Translate this Page

Rating: 3.0/5 (946 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


igrejas evangelicas da AUSTRALIA
igrejas evangelicas da AUSTRALIA

                           Igrejas cristãs australianas

 

Igrejas cristãs australianas

AustralianChristianChurches.png

Classificação protestante

Orientação Pentecostal

Associações Mundial das Assembléias de Deus

Região Austrália

Origem 1937

Sydney, New South Wales

Mesclar de Assembléias de Deus Queensland e Pentecostal Church of Australia

Separações Christian Revival Crusade

Igrejas cristãs australianos (ACC), também conhecidos como Assembléias de Deus na Austrália (AOG), é uma denominação Pentecostal Cristã e da filial australiana das Assembléias Mundiais de Deus Fellowship, a maior denominação pentecostal do mundo. Com mais de 225 mil seguidores, [1] é a maior denominação pentecostal na Austrália e é o quinto denominação mais atendidos após as igrejas Católica, Anglicana, unindo, e Batista. [2] Existem mais de 1.100 igrejas em australianas Igrejas cristãs em toda a Austrália.

A ACC foi formada em 1937, quando a Assembléia de Deus Queensland fundiu-se com a Igreja Pentecostal da Austrália, nas Assembléias nome de Deus na Austrália. Em 2007, a denominação adotada australianos Igrejas Cristãs como o próprio nome pública; no entanto, ainda é incorporado como as Assembléias de Deus na Austrália.

 

2 Worship

3 Estrutura

3.1 Igrejas

3.2 Conferências Estaduais

3.3 Conferência Nacional

3.3.1 Presidentes Nacionais

4 missões, ministérios e instituições educacionais

4.1 Missões

4.2 Ministérios

4.3 Educação

5 Estatísticas

6 História

6.1 Predecessores

6.1.1 Assembléias de Deus Queensland

6.1.2 Pentecostal Church of Australia

6.2 1937 fusão

6.3 II Guerra Mundial

6.4 anos 1950 e 60

6.5 1970-1980: Movimento Carismático e rescaldo

6.6 A história recente

7 nomes da Igreja

8 Megachurches

9 Veja também

10 Referências

11 Ligações externas

Crenças A base doutrinária do australiano Igrejas Cristãs contém as crenças centrais da denominação [4] Seus 20 artigos estão resumidas abaixo.:

Há um só Deus verdadeiro que existe como uma Trindade.

Jesus Cristo é o Filho de Deus e, como a segunda pessoa da Trindade, é Deus.

O Espírito Santo é a terceira pessoa da Santíssima Trindade. Ele convence e regenera o pecador e orienta o crente em toda a verdade.

A Bíblia é inspirada por Deus e é "a autoridade suprema em todos os assuntos de fé e conduta".

O diabo é um ser real, que "procura destruir a fé de todos os crentes no Senhor Jesus Cristo".

O homem foi criado por Deus, mas bom, por causa da transgressão voluntária, caiu. Como resultado, os homens estão "separados de justiça original" (ver o pecado original).

A morte de Cristo na cruz fez plena expiação pelos pecados do mundo.

Salvation "é recebido através do arrependimento para com Deus e fé no Senhor Jesus Cristo". Neste "novo nascimento", o crente é regenerado, justificado, e adotado na família de Deus.

A Igreja é o Corpo de Cristo e é composto por todas as pessoas que aceitam Cristo, independentemente da denominação cristã. É trabalhar para cumprir a Grande Comissão.

Batismo do crente por imersão único como uma declaração para o mundo da identificação do crente com Cristo em sua morte, sepultamento e ressurreição.

A observância da Ceia do Senhor, como uma lembrança simbólica do sofrimento e da morte de Cristo.

Santificação, "um ato de separação daquilo que é mau, e de dedicação a Deus".

O batismo no Espírito Santo é uma experiência separada e subsequente após a conversão, que traz capacitação para ser um testemunho eficaz para Cristo. Falar em línguas é a evidência inicial desta experiência.

Os nove dons sobrenaturais do Espírito Santo, conforme registrado em 1 Coríntios 12: 8-10, continuar a operar no dia de hoje. As Assembléias de Deus também acredita nos dons ministeriais (apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e professores), como registrado na Epístola aos Efésios 4: 11-13.

