal, as músicas usadas na adoração pagã "(Coleman, Prim. Igreja, p. 370).

Os mais antigos hinos-escritores cristãos, no entanto, foram em sua maioria gnósticos em suas doutrinas, e eles parecem ter usado suas músicas como "um meio popular de elogiar e propagar seus erros." O primeiro deles foi Bardesanes, na Igreja sírio da segundo século, que escreveu na imitação dos Salmos 150 hinos, com adições gnósticos. Valentino de Alexandria pertence também aos mais antigos escritores hymn- (comp. Muinter, Odae Gnosticae, Copenh. 1.712). A Gloria in Excelsis (qv), que ainda é mantido em uso, é atribuído ao terceiro século.

 

1. Oriental e grego. – 

 O Therapeutae no Egito cantou em suas assembléias hinos antigos transmitidos pela tradição. Quando, sob Constantino, o Grande, o cristianismo se tornou a religião do Estado, os hinos adquiriu a importância de canções regulares da Igreja litúrgicas. Efrém Syrus (qv), no século 4, que pode ser considerado como o representante de toda a hymnology sírio, procurou trazer os hinos heréticos dos gnósticos em desuso. Na Igreja Oriental, os hinos de Arius tinha, por seu espírito cristão prático, adquiriu mais popularidade do que os hinos ortodoxos, que consistia principalmente de um conjunto de fórmulas dogmáticas. Para se opor a esta tendência, Gregório de Nazianzeno e Sinésio compôs uma série de novos hinos ortodoxos, mas, não sendo adaptado para a compreensão das pessoas em geral, estes não se tornou popular, e, portanto, não atendeu ao objetivo dos escritores. Poesia sacra em geral começou a declinar entre os gregos; e como no século seguinte, a contenda sobre a adoração de Maria e dos santos começou, os hinos ortodoxos tornaram-se meros cânticos de louvor a estes. Tais são os hinos de Cosmas, bispo de Majumena (780); Andreas, bispo de Creta (660-732); Germano, patriarca de Constantinopla (634-734); João Damasceno, no século 8, e Teófanes, metropolitana de Nicéia, e Josephus, diácono de Constantinopla, no dia 9.

 

Na história da hymnology, Schaff distingue três períodos, tanto na poesia grega e da Igreja Latina:

(1) a de formação, ao mesmo tempo que foi lentamente jogando fora metros clássicos e inventar o seu estilo peculiar, para cerca de 650;

 

(2) que a perfeição, até 820; 

(3) que de declínio e decadência, de 1400, ou para a queda de Constantinopla. "O primeiro período, bela como são algumas das odes de Gregório Nazianzeno e Sofrônio de Jerusalém impressionou mal quaisquer vestígios sobre os livros de escritório gregas.

O período de florescimento da poesia grega coincide com o período das controvérsias de imagem, e os poetas mais eminentes eram ao mesmo tempo defensores de imagens; proeminente entre eles, sendo João de Damasco, que tem a dupla honra de ser o maior teólogo eo maior poeta da Igreja Grega A flor da poesia grega pertence, portanto, a um mais tarde. divisão da nossa história. Contudo, uma vez que encontrar pelo menos o aumento do mesmo no século 5, daremos aqui uma breve descrição de seu caráter peculiar. Os primeiros poetas da Igreja grega, especialmente Gregório Nazianzeno no quarto, e Sophronius de Jerusalém, no século 7, empregou os metros clássicos, que são totalmente inadequados para as idéias cristãs e música Igreja, e, portanto, caiu gradualmente em desuso. Rhyme encontrou-não entrada na Igreja grega.

 Em seu lugar a prosa métrica ou harmônica foi adotada a partir da poesia hebraica e os primeiros hinos cristãos de Maria, Zacarias, Simeão, e as hostes angelicais. Anatólio de Constantinopla ( † 458) foi o primeiro a renunciar a tirania do metro clássico e riscar um novo caminho. Os pontos essenciais no sistema peculiar da versificação grega são os seguintes: A primeira estrofe, que constitui o modelo de os sucessivos, é chamada em linguagem técnica Hirmos, porque chama os outros depois dele. As estrofes seguintes, são chamados Troparia (estrofes), e são divididos, por cantar, por vírgulas, sem levar em conta o sentido. Um número de troparia de três a vinte ou mais, formam uma Ode, e isso corresponde à Sequência latina, a qual foi introduzida com a mesma altura, a Notker Monge em St. Gall. Cada um hino é fundada em um hirmos, e termina com uma troparion em louvor da Virgem Santa. As odes são comumente organizadas (provavelmente seguindo o exemplo de tal Salmos como o 25, 112th, e 119), em acróstico, por vezes, em ordem alfabética. Nove odes formar uma Canon.

