Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


historia dos Hebreus
historia dos Hebreus

                                                   

                                   Historia dos hebreus

 

Em seu sentido moderno, não é um termo que expressa a concepção dos escritores sagrados, que, no entanto, nos deram material de valor inestimável para a sua construção. Os primeiros registros da O.T. são bastante pedigrees da família (תֹּלְדוֹת, gerações), e os Evangelhos e Atos são devidamente memórias e notas pessoais. A).

 

1 É evidente, porém, que o povo hebreu eram uma raça comemorativa; em outras palavras, eles foram dadas a criação e apresentação de memoriais de eventos importantes. Mesmo nos tempos patriarcais, encontramos monumentos criados a fim de comemorar eventos. Jacob (Gênesis 28:18) "criou um pilar" para perpetuar a memória da promessa divina; e que estes monumentos teve uma importância religiosa e sanção surge a partir da afirmação de que "ele derramou azeite em cima do pilar" (ver Gênesis 31:45; Josué 4: 9; 1 Samuel 07:12; Juízes 9: 6). Árvores de vida longa, tais como carvalhos, e do terebinto, foram feitos uso de como remembrancers (Gênesis 35: 4; Josué 24:26). Nomes comemorativas, também, foram dadas a pessoas, lugares e coisas; e desde os primeiros períodos era comum para substituir um novo e descritivo nome para um velho, que pode, em sua origem ter sido demasiado descritivo (Êxodo 2, 10; Gênesis 2, 23; Gênesis 4: 1).

 

Tabelas genealógicas aparecem, além disso, ter tido uma existência muito cedo entre as pessoas de quem a Bíblia fala, que está sendo cuidadosamente preservados primeira Memoriter, depois por escrito, entre os tesouros da família e, assim, transmitidos de geração em geração. Estes, na verdade, como seria de esperar, parecem ter sido os primeiros início da história, um fato que é ilustrado e confirmado pela maneira em que o que devemos chamar de uma narrativa ou esboço histórico é mencionado na Bíblia, isto é, como "o livro da geração" ("de Adam," Gênesis 5, 1): um modo de falar que é aplicado até o relato da criação (Gênesis 2: 4), "Estas são as origens dos céus e a terra, quando foram criados. "As tabelas genealógicas na Bíblia (de modo geral) não são apenas de uma data muito cedo, mas estão livres das misturas de um tipo theogonical e cosmogônica que são encontrados na literatura precoce de outras nações primitivas, usando a aparência de ser, como agora, pelo menos como eles vão, listas verdadeiras e completas de ascendência individual e familiar (Gênesis 5: 1).

Mas talvez o fato mais notável relacionado com este assunto é o emprego da poesia em um período muito cedo para perpetuar o conhecimento de fatos históricos. Mesmo em Gênesis 4:23, no caso de Lameque, encontramos a poesia, assim, empregada, ou seja, pelo bisneto do pai primitivo. Outros exemplos podem ser encontrados em Êxodo 15; Juízes 5; Josué 10:13; 2 Samuel 1:18.

 

2 As fontes da história bíblica são principalmente os próprios livros bíblicos. Qualquer tentativa de corrigir o valor exato dessas fontes em um ponto de vista crítico exigiria um volume em vez de um artigo. Seja qual for a hipótese, no entanto, pode vir a ser realizadas no tocante ao tempo exato em que estes livros, ou qualquer um deles, foram colocados em sua forma real, como também tocar os materiais de que foram formadas, uma coisa parece muito certo, isso (a tome um exemplo) Gênesis, o primeiro livro (provavelmente), contém mais indubitável, bem como fatos históricos mais interessantes; pois, embora a idade, o modo de vida, eo estado da cultura diferem tanto da nossa, não podemos fazer outra coisa senão sentir que é entre homens e mulheres, pais e filhos-seres de paixões que nós, e não com meras criações de fantasia ou fraude, que conversam quando examinar as narrativas que esta composição tem tanto tempo preservadas.

A convicção é muito reforçado nas mentes daqueles que, por conhecimento pessoal com os primeiros escritores profanos, é capaz de comparar suas produções com as dos hebreus, que eram longa anterior, e deve, se tivessem sido de uma origem tão terrena, foram pelo menos tão deformada pela fábula. A simples comparação entre o relato de Gênesis da criação do mundo com as cosmogonias de escritores pagãos, seja hindu, grego ou latim, é suficiente para assegurar ao leitor imparcial que a mais pura, se não a maior influência, presidiu a composição de Gênesis do que de onde procederam as lendas ou as filosofias do paganismo; nem é a conclusão no menor grau enfraquecido em um estudo mais aprofundado de qualquer discrepância que a ciência moderna pode parecer para mostrar entre suas próprias descobertas e as declarações em Gênesis.

A história bíblica, como encontrado em suas fontes bíblicas, tem uma peculiaridade decidido e uma ótima recomendação oi o fato de que podemos traçar na Bíblia de forma mais clara e completa do que em relação a qualquer outra história, os primeiros elementos rudimentares e os primeiros materiais fora de que toda a história deve ser construída.

 

Até que ponto a literatura fornecido na Bíblia pode ser apenas uma relíquia de uma cyclus literária chamada à existência pelas circunstâncias feliz e constituição favorável da grande família Shemitic, mas que pereceu no transcorrer dos séculos, agora é impossível determinar; mas tinha as outras partes deste imaginado literatura sido de valor religioso igual com o que a Bíblia oferece, há pouco risco em afirmar que a humanidade dificilmente teria permitido que ele seja perdido. A Bíblia, no entanto, contém vestígios de que a sua não eram os únicos livros corrente no tempo e país para o qual se refere; para a escrita, escritores e livros são mencionados sem a ênfase e distinção que sempre acompanham as novas descobertas ou posses locais peculiares, e tão comum, bem conhecido, e coisas importa-de-curso. É certo que nós não possuímos todas as obras que foram conhecidos no início dos períodos da história israelita, uma vez que em Números 21:14 lemos que "o livro das guerras do Senhor", e em Josué 10:13, de "O Livro de Jasar." 

Sem a escrita, a história, propriamente dita, não pode ter existência. De acordo com a redação cabeça vamos traçar os primeiros rudimentos e progresso de que a arte importante: aqui nós apenas observar que uma familiaridade com ele estava possuído pelos hebreus, pelo menos, tão cedo quanto o seu êxodo do Egito, fato que mostra, pelo menos, a possibilidade de que a idade dos registros bíblicos, com cerca de mil anos ou mais antes da mais antiga historiador grego Heródoto. 

Outras fontes para, pelo menos, a história bíblica precoce são relativamente de pequeno valor. Josephus foi sobre os mesmos períodos como esses mimos bíblicos de, mas, obviamente, não tinha fontes de conseqüência relativas aos tempos primitivos, que não estão abertos para nós, e no que diz respeito a esses tempos faz pouco mais do que adicionar aqui e ali um pedaço de um matiz lendário ou tradicional, que poderia muito bem ter sido poupado. Sua gregos e romanos predileções e seus objetivos apologéticos diminuir o valor de seu trabalho, enquanto que em relação ao início da história de seu país, ele pode ser considerado em nenhuma outra luz do que uma espécie de intérprete filosófico; nem é, até que ele trata de sua própria idade que ele tem o valor de um (nem mesmo depois de uma imparcial) testemunha ocular independente ou repórter bem informado. Em crítica histórica e conhecimentos linguísticos, foi muito insuficientemente equipados. O uso de ambos Josephus e Philo é muito mais seguro para o estudante do Novo Testamento do que para o expositor da idade. . 

O Talmud e rabinos pagar muito pouca assistência para os primeiros períodos, mas provavelmente pode ser feito para tornar mais serviço em nome dos tempos do Salvador do que tem sido geralmente permitido. As ilustrações; que Lightfoot e Wetstein ter desenhado a partir destas fontes são de grande valor; e Gfrorer, em sua Jahrhundert des Heils (Stuttgart, 1838), fez amplo uso dos materiais que fornecem a fim de desenhar uma imagem do primeiro século, um uso que o autor aprendeu está em: há pequenas dores de justificar. 

As compilações dos médicos judeus, no entanto, requerem a ser empregada com a maior cautela, já que os rabinos eram os depositários, os expositores e os apologistas de que forma corrupta da fé primitiva e das instituições mosaicas, que foi chamado pelo nome distinto do judaísmo, que compreende uma massa heterogênea de coisas falsas e verdadeiras, os colluvies do Oriente, bem como a luz da Bíblia, e que, em grande medida, está sob a condenação expressa do próprio Cristo. 

Como é fácil de propagar fábulas sobre a sua autoridade, e para fazer um desserviço para os registros do Evangelho, podem ser aprendidas a partir do fato de que os escritores mais velhos, em sua confiança indevida da autoridade rabínica, foi tão longe como para afirmar que nenhum galo foi permitido a ser mantido em Jerusalém, porque aves. riscado coisas impuras da terra, embora a autoridade das Escrituras (que, neste caso, eles se recusaram a admitir) é mais explícita e decidiu (Mateus 26:34, Marcos 14:30, Marcos 14:60, Marcos 14:72). No credibilidade. dos rabinos, consulte Ravii Diss. Phil. Theol. de OE quod Fidei merentur, etc, em Oelrich de coleta. Opusc. Hist. Phil. Theol .; Wolf, Bibl. Hebr. 2, 1095; Fabricius, Bibliog. Anti. 1, 3, 4; Brunsmann, Diss. de Judaica (Hafnie, 1705). 

Os autores clássicos trair a ignorância grosseira quase em todos os casos em que eles tratam da origem e história do povo hebreu; e até mesmo os escritores mais sérios e, geralmente, filosóficos cair em erros vulgares e erros inexplicáveis​​, assim que eles falam. sobre o assunto.

O que, por exemplo, pode ser pior do que: o erro ou preconceito de Tácito, sob a influência do que ele declarou que os judeus derivaram a sua origem a partir de Mount Ida, em Creta; que, a conselho de um oráculo que haviam sido expulsos do Egito; e que eles montaram em seu templo em Jerusalém como um objeto de adoração da figura de um jumento, uma vez que um animal da espécie se tinha dirigido no deserto e descoberto para eles uma fonte (Tácito, Hist. 5, 1, 2) . Dion Cassius (37, 17) refere-se fábulas semelhantes. Plutarco (Quaest. Sympos. 4, 5) faz com que os hebreus pagar honras divinas a suína, como seus instrutores na agricultura, e afirma que eles guardavam o sábado ea festa dos Tabemacles em honra de Bacchuse. A coleção destes. deturpações grosseiras, juntamente com uma investigação profunda e bem-sucedida em sua origem, e uma exposição completa de sua falsidade, foi dada pelo Dr. JG Muller, no Theologische Studien und Kritiken (1843, 4: 893)..

 

3 Os filhos do crente Abraão parecem ter tido uma grande obra da Providência que lhes foi confiada, ou seja, o desenvolvimento, transmissão e infusão no mundo do elemento religioso da civilização. Sua história, portanto, é a história da ascensão, o progresso ea difusão da verdadeira religião, considerada em sua origem e seus desdobramentos. Essa história deve possuir interesse grande e peculiar para cada estudante da natureza humana, e por excelência para aqueles que gostam de estudar os desdobramentos da Providência, e vontade de aprender que a maior de todas as artes, a arte de viver ao mesmo tempo para o tempo e para a eternidade. 

A matéria contida na história bíblica é de natureza ampla e mais extensa. Em sua maior extensão e plenitude de significado que se estabelece a partir da criação do mundo até perto do fim do primeiro século de soros Christian, cobrindo assim um espaço de cerca de 4000 anos. Os livros que apresentam esta longa série de detalhes históricos são mais diversificadas idade, em espécie, em execução e em valor; nem raramente é o fato de que o historiador moderno tem de construir a sua narrativa tanto quanto fora das implicações de uma epístola, os materiais altamente coloridas de poesia, as visões de longo alcance da profecia, bem como a informação indirecta e ilusória da didática e preceitos morais, a partir das declarações imediatas e expressas de história estritamente assim denominados.