A cura divina dos doentes está prevista na expiação.

A segunda vinda de Cristo será um retorno premillennial, iminente e pessoal.

Cristo voltará para estabelecer o seu reino milenar na terra.

Os ímpios "que deliberadamente rejeitar e desprezar o amor de Deus" vai enfrentar "castigo eterno".

Haverá novos céus e uma nova terra ", em que habita a justiça".

Os céus e da terra e de todas as formas de vida originais "foram feitas pelos atos criativos imediatas específicas de Deus, tal como descrito na conta de origem apresentados em Gênesis".

Nas últimas décadas, houve uma queda significativa na ênfase em falar em línguas como a evidência inicial, bem como a Segunda Vinda de Cristo como tradicionalmente entendida pelos pentecostais. [5] Ao mesmo tempo, o evangelho da prosperidade tem sido abraçada por influente igrejas ACC, tais como Hillsong Church. [6]

Worship

Igrejas em australianas Igrejas Cristãs são conhecidos por seus serviços de estilo pentecostal que envolvem louvor e adoração contemporânea, falar em línguas, o levantamento das mãos em adoração e pregação. Enquanto australianos Igrejas cristãs usar uma ampla gama de estilos de culto, geralmente igrejas usam louvor contemporâneo e música de adoração para os serviços. Desde o uso de Hinos na década de 1930 a 1950, a música a partir do movimento de Jesus em 1960 e 1970 e o louvor e adoração contemporânea da década de 1980 até hoje, as igrejas AOG têm continuamente adaptada aos novos estilos de louvor e adoração. Nas últimas décadas, as igrejas filiadas com australianos Igrejas Cristãs revolucionaram louvor da igreja e culto. A maior força motriz para essa mudança é a popularidade do Hillsong Music of Hillsong Church. Outras influências são Shirelive Igreja, Planetshakers, Hillsong United, Youth Alive e Paradise Community Church. Muitas igrejas ACC lançaram álbuns com canções escritas na igreja.

Estrutura

Igrejas

Hillsong Church, Sydney

A política das Assembléias de Deus é baseada no princípio da comunhão voluntária e cooperativa. Igrejas "registrado" (maduro e auto-sustentável) são autônomos, mas concorda em cumprir com o United Constituição, estado estatutos e políticas da Conferência Nacional, o órgão máximo das Assembléias de Deus.  "provisória" igrejas são igrejas que não tenham cumprido os requisitos para se tornar igrejas registradas e estão sob a supervisão direta dos executivos estaduais.

Conferências Estaduais

As Assembléias de Deus é conduzido em cada estado por uma conferência e executivo. Esses órgãos têm competência para gerir todos os assuntos que não dizem respeito a denominação nacional. Os papéis do executivo estadual são semelhantes aos da Executiva Nacional, mas especializados para o estado com uma relação mais próxima com as igrejas locais. Os executivos estaduais recomendar aos candidatos elegíveis Executiva Nacional para a ordenação. Eles fornecem assistência às igrejas que pedem conselhos ou intervenção, e também tem a autoridade para disciplinar ministros. A pedido do executivo estadual ou, a seu critério, a Executiva Nacional pode intervir na governação de um Estado.

Conferência Nacional

A Conferência Nacional bienal é um órgão representativo de todos os ministros ordenados e todas as igrejas registradas.  Cada igreja tem o direito de enviar um delegado para cada 250 adultos que frequentam regularmente.

A Conferência Nacional elege o Executivo Nacional de nove membros, que inclui os agentes nacionais. Os oficiais são o presidente nacional, vice-presidente e secretário. Executivos nacionais são sempre ordenados ministros, com exceção do secretário nacional, que pode ser um leigo  Serviço Nacional mandatos de quatro anos.; todos os outros executivos nomeados para dois mandatos ano. As questões Executiva Nacional credenciais ministeriais e, entre as sessões da Conferência Nacional, é o chefe da política fazendo corpo da denominação. [12]

Presidentes Nacionais

Antes de 1997, o líder nacional dos australianos Igrejas Cristãs detinha o título de superintendente.

