Translate this Page

Rating: 2.9/5 (953 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


o cristianismo e o imperio Romano
o cristianismo e o imperio Romano

                                                               

                                        IMPÉRIO ROMANO E O CRISTIANISMO

I. ESBOÇO do Império Romano

1 Roman Empire resultado do conflito social

2. Vinda de Monarquia

(1) Esgotamento dos Partidos

(2) A incapacidade de qualquer Aristocracia ou Democracia to Hold Equilibrium

(3) Súmulas

(4) A retirada da vida pública: Individualismo

(5) industrial

(6) Militar

(7) os interesses imperiais

(8) Influência de Orient

II. PREPARAÇÃO DO IMPÉRIO ROMANO PARA CHRI STIANITY

1. Pax Romana ea unificação do mundo

2. cosmopolitismo

3. Ecletismo

4. Protecção da Cultura grego

5. Linguisticamente

6. Materialmente

7 Tolerância

8 Padrão de uma Igreja Universal

9 Jurisprudência Roman

10 Preparação Negative

III. ATITUDE DO IMPÉRIO ROMANO DE RELIGIÃO S

 

1. Roman ou Estado Religião

Religiões 2 não-romanos - religiones licitae e religiones illicitae

(1) Judaísmo uma religio licita

(2) Por que o cristianismo estava sozinho Proscribed

(3) dois impérios: Causas do Conflito

(A ) A confusão entre Espiritual e Temporal

( b ) Reivindicações exclusivas do cristianismo

( 100 ) Novidade do cristianismo

( d ) Intolerância e exclusividade da Religião Cristã e Sociedade Cristã

( e ) Obstinatio

(F ) A agressividade contra Pagan Fé

( g ) Christianos ad leones: Calamidades Públicas

( h ) Odium generis humani

(4) O Império Romano Não é o único fator perturbador

IV. RELAÇÕES ENTRE A Império Romano e C HRISTIANITY

1. início do cristianismo até a morte de Nero, 68 dC

2 Período Flaviano, 68-96 AD

3 O Período de Antonine, 96-192 dC

4 Alterar dinastias, 192-284 AD

5. Diocleciano até primeiro edital Geral de Tolerância, 284-311 AD

6 Primeiro Édito de Tolerância até Extinção de Império do Ocidente, 311-476 AD

V. VITÓRIA DO CRISTIANISMO E CONVERSÃO O F O Império Romano

1. as causas negativas

2. Causas positivos

LITERATURA

I. Esboço do Império Romano.

1 Roman Empire resultado do conflito social:

 

A fundação do Império Romano foi o mais grandioso feito político já realizado. As conquistas de Alexandre, o Grande, Carlos Magno e Napoleão parecer pequeno em comparação com a estrutura durável criados por Julius e seu sucessor, Augusto. Em certo sentido Júlio César - o homem mais maravilhoso que Roma ou em qualquer outro país produziu - foi o fundador do império , e Augusto, o fundador do principado . Mas o império romano foi o culminar de um longo processo de crescimento político, constitucional e social que dá um interesse duradouro na história romana. 

O Império Romano era a única solução possível de uma luta de 700 anos ', e história romana é a história do conflito de classe, com classe, patrícia contra plebeu, populus contra plebe , o antagonismo de oligarquia e democracia, plutocracia contra massas negligenciadas. É o relato da marcha triunfal da democracia e do governo popular contra uma casta governante exclusivo. Contra as probabilidades pesados ​​os plebeus fizeram valer seus direitos até que garantiu pelo menos uma medida de igualdade social, política e jurídica com seus superiores (ver ROMA, I, 2-4). Mas, no longo conflito ambas as partes degenerou até nem democracia militante nem oligarquia despótica poderia manter o equilíbrio com a justiça. Democracia havia vencido na luta árdua, mas perdeu-se e foi obrigado a aceitar um mestre comum com a aristocracia. Era de pequena importância para o cristianismo que o império romano - praticamente sinônimo de terrarum orbis - tinha vindo a convergir tanto de causas internas e externas em direção a um governo de um homem só, o equivalente político de uma religião universal com um Deus e Salvador.