 

Os materiais históricos fornecidos relacionados com a nação hebraica podem ser classificados em três grandes divisões: 

1. Os livros que foram consagrados para a antiguidade da nação hebraica, no período que decorreu antes da era dos juízes. Estas obras são o Pentateuco eo livro de Josué, que, de acordo com Ewald (Geschichte des Volkes Israel, 1, 72), constituem propriamente uma única obra, e que pode ser chamado de o grande livro de documentos originais. 

2 Os livros que descrevem os tempos dos juízes e os reis até a primeira destruição de Jerusalém; ou seja, juízes, reis, e Samuel, aos quais pertence o livro de Rute: "tudo isso", diz Ewald, "constituem também, de acordo com sua última formação, mas um trabalho, que pode ser chamado o Grande Livro dos Reis. " 

3 A terceira classe compreende os livros incluídos sob o título de Hagiógrafo, que são de origem muito mais tarde, Crônicas, Esdras e Neemias, formando o grande livro da história geral de chegar ao período grego. Após esses livros vêm aqueles que são classificadas em conjunto sob o nome de apócrifos, cujo uso, pensamos, foi indevidamente negligenciada. Em seguida, o círculo de registros evangélicos começa, que fechou dentro do século que viu aberta. Outros livros encontrados no Antigo e no Novo Testamento, que não são propriamente de um personagem histórico, conectar-se com um ou outro desses períodos, e dar ajuda importante para os estudantes de história sagrada. 

4. história bíblica foi muitas vezes tratada pelos escritores mais velhos como uma parte da História da Igreja em geral, uma vez que considera a história dada na Bíblia como apresentando fases distintas e sucessivas da Igreja de Deus (Buddei Hist. Eclesiastes 2 vols. 1726- 29;. Stolberg, Gesch der Religio Jesu, 1, 111). Outros escritores leram este assunto de uma forma mais prática, apresentando os personagens encontrados na Bíblia para a imitação ou a evasão; entre os quais podem ser enumeradas Hess (Geschichte der vor Israeliten dlen Zeiten Jesu, Zurique, 1775) e Niemeyer (Characteristik der Bibel, Halle, 1830). 

Entre os escritores mais estritamente aprendi várias tiveram em vista a suprir as lacunas deixadas na sucessão de eventos pela Bíblia, de fontes encontradas em escritores profanos. Aqui os principais autores são de Inglês de nascimento, ou seja, Prideaux, Shuckford, Russell; e para o Novo Testamento, os eruditos, cauteloso, e fair-lidar Lardner. Há uma obra valiosa por G. Langen: Versuch eizner Harmonie der heiligen und profan. Scrib. in der Geschichte der Welt (Bayreuth, 1775-1780). Outros escritores têm buscado um método estritamente cronológica, tais como Usher (Annales Veterinário. NT Lond. 1,650) e Des Vignoles (Chronologie de l'Histoire Sainte, Berlim, 1738). (. Bo der Geschichte, p 50). Heeren recomenda, como contendo muitas perguntas importantes sobre o período monárquico, os seguintes trabalhos: J. Bernhardi Commentatio de causis quibus egfectum sentar ut Regnum judae diutius persisteret quam regnum Israel (Lovanni, 1825). 

Heeren também declara que der Handbuch de Bauer Gesch. des Hebr. Volks (1800) é a melhor introdução tanto para a história e as antiguidades da nação hebraica; embora Gesenius, reclama que ele é muito dada à construção de hipóteses. O leitor Inglês vai encontrar um compêndio suficientemente crítico útil, mas não em A História do hebraico Commonwealth, traduzido do alemão de John Jahn, DD, por CE Stowe (NY 1829, e mais tarde). Um muito mais valioso, bem como mais interessante, no entanto, de modo algum trabalho impecável é a História da Milman dos judeus (Londres, 1829, 3 vols 12mo;.... Revisto, Lond e NY 1870-1, 3 vols sm 8vo) . 

 Um trabalho mais recente e muito valioso, de Kitto Pictorial History of Palestine (Lond. 1.841), combina com a história bíblica dos judeus os resultados da viagem e pesquisa antiquário, e é precedido por uma introdução elaborada, que constitui a única História Natural de Palestina em nossa língua. Um compêndio valioso é de Smith 'série de "Histórias de Student" (Antigo Testamento-História e História do Novo Testamento, Lond. NY e 1869, 2 vols. 12mo). Palestras de Stanley na História Judaica (Londres e NY 1863 sq. 2 vols. 8vo) são mais brilhantemente escrito.                 

  

                                HISTORIA DOS HEBREUS N.2

 

Os antigos hebreus (etnônimo possivelmente oriundo do termo hebraico Élber, ou עברים, transl.ʿIvrim, significando "descendentes do patriarca bíblico Élber") foram um povo semítico da região do Levante, localizado no Oriente Médio. O etnônimo também foi utilizado a partir do período romano para se referir aos judeus, um grupo étnico e religioso de ascendência hebraica. Acredita-se que, originalmente, os hebreus chamavam a si mesmos de israelitas, embora esse termo tenha caído em desuso após a segunda metade do século X a.C. 

Os hebreus falavam uma língua semítica da família Cananéia, à qual se referiam pelo nome de “língua de Canaã” (Isaías 19:18)1 . Esse povo, apagado pela grandeza de estados muito maiores, tecnologicamente avançados e mais importantes politicamente2 , foi responsável, contudo, pela composição de alguns dos livros que compõem a Bíblia, obra considerada sagrada por religiões ocidentais e orientais.Os hebreus foram um dos primeiros povos a cultuar um único deus, isto é, a professar uma religião monoteísta. 

Na crença dos hebreus, o único deus é Javé (Jeová), cuja imagem não pode ser representada em pinturas ou estátuas para evitar idolatria. Essa crença é a origem das três maiores religiões monoteísta do mundo.

 

1 Origem 

2 Os antigos hebreus como objeto histórico e historiográfico 

3 Os patriarcas 

3.1 Problemas de datação do Gênesis 

4 Êxodo 

4.1 Moisés 

5 A religião hebraica

 5.1 Origens da Religião de Israel 

6 A Conquista de Canaã 

7 Os Juízes 

8 Filisteus e a Monarquia Única: Saul e Ishbaal (1026-1000 a.C.)

 9 Davi e Salomão, ou o Reino Unido (1000 – 924 a.C.) 

9.1 Historicidade de Davi e Salomão 

9.1.1 Templo de Jerusalém 

10 A Monarquia Dividida: O reino do Norte, Israel 

11 A Monarquia Dividida: O reino do Sul, Judá 

12 Conquista pelos estrangeiros 

13 Diáspora Judaica 

14 Retorno 

15 Referências 

16 Ver também

 

                                             Origem

 

O nome "hebreus" vem do hebraico "Ivrim", que significa "descendentes de Héber". O livro de Gênesis, capítulo 10, a partir do versículo 21 diz que Noé gerou a Sem; este gerou a Arfaxade, que gerou Salá, que gerou HÉBER; este gerou a Pelegue, que gerou Reú, que gerou Serugue, que gerou Naor, que gerou Tera, que então gerou a Abrão (que significa "pai exaltado, mais tarde tendo seu nome mudado pra Abraão, que significa "pai de muitas nações), sendo este considerado o patriarca do povo de Israel.

 

Os antigos hebreus como objeto histórico e historiográfico

 

 A Bíblia e a história

 

Os desafios referentes à escrita da história dos antigos hebreus são, em primeiro lugar, desafios historiográficos. Questões tais quais os tratamentos das fontes, a natureza das fontes, a maneira de interpretar os dados e as concepções inerentes ao processo de redação dessa história são as mais discutidas recentemente. As fontes para a história dos antigos hebreus, por exemplo, são as mais diversas possíveis: documentos escritos (a Bíblia sendo, de longe, a fonte mais rica de informações escritas, embora não a única), epigrafia, iconografia, arqueologia, línguas, etc. 

Tradicionalmente, a história dos hebreus antigos foi (e em alguns meios ainda é) recontada a partir de um viés unicamente bíblico, mais ou menos crítico, seguindo o modelo: patriarcas, escravidão no Egito, êxodo, conquista, Império, exílio. Essa prática está associada a perspectivas religiosas e a uma concepção de história, típica do princípio do século XIX, na qual o documento escrito era considerado mais relevante que outras fontes. Sob esta perspectiva teórica, a cultura material era empregada como mero instrumento ilustrativo. 

Ademais, nessa época, as interpretações dos dados assumiam fortes conotações nacionais e políticas, uma vez que a institucionalização da História estava estreitamente vinculada ao processo de organização de identidades nacionais. Por conseguinte, muitas interpretações da história hebraica incorporaram elementos anacrônicos do nacionalismo judaico. Diversas escolas historiográficas surgidas desde o fim do século XIX até o começo do século XXI (como os Annales) contribuíram para redefinir essas práticas, focando em fatores sociais, econômicos, demográficos, culturais, etc. e utilizando novos métodos e novos documentos. 

A escrita da história dos antigos hebreus segue, portanto, uma série de métodos próprios do campo da História. Os primeiros autores a aplicar o método crítico à Bíblia hebraica, tratando-a como um documento histórico, foram W. de Wette4 e Julius Wellhausen5 , ainda no século XIX. Wellhausen criou uma tese extremamente popular entre os biblistas, conhecida como “Hipótese Documentária”, onde argumentava que a Bíblia havia sido redigida por diversos grupos e, mais tarde, editada. Segundo o historiador, as fontes originais do Pentateuco poderiam ser divididas em quatro grupos: Javista (J), Elohísta (E), Deuteronomista (D) e Sacerdotal (P, do inglês Priestly). Essas diferenças foram encontradas pela análise das repetições, dos anacronismos, dos relatos duplicados, do estilo da escrita, entre outros aspectos do texto bíblico. 

Yahweh (Jeová) em grafite hebraico do século VIII a.C. com inscrição: “Eu te abençoou por Yahweh (Jeová) de Samaria e sua Asherah”

 

Paralelamente ao desenvolvimento da crítica bíblica, os estudos arqueológicos jogaram nova luz sobre o contexto de composição da bíblia, isto é, o Oriente Próximo. Embora a princípio a assiriologia tenha nascido apenas como uma ciência auxiliar para o estudo do Antigo Testamento, a partir da decodificação das línguas orientais antigas se tornou muito mais difícil a manutenção dessa abordagem. 

 De acordo com Trolle Larsen, “Inconsistências foram logo encontradas, onde as evidências estavam em desacordo com a Bíblia hebraica”, sendo estas problemas de cronologia e narrativa; contudo, “ as questões ficaram mais complicadas quando as composições textuais assírias e babilônicas pareceram mostrar próximas ligações com as histórias da Bíblia Hebraica”.7 Um dos principais debates da época girou em torno do tablete do dilúvio, parte do épico de Gilgamesh, que continha uma história extremamente semelhante ao dilúvio bíblico, só que muito mais antiga. 

O cientista Friedrich Delitzsch, tratando de questões como esta, foi o primeiro a acenar para o fato de que a Bíblia, afinal, tinha profundas raízes na tradição mesopotâmicas. Os estudos comparativos são, hoje, uma das formas mais comuns de abordagem crítica da Bíblia. 

Essa mudança permitiu que os dados arqueológicos não fossem mais unicamente instrumentos de “comprovação” ou “negação” da Bíblia, mas documentos em si mesmos, passíveis de informar sobre temas diferentes daqueles abordados pelas escrituras hebraicas. Nos vinte últimos anos, muitos arqueólogos têm optado por escrever histórias dos hebreus completamente alheias ao texto bíblico10 , embora a maior parte tente fazer uso de todos os documentos possíveis, sem privilegiar um ou outro. 

Após a publicação de “Orientalism” por Edward Said – obra de grande impacto acadêmico que demonstra como a representação do Oriente na Europa foi responsável por caracterizar os asiáticos como “inferiores”, “sem história” e “amorais” num contexto de expansão imperial – alguns autores ressaltaram a existência de um tratamento enviesado da academia em relação aos estudos bíblicos nos termos do orientalismo11 . Entre estes autores está Whitelam, que considera o Israel antigo uma construção ideológica que transmite para a antiguidade a realidade dos Estados Nacionais, inexistente até os oitocentos. A importação do orientalismo para os estudos bíblicos (e arqueológicos) sobrevalorizou o período de ocupação hebraica da Palestina, ignorando os antigos habitantes cananeus/palestinos da região.12 Recentemente, os estudos acerca dos antigos hebreus têm se multiplicado e, junto deles, cada vez mais abordagens têm se popularizado. 