As odes mais velhos sobre os grandes acontecimentos da encarnação, a ressurreição ea ascensão, são, por vezes, sublime; mas os cânones longas posteriores, na glorificação dos mártires desconhecidos, são extremamente prosaico e tedioso, e cheio de elementos estranhos ao Evangelho. Mesmo as melhores produções hymnological do Oriente falta a simplicidade saudável, naturalidade, fervor e profundidade do latim e do hino protestante evangélica. 

"A poesia Igreja grega está contida nos livros litúrgicos, especialmente nos doze volumes do Menmea, que correspondem ao Breviário Latina, e consistem, em sua maior parte, de odes poéticas ou metade poéticas em prosa rítmica. Estes tesouros, em que nove séculos trabalharam, até agora foram quase exclusivamente confinada à Igreja Oriental, e, de fato, o rendimento, mas alguns grãos de ouro para uso geral. Neale tem ultimamente feito um esforço feliz para reproduzir e tornar acessível em modernas metros Inglês, com abridgments muito consideráveis, os hinos mais valiosos da Igreja grega. Damos alguns exemplares de traduções de Neale de hinos de ' t. Anatólio, patriarca de Constantinopla, que participou do Concílio de Calcedônia (451). O primeiro é um hino de Natal, início em grego: Μέγα καὶ παράδοξονθαῦμα .

 

" A grande e poderosa maravilha, A festiva faz seguro: A Virgem traz o Menino Com Virgin honra puro.

A Palavra se encarnou, e ainda permanece em alta: E querubins cantam hinos aos pastores do céu.

E nós com eles triunfante Repita o hino novamente: "A Deus seja a glória nas alturas, e paz na terra aos homens!"

Enquanto assim eles cantam sua Monarch, Essas bandas angelicais brilhantes, Alegra-te, ó vales e montanhas oceanos Ye, bata palmas! Desde tudo o que Ele vem para o resgate, por tudo ser Adorava, O Menino nascido em Belém, o Salvador e Senhor! 

Agora formas de ídolos pereça, todo erro deve decadência e chirst empunhará o cetro, nosso Deus e Senhor para sim. '

Outra amostra de um hino de Natal, pelo mesmo, com início ἐν Βηθλεέμ :

' Em Belém é Ele nasceu! Criador de todas as coisas, Deus eterno! Ele abre o portão de Éden, Monarch of idades! Daí a espada de fogo Dá gloriosa passagem; Daí a meados de parede separando derrubado, os poderes da Terra e do Céu são um; Anjos e homens renovar sua liga antigo, o puro reunir a pura, em união feliz! Agora, a Virgin-ventre Como alguns trono angelical containeth Ele, o incontrolável: Bears Ele, que enquanto eles carregam os serafins tremer! carrega-lo, como ele vem para regar sobre o mundo A plenitude do Seu amor eterno! '

 

Mais um em Cristo acalmando a tempestade, ζοφερᾶς τρικμίας , como reproduzido por Neale:

 ' Fierce foi o vagalhão selvagem, Dark foi a noite; Remos labor'd fortemente; Espuma glimmer'd branco; Mariners tremeu; Peril estava próxima; Então disse o Deus de Deus, "Paz! É." 

Cume da onda montanha, Abaixe a tua crista! Lamento da Euroclydon, sê em repouso! Perigo pode ser nenhum Sorrow deve voar Onde diz a Luz da luz, "Paz! É I. 

Jesu, Libertador! Vinde a mim: Acalme Tu meu voyaging sobre o mar da vida! Tu, quando a tempestade de rugidos de morte por varrer, Sussurro, ó Verdade da verdade! "Paz! ' tis I. "

 

2. Latina Igreja. 

 - Do muito mais importância para a Igreja cristã do que a grega são os hinos latinos produzidos nas idades mais precoces, ou o período que abrange o quarto para os séculos 16. Embora menor em bússola, hymnology Latina ultrapassa de longe o grego "em simplicidade natural e de verdade, e na riqueza, vigor e plenitude de pensamento, e é muito mais parecido com o espírito protestante. Com caráter churchly objetivo combina sentimento mais profundo e mais subjetiva apropriação e experiência de salvação e, portanto, mais calor e fervor do que o grego. Ele forma, nestes aspectos, a transição para o hino evangélico, o que dá a expressão mais bela e profunda para o prazer pessoal do Salvador e sua graça redentora. A melhor hinos latinos vieram através do Breviário Romano em uso geral, e através de traduções e reproduções se naturalizaram em igrejas protestantes. Eles tratam, em sua maior parte, dos grandes fatos da salvação e as doutrinas fundamentais do Cristianismo "(Schaff, Ch. Hist. 2, 585). 