 

(1) Júlio César.

 

Para um par de gerações líderes políticos tinha previsto a vinda de poder supremo e tentou agarrá-la. Mas foi Júlio César quem melhor conseguiu explorar a democracia para o seu próprio engrandecimento. Ele provou o fator potente do primeiro triunvirato (60 aC); seu consulado (59) foi verdadeiramente real. Em 49BC ele cruzou o Rubicão e declarou guerra contra seu país, mas no mesmo ano foi nomeado ditador e, assim, fez seus inimigos, os inimigos de seu país. Ele venceu os pompeianos - senatorial e republicano - em Farsália em 48 aC, Thapsus em 46 aC, e Munda em 45 AC. Entre 46 e The Ides of March 44 nenhum imperador Diocleciano antes era mais imperial. Ele foi reconhecido oficialmente como "semideus"; templos foram dedicados à sua "clemência". Ele encorajou as pessoas a abdicar a ele os seus privilégios de auto-governo e de direito de eleição, se tornou o principal ( princeps ) do Senado e sumo sacerdote ( pontifex maximus ), para que ele pudesse manipular até mesmo a vontade dos deuses para seus próprios fins . Seus planos eram igualmente grande e benéfica. Ele viu a necessidade de misturar as populações heterogêneas em um só povo e estender a cidadania romana. Sua visão era maior e mais favorável à vinda do cristianismo do que o de seu sucessor, Augusto. O último aprendeu com o destino de César que ele tinha avançado muito rapidamente ao longo do caminho imperial. Ele ensinou Augustus cautela.

 

(2) Augusto.

 

Otaviano (Augusto) provou o fator potente do segundo triunvirato. O campo de Actiuim setembro em 2,31 BC, decidiu o destino da antiga república romana. A comunidade afundou em exaustão após a guerra civil e fratricida prolongado. Foi um caso de sobrevivência do mais apto. Foi uma grande crise na história humana, e um grande homem estava à mão para a ocasião. Otaviano percebeu que o poder supremo era a única solução possível. Em seu retorno a Roma, ele começou a fazer de novo o que César tinha feito - reunir em suas próprias mãos as rédeas do governo. Ele foi bem sucedido com mais cautela e astúcia, e tornou-se o fundador do império romano , que começou oficialmente em janeiro 16,27 aC, e foi sinalizada pela outorga do título AUGUSTUS (Que ver). Sob formas republicanas ele governou como imperador, a legislação de controle, administração e os exércitos. Sua política foi em toda a aderida pela linha de Julio-Claudiana, o último dos quais foi Nero (falecido em 68 dC).

 

(3) dinastia Flávia.

 

Em 68 AD um novo "segredo do império" foi descoberto, ou seja, que o principado não era hereditária em uma linha e que os imperadores poderiam ser nomeados pelos exércitos. Após as guerras civis sangrentas de 68, "o ano dos quatro imperadores", Vespasiano fundou a Dinastia IInd e sucessão dinástica era para o presente novamente adotado. Com os Flávios começa uma nova época na história romana de importância acentuada para o cristianismo. As idéias romanas exclusivos estão em declínio. Vespasiano foi de grau plebeu e Sabine e, portanto, não-romano, o primeiro de muitos imperadores não-romanos. Suas idéias eram provincial em vez de Roman, e favorável à fusão de classes, o processo de nivelamento agora firmemente configuração. Embora ele aceitou a Augusta "diarquia", ele começou a restringir os poderes do Senado. Seu filho Tito morreu jovem (79-81). O reinado de Domiciano marca uma nova época na imperialismo: o seu espírito autocrático está a meio caminho entre o principado de Augusto e da monarquia absoluta de Diocleciano. Domiciano, o último dos "doze Césares" (Suetônio), foi assassinado setembro 18,96 AD. Os soldados em meio a uma guerra civil elegeu a última dinastia. Desta vez, o Senado afirmou-se e nomeou uma breve série de imperadores - em geral o melhor que usava o roxo.