# Name Nomeação Secession Tempo em

1 Charles Greenwood 1937 1941 4 anos

2 Henry Wiggins 1941 1943 2 anos

- Charles Greenwood 1943 1945 2 anos

3 Philip Duncan 1945 1950 5 anos

4 Edward Irish 1950 1951 um ano

5 Alec Davidson 1951 1955 4 anos

6 James Walace 1955 1959 4 anos

- Alec Davidson 1959 1969 10 anos

7 Ralph Leia 1969 1977 8 anos

8 Andrew Evans 1977 1997 20 anos

9 Brian Houston de 1997, 2009 12 anos

10 Wayne Alcorn 2009 - -

Missões, ministérios e instituições de ensino

Missões

Missões Mundiais AOG é o braço de alcance global oficial do Australian Igrejas Cristãs. O Presidente de Missões Mundiais AOG é Jack Hanes, o Pastor Sênior de Penrith Christian Life Centre. AOG World Vision tem uma missão de três pontos; a mobilização de pessoas para o ministério de missões, proporcionando alívio e desenvolvimento em todo o mundo e fornecendo recursos para a igreja local. Missão Mundial AOG compreende:

A rede de igrejas que apoiam as regiões do globo

Um movimento de igrejas locais alcançar os não alcançados

A primeira prioridade Centro de Serviço, servindo igrejas ACC e trabalhadores de campo ACC.

AOG World Relief, estendendo a mão, através de iniciativas de desenvolvimento e de ajuda humanitária.

Ministérios

Australianas Igrejas cristãs tem muitos ministérios no lugar para servir a igreja. Estes incluem:

Missão Mundial AOG

Australian Christian Services

Capelania Austrália

Rangers Austrália

Youth Alive

Australianas Igrejas Cristãs suporta muitas organizações, incluindo Mercy Ministries, Desafio Jovem e Compaixão Austrália.

Educação

 

Southern Cross College, Sydney

Ver artigo principal: escolas bíblicas afiliadas a igrejas cristãs australianas

Para treinar pastores e líderes futuros na denominação, Commonwealth Bible College (agora conhecido como Alphacrucis) foi criada em 1948 como a escola de treinamento oficial do ministério australiano Igrejas Cristãs. Desde o surgimento de mega-igrejas, grandes igrejas começaram a estabelecer seus próprios colégios bíblicos. No início do século 21, estima-se que existem mais de 3.000 estudantes em tempo integral a ser formados em faculdades bíblia afiliadas à australianos Igrejas cristãs.

Estatísticas

A denominação reivindica mais de 1.100 igrejas e mais de 225.000 seguidores em toda a Austrália. [1] Em 2007, as igrejas filiadas tinha uma congregação média de 179 pessoas e 26 igrejas tinha mais de 1.000 membros.

História

Antecessores

Pentecostalismo na Austrália surgiu como um movimento solta de igrejas e evangelistas ao redor 1909. Não até 1927, com a fundação da Missão de Fé Apostólica da Australásia (AFM) seria o Movimento Pentecostal tomem medidas a organizar formalmente. [15] A AFM, cujo nome era tirada da Missão da Rua Azusa Revival em Los Angeles, Estados Unidos da Fé Apostólica, foi centrado em torno da liderança de Sarah Jane Lancaster, fundador da Good News salão da igreja em Melbourne e editor da Boa Nova, e Sul-Africano Evangelista Frederick Van Eyk. O AFM tinha filiados congregações na Nova Zelândia, assim como na Austrália.

A Missão da Fé Apostólica foi de curta duração, no entanto. Controvérsia doutrinária, as disputas sobre a autoridade do sexo feminino, e as acusações de imoralidade contra Van Eyk levou à divisão do AFM no final dos anos 20s. Em 1928, as igrejas do norte da AFM formado das Assembléias de Deus, Queensland, e um ano depois muitas outras afiliadas AFM entrou para a Igreja Pentecostal recém-criada na Austrália. [16] O que restou da AFM dissolvido após a morte de Lancaster, em 1934.

