Translate this Page

Rating: 3.0/5 (920 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


o tabernaculo do antigo testamento
o tabernaculo do antigo testamento

 

                       O TABERNACULO DO ANTIGO TESTAMENTO                            

sinônimos

tab'ẽr - n / d - k ' 50 ( מועד אהל , 'Ohel mō'ēdh "Tenda do encontro", משׁכּן , mishkan , "Habitação"; σκηνή , Skene ):

I. Introdução.

Altares sagrados para Yahweh foram mais cedo do que edifícios sagrados. Abraão construiu esses altares destacados no Terebinto de Moré ( Gênesis 12: 6 , Gênesis 12: 7 ), e novamente entre Beth- el e Ai ( Gênesis 12: 8 ). Embora ele edificou altares em mais lugares do que um, a sua concepção de Deus já era monoteísta. O "Juiz de toda a terra" ( Gênesis 18:25 ) havia divindade tribal. Este ideal monoteísta foi incorporado e proclamou no tabernáculo e nos templos posteriores de que o tabernáculo era o protótipo.

1. Mais cedo "Tenda do Encontro":

O primeiro passo em direção a uma habitação para a divindade adorada no altar foi tomada no Sinai, quando Moisés edificou não só "um altar ao pé do monte", mas "12 pilares, de acordo com as 12 tribos de Israel" ( Êxodo 24: 4 ) . Não existe nenhum comando gravada para o efeito, e não havia ainda nenhum sacerdócio separado, e os sacrifícios eram oferecidos por "jovens dos filhos de Israel" ( Êxodo 24: 5 ); mas já a necessidade de uma estrutura separada foi se tornando evidente. Mais tarde, ainda no Sinai, após o pecado do bezerro de ouro, Moisés é acusada de ter campal "tenda" (como se bem conhecidos: o tempo verbal é frequentative ", costumava tomar a tenda e armá-la") "sem o acampamento, de longe ", e para tê-lo chamado", na tenda da congregação ", um termo muitas vezes se reuniu com mais tarde ( Êxodo 33: 7 e ss). Este "tenda" ainda não estava no tabernáculo, mas serviu a um propósito interino. A arca ainda não foi feito; um sacerdócio ainda não foi nomeado; que foi "fora do arraial"; Josué era o único ministro ( Êxodo 33:11 ). Era um lugar simples da revelação e da reunião do povo para com o Senhor ( Êxodo 33: 7 , Êxodo 33: 9-11 ). Os críticos, por outro lado, identificando este "tenda" com que, em Números 11:16 ff; Números 12: 4 ff; Deuteronômio 31:14 , Deuteronômio 31:15 (atribuída à fonte Elohist), considerá-la como a tenda primitivo das andanças, e no terreno destas diferenças em relação ao tabernáculo, descreveu mais tarde (no Código Sacerdotal), negar a historicidade deste último. Nesta ver abaixo, B, 4, (5).

2. AS tage em Apocalipse:

Sem dúvida, esta localização do santuário do Senhor proporcionou ocasião para um possível equívoco de Javé como uma divindade tribal. Devemos lembrar que aqui e em todo nós temos a ver com a educação de um povo cujos instintos e arredores não eram de forma monoteísta. Era necessário que a educação deve começar com algum tipo de concessão para idéias existentes. Eles ainda não foram, nem por muito tempo depois, capaz de a concepção de um Deus que não habita em templos feitos por mãos humanas. Assim, um altar e uma tenda foram dadas a eles; mas no fato de que esta morada de Deus não foi fixada a um ponto, mas foi retirado de um lugar para outro na vida nômade dos israelitas, que tinham uma educação persistente levando-os para longe da ideia de divindades locais e tribais.

3. O Tabernáculo correcta:

O tabernáculo adequada é a de que a conta é dada em Êxodo 25 a 27; 30 a 31; 35 a 40, com detalhes adicionais em Números 03:25 ff; Números 4: 4 ff; Números 7: 1 ff. A idéia central da estrutura é dada nas palavras: "Faça-me um santuário, para que eu possa habitar no meio deles" ( Êxodo 25: 8 ). Era a morada do santo Senhor no meio do seu povo; também o lugar de seu "encontro" com eles ( Êxodo 25:22 ). A primeira destas ideias é expressa no nomemishkan; a segunda em nome'Ohel mō'ēdh (É um fato intrigante para os críticos que, em Ex 25, através 27:19 apenas mishkan é utilizado; em Êxodo 28 a 31 somente'Ohel mō'ēdh; em outras casas, os nomes se misturam). O tabernáculo foi construído como se tornou uma estrutura deste tipo, de acordo com o "padrão" mostrado a Moisés no monte ( Números 25: 9 , 40; Números 26:30 ; compare Atos 07:44 ; Hebreus 8: 2 , Hebreus 8: 5 ). A escola crítica moderna respeita toda esta descrição do tabernáculo como uma construção "ideal" - uma projeção para trás pela imaginação pós-exílio das idéias e das dimensões do Templo de Salomão, as medidas do último sendo em toda a metade. Contra esta hipótese violenta, no entanto, muitas coisas falar. Veja abaixo sob B.

II. Estrutura.

A planta do tabernáculo Mosaico (com suas divisões, quadras, móveis, etc.) podem ser feitas com segurança. Como aspectos, a construção atual, problemas complicados permanecem, em relação às quais prevalecem as mais diversas opiniões. A dúvida recai também sobre a medição precisa em côvados (vejaCúbito; para uma teoria especial, veja WS Caldecott, O Tabernáculo; Sua História e Estrutura ). Para simplificar o côvado é tomada neste artigo como mais ou menos equivalente a 18 polegadas.

A primeira questão importante relaciona-se com a forma de tenda. A concepção convencional e ainda habitual (Keil, Bahr, ARS em Kennedy HDB , Etc.) representa como, uma estrutura de telhado plano oblongo, as coberturas ricas, por cima, pendurado para baixo em ambos os lados e na parte de trás - e não ao contrário, para usar uma figura empregado às vezes, um enorme caixão com um manto jogado acima dele. Nada poderia ser menos como um "tenda", e a dificuldade de uma só vez apresenta-se de como, numa tal estrutura, "curvatura" do telhado deveria ser evitada. , Em seu artigo "Templo" em Smith do Sr. J. Fergusson DB , Em conformidade, outra concepção avançada do que a estrutura foi essencialmente o de uma tenda, com prega de pólos, telhado inclinado, e outros acessórios de uma erecção. Ele plausivelmente, embora não com todo o sucesso, procurou mostrar como essa construção respondeu com precisão para as medições e outras exigências do texto (por exemplo, a menção de "alfinetes do tabernáculo," Êxodo 35:18 ). Com ligeira modificação essa visão aqui louva-se como tendo mais a seu favor.