 

(4) adoptivo ou Antonino Imperadores.

 

O Antonine é outro era distinta marcada por governo humano, o reconhecimento dos direitos das províncias e uma ampliação das idéias de universalismo. Sob Trajano o império foi estendida; uma série de bloqueios de fronteira foi estabelecida - uma confissão de que Roma poderia avançar mais longe. Sob Adriano uma política de retirada começou; doravante Roma nunca mais na agressivo, mas sempre na defensiva contra os bárbaros inquietas é. Inconfundíveis sinais de fraqueza e decadência fixado em menos de Antonino Pio e Marco Aurélio. Este, o melhor e mais feliz período de governo imperial romano, foi o começo do fim. Nesta época nós detectamos uma crescente centralização da autoridade; Senado praticamente se torna uma ferramenta do imperador. Um serviço público distinto foi estabelecido que culminou com a burocracia sob Adriano.

 

(5) A alteração dinastias, 193-284 AD.

 

Com a morte de Commodus, cujo reinado 180-93 AD arquibancadas, por si só, o império foi colocado à venda pela soldadesca e derrubou a quem pagar mais. A base militar do império foi enfatizado - o que era realmente essencial neste período de agressividade bárbaro adiar a queda do império até a sua missão providencial foi realizado. A rápida sucessão de governantes segue, quase cada novo governante trazendo uma nova dinastia. Essas forças desagregadoras estabelecidos em que se desenvolveu tão rapidamente desde o reinado de Diocleciano. A pax Romana tinha passado; comoção civil acentuou os perigos de invasores bárbaros. Peste e fome despovoadas províncias ricas. Própria Roma cai para segundo plano eo espírito provincial afirma-se proporcionalmente. O ano 212 AD é memorável para o edito de Caracalla converter toda a população livre em cidadãos romanos.

 

(6) A partir de Diocleciano Até Partition.

 

No próximo período de monarquia absoluta de puro tipo oriental foi criada por Diocleciano, um dos mais capaz de governantes romanos. Ele inaugurou o princípio da divisão e subdivisão do poder imperial. A separação inevitável do Oriente e do Ocidente, com a crescente proeminência do Oriente, torna-se aparente. Roma e Itália são reduzidos à categoria de províncias, e os novos tribunais são abertos pelos dois Augusti e dois Césares. Divisão do poder de Diocleciano levou a conflitos civis, até que Constantino mais uma vez unidos em todo o império sob seu domínio. O centro de gravidade deslocado agora de Oeste a Leste pela fundação de Constantinopla. O império foi novamente parcelado para os filhos de Constantino, um dos quais, Constâncio, conseguiu novamente reunir-lo (350 dC). Em 364 foi novamente dividido, Valentiniano receber o Ocidente e Valens do Oriente.

 

(7) Final da Partição.

 

Com a morte de Teodósio I (395), o Ocidente eo Oriente caiu a seus filhos Honório e Arcádio, para nunca mais ser unidos. A metade ocidental rapidamente degenerou antes hordas bárbaras e governantes fraco. As províncias do oeste e África foram invadidos pela conquista de bárbaros que montou reinos independentes em solo romano. Burgúndios e visigodos se estabeleceram na Gália; este último estabeleceu um reino na Espanha. Os Vândalos sob Genserico fundada no sul da Espanha, depois cruzou para a África e reduziu. Godos explodiu sobre fronteiras romanas, instalou-se na Ilíria e invadiu a Itália. Alaric e seus godos poupado Roma em 408 por um resgate; em 409, ele apareceu novamente e configurar Átalo como rei dos romanos, e, finalmente, em 410 ele capturou e saquearam a cidade. Ele foi novamente saqueada pelos vândalos sob Genserico em 462, e, por fim, caiu antes de Odoacro e seus alemães em 476; ele anunciou ao mundo que o império do Ocidente havia cessado. O império do Oriente continuou em Constantinopla o maior poder político através de uma história chequred até a tomada da cidade em 1214, e sua captura final pelos turcos, em 1453, quando os seus tesouros espirituais e intelectuais foram abertos para terras ocidentais e provou de incalculável abençoando na preparação do caminho para a Reforma do século 16. O Oriente venceu o Oeste intelectualmente e espiritualmente. No Oriente, nasceu a religião da humanidade.

