Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


apologetica criacionismo
apologetica criacionismo

                                               A primeira vida

 

artigo Norman Geisler - 

A primeira vida: lei natural ou deslumbramento divino?

Deus nunca fez um milagre para convencer um ateu porque suas obras comuns já mostram provas suficientes.  ARIEL ROTH

 

LEVE O LIXO PARA FORA — MAMÃE

Johnny, com 16 anos de idade, desceu de seu quarto e correu para a cozinha atrás de uma tigela de seu cereal favorito: Alpha Bits, aqueles flocos de cereal com o formato de letras do alfabeto. Quando chegou à mesa, foi surpreendido por ver que a caixa do cereal estava aberta, o conteúdo fora derramado e as letras formavam a mensagem LEVE O LIXO PARA FORA — MAMÃE em sua tigela.

Lembrando-se de uma recente aula de biologia do ensino médio, Johnny não atribuiu a mensagem à sua mãe. Além do mais, ele aprendeu que a vida em si é meramente um produto do acaso, das leis naturais. Se era esse o caso, pensou Johnny, por que não seria possível que uma simples mensagem como “Leve o lixo para fora — Mamãe” não fosse o produto do acaso e das leis naturais também? Talvez o gato tivesse derrubado a caixa ou um terremoto tivesse chacoalhado a casa. Não fazia sentido chegar a qualquer conclusão. Johnny não queria levar o lixo para fora de jeito nenhum. Ele não tinha tempo para as tarefas da casa. Estava em suas férias de verão e queria ir para a praia. Mary estaria lá.

Uma vez que Mary era a garota de quem Scott também gostava, Johnny queria chegar à praia mais cedo para surpreender Scott. Mas quando Johnny chegou, viu Mary e Scott caminhando de mãos dadas pela praia. Enquanto os seguia a distância, olhou para baixo e viu um coração desenhado na areia com as palavras “Mary ama Scott” rabiscadas no meio. Por um momento, Johnny sentiu seu coração afundar. Mas as lembranças de sua aula de biologia o resgataram do desespero profundo. “Talvez este seja um outro caso das leis naturais em funcionamento!”, pensou. “Talvez os caranguejos ou um padrão incomum de ondas tenha simplesmente produzido esta nota amorosa naturalmente.” Não havia sentido em aceitar uma conclusão da qual ele não gostava! Johnny simplesmente teria de ignorar a comprovação inequívoca das mãos unidas.

Confortado pelo fato de que os princípios aprendidos na aula de biologia poderiam ajudá-lo a evitar as conclusões das quais não gostava, Johnny decidiu deitar-se por alguns instantes e pegar um pouco de sol. Ao colocar a cabeça sobre a toalha, notou uma mensagem nas nuvens: “Beba Coca-Cola”, diziam letras brancas e fofas em contraste com o fundo azul do céu. “Seria uma formação incomum das nuvens?”, pensou Johnny. “Turbulência dos ventos, talvez?”

Não, Johnny não poderia mais continuar jogando o jogo da negação. “Beba Coca-Cola” era uma coisa real. Uma mensagem como essa era um sinal seguro de inteligência. Não poderia ser o resultado de forças naturais porque jamais se observou forças naturais criando mensagens. Embora ele não tenha visto o avião, Johnny sabia que recentemente havia passado por ali alguém com capacidade de escrever aquelas letras no céu. Além do mais, queria acreditar nessa mensagem: o sol quente o havia deixado com sede, e ele queria tomar o refrigerante.

 

VIDA SIMPLES? ISSO NÃO EXISTE!

É desonestidade ou estar propositadamente cego para sugerir que mensagens como “Leve o lixo para fora — Mamãe” e “Mary ama Scott” são obra de leis naturais. Contudo, essas conclusões são perfeitamente compatíveis com os princípios ensinados na maioria das aulas de biologia do nível médio e das universidades hoje em dia. É nesses lugares que os biólogos naturalistas afirmam dogmaticamente que mensagens muito mais complicadas são os descuidados produtos de leis naturais. Eles fazem essa afirmação na tentativa de explicar a origem da vida.

Os biólogos naturalistas afirmam que a vida é gerada espontaneamente pelas leis naturais com base em elementos químicos inanimados, sem nenhuma intervenção inteligente. Essa teoria pode ter parecido plausível para cientistas do século XIX que não tinham a tecnologia para investigar as células e descobrir sua tão impressionante complexidade. Mas, hoje em dia, essa teoria naturalista ataca frontalmente tudo o que sabemos sobre as leis naturais e os sistemas biológicos.

Desde a década de 1950, o avanço da tecnologia tem capacitado os cientistas a descobrirem um pequeno mundo de impressionante projeto e espantosa complexidade. Ao mesmo tempo que os nossos telescópios estão vendo muito mais longe no espaço, nossos microscópios estão olhando cada vez mais fundo nos componentes da vida. Enquanto as nossas observações espaciais estão se rendendo ao princípio antrópico da física (que discutimos no capítulo anterior), nossas observações da vida estão cedendo ao impressionante princípio antrópico da biologia.

Para demonstrar o que queremos dizer, vamos considerar a assim chamada vida “simples” — um animal unicelular conhecido como ameba. Os naturalistas evolucionistas afirmam que essa ameba uni celular (ou alguma coisa semelhante a ela) se formou por meio de geração espontânea (i.e., sem intervenção inteligente) num pequeno lago aquecido em algum lugar da Terra, quando ela ainda estava em seus primórdios. De acordo com sua teoria, toda a vida biológica evoluiu baseando-se nessa ameba inicial, sem nenhum tipo de orientação inteligente. Naturalmente, esta é a teoria da macroevolução: do infantil para o réptil e do réptil para o gentio; ou do angu até tu, passando pelo zoológico.

Aqueles que acreditam nessa teoria da origem da vida são chamados de muitos nomes: naturalistas, evolucionistas, materialistas, humanistas, ateus ou darwinistas (no restante deste capítulo e no seguinte, vamos nos referir àqueles que acreditam na teoria evolucionista atéia como darwinistas ou ateus. Isso não inclui aqueles que acreditam na evolução teísta — isto é, que a evolução foi criada por Deus). Independentemente da maneira pela qual chamamos aqueles que acreditam nessa teoria, o ponto principal para nós é este: “Sua teoria é verdadeira?”. Parece-nos que não.

Esqueça as afirmações darwinistas de que os homens descendem dos macacos ou que os pássaros evoluíram dos répteis. O problema principal para os darwinistas não é explicar de que maneira todas as formas de vida estão relacionadas (embora, como veremos no capítulo seguinte, isso ainda é um grande problema). O problema principal para os darwinistas é explicar a origem da primeira vida. Para que a macroevolução naturalista seja verdade, a primeira vida precisa ter sido gerada espontaneamente com base em elementos químicos inanimados. Infelizmente, para os darwinistas, a primeira vida — na verdade, qualquer forma de vida — não é de forma alguma “simples”. Isso ficou muitíssimo claro em 1953, quando ]ames Watson e Francis Crick descobriram o DNA,[1] a química que codifica instruções para a construção e a replicação de todas as coisas vivas.

O DNA tem uma estrutura em forma de hélice que se parece como uma escada torcida. Os lados da escada são formados por desoxirribose e fosfato, e os degraus da escada consistem em ordens específicas de quatro bases de nitrogênio. Essas bases de nitrogênio recebem o nome de adenina, ti mina, citosina e guanina, comumente representadas respectivamente pelas letras A, T, C e G. Essas letras compõem o que é conhecido como o alfabeto genético de quatro letras. Esse alfabeto é idêntico ao alfabeto ocidental em termos de sua habilidade de comunicar uma mensagem, exceto pelo fato de que o alfabeto genético tem apenas quatro letras, em vez das 26 que conhecemos no alfabeto ocidental.[2] Assim como uma ordem específica das letras numa frase transmite uma mensagem singular, a ordem específica de A, T, C e G dentro de uma célula viva determina uma composição genética singular daquela entidade viva. Outro nome para essa mensagem ou informação, quer esteja numa frase quer no DNA, é “complexidade específica”. Em outras palavras, ela não é apenas complexa, mas também contém uma mensagem específica.

