Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


o canon do antigo e novo testamento
o canon do antigo e novo testamento

 

                                           O CANON BIBLICO                          

 Como a frase é normalmente utilizado, pode ser definida como "a Autoritário Padrão de Religião e Moral, composto por aqueles escritos que foram dadas para esse fim por Deus aos homens." A definição freqüentemente dado da Canon é, que ele é "o catálogo dos livros sagrados"; enquanto Semler (Von Freier U nersu (Hungen des Cânones), Doederlein (Institutio .. Theol Cristo 1:83), e outros, defini-la como "a lista dos livros lidos publicamente nas reuniões dos primeiros cristãos:" estes dois No entanto, estão com defeito, e esta não é apenas historicamente incorreto, mas omite a idéia essencial da autoridade divina dessas Escrituras. Nós aqui dar um relato copioso do assunto em geral, referindo-se a nossos leitores a artigos especiais para mais detalhes sobre os vários livros da Bíblia. 

I. Origem e usos do termo "Canon". - 

1. No clássico grego, a palavra ( Κανών , semelhante ao קָנֶה , uma "cana", [comp. Gesen. Thes. sv] κάνη , κάννα , canna [canais, canal], CANE, canhão) significa, 

(1) corretamente, uma haste reta, como a vara de um escudo, ou utilizada na tecelagem (l'ciatorium), ou regra de um carpinteiro. 

(2) Metaforicamente, uma regra de testes em ética (comp Aristot.. Eth Nic.. 3: 4, 5) (... o Canon de Policleto; Luc ds Sal p 946 B), ou na arte, ou na linguagem ( os Cânones de Gramática). O dom de línguas ( Atos 2: 7Atos 2: 7 ) foi considerado como o "cânone" ou teste que determinou a direção dos trabalhos dos vários apóstolos (Severian ap Cram... Cat in. Atos 2: 7Atos 2: 7 ). Mesas Cronológico foram chamados de "cânones de tempo" (Plut. Sol. 27); e com o resumo de um livro foi chamado κανών , como dando a "regra", por assim dizer, da sua composição. Os gramáticos Alexandrine aplicou a palavra neste sentido para os grandes escritores "clássicos", que foram denominadas " " a regra "( ¼ Κανών ) , ou o modelo perfeito de estilo e linguagem.

 

(3) No entanto, para além destes significados activas, a palavra também era utilizada para passivamente um espaço medido (em Olímpia), e, em tempos mais recentes, para uma taxa fixa (Du Cange, sv).

  2 Em eclesiástico uso, a palavra ocorre na setembro, em seu sentido literal ( Juízes 13: 6Juízes 13: 6 ), e novamente em Aquila ( Jó 38: 5Jó 38: 5 ). No NT é encontrada em dois lugares nas epístolas de Paulo ( Gálatas 6.16Gálatas 6:16 ; 2 Coríntios 10: 13-162 Coríntios 10: 13-16 ), e em segundo lugar a transição de um ativo a um sentido passivo é digno de nota. Nos escritos patrísticos a palavra é comumente usada Bothas uma regra no sentido mais amplo, e, especialmente, nas frases "a regra da Igreja", "a regra de fé", "a regra da verdade." No século IV, quando a prática da Igreja foi mais sistematizada, as ofsynods decisões foram denominados "cânones" e a disciplina pela qual os ministros foram obrigados era tecnicamente "a regra", e aqueles que foram assim obrigados foram denominados Canonici (" Cânones "). Na frase "o cânon (ou seja, parte fixa) da massa", a partir do qual o sentido popular de "canonizar" é derivado, o sentido passivo novamente prevaleceu. (Veja abaixo.)

3. Como aplicada a Escritura, os derivados de κανών são usadas muito antes da palavra simples. A tradução para o latim de Orígenes fala da Escritura, Canonicce (de Princ. 04:33), libri Regulares (Comm., em Matt. § 117), e libri canonizati (id. § 28). Em outro lugar, a frase habei'i em Canone (Prol. em Cantares de Salomão sf) ocorre, mas provavelmente apenas como uma tradução de κανονίζεσθαι , que é usado neste e cognatos sentidos em Atanásio (Ep. Fest.), os Cânones Laodicene ( ἀκανόνιστα ., Can lix), e os escritores posteriores (ISID Pelus.. Ep. cxiv; comp agosto. doctr de Chr.. 4: [6] 9; e, como contrapartida, Anon. ap Euseb.. HE v. 28).

 

 A primeira aplicação direta do termo κανών às Escrituras parece ser por Amphilochius (cir. 380), em seu catálogo das Escrituras, onde a palavra indica a regra pela qual o conteúdo da Bíblia deve bedetermined, e, assim, secundariamente um índice dos livros constituintes. Entre os escritores latinos a palavra é comumente encontrada desde o tempo de Jerome (Prol Gal..) E Agostinho (De Civ 17:24;. 18:38), e seu uso da palavra, que é mais amplo do que o de escritores gregos, é a fonte de sua acepção moderna.

 Os livros não-canônicos foram descritos simplesmente como "os que não têm", ou "aqueles uncanonized" ( ἀκανόνιστα , Conc. laod. lix). Os livros apócrifos, que deveriam ocupar uma posição intermediária, foram chamados "livros lidos" ( ἀναγιγνωσκόμενα , Athan. Ep. Fest.), ou "eclesiástica" (ecclesiastici, Rufin. em Sìmb. Apost. § 38), embora o Este último título também foi aplicado para as Escrituras canônicas, que (Leont. de Sect. ii) também foram chamados "livros do Testamento" ( ἐνδιάθηκα βιβγία ) e Jerome estilo toda a coleção com o nome marcante de "a biblioteca santo" ( Bibliotheca sancta), que expressa felizmente a unidade ea variedade da Bíblia (Credner, ... Zur Gesch d Kan § 1; Westcott, . Hist da Canon do NT . App D).

 II. Os Cânones judeu. - 

. 1 De acordo com o comando de Moisés, o "livro da lei" foi "colocar no lado da arca" ( Deuteronômio 31:25Deuteronômio 31:25 seq.), mas não no -lo ( 1 Reis 8: 91 Reis 8: 9 ; comp Joseph.. Ant 3: 1, 7; 5:. 1, 17); e assim, no reinado de Josias, Hilquias disse ter "encontrado o livro da lei na casa do Senhor" ( 2 Reis 22: 82 Reis 22: 8 .; comp 2 Crônicas 34:142 Crônicas 34:14 ). Este "livro da lei", que, para além dos preceitos diretos ( Êxodo 24: 7Êxodo 24: 7 ), continha exortações gerais ( Deuteronômio 28:61Deuteronômio 28:61 ) e narrativas históricas ( Êxodo 17:14Êxodo 17:14 ), foi mais longe aumentaram os registros de Josué ( Josué 24:26Josué 24:26 ), e outros escritos ( 1 Samuel 10:251 Samuel 10:25 ). A partir desses autógrafos sagradamente guardadas cópias foram tomadas e circulou entre as pessoas ( 2 Crônicas 17: 92 Crônicas 17: 9 ). Em um momento posterior coleções ofproverbs foram feitas ( Provérbios 25: 1Provérbios 25: 1 ), e os profetas posteriores (. especialmente Jeremias; comp Kueper, .... Jerem Libror ss interp et vindex, Berol 1837.) estavam familiarizados com os escritos de seus antecessores , circunstância que pode, naturalmente, ser conectado com a formação de "escolas proféticas". É, talvez, marca um passo adiante na formação da Canon quando "o livro do Senhor" é mencionada por Isaías como um conjunto geral de ensino sagrado ( Isaías 34:16Isaías 34:16 [onde fica implícito que seus próprios escritos eram para ser adicionado à os anteriormente considerado sagrado; ver Gesenius, Comment. em loc];.. comp Isaías 29:18Isaías 29:18 ) ao mesmo tempo familiar e autoritário; mas é pouco provável que toda a coleção definitiva ou de "Salmos" ou de "profetas" existia antes do Cativeiro. Naquela época Zacarias fala da "lei" e "os profetas antigos", como em alguma medida coordenada ( Zacarias 07:12Zacarias 07:12 ); e Daniel se refere a "os livros" ( Daniel 9: 2Daniel 9: 2 ) de uma forma que parece marcar os escritos proféticos como já recolhidas em um todo. Pouco depois do retorno da Babilônia, os levitas ler e expôs a palavra do Senhor para o povo ( Neemias 8: 1-8Neemias 8: 1-8 ; Neemias 09:13Neemias 09:13 ).