 

2 Vindo da Monarquia:

 

(1) Esgotamento dos Partidos.

 

O mundo romano tinha por duas gerações vindo à deriva em direção a monarquia, e, pelo menos, uma geração antes do império foi criado mentes claras viu a necessidade inevitável de governo de um só homem ou poder supremo, e cada líder político fez a sua ambição de compreendê-lo . As guerras civis cessaram durante um século com a morte de Antônio. Mas as lutas de Tibério Graco e Scipio Aemilianus, Caio Graco e Opimius, Druso e Felipe, Mário e Sila, Pompeu e César, e, por último Octavian e Antony tinha esgotado o Estado, e este esgotamento dos partidos políticos abriu o caminho para a monarquia. Na verdade, foi uma necessidade para o bem-estar da comunidade que deve ser elevado, que poderia razoavelmente manter o equilíbrio entre a oligarquia e os bens comuns e reconhecer devidamente os créditos de todos os partidos. Mesmo Cato Uticensis - a encarnação de idéias republicanas - admitiu que seria melhor escolher um mestre do que esperar por um tirano. As guerras sangrentas conseguia encontrar nenhuma solução, exceto a sobrevivência do mais apto. Além disso, as instituições políticas livres de Roma tornou-se inútil e não podia mais trabalhar sob a opressão armada de facções. Se qualquer forma de governo, só poder supremo provaria eficaz no meio, um senado debilitada impopular, commons corruptos e inativos, e os indivíduos ambiciosos.

 

(2) A incapacidade de qualquer Aristocracia ou Democracia to Hold Equilibrium.

 

Eventos provou que uma aristocracia exclusivo estreito era incapaz de um bom governo por causa de sua política totalmente egoísta e desrespeito pelos direitos de todas as ordens inferiores. Ele tinha aprendido a burke liberdade por assassinatos políticos. Nem a população heterogênea de Roma depois disciplinado para obedecer ou para iniciar um governo justo quando ele havia tomado o poder. Esta anarquia dentro do corpo político abriu uma maneira fácil de usurpação por indivíduos. No república e nenhuma forma de governo popular livre poderia viver em tais condições. César disse da república que era "um nome sem qualquer substância", e Curio declarou ser uma "quimera vão." Os tribunais compartilhada na corrupção geral. 

O judicia tornou-se o ponto de discórdia entre o Senado e os cavaleiros como o melhor instrumento para interesses partidários, e permitiu que os titulares ( um ) para receber grandes subornos, ( b ) para proteger a sua própria ordem, quando culpado de injustiça mais flagrante, e ( 100 ) para oprimir outras ordens. Justiça para todos e especialmente para os povos conquistados, era impossível. Assembléias eletivas recusou-se a realizar as suas funções próprias por causa da corrupção extravagante ou a presença de candidatos em armas. Na verdade, as pessoas estavam dispostas a abrir mão da prerrogativa de eleição e aceito os candidatos a nomeação de uma autoridade despótica. Todo o povo tornou-se incapaz de auto-governo e estavam dispostos - quase feliz - para ser aliviado da necessidade.

 

(3) Precedentes.