O uso da arqueologia forneceu importantes dados nos últimos anos, inclusive ajudando a contextualizar os documentos bíblicos. Thomas Thompson, por exemplo, percebeu em seus estudos que as narrativas dos patriarcas não correspondiam a realidades do segundo milênio antes de Cristo, como até então se pensava, mas que diziam respeito a uma realidade muito posterior. Autores como Philip Davies aprofundaram as análises de termos como “Israel”, demonstrando que seu uso na Bíblia possui sentidos que variam consideravelmente. Especialistas como Christa Schäfer-Lichtenberger, Niels Lemche e Israel Finkelstein acenderam um grande debate em torno da historicidade de um grande reino davídico-salomônico no século X a.C.15 Recentemente, William G. Dever afirmou que “Aparece com clareza suficiente que todas as histórias do Antigo Israel são agora obsoletas... No que me concerne, meu próximo livro será uma história do Israel Antigo escrita em grande parte sem recurso à Bíblia hebraica, fundamentada na maior parte do tempo sobre os ricos dados arqueológicos que possuímos hoje”.16 A hipótese documentária não foi abandonada, mas tem sido reinterpretada à luz de novos dados apresentados por Van Seters e H. Schimid. 

Diversas formulações teóricas foram levantadas nos últimos anos em relação ao tratamento das fontes na reconstrução da história dos hebreus. Algumas críticas por parte de autores como Hans Bastard, por exemplo, defendem uma postura menos positivista em relação à Bíblia, onde os textos não sejam encarados a partir de uma oposição “absoluta” entre mito e história, mas como narrativas literárias (onde esses elementos se misturam) – uma abordagem semelhante à de Navarrete Linares no caso das fontes mesoamericanas17 . No que diz respeito à historicidade da Bíblia isoladamente, fala-se em escolas “maximalistas” e “minimalistas”, que conferem aos relatos diferentes níveis de fiabilidade histórica18 . No entanto, as divergências entre esses autores têm se reduzido imensamente nos últimos anos.

 

Os patriarcas

 

A primeira referência aos hebreus ocorre por volta de 1200 a.C., no reinado do Faraó erneptah. Nessa época, algum povo conhecido como “ismaelitas” já habitava a região da Palestina no Oriente Próximo. As tradições hebraicas mais antigas sobre suas origens, como o gênesis da Bíblia, falam de certos patriarcas (Abraão, Isaque, Jacó) que teriam iniciado a linhagem dos hebreus. As origens dos povos hebreus, de acordo com a história de gênesis, são situadas na mesopotâmia (a cidade de Ur). A figura de Abraão provavelmente indica a forma de organização sócio-econômica desses primeiros povos: pastores seminômades organizados em pequenos grupos. Abraão é também, de acordo com especialistas, um epônimo para uma tribo pastora atestada na Palestina central no século XIII. Segundo alguns especialistas, uma análise comparativa e o estudo dos anacronismo na narrativa de gênesis sugere que a história da migração de Abraão para Canaã é um mito que espelha um acontecimento tardio, isto é, o retorno dos judeus “exilados” na babilônia após a derrota para o Império Caldeu. 

Acompanhado de sua mulher Sara e seu sobrinho Ló, Abraão é tido como responsável pela primeira ocupação hebraica de Canaã. Seus antepassados apenas abandonariam essa terra, seguindo para o Egito, após uma seca intensa.20 Essa história parece ter sido uma forma de sustentar uma anterioridade histórica para a ocupação hebraica do território no período do retorno.21 Os patriarcas hebreus são lembrados como responsáveis pelos primeiros pactos com Deus.22 23 Alguns especialistas remarcaram que "os profetas (e os textos) pré-exílicos não conhecem Abraão e usam em geral o termo “pais” para se referir à geração do êxodo.”21 Por motivos como este, “a maioria dos estudiosos compreende-os como reflexos mais indiretos de eventos históricos, como representantes de tribos antes que de indivíduos".24 Não obstante, muitos arqueólogos e historiadores concordam que o gênesis é um relato em larga medida mítico e, sobretudo, marcado pela época de sua composição.24 25 26 Abraão deu origem a Isaac e a Jacó (ou Israel),e os doze descendentes de Jacó deram origem Às doze tribos de Israel.

 

Problemas de datação do Gênesis

 

O conteúdo do livro que trata dos patriarcas, o Gênesis, é de difícil datação. A questão de sua autoria já havia sido colocada por Wellhausen no século XIX, que dividiu a composição do livro entre diferentes grupos e épocas. 

 Os especialistas acreditam que o relato foi escrito tardiamente, no período da monarquia ou mais tarde27 . O anacronismo mais conhecido no livro de Gênesis é a referência aos filisteus (gênesis 21:34).28 . Essa referência ajuda a datar o relato bíblico, já que os filisteus apenas chegaram à região a partir de 1200 a.C.29 Além disso, a cidade de Gerar, citada como capital dos filisteus era um agrupamento minúsculo no período dos patriarcas, que só se torna uma vila forte por volta do ano 700 a.C.30 Para mais, a bíblia se refere aos líderes filisteus como “reis”, embora apenas num estágio tardio os filisteus tenham estabelecido esse título. Outros anacronismos incluem a menção aos arameus (que só chegaram à região no final do século X a.C.), à cidade de Dan (gênesis 14:14) e à Ur dos caldeus (gênesis 11:28), todos inexistentes no panorama da época. Não existe, por exemplo, evidência para a ocupação de Edom antes do século 8 a.C.32 As referências à Lídia, a Kittim33 e a Nínive também são vistas como altamente anacrônicas.34 Portanto, o relato dos patriarcas das fontes (J) e (D) no Gênesis foi provavelmente desenvolvido por volta de 700 a.C.

 

Êxodo

 

O episódio do Êxodo se refere a um episódio Bíblico de acordo com o qual os judeus, escravizados no Egito, teriam conseguido fugir da terra estrangeira, retornando à sua terra de origem, Canaã, sob a liderança de Moisés. Os relatos bíblicos falam que a família de Jacó, um dos patriarcas, teria partido da terra colonizada por Abraão até o Egito devido a uma seca. Lá, encontrando-se com seu familiar José, que teria ascendido a uma posição de importância dentro do governo do faraó, teriam se instalado por alguns anos.35 . Não existe, contudo, nenhuma evidência extra-bíblica para este episódio. Para harmonizar as fontes arqueológicas com as fontes escritas, alguns historiadores sustentam que “apenas alguns do povo de Israel estavam no Egito e o grupo vindo do Egito então teria se juntado a outros grupos para formar o que foi conhecido como Israel”. 

 No entanto, os egiptólogos estão de acordo de que a imagem dum Egito escravista não é coerente com o Egito da época, onde não havia escravidão. Para Donald B. Redford, os números de judeus envolvidos no êxodo são por demais extravagantes. As escavações intensivas realizadas nas regiões pelas quais os hebreus teriam passado em seu trajeto de migração não fornecem nenhum dado arqueológico de assentamento humano na época do êxodo, e o relato bíblico cita cidades que só existiram muito tempo mais tarde.37 . O êxodo era considerado um evento central na história hebraica, regularmente comemorado pelos hebreus.

 

Moisés

 

David Roberts representa os hebreus deixando o Egito

 

De acordo com as fontes bíblicas, Moisés era um hebreu que tinha sido criado na corte egípcia, após ser resgatado de uma cesta à deriva no Nilo. Moisés é, com efeito, um nome de origem egípcia. Após guiar seu povo por cerca de três meses, Moisés teria acampado nas proximidades do Monte Sinai, onde se restabeleceu um pacto entre Yahweh (Jeová), o Deus nacional, e os hebreus, sob a mediação de Moisés. 

Evidências externas à Bíblia apontam para uma ocupação hebraica contínua da Cananeia, de forma que Moisés pode não ter existido. Não existe evidência arqueológica para corroborar a existência de Moisés. Nenhuma fonte egípcia ou assíria antiga que faça referencia às figuras bíblicas antes de 850 a.C. foram encontradas. Muitos acadêmicos, contudo, preferem não descartar a possibilidade da existência de figuras bíblicas, embora reforcem que todas elas são construções literárias. 

A religião hebraica

 

De acordo com os relatos bíblicos, o pacto realizado entre hebreus e seu Deus no Sinai impôs alguns deveres aos homens, ligados ao culto de sua deidade. Assim como muitos povos no Oriente Próximo, os hebreus acreditavam que os nomes revelassem a natureza intrínseca de indivíduos e deuses. Essa concepção de mundo explica a proibição da vocalização do nome de seu Deus em alguns livros de leis. 

Por intermédio de Moisés, os hebreus renovaram um pacto com Deus iniciado no período dos patriarcas, e prometeram cumprir suas leis em troca de proteção. Os historiadores apontam para esse pacto como uma representação dos acordos políticos de vassalagem no Oriente Próximo Antigo.43 . As ordens de yahweh (Jeová) são formuladas na forma de dez mandamentos. A Bíblia Hebraica traz duas versões dessas ordens, em Êxodo (Êxodo 20:1-17) e em Deuteronômio (Deut. 5:6-21). Um dos exemplos da transformação dessas leis ao longo do tempo é a obrigação do Sabbah, associado ao descanso divino no sétimo dia em Êxodo 20:8-1144 , enquanto em Deuteronômio 5:12-1545 o mandamento é vinculado ao episódio da fuga do Egito.

 

Origens da Religião de Israel 

 

Os estudiosos perceberam um vínculo estreito existente entre a religião dos primeiros hebreus e seus antepassados imediatos, os cananeus. Após a descoberta de documentos escritos em Ugarit, uma civilização antiga anterior a Israel, os estudiosos têm compreendido cada vez mais os documentos hebraicos. Os hebreus “emprestaram” o nome de sua deidade nacional, El, dos antigos habitantes de Canaã. Mesmo alguns salmos e outros temas da literatura hebraica parecem ter sido assimilados pelos hebreus a partir da cultura Cananéia, uma vez que os atributos do El hebraico são exatamente os mesmos que o do Deus de Ugarit.46 47 A literatura bíblia associa com freqüência Yahweh (Jeová) a El (Gen. 14:18-20, 33:20, Exod. 6:3, etc.). 

 Alguns deuses como Baal e Asherah, de origem Cananéia, eram louvados pelos hebreus antigos e, ao que tudo indica, esse culto era visto como igualmente legítimo. Estudiosos que têm demonstrado maior interesse pela religião popular de Israel apontam para a existência do culto a Asherah, entre outras questões.48 49 Os hebreus foram um dos primeiros povos a cultuar um único deus, isto é, eram monoteístas. No judaísmo, religião professada pelos hebreus, o único Deus é Javé (Jeová), cuja imagem não pode ser representada em pinturas ou estátuas. 

 

A Conquista de Canaã 

Sítio arqueológico de Jericó.

 

A conquista de Canaã é de vital importância para a história judaica. É com essa conquista que os hebreus deixaram de ser um povo nômade, para se tornar um povo com uma terra. Essa região se tornaria, na tradição posterior, o elemento de união deste povo, já que teria sido dada pelo próprio Deus. 

No entanto, além da teoria religiosa da ocupação (conforme vista no Livro de Josué), de acordo com a qual os hebreus teriam invadido a região de forma belicosa, há diversas outras teorias históricas para explicar como os hebreus conquistaram Canaã e como deixaram seu estado tribal para assumir uma identidade nacional. O desenvolvimento dessas teorias está vinculado, sobretudo, à ausência de evidência arqueológica para a tese da invasão militar, além dos anacronismos e das incoerências internos ao texto bíblico50 . Um dos problemas, como afirma o arqueólogo Pierre de Miroschedji, é a menção, no relato da conquista, de cidades que não existiam por volta de 1250 a.C. As cidades da região também não apresentam registros de destruição. 