 2. A crença popular atribuída a Esdras e "a grande sinagoga" a tarefa de recolher e Ipromulgating as Escrituras como parte de seu trabalho na organização da Igreja judaica. Dúvidas foram jogados em cima desta crença (Ran, De Synag magnas,. 1726; comp Ewald,. Gesch d V. Isr... 4: 191 [ver abaixo]); mas a afirmação é de todas as maneiras consistentes com a história do judaísmo, e com a evidência interna dos próprios livros. Os enfeites posteriores da tradição, que representam Ezra como o segundo autor de todos os livros (2 Esdras), ou definir com mais precisão a natureza de seu trabalho, só pode ser aceite como sinais da crença universal em seus trabalhos, e não deve para lançar o descrédito sobre o simples fato de que a base do presente Canon é devido a lim. Também não se pode supor que o trabalho foi concluído de uma vez; para que a conta ( 2 Macabeus 02:132 Macabeus 02:13 ), que atribui uma coleção de livros de Neemias é, em si, uma confirmação da verdade geral da formação gradual da Canon durante o período persa. O trabalho de Neemias não é descrito como iniciação ou final. A tradição omite qualquer menção da lei, o que pode ser suposto ter assumido a sua forma final sob Ezra, mas diz que Neemias "reuniu os [escritos] sobre os reis e profetas, e os [escritos] de David, e cartas de reis relativas ofertas ", enquanto " . fundar uma biblioteca "(. 2 Macc lc) As várias classes de livros foram, assim, concluído em sucessão, e essa visão se harmoniza com o que deve ter sido o desenvolvimento natural da fé judaica após o retorno A. constituição da Igreja e da formação da Canon foram ambos, a partir de sua natureza, gradual e mutuamente dependentes. A construção de uma política eclesiástica envolvida determinação thepractical da regra divina da verdade, no entanto, como no caso em paralelo das Escrituras Cristãs, perseguição aberta deu primeiro uma expressão clara e distinta para a fé implícita.

 A tradição anterior ocorre em um dos livros mais antigos do Talmud, o Pirke Aboth; e repete-se, com maior minúcia, na Babilónia Gemara (Baba Bathra, fol 13, 2. Veja as passagens em Tiberias de Buxtorf lib 1, 100:.... 10; comp Wachner, Antiq. Hebreus 1:13Hebreus 1:13 ). A substância da coisa é que, depois de Moisés e os anciãos, os livros sagrados eram vigiados pelos profetas, e que a Canon foi completado por Esdras, Neemias, e os homens da Grande Sinagoga. A mais antiga forma em que esta aparece é no quarto livro de Esdras, uma obra que data do final do primeiro ou início do segundo século depois de Cristo. Aqui é afirmado que Ezra, por ordem divina e com a ajuda divina, causou a ser composta de 94 livros por três homens (Vulg. 204 livros por cinco homens) em 40 dias, 70 dos quais, em que "é uma veia de entendimento, uma fonte da sabedoria, e um fluxo de conhecimento ", estavam a ser dado aos sábios do povo, enquanto o resto eram para ser tornado público, que" tanto os dignos e indignos pode lê-los "(14: 42-47) . Estes vinte e quatro, assim, tornado público são, sem dúvida, os livros canônicos. A declaração é muito vago; mas que esta é a sua referência é processado provável pela aparição nos escritos de alguns dos pais cristãos de uma tradição que os escritos sagrados, que haviam sido perdidas durante o exílio, foram restaurados por Ezra no tempo de Artaxerxes por inspiração (Clemens . Alex, Strom I, 22, p 410; Potter; Tertuliano, De cultu foim 1:... 3; Irenaens, adv Hoer in, 21 [25], etc.)... Contra thistradition tem-se objetado que prova demais, pois ela diz que os homens da Grande Sinagoga escreveram os livros posteriores, como os doze profetas menores, etc. Mas por que a escrita é aqui significa, não a composição original destes livros, mas a atribuição (the-à escrita) deles para a Canon sagrado, pode-se inferir, em parte, da circunstância de que, na mesma tradição, os homens de Ezequias são disse ter escrito os Provérbios, o que só pode significar que eles copiaram-los (ver Provérbios 25: 1Provérbios 25: 1 ) com o objetivo de inseri-los no Canon, e, em parte, do fato de que a palavra aqui usada ( כתבן ) é usado pelo Targumist em Provérbios 25: 1Provérbios 25: 1 como equivalente aos Hebreus עָתִק , transcrever. Também foi feita uma tentativa de desacreditar essa tradição aduzindo a circunstância de que Simão o Justo, que viveu muito tempo depois de Ezra, é dito, no Pirke Aboth, ter sido um dos membros da Grande Sinagoga; mas para isso muito peso não pode ser permitido, em parte porque Simon é, na passagem referida, disse ter sido um dos remanescentes da Grande Sinagoga, o que indica que ele tenha sobrevivido a isso e, principalmente, porque o mesmo corpo da tradição que afirma este parecer faz dele o sucessor de Esdras; de modo que tanto o todo é um erro, ou o Simon referido deve ter sido uma pessoa diferente do Simon que é comumente conhecido pelo título de "Just" (comp. Othonis Lex. Rabbin. Philol. p. 604, Genesis 1675 ; Einletung de Haivernick in das AT Th 1: Abt I, 1:43)... Ou podemos adotar a opinião de Hartmann (Diz enge Verbindung des Alt. De teste. Mit d. Neuen, p. 127) que a faculdade de os homens aprenderam na lei que se reuniram em volta Esdras e Neemias, e que foi corretamente a Sinagoga, continuou para receiveaccessions por muitos anos após sua morte, por meio do qual existiam até o tempo dos Macabeus, sem o nosso ser obrigados a supor thatwhat é afirmado sobre as suas ações no tempo de Ezra pretende referir-se a ele durante todo o período de sua existência. As suspeitas também beencast sobre esta tradição da multidão de maravilhas extravagantes narrados pelos judeus respeitando a Grande Sinagoga. Mas como são encontrados em quase todos os recordes traditionary anexando a pessoas ou entidades que possuem um caráter nacional heróico; e é certamente razoável porque uma cronista diz uma ou duas coisas que são incríveis, que nós devemos descrer tudo além de que ele registra, no entanto, possível ou até mesmo provável que seja. Para isso, pode-se acrescentar que há algumas coisas, como o fim da oração diária, o estabelecimento do texto do Antigo Testamento, o estabelecimento da interpretação tradicional da Bíblia, etc., o que deve ser atribuído ao período imediatamente depois do Cativeiro, e que pressupõe a existência de algum instituto, como a Grande Sinagoga, se este ser considerado formalmente constituída por Ezra ou como uma associação voluntária de sacerdotes e escribas (Zunz, Die Gottesdienstlichen Vortr. d. Juden, p. 33 ). Além disso, existem algumas passagens das Escrituras (por exemplo, 1 Crônicas, em, 23, 24), que pertencem a um período um pouco mais tarde do que qualquer um dos escritores canônicos. (Veja Esdras ). Esta tradição, mais uma vez, é confirmada pelas seguintes circunstâncias:

 (A.) O tempo em questão foi o último em que isso poderia ser feito. Dado que o direito a ser executada não era apenas a de determinar a autenticidade de certos livros, mas de apontar aqueles que tinham sido divinamente ordenado como regra de fé e moral da Igreja, foi um que nenhum, mas um profeta poderia descarregar. Agora, nos dias de Neemias e Esdras havia vários profetas vivos, entre whomwe sabe os nomes de Ageu, Zacarias e Malaquias; mas com essa idade expirou a linha de profetas que Deus havia designado "para confortar Jacob, e entregá-los pela esperança assegurada" ( Siraque 49:10Eclesiástico 49:10 ). Sobre este ponto, a evidência de Josephus, os livros apócrifos, e JewishTradition, é harmonioso (comp Joseph cont Ápio 1:.... 8; 1 Macabeus 4:461 Macabeus 4:46 ; 1 Macabeus 9:271 Macabeus 9:27 ; 1 Macabeus 14:411 Macabeus 14:41 ; Jerome, . ad Jes 49:21; Vitringa, Obs Sac lib 6, 6 cap, 7; Hävernick, Einleit 1:..... 1, 27; Hengstenberg, Beitrdge zur Einleit ins em 1: 245).. À medida que os homens da Grande Sinagoga foram, assim, o último dos profetas, se a Canon não foi fixado por eles, o tempo foi passedwhen poderia ser fixado em tudo.

 (B.) Isso foi fixado naquele momento aparece a partir do fato de que todas as subsequentes referências aos escritos sagrados pressupõem a existência da Canon completo, bem como o fato de que de ninguém entre os livros apócrifos é tanto como deu a entender, ou pelo autor ou por qualquer outro escritor judeu, que era digno de um lugar entre os livros sagrados, apesar de alguns deles as pretensões são em outros aspectos suficientemente elevadas (por exemplo, Eclesiástico 33: 16-18Eclesiástico 33: 16-18 ; Eclesiástico 1, 28). Josephus, de fato, claramente afirma (cont. Apocalipse 1 . c.) que, durante o longo período decorrido entre o momento do encerramento da Canon e sua época, ninguém tinha ousado, quer para adicionar ou tirar de , ou de alterar qualquer coisa nos livros sagrados. Isso mostra claramente que sobre o tempo de Artaxerxes, a que Josephus refere-se, e que era a idade de Esdras e Neemias, a coleção dos livros sagrados foi concluída por uma autoridade que thenceforward deixou de existir. (Veja SINAGOGA, GREAT ).

 3. A perseguição de Antíoco (BC 168) foi para o Antigo Testamento que a perseguição de Diocleciano foi para o New, a crise final, que carimbou os escritos sagrados com seu caráter peculiar. O rei procurou "os livros da lei" ( τὰ βιβλία τοῦ νόμου , 1 Macabeus 1:561 Macabeus 1:56 ) e os queimou; e que a posse de um "livro do pacto" ( βιβλίον διαθήκης ) foi um crime capital (Joseph. Ant. 12: 5, 4). Mas esta proscrição da "lei" naturalmente só serviu para chamar a atenção das pessoas mais de perto a estes próprios livros sagrados. Após perseguição theMaccabean a história da formação da Canon ismerged na história do seu conteúdo. A Bíblia aparece a partir desse momento, como um todo, no entanto, era natural que as diversas partes não foram vet colocado em pé de igualdade, nem consideradas universalmente e em todos os aspectos, com igual reverência (comp. Zunz, D. Gottesd. Vortr. D. Jud. p. 14, 25, etc.).