A incrível complexidade específica da vida torna-se óbvia quando alguém considera a mensagem encontrada no DNA de uma pequena ameba unicelular (uma criatura tão pequena que centenas delas poderiam ser colocadas uma ao lado da outra num espaço de 1 centímetro). Richard Dawkins, cientista darwinista convicto e professor de zoologia na Universidade de Oxford, admite que a mensagem encontrada apenas no núcleo de uma pequena ameba é maior do que os 30 volumes combinados da Enciclopédia Britânica,[3] e a ameba inteira tem tanta informação em seu DNA quanto mil conjuntos completos da mesma enciclopédia! Em outras palavras, se você fosse ler todos os A, T, C e G na “injustamente chamada ameba ‘primitiva ” (como Darwin a descreve), as letras encheriam mil conjuntos completos de uma enciclopédia!

Precisamos enfatizar que essas mil enciclopédias não consistem em letras aleatórias, mas em letras numa ordem muito específica — tal como as enciclopédias reais. Portanto, aqui está a principal pergunta para os darwinistas como Dawkins: mensagens simples como “Leve o lixo para fora — Mamãe”, “Mary ama Scott” e “Beba Coca-Cola” exigem um ser inteligente, então por que a mensagem dessas mil enciclopédias não exigiria um também?

Os darwinistas não podem responder a essa pergunta mostrando de que maneira as leis naturais poderiam fazer o trabalho. Em vez disso, definem as regras da ciência de maneira tão estreita que a inteligência é eliminada logo de início, deixando as leis naturais como o único fator a ser considerado. Antes de descrever de que maneira e por que os darwinistas fazem isso, vamos considerar os princípios científicos que precisam ser usados para se descobrir de que maneira começou a primeira vida.

 

INVESTIGANDO A ORIGEM DA PRIMEIRA VIDA

Existe um grande número de evolucionistas e de criacionistas que falam como se soubessem, ainda que com dúvidas justificáveis, de que maneira a primeira vida passou a existir. Naturalmente é impossível que ambos estejam certos. Se um está certo, o outro está errado. Assim, de que maneira podemos descobrir quem está certo?

O fato a seguir é óbvio, mas é freqüentemente desprezado: nenhum ser humano observou o surgimento da primeira vida. O surgimento da primeira vida na Terra foi um acontecimento histórico único, impossível de ser repetido. Ninguém estava presente para vê-lo — nem os evolucionistas nem os criacionistas estavam lá, e certamente não podemos viajar de volta no tempo para observar diretamente se a primeira vida foi criada por algum tipo de inteligência ou se surgiu em função das leis naturais agindo com base em uma matéria inorgânica.

Isso levanta uma importante questão: se não podemos observar diretamente o passado, então que princípios científicos podem nos ajudar a descobrir o que gerou a primeira vida? Usamos os mesmos princípios que são utilizados todos dias no nosso sistema judiciário: os princípios da criminalística. Em outras palavras, a origem da vida é uma questão criminalística que exige a reunião de evidências do mesmo modo que os detetives reúnem as provas de um assassinato. Os detetives não podem voltar no tempo e testemunhar o assassinato outra vez. Eles também não podem ressuscitar a vítima ou ir ao laboratório para conduzir algum tipo de experimento que permita observar ou repetir o crime diversas vezes. Em vez disso, devem utilizar os princípios da criminalística para descobrir o que realmente aconteceu.

O princípio central da criminalística é o princípio da uniformidade, que afirma que as causas do passado foram semelhantes às causas que observamos hoje. Em outras palavras, pelo princípio da uniformidade pressupomos que, no passado, o mundo funcionava do mesmo jeito que funciona hoje, especialmente no que se refere às causas. Se “Leve o lixo para fora — Mamãe” exige uma causa inteligente hoje, então qualquer mensagem similar no passado também deve ter exigido uma causa inteligente. Reciprocamente, se as leis naturais podem realizar o trabalho hoje, então o princípio da uniformidade nos levaria a concluir que as leis naturais poderiam fazer o trabalho no passado.

Considere o Grand Canyon. O que o gerou? Alguém o viu se formando? Não, mas, pelo princípio da uniformidade, podemos concluir que um processo natural — particularmente a erosão por meio da água — foi o responsável pelo surgimento do Grand Canyon. Podemos chegar a essa conclusão com total confiança, embora não estivéssemos ali para ver isso acontecendo, porque podemos observar esses processos naturais criando cânions hoje. Vemos isso na natureza quando observamos os efeitos da água sobre massas de terra. Podemos até mesmo ir ao laboratório e repetidamente derramar água no meio de um monte de areia, e sempre obteremos um cânion.

Considere agora outra formação geológica: o monte Rushmore, nos Estados Unidos. O que o gerou? O bom senso nos diz que jamais poderíamos sugerir que o rosto dos presidentes no monte Rushmore foram o resultado de leis naturais. A erosão não poderia ter feito aquilo. O nosso “bom senso” é, na verdade, o princípio da uniformidade. Uma vez que nunca observamos leis naturais cinzelando uma escultura com um alto nível de detalhes como os da cabeça dos presidentes numa pedra nos dias atuais, podemos concluir com certeza que as leis naturais também não poderiam ter feito isso no passado. Hoje vemos apenas seres inteligentes criando esculturas detalhadas. Como resultado, podemos concluir corretamente que, no passado, somente um ser inteligente (um escultor) ‘poderia ter criado o rosto dos presidentes norte-americanos no monte Rushmore.

Da mesma forma, quando olhamos para a primeira vida unicelular, o princípio da uniformidade nos diz que somente uma causa inteligente poderia reunir o equivalente a mil enciclopédias. Nunca se observou as leis naturais criando uma mensagem simples como “Beba Coca-Cola”, muito menos uma mensagem do tamanho de mil enciclopédias.

Por que então os darwinistas chegam à conclusão de que a primeira vida foi gerada espontaneamente com base em elementos químicos inanimados sem intervenção inteligente alguma? A geração espontânea da vida nunca foi observada. Desde que Pasteur esterilizou um frasco de vidro, uma das mais fundamentais observações em toda a ciência tem sido a de que a vida surge apenas com base em uma vida similar existente. Os cientistas foram incapazes de combinar elementos químicos num tubo de ensaio e chegar a uma molécula de DNA, quanto mais produzirem vida.[4] De fato, todos os experimentos planejados para gerar vida espontaneamente — incluindo o agora desacreditado experimento de Urey-Miller — não apenas fracassaram, como sofrem de aplicação inválida de inteligência.[5] Em outras palavras, cientistas planejaram experimentos com inteligência e, ainda assim, não conseguiram fazer aquilo que nos dizem que as leis naturais fizeram ao acaso. Por que deveríamos acreditar que um processo aleatório pode fazer aquilo que brilhantes cientistas não puderam? E mesmo que os cientistas terminassem criando vida em laboratório, isso provaria a criação. Por quê? Porque seus esforços mostrariam que é necessário haver muita inteligência para criar a vida.