Teoria da ocupação pacífica de Canaã - Essa teoria, defendida por Albrecht Alt, Martin Noth, Manfred Weippert, Siegfried Hermann, Yohanan Aharoni e outros , sustenta que a conquista de Canaã processou-se através de diversas correntes de imigração de grupos (que depois seriam unidos na época da monarquia israelita), das regiões inabitadas entre as cidades-estados cananéias. As batalhas eram travadas apenas quando havia confrontos entre esses grupos e as cidades cananéias.

 

Teoria da revolta –

 

 Essa teoria, defendida por George Mendenhall e Norman K. Gottwald, sustenta que o termo hebreu não se refere à um conjunto étnico , mas a uma situação de separação entre grupos de pessoas e a sociedade cananita. Mendenhal diz que camponeses revoltados contra a sociedade cananita, unidos através de um movimento religioso baseado na fé javista , transcenderam as religiões tribais e, com isso, puderam realizar entre si uma aliança de solidariedade entre iguais. 

Teoria da evolução pacífica e gradual - Essa teoria, desenvolvida a partir da teoria da revolta, concentra-se no problema de se estabelecer uma distinção clara entre os cananitas e os israelitas, já que seus padrões étnicos e culturais eram semelhantes, e apenas mais tarde, depois de muitos anos, se diferenciaram.

 

Os Juízes

 

Segundo a tradição bíblica, o período posterior à ocupação de Canaã foi dominado pelo governo de indivíduos conhecidos como Juízes. A principal fonte histórica para esse período é o livro bíblico de juízes, onde se conhece a história de certos líderes militares (Débora, Gideão, Otoniel, Sansão, etc.) cujos atos são relembrados de forma heróica pelos hebreus. O livro também apresenta uma versão destoante da conquista de Canaã, de perspectiva judaíta. É difícil, contudo, escrever uma história contínua desse período, uma vez que ele apresenta diversos problemas cronológicos, muitas vezes atribuídos a sua edição deuteronomista.51 52 Sobre a historicidade do período, enquanto alguns autores falam em “procurar a verdade por trás dos textos”53 , levando em consideração sua orientação teológica, outros listam anomalias e anacronismos buscando refutar sua validez54

 

Filisteus e a Monarquia Única: Saul e Ishbaal (1026-1000 a.C.)

 

A ocupação hebraica do território é gravemente abalada com as invasões dos povos filisteus por volta de 1180 a.C., que se insere no contexto da invasão dos povos do mar no Oriente Próximo. Os filisteus não só teriam desafiado os hebreus, como teriam mesmo conseguido capturar a Arca de Yahweh (Jeová) durante a batalha de Ebenezer se saindo ilesos, muito embora esse sacrilégio fosse punido com morte instantânea na ideologia hebraica (2 Samuel 6:6-7). 

Parece que, diante dos ataques dos Filisteus, os hebreus tiveram necessidade de se unir em torno de uma figura política mais forte. Samuel, um profeta célebre, teria consagrado rei um homem chamado Saul, da tribo de Benjamim. O rei passou grande parte de seu governo perseguindo os filisteus. Também foi alvo de ataques por parte de Samuel e um jovem guerreiro chamado Davi, que posteriormente tomaria o trono. 

Saul se lançou sobre sua própria espada após uma campanha fracassada contra os Filisteus.Seu quarto filho, Ishbaal, assume o governo no lugar do pai por alguns anos, tendo que enfrentar as contestações de Davi. Por fim, é assassinado, abrindo lugar para a ascensão deste último.

 

Davi e Salomão, ou o Reino Unido (1000 – 924 a.C.) 

Representação medieval de Bathsheba e Salomão

 

O momento da história hebraica particularmente louvado pelos livros sagrados é o período dos reinados de Davi e Salomão, tidos como reis exemplares. Davi escolheu Jerusalém como capital para seu reino, e organizou a cidade como um grande centro religioso. De acordo com as fontes bíblicas, Davi teria estendido seu domínio por sobre alguns reinos vizinhos, como Ammon, Moab e Edom.Quando Davi ficou velho, Bathsheba e outros tentaram convencê-lo a escolher como sucessor o filho Salomão. Salomão governou, de acordo com a Bíblia hebraica, como um rei sábio. Teve 700 mulheres e 300 concubinas. Ele também iniciou o processo de construção de um vasto templo de inspiração fenícia.

 

Historicidade de Davi e Salomão

 

A despeito do relato bíblico, os estudiosos não acreditam que tenha havido um grande reino hebreu no período dos reinados de Saul, Davi e Salomão, mas que esses líderes foram engrandecidos devido a uma projeção de período posterior. Exageros já haviam sido notados, por exemplo, nos números de 2Samuel 24:9, que fariam do exército de Davi numericamente próximo da população da capital austríaca (1.300.000 homens). Como afirma Joseph Blenkinsopp, “o registro bíblico fala em termos brilhantes das conquistas de Davi e Salomão, mas a realidade foi provavelmente mais modesta; e é necessário ter em mente que nenhuma fonte daquele tempo se refere, mesmo de passagem, a qualquer um dos dois reis ou ao Grande Israel que eles haviam criado” De acordo com historiadores como Thomas Thompson, “não há evidência de uma monarquia unida, não há evidência de uma capital em Jerusalém ou de qualquer força política coerente e unificada que tenha dominado a Palestina ocidental (...)”. Portanto, acredita-se que o engrandecimento da Monarquia Unida é um anacronismo. 

No que diz respeito às figuras de Davi e Salomão, muitos autores publicaram livros comparando sua descrição literária às fontes extra-bíblicas. Davi é citado indiretamente numa estela de difícil datação chamada de Tel Dan ("casa de Davi", ou seja, dinastia de Davi). Já no que diz respeito a Salomão, os arqueólogos jamais encontraram um documento que lhe fizesse referência. É notável que em nenhuma Estela, nem nos arquivos egípcios, nem nos arquivos de Biblos, nem nos arquivos da Assíria e nem em Aram-Damas haja qualquer menção ao nome de Salomão, muito embora a Bíblia o descreva como um grande rei. Não obstante, como afirma Hans M. Barstad, isso não significa que Davi e Salomão não tenha existido, mas apenas que o relato "misturou" ficção e realidade . 

O relato bíblico exagerou, contudo, a grandeza do reino de Israel no período de Davi e Salomão. De acordo com o arqueólogo Amihai Mazar, “nós podemos descrever a Monarquia Unificada como um Estado num primeiro estágio de desenvolvimento, longe de ser um Estado rico e em larga extensão como retrata o relato bíblico”58 . Para Hans M. Bastard, a ideia de uma Era Dourada, representada pelo Império Davídico, é um padrão próprio a um gênero literário chamado de "Histórias Nacionais", comum às sagas escandinavas e gaélicas. 

 A ideia da criação dum Império Davídico-Salomônico é explorada detalhadamente por Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman59 No século X e mesmo no século IX a.C., Jerusalém era uma cidade pobre com pouco espaço para zona residencial e poucas fortificações. Como demonstram numerosos estudos, as evidências para um incipiente Estado centralizado só surgirão dois séculos mais tarde.. De acordo com Mario Liverani, Jerusalém era "Minúscula" e Judá "pouco povoada" no século X a.C.. Mesmo durante os séculos IX e VIII a.C., o desenvolvimento foi modesto. A população inteira da região foi estimada pelo autor em 110 000 habitantes65 William Dever faz uma estimativa semelhante. Outros trabalhos sobre a inexistência dum estado centralizado israelense na época de Davi e Salomão foram realizados por Jessica N. Whisenant67 , David Ussishkin68 , Nadav Na’aman69 , Margreet Steiner70 , Whitelam e Franken71 , Killebrew , entre outros.

 

Templo de Jerusalém

 

O relato bíblico fala que Salomão teria construído um templo no século X a.C. que teria sido destruído por Nabucodonossor em 587 a.C. Não obstante, nós não temos nenhuma evidência arqueológica acerca do templo de Salomão. A primeira evidência que demonstra a existência de um templo de jerusalém é indireta - centralização do culto com a desacralização de lugares ativos antes -, e ocorre somente por volta do ano 700 a.C., muito depois da data colocada pelo relato bíblico.

 

A Monarquia Dividida: O reino do Norte, Israe

 

Devido à arrogância de Rehoboão, filho de Salomão, as dez tribos hebraicas do norte se rebelaram e fundaram um reino sob a autoridade de Jeroboão I (924-904 a.C.). Jeroboão reativou antigos templos em Dan e Bethel, garantindo independência em relação ao templo de Jerusalém. O filho de Jeroboão é assassinado após conflitos palacianos, e Omri finalmente ascende ao poder, fundando a dinastia Omrida, fortemente reconhecida pelos documentos arqueológicos como uma dinastia poderosa. 

 Omri estabeleceu como capital Samaria e fez alianças com o rei de Tiro, casando com sua filha Jezebel.73 Pintando como um monarca cruel pelos autores bíblicos, Ahab, filho de Omri, foi no entanto um dos maiores reis hebreus. Isso se deve a sua política de sancionar tanto o culto de Javé (Jeová) quanto o culto de Baal. De acordo com Finkelstein, Omri e sua dinastia foram esquecidos, enquanto o período de Salomão foi sobre glorificado pela literatura bíblica.74 Na verdade, a maior parte das grandes evidências arqueológicas da história de Israel estão associadas a esse rei e seus sucessores, e não a Salomão. Ahab teve um poderoso exército sob seu domínio.

 

A dinastia de Jehu (843-816 a.C.) assume após o assassinato do filho de Ahab, Jehorão. Durante esse período, o reino de Israel estava em decadência, e sob controle do reino aramaico de Damasco.A arqueologia demonstra que a religião popular em Judá e Israel nessa época era politeísta e sincretista. As origens do monoteísmo bíblico são, por esse motivo, atribuídas ao período posterior do rei Josias em Judá

 

A Monarquia Dividida: O reino do Sul, Judá

 

Rehoboão teve que enfrentar diversos ataques a sua soberania durante seu reinado. O reino de Judá também teve de enfrentar os saques efetuados por Israel no período do reinado de Ahaziah. Mais tarde, o rei Ezequias (727-698 a.C.) formou uma coalizão anti-assíria, o que lhe rendeu sucessivas derrotas para o rei Senaqueribe, fazendo com que os reis de Judá se submetessem a ele como fieis vassalos. Em suma, o reino de Judá foi inteiramente coberto pela supremacia política de reinos vizinhos mais poderosos e em franca expansão.

 

Conquista pelos estrangeiros

 

Em 722 a.C., o reino de Israel foi conquistado pelos assírios e aproximadamente duzentos anos depois o reino de Judá foi conquistado pelos babilônios, com isso os hebreus viraram escravos – período que ficou conhecido como Cativeiro da Babilônia.

  

Cativeiro  

 

kap -tiv'i -ti( גּולה ,Golah, גּלוּת ,gālūth, שׁבוּת ,shebhūth, שׁביה ,shibhyāh; μετοικεσία ,metoikesıa ):

 

I. do reino do norte (o trabalho da Assíria) 

1. campanhas ocidentais de Salmanasar II, 860-825 aC 

2 de Rimom-nirari III, 810-781 aC 

3 de Tiglate-Pileser III, 745-727 aC 

4 de Salmanasar IV, 727-722 aC - S Iege de Samaria 

5. Samaria Capturado por Sargon, 722 bc 

6. despovoamento e repovoamento de Samaria 

7. as dez tribos em Cativeiro 

II. De Judá (o trabalho do Poder caldeu)

 

Reino do Sul e Casa de Davi

 

1. Break-up da Assíria 

2 Queda de Nínive, 606 bc 

Revolta de 3 Faraó-Neco 

4. derrota em Carquemis, 604 aC 

5. O Império Novo babilônico sob Nabucodonosor, 604-562 aC 

A Missão de Jeremias, 626-580 aC 

6. Revolta e Repressão de Joaquim, 608-597 aC 

7 cerco e rendição de Jerusalém sob Joaquim, 597 bc 

8 primeira deportação, 597 aC, os cestos de figos 

9 O Ministério de Ezequiel, 592-570 aC

 Ministério da 10 Jeremias em Jerusalém, 597-588 aC 

Rebelião e cerco de Jerusalém por 11 Zedequias, 588-586 aC 

Jeremias "Falling Away para os caldeus" 

12 Destruição de Jerusalém, 586 aC 

 

Flight, captura e punição de Zedequias

 

13 Segundo Deportação de habitantes, 586 aC 

14 Terceiro Deportação, 581 bc 

(1) número e qualidade dos Exilados 

(2) O resíduo deixado 

15 Gedalias, o governador de Judá 

(1) Jeremias ea fuga para o Egito 

(2) Os descendentes dos fugitivos, 471-411 aC 

16 Os exilados na Babilônia: sua condição social, 464-405 aC 

17 O surgimento e desenvolvimento do judaísmo 

18 O Retorno com permissão de Ciro, 538 aC 

19. reconstrução do templo, 536 bc 

Concluído 515 aC 

 

20. reformas e trabalhos de Esdras e Neemias, 445 bc 

21. teorias modernas do retorno 

22 importância do período de Esdras-Neemias 

 

                                              Literatura

 

 

                           I. do reino do norte (o trabalho da Assíria)

 

               1. campanhas ocidentais de Salmanasar II, 860-825 aC

 

O cativeiro do Reino do Norte foi a obra do grande poder assírio com sede em Nínive, no Tigre. O império da Assíria, arredondado cerca de 2000 aC, tinha uma longa história por trás dele quando seus anais começam a tomar conhecimento do reino de Israel e Judá. 