Assembléias de Deus Queensland

Em um quarto de julho de 1929 conferência de pastores Queensland da AFM, foi tomada a decisão de se separar do AFM e formar as Assembléias de Deus Queensland. Além da controvérsia sobre Van Eyk, muitos pastores Queensland haviam sido desde há muito preocupado com Lancaster de não- crenças trinitários e aniquilação. Eles adotaram as Assembléias de Deus nome para ganhar o reconhecimento do movimento pentecostal global, como as igrejas pentecostais australianos eram dependentes de visitar clero.

A AGQ seria desafiado pelo avivamento de Brisbane evangelista americano William Booth-Clibborn, neto do fundador do Exército de Salvação William Booth. Ele veio para a Austrália em 1930 e ficou dois anos, começando um trabalho evangelístico em Brisbane que cresceu para preencher uma tenda assento dois mil, a Catedral Canvas. Ele foi descrito como "o maior reavivamento religioso Brisbane tem visto".  Enquanto a AGQ inicialmente saudou o renascimento, tornaram-se concorrentes quando Booth-Clibborn organizou a campanha de avivamento em Covenant Church Christian e muitos dos líderes da AGQ, incluindo a sua presidente George Burns, se juntou a Aliança Cristã. Depois de 1932, as negociações começaram unidade entre os dois grupos, e Covenant Church Christian entrou para a AGQ como Glad Tidings Tabernacle (agora Brisbane City Church) em 1940.

Pentecostal Church of Australia]

Em 1925, o evangelista americano AC Valdez visitou a Austrália e foi convidado por Charles Greenwood para pregar em sua igreja no subúrbio de Melbourne of Sunshine, iniciando o que viria a ser o ano de duração da luz do sol Revival. A congregação crescente convertido uma sala de cinema em uma igreja de 1.000 assento conhecido como Richmond Temple. A Igreja Pentecostal da Austrália cresceu fora deste avivamento, e muitas das igrejas pentecostais início da Austrália traçar suas origens até Richmond Temple. [20] Juntos, Richmond Temple e da Igreja Pentecostal, Sydney formado no centro da PCA em expansão.

Após um ano de renascimento, Valdez saiu para perseguir evangelismo itinerante, e Kelso Glover se tornou o novo pastor de Richmond Temple e líder do PCA. Glover foi batizado no Espírito Santo no reavivamento da Rua Azusa, e foi um dos participantes raros no início americana pentecostalismo com formação intelectual. Glover pensei que a maior necessidade do movimento pentecostal na Austrália foi "pregadores, ungidos de Deus e, com razão, instruídos na Palavra". [21] Para atender a essa necessidade, ele começou um instituto bíblico de curta duração. Ele também começou a The Australian Evangel, uma publicação mensal distribuída aos membros do APC. Glover renunciou em outubro de 1927 e entregou a igreja sobre a Greenwood.

Outros evangélicos estrangeiros estavam a ter um efeito sobre o PCA e pentecostalismo australiano. Inglês evangelista Smith Wigglesworth passou cinco meses na Austrália, em 1927, sob o patrocínio do PCA. Cruzada de cura de Wigglesworth reforçou a importância da fé e do ministério de cura no pentecostalismo australiano.  Em abril de 1928, Donald Gee das Assembléias de Deus na Grã-Bretanha participaram da convenção anual do PCA.

Em 1934, a Igreja Apostólica Melbourne começou perto Richmond Temple. Originário da Grã-Bretanha, a Igreja Apostólica foi distinta da maioria dos grupos pentecostais na época por sua crença nos escritórios quíntupla do apóstolo, profeta, evangelista, pastor e mestre. A maioria dos pentecostais viu profecia como uma função aberta a toda a congregação Espírito batizado, não como escritórios dado a pessoas específicas.  No entanto, a Igreja Apostólica ordenado ambos os apóstolos e profetas. Dentro de uma semana da abertura da Igreja Apostólica, 70 dos membros da Richmond têmpora esquerda e entrou para a nova igreja. Anciãos do Templo acreditavam que Greenwood deveria renunciar eo Templo aderir à Igreja Apostólica. No entanto, um voto congregacional ficou do lado de Greenwood, e todos, mas um ancião juntou os Apostólicos. Após esta virada, o PCA, junto com as Assembléias de Deus Queensland, esforçou-se para distanciar-se do ensinamento da Igreja Apostólica.