Para evitar a dificuldade da visão comum, que os revestimentos, pendurada do lado de fora do quadro, são invisíveis de dentro, exceto no telhado, que às vezes tem sido argumentado que a cobertura tapeçaria pendurado para baixo, não fora, mas dentro do tabernáculo (Keil , Bahr, etc.). Percepção geral é de que este arranjo é inadmissível. A teoria mais recente e mais engenhoso é que a proposta por ARS Kennedy em seu artigo "Tabernáculo" em HDB . É que as "placas" que constituem o quadro do tabernáculo eram, não pranchas sólido, mas "frames", realmente abertas através do qual a cobertura finamente forjado podiam ser vistas a partir de dentro. Há muito que é fascinante nessa teoria, se a suposição inicial do telhado plano é concedida, mas não pode ser considerada como sendo ainda feita de forma satisfatória. Professor Kennedy argumenta a partir do excesso de peso dos sólidos "placas". Pode ser respondeu: Em uma estrutura puramente "ideal", como ele supõe que isso seja, que importa o peso? Os "conselhos", no entanto, não precisa ser tão grosso ou pesado quanto ele representa.

Nos detalhes mais minuciosos de construção ainda maior diversidade de opinião obtém, e imaginação é muitas vezes permitiu a liberdade de exercício incompatível com as descrições sóbrias do texto.

1. O cerco ou Tribunal de Justiça:

A tentativa de reconstrução do tabernáculo começa naturalmente com o "tribunal" ( hacer ) Ou recinto exterior em que o tabernáculo ficou (veja TRIBUNAL DO SANTUÁRIO). A descrição é dada em Êxodo 27: 9-18 ; Êxodo 38: 9-20 . O tribunal está a ser concebido como um espaço fechado de 100 côvados (150 pés) de comprimento, e 50 côvados (75 pés) de largura, seus lados formados (com regime especial de entrada) por "enforcamentos" ou cortinas (ḳelā'ı̄m) De "linho fino torcido," 5 côvados (7 1/2 pés) de altura, apoiados por colunas de bronze (bronze) 5 côvados de distância, para que as cortinas estavam ligados por "ganchos" e "filetes" de prata. Assim, censisted de dois quadrados de 50 côvados de cada um, no anterior dos quais (o leste) situou-se o "altar do holocausto" (vejaALTAR ), E a "camada" (veja LAVER), E na posterior (a oeste) o próprio tabernáculo. A partir de Êxodo 30: 17-21 , aprendemos que a pia - a (bronze) navio grande para as abluções dos sacerdotes - ficava entre o altar eo tabernáculo ( Êxodo 30:18 ) Os pilares eram em número de 60, 20 a ser contado a os lados mais longos (Norte e Sul), e 10 cada um para o mais curto (Leste e Oeste). Os pilares foram definidos em "bases" ou bases ('Edhen) De latão (bronze), e tinha "capitais" (A versão King James eo English Revised "capitéis" Version) revestida com prata ( Êxodo 38:17 ). Os "filetes" estão aqui, como habitualmente, considerada como hastes de prata que ligam os pilares; Alguns, no entanto, como Ewald, Dillmann, Kennedy, tomar o "filé" para ser uma banda ornamental volta da base da capital. No lado oriental foi a "porta" ou entrada. Esta foi formada por uma "tela" (māṣākh ) 20 côvados (30 pés) de largura, roupa da mesma forma de fino retorcido, mas ilustres do outro (branco) enforcamentos por ser bordado em azul, púrpura, e escarlate (veja East Gate). As cortinas em ambos os lados do "gate" foram 15 côvados de largura. Os 10 pilares do lado leste são distribuídos - 4 para a tela de entrada, três de cada lado para as cortinas. A enumeração cria alguma dificuldade até que seja lembrado que no cômputo rodada o tribunal não pilar é contado duas vezes, e que os pilares de canto e aqueles em ambos os lados da entrada tiveram cada um para fazer o dever de casal. O acerto de contas é realmente pelos espaços 5 cúbito entre os pilares. Menção é feita ( Êxodo 27:19 ; Êxodo 38:20 ) dos "pins" do Tribunal, bem como do tabernáculo, por meio do qual, no primeiro caso, os pilares foram mantidos no lugar. Estes também eram de bronze (bronze).

2. Estrutura, divisões e Mobiliário do Tabernáculo:

No interior das duas praças do tribunal foi criado o tabernáculo - uma estrutura retangular retangular, 30 côvados (45 pés) de comprimento e 10 côvados (15 pés) amplo, dividido em duas partes, um santo e um santíssimo ( Êxodo 26:33 ). Atenção deve ser dada aqui (1) para as cobertas do Tabernáculo, (2) para o seu quadro e divisões, e (3) para o seu mobiliário.

(1) Cobertas de Tabernáculo ( Êxodo 26: 1-14 ; Êxodo 36: 8-19 ).

A estrutura de madeira da tenda a ser mais tarde descrito teve 3 coberturas - uma, a cobertura imediata do tabernáculo ou "morada", chamados pelo mesmo nome, mishkan ( Êxodo 26: 1 , Êxodo 26: 6 ); a segunda, a tenda "cobertura de cabra cabelo, e um terceiro, uma cobertura protetora de carneiros" e selagem (ou porpoise-) peles, lançada sobre o todo.

 

(A) Tabernáculo Cobrindo correcta:

A cobertura da tenda adequada ( Êxodo 26: 1-6 ) consistiu em 10 cortinas (yerı̄'ōth, Literalmente, "largura") de linho fino torcido, lindamente-tecida com fios azul, púrpura, e carmesim, e com figuras de querubins. Os 10 cortinas, a cada 28 côvados de comprimento e quatro côvados de largura, uniram-se em conjuntos de 5 a forma 2 grandes cortinas, que novamente foram presas por 50 laços e fivelas (os "taches" King James Version) de ouro, de modo a fazer uma única grande cortina 40 cúbitos (60 pés) de comprimento e 28 côvados (42 pés) amplas.

(B) Tent Covering:

A "tenda" de cobertura ( Êxodo 26: 7-13 ) foi formado por 11 cortinas de cabras cabelo, do comprimento, neste caso, sendo 30 côvados, ea largura de quatro côvados. Estes foram reunidas em grupos de 5 e 6 cortinas, e como antes das duas divisões foram acoplados por 50 voltas e fivelas (desta vez de bronze), em uma grande cortina de 44 côvados (66 pés) de comprimento e 30 côvados (45 ft) de largura -. um excesso de quatro côvados de comprimento e 2 de largura ao longo da cortina tabernáculo multa.

(C) cobertura de proteção:

Finalmente, para efeitos de protecção, revestimentos foram ordenados a ser feita ( Êxodo 26:14 ) para a "tenda" de peles de carneiros tintas de vermelho, e de peles de foca ou botos-peles (versões em inglês dos Bíblia ", texugos peles "). A disposição das coberturas é considerada a seguir.