 O reinado de SalmanasarII (860-825 aC) marca o primeiro contato entre esses poderes. Esta não é a Salmaneser mencionado em 2 Reis 17 e 18 anos, que é o quarto do nome e floresceu mais de um século mais tarde. SalmanasarII foi contemporâneo durante o seu longo reinado com Josafá, Jorão, Acazias e Joás, reis de Judá; com Acabe, Acazias, Jorão e Jeú, reis de Israel; com Hazael e Ben-Hadade II, reis da Síria de Damasco, e com Messa, rei dos moabitas. As autoridades assírios para o seu reinado são uma inscrição gravada por ele mesmo nas rochas da Arménia; Obelisco Preto trazida por Layard de Nimroud, agora no Museu Britânico; e os textos gravados sobre os portões de bronze de Balawat, descobertos por Hormuzd Rassam em 1878, e reconhecido como os portões de vaivém do palácio de Salmaneser. A partir dessas autoridades, aprendemos que em seu sexto ano, ele encontrou as forças combinadas de Damasco, Hamate, Israel e outros países que se uniram para se opor a seu progresso para o oeste, e completamente encaminhado-os na batalha de Karkar (854 aC). 

O perigo que ameaçava os países ocidentais em comum trouxe a Síria e Israel juntos; e isto está de acordo com a narrativa das Escrituras que fala de uma aliança, denunciado pelo profeta de Deus, entre Acabe e Ben-Hadade ( 1 Reis 20:34 ), e menciona um período de três anos, quando não havia guerra entre a Síria e Israel. A derrota dos aliados parece, no entanto, ter quebrado a confederação, para, logo depois, Ahab é encontrado, com a ajuda de Josafá, de Judá, tentando, sem sucesso, e com resultado fatal para si mesmo, para se recuperar do poder enfraquecido de Síria a cidade de Ramote-Gileade (1 Reis 22). Em outra campanha para o Ocidente, o que também não encontra nenhum registro na Escritura, Salmanasar recebeu a homenagem de Tiro e de Sidom, e de "Yahua de Khumri", isto é, de Jeú, da terra de Omri, como Israel é chamado no monumentos.

 

2 de Rimom-Nirari III, 810-781 aC

 

 

O próximo monarca assírio que transformou seus braços contra o Ocidente foi Rimom-nirari III (810-781 aC), neto de Salmanasar II. Embora ele não é mencionado pelo nome na Bíblia, a sua presença e atividade teve a sua influência sobre os acontecimentos contemporâneos registrados em 2 Reis. Ele fez com que a Síria a deixar ir a sua posse de Israel; e embora ele trouxe Israel em sujeição, o povo do Reino do Norte preferiria ter um governante exercer uma soberania nominal sobre eles na distante Nínive que um rei oprimi-los em Damasco. Assim, Rimon-nirari foi levado para o Salvador que Deus deu a Israel ", para que eles saíram de sob as mãos dos sírios" ( 2 Reis 13: 5 ; comparar 2 Reis 13:23 ). 

Com a morte de Rimom-nirari em 781 aC, o poder da Assíria recebeu um cheque temporária, e por outro lado o reino de Judá sob Uzias eo reino de Israel sob Jeroboão II atingiu o auge de sua prosperidade política. Em 745 aC, no entanto, um usurpador, Pul, ou Pulu, ascendeu ao trono da Assíria, e reinou como Tiglate-Pileser III. É pelo antigo nome que ele é mencionado pela primeira vez na narrativa das Escrituras ( 2 Reis 15:19 ; 1 Crônicas 05:26 ), e por último que ele é mencionado sobre os monumentos. Que os dois nomes pertencem a um homem é agora considerada certa (Schrader, COT , I, 230 f).

 

3 de Tiglate-Pileser III, 745-727 aC

 

Tiglate-Pileser foi um dos maiores monarcas da antiguidade. Ele foi o primeiro a tentar consolidar um império na maneira em que o mundo se acostumou desde os tempos romanos. Ele não se contentou em receber tributo dos reis e governantes dos estados que ele conquistou. Os países que ele conquistou se tornou províncias de assunto de seu império, governada por sátrapas assírios e contribuindo para o tesouro imperial. Não muito tempo depois ele próprio tinha sentado no trono, Tiglate-Pileser, como seus antecessores, voltou sua atenção para o Ocidente. Após o cerco de Arpad, o norte de Aleppo, as forças assírias fizeram o seu caminho para a Síria, e colocar em funcionamento o método assíria de deportação e repovoamento, o conquistador anexo Hamath que procurou a aliança e assistência de Azarias, que é Uzias, rei de Judá. Se ele, em seguida, absteve-se de molestar Judá, ou se seu prestígio foi quebrado por esta campanha do rei assírio, não é fácil de dizer. Em outra campanha que certamente submetido Menahem de Israel com outros reis de tributo. 

O que é afirmado em uma ou duas palavras nos Anais de Tiglate-Pileser é registrado longamente na história da Bíblia ( 2 Reis 15:19 ): "Não veio contra a terra Pul, rei da Assíria, e Menaém deu a Pul mil talentos de prata, que a sua mão fosse com ele para firmar o reino na sua mão. Menaém exigiu este dinheiro de Israel, de todos os poderosos e ricos, de cada homem 50 siclos de prata, para o dar ao rei da Assíria .

 

 Então o rei da Assíria domados para trás, e não ficou ali na terra ". No reinado de Peca, sob o seu nome próprio de Tiglate-Pileser, ele é lembrado por ter invadido a parte norte de Israel, e levou os habitantes longe na terra da Assíria ( 2 Reis 15:29 ). A seguir, ouvir de Acaz, rei de Judá, apelando para os assírios para ajuda contra "esses dois pedaços de tições fumegantes", Rezim da Síria, e Peca, filho de Remalias ( Isaías 7: 4 ). Para garantir essa ajuda ele levou a prata eo ouro da casa do Senhor, e enviou-o como um presente ao rei da Assíria ( 2 Reis 16: 8 ). Enquanto isso Tiglate-Pileser foi de partir para uma nova campanha para o Ocidente. Ele levou a ferro e fogo pela Síria e as terras vizinhas até Gaza, e em seu retorno ele capturou Samaria, sem, no entanto, arrasando-o ao chão. Peca, tendo sido morto por seu próprio povo, o monarca assírio deixou Oséias, o líder da conspiração, sobre o trono de Israel, como o vassalo da Assíria.

 

4 de Salmanasar IV, 727-722 aC - S IEIG de Samaria

  

Em 727 aC, Tiglate-Pileser III morreu e foi sucedido por Salmaneser IV. Seu reinado foi curto e não anais de ele ter vindo à luz. Em 2 Reis 17 e 18, no entanto, lemos que Oséias, contando com a ajuda do rei do Egito, pensei que a morte de Tiglate-Pileser uma boa oportunidade para dar um golpe para a independência. Foi um esforço vão, pois o fim do reino de Israel estava em minhas mãos. As pessoas ficaram gravemente entregue à opressão e maldade, o que os profetas Amós e Oséias denunciou vigorosamente. Oséias, em particular, era "o profeta do declínio e queda de Israel." Profetizar, neste exato momento, ele diz: ". 

 Quanto à Samaria, seu rei é cortada, como espuma sobre as águas E os altos de Áven, pecado de Israel, serão destruídos; espinhos e cardos crescerão sobre os seus altares, e dirão aos montes: Cobri-nos, e aos montes: Caí sobre nós "( Oséias 10: 7 , Oséias 10: 8 ; comparar Oséias 10:14 , Oséias 10:15 ). Não menos severo são as previsões de Isaías e Miquéias da desgraça que está a ultrapassar Samaria: "Ai da coroa de soberba dos bêbados de Efraim, e da flor murchada do seu glorioso ornamento, que está sobre a cabeça da gordura vale dos que são vencidos do vinho "( Isaías 28: 1 ). "Por causa da transgressão de Jacó é tudo isso, e dos pecados da casa de Israel. Qual é a transgressão de Jacó? Não é Samária? ... Por isso farei de Samaria um montão de pedras do campo, e como lugares para o plantio de vinhas "( Miquéias 1: 5 , Miquéias 1: 6 ). 

Nenhuma ajuda veio do Egito. Com os recursos sem ajuda e enfraquecido do seu reino Oséias teve que enfrentar as forças castigando de seu soberano. Ele foi feito prisioneiro fora Samaria e provavelmente foi levado para Nínive. Enquanto isso, a terra era o excesso de prazo e capital condenado à destruição, como os profetas haviam declarado.

 

5. Samaria Capturado por Sargon, 722 bc

 

Não sem uma resistência obstinada por parte de seus defensores fizeram "o cessar fortaleza de Efraim" ( Isaías 17: 3 ). Foi cerco só depois de três anos "que os assírios capturaram a cidade ( 2 Reis 17: 5 ). Se tivéssemos apenas o registro do historiador hebreu, devemos supor que Salmanasar era o monarca a quem caiu as recompensas e honras da captura.

  Antes da entrega da Salmanasar cidade tinha abdicado ou morreram, e Sargon, mencionado apenas uma vez nas Escrituras ( Isaías 20: 1 ), mas um dos maiores monarcas assírios, tinha subido ao trono. De suas numerosas inscrições, recuperados das ruínas de Khorsabad, ficamos sabendo que ele, e não Salmanasar, foi o rei que completou a conquista do reino se revoltaram e deportou os habitantes para a Assíria. "No começo (do meu reinado)", diz Sargon em seus Anais ", a cidade de Samaria (Tomei) com a ajuda de Shamash, que assegura a vitória para mim (.... 27.290 pessoas habitam dele) eu tirei cativo;.  carros de propriedade de meus direitos, que nele havia me apropriado (.... a cidade) eu restaurei, e mais do que antes eu fazia para que fosse habitada; povo das terras conquistadas pela minha mão nele ( Eu causei a habitar. Minha governador sobre eles nomeei, e homenagem) e tributos apenas sobre como os assírios I impostas a eles. " Os assírios Annals eo apoio história Escritura e se complementam neste momento. 

 O historiador sagrado descreve a deportação da seguinte forma: "O rei da Assíria tomou Samária, e levou Israel cativo para a Assíria, e os colocou em Hala, e junto a Habor, o rio de Gozã, e nas cidades dos medos ... isso porque não obedeceram à voz do Senhor seu Deus, mas violaram o seu pacto, mesmo tudo o que Moisés, o servo do Senhor, ordenara, e não ouvi-lo, nem fazê-lo "( 2 Reis 17: 6 , 2 Reis 17: 7 ; 2 Reis 18:11 , 2 Reis 18:12 ).

 

6. despovoamento e repovoamento de Samaria

 

O repovoamento do território conquistado também é descrito pelo historiador sagrado: "E o rei da Assíria trouxe gente de Babilônia, de Cuta, de Avva, de Hamate e de Sefarvaim, ea fez habitar nas cidades de Samaria, em lugar do filhos de Israel, e eles tomaram Samária em herança, e habitaram nas suas cidades "( 2 Reis 17:24 ). O fato de que Sargão introduziu colonos estrangeiros tomadas na guerra em Samaria é atestada por inscrições.