Mas muitos deles, como as produções posteriores da Igreja Grega, são dedicados aos louvores de Maria e dos mártires, e padecem com todos os tipos de superstições. Um dos escritores mais antigos de hinos latinos é Hilário de Poitiers (Pictaviensis), que morreu em 368 Banido para Frígia, ele foi incitado pelo ouvir o canto dos hinos arianos para compor algum para a Igreja Ortodoxa, e entre essas produções sua largitor Lucis splendide é o mais célebre. Não há dúvida de que a autoria de um grande número de hinos é espúrio, especialmente no caso de Ambrose (qv), bispo de Milão, que morreu em 397, e que é geralmente considerado o pai da música adequada Igreja Latina. Entre suas produções genuínas encontramos os grandes hinos O lux beata Trinitas; Veni Redemptor omnium; Deus omnium criador, etc A chamada música Ambrosiana de louvor, Te Deum laudamus, "de longe, o mais célebre hino", anteriormente atribuído a Ambrósio, "o único que teria feito seu nome imortal", e que, com o Gloria in excelsis, é " ' , de longe, o legado mais valioso da antiga poesia Igreja Católica, e que será orado e cantado com devoção em todas as partes da cristandade até o fim do tempo ", ele disse ter composto para o batismo de Agostinho. Mas agora está acordado pelos nossos melhores críticos que este hino foi escrito em data posterior (Schaff, cap. Ii Hist., 592).

 Outro escritor hino distinto da Idade Média foi Agostinho, " o maior teólogo entre os Padres da Igreja ( † 430), cuja alma se encheu com a verdadeira essência da poesia. "Ele disse ter composto o hino ressurreição, Cum rex gloriae Christus ;. hino na glória do Paraíso, Ad perennis vitae Fontem Mens sitivit Arida, e outros Damasco, bispo de Roma ( † 384), que se diz ter sido o autor da rima de que falamos acima, talvez não seja menos célebre do que os nomes anteriores Muito destaque classificar também Prudentins, em Espanha (. † 405), a quem Neale chama de "o príncipe dos poetas cristãos primitivos", o autor de Jam moesta quiesce querela, e outros; Paulino de Nola; Sedulius, que compostas de dois hinos de Natal, A solis cardine Ortus e Hostis Herodes impie; Enodius, bispo de Pavia ( † 521), e de Fortunato, bispo de Poitiers (cerca de 600), que escreveu os hinos paixão, Pange Lingua gloriosi Praelium certaminis e Vexillca regis prodeunt . Esses hinos (o texto e traduções de a maioria dos quais são dadas por Schaff, 1 c.) logo se tornou popular, e não apesar de muitos deles, muito em uso na Igreja, foram a ser posta de lado, ainda, o Conselho de Toledo (633) recomenda o uso somente de tais hinos como os de Hilary, Ambrose, etc, no culto público. Gregório Magno, que introduziu um novo sistema de cantar na Igreja (Veja canto gregoriano ), também compôs hinos, entre outros, o Omnium Rex Christefactor; Primo omnium dierum, geralmente considerado como o seu melhor, etc

Depois dele, os mais notáveis ​​escritores de hinos são Isidorus, bispo de Sevilha; Eugenius, Ildefonso e Juliano, os bispos de Toledo; e venerabilis Beda. Carlos Magno (século 8), que introduziu o canto gregoriano na França e na Alemanha, também tentou poesia sagrada, e é dito ser o autor do hino de Pentecostes, Veni Creator Spiritus, embora outros atribuí-la, e talvez com melhores fundamentos, a Rhabanus Maurus. Alcuíno e Paulus Diaconus também compôs hinos. Embora o Cristianismo, durante esse século e no próximo, espalhados por França, Alemanha, e para o norte, ainda hinos latinos permaneceu em uso exclusivo durante toda a Idade Média, como o clero só tomou parte ativa no culto divino. No século 9 apareceu alguns hinos-escritores notáveis. Theodulf, bispo de Orleans, cuja Gloria laus et honra tibi sempre foi cantado no Domingo de Ramos; Rhabanus Maurus; Walafrid Estrabão, o primeiro escritor hymn- alemão; Notker ( † 912), que introduziu o uso de sequências e recitativos nos hinos, e compôs o canto alternativo de renome, o Media vita em morfe sumus. Durante os séculos 10 e 11 poesia sagrada era cultivada pelos monges beneditinos de Constance, entre os quais Hermann de Veringen ( † 1054) foi especialmente distinguidos.