(2) Framework e Divisão do Tabernáculo ( Êxodo 26: 15-37 ; 36: 20-38 )

A estrutura da tenda foi, como habitualmente entendido, composto por "placas" verticais de madeira de acácia, formando três lados da estrutura oblongo, a frente que está sendo fechado por uma tela de bordado ", dependendo de 5 pilares ( Êxodo 26:36 , Êxodo 26:37 ;.. veja abaixo) Estas placas, 48 em número (20 cada para os lados norte e sul, e 8 para o lado oeste), foram 10 côvados (15 pés) de altura e 1 1/2 côvados ( dois pés 3 pol.) de largura (a espessura não é dado), e foram revestidas com ouro. Eles foram criados por meio de "encaixes" (literalmente, "mãos"), ou projeções no pé, 2 para cada placa e, em 96 de prata "soquetes", ou bases ("um talento para cada base," Êxodo 38:27 ). Nas placas foram "anéis" de ouro, através do qual foram passados ​​3 horizontais "barras", para segurar as peças juntas - o bar do meio, aparentemente, nas laterais longas, estendendo-se de ponta a ponta ( Êxodo 26:28 ), as barras superiores e inferiores sendo dividido no centro (5 bares em todos em cada lado) Os bares, como as placas. , foram revestidas com ouro. Alguns obscuridade repousa sobre o arranjo na parte de trás: 6 das placas eram da amplitude usual (= 9 côvados), mas as placas de canto 2 parecem ter feito apenas uma côvado entre eles ( Êxodo 26: 22-24 ). Aviso já foi tomada da teoria (Kennedy, artigo "Tabernáculo", HDB ) que os chamados "conselhos" não eram realmente tal, mas foram "frames", abertos os dois pilares em que, unidas por travessas, são a " encaixes "do texto. Parece improvável, se isso foi feito, que não deve ser mais claramente explicados. O gabinete foi assim construído próximo dividida em 2 apartamentos, separados por um "véu", que pendia de 4 pilares revestidos com ouro e descansam em bases de prata. Como o tabernáculo-cobertura, o véu foi lindamente tecida com fios azul, roxo, e escarlate, e com figuras de querubins ( Êxodo 26:31 , Êxodo 26:32 ; vejaVEIL). O exterior destas câmaras, ou lugar santo "foi como normalmente calculado, 20 côvados de comprimento por 10 de largura; o lugar mais sagrado interior, ou, tinha 10 côvados quadrado A." Porta da tenda "( Êxodo 26:36 ) foi formada , como já foi dito, por uma "tela", bordada com as cores acima, e dependendo de 5 pilares em bases de bronze. Aqui também os ganchos eram de ouro, e as colunas e as suas capitais, cobertas de ouro ( Êxodo 36:38 ).

Arranjo de Coberturas:

Preferência já foi expressa para a idéia do Sr. Fergusson que o tabernáculo não era de teto plano, as cortinas serem lançados sobre ele como roupagem, mas foi tentlike em forma, com cume-pólo, e um telhado inclinado, aumentando a altura total para 15 côvados. Passando sobre o pólo do cume, e descendo em um ângulo, 14 côvados de cada lado, a cortina interior estenderia 5 côvados além das paredes do tabernáculo, fazendo um toldo de que a largura do Norte e do Sul, enquanto que o cabelo goats' cobrindo acima -lo, 2 côvados mais amplo, iria pendurar abaixo de um côvado de cada lado. O conjunto seria mantido na posição por cordas amarradas pelo bronze tenda-pins para o chão ( Êxodo 27:19 ; Êxodo 38:31 ). O esquema tem vantagens óbvias em que preserva a idéia de uma "tenda", está de acordo com as medidas principais, remove a dificuldade de "flacidez" do (flat) telhado, e as licenças das placas de ouro, barras e anéis, por exterior, e da tapeçaria finamente forjado, no interior, sendo visto (Professor Kennedy prevê o último por seus "quadros", através do qual a cortina seria visível). Por outro lado, não é para ser escondida que a construção proposto apresenta várias dificuldades sérias. O silêncio do texto sobre a-pólo do cume, pilares de sustentação, e outros requisitos do esquema de Mr. Fergusson (sua sugestão de que "a barra do meio" de Êxodo 26:28 pode ser o cume-pólo é bastante insustentável), pode ser obtido sobre assumindo que estas peças são um dado adquirido como entendido na barraca-construção. Mas isso não se aplica a outros ajustes, especialmente aqueles relacionados com a parte de trás e da frente da tenda. Foi visto acima que a cobertura interna foi de 40 côvados de comprimento, enquanto a-estrutura do tabernáculo era de 30 côvados. Como é esse excesso de 10 côvados na tapeçaria-revestimento tratado? Mr. Fergusson, dividindo igualmente, supõe um patamar de 5 côvados na frente, e um espaço de 5 côvados também atrás, com pilares hipotéticas. O texto, no entanto, é explícito que o véu dividindo o santo do lugar santíssimo foi enforcado "sob os grampos" ( Êxodo 26:33 ), ou seja, nessa hipótese, a meio caminho na estrutura, ou 15 côvados de cada extremidade. Ou, então, (1) a idéia deve ser abandonada que o lugar santo foi o dobro do comprimento do Santo dos Santos (20 X 10, é de se observar que o texto não indica as proporções, que são deduzidas dos de Salomão Temple), ou (2) o arranjo de Mr. Fergusson deve ser entregue, e a divisão da cortina de ser afastado para 5 côvados, privando-o de sua cortina para a varanda, e deixando 10 côvados de ser eliminados na parte traseira. Outra dificuldade é conectado com o próprio alpendre. Nenhuma indicação clara de tal patamar é dado no texto, enquanto os cinco pilares "para a tela" ( Êxodo 26:37 ) são mais naturalmente levado para ser, como o último, na entrada imediata do tabernáculo. Mr. Fergusson, por outro lado, considera que é necessário separar pilares e tela, e para colocar os pilares 5 côvados mais na frente. Ele está certo, no entanto, ao dizer que o quinto pilar sugere naturalmente a-pólo do cume; em seu favor também o fato de que a largura extra do tentcovering sobreposta foi para pendurar para baixo, 2 côvados na frente, e dois côvados na parte de trás do tabernáculo ( Êxodo 26: 9 , Êxodo 26:12 ). É possível que não havia uma disposição especial da cortina interior - que pertence peculiarmente à "habitação" - "de acordo com o que seus" grampos "lay acima do" véu "de o Santo dos Santos (20 côvados da entrada), e suas dobras Hinder fechou a abertura na parte traseira que de outra forma teria admitido luz no segredo do santuário. Mas construções deste tipo devem sempre permanecer mais ou menos conjectural.