 

Que havia vários episódios de deportação e repovoamento em conexão com o cativeiro do Reino do Norte parece estar certo. Já vimos que Tiglate-PileserIII deportado da população das tribos do norte para a Assíria e colocado sobre os governadores do país despovoadas de sua autoria. E em um momento bastante mais tarde, aprendemos que de Sargão neto Asaradão, e seu bisneto Ashur-bani-pal ", o grande e nobre Osnappar," importado para a região de colonos Samaria de nações conquistadas por eles no Oriente ( Ezra 4: 2 , Esdras 4:10 ). Dos colonos, a quem um sacerdote, levados pelo rei da Assíria, mas trouxe de volta a Betel, ministrados "a lei do deus da terra", diz-se que "eles temiam ao Senhor, e serviram aos seus próprios deuses, segundo o costume das nações do meio das quais tinham sido transportados "( 2 Reis 17:33 ). O estoque híbrido descendente daqueles colonos é conhecido por nós mais tarde na história e nos Evangelhos como os samaritanos.

 

7. as dez tribos em Cativeiro

 

Não devemos supor que uma limpeza foi feito dos habitantes do Reino do Norte. Sem dúvida, como no cativeiro da Babilônia, "os mais pobres da terra foram deixados para ser vinhateiros e lavradores" ( 2 Reis 25:12 ). Os números, na verdade, foram deportados, mas uma parte de toda a população. Mas o reino das Dez Tribos foi agora no fim. Israel tornou-se uma província da Assíria, com um governador estabelecida em Samaria. Quanto à Golah - os cativos de Israel nas cidades dos medos - não se deve supor que eles se tornaram totalmente absorvido na população entre os quais foram liquidados. Podemos bem acreditar que eles preservaram suas tradições israelitas e usos com clareza e tenacidade suficiente, e que se tornou parte da dispersão judaica tão difundido por todo o Oriente. É bem possível que durante um tempo eles misturada com os exilados de Judá levado por Nabucodonosor, e que, em seguida, Judá e Efraim tornou-se uma nação, como nunca antes.

 

O nome judeu, portanto, naturalmente passou a incluir os membros do que já havia sido a Confederação do Norte de Israel, bem como os do Reino do Sul a que pertencia corretamente, de modo que, no período pós-exílico, Jeudi, ou judeu, meio um adepto do Judaísmo independentemente da nacionalidade local. 

II. De Judá (o trabalho do Poder caldeu)

 

Reino do Sul e Casa de Davi

 

O cativeiro de Judá foi a obra do grande poder caldeu sentado à Babilônia sobre o Eufrates. Enquanto o Reino do Norte tinha novas dinastias que o regem, em rápida sucessão, Judá e de Jerusalém permaneceu fiel à casa de David até o fim. O Reino do Sul sobre um alicerce mais firme, e de Jerusalém com seu templo e sacerdócio garantiu o trono contra os inimigos que derrubaram Samaria por quase um século e meio mais.

 

1. Break-Up da Assíria

 

Sargon, que capturou Samaria em 722 aC, foi seguido por monarcas com um grande nome como conquistadores e construtores e patronos da literatura, Senaqueribe, Asaradão, Assurbanipal. Quando Assurbanipal morreu em 625 aC, a dissolução do Império Assírio não foi muito longe. Sua influência sobre o Ocidente tinha muito diminuiu, e os povos tributários foram sair em revolta. Bandas de citas, a raça ariana nômade, desde a região entre o Cáucaso e do Mar Cáspio, foram varrendo o Império Assírio, tanto quanto na Palestina e no Egito, e as profecias de Jeremias e Sofonias refletir seus métodos de combate e características ferozes. Eles foram levados de volta, no entanto, na fronteira do Egito, e parecem ter voltado para o Norte sem invadir Judá.

 

2 Queda de Nínive, 606 bc

 

A partir do Norte essas hordas estavam fechando-se sobre Nínive, e por todos os lados o poder assírio estava sendo enfraquecida.

 

No "Burden de Nínive", o profeta Naum antecipa a alegria do reino de Judá para as novas de sua queda se aproxima: "Eis sobre os montes os pés do que anuncia boas novas, que proclama a paz Mantenha as tuas festas,JOudah, cumpre os teus votos; para o ímpio não tornará mais a passar por ti; ele é inteiramente exterminado "( Naum 1:15 ; comparar Naum 3: 8-11 ). Os medos recuperou a sua independência e sob seu rei, Cyaxares, formou uma aliança com os caldeus, que logo depois se revoltaram sob a liderança de Nabopolassar, vice-rei da Babilônia. Reunindo esses vários elementos para o seu padrão Nabopolassar sitiou a capital da Assíria, e em 606 aC, Nínive, que era a capital de grandes conquistadores, e que tinha "(ela) comerciantes acima das estrelas do céu multiplicado" ( Naum 3:16 ), caiu antes que as forças combinadas dos medos e caldeus, caiu de repente e, finalmente, para não mais se levantar. Do novo Império Babilônico sobre a qual os caldeus já entrou, Nabucodonosor, cujo pai Nabopolassar havia associado com ele no trono, foi o primeiro e mais eminente governante.

 

Revolta de 3 Faraó-Neco

 

Que o povo de Judá deve exultar na derrubada de Nínive eo império para o qual se podemos entender bem. Jerusalém se tinha pela misericórdia de Deus permaneceu invicto quando Senaqueribe quase um século antes havia levado do país em torno 200.150 pessoas e devastou as cidades e fortalezas próximo. Mas o jugo assírio odioso havia repousado sobre Judá até o fim, e não apenas sobre Judá, mas que é o Egito eo vale do Nilo. Em 608 aC, o faraó Neco se rebelaram contra o seu suserano assírio e resolvidas mediante uma campanha oriental. Ele não tinha vontade de brigar com Josias de Judá, por cujo território ele deve passar; mas em lealdade ao seu suserano assírio Josias jogou todo o caminho do invasor egípcio e pereceram na batalha de Megiddo. O Faraó parece ter voltado para o Egito, levando a Jeoacaz, filho de Josias, com ele, e de ter nomeado o seu irmão Joaquim, rei de Judá, e de ter exigido um pesado tributo da terra.

 

4. derrota em Carquemis, 604 aC

 

Mas ele não desistiu de seu propósito de ganhar um império oriental. Assim sendo, ele seguiu em frente até chegar ao Eufrates, onde foi completamente encaminhado pelo exército babilônico sob Nabucodonosor, na decisiva batalha de Carquemis, 604 aC. A batalha deixou os caldeus mestres incontestáveis da Ásia Ocidental, e Judá trocaram o jugo da Assíria para o de Babilônia.

 

5. The New Império Babilônico Sob Nabucodonosor, 604-562 aC

 

Até onde a crueldade estava em causa, havia pouco a escolher entre os novos tiranos e os antigos opressores. Dos caldeus Habacuque, que floresceu no início do novo Império, diz: "Eles são terríveis e terrível .... Os seis cavalos são mais ligeiros do que os leopardos, se mais ferozes do que os lobos a tarde; os seus cavaleiros espalham-se por: sim, os seus cavaleiros vêm de longe; voam como a águia que se apressa a devorar "( Habacuque 1: 7 , Habacuque 1: 8 a versão americana Revisada, margem). Ao longo da Ásia Ocidental, incluindo Judá, Nabucodonosor, desde a batalha de Carquemis foi supremo. Era vão para Judá a coquet com o Egito, quando Nabucodonosor, teve um braço longo e poderoso com que a infligir castigo sobre seus súditos desleais.

 

A Missão de Jeremias, 626-580 aC

 

A missão de Jeremias, o profeta nesta crise da história de Judá era pregar obediência e lealdade ao rei da Babilônia, e reforma moral como o único meio de escapar da vingança divina iminente sobre a terra eo povo. Ele diz-lhes em nome de Deus do grande julgamento que estava por vir na mão dos caldeus sobre Jerusalém e povos vizinhos. Ele ainda prevê que o período de sua sujeição ao domínio caldeu: "E toda esta terra virá a ser uma desolação e um espanto, e estas nações servirão ao rei de Babilônia setenta anos" ( Jeremias 25:11 ).

 

 Esta pregação era intragável para os partidários do Egito e para aqueles que acreditavam na inviolabilidade de Jerusalém. Mas com repreensão severa e com ação simbólica que ele proclama a destruição de Jerusalém, e em face da perseguição e com o risco de sua vida, o profeta cumpre o seu ministério.

 

6. Revolta e Repressão de Joaquim, 608-597 aC

 

Joaquim, que foi o primeiro a vassalo de Faraó-Neco, e depois de Nabucodonosor, estava em corrupção e maldade muito fiel representante do povo. Jeremias acusa de cobiça, o derramamento de sangue inocente, opressão e violência ( Jeremias 22: 13-19 ). O quarto ano de Joaquim foi o primeiro ano de Nabucodonosor, que, fresco da vitória de Carquemis, estava fazendo sua soberania sentida no mundo ocidental. O rei de Judá tornou-se desprezível vassalo de Nabucodonosor, e continuou em sua fidelidade três anos, depois que ele se rebelou contra ele. Mas ele não recebeu nem incentivo nem a ajuda dos povos vizinhos. "Senhor enviou contra ele as tropas dos caldeus, as tropas dos sírios, tropas dos moabitas e tropas dos filhos de Amom, e enviou contra Judá, para o destruírem, conforme a palavra do Senhor, que ele falara por seus servos, os profetas "( 2 Reis 24: 2 ). A história da última parte do reinado de Joaquim é obscura.

 

O historiador hebreu diz que após um reinado de 11 anos dormiu com seus pais, do qual se infere que ele morreu de morte natural. De Daniel sabemos que, no terceiro ano de Joaquim, Nabucodonosor veio contra Jerusalém, ea sitiou, e levado, juntamente com utensílios da casa de Deus, membros da linhagem real, e dos nobres de Judá, entre os quais estava Daniel, o profeta. Que Joaquim foi incluído no que parece ser uma primeira parcela do cativeiro de Judá é expressamente afirmada pelo cronista que diz: "Contra ele (Joaquim) subiu Nabucodonozor ... e amarrou com cadeias, para o levar a Babilônia" ( 2 Crônicas 36: 6 ). No entanto, os fatos realmente se, o historiador acrescenta que o registro da morte de Joaquim e da sucessão de Joaquim, o comentário significativo: "E o rei do Egito nunca mais fora desta terra, porque o rei de Babilônia tinha tomado , desde o rio do Egito até o rio Eufrates, tudo o que pertencia ao rei do Egito "( 2 Reis 24: 7 ).

 

7 cerco e rendição de Jerusalém sob Joaquim, 597 bc

 

Joaquim que sucedeu a Joaquim reinou apenas três meses, o mesmo período de tempo que o seu Jeoacaz infeliz antecessor ( 2 Reis 23:31 ). O cativeiro de Jeoacaz, no Egito e do cativeiro de Joaquim em Babilônia, lamentou em uma elegia marcante por Ezequiel, que os compara com os jovens leões, a descendência da leoa mãe Israel, que aprendeu a apanhar e suas presas e devorou homens, mas foram tomadas no poço das nações e colocar em anéis, de modo que seu rugido não mais se ouviu nas montanhas de Israel ( Ezequiel 19: 1-9 ). Nabucodonosor veio em pessoa enquanto seus servos a estavam sitiando Jerusalém, e Joaquim, incondicionalmente rendido. Assim o rei e sua mãe, e seus servos, e seus príncipes e seus oficiais foram levados com os homens valentes, deu mil cativos. 'Nenhum permaneceu, salvar a espécie mais pobre do povo da terra. Tirou dali todos os tesouros da casa do Senhor, e os tesouros da casa do rei, e despedaçou todos os vasos de ouro, que Salomão, rei de Israel, fizera no templo do Senhor, como o Senhor tinha dito.