Será que os darwinistas insistem na geração espontânea simplesmente porque eles não vêem evidências para o projeto? De forma alguma. De fato, exatamente o oposto é verdadeiro — eles vêm as evidências claramente! Richard Dawkins, por exemplo, deu ao seu livro o nome de O relojoeiro cego em resposta ao argumento do projeto de William Paley, citado no capítulo anterior deste livro. A aparência do projeto na vida é admitida na primeira página de O relojoeiro cego. Dawkins escreve: “A biologia é o estudo de coisas complicadas que dão a aparência de terem sido planejadas com um propósito”.[6] Duas páginas adiante, apesar de reconhecer “a intrincada arquitetura e a engenharia de precisão” na vida humana em cada uma dos trilhões de células dentro do corpo humano, Dawkins nega de modo peremptório que a vida humana ou qualquer outra tenha sido projetada. Aparentemente Dawkins recusa-se a permitir que a observação interfira em suas conclusões. Isso é muito estranho para um homem que acredita na supremacia da ciência, a qual deve ser baseada na observação.

Francis Crick, o co-descobridor do DNA e apaixonado darwinista, concorda com Dawkins sobre a aparência do projeto. De fato, a aparência do projeto é tão clara que adverte que “os biólogos devem sempre ter em mente que aquilo que vêem não foi planejado, mas que evoluiu”.[7] A pequena nota de Crick aos biólogos levou Phillip Johnson, escritor e líder do movimento chamado projeto inteligente [PI] a escrever: “Os biólogos darwinistas devem ficar repetindo esse lembrete a si mesmos porque, de outro modo, vão ter consciência da realidade que os está olhando bem nos olhos e tentando chamar sua atenção”.[8]

A complexidade do DNA não é o único problema para os darwinistas. Sua origem também é um problema. Existe um dilema semelhante ao do ovo e da galinha porque o DNA depende de proteína para sua produção, mas as proteínas dependem do DNA para a sua produção. Assim, quem veio primeiro, as proteínas ou o DNA? Qual dos dois precisava existir para que o outro fosse formado?

Então, por que Crick, Dawkins e outros em seu campo ignoram as claras implicações da evidência que os está olhando bem nos olhos? Porque sua ideologia preconcebida — o naturalismo — os impede até mesmo de considerar uma causa inteligente. Como estamos prestes a ver, isso é ciência ruim e leva a conclusões erradas.

 

BOA CIÊNCIA VERSUS CIÊNCIA RUIM

É crença comum que o chamado debate criação-evolução (hoje em dia freqüentemente designado debate do projeto inteligente versus naturalismo) está vinculado a uma guerra entre religião e ciência, entre a Bíblia e a ciência, ou entre fé e razão. Essa percepção é perpetuada pela mídia, que, coerentemente, apresenta o debate nos termos do filme O vento será tua herança (Inherit the Wind), de 1960, uma ficção da “experiência do macaco” de John Scopes, de 1925. Você conhece essa descrição. Ela é basicamente assim: aí vêm aqueles religiosos fundamentalistas malucos outra vez, querendo impor sua religião dogmática e ignorando a ciência objetiva.

A verdade é que não existe nada mais distante da verdade. O debate entre a criação e a evolução não é sobre religião versus ciência ou sobre a Bíblia versus a ciência — é sobre boa ciência e ciência ruim. Do mesmo modo, não é sobre fé versus razão — é sobre fé racional em oposição a fé irracional. Você pode ficar surpreso ao descobrir quem está praticando ciência ruim, bem como uma fé irracional.

Como mencionamos, a ciência é uma busca pelas causas. Logicamente existem apenas dois tipos de causas: inteligente e não inteligente (i.e., natural). O Grand Canyon teve uma causa natural, e o monte Rushmore teve uma causa inteligente (v. figo 5.1). Infelizmente, na questão da primeira vida, darwinistas como Dawkins e Crick descartam as causas inteligentes antes mesmo de olharem para as evidências. Em outras palavras, suas conclusões são influenciadas pelas suas pressuposições. A geração espontânea por meio das leis naturais tem de ser a causa da vida porque eles não consideram nenhuma outra opção ..

 

DOIS TIPOS DE CAUSAS

Inteligente

Natural

   

Monte Rushmore

Grand Canyon

Figura 5.1

 

A geração espontânea é o que os críticos da evolução chamam história do “é porque é”. Os evolucionistas não dão nenhuma evidência que apóie a geração espontânea. Ela não é apoiada pela observação empírica ou pelos princípios científicos da criminalística. É assim “porque é”, porque a vida existe, e, uma vez que as causas inteligentes são previamente eliminadas, não pode haver nenhuma outra explicação possível.

Isso é um imenso problema para o darwinismo. O bioquímico Klaus Dose admite que mais de 30 anos de pesquisa sobre a origem da vida levaram “a uma melhor percepção da imensidão do problema da origem da vida na Terra, em vez da solução. Atualmente todas as discussões sobre teorias e experimentos de princípios nessa área terminam em impasse ou em uma confissão de ignorância”.[9] Francis Crick lamenta: “Toda vez que escrevo um trabalho sobre a origem da vida, juro que nunca mais escreverei outro, porque existe um excesso de especulação correndo atrás de muito poucos fatos”.[10]

A evidência em favor da inteligência e contra o naturalismo é tão forte que proeminentes evolucionistas chegaram até mesmo a sugerir que seres extraterrestres depositaram a primeira vida aqui. Fred Hoyle (o mesmo evolucionista que popularizou a teoria do estado estático que discutimos no capo 3) inventou essa teoria incomum (chamada de panspermia, ou “sementes de todos os lugares”) depois de descobrir que a probabilidade de a vida ter surgido por geração espontânea era efetivamente zero (é claro que a panspermia não resolve o problema, mas simplesmente coloca outra questão: quem criou os extraterrestres inteligentes?).

Por mais louca que possa parecer essa teoria, pelo menos os defensores da panspermia reconhecem que algum tipo de inteligência deve estar por trás da fantástica maravilha que chamamos vida. Fica fácil entender a incrível complexidade da vida mais simples quando vemos os principais evolucionistas recorrendo a extraterrestres para explicar a origem da vida.

Chandra Wickramasinghe, outro defensor da panspermia, admite que os darwinistas estão agindo com fé cega no que se refere à geração espontânea. Ele observa:

“O surgimento da vida tomando como base uma sopa primordial na Terra é meramente um artigo de fé que os cientistas estão tendo dificuldades de espalhar. Não existe comprovação experimental para apoiar isso atualmente. A verdade é que todas as tentativas de criar vida com base em algo não vivo, começando com Pasteur, não tiveram sucesso”.[11]

 

O microbiologista Michael Denton, embora ateu, acrescenta: ”A complexidade do tipo mais simples de célula é tão grande que é impossível aceitar que tal objeto possa ter sido reunido repentinamente por algum tipo de acontecimento caprichoso ou altamente improvável. Tal ocorrência seria indistinguível de um milagre”. [12]

À luz das explicações do tipo “é porque é”, tal como a geração espontânea e a panspermia, quem você acha que está praticando ciência ruim: as pessoas zombeteiramente chamadas de “religiosas” (os teístas/criacionistas) ou os “iluminados” (os ateus/darwinistas) que são, na verdade, tão religiosos quanto os “religiosos”? O físico e cientista da informação Hubert Yockey percebe que são os darwinistas. Ele escreve: ”A crença de que a vida na Terra surgiu espontaneamente com base em uma matéria inanimada é simplesmente uma questão de fé num reducionismo profundo e está baseada inteiramente em ideologia”.[13]

Yockey está certo. Os darwinistas acreditam falsamente que podem reduzir a vida a seus componentes químicos inanimados. Essa é a ideologia do reducionismo. Para darwinistas como Dawkins e Crick — que precisam acreditar que somente o material existe (e não o imaterial) -, a vida não pode ser nada mais do que elementos químicos. Mas a vida é claramente mais do que elementos químicos. A vida contém uma mensagem — o DNA — que é expressa por meio dos elementos químicos, mas esses elementos químicos não podem criar uma mensagem, do mesmo modo que os elementos químicos da tinta e do papel não podem fazer surgir as frases contidas nesta página. Uma mensagem aponta para alguma coisa além dos elementos químicos. A mensagem da vida, assim como a desta página, aponta para uma inteligência muito além dos elementos químicos (percebemos que a vida é certamente mais do que elementos químicos com uma mensagem, mas o ponto-chave é que ela certamente não é menos que isso).