 

Além disso, precedentes para o governo de um só homem, ou a concentração de poder supremo em uma mão, não faltaram, e foram se multiplicando rapidamente na história romana que se aproximava o final da república. Muitos comandos prolongados e comissões especiais tinham habituado o Estado para a novidade de obediência, sem participação na administração. Os 7 consulships de Marius, o 4 de Cinna, as três comissões extraordinárias de Pompeu e seu único consulado, a ditadura de Sulla , sem limite de tempo , os comandos militares de dois períodos de 5 anos de César, suas ditaduras repetidas a última das quais foi estender por 10 anos - todos estes estavam apontando diretamente para cesarismo.

 

(4) A retirada da vida pública: O individualismo.

 

Por outro lado foi aberto o caminho para o poder supremo pela crescente tendência de algumas das mentes mais nobres e melhores de se retirar da vida pública para o isolamento da vida coração e, assim, deixar o campo aberto para a ambição demagógica. Após as conquistas de Alexandre, o Grande, a filosofia abandonou o ponto de vista cívico, político ou cidade-estado e tornou-se moral e individual. Estoicismo adotou os ensinamentos espirituais elevados de Platão e combinou-as com a idéia da irmandade da humanidade. Ele também pregou que o homem deve trabalhar por sua salvação, e não na vida política pública, mas na agonia secretos de sua própria alma. Esta religião tomou conta das mais nobres almas romanos que estavam conscientes do cansaço da vida e sentiu o desejo de comunhão espiritual e conforto. O pêndulo nos sistemas humanos de pensamento geralmente oscila ao extremo oposto, e estas almas graves abandonou a vida pública para a especulação privada e meditação.

 Aqueles que se manteve à frente dos assuntos - como o Cato mais novo - foram muitas vezes demasiado idealistas, vivendo no passado ou em uma república platônica ideal, e mostrou-se muito desigual para os demagogos práticas que viveram muito no presente com um olho afiado para o futuro. Além disso, um número considerável de o partido moderado, que em dias melhores teriam líderes decorados para o Estado, revoltado com a corrupção universal, triste com a situação desesperadora de conflitos sociais e inquieto pela incerteza quanto à questão da vitória para ambos disputando partido, manteve a distância e deve ter desejado e acolhido uma autoridade fundamental para dar estabilidade à vida social. Monarquia estava no ar, como o provam os sentimentos das duas letras pseudo-Sallustian, cujo autor convida César para restaurar o governo e reorganizar o Estado, para se Roma perecer todo o mundo deve perecer com ela.

 

(5) Industrial.

 

Para outra monarquia classe considerável deve ter sido bem-vinda - a classe industrial e meio que estavam lutando por competência e estavam envolvidos no comércio. As guerras civis e da contenda das partes deve ter dificultado muito a sua atividade. Eles lançaram a sua sorte nem com os optimates nem com a plebe ociosa. Eles desejavam apenas uma condição estável de governo sob o qual eles poderiam ininterruptamente exercer as suas profissões.

 

(6) Militar.

 

Condições militares favoreceu o poder supremo. Não apenas os comandos alongados familiarizar o general com suas legiões e lhe deu tempo para seduzir os soldados de sua própria causa, mas os soldados também tinha sido acariciado e mimado como a população de mão beijada. As velhas salvaguardas republicanas contra ambição havia sido removido. As fileiras dos exércitos também havia sido inchada com um grande número de inspetores e não-romanos, que não tinham nenhum sentimento especial sobre formas republicanas. Vimos o poder militar crescente cada vez mais proeminente. A única forma de evitar um despotismo militar apoiado e solicitado pelos soldados foi a criação de uma monarquia, mantendo todas as funções dos militares, legislativas e administrativas do Estado na devida proporção. Este foi superior a uma república meramente nominal sempre encolhendo sob o medo de líderes militares.

 

(7) os interesses imperiais.