As medições no acerto de contas acima são internos. Dr. Kennedy contesta isso, mas a analogia do templo é contra o seu ponto de vista.

(3) Móveis do Santuário

Os móveis do santuário é descrito em Êxodo 25: 10-40 (arca, mesa da proposição, castiçal); Êxodo 30: 1-10 (altar do incenso); compare Êxodo 37 para fazer. No santuário mais íntimo, o Santo dos Santos, o único objetivo era a arca da aliança, coberta dentro e por fora com ouro puro, com a sua moldagem e argolas de ouro, os seus varais, cobertas de ouro passou através dos anéis, e sua tampa ou cobertura de ouro maciço - o propiciatório propiciatório ou - em cada extremidade dos quais, de uma só peça com ele. ( Êxodo 25:19 ; Êxodo 37: 8 ), ficou querubins, com as asas estendidas sobre o propiciatório e com face voltada para ele (para detalhes, verARCA DA ALIANÇA; Propiciatório; QUERUBINS). Este foi o ponto de encontro do Senhor e do Seu povo através de Moisés ( Êxodo 25:22 ). A arca continha apenas as duas tábuas de pedra, daí o seu nome "a arca do testemunho" ( Êxodo 25:16 , Êxodo 25:22 ). Nem sempre é percebido como um objeto pequeno a arca foi - apenas 2 1/2 côvados (3 ft 9 in..) De comprimento, 1 1/2 côvados (2 pés 3 pol.). Amplo, eo mesmo (1 1 / 2 côvados) de altura.

Os móveis da câmara exterior da tenda consistiu de ( a ) a mesa dos pães da proposição; ( b ) o candelabro de ouro: ( 100 ) o altar do incenso, ou altar de ouro. Estes foram colocados, a mesa dos pães da proposição, no lado norte ( Êxodo 40:22 ), o castiçal no lado sul ( Êxodo 40:24 ), e do altar do incenso na frente do véu, no lugar santo.

(A) A Mesa da Proposição:

A mesa da proposição era uma pequena mesa de madeira de acácia, cobertas de ouro, com uma borda de ouro ao redor da parte superior, anéis de ouro nos cantos dos seus quatro pés, pautas para os anéis, e uma "fronteira" (pelo meio?) Que une as pernas, prendendo-os juntos. Suas dimensões foram 2 côvados (três pés) de comprimento, 1 côvado (18 polegadas) de largura e 1 1/2 côvados (2 pés 3 polegadas) de altura. Nele foram colocados 12 bolos, renovada a cada semana, em 2 pilhas (compare Levítico 24: 5-9 ), juntamente com pratos (para o pão), colheres (copos de incenso), garrafões e tigelas (por libações), todos ouro puro. VerPães da Proposição , TABELA DE .

(B) O Castiçal:

O castiçal ou candelabro foi o artigo em que a maioria adorno foram dispensadas. Era de ouro puro, e consistiu de uma haste central (em Êxodo 25: 32-35 esta especialmente recebe o nome de "candlestick"), com 3 ramos curvos em ambos os lados, todos elegantemente feito com copos de amendoeiras em flor, knops, e flores (lírios?) - 3 desta série para cada ramo e 4 para a haste central. Após os seis ramos e da haste central eram sete lâmpadas a partir do qual a luz emitidas. Conectado com o castiçal eram apagadores e rapé-pratos para os pavios - todo de ouro. O castiçal foi formado a partir de um talento de ouro puro ( Êxodo 25:38 ).

(C) o altar do incenso:

A descrição do altar do incenso ocorre ( Êxodo 30: 1-10 ), por alguma razão inexplicável ou deslocamento para fora do local onde se poderia esperar, mas isso não é motivo para colocar em dúvida (com algum) sobre a sua existência. Era um pequeno altar, coberto de ouro, um côvado (18 pol.) Quadrado, e dois côvados (três pés) de altura, com quatro chifres. Nele estava queimando incenso com cheiro doce. Ele teve o rim normal de ouro, anéis de ouro, e varais cobertos de ouro. VerAltar do Incenso .

III. Histórico.

1. Remoção do Sinai:

Podemos corrigir 1220 BC como a data aproximada da introdução do tabernáculo. Foi criado no Sinai, no 1º dia do 1º mês do 2º ano ( Êxodo 40: 2 , Êxodo 40:17 ), ou seja, 14 dias antes da celebração da Páscoa no primeiro aniversário do êxodo (CRONOLOGIA DO ANTIGO TESTAMENTO, VII., VIII.). Quando as pessoas retomaram a viagem, a arca foi envolto no véu que tinha servido para isolar o lugar mais santo ( Números 4: 5 ). Este e os dois altares foram levadas sobre os ombros dos filhos de Coate, um descendente de Levi, e foram removidos sob a supervisão pessoal do sumo sacerdote ( Números 03:31 , Números 03:32 ; Números 04:15 ). O resto da estrutura desmembrado foi realizado em seis carros cobertos, oferecido pelo príncipe, cada um desenhado por dois bois (Nu 7). Sem dúvida, os outros foram fornecidos para os materiais mais pesados ​​(compare Keil). Antes de deixar o altar de bronze Sinai tinha sido dedicado, e utensílios de ouro e prata havia sido apresentado para uso nos serviços. O tabernáculo estava parado no Sinai durante 50 dias ( Números 10:11 ).

2. Sojourn em Cades:

A viagem estava ao longo da "grande e terrível deserto" entre Horeb, no coração da Arábia e Cades-Barnéia no Negebe de Judá; dos 40 anos ocupados na jornada para Canaã, quase 38 foram gastos em Cades, fato nem sempre claramente reconhecido. O tabernáculo ficou aqui durante 37 anos (um ano a ser ocupado em uma viagem punitiva para o sul da costa do Mar Vermelho). Durante todo este tempo os sacrifícios comuns não foram oferecidas ( Amós 5:25 ), embora seja possível que as estações apropriadas foram, no entanto, marcou em mais de forma meramente cronológica. Poucos incidentes são registrados como para estes anos, e pouco se faz menção da tenda ao longo de toda a viagem, exceto que a arca da aliança precedeu o hospedeiro quando em marcha ( Números 10: 33-36 ). É o inusitado que é gravado; o aspecto diária do tabernáculo e do papel que desempenhou na vida das pessoas estavam entre as coisas recorrente e familiar.