Assim, mediante uma obediência cega à sua ideologia naturalista e reducionista — que vai contra toda observação e razão — os darwinistas afirmam dogmaticamente que a vida surgiu espontaneamente com base em elementos químicos inanimados. Ironicamente é exatamente disso que os darwinistas há muito tempo acusam os criacionistas de estarem fazendo: permitir que sua ideologia sobreponha-se à observação e à razão. Na verdade, são os darwinistas que estão permitindo que sua fé controle a observação e a razão. Os criacionistas e os defensores do projeto inteligente estão apenas fazendo uma inferência racional das evidências. Eles estão seguindo a evidência exatamente na direção para onde ela leva: de volta a uma causa inteligente.

Yockey não é o único que está enfatizando que os darwinistas têm um viés filosófico contra as causas inteligentes. Phillip E. Johnson serve como fio afiado de uma cunha metálica que agora está dividindo a madeira petrificada do naturalismo na comunidade científica. Ele destaca corretamente que “o darwinismo é baseado num comprometimento a priori com o materialismo, e não numa avaliação filosoficamente neutra da evidência. Separe a filosofia da ciência, e a torre soberba desabará” .[14]

E não são apenas os críticos da evolução que vêem esse viés. Darwinistas de destaque também o admitem. O fato é que o próprio Dawkins reconheceu o viés ao responder a uma pergunta enviada por Phillip Johnson por e-mail: “[Nosso] comprometimento filosófico com o materialismo e o reducionismo é verdadeiro”, escreveu Oawkins, “mas eu preferiria caracterizá-lo como um comprometimento filosófico com uma explicação real, em oposição a uma completa falta de explicação, que é aquilo a que você se apega”. [15] (Dawkins pode achar que tem uma “explicação real”, mas, como vimos, sua explicação vai contra todas as evidências da observação e da criminalística).

Se Richard Dawkins torna pública a admissão de um viés, o darwinista Richard Lewontin, da Universidade de Harvard, derrama uma confissão completa por escrito. Veja de que maneira Lewontin reconhece que os darwinistas aceitam histórias absurdas do tipo “é porque é”, que são contra o bom senso, em função de seu compromisso prévio com o materialismo:

Nossa disposição de aceitar afirmações científicas que são contra o bom senso são a chave para uma compreensão da verdadeira luta entre a ciência e o sobrenatural. Assumimos o lado da ciência, a despeito do patente absurdo de alguns de seus constructos, a despeito de sua falha em cumprir muitas de suas promessas extravagantes de saúde e vida, a despeito da tolerância da comunidade científica pelas histórias do tipo “é porque é”, porque nos comprometemos previamente com o materialismo. Não é que os métodos e as instituições científicas de alguma maneira tenham nos compelido a aceitar uma explicação materialista de um mundo fenomenal, mas, pelo contrário, nós é que somos forçados, por nossa própria aderência a priori às causas materiais, a criar um aparato de investigação e um conjunto de conceitos que produzam as explicações materialistas, independentemente de quão contra-intuitivas e mistificadoras possam ser para o não iniciado. Além do mais, esse materialismo é absoluto, pois não podemos permitir a entrada de nada que seja divino. [16]

 

Agora toda a verdade revela-se. Não é que as evidências apóiem o darwinismo.

A verdade é que, de acordo com Lewontin e o nosso bom senso, as explicações darwinistas são “contra-intuitivas”. A verdade real é que os darwinistas definiram ciência de tal maneira que a única resposta possível seja o darwinismo. Qualquer outra definição, seria permitir que Deus “passasse o pé pela porta’!

No capítulo seguinte, vamos investigar as possíveis motivações para manter Deus do lado de fora. Por ora, o resumo é o seguinte: o acontecimento exigido para fazer decolar a teoria ateísta da macroevolução — a geração espontânea da primeira vida — é crido por causa de falsas suposições filosóficas disfarçadas de ciência, e não porque haja legítimas observações científicas que apóiem a geração espontânea. Falsa ciência é ciência ruim, e são os darwinistas que a estão praticando. Sua crença na geração espontânea resulta de sua fé cega no naturalismo. É preciso uma enorme quantidade de fé para acreditar que a primeira criatura unicelular tenha se formado pelas leis naturais, porque isso é como acreditar que mil enciclopédias surgiram com base em uma explosão numa gráfica! Os ateus não podem nem mesmo explicar a origem da gráfica, quanto mais das mil enciclopédias. Portanto, nós não temos fé suficiente para sermos ateus.

 

DÊ UM TEMPO E UMA CHANCE PARA O ACASO!

“Não tão rápido!”, dizem os darwinistas. “Você desprezou o tempo e o acaso como explicações plausíveis para a maneira pela qual a vida foi gerada espontaneamente.”

Dê mais tempo ao tempo!

Os darwinistas desprezam a conclusão de que a inteligência é imprescindível para a existência da primeira vida, sugerindo que mais tempo permitiria que as leis naturais fizessem seu trabalho. Dê-lhes vários bilhões de anos, e, por fim, teremos vida. Isso é plausível?

Voltemos por um instante ao monte Rushmore. Os darwinistas afirmam que a ciência é baseada na observação e na repetição. Tudo bem. Suponhamos que vamos observar e repetir um experimento no qual permitimos que as leis naturais trabalhem nas pedras nos próximos dez anos. O resultado seria os rostos no monte Rushmore? Nunca.

Pode-se dizer que talvez as leis naturais conseguissem fazer isso se lhes déssemos alguns bilhões de anos. Não, elas não conseguiriam. Por quê? Porque, em vez de organizar, a natureza desordena as coisas (o fato de que a natureza leva as coisas à desordem é outro aspecto da segunda lei da termodinâmica). Mais tempo só vai fazer as coisas piorarem para os darwinistas, não melhorarem. Como assim?

Vamos supor que você jogue confete branco, vermelho e azul de um avião que esteja voando a 300 metros acima da sua casa. Quais são as chances de eles formarem a bandeira norte-americana no gramado da sua casa? Muito pequenas. Por quê? Porque as leis da natureza vão misturar ou escolher a esmo os confetes. Você diz: “Dê-lhe mais tempo”. Tudo bem, vamos levar o avião a 3 mil metros e dar mais tempo às leis naturais para trabalharem no confete. Isso melhora a probabilidade de que uma bandeira seja formada no seu quintal? Não. Na verdade, um tempo maior faz a formação da bandeira ser ainda menos provável, porque as leis naturais terão mais tempo para fazer o que elas fazem: desorganizar e misturar.

Qual é a diferença em relação à origem da primeira vida? Os darwinistas podem dizer que a segunda lei da termodinâmica não se aplica continuamente aos sistemas vivos. Além do mais, coisas vivas crescem e ficam mais ordenadas.

Sim, elas crescem e ficam mais ordenadas, mas elas perdem energia no processo de crescimento. O alimento que entra num sistema vivo não é processado com 100% de eficiência. Assim, a segunda lei também se aplica aos sistemas vivos. Mas essa não é a questão. A questão é: não estamos falando sobre o que alguma coisa pode fazer uma vez que esteja viva; estamos falando em primeiro lugar sobre como obter uma coisa viva. Como a vida surgiu com base em elementos químicos inanimados, sem uma intervenção inteligente, uma vez que os elementos químicos inanimados são suscetíveis à segunda lei da termo dinâmica? Os darwinistas não têm uma resposta, mas apenas fé.