Rei Robert de France escreveu o hino de Pentecostes, Veni Sancte Ritus; Petrus Damiani escreveu também hinos penitenciais. Para o século 11 pertence o hino alternativo para Mary intitulada Salve Reginae mater misericordiae. No dia 12 hymnwriting século floresceu, particularmente na França, onde notamos Marbord (1123); Hillebert de Tours; Petrus venerabilis; Adam de St. Victor; Bernard-de Claraval, autor do anúncio Faciem Salve Jesus, eo hino começando Salve cruentatum caput; Abelardo, autor do hino Anunciação, Mttit anúncio virginem; e Bernardo de Cluny, autor de "The Celestial País", sobre AD 1145.-se, além disso, a prática da disciplina conventual para conectar hinos com todos os vários departamentos da vida diária: assim houve hinos para serem cantados antes e depois da refeições, a iluminação de lâmpadas para a noite, em jejuns, etc No século 13 o sentimentalismo dos franciscanos se tornou uma rica fonte de poesia, e os hinos latinos talvez atingiram sua máxima perfeição sob escritores dessa ordem. Francisco de Assis se escreveu poesia sagrada. Entre o hino franciscano escritores são especialmente para ser notado Tomás de Celano (depois de 1255), autor do grande hino Juízo, Dies Irae morre illa (Veja Dies Irae ); Bonaventura; Jacoponus, que escreveu o Stabat mater dolorosa e Stabat Mater speciosa.

Entre os dominicanos, Tomás de Aquino se destacou por seu gloriosi Pange Lingua e Lauda Sion Salvatorem. Depois de atingir esta eminência hinos latinos retrogradadas novamente durante os séculos 14 e 15, e tornou-se meras peças rimadas. Os místicos Henry Suso (QV) e Thomas a Kempis (qv) só merecem menção entre os escritores de bons hinos.

Em hinos da Idade Antiga e Média, ver Bingham, Oriq. Eccles. bk. 13 cap. 5, e vol. 14 cap. 1; Daniel, Thesaurus Hymnologicus, hymnorum sive, etc, Collectio amplissima (Leipz 1841-1856, 5 vols 8vo..); uma boa seleção de K ö nigsfeld, Lat. Hymnen und Gesdnge, em que as versões latino e alemães são impressos face a face, com um Introd. e notas de AW von Schlegel (Bonn, 1847, 12mo, e segunda coleção 1865, 12mo); Trench, Sacred Latina Poesia, principalmente Lyrical, com notas, etc (2 ª ed Lond 1864, 18mo..); Coleman, apostólica e primitiva Igreja, cap. 12; Coleman, o cristianismo antigo, cap. 16; Walch, De Hymnis Eccles.

Apostolicae (Jena, 1837); Rambach, Anthologie Christl. Gesänge (Altona, 1817-1833); Bjorn, hymni Vet. Patrum Cristo. Eccles. (Hafn 1818.); Kehrein, Lateinische Anthologie (Frankf 1840.); (Ultramontane) Mone, Lat. Hymnen des Mittelalters (Freib 18i53.sq, 3 vols 8vo...); Moll, Hymnasarium (Halle, 1861, 18mo); Wackernagel, Das deutsche Kirchenleid (Lpz. 1864-1865, 2 vols.), Parte do vol. 1, p. 9-362; Chandler, Hinos da Igreja primitiva (Lond 1837.); Neale, Hymns 'da Igreja Oriental (3 edição de Londres, 1866.); Medieval Hinos e Sucessões (3 ª ed Londres, 1867.); A Voz da vida cristã na canção, ou Hinos e escritores hino de muitas terras e Idade (NY 1864, 12mo); Miller, nossos hinos, seus autores e Origin (Lond 1866, 12mo.); Koch, Gesch. d. Kirchenl. (.. Segunda edição Stuttgart de 1852 m², 4 vols, especialmente, 1, 10 a 30.); Edilestand du Meril, Poésies populaires Latines anterieres tau Douzième siècle (Paris, 1843); Fortlage, Gesänge Christl. Vorzeit (Berlim, 1844); Milman, cristianismo latino, 8: 302 sq .; Hill, Inglês monaquismo, p. 324-373 (em livros medievais e hinos); Rheimvald, Kirchl. Archa ö lp 262 sq .; Augusti, tiandb. christl der. Archa ö l. 2, 106 sq .; Riddle, Christian Antiguidades, p. 384 sq .; Martigny, Dict. des Antiquites, p. 475 sq .; Cristo. Examiner, 28 art. 1; Christian Remembrancer, 44, art. 4; N. Amer. Rev. 1857, art. 4; e sobre os primeiros seis séculos, uma muito excelente artigo, publicado no Ev britânicos e estrangeiros. Rev. (outubro 1866), em Schaff, Ch. Hist. 3: 575 sq.