3. Resolução em Canaã:

Quando, enfim, a Jordânia foi cruzado, a primeira consideração, presumivelmente, era encontrar um lugar em que para armar a barraca sagrado, um lugar até então desabitada e livre de possível contaminação por túmulos humanos. Esse lugar foi encontrado no bairro de Jericó, e veio a ser conhecido como Gilgal ( Josué 04:19 ; Josué 05:10 ; Josué 9: 6 ; Josué 10: 6 , Josué 10:43 ). Gilgal, no entanto, foi sempre considerado como um local temporário. A tenda não é directamente mencionado em conexão com ela. A questão de um local permanente foi a ocasião de ciúme mútuo entre as tribos, e foi finalmente resolvida pela remoção do tabernáculo para Shiloh, no território de Efraim, um lugar convenientemente central para atendimento de todos os adultos do sexo masculino nas três anual festivais, sem a zona de guerra, e também de alguma importância estratégica. Durante a vida de Josué, portanto, o tabernáculo foi removido ao longo dos 20 milhas, ou menos, que separou Shiloh entre as colinas de Gilgal nas terras baixas ( Josué 18: 1 ; Josué 19:51 ). Enquanto em Shiloh parece ter adquirido alguns acessórios de um tipo mais permanente ( 1 Samuel 1: 9 , etc.), que obteve para ele o nome de "templo" ( 1 Samuel 1: 9 ; 1 Samuel 3: 3 ).

4. Destruição de Shiloh:

Durante o período dos juízes, a nação perdeu o fervor de seus primeiros anos e estava em perigo iminente de apostasia. Os serviços diários do tabernáculo foram, sem dúvida, observado após uma forma sucinta, mas eles parecem ter tido pouco efeito sobre as pessoas, seja para suavizar suas maneiras ou levantar sua moral. Nos primeiros dias de guerra Samuel estourou de novo com os filisteus. Em um conselho de guerra a proposta sem precedentes foi feita para buscar a arca da aliança de Shiloh ( 1 Samuel 4: 1 e ss). Acompanhado pelos dois filhos de Eli - HOfni e Finéias - que chegou no acampamento e foi recebido por uma mensagem que foi ouvido no campo hostil. Já não era o Senhor, mas a arca material que era a esperança de Israel, tão baixo tinha o povo caído. Eli se, naquela época, sumo sacerdote, deve pelo menos ter concordado com essa superstição. Ele terminou em desastre. A arca foi tomada pelos filisteus, seus dois guardiões foram mortos, e Israel era impotente diante dos seus inimigos. Embora os historiadores hebreus estão em silêncio sobre o que se seguiu, o certo é que a própria Shiloh caiu nas mãos dos filisteus. A própria destruição de que contabiliza o silêncio dos historiadores, de que teria sido a parte central do santuário lá, o centro e casa de cultura literária que havia em Israel durante este período tempestuoso, que crônicas dos eventos seriam mantidos. Salmo 78:60 ff sem dúvida tem referência a esta derrota, e é referido no Jeremias 07:12 . O tabernáculo em si não parece ter sido tomada pelos filisteus, como é se reuniu com mais tarde em Nob.

5. deslocalização de Adoração:

Por falta de um alto sacerdote do personagem, o próprio Samuel parece agora ter se tornado o chefe do culto religioso. É possível que o tabernáculo pode ter sido novamente removido para Gilgal, como foi lá que Samuel Saul nomeado para encontrá-lo, a fim de oferecer os holocaustos e ofertas pacíficas. A arca, porém, restaurado pelos filisteus, manteve-se em Quiriate-Jearim ( 1 Samuel 7: 1 , 1 Samuel 7: 2 ), enquanto foram realizadas tribunais para administração cerimonial, civil e criminal, não só em Gilgal, mas pelo outro lugares, como Beth-el, Mispa e Ramah ( 1 Samuel 7: 15-17 ), lugares que adquiriram uma santidade quasi-eclesiástica. Esta deslocalização do santuário foi, sem dúvida, revolucionária, mas é em parte explicado pelo fato de que, mesmo no tabernáculo agora não havia arca antes que para queimar incenso. Dos meia dúzia de lugares com o nome de Ramá, esta, que foi a casa de Samuel, foi o próximo a Hebron, onde até hoje as bases do que pode ter sido recinto sagrado de Samuel pode ser visto no modernoRamet -el -Khalil .

6. Nob e Gibeon:

A seguir, ouvir do tabernáculo, Nob, com Aimeleque, uma ferramenta de Saul (provavelmente o Aías de 1 Samuel 14: 3 ), como sumo sacerdote ( 1 Samuel 21: 1 ss). Este Nob foi de 4 quilômetros ao norte de Jerusalém e foi mais-mais de um lugar alto, 30 pés mais elevados do que Zion. Daí não se segue que o tabernáculo foi colocado no topo da colina. Aqui ele permaneceu alguns anos, até depois do massacre por Saul de todos os sacerdotes de Nob salvar um, Abiatar ( 1 Samuel 22:11 ff). Posteriormente, possivelmente pelo próprio Saul, ele foi removido para Gibeão ( 1 Crônicas 16:39 ; 1 Crônicas 21:29 ). Gibeão foi de 6 quilômetros de Jerusalém, e 7 de Beth-el, e pode ter sido escolhido para a sua vantagem estratégica, bem como pelo fato de que ele já era habitada pelos sacerdotes, e era a cidade ancestral de Saul.

7. Restauração da Arca:

Esta remoção por Saul, se ele foi o autor do mesmo, foi reconhecido depois por David como uma coisa feita, com o qual ele não achava prudente interferir (de 1 Crônicas 16:40 ). Em seu capturar a fortaleza de Jebus (mais tarde Jerusalém), e construir-se uma "casa" há, David preparou um lugar para a arca de Deus, e armou uma tenda em Zion em imitação do tabernáculo em Gibeão ( 2 Samuel 06:17 ff; 1 Crônicas 16: 1 ). Ele deve igualmente ter dado um altar, pois lemos de holocaustos e ofertas pacíficas sendo feito lá. Enquanto isso, a arca fora trazida de Quiriate-Jearim, onde tinha ficado tanto tempo; foi restaurada na presença de uma multidão de pessoas que representam toda a nação, os soldados e civis que entregam aos sacerdotes ( 2 Samuel 6: 1 ff). Nesta viagem Uza foi ferido por tocar a arca. Chegou perto de Jerusalém, a arca foi levada para a casa de Obede-Edom, um levita, e lá permaneceu por 3 meses. Ao fim deste tempo, foi levado para o tabernáculo de Davi, com toda a solenidade montagem e honra.

8. As duas Tabernáculos:

Por isso, foi que havia agora duas moradas, o original com o seu altar em Gibeão, e um novo com a arca original, em Jerusalém, tanto sob a proteção do rei. Ambos, no entanto, foram logo para ser substituída pela construção de um templo. O altar em Gibeão continuaram em uso até os dias de Salomão. De todo o material real do tabernáculo, a arca sozinho permaneceu inalterada no templo. O próprio tabernáculo, com seus vasos sagrados, foi levado a Jerusalém, e foi preservada, aparentemente, como uma relíquia sagrada no templo ( 1 Reis 8: 4 ). Assim, depois de uma história de mais de 200 anos, o tabernáculo deixa de aparecer na história.