 

Dê uma chance ao acaso!

 

Será possível explicar a incrível complexidade específica da vida por meio do acaso? De jeito algum! Tanto ateus quanto teístas calcularam a probabilidade de a vida ter surgido por acaso com base em elementos químicos inanimados. Os números calculados são astronomicamente pequenos -— virtualmente zero. Michael Behe, por exemplo, disse que a probabilidade de se obter ao acaso uma molécula de proteína (que tem cerca de cem aminoácidos) seria semelhante a um homem de olhos vendados encontrar um grão de areia específico na areia do deserto do Saara por três vezes consecutivas. E uma molécula de proteína não é vida. Para obter vida, você precisaria colocar cerca de 200 dessas moléculas juntas! [17]

Essa probabilidade é praticamente igual a zero. Mas acreditamos que a probabilidade é verdadeiramente zero. Por que zero? Porque “o acaso” não é uma causa. O acaso é uma palavra que usamos para descrever possibilidades matemáticas. Ele não tem poder em si próprio. O acaso não é nada. O acaso é aquilo com que as rochas sonham.

Se alguém gira uma moeda, qual é a chance de ela parar com a cara para cima? Nós dizemos que é de 50%. Sim, mas qual é a causa de ela parar com a cara para cima? É o acaso? Não, a causa principal é um ser inteligente que decidiu rodar aquela moeda e aplicar alguma força para fazer isso. As causas secundárias, como as forças físicas do vento e da gravidade, também causam impacto no resultado desse lance. Se conhecêssemos todas essas variáveis, poderíamos calcular antecipadamente qual seria a face que ficaria para o lado de cima. Mas uma vez que não conhecemos todas essas variáveis, usamos a palavra “acaso” para encobrir nossa ignorância.

Não deveríamos permitir que os ateus encobrissem sua ignorância com a  palavra “acaso”. Se eles não conhecem um mecanismo natural por meio do qual a primeira vida possa ter vindo a existir, então deveriam admitir que não sabem, em vez de sugerirem uma palavra sem poder que, naturalmente, não é de modo algum uma causa. ”Acaso” é simplesmente outro exemplo da ciência ruim praticada pelos darwinistas.

 

A CIÊNCIA É ESCRAVA DA FILOSOFIA

Infelizmente os darwinistas têm sido bem-sucedidos em convencer o público de que ciência ruim é apenas aquela que discorda do darwinismo (e que, na verdade, não é ciência de modo algum, dizem eles — é apenas religião disfarçada de ciência). O fato é que o oposto é o verdadeiro. São os darwinistas que estão praticando ciência ruim, porque sua ciência está construída em cima de uma filosofia falsa. Com efeito, é a sua religião secular do naturalismo que os leva a ignorar a comprovação científica empiricamente detectável do projeto.

Que lições podem ser aprendidas da ciência ruim dos darwinistas? Para responder a isso, vamos dar uma olhada no debate que citamos no capítulo 3, entre William Lane Craig, cristão, e o darwinista Peter Atkins. [18] Lembre-se que o debate era sobre a existência de Deus. Em certo ponto, Atkins argumentou que Deus não era necessário, porque a ciência podia explicar tudo.

— Não há necessidade de Deus — declarou Atkins. — Qualquer coisa no mundo pode ser compreendida sem necessariamente se evocar um Deus. Você precisa aceitar que é possível ter uma visão assim em relação ao mundo.

— Certamente isso é possível— admitiu Craig. — Mas … — [interrompendo] Você nega que a ciência pode ser responsável por todas  as coisas? — desafiou Atkins.

— Sim, eu realmente nego que a ciência possa ser a responsável por todas as coisas — disse Craig.

— Então, por quais coisas ela não pode ser responsável? -Atkins exigiu saber.

Veterano de muitos debates, Craig estava pronto para dar uma resposta multifacetada.

— Creio que existe um grande número de coisas que não podem ser cientificamente provadas, mas que é racional aceitar — disse ele. Craig citou então aqueles cinco exemplos de crenças irracionais que não podem ser provadas pela ciência:

 

  1. matemática e lógica (a ciência não pode prová-las porque a ciência as toma como pressupostos);
  2. verdades metafísicas (como, por exemplo, a existência de outras mentes além da minha própria);
  3. julgamentos éticos (você não pode provar pela ciência que os nazistas eram maus porque a moralidade não está sujeita ao método científico);
  4. julgamentos estéticos (o belo, assim como o bom, não pode ser cientificamente provado); e, ironicamente,
  5. a própria ciência em si (a crença de que o método científico descobre a verdade não pode ser provada pelo próprio método científico; veremos mais sobre isso adiante).

 

(Logo após essa bateria de exemplos refutando a visão de Atkins, o moderador William F. Buckley Jr. não conseguiu esconder o prazer obtido pela resposta de Craig. Ele olhou para Atkins e jogou esta frase: ”Agora coloque isso em seu cachimbo e fume!”).

Craig estava cerro. O método científico de procurar as causas pela observação e pela repetição nada mais é do que um meio de se encontrar a verdade. Ele não é o único meio de se encontrar a verdade. Como vimos no capítulo 1, as leis não científicas (filosóficas) — como as leis da lógica — também nos ajudam a descobrir a verdade. De fato, essas leis são usadas pelo método científico!

Além do mais, a afirmação de Atkins de que a ciência pode ser responsável por tudo não é falsa apenas por causa dos cinco contra-exemplos que Craig citou; ela também é falsa porque é falsa em si mesma. Com efeito, Atkins estava dizendo: ”A ciência é a única fonte objetiva de verdade”. Se testarmos essa afirmação usando a tática do Papa-léguas, citada no capítulo 1, veremos que ela é falsa em si mesma e, portanto, falsa. A afirmação ”A ciência é a única fonte de verdade objetiva” coloca-se como uma verdade objetiva, mas não é uma verdade científica. A afirmação é filosófica em sua natureza — ela não pode ser provada pela ciência — e, assim, se autodestrói.

Isso provavelmente nos leva à maior lição que podemos aprender da ciência ruim dos darwinistas: a ciência é construída em cima da filosofia. Na verdade, a ciência é uma escrava da filosofia. A má filosofia resulta em má ciência, e a boa ciência exige uma boa filosofia. Por quê? Porque:

 

  1. Não se pode fazer ciência sem filosofia. Pressupostos filosóficos são utilizados na busca pelas causas e, portanto, não podem ser o resultado delas. Por exemplo: os cientistas presumem “pela fé” que a razão e o método científico permitem que compreendamos com precisão o mundo ao nosso redor. Isso não pode ser provado pela própria ciência. Você não pode provar as ferramentas da ciência — a lei da lógica, a lei da causalidade, o princípio da uniformidade ou a confiabilidade da observação — executando algum tipo de experimento. Você precisa pressupor que aquelas coisas são verdadeiras para poder realizar o experimento! Desse modo, a ciência está construída em cima da filosofia. Infelizmente muitos assim chamados cientistas são na verdade filósofos muito ruins.
  2. Pressuposições filosóficas podem impactar dramaticamente as conclusões científicas. Se um cientista presume de antemão que apenas as causas naturais são possíveis, então provavelmente nenhuma quantidade de evidências vai convencê-lo de que a inteligência criou a primeira ameba unicelular ou qualquer outro tipo de entidade. Quando os darwinistas pressupõem que causas inteligentes são impossíveis, então só restam as leis naturais em cima da mesa. Do mesmo modo, se um criacionista exclui de antemão as causas naturais (e não conhecemos muitos que façam isso), ele também se arrisca a não encontrar a resposta correta. Mas um cientista de mente aberta tanto às causas naturais quanto às inteligentes pode seguir a evidência para onde ela o levar.
  3. Na verdade, a ciência não diz nada — os cientistas é que dizem. Os dados são sempre interpretados pelos cientistas. Quando aqueles cientistas deixam suas preferências pessoais ou pressuposições filosóficas não provadas ditarem a sua interpretação da evidência, fazem exatamente aquilo de que as pessoas religiosas são acusadas: deixam sua ideologia ditar suas conclusões. Quando isso acontece, suas conclusões devem ser questionadas porque elas podem ser nada mais do que pressuposições filosóficas passadas adiante como se fossem fatos científicos.