 

8 primeira deportação, 597 bc

 

E todos os homens valentes, até sete mil, e os artífices e os ferreiros de mil, todos eles fortes e aptos para a guerra, mesmo eles o rei de Babilônia, levou cativos para a Babilônia. E o rei de Babilônia fizeram Matanias, irmão do pai de Joaquim, rei em seu lugar, e mudou o nome para Zedequias "( 2 Reis 24: 10-17 ). De Joaquim data a deportação para Babilônia, sendo o ano de 597 aC. O monarca infeliz vivia exilado na Babilônia 38 anos, e parece ter mantido o respeito ea lealdade dos exilados, entre os quais ele habitava.

 

Os cestos de figos

 

Foi com referência à deportação dos príncipes e dos artesãos e ferreiros que Jeremias teve a sua visão dos cestos de figos - um contendo figos muito bons, como os figos temporãos; o outro muito ruim, tão ruim que não poderia ser comido ( Jeremias 24: 1-3 ). Os figos bons eram os exilados de Judá levados para a terra dos caldeus, para o bem; os figos ruins foram o rei Zedequias e seus príncipes eo restante de Jerusalém, sobre os quais julgamentos severos ainda estavam a cair, até serem consumidos de sobre a terra ( Jeremias 24: 4-10 ).

 

9 O Ministério de Ezequiel, 592-570 aC

 

Entre os cativos Assim levado para a Babilônia e colocados nas margens do Quebar era o sacerdote-profeta Ezequiel. Cinco anos depois do cativeiro, ele começou a ter suas maravilhas "visões" de Deus, e para declarar a sua importação para os exilados pelos rios da Babilônia. Para os cativos desanimados que estavam absortos com os pensamentos do reino de Judá, ainda não dissolvido, e da Cidade Santa, ainda não queimada a fogo, Ezequiel só poderia proclamar por símbolo e alegoria a destruição da cidade e do país, até o dia Quando a notícia chegou até eles angustiantes de sua derrubada completa. Em seguida, aos cativos esmagados e desesperados ele pronuncia não lamentações de Jeremias, mas previsões bastante alegres de uma cidade reconstruída, de um reino reconstituído, e de um templo renovado e glorioso.

 

Ministério da 10 Jeremias em Jerusalém, 597-588 aC

 

Embora a flor da população tinha sido levado para a Babilônia eo templo tinha sido despojado de seus tesouros, Jerusalém e do templo ainda estava de pé. Para os moradores que foram deixados para trás, e para os cativos na Babilônia, Jeremias tinha uma mensagem. Para este último, ofereceu conselhos de submissão e de contentamento, assegurou que as idolatrias detestáveis e repugnantes ao seu redor seria jogá-los de volta para a lei do seu Deus, e, assim, promover o trabalho de regeneração moral e espiritual dentro deles. "Assim diz o Senhor, vou dar-lhes um coração para me conhecer, que eu sou o Senhor, e eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus; pois se voltarão para mim de todo o coração "( Jeremias 24: 5 , Jeremias 24: 7 ).

 

 Para "o resíduo de Jerus" seus conselhos e previsões eram de mau gosto, e expô-lo à suspeita de deslealdade para com o seu povo e seu Deus. Nenhum de seus avisos foi mais impressionante do que simbolicamente proclamado pelas bandas e bares que o profeta era colocar ao pescoço para enviar aos reis de Edom e Moabe e Amom e de Tiro e Sidon, que parecem ter idéias tiveram de formar uma aliança contra Nabucodonosor. Zedequias, também foi instado a apresentar, mas ainda entretido esperança de que o rei de Babilônia, permitiriam os exilados de Judá para voltar. Ele até mesmo foi para a Babilônia, talvez convocado para lá por seu suserano ( Jeremias 51:59 ). Com um partido egípcio em Jerusalém pedindo uma aliança com o Egito, e com um faraó jovem e guerreira no trono, Hofra (Apries), Zedequias considerou a oportunidade favorável para alcançar a independência, e entrou em uma intriga com o rei egípcio. Então Zedequias se rebelou contra o rei de Babilônia ( 2 Reis 24:20 ).

 

Rebelião de 11 Zedequias e do cerco de Jerusalém, 588-586 aC

 

Foi um lance ousado, mas Nabucodonosor, não admitiria tal deslealdade dos seus vassalos. Ele marchou imediatamente para o Ocidente, e se comprometeu a Nebuzaradã, tarefa de capturar Jerusalém, enquanto ele próprio estabeleceu seu quartel-general em Ribla, na Síria, no Orontes. Enquanto isso, o Faraó com o seu exército cruzaram a fronteira com a ajuda de seus aliados, e obrigou os caldeus a levantar o cerco de Jerusalém e se encontrar com ele no campo ( Jeremias 37: 5 ). Mas aqui a sua coragem falhou, e ele retirou às pressas, sem oferecer batalha. Nebuzaradã levou agora volta seu exército eo cerco se tornou mais perto do que antes.

 

Jeremias "Falling Away para os caldeus"

 

Durante o espaço de manobra conferida pela retirada dos caldeus, Jeremias estava saindo da cidade para sua Anathoth nativa, cerca de 4 milhas a nordeste do outro lado da serra, no negócio da família ( Jeremias 37: 11-15 ). Sua partida foi observado, e ele foi acusado de apostasia para os caldeus, e lança-se um calabouço improvisado na casa de Jônatas, o escriba. Embora haja o rei mandou chamá-lo e perguntou: "Há alguma palavra da parte do Senhor?" E Jeremias respondeu sem medo: "Não há. Serás entregue na mão do rei de Babilônia." Por um tempo, Jeremias, pelo favor de Zedequias, apreciado após este um maior grau de liberdade; mas como ele continuou a insistir na audição de todas as pessoas o dever de entrega, seus inimigos juraram que ele deveria ser condenado à morte, e teve o escalou em uma cisterna vazia falta, onde ele corria o risco de ser sufocada ou morreram de fome . Mais uma vez o rei pediu uma entrevista com o profeta, dando-lhe segurança privada que não iria matá-lo nem permitir que seus inimigos para fazê-lo. Mais uma vez, o profeta aconselhou a rendição, e novamente ele foi autorizado a medida de liberdade.

 

12 Destruição de Jerusalém, 586 aC

 

Flight, captura e punição de Zedequias

 

Mas a fim de cidade foi condenado pelo lado. No 11 º ano de Zedequias, 586 aC, no quarto mês, o nono dia do mês, uma brecha foi feita na cidade ( Jeremias 39: 1 , Jeremias 39: 2 ), eo assalto final concluído o trabalho que tinha sido feito por meses de fome e miséria. Zedequias e os seus homens de guerra parecem não ter esperado para a entrega do último assalto. Eles fugiram da cidade durante a noite ", pelo caminho do jardim do rei, pela porta entre os dois muros", e fez para o leste para a Arabá. Mas o exército dos caldeus os perseguiu, e alcançou a Zedequias nas campinas de Jericó.

 

Eles o levaram preso eo levaram a Nabucodonosor, em Ribla, onde o rei de Babilônia matou primeiro filho de Zedequias, e em seguida, colocar para fora seus olhos. Com os filhos do monarca capturados foram mortos todos os nobres de Judá. Desta vez, nem cidade nem templo, nem palácio foi poupado. Nebuzaradã "queimou a casa do Senhor, ea casa do rei, e todas as casas de Jerusalém, mesmo cada grande casa, ele as queimou" ( 2 Reis 25: 9 ). Seus soldados, também, derrubou os muros em redor de Jerusalém. O tesouro e os móveis caros do Templo, na medida em que havia escapado do ex-espoliação, foram levados para a Babilônia. A ruína de Jerusalém estava completa.

 

O Livro das Lamentações expressa a dor ea vergonha e arrependimento de uma testemunha ocular das capturas e desolação da cidade santa: "vos Senhor cumpriu sua ira, ele derramou sua ira, e ele tem acendeu um fogo em Sião, que tem consumiu os seus fundamentos. Os reis da terra não acreditou, nem todos os habitantes do mundo, que adversário ou inimigo pudesse entrar pelas portas de Jerusalém. Ai de nós! porque pecamos. o nosso coração é fraco , porque os nossos olhos são fracas, pois o monte de Sião, que está assolado, andam os chacais que "( Lamentações 4:11 , Lamentações 4:12 ; Lamentações 5:16 , Lamentações 5:18 ).

 

13 Segundo Deportação de habitantes, 586 aC

 

"Então Judá", diz o profeta, que tinha sido através do cerco ea captura (se não melhor, o editor de suas profecias), "foi levado cativo para fora da sua terra" ( Jeremias 52:27 ). As declarações dos números transportados são, no entanto, conflitantes. Em Jeremias ( Jeremias 52: 28-30 ), lemos de três deportações: a de 597 aC, quando 3.023 judeus foram levados; que de 586 aC, quando Nabucodonosor levado 832 pessoas; e um prazo máximo de dois em 581 aC, quando Nebuzaradã levou cativas, dentre os judeus 745 pessoas - de um total de 4, 600.

 

14 Terceiro Deportação, 581 bc

 

(1) número e qualidade dos Exilados

 

Em 2 Reis 24:15 , 2 Reis 24:16 diz-se que em 597 Nabucodonosor, levado para a Babilônia 8.000 homens. Dr. George Adam Smith, tendo todos os dados em conjunto estima que os mais altos valores possíveis são 62.000 ou 70.000 homens, mulheres e crianças, menos da metade de toda a nação ( Jerusalém , II, 268-70). Em 597 aC, Nabucodonosor levado os príncipes e nobres e artesãos e ferreiros, deixando para trás o tipo mais pobre do povo da terra ( 2 Reis 24:14 ).

 

(2) O resíduo deixado

 

Em 586 aC Nebuzaradã levou o resto do povo que havia ficado na cidade, mas ele "deixou de os mais pobres da terra para ser vinhateiros e lavradores" ( 2 Reis 25:12 ). "Eles eram, como as narrativas bíblicas depor, o mais pobre da terra , de quem todos os homens de substância e energia tinha sido peneirado; meros grupos de camponeses, sem um líder e sem um centro; desorganizado e deprimido; mordido por fome e cercaram por inimigos;. iletrados e uma presa fácil para o paganismo pelo qual eles foram cercados Podemos apreciar o silêncio que reina na Bíblia a respeito deles, e que tem nos enganado quanto aos seus números eram uma quantidade insignificante no futuro religioso da. Israel: sem iniciativa, ou uma influência, exceto o de um peso morto sobre os esforços dos reconstrutores da nação, quando estes finalmente retornaram de Babilônia "( Jerusalém , II, 269-70).

 

15 Gedalias, o governador de Judá

 

Sobre aqueles que foram deixados para trás, Gedalias foi nomeado governador, com sua residência em Mispa, onde também um contingente da Babilônia permaneceu em guarda. Jeremias tinha a opção de ser levado para a Babilônia ou de permanecer em Judá. Ele preferiu ficar com o resto do povo sob os cuidados de Gedalias. Com o assassinato de Gedalias por Ishmael, um descendente traidora da casa real, que por sua vez teve de fugir e conseguiu fugir, parecia que o último vestígio do antigo reino de Judá foi exterminada.

 

(1) Jeremias ea fuga para o Egito

 

Contra o conselho de Jeremias, o remanescente, liderada por Joanã, filho de Careá, resolveu se refugiar no Egito, e insistiu em que Jeremias e seu amigo Baruch deve acompanhá-los. É no Egito, em meio a decepção e deturpação que ele teve de suportar, que temos a nossa última visão do profeta da queda de Judá.

 

(2) Os descendentes dos fugitivos, 471-411 aC

 

Dos descendentes desses colonos no Egipto restos notáveis foram descobertos nos últimos anos. Elas consistem em aramaico papiros que foram encontradas, Assouan, o Siena antigo, e que pertencem a um tempo não mais de um século após a morte de Jeremias. Os documentos são contas e contratos e ações de vários tipos, a partir do qual nos reunimos que, no século 5 aC, havia judeus mantendo-se à parte, como ainda o fazem, adorando o Senhor, e não há outro Deus, e mesmo tendo um templo e um altar de sacrifício para que eles trouxeram ofertas como seus pais fizeram em Jerusalém, antes da destruição do Templo. Estes papiros nos dar vislumbres valiosos da condição social e do interesse religioso dos colonos.