 Mas, enquanto a prova combinada de tradição e do curso geral da história judaica leva à conclusão de que a Canon em sua forma atual foi formado gradualmente durante um intervalo prolongado, começando com Ezra e estendendo-se através de uma parte ou mesmo a totalidade ( Neemias 12:11Neemias 12: 11 ; Neemias 00:22Neemias 12:22 ) do período persa (458-332 aC), quando a cessação do dom profético apontou para a necessidade e definiu os limites da coleção, é de extrema importância para perceber que a coleção era peculiar incharacter e circunscrita em conteúdo. Toda a evidência que pode ser obtido tende a mostrar que ela é falsa, tanto na teoria como verdade, para descrever a OT como "todas as relíquias do Hebrmeo-Chaldaic literatura até uma certa época" (De Wette, Einl. § 8 ), se a frase pretende referir-se ao momento em que a Canon foi completada.

 O epílogo de Eclesiastes ( Eclesiastes 0:11Eclesiastes 0:11 sq.) fala de uma extensa literatura, com o qual o ensino da sabedoria é contrastada, e "cansaço da carne" é descrito como o resultado do estudo que lhe foi atribuído. É impossível que esses "muitos escritos" pode ter perecido no intervalo entre a composição de Eclesiastes e da invasão grega, e os apócrifos inclui vários fragmentos que devem ser encaminhados ao período persa (Buxtorf, Tiberias, 10:10 quadrados .; Hottinger , Thes Phil .; Hengstenberg, Beitrdge, i;. Hävernick, Einl i;. Oehler, arte Kanon d AT em ​​Encyklop de Herzog)....

 . 4 A divisão da OT Canon em três partes, "a lei", "os Profetas", e "os escritos" ( תּוֹרָה נְבַיַּאום וּכְתוּבַים ), é muito antiga; ele aparece no prólogo do Eclesiástico, no Novo Testamento, em Philo, em Josephus, e no Talmud (Surenhusii Βιβ . Καταλλ p. 49). Respeitando o princípio em que a divisão foi feita, há considerável diferença de opinião. Todos concordam que a primeira parte, a lei, que abrange o Pentateuco, foi assim chamado por conter as leis e regulamentos nacionais. O segundo abrange o resto dos livros históricos, com a exceção de Rute, Ester, Esdras, Neemias e Crônicas; e os escritos dos profetas, exceto Daniel e Lamentações. É provável que tenha recebido o seu nome potiori aparte, a maioria dos livros que ele contém sendo a produção de homens que eram profissionalmente profetas. Que este critério, no entanto, determinada a omissão ou inserção de um livro nesta segunda divisão, como afirmado por Hengstenberg (Authent. Des Daniel, p. 27), e por Hävernick (Eal. I, sec. 11), não pode ser admitido ; para, por um lado, encontramos inseridos nesta divisão do livro de Amós, que era "nem um profeta nem filho de profeta;" e, por outro, não é omitido que o Livro das Lamentações, que foi, sem dúvida, a produção de um profeta.

 A inserção deste livro na última, em vez de na segunda divisão tem sua origem, provavelmente, em alguma razão litúrgica, a fim de que ele pode ficar ao lado do Salmos e outra poesia lírica dos livros sagrados. É mais ' difícil de explicar a inserção do livro de Daniel, no terceiro, em vez de na segunda divisão; e muito estresse tem sido colocada sobre esta circunstância, como proporcionando evidência desfavorável às reivindicações canônicas deste livro. Mas não é certo que este livro sempre ocupou sua posição atual. É notpossible que por algum motivo de um tipo místico ou controverso, para ambos os quais fontes de influência dos judeus durante os primeiros séculos do Cristianismo foram muito expostos, eles podem ter alterado a posição de Daniel da segunda para a terceira divisão? O que torna este provável é que os talmudistas ficar sozinho neste arranjo.

 Josephus, Siracides, Philo, o Novo Testamento, todos se referem ao Hagiographa de modo a induzir a crença de que ele compreendia apenas as porções poéticos do Antigo Testamento - os salmos, hinos e cânticos; enquanto em todos os catálogos dos escritores Testamento de idade- dadas pelos primeiros pais, até a época de Jerônimo, Daniel está classificado entre os profetas, em geral, a posição que ele ocupa na nossa versão comum. Na versão do setembro, também, ele é classificado com os profetas próximos a Ezequiel. Nem Jerome concordar com o Talmud em todos os aspectos, nem uma classe de rabinos judeus concordar com outro no arranjo dos livros sagrados. Tudo isso mostra que não arranjo tão fixo e inalterável dos livros sagrados, como o que se pensa, existia anterior ao século V da aera cristão, e se mostra muito claramente que o lugar então atribuído a Daniel pelos talmudistas não o foi coloque ele teve durante o período precedente, ou originalmente ocupado. (Veja DANIEL, LIVRO DE ). Como aspectos, o nome dado à terceira divisão, a conta mais provável do que é, que a princípio foi fullerviz., ' os outros escritos ", como distinto froip a Lei e os Profetas (comp. a expressão τὰ ἄλλα βιβλία , usado pelo Filho de Siraque, Ecclus Prol);... e que no decorrer do tempo foi abreviado para esta parte é comumente citado, sob o título Hagiographa (qv) "os escritos".

 5. A OT Canon, conforme estabelecido no tempo de Esdras, manteve-se inalterada até os dias atuais. Alguns, de fato, têm suposto que, porque a versão setembro não contém alguns livros em hebraico, deve ter havido um duplo Canon, um palestino e um egípcio (Semler, Apparat anúncio liberaliorem VT interpretar.. § 9, 10; Corrodi , Beleuchtung der Gesch des Jidisch u Christlich Kanons,.... p.155-184; Augusti, Einleit ins AT.. p.79); mas essa noção foi completamente refutada por Eichhorn (Einlit.1: 23), Hävernick (Einl 1,. § , e outros 16). Todas as provas existentes é contra. O Filho de Siraque, e Philo, tanto judeus de Alexandria, não fazem qualquer alusão a ele; e Josefo, que, evidentemente, usou a versão grega, declara expressamente contra ela na passagem acima referido ( Apocalipse 1: 8Apocalipse 1: 8 ). Os anúncios anteriores da Canon simplesmente designá-lo pela divisão tríplice já considerado. O Filho de Siraque, menciona "a Lei, os Profetas e os outros livros dos pais"; e novamente, "a Lei, as Profecias, eo resto dos livros ;." expressões que indicam claramente que no seu dia a Canon foi corrigido. No New Test. nosso Senhor freqüentemente refere-se ao teste Velha. sob o título de "As Escrituras," ou de "The Law" ( Mateus 21:42Mateus 21:42 ; Mateus 22:29Mateus 22:29 ; João 10:30João 10:30 , etc.); e, em um lugar que ele fala da "Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos" ( Lucas 24:44Lucas 24:44 ); pelo terço desses títulos intenção, sem dúvida, para designar a Hagiographa, quer após o costume judaico de denotar uma coleção de livros pelo título do que com a qual comnmenced, ou, como H ä Vernick sugere, usando o termo ψαλμοί como um designação geral de esses livros, por causa da maior comparativeamount da poesia lírica contida neles. (Einl. § 14). Paul se aplica ao teste velho. as denominações "os escritos sagrados" ( γραφαὶ ἁγίαι , Romanos 1: 2Romanos 1: 2 ); "As cartas sagrados" ( ἱερὰ γράμματα , 2 Timóteo 3:152 Timóteo 3:15 ), e "Antiga Aliança" ( r | παλαιὰ διαθήκη , 2 Coríntios 3:142 Coríntios 3:14 ). " Tanto o nosso Senhor e seus apóstolos atribuir autoridade divina para a Canon antigo ( Mateus 15: 3Mateus 15: 3 ; João 10: 34-36João 10: 34-36 ; 2 Timóteo 3:162 Timóteo 3:16 ; 2 Pedro 1: 19-212 Pedro 1: 19-21 , etc.); e no curso do novo teste. citações são; nade de todos os livros do Antigo exceto Ruth, Esdras, Neemias, Ester, Cânticos, Lamentações e Ezequiel, a omissão de tal podem ser contabilizadas no simples princípio de que os escritores não teve ocasião de citá-los. Coincidências da linguagem mostra que os apóstolos estavam familiarizados com vários dos livros apócrifos (Bleek, Ueber d. Stellung d.Apokr. do Stud. u. Krit. 1853, p. 267 sq.), mas eles não contêm uma autoridade ou citação direta com eles, enquanto que, com a exceção de juízes, Eccles., Cantares de Salomão, Ester, Esdras e Neemias, todos os outros livros no cânon hebraico é usado tanto para ilustração ou prova.