IV. Simbolismo.

Embora o tabernáculo era historicamente o predecessor dos templos mais tarde, como uma questão de fato, o véu foi o único item realmente retido ao longo da série de templos. No entanto, é o tabernáculo, em vez de o templo que tem proporcionado uma subestrutura para o ensino tanto do Novo Testamento. Todas as alusões bem conhecidas do escritor aos Hebreus, por exemplo, em capítulos 9,10, são para o tabernáculo, e não a qualquer templo mais tarde.

 

1. Novo Testamento Referências:

Em geral, o tabernáculo é o símbolo da morada de Deus com o Seu povo ( Êxodo 25: 8 ; comparar 1 Reis 08:27 ), uma idéia em processo de realização em mais e mais perfeitas formas até chegar a sua conclusão no cravo da Palavra ("O Verbo se fez carne, e habitou (grego" habitou ") entre nós," João 1:14 ; comparar 2 Coríntios 5: 1 ), na igreja coletivamente ( 2 Coríntios 6:16 ) e no crente individual ( 1 Corinthians 06:19 ) e, finalmente, na glória eterna ( Apocalipse 2:13 e ss). Na Epístola aos Hebreus, o locus clássico do tabernáculo no pensamento cristão, a idéia é mais cósmico - o tabernáculo no seu santo ea maioria divisões santos que representam o terreno e as esferas celestes de atividade de Cristo. O Antigo Testamento foi apenas uma sombra da substância eterna, uma indicação do verdadeiro ideal ( Hebreus 8: 5 ; Hebreus 10: 1 ). O tabernáculo em que Cristo, ministrada era um tabernáculo que o Senhor fundou, e não o homem ( Hebreus 8: 2 ). Ele é o sumo sacerdote de "o maior e mais perfeito tabernáculo" ( Hebreus 9:11 ). "Cristo não entrou num santuário feito por mãos, como na figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer perante a face de Deus por nós" ( Hebreus 9:24 ). O significado simbólico do tabernáculo e sua adoração não é, no entanto, limitar-se a Epístola aos Hebreus. Deve-se admitir que Paul. não dar destaque para o simbolismo tabernáculo, e, ainda, que suas referências são para coisas comuns ao tabernáculo e do templo. Mas Paulo fala da "camada de regeneração" ( Tito 3: 5 a margem Versão Revisada), e de Cristo, que "deu a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em cheiro de um cheiro doce" ( Efésios 5: 2 ). O significado que os escritores sinóticos dar ao rasgar do véu do templo ( Mateus 27:51 ; Marcos 15:38 ; Lucas 23:45 ) mostra como este simbolismo entrou profundamente em seu pensamento e foi sentida por eles tenham atestado divino neste fato sobrenatural. O caminho para o mais santo de todos, como o escritor aos Hebreus, foi agora manifestada ( Hebreus 9: 8 ; Hebreus 10:19 , Hebreus 10:20 ).

2. Habitação de Deus com o homem:

A sugestão de que está na base de todas as referências tais Novo Testamento não é apenas que Cristo, em sua manifestação humana, era ao mesmo tempo tabernáculo e sacerdote, altar e sacrifício, mas também, e ainda mais, que Deus já tem sua morada entre os homens, velado, sem dúvida, a partir de os incrédulos e insincero, mas sempre manifesto e acessível aos fiéis e devotos. Como temos um grande sumo sacerdote que agora é passado para os céus, não para aparecer em nosso nome no verdadeiro tabernáculo, então nós mesmos temos permissão e incentivo para entrar no lugar mais santo de todos na terra pelo sangue da aliança eterna . Das esperanças incorporadas a esses dois planos de pensamento, o tabernáculo terrestre era o símbolo, e tem a perspectiva e antecipação da comunhão superior. É isso que tem dado o tabernáculo tal hold permanente sobre a imaginação e veneração da Igreja cristã em todas as terras e idiomas.

3. Simbolismo de Móveis:

O simbolismo das várias partes do mobiliário tabernáculo é razoavelmente óbvio, e é considerado no âmbito das diferentes rubricas. A arca da aliança com o propiciatório era o símbolo da reunião graciosa de Deus com o Seu povo na terra de expiação (compare Romanos 3:25 ;. Os doze pães da proposição denotar as doze tribos de Israel, e sua apresentação é ao mesmo tempo um ato de gratidão por aquilo que é a favor da vida, e, simbolicamente, a dedicação da vida, assim, apoiada; o castiçal fala com o chamado de Israel para ser um povo de luz (compare Jesus em Mateus 5: 14-16 ); o incenso subindo simboliza o ato de oração (compare Apocalipse 5: 8 ; Apocalipse 8: 3 ).

Literatura.

Veja os artigos sobre "Tabernáculo" e "Templo" em Smith DB , HDB , EB , O TemploBD , Etc .; também os comentários. em Êxodo (o púlpito Comentário de Speaker , Keil do, Lange de, etc.); Bahr, Symbolik d. Mosaischen Cult ; Keil, Arqueologia , I, 98 ff (tradução em Inglês); Westcott, ensaio sobre "O Significado Geral do Tabernáculo", na sua Hebreus ; Brown, The Tabernacle (1899); WS Caldecott, O Tabernáculo: Sua História e Estrutura . Veja os artigos desta Enciclopédia sobre as peças especiais do tabernáculo.

B. Em Crítica

EU. Pontos de vista conservadores E CRÍTICOS

II. Argumentos a favor o do CRÍTICA ORY ANALISADO

1. Não é afirmado, que o templo foi construído após o modelo do tabernáculo

2. No Trace do Tabernáculo em tempos pré-salomónicas

3. O Tabernáculo não poderia ter sido construída como Exodus Descreve

4. relato bíblico contém marcas de seu caráter Unhistorical

5. Profetas Pré-exílio não sabia nada do sistema levítico do qual o Tabernáculo foi dito ser o Center.

I. Conservador e crítico Views.

A visão conservadora da Escritura encontra-se: (1) que o tabernáculo foi construído por Moisés no deserto de Sinai; (2) que foi formado de acordo com um padrão mostrado a ele no Monte; (3) que ele foi projetado para ser e era o centro do culto de sacrifício para as tribos no deserto; e (4) que séculos mais tarde, o Templo de Salomão foi construído depois que ele como um modelo.