1937 fusão

Na década de 1930, ele foi reconhecido pelos líderes de ambos os movimentos que era necessária uma mais harmonioso, cooperativo e relação unificada. Os dois corpos foram praticamente idênticas doutrinariamente, culturalmente, e em seu foco em missões e evangelização. Além disso, os líderes dos dois movimentos "tinha ligações com a luz do sol Revival.

Os dois corpos estavam em algumas maneiras diferentes em suas políticas. Greenwood e Philip Duncan (pastor PCA destaque no Sydney) exercido maior controle em suas próprias igrejas que foram grandes e sua influência dominou as outras igrejas PCA. As igrejas de Queensland, por outro lado, eram mais disperso e mais democrática. Seus pastores tendem a rodar o seu mandato, e nenhuma igreja realizou preeminência. Isso tende a fazer a AGQ mais igualitária.

Liderados por Enticknap (Queensland), Greenwood (Victoria) e Duncan (New South Wales), a AGQ e PCA realizou um "United Conference" na Igreja Pentecostal em Sydney em 1937. Decidiu-se que o nome da nova denominação seria Assembleias de Deus na Austrália. Por esta altura, Greenwood tinha desenvolvido uma estreita relação com Donald Gee das Assembléias de Deus britânicos e estava disposto a deixar cair o rótulo PCA em troca de associação com as Assembléias globais de circulação Deus.

Para uma Constituição nacional, a conferência atraiu a partir das duas constituições existentes como poços, a partir da constituição das Assembléias de Deus dos EUA. A nova bolsa seria baseado em "cooperação voluntária, em condições de igualdade" e seria regido pelas conferências nacionais bienais. [25] Cada estado foi concedida autonomia em seus próprios assuntos como foi cada montagem registrado. Charles Greenwood foi eleito o primeiro presidente.

II Guerra Mundial

Desde a sua formação durante a Segunda Guerra Mundial, o AOG experimentou um período de estagnação. Na época da fusão, havia 38 igrejas e 1.482 membros. Ao longo de oito anos, cresceu quatro igrejas, mas a participação caiu para 1.250. [26] Em 1939, o AOG declarou britânico Israelism ser uma heresia, o que levou à formação do Revival Cruzada cristã.

Em sua história, o AOG era uma igreja de paz ter adotado oficialmente uma posição de pacifismo. O artigo 23 da Constituição AOG declarou "não podemos participar conscientemente na guerra e resistência armada que envolve a destruição real da vida humana, uma vez que esta é contrária à ... a inspirada Palavra de Deus". [27] No entanto, como a Segunda Guerra Mundial progrediu, não foi menos consenso sobre a questão da participação cristã no serviço militar. No final, o assunto foi deixado para "consciência individual".

1950 e 60

Em 1948, a Commonwealth Bible College (agora conhecido como Alphacrucis) foi fundada para treinar homens e mulheres para o ministério. James Wallace, um Assembléias de Deus ministro da Grã-Bretanha, foi nomeado princípio da faculdade em 1951 e foi então eleito presidente AOG em 1955, de exercer o cargo até 1959. Durante seu mandato, o colégio desenvolveu um papel central na comunhão e serra um aumento do número de pastores, plantadores de igrejas e missionários treinados. Este período viu a dupla AOG em tamanho de 50 igrejas em 1951 para quase 100 em 1969.  Parte deste crescimento foi devido à imigração, e congregações étnicas, incluindo eslavo e conjuntos italianos, foram estabelecidos.

Houve também aumento da atividade missionária, quase todos que foi focado no campo missionário de Papua Nova Guiné. Esta abordagem foi bem sucedida e levou à 1973 virando de todos os bens missão e autoridade para as igrejas locais e à criação das Assembléias de auto-governo de Deus de Papua Nova Guiné, que em 1998 rivalizava com o tamanho da bolsa australiana.