 Philo atesta a existência em seu tempo do ἱερὰ γράμματα , descreve-os como compreendendo leis, oráculos proferidas pelos profetas, hinos e os outros livros pelos quais o conhecimento e piedade pode ser aumentada e aperfeiçoada (De Vita Contemplat. em Opp. 2: 275, ed mangey); e citações ou referências para a maioria dos livros estão espalhados através de seus escritos. A evidência de Josephus é muito importante; pois, além de referências gerais para os livros sagrados, ele dá um relato formal da Canon, uma vez que foi reconhecida em sua época, atribuindo cinco livros, contendo leis e um relato da origem do homem, a Moisés, treze para os profetas, e quatro, contendo canções de louvor a Deus e preceitos éticos para os homens, de diferentes escritores, e afirmando que a fé de theJews nesses livros é tal que, para eles sofreriam todas as torturas e morte em si (cont Apien 1:.. 7, 8;. Eichhorn, Einleit 1, § 50;. Jahn, Intrcduction p 50). A crença popular de que os saduceus recebeu onlythe livros de Moisés (Tertull De prcescr heret 45;... Jerônimo, em Mateus 22:31Mateus 22:31 , p 181;... Origen, c Cels 01:49), repousa sobre nenhuma autoridade suficiente; e se tivessem feito isso, Josephus não poderia ter deixado de notar o fato em sua conta as diferentes seitas. (Ver SADUCEUS ). Nas tradições do Talmud, por outro lado, Gamaliel é representada como a utilização de passagens da Profetas e nos Hagiographa em suas controvérsias com ' eles, e eles respondem com citações de as mesmas fontes, sem escrúpulos ou objeção. (Veja Eichhorn, Einl. § 35; Lightfoot, Horce Hebr et Talm 2:.. 616; Schmid, Enarr, Enviados Fl Josephi de Libris VT.. 1777; Guildenapfel. dissertar Josephi de Sadd pode enviar Exhibens,.... 1804 .) No talmúdica Tractentitled Baba Bathra, um catálogo de livros do cânon sagrado é dada, o que corresponde exatamente com que agora se encontra na Bíblia hebraica (Buxtorf, Tiberias, 100: 11).

 . III A Canon cristã do Antigo Testamento. - Melito, bispo de Sardes, no segundo século da mera cristã, dá, como o resultado de cuidadosa investigação, os mesmos livros do Antigo Testamento-Canon como temos agora, com a exceção de Neemias, Ester, e Lamentações; os dois primeiros dos quais, no entanto, ele provavelmente incluídos em Esdras, ea última em Jeremias (Euseb. Hist Eclesiastes. 4:26; Eichhorn, . Einl 1, § 52). Os catálogos de Orígenes (Euseb. Hist. Eclesiastes 6: 2Eclesiastes 6: 2 ; Eclesiastes 6: 5Eclesiastes 6: 5 ), de Jerome (.. Prol Galeat . em Opp in), e de outros dos pais, dar substancialmente a mesma lista (Eichhorn, 1. . c .; Augusti, Einl § 54;. Cosins, Scholastical Hist da Canon, em ch, vi;.. Henderson, na inspiração, p 449).

 O uso geral da Septuaginta (alargada por adições apócrifos) produzido efeitos que são claramente visíveis na história da OT Canon entre os escritores cristãos. Na proporção em que os pais eram mais ou menos absolutamente dependente que a versão para o seu conhecimento do Antigo Testamento Escrituras, eles gradualmente, perdido em prática comum o sentido da diferença entre os livros do cânon hebraico e theApocrypha. O costume de pessoas físicas cresceu no costume da Igreja, e o uso público dos livros apócrifos obliterados no que diz respeito popular, as marcas características de sua origem e valor, que só poderiam ser descobertos pelo estudioso. Mas o costume da Igreja não foi fixado em um julgamento absoluto. A mesma observação se aplica aos detalhes da evidência patrística sobre o conteúdo da Canon. Seu hábito deve ser diferenciado de seu julgamento.

 1. A partir do que foi dito, é evidente que a história da Canon cristã está a ser procurado, em primeira instância, a partir de catálogos definitivas e não de citações isoladas. Mas mesmo esta evidência é incompleta e insatisfatória. (Veja as Tabelas 1 e 2,) Durante os primeiros quatro séculos este hebraico Canon é a única que está claramente reconhecido, e é apoiado pela autoridade combinada desses pais cujo julgamento crítico tem o direito de o maior peso. A divergência real quanto ao conteúdo da Canon do Antigo Testamento deve ser atribuída a Agostinho, que enumera os livros contidos em "todo o cânon das Escrituras", incluindo os apócrifos, sem qualquer marca especial de distinção, embora possa ser razoavelmente duvidava que ele diferia intencionalmente fromJerome exceto em linguagem (De Doctr Cristo 2:... 8 [13]; comp De Civ.18: 36; Gaud 1:38.).

 A Canon ampliada de Agostinho, embora inteiramente suportado por qualquer autoridade grega, foi aprovado pelo Conselho de Cartago (397 dC?), Embora com uma reserva (Cantares de Salomão 47, "de conJirmando Isto É Canone transmarina ecclesi: consulatur"), e depois publicada nos decretos que levam o nome de Inocêncio, Dâmaso, e Gelásio (comp Credner, Zur Gesch d Kan p 151 sq......); e que se repete em muitos escritores posteriores. Mas, no entanto, uma sucessão contínua dos pais mais aprendidas no Ocidente manteve a autoridade distintivo do hebraico Canon até o período da Reforma. No século 6 Primasius (. Comm em Apocalipse 4, Cosin, § 92?), no dia 7 de Gregório Magno (Moral.19:. 21, p 622), no dia 8 de Bede (.? Em Apoc iv), em o 9º Alcuíno (. ap Hody, p 654;. ainda ver Carm 6, 7.), na 10ª Radulphus Flav. (Em Levítico 14, Hody, p. 655), no dia 12 de Peter Clugni (Ep. C. Petr. Hody, 1. c.), Hugo de S.Victore (de Script. 6), e John de Salisbury ( Hody, p 656;. Cosin, § 130), na 13ª Hugo cardinalis (Hody, p 656), no dia 14 Nicholas Liranus (Hody, p 657;.. Cosin, § 146), Wiclif (comp Hody,?. p 658), e Occam (Hody, p 657;.. Cosin, § 147), no dia 15 de Thomas Anglicus (Cosin, § 150), e Thomas de Walden (Id. § 151), no 16º Card. Ximenes (... Ed Compl Prcef), Sisto senensis (Biblioth. 1: 1), e Card. Caetano (Hody, p 662;. Cosin, § 173), repita com a aprovação da decisão de Jerome, e traçar uma linha clara entre os livros canônicos e apócrifos (Cosin, Scholastical História da Canon;.. Reuss, Die Gesch d heiligen d Schrifiten. NT ed. 2, § 328).

 

2. Até a data do Concílio de Trento (qv), os romanistas permitir que a questão da Canon foi aberto, mas um dos primeiros trabalhos de que a montagem era. circunscrever a liberdade que o crescimento da literatura parecia tornar perigosa. O decreto do Conselho "sobre a Canonical Escrituras", que foi feita na 4ª sessão (08 de abril de 1546), em que cerca de 53 representantes estavam presentes, pronunciou a Canon alargada, incluindo os livros apócrifos, para ser merecedor em toda a sua partes de "veneração iguais" (pari pietatis affectu), e adicionou uma lista de livros "para evitar a possibilidade de dúvida" (ne cui dubitatio suboriri possit). Este decreto apressada e peremptória, ao contrário de sua forma para qualquer catálogo antes de publicado, foi fechado por um anátema solene contra todos os que não devem "receber os livros inteiros, com todas as suas partes, como sagrado e canônico" (Si quis autem libros Ipsos integros cum omnibus suis partibus, prout in ecclesia catholica legi Consueverunt et in Veteri vulgata Latina Editione habentur, pro sacris et canonicis não susceperit ... anátema esto, Conc. Trid. Sess. 4). Este decreto não foi, no entanto, passou sem oposição (Sarpi, p 159 sq ed 1655, embora Pallavacino nega isso...); e, apesar de os termos absolutos em que se expressa, mais tarde romanistas têm procurado encontrar um método de escapar da equalização definitiva das duas classes de sacredwritings por uma interpretação forçada das cláusulas acessórias Du Pin (dissertar prelimn. 1: 1), Lamy (App Bibl. 2: 5.), e Jahn (Einlin d AT 1:... 141 sq ap Reuss, § 337) esforçou-se para estabelecer duas classes de livros proto-canônico e deutero-canônicos, atribuindo- o primeiro de uma dogmática, e para o segundo apenas uma autoridade ética. Mas essa classificação, no entanto verdade que possa ser, é, obviamente, em desacordo com os termos da decisão tridentina, e encontrou comparativamente pouca favor entre escritores romanistas (comp [Herbst] Welte, Einl 2:... 1 quadrados). (Veja Deuterocanonical ).