No entanto, a visão crítica (mais alto) da Escritura diz: (1) que o tabernáculo nunca existiu, exceto no papel; (2) que era uma pura criação da imaginação sacerdotal esboçado depois ou durante o exílio; (3) que ele foi concebido para ser um santuário em miniatura do modelo do Templo de Salomão; (4) que foi representado como tendo sido construído no deserto com o propósito de legitimar o Código recém-publicado Sacerdotal (P) ou ritual levítico ainda preservada nos livros média do Pentateuco; e (5) que a descrição do tabernáculo mobiliada no Código Sacerdotal (P) ( Êxodo 25 a 31; 36 a 40; Números 2: 2 , Números 02:17 ; Números 5: 1-4 ; Números 14:44 ) conflitos com que dada no Elohist (E) ( Êxodo 33: 7-11 ), tanto quanto ao seu caráter e da sua localização.

Os principais motivos por que se propõe a anulação do ponto de vista conservador e colocar em seu lugar a teoria crítica são estes:

II. Os argumentos em suporte da Teoria Crítica examinado.

(1) em nenhum lugar é afirmado que o Templo de Salomão foi construído segundo o modelo do tabernáculo Mosaico; portanto, é razoável inferir que o tabernáculo Mosaic não tinha existência quando ou antes do Templo de Salomão foi construído.

(2) Nenhum vestígio do tabernáculo mosaico podem ser encontrados no período pré-salomônica, a partir do qual, é claro que existe tal tabernáculo existiu.

(3) O tabernáculo Mosaic não poderia ter sido produzido como Êxodo descreve, e, consequentemente, a história deve ser relegado ao limbo de romance.

(4) O relato bíblico do tabernáculo Mosaico traz marcas internas de seu personagem completamente anti-histórica.

(5) Os profetas pré-exílio não sabia nada sobre o sistema levítico de que o tabernáculo Mosaic era o centro, e, portanto, toda a história deve ser estabelecido como uma lenda sagrada.

Estas afirmações exigir exame.

1. Não é afirmado, que o templo foi construído após o padrão do Tabernáculo:

É instado-se que nada é afirmado que o Templo de Salomão foi formado após o modelo do tabernáculo Mosaico. Wellhausen pensa (GI, capítulo I, 3, p. 44) que, se tivesse sido assim, os narradores de Reis e Crônicas teria dito isso. "Pelo menos", escreve ele, "seria de esperar que, no relatório sobre a construção do novo santuário, menção ocasional teria sido feito do velho." E então não havia - em 1 Reis 8: 4 e 2 Crônicas 5: 5 . É claro, é alegado que "tenda da congregação" referido nestas passagens não era o tabernáculo de Mosaic Ex 25, mas simplesmente um abrigo provisório para a arca - embora em P o tabernáculo Mosaico tem a mesma designação ( Êxodo 27: 21 ). Admitindo, no entanto, por uma questão de argumento, que a tenda dos livros históricos não era o tabernáculo Mosaico de Êxodo, e que este está longe falado de como o modelo no qual o Templo de Salomão foi construído, não é necessariamente que porque os narradores em Reis e Crônicas não declarou expressamente que o Templo de Salomão foi construído segundo o modelo do tabernáculo Mosaico, portanto, o tabernáculo Mosaic não tinha existência, quando os narradores escreveu? Se isso acontecer, então a mesma lógica irá demonstrar a não-existência do Templo de Salomão antes do exílio, porque quando o escritor de P estava descrevendo o tabernáculo Mosaico ele fez qualquer menção sobre seu ser uma cópia em miniatura do Templo de Salomão. A reductio ad absurdum como este dispõe do primeiro dos cinco pilares sobre os quais assenta a nova teoria.

2. No Trace do Tabernáculo em tempos pré-salomónicas

Alega-se que nenhum vestígio do tabernáculo mosaico pode ser encontrado em tempos pré-salomónicas. Sobre o princípio de que o silêncio sobre uma pessoa, coisa ou evento não provar a não-existência da pessoa ou coisa ou a não-ocorrência do evento, este segundo argumento pode razoavelmente ser deixado de lado como irrelevantes. No entanto, será mais satisfatório para perguntar, se a afirmação ser verdadeira, por que nenhum vestígio da tenda pode ser detectada nos livros históricos em tempos pré-salomónicas. A resposta é, que, claro, é verdade, se os livros históricos ser o primeiro "adulterada", isto é ido mais e vestido para se adequar teoria, removendo a partir deles a cada passagem, sentença, oração e da palavra que parece indicar, pressupõem ou implicar a existência do tabernáculo, e passagem tal, sentença, oração e da palavra atribuído a uma final de R que é inserido o texto original para dar cor a sua teoria, e apoio à sua ficção que o tabernáculo Mosaic e seus serviços originado no deserto . Poderia esta teoria, ser estabelecido em bases independentes, ou seja, evidências provenientes de outros documentos históricos, sem interferir com a narrativa sagrada, algo pode ser dito para sua plausibilidade. Mas cada estudioso sabe que não é uma partícula de evidência nunca foi, ou é susceptível de ser cada vez, apresentou em seu apoio além do que próprios críticos fabricar na forma descrita. Isso eles fazem encontrar vestígios do tabernáculo Mosaico nos livros históricos, eles inconscientemente e não intencionalmente por permitir que seus esforços para explicar tais vestígios de distância, que, aliás, eles só podem fazer denunciando esses traços como espúria e sujeitando-os a uma espécie de operação cirúrgica em requisitar para excisar-los do corpo do texto. Mas esses chamados traços espúrias são verdadeiras ou não são verdadeiras. Se elas forem verdadeiras, quem quer que eles inseridos, então eles atestam a existência do tabernáculo, primeiro em Shiloh, e depois em Nobe, mais tarde, em Gibeão, e, finalmente, em Jerusalém; se eles não são verdadeiras, então algumas outras coisas na narrativa deve ser escrito como a imaginação, como, por exemplo, a conquista da terra, e sua divisão entre as tribos, a história do altar no leste da Jordânia, o ministério da o jovem Samuel em Siló, e de Aimeleque em Nobe.

(1) O Tabernáculo Mosaic em Shiloh.