Com o crescimento, surgiu a necessidade de gerenciá-lo e poder da igreja nacional aumentou. Em 1963, o cargo de presidente foi feita a tempo inteiro um, e a Constituição foi reformada para fazer política da AG mais perto do que das Assembléias de Deus americanas. Na conferência nacional de 1969, presbitérios estaduais (órgãos sociais) receberam mais responsabilidade, a denominação afirmado mais controle sobre a ordenação, e o título de presidente foi mudado para superintendente geral.

1970-1980: Movimento Carismático e rescaldo

O impacto do movimento carismático foi de grande envergadura no AOG. Ele foi inicialmente comemorado pelos pentecostais clássicas como um sinal de que o pentecostalismo estava influenciando igrejas tradicionais; no entanto, havia também preocupações sobre a influência do movimento carismático estava exercendo dentro do AOG. [31] Pastores da Nova Zelândia Assembléias de Deus (AGNZ) levaria o caminho. Por causa de sua abertura ao Chuva Movimento dos anos 1950 Últimos, o AGNZ foi rápido a aceitar a renovação carismática do que o movimento Australian mais conservadora. Novos pastores Zelândia, como Robert Midgley, Frank Houston, e Phil Pringle iria influenciar significativamente Australian pentecostalismo, e em última análise, se mudou seus ministérios para a Austrália.

A oposição à renovação, principalmente, surgiu sobre as visões tradicionais pentecostais de igrejas tradicionais, especialmente a Igreja Católica Romana, e como essas opiniões foram postas em causa. Essas igrejas historicamente tinha sido objecto de desconfiança por pentecostais, mas agora muitos dentro dessas igrejas estavam reivindicando as mesmas experiências que os pentecostais usufruídos sem rejeitar essas igrejas. Alguns ministros AOG respondeu com "nova abertura para as relações ecumênicas", mas outros advertiu contra "que liga as mãos com os modernistas e liberais". [33] As tensões aumentaram e em janeiro de 1973 um comunicado oficial foi publicado desafiando as práticas carismáticas de prostração (sendo "mortos no Espírito "), dança, e a crença de que os cristãos poderiam ser possuído por demônios (todos na AOG concordaram que os não-cristãos poderiam de fato ser possuído por demônios).

Essas tensões alimentadas no debate sobre a autonomia da igreja local, com os pastores carismáticos temendo a possibilidade de uma liderança denominacional conservador forçando seus próprios pontos de vista sobre uma congregação local. Na conferência nacional de 1977, parecia que uma divisão dentro do movimento era inevitável. Não houve divisão; No entanto, ficou claro que a facção carismático ganhou o apoio do movimento. Percebendo que ele tinha o apoio perdido, Ralph Leia renunciou ao cargo de superintendente geral, e Andrew Evans, um apoiante do movimento carismático, foi eleito para substituí-lo. [35] Evans levaria o AOG por 20 anos, durante um mandato, que viu a denominação crescer de menos de 10.000 para mais de 115.000 membros.

A história recente

Outro legado de liderança de Evans foi a descentralização. A autonomia das igrejas locais agora estava limitado apenas pela declaração doutrinária-que do AOG foi amplo o suficiente para permitir a diversidade. Técnicas  Igreja de crescimento também se tornou popular durante este período. Pastores proeminentes como Frank Houston também começou a defender uma forte liderança pastoral da igreja local, em oposição ao congregacionalismo tradicionalmente preferido pelos pentecostais.  Durante os anos 1980 e 1990, mega-igrejas passaram a dominar a denominação, tanto estadual e nacional níveis. Os membros da Executiva Nacional eram exclusivamente pastores mega-igreja, e tanto o Estado e os departamentos nacionais ficou sob o controle das mega-igrejas. A descentralização também ocorreu na área de missões mundiais. Em 2001, a responsabilidade pela campos missionários particulares foi dado a "igrejas regionais" (mega-igrejas ou perto de mega-igrejas). Isto ocorreu num momento em que a Executiva Nacional ganhou poder à custa do representante Conferência Nacional, que até 2003 tinha apenas a eleição dos membros Executiva Nacional em sua agenda.  Em abril de 2007, na Assembléia de Deus em Austrália Conferência Nacional, o nome público do movimento foi mudado para australianos Igrejas cristãs, ainda incorporado como Assembléias de Deus na Austrália.