 3. As igrejas reformadas concordaram unanimemente em confirmar o hebraico Canon de Jerome, e se recusou a permitir que qualquer autoridade dogmática para os livros apócrifos, mas a forma em que este julgamento foi expressa variado consideravelmente nas diferentes confissões. Os formulários luteranas não contêm nenhum artigo definido sobre o assunto, mas a nota que Luther colocado na frente de sua tradução alemã do Apocrypha (ed 1534.) É uma declaração adequada do julgamento depois da Comunhão: "apócrifos, ou seja, livros que não são colocados em pé de igualdade (nicht gleich gehalten) com a Sagrada Escritura, e ainda são rentáveis ​​e bom para a leitura. " Essa visão geral foi posteriormente expandido nos prefácios especiais aos livros separados, em que Luther criticadas livremente o seu valor individual, e totalmente rejeitado 3 e 4 Esdras como indigno de tradução. Em um período anterior Carlstadt (1520) publicou um ensaio crítico, De canonicis scripturis libellus (reimpresso em Credner, Zur Gesch. D Kan. P. 291 sq.), Em que ele seguiu a divisão hebraico dos livros canônicos em três fileiras, e acrescentou Wisd., Ecclus., Judith, Tobit, 1 e 2 Macabeus., como Hagiographa, embora não incluídos na coleção hebraica, enquanto ele rejeitou o restante do Apocrypha, com partes consideráveis ​​de Daniel, como "completamente apócrifo" ( plano Apocryphi;. Credn p 389, 410 sq)...

 4. As igrejas calvinistas geralmente tratada a questão com mais precisão, e introduzido em seus documentos simbólicos uma distinção entre a "canônicos" e "apócrifos", ou livros "eclesiásticas". O galicano Confissão (1561), depois de uma enumeração do Hieronymian Canon (Art. 3), acrescenta (Art. 4) " "que os outros livros eclesiásticos são úteis, mas não de modo que qualquer artigo de fé poderia ser estabelecida fora delas " (quo [sc. Spiritu Sancto] suggerente docemur, illos [sc. libros Canonicos] aliis ab libris ecclesiasticis discernere, qui, utiles sint ut, non sunt tamen ejusmodi, ex ut iis constitui articulus possit aliquis fidei). A Confissão Belga ( 1561?) contém uma enumeração semelhante dos livros canônicos (Art. 4), e permite a sua utilização pública por parte da Igreja, mas nega-lhes toda a autoridade independente em matéria de fé (6 Art.). Quanto mais tarde Confissão Helvética (1562, Bullinger) percebe a distinção entre os livros canônicos e apócrifos, sem pronunciar qualquer julgamento sobre a questão (Niemeyer, Libr. Sìmb. Eclesiastes Ref. P. 468). A Confissão de Westminster (Art. 3) coloca os livros apócrifos em um nível com outros escritos humanos, e concede a eles nenhuma outra autoridade na Igreja.

 5. A Igreja Inglês (Art. 6) apela diretamente para a opinião de São Jerônimo, e admite que os livros apócrifos (incluindo [1571] 4 Esdras e da Oração de Manasses) um uso ", por exemplo de vida e instrução de costumes ", mas não para o estabelecimento de doutrina; e uma decisão semelhante é dada nos artigos irlandeses de 1615 (Hardwick, ut sup. p. 341 sq.). Os artigos originais inglesas de 1552 não continha qualquer catálogo (Art. 5) do conteúdo da "Sagrada Escritura", e nenhuma menção do Apocrypha, embora o decreto tridentino (1546) pode parecer tornaram necessário. A exemplo de igrejas estrangeiras podem ter levado à adição sobre a revisão posterior. A Igreja Metodista Episcopal adotou a mesma Canon das Escrituras, mas inteiramente omite os apócrifos (Disciplina, pt i, ch.1,. § 2º do art. 5); e os livros, tal como estão no cânon hebraico e grego Testamento, são só recebeu pelas igrejas evangélicas da América.

 6. A opinião expressa da tarde Igreja grega sobre o cânon das Escrituras foi modificado em alguns casos, por as circunstâncias em que foi feita a declaração. A "confissão" de Cyril Lucar, que estava mais favoravelmente disposto para as igrejas protestantes, confirma o Catálogo Laodicene, e marca os livros apócrifos como se não possuíssem a mesma autoridade divina como aqueles cuja canonicidade é inquestionável (Kimmel, Mon. Fid. Eclesiastes Or . 1: 42). Neste julgamento Cyril Lucar foi seguido por seu amigo Metrophanes Critopulus, em cuja confissão é dada uma lista completa dos livros do cânon hebraico (Kimmel, 2: 105 sq.), Enquanto alguns valor é atribuído aos livros apócrifos em consideração seu valor ético; ea decisão detalhada de Metrophanes é citado com a aprovação no "ensino ortodoxo" de Platon, Metropolita de Moscou (ed. Atenas, 1836, p. 59). A "confissão ortodoxa" refere-se simplesmente o assunto das Escrituras para a Igreja (Kimmel, p 159;.. Comp p.123). O: n outro lado, o Sínodo de Jerusalém, realizada em 1672, "contra a, calvinistas," que é comumente dito ter sido conduzido por influência romana (.. Ainda comp Kimmel, p 88), declarou que os livros que Cyril Lucar "ignorância ou maliciosamente chamado apócrifo" são "canonical e Sagrada Escritura," sob a autoridade do testemunho da Igreja antiga ([Kimmel,] Weissenborn, Dosith. Confess. p. 467 sq.). O Sínodo de Constantinopla, que foi realizada no mesmo ano, nota-se a diferença existente entre a Sé Apostólica, Laodicene e Catálogos cartagineses, e parece distinguir os livros apócrifos como não totalmente de ser rejeitada. O Catecismo da Rússia autorizado (a doutrina da Igreja Russa, etc., pelo Rev. W. Blackmore, Aberd. 1845, p. 37 sq.) Distintamente citações e defende o hebraico Canon na autoridade dos pais gregos, e repete o julgamento de Atanásio sobre a utilidade dos livros apócrifos como um estudo preparatório na Bíblia; e não pode haver dúvida de que a corrente de opinião grega, em conformidade com o acordo unânime dos antigos gregos Catálogos, coincide com este julgamento.

 7. A história da Canon sírio da OT está envolvido em grande obscuridade da escassez de meios de prova que pode ser exercida sobre ele. O Peshito foi feita, em primeira instância, diretamente do hebraico, e, consequentemente, aderiu ao hebraico Canon; mas como a setembro foi usada mais tarde na revisão da versão, muitos dos livros apócrifos foram traduzidos do grego em um breve período, e adicionado à coleção theoriginal (Assemani, Bibl. Or. 1:71). No entanto, essa mudança só foi feita de forma gradual. (. Cir AD 370) No tempo de Efrém as adições apócrifas a Daniel foram ainda querendo, e seus comentários foram confinados aos livros do cânon hebraico, embora ele estava familiarizado com os apócrifos (Lardner, Credibilidade, 4: 427 sq. ; ver Lengerke, Daniel, p cxii).. Os escritores posteriores sírias não jogue muita luz sobre a questão. Gregory Bar Hebrieus, em seu breve comentário sobre as Escrituras, trata dos livros na seguinte ordem (ASSEMANI, Bibl Orient. 2:. 282): o Pentateuco, Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel, salmos, 1 e 2 Reis, Provérbios, Ecclus., Eclesiastes., Cantares de Salomão, Wrisd., Ruth, Hist. Sus., Jó, Isaías, 12 Proph., Jeremias, Lamentações, Ezequiel, Daniel, Bel, 4 Gosp., Atos ... 14 Epist. de Paulo; omitindo 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias, Ester, Tobias, 1 e 2 Macabeus., Judith, (Baruch?), Apocalypse, Epist. James, 1 Peter; 1 John.

 No Vocabulário bíblica de Jacó de Edessa (Assemani, 2: 499), a ordem eo número dos livros comentados é um pouco diferente: Pent, Josué, Juízes, Job, 1 e 2 Samuel, David (ie Salmo), 1. e 2 Reis, Isaías, 12 Proph., Jeremias, Lamentações, Baruch, Ezequiel, Daniel, Provérbios, Wisd., Cântico dos Cânticos, Rute, Ester, Judite, Ecclus., Atos, Epist. James, 1 Pedro, 1 João, 14 Epist. de Paulo, 4 Gosp .; omitindo 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias, Eclesiastes, Tobit, 1 e 2 Macabeus, Apoc (comp Assemani, Bibl Orient 3:... 4, nota)...

 O Catálogo de Ebede-Jesu (Assemani, Bibl Orient 3:... 5 sq) é sim um levantamento geral de tudo o hebraico e literatura cristã com a qual ele estava familiarizado (Catálogo librorum omnium Ecclesiasticorum) do que uma Canon das Escrituras. Depois de enumerar os livros do cânon hebraico, Togetherwith Ecclus., Wisd., Judith, adicionar. para Dan., e Baruch, acrescenta, sem qualquer interrupção, "as tradições dos anciãos" (Mishná), as obras de Josephus, incluindo as Fábulas de Esop que eram popularmente atribuídas a ele, e ao rsentions finais do "Livro de Tobias e Tobit. "" Da mesma forma, depois de enumerar a 4 Gosp., Atos, 3 Catho Epist. e 14 Epist. de Paulo, ele passa imediatamente para a Diatessaron de Taciano, e os escritos de "os discípulos dos apóstolos". Pouca confiança, no entanto, pode ser colocado sobre essas listas, enquanto eles descansam em nenhum fundamento crítico, e é conhecido de outras fontes que variedades de opinião sobre o tema da Canon existia na Igreja síria (Assemani, Bibl. Orient. 3 : 6, nota).

