Translate this Page

Rating: 3.0/5 (920 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


parabolas de Jesus o mordomo infiel
parabolas de Jesus o mordomo infiel

                                                           Lucas, capítulo 16

                                                  Lucas 16: 1-12

                                  A parábola do GERENTE astuto

A passagem que temos agora de ler é uma tarefa difícil. Há knots em que ela talvez nunca será desatado, até que o Senhor volte.Podemos razoavelmente esperar que um livro escrito por inspiração, como a Bíblia é, conteria as coisas difíceis de entender. A culpa não está no livro, mas em nossos próprios entendimentos débeis. Se aprendermos nada mais a partir da passagem antes de nós, vamos aprender a humildade.

Vamos tomar cuidado, em primeiro lugar, que não retirar destes versos lições que eles nunca foram feitos para ensinar.

O mordomo, a quem nosso Senhor descreve, não está diante de nós como um padrão de moralidade. Ele é distintamente chamado de "injusto mordomo." O Senhor Jesus nunca quis sancionar a desonestidade ea negociação injusta entre homem e homem. Este mordomo enganou seu mestre, e quebrou o oitavo mandamento. Seu mestre foi atingido com a sua astúcia e prudência, quando ele ouviu falar dele, e "elogiou" a ele, como um homem astuto e perspicaz. Mas não há nenhuma prova de que seu mestre estava satisfeito com sua conduta. Acima de tudo, não há uma palavra para mostrar que o homem foi elogiada por Cristo. Em suma, em seu tratamento de seu mestre, o mordomo é um farol a ser evitado, e não um padrão a ser seguido.

O cuidado, agora previsto, é muito necessário. Desonestidade comercial é infelizmente muito comum nestes últimos dias.Negociação justa entre o homem eo homem é cada vez mais raro. Os homens fazem coisas na maneira de negócio, o que não vai resistir ao teste da Bíblia. Em "fazer pressa de ser rico," milhares estão cometendo continuamente ações que não são estritamente inocente. (Prov. 28:20).

Nitidez e inteligência, na negociação, e de compra e venda, e empurrando o comércio, são muitas vezes cobrindo mais coisas que não deveria ser. A geração de "o injusto mordomo" ainda é muito grande. Não nos esqueçamos disso. Sempre que fazemos aos outros o que não gostaria que os outros fizessem a nós, podemos estar certos, o que quer que o mundo possa dizer, que estamos errados aos olhos de Cristo.

Vamos observar, em segundo lugar, que um principal lição da parábola diante de nós, é a sabedoria que vem de fornecer contra o mal.

A conduta do administrador infiel, quando ele recebeu uma notificação para dar o seu lugar, foi inegavelmente hábil. Desonesta como ele era em flagrante fora das contas de devedores tudo o que era devido a seu mestre, ele certamente de certa forma, fez para si amigos. Mau como ele era, ele tinha um olho para o futuro. Vergonhoso como suas medidas foram, ele desde bem para si mesmo. Ele não se sentar ainda na ociosidade, e ver-se reduzido a pobreza sem uma luta. Ele planejou e planejado, e artificial, e corajosamente realizado seus planos em execução. E o resultado foi que, quando ele perdeu uma casa, ele garantiu mais um.

O que um contraste impressionante entre o comportamento do mordomo sobre suas perspectivas de terrenos, e a conduta da maioria dos homens sobre as suas almas! Neste ponto de vista geral, e neste somente, o mordomo nos coloca tudo um exemplo que devemos fazer bem para seguir. Como ele, devemos olhar para a frente para as coisas que virão. Como ele, devemos fornecer contra o dia em que teremos de deixar a nossa morada presente. Como ele, devemos garantir "uma casa no céu", que pode ser a nossa casa, quando colocamos o nosso tabernáculo terreno do corpo. (2 Cor. 5: 1.) Como ele, devemos usar todos os meios para prover para nós mesmos eterna habitações.

A parábola, neste ponto de vista, é profundamente instrutivo. Pode muito bem dentro de nós levantar grandes as resoluções do coração. A diligência dos homens do mundo sobre as coisas do tempo, deve envergonhados a frieza dos cristãos professos sobre as coisas da eternidade. O zelo ea pertinácia de homens de negócios em compassing mar e terra para conseguir tesouros terrestres, bem pode reprovar a negligência ea indolência dos crentes sobre tesouros no céu. As palavras de nosso Senhor são realmente pesado e solene, "Os filhos deste mundo são prudentes na sua geração do que os filhos da luz." Que estas palavras penetrem em nossos corações e produzir frutos em nossas vidas!

Deixe-nos notar, por último, nesta passagem, as expressões notáveis ​​que nosso Senhor usa sobre coisas pequenas, em estreita ligação com a parábola do administrador infiel. Nós lemos que Ele disse: "Quem é fiel no que é menos, é também fiel no muito - e quem é injusto no pouco, também é injusto no muito ".

Nosso Senhor nos ensina aqui a grande importância da fidelidade rigorosa sobre "coisas pequenas". Ele nos protege contra supondo que tal conduta sobre o dinheiro que a do administrador infiel, deve sempre ser considerado uma luz e uma coisa insignificante entre os cristãos. Ele teria nos saber que "pequenas coisas" são a melhor prova de caráter - e que sobre infidelidade "pequenas coisas" é o sintoma de mau estado de coração. Ele não quis dizer, é claro, que a honestidade sobre o dinheiro pode justificar nossas almas, ou aniquilar o pecado. Mas Ele quis dizer que a desonestidade sobre dinheiro é um sinal claro de um coração não ser "justo, diante de Deus." O homem que não é lidar honestamente com o ouro ea prata do mundo, nunca pode ser aquele que tem verdadeiras riquezas no céu. "Se você não fostes fiéis no que é de outro homem, quem vos dará o que é vosso?"

A doutrina estabelecida por nosso Senhor neste lugar, merece consideração mais grave nos dias de hoje. Uma idéia parece prevalecer nas mentes de alguns homens, que a verdadeira religião pode ser separada da honestidade comum, e que a solidez sobre assuntos de doutrina pode abranger mais de burla e fraude em matéria de prática! Contra essa idéia infeliz palavras de nosso Senhor eram um protesto simples. Contra essa idéia vigiemos, e estar em guarda. Vamos batalhar para as doutrinas gloriosas da salvação pela graça, ea justificação pela fé. Mas nunca vamos deixar-nos a supor que as verdadeiras sanções religião qualquer brincadeira com a segunda tábua da lei. Nunca nos esqueçamos por um momento, que a verdadeira fé será sempre conhecido por seus frutos. Podemos estar muito certo de que onde não há honestidade, não há graça.

fonte coment.biblico J.C RYLE 1858  www.avivamentonosul.blogspot.com