Houve significativa atenção atraída para o relacionamento da denominação para a Primeira Parte da família, particularmente à luz do fundador do partido, Andrew Evans, sendo um ex-superintendente do movimento, e seu líder de uma só vez, Andrea Mason, freqüentando uma igreja ACC. Ambas as Igrejas cristãs da Austrália e do Primeiro Partido da família afirmam que os links são apenas histórico, e que não há nenhuma ligação organizacional na atualidade. [40]

Publicamente das Assembléias de Deus na Austrália se distanciou defendendo certos grupos e partidos políticos, incluindo o Family First partido inexperiente:

Uma coisa que não é, é um movimento político ... As Assembléias de Deus na Austrália não tem uma visão política e não temos uma agenda política. Eu acho que as pessoas precisam entender a diferença entre a igreja ser muito envolvido na política e os cristãos se envolver na política. Há uma grande difference.-Brian Houston

Em outubro de 2007, uma história de hoje hoje à noite alegou que vários dos restantes concorrentes finais Australian Idol eram da Hillsong Church, levantando preocupações de voto-empilhamento pela igreja. Mais tarde foi revelado que nenhum dos restantes concorrentes eram da Hillsong Church, mas vários foram de igrejas afiliadas com australianos Igrejas Cristãs, [42] [43], incluindo dois de AOG afiliado Shirelive Igreja Sutherland, Sydney, NSW.

Nomes da Igreja

Quando as Assembléias de Deus na Austrália foi constituída em 1937, as igrejas em geral foram o nome do local e, em seguida, as palavras da Assembléia de Deus. Por exemplo, a igreja AOG in Paradise foi chamado Assembléia Paraíso de Deus (a igreja é agora Paradise Community Church). Quando Frank Houston mudou para a Austrália em 1977 para plantar uma igreja em Sydney, ele chamou sua igreja Sydney Christian Life Centre. A partir de sua igreja, Houston plantados vários outros com o nome de Centro de Vida Cristã.

A partir da década de 1990, tem havido uma grande mudança na nomenclatura de igrejas AOG. Muitas igrejas com a Assembleia de Deus (AOG) ou Centro de Vida Cristã (CLC) em seu nome, mudou seu nome para torná-lo mais curto e mais genérico. Muitas igrejas têm substituído AOG e CLC com Igreja Cristã ou Christian Centre. Por exemplo, Shire Christian Centre se tornou Igreja Shirelive e Mt. Assembleia Gravatt de Deus tornou-se Garden City Christian Church. Outra tendência é para as igrejas para mudar seu nome para um nome popular ou palavra que representa a igreja. Por exemplo, a Hills Christian Life Centre, que se tornou Hillsong Church, uma vez o nome Hillsong tornou-se mais conhecido do que o nome da igreja.

Megachurches

A mega-igreja é uma igreja protestante com 2.000 ou mais pessoas no atendimento média final de semana.

A maioria das mega-igrejas na Austrália são filiados com australianos Igrejas cristãs. Nos anos de 1970 e 1980, as maiores igrejas do movimento foram Garden City Igreja Cristã e Paradise Community Church. Na década de 1990, Hillsong Church tornou-se a maior igreja do movimento e também na Austrália. Hoje, existem oito igrejas Assembléias de Deus que são classificados como mega-igrejas com mais de 2.000 pessoas vão cada fim de semana.

Igreja Local Fundada Associação Presença

Hillsong Church Baulkham Hills, Sydney, NSW 1983 20.000

Paraíso Community Church Paraíso, Adelaide, SA 1982 6000

Borda Igreja Reynella, Adelaide, SA 1994 5250

Planetshakers City Church East Melbourne, Melbourne, VIC 2004 4000 [4]?

Esperança Centro Bowen Hills, Brisbane, Queensland 1930 3000 [5]?

Inspire Igreja Hoxton Park, Sydney, NSW 1981 2500 5200

Reis Christian Church Buderim, Sunshine Coast, Queensland? 2000

METRO Igreja Austrália Southport, Gold Coast, Queensland 2006 2000

FONTE www.estudarhistoriadaigreja.blogspot.com