 Um testemunho, no entanto, que deriva a sua origem a partir da Igreja síria, é especialmente digno de nota. Junilius, um bispo Africano do século 6, preservou um relato completo e interessante dos ensinamentos de Paulus, um persa, sobre a Sagrada Escritura, que foi educado em Nisibis, onde "Lei theDivine foi regularmente explicadas por mestres públicos" como um ramo da educação comum (Junil De parte;.. perna Prcef.). Ele divide os livros da Bíblia em duas classes, os de " "perfeita" e os de "dizer" autoridade. A primeira categoria inclui todos os livros do cânon hebraico, com exceção de 1 e 2 Chron., Job, Cânticos, e Esther, e com a adição de Eclesiástico. A segunda classe é composta por Chronicles (2), Job, Esdras (2) ,, Judite, Ester e Macabeus (2), que são adicionados por "muito muitos" (Plurimi) para os livros canônicos. Os restantes livros são pronunciadas ser de nenhuma autoridade, e destes Cânticos e sabedoria são disse a ser adicionado por "alguns" (Quidam) à Canon. A classificação, tal como está não é sem dificuldades, mas que merece mais atenção do que recebeu (comp Hody, p 653;..... Gallandi Biblioth 12:79 sq A reedição em Wordsworth, On the Canon, App A, p . 42 sq., é muito imperfeita).

 . 8 O armênio Canon, na medida em que pode ser verificado a partir de edições, segue a do setembro, mas é de nenhuma autoridade crítica; e uma observação semelhante se aplica ao Etíope Canon, embora seja mais fácil, neste caso, para traçar as mudanças pelas quais passou (Dillmann, Ueber d. Aeth. Kan., em Jahrbuch de Ewald, 1853, p. 144 sq.) .

 Veja-se, a este ramo do assunto, além das obras acima, Schmid, Hist. ant. et vindic. Cân. S. Vet. et novembro de teste. (Lips 1.775.); [H. Corrodi], Versuch einer Beleuchtung. . . d. Bibl. Kanons (Halle, 1792); Movers, " Loci Quidam Hist. Cân. VT illustrati (Breslau, 1842). A grande obra de Hody (De biblior. Texto. Oxon. 1705) contém uma rica loja de materiais, embora este ainda não está livre de erros menores. História Crítica - Stuart e Defesa; do Velho-Test. Canon é sim um pedido de desculpas do que uma história. (Ver Apocrypha ) .

 IV. A Canon do Novo Testamento

. - A história do N.-T. Canon apresenta uma analogia notável ao da Canon da OT O início de ambos os Cânones são obscuras das circunstâncias em que foram praticados; ambos cresceram em silêncio, sob a orientação de um instinto para dentro e não por força da autoridade externa; ambos estavam relacionados com outros tipos de literatura religiosa por uma série de livros que reivindicaram uma autoridade parcial e questionável; ambos ganharam definiteness em tempos de perseguição. A principal diferença reside no consentimento geral - com o qual todas as igrejas ῥ do Ocidente se juntaram ao ratificar uma Canon do NT, enquanto eles estão divididos quanto à posição da OT Apocrypha.

 . 1 Uma tradição eclesiástica (Photius, .. Bibl Cod . p 254) atribui ao apóstolo João, o trabalho de coleta e punir os escritos que eram dignos de um lugar na Canon; mas esta tradição é tarde demais, também não comprovadas garantia, e muito contestado por certos fatos, tais como a existência de dúvida em alguns dos da igreja primitiva es quanto à canonicidade de alguns livros, o arranjo diferente dos livros aparente catálogos da Canon ainda existente, etc., para qualquer peso a ser permitido a ele. A opinião muito mais provável, e aquela em que quase todos os escritores modernos que são favoráveis ​​às reivindicações da Canon estão de acordo, é que cada uma das igrejas originais, especialmente os de maior tamanho e maior capacidade, coletados por si só, uma completa definido. desses escritos que poderiam ser provadas, pelo testemunho competente, para ser a produção de homens inspirados, e de ter sido comunicada por eles para nenhuma das igrejas como: parte da palavra de Deus escrita; para que desta forma um grande número de coleções completas do NT Escrituras veio a ser existente, a conformidade dos quais um com o outro, como aos livros admitidos, produzir provas incontestáveis ​​da correção da Canon como temos agora. Esta opinião, que em si é altamente provável, é ainda rendeu mais quando consideramos o escrupuloso cuidado que os da igreja primitiva es levou para discriminar composições espúrias de como eram autênticos - a existência, entre alguns, de dúvida sobre a certeza do NT livros, indicando que cada Igreja reivindicou o direito de satisfazer-se neste assunto - sua elevada veneração para os escritos apostólicos genuínos - seu respeito ansioso para um do outro prosperidade levando à livre comunicação de um para outro do que quer que poderia promover este, e, é claro, entre outras coisas, em relação aos escritos que tinham sido confiados a qualquer um deles, e por que, mais do que por qualquer outro meio, o bem-estar espiritual do todo seria promovido - a prática dos pais da argumentando a canonicidade de qualquer livro, desde a sua recepção pelas igrejas, como uma prova suficiente de esta-e o motivo atribuído por Eusébio (Hist. Eclesiastes 3:25) para dividir os livros do NT em ὁμολογούμενοι e ἀντιλεγόμενοι , viz. que o ex-classe era composta por aqueles que a tradição universal das igrejas autenticado, enquanto o último continha tal como tinha sido recebida pela maioria, mas não por todos (Storch, Comment. Hist. Crit. de Libb. N. Testamenti Canone , etc. p. 112 sq .; de Olshausen Echtheit der IV. Evang. p.439). Desta forma, pode facilmente acreditar que, sem a intervenção de qualquer decisão de autoridade, seja de um indivíduo ou de um conselho, mas pelo processo natural de cada órgão, de cristãos que procuram adquirir para si próprios e para transmitir a seus irmãos cópias autênticas das escritos em que todos estavam profundamente interessados, o cânon do Novo Testamento foi formado.

 2. A primeira certo aviso que temos da existência de qualquer dos escritos do Novo Testamento-nos uma forma coletadas ocorre em 2 Pedro 3:16 , onde o escritor fala das epístolas de Paulo, de tal forma que nos levam a inferir que, naquela época a totalidade ou a maior parte delas foram coletados juntos, eram conhecidos entre as igrejas em geral (por Peter não está se dirigindo a qualquer igreja particular), e foram considerados como um par com "as outras Escrituras", pelo qual última expressão Peter significa claramente os escritos sagrados, tanto do Antigo e do Novo Testamento, tanto quanto então existentes. Que John deve ter tido antes dele cópias dos outros evangelistas é provável do suplementar caráter de seu próprio evangelho. No anônima Carta a Diogneto, que é, por boas razões, suposto tobe um dos primeiros dos escritos cristãos sem inspiração, o escritor fala da Lei, os Profetas, os Evangelhos, e os Apóstolos ( § xi, ed. Hefele) . Inácio fala de "betaking-se ao Evangelho como a carne de Jesus, e os apóstolos como capela-mor da Igreja", e acrescenta, "os profetas também que amamos", mostrando assim que foi com as Escrituras que ele estava se referindo ( Ep. ad Philadelphenos, § v, ed. Iefele). Teófilo de Antioquia fala freqüentemente dos escritos do Novo Testamento-sob a denominação de αἱ ἃγιαι γραφαί , ou ¼ θεῖος λόγος , e em um só lugar menciona a Lei, os Profetas e os Evangelhos como iguais divinamente inspirada (ad. Autol. 03:11 ). Clemente de Alexandria freqüentemente refere-se aos livros do Novo Testamento, e distingue-os em "os Evangelhos e Apostólicas Discursos" (Dives Quis ' ahl nos Prope fin .; Stromat saepissime?.). - Tertuliano distintamente insinua a existência do Novo- Testamento Canon de forma completa no seu dia, chamando-o "Instrumentum evangelicum" (adv Marc. 4: 2.), descrevendo toda a Bíblia como "totum instrumentumutriusque Testamenti" (adv Prax 100:.. 20), e, distinguindo entre o "Scriptura Vetus" eo "Novum Testamentumn" (Ibid: 100: 13). - Irenseus chama repetidamente os escritos do Novo Testamento "Sagradas Escrituras", "os oráculos de Deus" (adv Haer 02:27.. ; 1: 8., etc.), e em um lugar que ele coloca os escritos evangélicos e apostólicos em pé de igualdade com a Lei e os Profetas (Ibid 1: 3, § 6). A partir dessas alusões que pode justamente inferir que antes de meados do século III Nova Testamento foram os geralmente conhecido pelos cristãos de uma forma recolhidos, e reverenciada como a palavra de Deus. Que os livros que recebeu foram as mesmas que agora possuída por nós é evidente a partir das cotações a partir deles fornecidos pelos primeiros pais, e que foram tão cuidadosamente recolhidos pelos eruditos e trabalhoso Lardner em sua Credibilidade theGospel História. A mesma coisa aparece a partir das pesquisas de Orígenes e Eusébio, ambos cuidadosamente investigado, e gravou com precisão o que os livros foram recebidos como canônicos pela tradição das igrejas ou os escritores da igreja ( ἐκκλησιαστικὴ παράδοσις ), e ambos enumerar o mesmo livros como estão em nosso presente Canon, apesar de alguns deles, como as Epístolas de Tiago e Judas, o Ep 2d. de Pedro, o 2D e 3D de John, e do Apocalipse, eles mencionam que, embora recebida pela maioria, eles estavam em dúvida por alguns (Euseb, HE 03:25; 06:24) .Besides estas fontes de informação, não temos menos de dez antigos catálogos dos livros do Novo Testamento-ainda existentes. Destes, seis acordo exatamente com o nosso presente Canon, enquanto o resto de três omitir apenas o Apocalipse, e um omite, com isso, a Epístola aos Hebreus (Obras de Lardner, vol 4 e 5. 8vo;. De Horne Introdução, 1, 70, 8ª edição).