 

II. Uma hinografia Moderna. - 

. 1 alemão. - A origem dos hinos alemães, que são, sem dúvida, o mais rico de qualquer em línguas modernas, pode ser rastreada até o século 9. Mas a história da hinologia alemã, a rigor, não começa mais cedo do que a Reforma. Para "não foi até o povo possuía a Palavra de Deus, e liberdade para adorá-lo em sua própria língua, que tal corpo de canções poderia ser criado, embora hinos e letras vernáculas sagrados existia na Alemanha durante a Idade Média. Ele Foi então que uma grande explosão de poesia nacional e da música ocorreu, o que refletia o espírito daqueles tempos;. e em uma escala um pouco menor a mesma coisa que aconteceu antes e desde essa altura a cada grande crise na história do alemão pessoas. "

O mais marcante desses períodos são, além da Reforma, dos séculos 12 e 13, ou o período Crusading, e- a última parte do 17, e início do século 18. As primeiras tentativas de hinos alemães são rastreados para o século 9. Para alguns séculos precedentes a Igreja Romana tinha abandonado o canto congregacional, e os hinos faziam parte do serviço litúrgico realizado pelos sacerdotes e os cantores canônicos. Em algumas igrejas, no entanto, as pessoas ainda continuou " a velha prática de proferir a resposta Kyrie Eleison, Christe Eleison, em determinados intervalos durante o canto dos hinos e salmos Latina, que finalmente degenerou num clamor confuso de vozes. A primeira tentativa de remediar esta foi feita pela adição de, logo após Notker, que originou a sequência ou prosa latina, algumas rimas alemãs para o Kyrie Eleison ", a partir das últimas sílabas das quais esses primeiros hinos alemães foram chamados Leisen".

 Mas como eles nunca foram usados ​​no serviço de Massa, mas se limitaram a festas populares, romarias, e assim por diante, eles não entraram em uso geral, e pode-se dizer que o emprego real do Leisen (ou Leiche, como eles também foram chamado) não começou antes do século 12. Naquele tempo havia se tornado a propriedade comum do povo alemão, e hinos no vernáculo foram produzidos livremente, entre eles o mais antigo hino alemão Páscoa, Christus ist auferstanden, atribuído a Sperrvogel, que desceu aos nossos dias como um verso de um dos melhores hinos de Lutero:

 

Cristo, o Senhor ressuscitou 

Fora da prisão escura da morte; 

Vamos todos alegrar hoje, 

Cristo deve ser a nossa esperança e estadia: 

Kyrie eleison. 

Aleluia, Aleluia, Aleluia! 

Vários dos grandes hinos latinos também foram traduzidos para o alemão, e embora o seu uso na Igreja foi mais ou menos restrito, e sempre foi visto com desconfiança pelos mais papal do clero, mas eles continuaram a ser favorecido pelo povo, como é totalmente evidenciado pela quantidade de verso sagrado escrito a partir deste momento em diante. Assim Wackernagel, em seu trabalho sobre poesia religiosa, antes da Reforma (Das deutsche Kirchenleid vd altest. Zeit bis zu Anfang d. Dias 17 Jahrhundert), exibe cerca de 1.500 exemplares, e os nomes de não menos de 85 poetas diferentes, com muitos autores anônimos. Entre os escritores nomeados não encontrar alguns dos célebres cavaleiros de minas-cantores, como Hartmann von Aue veados, Wolfram von Eschenbach, Walther von der Vogelweide e outros. Mas as canções sagradas alemães dessa época, como os antigos hinos latinos, foram confinados para enfrentar os santos, e, acima de tudo, a Virgem Maria. "

A antiga classe não é muito importante, tanto como para o número ou a qualidade, mas a Marien-Lielder e, em menor grau, Annen-Lieder (hinos a Maria ea Anne), constituem uma classe muito grande anti conhecido entre os poemas dos tempos ante-Reforma na Alemanha. ... Eles formam uma espécie de contraparte espiritual à Minne-canções ou cânticos de amor endereçada a sua senhora terrena pelo cavaleiro. Era fácil transferir a sua vez de expressão e tom do pensamento a partir do objeto terrestre para o celestial, e do grau em que isso é feito é para nós, muitas vezes, assustando as honras e títulos pertencentes ao nosso Senhor Jesus Cristo são atribuídos à sua mãe;. se diz que Deus criou o mundo por ela, e ter descansado em seu no sétimo dia, ela disse ter saído da tumba no terceiro dia, e subiu aos céus, ela dirige-se não apenas como um mediador persuasivo com o seu Filho, mas como ela mesma a principal fonte de misericórdia e ajuda, especialmente na hora da morte e no dia do julgamento.