 

16 Os exilados na Babilônia: sua condição social, 464-405 aC

 

Dos judeus cativos levados por Nabucodonosor, e estabeleceu-se pelos rios da Babilônia, nós aprendemos alguma coisa com as profecias de Daniel, que agora são geralmente acredita-se pertencer ao período dos Macabeus, e muito das profecias de Ezequiel, dos Salmos do Cativeiro e, a partir do Segundo Isaías, cujo brilhante mensagens de encorajamento e conforto foram inspirados pelo pensamento do retorno. De Ageu e Zacarias, vemos como a obra de reconstrução do templo foi concebido e realizado. Da condição social dos Exilados uma revelação interessante é dado pelas escavações em Nippur. De tabuletas cuneiformes, agora no Museu Imperial Otomano em Constantinopla, conservadas entre os arquivos de negócios da empresa rica de Murashu, filhos de Nippur, no reinado de Artaxerxes I e DarioII (464-405 aC), não pode ser lido um grande número de nomes judaicos.

E o mais notável é que muitos dos nomes são aqueles conhecidos por nós a partir das listas genealógicas e outros dos Livros de Ki e Ch e Esdras e Neemias. Professor Hilprext ( A babilônico Expedition , IX, 13ss) infere da análise destes que um número considerável de judeus exilados, levados por Nabucodonosor, após a destruição de Jerusalém, foram liquidados em Nippur e sua vizinhança. Desse fato, há várias provas. A tradição talmúdica que identifica Nippur com Calné ( Gênesis 10:10 ) ganha nova força à luz desses fatos. E "o rio Khebar na terra dos caldeus," por que Ezequiel viu sua visão, agora é conhecido pelas inscrições para ser um grande canal navegável não muito longe de Nippur (ibid., 27, 28).

 

17 O surgimento e desenvolvimento do judaísmo

 

A influência do cativeiro como um fator no desenvolvimento do judaísmo não pode ser subestimada. "O cativeiro de Judá," diz o Dr. Foakes-Jackson ( Bíblica História dos hebreus , 316) "é um dos maiores eventos na história da religião .... Com o cativeiro da história de Israel termina, ea história dos judeus começa. " Colocado no meio de um ambiente pagãos e idólatras a Golah recuaram das abominações de seus vizinhos e agarrou-se à fé de seus pais no Deus de Abraão. Expostos aos insultos e desprezo das nações que os desprezavam, eles formaram um círculo interno de seus próprios, e cultivada que exclusividade que marcou desde então.

 

Estar sem um país, sem um sistema de ritual, sem qualquer base material para a sua vida, como um povo, eles aprenderam como nunca antes para prêmio os bens espirituais que haviam descido para eles do passado. Eles construíram sua nacionalidade em seu novo ambiente sobre o fundamento de sua religião. Seus profetas, Jeremias e Ezequiel, havia encorajado e estimulado-los com a garantia de bênçãos espirituais, ea promessa de restauração. Por toda a sua vida social e doméstica e espiritual não era necessário algum princípio ou esquema regulador estável e contínua.

 

A necessidade deste jogaram seus líderes e pensadores de volta sobre a Lei de Moisés. O rabino eo escriba tomou o lugar do sacerdote sacrificar. A sinagoga eo sábado veio a ocupar um novo lugar para a prática religiosa do povo. Estas e outras instituições do judaísmo só atingiu a maturidade após o retorno, mas o cativeiro e do exílio criou as necessidades que deveriam abastecer. Enquanto os profetas eram clara e explícita em estabelecer o cativeiro, eles não eram menos na previsão do retorno. Isaías com sua doutrina da Remnant, Miquéias, Sofonias, Jeremias, Ezequiel e outros presenteado com a visão de Deus, alegrou a nação, cada um no seu dia, com a esperança de recuperação e retorno, não para Judá, mas só para Israel, bem . Vineyards fosse plantada novamente sobre os montes de Samaria, bem como nos vales de Judá. Jeremias tinha sequer previu a duração do período do exílio, quando declarou que os habitantes da terra deveria servir ao rei de Babilônia por setenta anos ( Jeremias 25:12 ; Jeremias 29:10 ).

 

18 O Retorno com permissão de Ciro, 538 aC

 

Foi em Ciro, que provocou a queda de Babilônia, e terminou o Novo Império Babilônico, em 539 aC, que as esperanças dos exilados passou a ser centralizado. Ele era "o machado de guerra" com a qual o Senhor estava para destruir Babilônia ( Jeremias 51:20 ), e como ele passou em seu caminho da vitória, o vidente desconhecido a quem chamamos o Segundo Isaías recebeu-o como o libertador de seu povo. "Assim diz o Senhor ... de Jerusalém, Ela será habitada, e das cidades de Judá: Elas serão edificadas, e eu levantarei as suas ruínas, que diz ao fundo, estar seca, e eu vou secar os teus rios; que digo de Ciro: Ele é meu pastor, e cumprirá tudo o meu prazer, mesmo dizendo de Jerusalém, ela deve ser construída, e do templo, Teu fundação devem ser definidas "( Isaías 44: 26-28 ) .

 

19. reconstrução do templo, 536 bc

 

Dentro de um ano após a entrada de Ciro na Babilônia um édito foi emitido ( 2 Crônicas 36:22 , 2 Crônicas 36:23 ; Esdras 1: 1 ), a concessão de permissão para os exilados a voltar e construir uma casa para o Senhor em Jerusalém. Ele também tirou os utensílios do templo que Nabucodonosor tinha levado e os entregou a Sesbazar, príncipe de Judá; e Sesbazar trouxe com ele quando os do cativeiro foram conduzidos de Babilônia para Jerusalém.

 

Pormenores do retorno são dadas nos livros de Esdras e Neemias, e nas profecias de Ageu e Zacarias. Dos 42.360 exilados retornaram sob Sesbazar, além de escravos; e sob Jesuá, filho de Jozadaque, o sacerdote, e Zorobabel, filho de Sealtiel, primeiro um altar foi construído e, em seguida, as fundações do Templo foram estabelecidas. Em consequência da oposição dos samaritanos, que foram recusou qualquer participação na restauração do Templo, o trabalho de reconstrução foi muito prejudicada, e chegou a parar. Foi então que Ageu e Zacarias pediu a retomada do trabalho e, em parte, ao denunciar a avareza do povo e em parte por prenunciando o futuro glorioso na loja para o Templo, apressou-se a empresa.

 

Concluído 515 aC

 

Por fim, no mês de Adar, no sexto ano de Dario (515 aC), a obra foi concluída ea Páscoa celebrada dentro dos tribunais do Santuário restaurado ( Esdras 6: 15-18 ).

 

20. reformas e trabalhos de Esdras e Neemias, 445 bc

 

Há algumas décadas, a história é silenciosa, e foi em 458 aC que Esdras partiu para Jerusalém levando 1.800 judeus junto com ele. Ele descobriu que os judeus voltaram haviam se tornado aliado no casamento com o povo da terra e estavam em perigo de perder suas características raciais por absorção entre as nações ( Esdras 9: 1-15 ). Foi sem dúvida devido aos seus esforços e os de Neemias, apoiado pelos poderosos de busca e declarações de Malaquias, que este perigo foi evitado. Treze anos depois (445 aC), Neemias, o copeiro de Artaxerxes, tendo ouvido falar da condição desolada da cidade santa, o lugar dos sepulcros de seus pais, obteve licença de seu mestre para visitar Jerusalém.

 

 Com cartas aos governadores na rota e para o guarda da floresta do rei, ele partiu, e chegou com segurança a Jerusalém. Tendo-se inspecionou as paredes que chamou o povo ao trabalho de reparar as ruínas e, apesar dos insultos e calúnias e hostilidade ativa da oposição Samaritano teve a satisfação de ver o trabalho concluído, os portões configurar ea cidade repovoada. Neemias e Esdras então convocou o povo para ouvir as palavras da lei, e em uma convocação solene da Lei foi lido e explicado para a montagem. A partir de então um pacto foi firmado entre as pessoas que iriam observar a Lei de Moisés e não casam com os pagãos, nem tráfego no sábado, mas pagaria um terço de um shekel anualmente para os serviços do Templo e traria primícias e dízimos ( Neemias 10:28 ). 

 

21. teorias modernas do retorno

 

O curso da história como aqui definido tem sido contestada por alguns estudiosos modernos, que sustentam que não houve retorno dos exilados sob Ciro e que a reconstrução do Templo era o trabalho dos judeus que permaneceram em Judá e Jerusalém ( EB , o artigo "Esdras-Neemias"). Este ponto de vista, realizado pelo falecido Professor Kosters de Leyden e apoiada pelo professor HP Smith e outros estudiosos, procede em grande parte da rejeição do caráter histórico do livro de Esdras-Neemias. As dificuldades históricas que são encontradas no livro são, de modo algum, como nos garante em negar o fato de o retorno ea obra de Ezra em conexão com Neemias.

 

Quanto ao retorno, o curso da narrativa é muito bem comprovados por documentos que levam sobre si o selo da verdade histórica a ser precipitadamente disputado. Além disso, parece altamente improvável que uma empresa que necessita de tal energia e habilidade e fé deveria ter sido realizada, sem estímulo de fora, pelo resto do povo. Já vimos quão pouco iniciativa era de se esperar dos mais pobres do povo; eo silêncio de Ageu, sobre o tema do retorno, não é um argumento contra ela. Que o judaísmo da Palestina necessário fortalecimento de uma perfusão de zelo e entusiasmo que cresceu no judaísmo babilônico, se manifesta a partir da história do Cativeiro.

 

22 importância do período Esdras-Neemias

 

A partir da idade de Neemias e no período imediatamente anterior veio influências da maior momento para o futuro. "Dentro destes cem anos", diz o falecido Dr. P. Hay Hunter em depois do exílio (I, xvi), "o ensino de Moisés foi estabelecida como a base da vida nacional, os primeiros passos foram dados para a formação de um cânon das Escrituras. sociedade judaica foi moldado em uma forma que séculos seguintes modificado, mas não mudou essencialmente. Durante este período, a Judéia dos dias de nosso Senhor veio a existir. dentro deste período as forças que se opõem a Cristo, as forças que reuniram-se para o seu lado, tiveram a sua origem. Este século viu a ascensão de partidos, que mais tarde se tornaram seitas sob os nomes de fariseus e saduceus. Ele lançou as bases da Rabinismo. Ele fixa a atitude dos judeus em relação aos gentios. Ele colocou o sacerdócio na forma de autoridade suprema. Ela deu à luz o cisma samaritano ".

 

Diáspora Judaica

 

O Cativeiro da Babilônia acabou em 539 a.C., quando o xá aquemênida Ciro II conquistou a Babilônia libertou os judeus, que retornaram a Palestina e reconstruíram o templo de Jerusalém, que havia sido destruído por Nabucodonosor. Em 332 a.C. os persas foram derrotados por Alexandre, o Grande, e os macedônios e gregos passaram a dominar a Palestina, seguido pelo domínio romano, a partir de 63 a.C..

 

Após a contenção da revolta judaica iniciada em meados da década de 60 d.C., e a destruição de Jerusalém em 70 d.C., os judeus se dispersaram pelo mundo - foi o início da Diáspora Judaica.

 

Retorno

 

No século XIX, o movimento sionista, organizado por Theodor Herzl, passou a ocupar terras na Palestina e, com o apoio da Inglaterra, interessada em pender o equilíbrio político e econômico para seus interesses. Dessa forma, a presença judaica passou, aos poucos, a superar a de palestinos.

 

Em 1948, a Assembléia Geral da ONU, sob impacto do Holocausto,[carece de fontes] criou o Estado de Israel, juntamente com a criação de um estado palestino, que consistiria dos territórios da Cisjordânia e Transjordânia. Assim, o povo hebreu, agora conhecido como judeu, voltou à sua Terra Prometida. Enquanto isso, grupos palestinos lutam pela criação de um estado palestino que inclua Jerusalém Oriental, se utilizando inúmeras vezes de atentados terroristas contra Israel (estado que não é reconhecido por eles).

 

 

Internacional Standard Bible Encyclopedia 1870