 3. A história da Canon NT pode ser convenientemente dividido em três períodos. O primeiro estende-se ao tempo de Hegesippus (c. 170 DC), e inclui o aera da circulação separada e recolha gradual dos escritos apostólicos. A segunda é fechada pela perseguição de Diocleciano (AD 303), e marca a separação dos escritos sagrados da literatura eclesiástica restante. O terceiro pode ser definida pelo terceiro Concílio de Cartago (397 dC), no qual um catálogo dos livros da Escritura foi formalmente ratificada pela autoridade conciliar. O primeiro é caracteristicamente um período de tradição, o segundo de especulação, o terceiro de autoridade; e não seria difícil rastrear as características das idades sucessivas no curso da história da Canon. Para isso, no entanto, não tem espaço em detalhes, mas deve se referir a declarações precedentes de apoio a esta observação, a verdade do que é mais sustentada pela história dos tempos.

 A perseguição de Diocleciano foi dirigida em grande medida contra o cristão escrito (Lact Instit 5:.... 2; de mort persec 16). A influência das Escrituras já era tão grande e tão notório que o método mais seguro de destruir a fé parecia ser a destruição dos registros onwhich foi suportados. O plano do imperador foi em que foi suportado. O plano do imperador foi em parte bem sucedido. Alguns foram encontrados que obteve proteção pela rendição dos livros sagrados, e em um momento posterior a questão da readmissão desses "traidores" (traditores), como eram enfaticamente chamado, criou um cisma na Igreja. Os donatistas, que mantiveram a sentença mais severa em seu crime, pode ser considerado como manter em sua mais estrita integridade do julgamento popular na África sobre o conteúdo do cânon das Escrituras, que foi o motivo da discórdia; e Agostinho permite que eles realizaram, em commom com os católicos, a mesma "Escrituras canônicas", e eram iguais "obrigado pela autoridade de ambos os Testamentos" (agosto de C. Cresc 01:31, 57;.. Ep 129, 3. ). A única dúvida que pode ser levantado quanto à integridade do donatista Canon é oriundo da língua incerto que o próprio Agostinho usa como a Epístola aos Hebreus, que os donatistas também pode ter encorajado. Mas, no entanto, isso pode ter sido, o commplete Canon é oriundo da língua incerto que o próprio Agostinho usa como a Epístola aos Hebews, que os donatistas também pode ter encorajado. Mas, no entanto, este pode ter sido, a Canon completa do NT, como habitualmente recebido no momento, foi ratificado no terceiro Concílio de Cartago (397 dC), e desde então foi aceito em toda a Igreja Latina (Jerome, Innocent, Rufinus , Philastrius), apesar de ocasionais dúvidas quanto à Epístola aos Hebreus ainda permaneciam (ISID. Hisp. Proem. § 85-109). Ele vai-se perceber que não houve controvérsia quanto ao caráter autêntico e inspirado da maioria dos livros, e quanto ao restante thre existem testemunhos muito respeitáveis, mesmo nesta idade precoce (Veja antilegomena ) .

 4. Na época da Reforma, a questão da Canon NT novamente assumiu grande importância. O decreto apressada do Concílio de Trento, que afirmou a autoridade de todos os livros comumente recebidas, chamou a oposição de controversialists, que citou e executadas as primeiras dúvidas. Erasmus, com moderação característica, negou a origem apostólica da Epístola aos Hebreus, 2 Pedro, e do Apocalipse, mas deixaram a sua authoriday canoncial inquestionável (Praef. Antilegom Ad.). Lutero, por outro lado, com negrito auto-suficiência, criou um padrão puramente subjetivo para a canonicidade das Escrituras no caráter de sua "doutrina de Cristo", e enquanto ele colocou o Evangelho e Primeira Epístola de João, theEpistles de Paul o que os romanos, Gálatas, Efésios, ea primeira Epístola de Pedro, na primeira fila como contendo o "núcleo do cristianismo", ele deixou de lado a Epístola aos Hebreus, Judas, Tiago e do Apocalipse, no final de sua versão e falou deles e os restantes Antilegomena com diferentes graus de desrespeito, embora ele não separar 2 Pedro, 2, 3John do outro Epístolas (comp. Landerer, art. Kanon em Encyklop de Herzog. p. 295 sq.). As dúvidas que Luther assentou principalmente em provas internas foram diversas vezes prorrogado por alguns de seus seguidores (Melancthon, Centur Magdeb, Flacius, Gerhard;... Comp Reuss, § 334); e, especialmente, com um objetivo polêmico contra a Igreja Romana por Chemnitz (Exam. Cone. Trid. 1:73). Mas, enquanto a tendência dos escritores luteranos era colocar o Antilegomena em um palco ou autoridade hierarquicamente inferior, seus pontos de vista não recebeu nenhuma sanção direta em nenhum dos livros simbólicos luteranas que admitem os "escritos proféticos e apostólicos do Antigo e do Novo Testamento" como um todo, sem outra classificação ou detalhe. As dúvidas quanto à ena Antilegomo do NT não se limitavam aos luteranos. Carlstadt, que era originalmente um amigo de Lutero e depois professor da Zurich, se esforçaram para trazer de volta a questão para uma discussão crítica das provas, e colocou o Antilegomena numa terceira classe "em razão da controvérsia quanto aos livros, ou melhor ( ut certius loquar) quanto aos seus autores "(De Can. Scrpt. 410-12 p., ed Credn.). Calvin, enquanto ele negou a autoria dos Paulinos Epístola t) os hebreus, e, pelo menos, questionou a autenticidade de 2 Pedro, não deixar de lado sua canonicidade (PrePf anúncio Hebr .; ad 2 Petr)..; e ele percebe as dúvidas quanto ao James e Jude só para descartá-los.

 5. A linguagem dos artigos da Igreja da Inglaterra em relação ao NT é notável. Nos artigos de 1552 é dada nenhuma lista dos livros da Escritura; mas nos artigos Isabelino (1562, 1571) a definição da Sagrada Escritura é dada como "os livros canônicos do Antigo e do Novo Testamento, de cuja autoridade jamais houve qualquer dúvida na Igreja " (artigo 6º). Esta definição é seguida por uma enumeração dos livros do Antigo Testamento e do Apocrypha; e, em seguida, diz-se sumariamente, sem um catálogo detalhado, "todos os livros do Novo Testamento, como são comumente recebidos, nós recebemos e conta-los para canonical" (pro canonicis habemus). A distinção permanece, assim, entre os "livros canônicos" e esses "livros canônicos como nunca foi posta em dúvida no Chilrch;" e seemsimpossible evitar a conclusão de que os autores dos artigos destinados a deixar uma liberdade de decisão relativa a um ponto em que o maior dos reformadores continentais, e até mesmo de estudiosos romanistas (Sisto Sen. Biblio h S. 1: 1. ;.... Caetano, Preef anúncio Epp anúncio Hebr, Atos, 2, 3 João, Jud) foram divididos. A omissão não pode ter surgido unicamente do fato de que o artigo em questão foi enquadrado com referência à Igreja de Roma, com a qual a Igreja da Inglaterra foi acordada com N.-T. Canon, para todas as outras confissões protestantes que contenham qualquer lista de livros dão uma lista dos livros do Novo, bem como do Antigo Testamento (Conf Belg 4;.... Conf Gall 3;. Conf Fid. 1). Mas, se esta licença é justamente admitiu pelos artigos anglicanos, os grandes escritores da Igreja da Inglaterra não ter feito uso dela. Os primeiros comentadores sobre os artigos ter pouco (Burnet) ou nenhum aviso (Beveridge) das dúvidas quanto à Antilegomena; e os principais controversialists da Reforma aceitou a completa Canon com avowal enfático (Whitaker, Disp na Escritura, cxiv, p 105; Defesa do Fulke de Esg Trans p 8; Jewel, de Defesa da Apol 2:..... 9, 1. ).

 6. O julgamento da Igreja grega no caso da OT era visto como pouco mais do que um reflexo das opiniões do Ocidente. A diferença entre as igrejas romanas e reformadas no NT foram menos acentuadas; e as duas confissões conflitantes gregas confirmam, em termos gerais, sem qualquer enumeração distinta de livros, a Canon popular da NT (Cyr Luc Conf 1, p 42;...... Dosith Confess 1, p 467.). A Confissão de Metrophanes dá uma lista completa dos livros, e compara o seu número e trinta e três com os anos de vida do Salvador, que "nem mesmo o número dos livros sagrados pode ser desprovido de um mistério divino" (Metroph. Critop .. Conf 2: 105, ed Kimm et Weissenb).... Neste momento, como já foi o caso no final do século 17 (Leo Allatius, ap. Fabric. Bibl. Groec. V, App. P. 38), a Antilegomena são contados pela Igreja grega como iguais em autoridade canônica em todos os aspectos com os livros restantes (Catecismo, sup ut.).