Aos poucos, sua mãe é investido com alguns de seus próprios atributos; pois é dito, se Cristo iria obedecer a sua própria mãe, não devia ela muito mais que obedecer a dela? Assim, um conjunto de hinos a Anne surgiu, no qual ela é instado a pagar auxílio na morte, e obter o perdão para os pecadores de Cristo e de Maria, que irá recusá-la nada "(Winkworth, Christiana Cantores da Alemanha, p. 96, 97). (Veja Hiperdulia ). Não é à toa que, em face de tais extravagâncias Wackernagel é obrigado a dizer que a existência de tantos hinos ateus dirigida à Virgem e aos santos, ou ensinar toda a doutrina das indulgências, é uma testemunho incontestável da degeneração em que a nação tinha caído, tornando a Reforma necessária, e que a existência de tantos respirar um cristianismo sem mácula é ao mesmo tempo uma testemunha para a preservação da verdadeira religião tanto como fez a Reforma de todo possível . o uso de hinos alemães foi feita pelas seitas heréticas que começaram a surgir sob a influência perseguidor de Roma.

Os flagelantes alemães, os boêmios, os valdenses, e os místicos, que todos incentivaram o estudo das Escrituras, é claro favoreceu o canto de hinos alemães; e contribuíram não poucas próprias canções sagradas para os já existentes. Assim, o místico Tauler (qv) (a quem foi atribuída a longo Theologia Germania. com toda a probabilidade a obra de Nicolau de Basileia) escreveu vários hinos, que se tornou amplamente conhecido. Seu melhor, talvez, são as seguintes: o que devo fazer.

 

"De criaturas exteriores devo fugir, 

E buscar de coração unidade profundamente dentro 

Se eu gostaria de chamar a minha alma a Ti, 

Ó Deus, e mantê-lo puro do pecado ", etc 

SÓ JESUS. 

"O Jesu Christ, mais bom, mais justo, 

Mais do que o ar perfumado florido de Maio 

Quem te dentro de sua alma o urso, 

Verdadeiro motivo de alegria vos ganhou! 

Mas será que um te em seu coração, 

De todas as auto-será que ele deve ir embora; 

Licitação de Deus apenas quando tu és 

Deve cada vez mais ser feito. 

Onde Jesus deste modo age verdadeiramente habitar, 

Sua presença Acaso todos os tumultos sufocar, 

E cuida transitórios de dissipar terra 

Como névoas antes que o sol ", etc 

A acentuada melhoria, no entanto, ocorreu em hymnology alemã durante o século 15, especialmente perto do fim. O hino-escritor-chefe desse período foi Henry de Laufenberg, que esteve particularmente activo na transformação secular em canções religiosas, como era frequente neste momento; ele também traduziu para o alemão muitos dos antigos hinos latinos. Um dos melhores exemplares de uma canção religiosa transformada citamos aqui. O original era "Innsbruck, devo te desampararei." 

DESPEDIDA. 

O mundo, devo te desampararei, 

E longe valer-me, 

Para buscar a minha terra natal; 

Contanto que eu morava na tristeza, 

Eu não desejo agora para alegria, 

Alegrias da Terra para mim são o 'er. 

Sore é a minha tristeza e solidão, 

E posso dizer que só 

Para ti, meu amigo mais certeza! 

Deus, que Tua mão me defender, 

Teu coração compassivo me envolvem, 

Por mais que eu sou o mais pobre. 

Meu refúgio onde eu me esconder, 

De Ti repartirá me nada,

 Sem dor, sem pobreza: 

Nada é tão ruim para temê-la, 

Se és lá para compartilhá-la; 

Meu coração pede apenas Ti.

 Muitos desses hinos transformadas foram preservados, como a acima citada, através da Reforma. Outro hino muito popular, Den liebsten den puelen ich Fan ist der em des Himels Trone, foi transformada a partir da música "Den liebsten puelen ich den han der liegt beim Wirt im Keller." Da transformação das baladas pelos minnesingers em hinos a Mary e Anne já falamos. Voltamos, portanto, Laufenberg, e citar um de seus hinos, que bem merece ser chamado, não só um dos melhores de sua idade, mas uma das mais belas canções sagradas que já foi escrito. Nós copiar a primeira estrofe de que a partir Sra Winkworth (p 93.):

 

Cradle Song. 

Ah Jesu Cristo, meu Senhor mais querida, 

Como já foste uma vez uma criança aqui, 

Então dê esta criança, eu oro, 

Tua graça e bênçãos no dia a dia: 

Ah Jesus, divino Senhor, 

Guarda-me este bebê meu! 

Laufenberg também escreveu e amplamente introduziu o uso de muitos hinos em latim e alemão misto, uma espécie de verso que era a diversão favorita dos monges, e que tinha adquirido considerável popularityat seu tempo. A mais conhecida dessas produções era uma canção de Natal, que data do século 14, In Dulci Jubilo, Nu sinete und seid fro. Peter Dresdensis foi, em geral, mas erroneamente, considerado como o autor destas talvez apropriadamente chamadas de "Hinos mistos." Seu verdadeiro trabalho, no entanto, estava nas grandes esforços que ele fez para introduzir hinos no vernáculo mais livremente no culto público, especialmente no serviço da Missa, "a partir da qual eles tinham, como já tivemos ocasião de observar, foram excluídos .