 

Por último, a agressão e conquistas da república tinha provocado um estado de coisas que exigem um império. O Oriente eo Ocidente foram vencidos; muitas províncias e populações heterogêneas estavam vivendo sob a águia romana. Estas províncias não poderia ser permanentemente saqueada e oprimidos como sob o senado republicano. O civile jus de Roma deve aprender também a naturale jus e jus gentium . Uma facção senatorial egoísta exclusivo foi incapaz de fazer justiça aos povos conquistados. Um governante supremo sobre todas as classes levantadas acima da ambição pessoal poderia melhor atender às suas queixas. O Senado tinha governado com mão de ferro; as províncias não poderia ser pior sob qualquer forma de governo. Além disso, a monarquia era mais agradável para os provinciais do que uma república que não podiam compreender.

 

(8) Influência do Oriente.

 

Os orientais há muito estava acostumado a viver sob formas imperiais e absolutos de governo e gostaria de receber uma tal forma entre seus novos conquistadores. Além disso, residência no Oriente havia afetado os líderes militares romanas com a sede de poder absoluto. E nenhuma outra forma era possível quando o antigo sistema cidade-estado quebrou, e ainda governo federal não tinha sido sonhado. Outra consideração: as vastas e diferentes massas de população vivendo dentro dos domínios romanos poderiam ser mais facilmente realizada em conjunto sob um rei ou imperador do que por uma série de constante mudança administrações, assim como o Austro-Húngaro e os impérios britânico, provavelmente, são mantidos juntos melhor nas atuais monarquias do que seria possível no âmbito de um sistema republicano. Esta pesquisa pode tornar claro o interesse permanente na história romana para todos os estudantes da história humana. O império romano foi estabelecido de fato, na plenitude dos tempos para os seus cidadãos e para o cristianismo.

 

II. Preparação do império romano para o cristianismo.

 

Sobre o meio do reinado de Augusto uma criança judia nasceu que estava destinado a governar um império mais extenso e duradouro do que o do Caesars. É um fato surpreendente que quase síncrona com o plantio do Império Romano Cristianismo apareceu no mundo. Embora em um olhar superficial do Império Romano pode parecer o maior inimigo do cristianismo primitivo, e às vezes um perseguidor amarga, mas foi em muitos aspectos, a preparação maior e em alguns aspectos o melhor aliado do cristianismo. Ele inaugurou politicamente a plenitude dos tempos. O Caesars - o que pode ter sido ou feito - preparou o caminho do Senhor. Um breve relato deve ser dado aqui de alguns dos serviços que o império romano prestados à humanidade e, especialmente, para o reino de Deus.

 

1. Pax Romana ea unificação do mundo:

 

A primeira bênção universal conferido pelo império era a famosa Pax Romana ("paz romana"). O mundo não tinha estado em paz desde os tempos de Alexandre, o Grande. As discussões do Diadochi ea agressão da república romana manteve as nações em um estado de agitação constante. A paz universal foi estabelecido pela primeira vez com o início do reinado de Augusto e do fechamento do templo de Janus. Em todos os países ao redor do Mediterrâneo e do distante Grã-Bretanha para o Eufrates o mundo estava em repouso. Roma tinha acabado de suas próprias guerras civis e que tinha posto um fim a guerras entre as nações. Apesar de suas guerras eram muitas vezes injusta e injustificável, e ela conquistou como um bárbaro, ela governou suas conquistas como um estadista humano.

 As discussões do Diadochi que causou tanto tumulto no Oriente terminaram, o território dos Lagids; Attalids, selêucidas e Antigonids tendo passado sob o domínio de Roma. O império unido gregos, romanos e judeus, todos sob o mesmo governo. Roma, portanto, combinava as nações e os preparou para o cristianismo. Agora, pela primeira vez, podemos falar de mundo como a humanidade universal, o terrarum orbis , ἡ οἰκουμένη , Ele Oikoumene ( Lucas 2: 1 ), o humanum genus . Estes termos representado a humanidade como vivendo sob um sistema uniforme de governo. Todos eram membros de uma condição terrena; O Império Romano foi sua patria communis omnium .