 

V. Autoridade da presente Canon das Escrituras. - 

1. Os assaltos que têm sido feitas, especialmente durante o século atual, sobre a autenticidade dos livros separados da OT e N. Teste., são notados nos termos dos artigos especiais. O curso geral, que tenham tomado é simples e natural. Semler (Untersuch. d. Kan. 1771-5), liderado pela primeira vez o caminho para a crítica subjetiva depois, porém ele corretamente conectada a formação da Canon com a formação da Igreja Católica, mas sem qualquer reconhecimento claro do poder providencial que operou em ambos. Próximo seguido uma série de ensaios especiais, em que os vários livros foram discutidos individualmente, com pouco respeito ao lugar que ocupam em toda a coleção (Schleier-macher, Bretschneider, De Wette, etc.). No fim, um; vista ideal de o início da história do cristianismo foi usado como o padrão pelo qual os livros eram para ser julgado, e os livros foram considerados como resultados de formas típicas de doutrina, e não as fontes deles (FC Baur, Schwegler, Zeller). Todos verdadeiro sentido da evidência histórica foi, assim, perdido. O crescimento da Igreja ficou sem explicação, e as relações originais e unidade orgânica do NT foram desconsiderados.

 . 2 A fim de estabelecer o cânon das Escrituras, é necessário demonstrar que todos os livros de que o compõem são de autoridade divina; que eles são de inteira e incorrupto; que, tendo eles, é completa sem qualquer adição de qualquer outra fonte; e que inclui a totalidade dos livros para os quais a autoridade divina pode ser provado. É óbvio que, se qualquer um desses quatro elementos não ser verdade, a Escritura não pode ser o único e supremo padrão da verdade religiosa e do dever. Se qualquer um dos livros de que o compõem não seja da autoridade divina, então parte dela que não são obrigados a submeter-se, e, consequentemente, como um todo, não é o padrão da verdade e da moral. Se suas partes separadas não estar no estado em que deixou nas mãos de seus autores, mas foram mutilados, interpolados, ou alterado; em seguida, ele pode formar nenhuma norma de segurança; para, em apelar para ele, não se pode ter certeza de que o recurso não é feita para o que é espúrio, e que, consequentemente, pode ser errônea. Se ele exigir ou admitir de revelações suplementares de Deus, seja preservada pela tradição ou comunicados de vez em quando para a Igreja, é óbvio que seria uma mera contradição em termos de chamá-lo completo, como um padrão da vontade divina. E se todos os outros livros eram existentes, ter igual direito, com os livros de que se compõe, deve ser considerada como de autoridade divina, seria absurdo para chamá-lo o único padrão de verdade, pois, neste caso, a uma classe de livros seria tão merecedor de nossa reverência como a outra.

 3. Respeitando a prova pela qual a Canon é, assim, a ser estabelecida, existe considerável diferença de opinião entre os cristãos. Alguns argumentam, com os romanistas, que a decisão oficial das Churchis sozinho competentes para determinar a Canon; outros apelam para o concorrente testemunho dos escritores cristãos judeus e rápido; e outros descansam sua dependência mais forte na evidência interna fornecida pelos livros da Escritura se. Não podemos dizer que estamos satisfeitos com qualquer uma dessas fontes de evidência exclusivamente. Como observa Michaelis, o primeiro é aquele a que nenhum protestante consistente pode recorrer, para a questão deverá ser resolvida é de tal natureza que, a menos que conceda à Igreja para ser infalível, é bem possível que ela pode, em um determinado período de sua existência, determinar erroneamente; e não se vê por que a questão não pode ser como investigado com sucesso por um particular, como por uma Igreja. O concorrente testemunho das testemunhas antigos é inestimável, tanto quanto ele vai; mas pode-se duvidar se é suficiente por si só para resolver esta questão, pois a questão não é inteiramente um dos fatos, e seu testemunho é boa prova apenas para os fatos. Como para as provas internas, a pessoa precisa apenas olhar para os estragos que Semler e sua escola fez da Canon, para se assegurar de que onde as considerações dogmático estão autorizados a determinar exclusivamente tais questões, cada homem vai estender ou de redução do Canon de forma para ajustá-lo tohis possui noções preconcebidas. Como a questão é, em parte, do fato e em parte da opinião, os motivos apropriados de decisão será melhor assegurada por uma combinação de testemunho autêntico com os elementos fornecidos pelos próprios livros.

 Queremos saber que esses livros foram realmente escritos por pessoas cujos nomes estiverem munidos; queremos estar convencido de que essas pessoas eram comumente de renome e realizada por seus contemporâneos a ser assistida pelo Espírito Divino em que eles escreveram; e nós queremos ter certeza de que o cuidado foi tomado por aqueles a quem os seus escritos foram abordados em primeiro lugar, que estes devem ser preservados inteiro e incorrupto. Por tudo isso, devemos apelar para o depoimento de testemunhas competentes como a única evidência adequada para essas questões. Mas, depois de ter verificado estes pontos afirmativamente, ainda necessitam de estar convencido de que os próprios livros contêm nada obviamente incompatível com a atribuição aos autores da ajuda divina, mas, pelo contrário, são em todos os aspectos favoráveis ​​a esta suposição. Queremos ver o que eles estão em harmonia uns com os outros; que as declarações que contêm são credíveis; que as doutrinas que ensinam não são tolos, imoral, ou auto-contraditórias; que os seus autores realmente assumido ser sob a direção divina em que eles escreveram, e deu provas competentes desta para aqueles ao seu redor; e que todas as circunstâncias do caso concreto; tais como o estilo dos escritores, as alusões feitas por eles para lugares e eventos, etc., estão em consonância com a conclusão a que a evidência externa já levou. Desta forma, avançar para uma prova moral completa da autoridade divina e reivindicações canônicos das escrituras sagradas. (Veja EVIDÊNCIAS ).

 (1) A evidência externa dos vários livros, por sua vez, refere-se a três pontos principais:

 (A.) A sua autenticidade; em outras palavras, o fato de que temos as obras reais que foram até agora conhecidos por esses nomes, sem defeito essencial, a corrupção, ou interpolação. Esta é a província de crítica (qv) para mostrar, como tem sido feito por uma cadeia irrefragable do testemunho documental.

 (B.) A sua autenticidade (qv), ou que são as produções dos respectivos autores afirmaram ou acreditava, que é uma questão inteiramente de investigação histórica, auxiliado por comparação gramatical; e isso tem sido demonstrado respeitando a maioria deles de um modo tão positivo como no caso de quaisquer outros escritos igualmente antigas.

 (C.) A sua inspiração (qv); o ponto mais essencial dos três é esta relação, um elemento que, embora confessadamente obscura e difícil de ajustar em todos os aspectos com as suas características humanas, especialmente na ausência de qualquer experiência semelhante nos tempos modernos, é ainda capaz de prova de dois tipos: 1 , a partir de declarações e implicação da revelação contida em si mesmos os livros, mostrando que eles são uma comunicação divina; e, 2dly, a partir da voz concorrente do antigo como do corpo moderno dos crentes. Este último argumento é sem dúvida a principal delas, de caráter externo, que deve ser invocada em defesa da autoridade, das Sagradas Escrituras, e pode muito bem ser reivindicado como uma satisfação suficiente para tudo bem constituído mentes,

 [1] que esses livros, tanto individualmente e como um todo, foram de modo geral, e no início de reconhecido como autoridade divina por aqueles que tinham a melhor oportunidade de julgar as suas reivindicações, em razão da proximidade no tempo e no lugar da sua origem e intimidade com os seus autores, e, ao mesmo tempo, eles exibiram sua cautela e liberdade de preconceitos, rejeitando muitos outros mais pretensiosos como indigna a sua aceitação; e

 [2] que a Igreja universal, com poucas exceções e sem importância, desde então, não só cordialmente consentiu, mas com firmeza retido, em face de quase todos os esforços concebível que a ingenuidade ou a força daqueles de uma opinião oposta poderia exercer sobre a questão, a mesma persuasão traditionary; nem

 [3] tem qualquer dificuldade realmente irrespondível ainda sido alegado no caminho de tal crença.

  (2) Com a evidência externa mobilado acima em favor da Canon sagrado, os internos estejam em plena conformidade. No Antigo Testamento, tudo está de acordo com o pressuposto de que seus livros foram escritos por judeus, sustentando o caráter, cercado pelas circunstâncias, e vivendo no momento ascribedto seus autores; ou, se nenhum aparentes discrepâncias foram encontradas em qualquer uma delas, são de natureza tal pergunta mais longe serviu para explicar e reconciliar. As peculiaridades literárias do Novo Testamento, a sua língua, suas expressões idiomáticas, seu estilo, suas alusões, todos são concordantes com a hipótese de que seus autores eram exatamente o que eles professam ter sido - judeus convertidos ao cristianismo, e vivendo no início do era cristã. De ambos os Testamentos dos sistemas teológicos e éticos estão em harmonia, enquanto allthat eles contêm tende a um grande resultado, a manifestação do poder e perfeição da Divindade, e a restauração do homem à imagem, serviço e amor de seu Criador. A conclusão dos fatos integrais do caso pode ser. ninguém menos que a Bíblia tem o direito de que a reverência implícita e indivisível, que exige que a Canon só divinamente da verdade religiosa e do dever.

 FONTE Cyclopedia de bíblica, teológica e Literatura Eclesiástica 1870