 Mas esses esforços se reuniu com a violenta oposição da Igreja, e do uso de hinos no vernáculo ainda continuou a ser quase exclusivamente confinado a festivais e como ocasiões. Entre esses hinos vernáculas são particularmente célebre "Ein Kindelein tão lobelich", "Cristo fure zu Himmel "," Gott sei gelobet und gebenedeist "," Wir danken dir lieber Herre ", etc Após a invenção da arte da impressão, os seguidores de Huss, que haviam se formado em uma separada e organizada Igreja de sua própria em 1467 (Boémia e Morávia Irmãos), e que fez dela uma das suas peculiaridades distintas para usar hinos no vernáculo, como o serviço foi realizado, principalmente, na sua língua materna, especialmente suas orações, deu novo alento à escrita de hinos alemães. Em 1504, Lucas, então chefe do Bohemians, coletados de 400 dos mais populares dos hinos alemães e eles tinham impresso. Este é "o primeiro exemplo de um hinário composto por composições originais em língua vernácula para ser encontrado em qualquer país ocidental que tinha possuído uma vez a supremacia de Roma." Antes dessa época, para o fim do século 15, havia duas ou três coleções de versões alemãs dos hinos latinos e seqüências, mas são de mérito muito inferior. 

A Reforma, no século 16 marca a nova era na história da hinologia alemã. A introdução do vernáculo na liturgia da Igreja deu um impulso para a língua alemã que só foi eclipsado pela tradução de Lutero da Bíblia para a edificação e educação de todo o povo alemão. Mas era de Lutero como objectivo não só de fornecer aos seus seguidores o livro dos livros, mas também para introduzir em todos os lugares o canto desses hinos como já existia no vernáculo, e pela criação de um gosto entre os povos para o Alemão sagrado ' canção para promover seu cultivo. Desse pôs-se o melhor exemplo. Como na causa da religião que ele sabia como mobilizar um grande círculo de homens e estudiosos para realizar seus grandes projetos eminentes, também, com uma verdadeira apreciação da arte sacra, tanto em poesia e música, ele logo se reuniram com ele muitos amigos , que se tornaram os compiladores de várias coleções de hinos, que foram emitidos pela imprensa em intervalos extremamente curtos. . 

O próprio Lutero, além de traduzir de novo muitos dos hinos latinos ", que ele contava entre as coisas boas que o poder de Deus e de trabalho maravilhoso tinha mantido vivo em meio a tanta corrupção", e, além de transformação ou reprodução cerca de quatro dos hinos alemães início, composto alguns vinte e um no vernáculo, a maioria dos quais são conhecidos no nosso próprio dia a maioria das nações protestantes do mundo, e alguns dos quais são favoritos particulares, mesmo com as pessoas que falam Inglês. O objeto especial da composição desses hinos, em que Lutero jogou "toda a sua própria fé fervorosa e profunda devoção"; Foi, sem dúvida, "para dar ao povo uma breve confissão de fé clara, fácil de ser lembrado. Para as doutrinas que Lutero propagadas foram ainda muito novo para ser bem entendido por todos como ele desejava que fossem.

Ele desejou que os homens sabem o que professavam o protestantismo significava a profissão de fé por opção, e não por compulsão;.. crença de que foi acalentado pelo confessor, e não a obediência cega depois que o professor Ele exigiu uma compreensão de suas grandes doutrinas da justificação pela fé, da um só Mediador entre Deus e os homens, o que deu a paz à consciência, entregando-o do fardo dos pecados do passado, e uma nova fonte de vida para a alma, mostrando homens que sua dependência não estava em qualquer coisa em si mesmos, em nenhuma obra de seu próprio desempenho, mas no infinito amor e misericórdia de Deus, que ele havia manifestado a toda a humanidade em seu Filho; da sua doutrina do sacerdócio universal de todos os crentes, que porei um espírito novo para a Igreja, por reivindicar para cada membro de que o seu direito e dever de oferecer para si o sacrifício de louvor e oração, e estudar por si mesmo a Palavra de Deus nas Escrituras "(comp. Winkworth, p. 105). Um dos hinos de Lutero mais conhecidos para nós é que fundada no Salmo 46, o famoso "Marselhesa da Reforma", como Heine chamou. Ele é geralmente suposto ter escrito em seu caminho para a Dieta de Worms. Alguns, no entanto, acho que ela foi composta no final da segunda Dieta de Spire (1529). Tem sido repetidamente traduzido. Sra Winkworth nos dá a seguinte:

 

A fortaleza.

 A fortaleza que o nosso Deus é que ele, 

Um escudo e arma fiel; 

Nossa ajuda ele vai ser, e nos libertar, 

Qualquer que seja mal pode acontecer. 