 

O MATERIALISMO TORNA A RAZÃO IMPOSSÍVEL

Quando você chega à raiz do problema, descobre que a ciência ruim dos darwinistas resulta da filosofia falsa do naturalismo e do materialismo que está no fundamento de sua visão de mundo. Por que o materialismo é falso? Vejamos cinco razões pelas quais o materialismo não é plausível.

Em primeiro lugar, como já destacamos, existe uma mensagem residente na vida, tecnicamente chamada de complexidade específica, que não pode ser explicada materialmente. Essa mensagem não pode ser explicada por leis naturais não inteligentes, do mesmo modo que a mensagem deste livro não pode ser explicada por leis não inteligentes de tinta e papel.

Em segundo lugar, pensamentos e teorias humanos não são compostos apenas de coisas materiais. Os elementos químicos certamente estão envolvidos no processo do pensamento humano, mas eles não podem explicar todos os pensamentos humanos. A teoria do materialismo não é feita de moléculas. Do mesmo modo, os pensamentos de uma pessoa, de amor ou de ódio, não são elementos químicos. Quanto pesa o amor? Qual é a composição química do ódio? Essas são perguntas absurdas porque os pensamentos, as convicções e as emoções não são completamente baseadas no material. Uma vez que elas não são completamente baseadas no material, o materialismo é falso.

Em terceiro lugar, se a vida não fosse nada além de coisas materiais, então seríamos capazes de pegar todos os materiais da vida — que são os mesmos materiais encontrados no lixo — e criar um ser vivo. Não podemos fazer isso. Certamente existe na vida alguma coisa além do material. Que materialista pode explicar por que um corpo está vivo e o outro está morto? Ambos contêm os mesmos elementos químicos. Por que um corpo está vivo num minuto e morre no minuto seguinte? Que combinação de materiais pode ser responsável pela consciência? Até mesmo Atkins, em seu debate com Craig, admitiu que explicar a consciência é um grande problema para os ateus.

Em quarto lugar, se o materialismo fosse verdadeiro, então todas as pessoas, em toda a história da humanidade, que já tiveram algum tipo de experiência espiritual foram completamente mal interpretadas. Embora isso seja possível, em vista do grande número de experiências espirituais, não parece provável. É difícil acreditar que todo grande líder e pensador espiritual da história da humanidade — incluindo algumas das mentes mais racionais, científicas e críticas que já existiram — estava completamente errado sobre sua experiência espiritual. Isso inclui Abraão, Moisés, Isaías, Kepler, Newton, Pascal e o próprio Jesus Cristo. Se apenas uma experiência espiritual em toda a história do mundo for verdadeira, então o materialismo é falso.

Por último, se o materialismo é verdadeiro, então a própria razão é impossível. Se os processos mentais nada mais são do que reações químicas no cérebro, então não há razão para acreditar que qualquer coisa seja verdadeira (incluindo a teoria do materialismo). Os elementos químicos não podem avaliar se uma teoria é falsa ou não. Os elementos químicos não raciocinam, apenas reagem.

Isso é extremamente irônico, porque os darwinistas — que se colocam como defensores da verdade e da razão — tornaram a verdade e a razão coisas impossíveis por meio de sua teoria do materialismo. Assim, até mesmo quando os darwinistas estão certos sobre alguma coisa, sua visão de mundo não nos dá nenhuma razão para acreditar neles — a própria razão é impossível em um  mundo governado pelos elementos químicos e pelas forças físicas.

Não apenas a razão é impossível num mundo darwinista, mas a afirmação darwinista de que deveríamos confiar apenas na razão não pode ser justificada. Por que não? Porque a razão exige fé. Jay Budziszewski assevera: “O mote ‘apenas a razão!’ é completamente sem sentido. A própria razão pressupõe fé. Por quê? Porque uma defesa da razão pela razão é circular e, portanto, sem valor. Nossa única garantia de que a razão humana funciona é Deus que a fez”[19]

Vamos apresentar o ponto levantado por Budziszewski por meio da consideração da fonte da razão. Nossa capacidade de raciocinar pode vir apenas de um de dois lugares possíveis: ou a nossa capacidade de raciocinar surgiu com base em uma inteligência preexistente ou surgiu baseando-se em uma matéria inanimada. Os ateus/darwinistas/materialistas crêem, pela fé, que nossa mente surgiu de matéria inanimada e sem nenhuma intervenção inteligente. Dizemos que isso é pela fé porque tal afirmação contradiz toda observação científica, a qual demonstra que o efeito não pode ser maior do que sua causa. Você não pode dar aquilo que não recebeu, mas os materialistas acreditam que matéria morta e não inteligente produziu vida inteligente. É como acreditar que a Biblioteca do Congresso norte-americano resultou de uma explosão numa gráfica!

Faz muito mais sentido acreditar que a mente humana é feita à imagem de uma Grande Mente — Deus. Em outras palavras, nossa mente pode aprender a verdade e pode raciocinar sobre a realidade porque ela foi criada pelo Arquiteto da verdade, da realidade e da própria razão. O materialismo não pode explicar a razão, assim como não pode explicar a vida. O materialismo simplesmente não é racional. Portanto, não temos fé suficiente para sermos materialistas!

 

O ATEU VERSUS O CONSULTOR DE PENSAMENTO CRÍTICO

O próprio fato de os darwinistas acharem que têm razões para seu ateísmo pressupõe a existência de Deus. Como assim? Porque as razões exigem que o Universo seja razoável, ou seja, que exige lógica, ordem, planejamento e verdade. Mas a ordem, a lógica, o planejamento e a verdade somente podem existir e serem conhecidos se existir uma fonte-padrão objetiva e imutável para tais coisas. Para dizer que uma coisa não éplausível, os darwinistas precisam conhecer alguma coisa que seja o oposto disso. Para dizer que uma coisa não foi planejada, os darwinistas precisam conhecer algo que tenha sido planejado. Para dizer que uma coisa não éverdadeira, os darwinistas precisam conhecer o que é a verdade, e assim por diante. Tal como as visões de mundo não teístas, o darwinismo apropria-se da visão de mundo teísta com o objetivo de fazer sua própria visão ser inteligível.

Essa tendência de os ateus apropriarem-se não intencionalmente da visão de mundo teísta foi maravilhosamente exposta pelo escritor Pete Bocchino [20] durante uma reunião para a definição do currículo do Departamento de Educação do Estado norte-americano da Geórgia. Pete — que na época estava trabalhando para um ministério cristão conhecido internacionalmente — foi severamente criticado por estar numa subcomissão para revisar e melhorar o currículo da escola pública da sexta série até a última série do ensino médio em assuntos como o governo norte-americano, a lei, a ética e o treinamento do caráter.