Que a estrutura em Shiloh ( 1 Samuel 1: 3 , 1 Samuel 1: 9 , 1 Samuel 01:19 , 1 Samuel 01:24 ; 1 Samuel 02:11 , 1 Samuel 02:12 ; 1 Samuel 3: 3 ) foi o Mosaic tabernáculo tudo gravado sobre ele mostra. Ele continha a arca de Deus, chamados também a arca da aliança de Deus e da arca da aliança do Senhor, ou mais completamente a arca da aliança do Senhor dos exércitos, nomes, especialmente o último, o que para a arca associado com o tabernáculo não eram desconhecidos no período da errância. Ele tinha também um sacerdócio e um culto sacrificial de três partes - oferta de sacrifício (no pátio), incenso (no lugar santo) em chamas, e vestindo uma estola sacerdotal (no Santo dos Santos) - que, pelo menos, tinha uma estreita semelhança com o culto do tabernáculo, e na verdade alegou ter sido transmitida de Aaron. Então piedoso costume de Elkanah de subir anualmente de Ramathaim-Zofim a Siló para adorar e sacrificar ao Senhor dos exércitos sugere que no seu dia Shiloh foi considerado como o lugar alto central e que a lei das três festas anuais ( Êxodo 23:14 ; Levítico 23: 1-18; Deuteronômio 16:16 ) não era desconhecida, embora, talvez, apenas parcialmente observado; enquanto a instrução sobre "as mulheres que faziam serviço na porta da tenda da reunião" aponta como claramente de volta para a instituição feminino semelhante em conexão com o tabernáculo ( Êxodo 38: 8 ). Para estas considerações, se opôs ( a ) que o santuário Shiloh não era o tabernáculo Mosaico, que era uma tenda portátil, mas uma estrutura sólida com mensagens e portas, e ( b ) que, mesmo se não fosse uma estrutura sólida, mas uma tenda , poderia ser deixado em qualquer momento, sem a arca, caso em que ele não poderia ter sido o tabernáculo Mosaico de que a arca foi um "companheiro inseparável"; while ( c ) se era a antiga "morada" do Senhor, não poderia ter sido feito o dormitório de Samuel. Mas ( a ), enquanto ele não precisa ser negado que o santuário Shiloh possuía postos e portas - Jeremias 7:12 parece admitir que era uma estrutura que pode ser colocada em ruínas - mas isso não garante a conclusão de que o tabernáculo Mosaic teve não existência de Shiloh. É certamente não impossível ou mesmo improvável que, quando o tabernáculo tinha obtido um local permanente no Shiloh, e que por quase 400 anos (compare acima sob A., III., 1., 8. e veja CRONOLOGIA DO ANTIGO TESTAMENTO, VII., VIII.), Durante o curso destes séculos, uma varanda com mensagens e portas podem ter sido erguido antes que a cortina que formou a entrada para o lugar santo, ou que os edifícios fortes podem ter sido colocados em torno dele como casas para os sacerdotes e levitas, como tesouros câmaras, e tal como - causando, assim, para apresentar a aparência de um palácio ou casa com o tabernáculo adequada em seu interior. Em seguida, ( b ) quanto à impossibilidade da arca que está sendo retirado do tabernáculo, como foi feito quando foi capturado pelos filisteus, não há dúvida de que houve ocasiões em que era não só legítima, mas expressamente ordenado para separar a arca do tabernáculo, embora a guerra com os filisteus não era um deles. Em Números 10:33 , é claramente afirmado que a arca, por si só, foi diante do povo quando eles marcharam através do deserto; e não há motivo para pensar que durante a guerra Benjamite a arca estava com sanção divina retiradas temporariamente Shiloh para Beth-el ( Juízes 20:26 , Juízes 20:27 ) e, quando a campanha fechadas, trouxe de volta novamente para Shiloh ( Juízes 21:12 ). ( c ) Quanto à noção de que o santuário de Shiloh não poderia ter sido o tabernáculo Mosaic porque Samuel disse ter dormido em que ao lado da arca de Deus, deve ser suficiente para responder que a narrativa não dizer ou sugerir que Samuel tinha convertidos ou lugar santo ou o mais santo em um dormitório privado, mas apenas que ele se deitou para dormir "no templo do Senhor, onde a arca de Deus foi," sem dúvida "no tribunal, onde as células foram construídos para os sacerdotes e levitas para viver em quando servem no santuário "(Keil). Mas, mesmo se ele quis dizer que o jovem Samuel, na verdade, dormia no Santo dos Santos, uma falha em ver como um abuso como esse pode não ter ocorrido em um momento tão degenerados que a de Eli, ou como, se o fizesse, seria prova necessariamente que o santuário Shiloh não era o tabernáculo Mosaic.

(2) O Tabernáculo Mosaic em Nobe.

Que o santuário em Nobe ( 1 Samuel 21: 1-6 ) foi o tabernáculo mosaico pode ser inferida a partir das seguintes circunstâncias: ( a ) que tinha um sumo sacerdote com 85 sacerdotes comuns, estola sacerdotal de um padre e uma mesa dos pães da proposição; ( b ) que o comer os pães da proposição foi condicionada pela mesma lei de pureza cerimonial como prevaleceu em conexão com o tabernáculo de Moisés ( Levítico 15:18 ); e ( c ) que o Urim foi empregado há pelo sacerdote para averiguar a vontade divina - que circunstâncias pertencia ao tabernáculo Mosaic e para nenhuma outra instituição conhecida entre os hebreus. Se a instrução ( 1 Crônicas 13: 3 ) que a arca não foi investigado na nos dias de Saul pede explicação, essa explicação é, obviamente, isso, que, durante Saul de reinar a arca foi dissociado do tabernáculo, que está sendo apresentado na casa de Abinadabe em Quiriate-Jearim, e era, portanto, em grande medida esquecido. A declaração ( 1 Samuel 14:18 ) que Saul em sua guerra com os filisteus comandou Aías, o bisneto de Eli, que era "o sacerdote do Senhor em Siló, trazia a estola sacerdotal" ( 1 Samuel 14: 3 ) para buscar-se a arca - se 1 Samuel 14:18 não deve, antes, ser lido de acordo com a Septuaginta, "Traze aqui a estola sacerdotal" - só pode significar que, nesta ocasião especial foi buscada a partir Quiriate-Jearim ao final de 20 anos e depois voltou para lá. Isto, no entanto, não é provável uma suposição; Setenta e para a leitura pode dizer-se que a frase "Traga cá" nunca foi utilizado em conexão com a arca; que a arca nunca foi empregado para determinar a Vontade Divina, mas a estola sacerdotal era; e que o texto hebraico em 1 Samuel 14:18 parece corrupto, a última cláusula leitura "para a arca de Deus estava naquele dia e os filhos de Israel", o que não é extremamente inteligível.

(3) O Tabernáculo Mosaic em Gibeão.

A última menção do tabernáculo mosaico ocorre em conexão com a construção do Templo de Salomão ( 1 Reis 8: 4 ; 2 Crônicas 1: 3 ; 2 Crônicas 5: 3 ), quando se afirma que a arca da aliança e da tenda de reunião, e todos os utensílios sagrados que estavam na tenda foram solenemente buscado se na casa que Salomão tinha construído. Que o que é aqui chamado a tenda da congregação, ou na tenda da congregação, não foi o tabernáculo Mosaic foi mantida com os seguintes fundamentos: ( a ) que, se tivesse sido assim, David, quando ele foi buscar a arca de Obed- casa de Edom.

Fonte Enciclopédia Internacional Standard Bible 1870

VEJA  WWW.AVIVAMENTONOSUL.BLOGPOT.COM