Aquele velho inimigo malicioso nos Pretende ai mortal; 

Armado com a força do inferno,

 Eo ofício mais profundo bem 

Na Terra não é seu companheiro. 

Através da nossa própria força que nada pode, 

Direto estávamos perdidos para sempre, 

Mas para nós luta com o homem adequado 

Por que Deus enviou para entregar.

 Pedi que isso pode ser? 

Cristo Jesus é chamado ele, 

Dos Exércitos do Senhor, 

Deus único a ser adorado; 

Tis ele deve vencer a batalha. 

E fosse o mundo com os demônios cheios, 

Todos ansiosos para nos devorar, 

Nossas almas para temer deveria pouco rendimento; 

Eles não podem dominar-nos.

 Sua temido príncipe não mais 

Pode nos prejudicar como outrora; 

Olhar sombrio como e'er ele pode, 

Condenado é o seu domínio antigo, 

Uma palavra pode derrubá-lo. 

Ainda assim, eles devem deixar que o mundo o seu poder, 

E ainda não graças devem merecer; 

Ainda assim ele está com a gente na luta 

Por suas boas dádivas e Espírito. 

E'en eles devem levar a nossa vida, 

Mercadorias, honra, filhos, esposa, 

Apesar de todos estes tinham ido embora, 

No entanto, nada tem que venceram o reino de Deus a nossa permanece! 

Outro hino de Lutero, que ganhou uma circulação mundial é o que foi escrito por ele sobre a queima de dois mártires da sua fé em Bruxelas, em 1523, e que foi traduzido, ou melhor, transformada por D'Aubigné em sua História da Reforma, começo, 

"Atiradas ao vento desatentos, 

Ou nas águas lançam,

 Suas cinzas serão observados, 

E reuniram-se no passado ", etc 

Como exemplo das músicas que ele transformou a maioria com sucesso, citamos a velha cantiga, 

"Ó tu, Judas impertinente! 

O que fizeste, 

Para trair o nosso Mestre, 

Filho único de Deus! 

Mas tu deve sofrer 

Agonia companheiro de Lúcifer do inferno 

Deve sempre ser. Kyrie, eleison! " 

Este Luther alterado para o seguinte: 

"Twas nossa grande transgressão 

E o nosso delito ferida Feito o Senhor nosso Salvador 

Na cruz, a sangrar. 

Não depois de ti, pobre Judas, 

Nem sobre a tripulação judaica,

 Nossa vingança ousamos visitar- 

Nós somos os culpados, não você. Kyrie, eleison! 

"Salve a ti, Cristo Jesus,

 Quem hungest na árvore, 

E bor'st pelas nossas transgressões 

Ambos vergonha e agonia. 

Agora ao lado de teu Pai 

Dominas-te ao alto; 

Abençoa-nos toda a nossa vida, 

Leve-nos quando morremos! Kyrie, eleison! " 

(Christian Examiner, 1860, p. 239 sq.) 

Dos amigos que Lutero foi bem sucedido em se alistar como escritores para seus novos hinários temos espaço aqui para citar apenas os nomes mais proeminentes. Um deles, Justus Jonas, era um colega de Lutero e Melanchton na Universidade de Wittenberg. Seu serviço especial foi a transformação dos Salmos em versões alemã métricas ", " escolher, como se pode entender muito bem, aqueles que falam de sofrimentos de Davi dos seus inimigos, e sua confiança no livramento de Deus. " Um de seus melhores está no Salmo 124, começando assim:

 "Se Deus não fosse sobre o nosso lado, 

Quando os inimigos em torno de nós raiva;

 Não fosse o próprio nosso Guia de ajuda e, 

Quando amarga guerra que travam

 Se não fosse poderoso protetor de Israel, 

Para quem seus ofícios extremos devem ceder, 

Nós certamente deve ter perecido. " 

Outro dos trabalhadores colegas de Lutero foi Paul Eber, cujos hinos têm "um tom de ternura e emoção que é muito menos característica desse período do que a sepultura, trustfulness viril de Lutero e Jonas." Mas eles se tornaram muito amplamente conhecido, e durante o período de provação da guerra dos trinta anos ", eles estavam constantemente ouvida tanto em público como em todo o hearthstone família. Um favorito especial na época era a única, composta quando os exércitos imperiais estavam sitiando Wittenberg (1547), a partir:

 

"Quando, na hora de maior necessidade, 

Nós não sabemos onde procurar ajuda, 

Quando os dias e noites de pensamento ansioso 

Também não ajuda, nem de conforto ainda trouxeram, 

Então este nosso conforto está sozinho, 

Para que possamos cumprir antes de teu trono,

 E chorar, ó Deus fiel, a Ti, 

Para resgate de nossa miséria. "

FONTE