A primeira de uma série de reuniões que se estenderam por uma semana aconteceu numa grande sala onde todos os membros da subcomissão tiveram a oportunidade de apresentar-se. Pete, que ficara preso no trânsito, chegou atrasado, perdeu as apresentações e foi dirigindo-se ao seu assento assim que chegou. Quando o presidente da subcomissão viu Pete caminhando, informou que eles já haviam se apresentado e pediu que Pete fizesse a mesma coisa, dizendo seu nome, sua experiência e sua ocupação. Pete falou seu nome e disse que era formado em engenharia mecânica. Pete pensou consigo mesmo: “Certamente não quero trazer o cristianismo para a mesa dizendo que estou trabalhando para um ministério cristão internacional”. Assim, evasivamente, disse:

— Estou trabalhando atualmente para uma organização sem fins lucrativos como consultor de pensamento crítico.

O presidente disse: — Um o quê?!

— Consultor de pensamento crítico — repetiu Pete.

— O que exatamente faz um consultor de pensamento crítico? — insistiu o presidente.

— Bem, já estamos atrasados e eu não desejo tomar o tempo do comitê arrazoou Pete — mas você vai descobrir durante a semana.

Conforme a semana foi passando, o comitê debateu vários tópicos, tais como diversidade, tolerância, direitos humanos e outras questões controversas. Em um certo momento, quando estavam discutindo os padrões da psicologia, Pete verificou que os padrões não possuíam uma definição de pessoalidade. Isso era uma grande falha no currículo de psicologia. Desse modo, Pete apresentou o seguinte modelo, baseado numa seção do livroHaves Without Have-nots [Direitos e deveres], de Mortimer Adler. [21]

Curso: Psicologia/Tópico: singularidade.

Padrão: Avalia a singularidade da natureza humana e o conceito de pessoal idade.

  1. Intelecto/pensamento conceitual;
  2. Liberdade de escolher/livre-arbítrio;
  3. Responsabilidade ética (padrões);
  4. Responsabilidade moral (obrigações);
  5. Direitos inalienáveis da pessoa.

 

Assim que esse modelo foi apresentado, uma educadora sentada ao lado de Pete — que deixou claro que era ateísta — estava prestes a desafiar o modelo. Antes que pudesse fazer isso, Pete interrompeu-a e disse ao grupo:

Se alguém for discordar desse modelo, estará fazendo o seguinte:

  1. Essa pessoa estaria me colocando numa discussão conceitual (como no nº 1 acima).
  2. Essa pessoa estaria exercendo sua “liberdade” de fazer isso (como no nº 2).
  3. Essa pessoa deve pensar que existe uma responsabilidade ética de ensinar aquilo que é certo/verdadeiro (como no nº 3).
  4. Essa pessoa está procurando tornar-me moralmente condicionado a ensinar a verdade (como no nº 4).
  5. Essa pessoa tem o direito de discordar da minha posição (como no nº 5).

Portanto, se alguém quiser discordar desses critérios, esse alguém está, na verdade, confirmando a validade de cada ponto desse critério.

O grupo ficou calado por alguns instantes. Então, o presidente falou:

— Agora sabemos o que faz um consultor de pensamento crítico! Juntamente com essa declaração, ele instruiu o secretário da subcomissão a incluir o padrão nas recomendações.

Com um pouco de pensamento crítico, nós vemos que a visão de mundo dos darwinistas desaba não apenas com base na falta de evidência, mas também porque os darwinistas precisam se apoiar na visão de mundo teísta quando tentam defender suas idéias. O intelecto, o livre-arbítrio, a moralidade objetiva e os direitos humanos, assim como a razão, a lógica, o projeto e a verdade só podem existir se Deus existir. Contudo, os darwinistas pressupõem algumas ou todas essas realidades quando defendem sua visão de mundo ateísta. Eles não podem ser as duas coisas.

 

OS DARWINISTAS POSSUEM A TAMPA ERRADA DA CAIXA

Na introdução, dissemos que uma visão de mundo é como a tampa de uma caixa que permite que você forme um quadro completo e coeso com as muitas partes do quebra-cabeça da vida. Se você tiver a tampa correta da caixa, então as peças farão sentido à luz do quadro completo.

Mas o que acontece na hipótese de haver peças que não se encaixam no desenho estampado na tampa da caixa que você tem? O bom senso lhe diria que você tem a tampa errada da caixa, de modo que precisa procurar pela certa. Infelizmente os darwinistas não farão isso. As evidências indicam claramente que eles têm a tampa errada, mas recusam-se a considerar até mesmo que isso seja possível (quanto menos sair procurando a tampa certa). A tampa preconcebida mostra uma figura sem causas inteligentes. Ainda assim, como eles próprios reconhecem, estão descobrindo muitos pedaços do quebra-cabeça que possuem a clara aparência de terem sido planejados com inteligência. Com efeito, estão tentando encaixar peças teístas em seu quebra-cabeça ateu/materialista. Como eles fazem isso?

Em vez de descartar a tampa errada e descobrir onde está a certa, os darwinistas simplesmente insistem em que as peças não são realmente aquilo que aparentam ser. Eles tentam encaixar todas as peças — desde o Universo projetado com precisão até a célula única repleta de informações — em um quebra-cabeça do qual essas peças não fazem parte. Ao fazerem isso, desconsideram a observação, que é a própria essência da ciência empírica que afirmam defender. Como eles mesmos admitem, os darwinistas são filosoficamente comprometidos com sua tampa da caixa, independentemente da aparência das peças daquele quebra-cabeça.

Como se encontra a tampa certa do quebra-cabeça da vida? Achar a tampa certa não é uma questão de preferência (você gosta do ateísmo, eu gosto do teísmo). Não, é uma questão de fatos objetivos. Ao usar os auto-evidentes primeiros princípios da lógica e os princípios corretos da investigação científica, descobrimos nos capítulos 3 e 4 que este é um Universo teísta. Se este é um Universo teísta, então o naturalismo é falso. Se o naturalismo é falso, então é possível que os darwinistas não estejam interpretando corretamente as evidências.

A tampa correta da caixa é importante porque ela dá o contexto adequado para interpretar as evidências. O contexto é o ambiente maior no qual aparecem as evidências. Se você tem o contexto errado, então poderá chegar a conclusões erradas sobre as evidências que está observando. Por exemplo: se eu lhe digo que acabei de testemunhar um homem introduzindo uma faca na barriga de uma mulher, você provavelmente presumiria que o homem fez alguma coisa errada. Mas veja o que acontece quando se revela o contexto — o ambiente — no qual esse incidente aconteceu: estamos na sala de parto de um hospital, o homem era um médico, e o coração do bebê tinha acabado de parar de bater. O que você pensa sobre o homem agora? Uma vez que se entende o ambiente, toda sua visão das evidências é transformada: você agora considera o homem um herói, em vez de um vilão, porque ele estava realmente tentando salvar a vida do bebê.

Do mesmo modo, as evidências da biologia devem ser interpretadas à luz de um ambiente conhecido mais amplo. Como já descobrimos, o ambiente conhecido mais amplo é este Universo teísta. Existe realmente um Ser imaterial, poderoso e inteligente além do mundo natural, que criou o Universo e o planejou com precisão de modo a permitir que a vida existisse neste planeta em que vivemos. Em outras palavras, já sabemos, ainda que passível de dúvida, que o Projetista faz parte da tampa da caixa, porque as evidências mostram que ele já planejou este Universo maravilhoso com incrível complexidade e precisão.

À luz do fato de que esse Projetista existe, quando vemos um sistema biológico que até mesmo darwinistas como Richard Dawkins reconhecem “ter aparência de ter sido planejado com um propósito”, talvez devamos concluir que tais sistemas foram realmente planejados com um propósito. Como destaca William Dembski, “se uma criatura se parece com um cachorro, cheira como um cachorro, late como um cachorro, sente como um cachorro e respira como um cachorro, o peso das evidências cai sobre a pessoa que insiste que a criatura não é um cachorro”. [22] Uma vez que o Universo é criado e planejado, então devemos esperar que a vida seja criada e planejada também (pelo menos é possível que a vida tenha sido criada por uma inteligência. Excluir essa possibilidade de antemão é um procedimento claramente ilegítimo).

Desse modo, a conclusão de que a vida é o produto de um Projetista inteligente faz sentido porque não se trata de uma peça solitária de evidência. Ela é compatível com outras descobertas científicas. Ou, para continuar com a nossa metáfora do quebra-cabeça, é uma peça que se encaixa perfeitamente com as outras peças do quebra-cabeça.

 

RESUMO E CONCLUSÃO

Uma vez que cobrimos vários assuntos neste capítulo, vamos resumi-los em alguns poucos pontos:

  1. A vida não consiste meramente em elementos químicos. Se esse fosse o caso, misturar os elementos químicos da vida num tubo de ensaio produziria vida. A vida consiste claramente em mais do que elementos químicos; ela também inclui a complexidade específica (que vem apenas de uma mente). Portanto, o materialismo é falso (existem inúmeras razões adicionais que provam que o materialismo é falso, incluindo o fato de que a própria razão seria impossível em um Universo materialista).
  2. Não existem leis naturais conhecidas que criam a complexidade específica (informação). Observou-se que apenas a inteligência cria a complexidade específica (e.g., “Leve o lixo para fora — Mamãe”, “Beba Coca-Cola”, monte Rushmore etc.).
  3. A vida mais simples consiste em uma maravilhosa complexidade específica — equivalente a mil conjuntos completos da Enciclopédia Britânica. Einstein disse: “Deus não joga dados com o Universo”.[23] Ele estava certo. Como Phillip Gold disse, “Deus joga caça-palavras!”.[24]
  4. A ciência é uma busca pelas causas que está baseada na filosofia. Existem apenas dois tipos de causas, a inteligente e a natural, mas os darwinistas excluem filosoficamente as causas inteligentes antes mesmo de olharem para as evidências. É por isso que quando os darwinistas olham para aquelas mil enciclopédias — e apesar de observarem e reconhecerem seu óbvio projeto — afirmam que sua causa deve ser natural. Mas se “Leve o lixo para fora — Mamãe” exige uma causa inteligente, então o mesmo acontece com as mil enciclopédias.
  5. A geração espontânea de vida, que o darwinismo exige para que sua teoria tenha início, nunca foi observada. Acredita-se nela pela fé. À luz das decisivas evidências cosmológicas e teleológicas de que este Universo é teísta (e por muitas outras razões), a crença darwinista no naturalismo (ou materialismo) também é um artigo de fé. Conseqüentemente, o darwinismo nada mais é do que uma religião secular disfarçada de ciência.

O cético pode dizer: “Espere um minuto! Você está indo rápido demais. O que o faz achar que o projeto inteligente é científico? Não seria o PI apenas mais um caso da falácia do ‘Deus das lacunas’ — trazendo Deus prematuramente para o centro do assunto porque você ainda não encontrou uma causa natural?

Por que deveríamos desistir de procurar uma causa natural? Na verdade, parece que o PI é simplesmente aquele imenso criacionismo bíblico sendo jogado no debate público com um outro nome. E quanto às evidências da evolução de novas formas de vida que ainda precisam ser mencionadas?”.

Respostas a essas e outras afirmações darwinistas serão dadas no capítulo seguinte. Não apenas abordaremos essas afirmações como também daremos mais peças para o quebra-cabeça que confirmam que os defensores do projeto inteligente, e não os darwinistas, é que possuem a tampa correta da caixa.

 

 

 

[1] Do inglês, deoxyribonucleic acid; em português, ADN [ácido desoxirribonucléico] [N. do E.].

[2] Hubert Yockey, cientista da informação da Universidade da Califórnia em Berkeley, deixa claro que essa comparação entre o alfabeto ocidental (inglês, no original) e o alfabeto genético não é uma analogia, mas uma identificação matemática. Ele escreve: “É importante compreender que não estamos raciocinando por analogia. A hipótese de seqüências aplica-se diretamente à proteína e ao texto genético, bem como à linguagem escrita, e, portanto, o tratamento é matematicamente idêntico”. V. Huberr P. YOCKEY, “Self Organization, Origin-of-life Scenarios and Information Theory”, Journal 01 TheoreticalBiology 91 (1981): 16.

[3] The Blind Watchmaker. New York: Norron, 1987, p. 17-8, 116.

[4] Leia mais sobre os problemas com o experimento Urey-Miller e outras nove desacreditadas “evidências” favoráveis à evolução em Jonathan WELLS, Icons of Evolution: Science or Myth? Why Much of What We Teach About Evolution is Wrong. Washington, D.e.: Regnery, 2000.

[5] Você poderá encontrar uma discussão dos evolucionistas sobre as diversas dificuldades ao sugerir que a vida é um produto da lei natural em Peter W ARO & Donald BROWNLEE, Rare Earth. New York: Copernicus, 2000, capo 4.

[6] Blind Watch maker, p. 1.

[7] Apud Phillip E. JOHNSON. The Wedge of Truth. Downers Grove: InterVarsity Press, 2000, p. 153 [publicado em português pela Editora Ultimato, Ciência, intolerância e fé: a cunha da verdade: rompendo os fundamentos do naturalismo].

[8] “The Origin ofLife: More Questions than Answers”, lnterdisciplinary Science Review 13 (1998): 348;

[9] Apud Lee STROBEL, Em defesa da fé. São Paulo: Vida, 2002, p. 148.

[10] Apud STROBEL, Em defesa da fé, p. 148.

[11] Chandra Wickramasinghe, entrevisrado por Roberr Roy Britt, 27 de outubro de 2000. Disponível on-line em http://www.space.com/searchforlife/chandra_sidebac001027.html (grifo do autor).

[12] Evolution: A Theory in Crisis. Bethesda, Md.: Adler & Adler, 1985, p. 264.

[13] Information Theory and Molecular Biology. Cambridge, New York: Cambridge University Press, 1992, p. 284 (grifo do autor).

[14] “The Unraveling of Scientific Materialism”, First Things (November 1997): 22— 5.

[15] E-mail enviado em 10 de julho de 2001. Todas as mensagens trocadas naquela semana podem ser lidas em http://www.arn.org/docs/pjweekly/pLweekly_010813.htm.

[16] Billions and Billions of Demons”, The New York Review of Books, January 9, 1997, p. 31.

[17] LEE STROBEL, Em defesa da fé, p. 132-6.

[18] Todo o debate está registrado em vídeo e pode ser visto on-line em http://www.leaderu.eom/offices/billcraig/does/craig-atkins.

[19] Written on the Heart: The Case for Natural Law. Downers Grave, m.: InrerVarsity Press, 1997, p.54.

[20] Norman L. GEISLER & Peter BOCCHINO, Fundamentos inabaláveis. São Paulo: Vida, 2003.

História tirada de uma conversa pessoal com Peter Bocchino em 3 de abril de 2003.

[21] Haves Without Have-Nots. New York: Macmillan, 1991.

[22] The Design Revolution: Answering the Toughest Questions About lntelligent Design. Downers Grove, Ill.: InterVarsity Press, 2004.

[23] Albert Einstein, numa carta a Max Bom, 4 de dezembro de 1926, apud Elizabeth KNOWLES, ed. The Oxford Dictionary of Quotations. Oxford: Oxford Universiry Press, 1999, p. 290.

[24] Apud William DEMBSKI & James KUSHINER, eds. Signs of Intelligence. Grand Rapids, Mich.: Baker, 2001, p. 102.

Extraído do livro “Não tenho fé suficiente para ser ateu” – Norman Geisler & Frank Turek