 

2. Cosmopolitismo:

 

Este estado de coisas contribuiu em grande parte para a propagação do cosmopolitismo que se instalou com o conquistador Macedónia. Sob o Império Romano todas as barreiras nacionais foram removidos; as grandes cidades- Rome, Alexandria, Antioquia, etc - tornou-se reunião de lugares de todas as raças e línguas. Os romanos estavam por toda parte carregando suas leis e civilização; Gregos se estabeleceram em milhares em todos os centros importantes como professores, comerciantes, médicos, ou acrobatas; Orientais podiam ser encontrados em grande número com os seus deuses e mistérios em Roma, "o epítome do mundo." Nos exércitos romanos soldados de todos os quadrantes do império tornou-se companheiros. E muitos milhares de escravos de educação fina e alta cultura contribuiu muito para o cosmopolitismo. Sendo, em muitos casos, muito superiores em cultura para seus mestres, eles se tornaram seus professores. E em todas as cidades de importância, Leste ou Oeste, grandes órgãos da diáspora judaica foram liquidadas.

 

3. ecletismo:

 

Esse cosmopolitismo deu grande impulso a um ecletismo correspondente de pensamento. Nada poderia ter sido mais favorável ao cristianismo do que esta miscigenação de todas as raças e troca mútua de pensamento. Cada povo descobriu o quanto ele tinha em comum com os seus vizinhos. Desde os dias do Diadochi, o estoicismo foi pregar o evangelho de uma fraternidade cívica e ética da humanidade. Na fusão de diferentes sistemas filosóficos a ênfase tinha mudado de cidade-estado, política ou nacional, para o ponto de vista moral e humano. Todos os homens foram, assim, reduzida à igualdade perante a One; só a virtude eo vício são os factores diferenciadores. Homens eram semelhantes com o divino - pelo menos o sábio e bom - de modo que um poeta podia dizer: "Nós somos Seus filhos."

 

Estoicismo fez um serviço nobre, em preparação para o cristianismo pela pregação universalismo ao longo do caminho do individualismo. Também mobiliado conforto e força para incontáveis ​​milhares de vidas humanas cansados ​​e apoio espiritual ministrado e calma resignação em muitos um leito de morte pagão. Pode ser declarado o primeiro sistema de pensamento religioso - pois era uma religião mais do que uma filosofia - que fez um estudo sério das doenças da alma humana. Sabemos, claro, sua fraquezas e imperfeições, que era um credo aristocrático atraente somente aos eleitos dos mortais, que teve pequena mensagem para as classes caídos e inferiores, que era frio e severo, que faltou - como Seneca senti - a inspiração de uma vida ideal. Mas com todas as suas falhas provado ser um pedagogo digno de uma religião que trouxe uma mensagem maior do que a da Grécia. Ele deu a contrapartida espiritual e moral para a maior sociedade humana da qual o império romano era o símbolo político e visível. Até agora, um bom cidadão tinha sido um bom homem. Agora, um homem bom é um bom cidadão, e isto não vem de uma cidade-estado estreita, mas do mundo. Estoicismo também provou intérprete azulejo e porta-voz para o império romano das qualidades morais e espirituais mais elevados da civilização grega; que difundiu as melhores convicções da Grécia sobre Deus eo homem, selecionando os elementos que eram universais e de valor humano duradouro. VejaEstóicos .

 

A mente do império romano era mais preparado para o cristianismo pela diáspora judaica. Os gregos aprenderam com os judeus e os judeus de gregos e os romanos de ambos. A unificação feita por lei e administração romana muito auxiliado Diáspora. Assentamentos judeus tornou-se ainda mais numerosos e poderosos, tanto no Oriente como no Ocidente. Aqueles judeus trazendo da pátria o monoteísmo espiritual de sua raça combinada com filosofia grega, que tinha vindo a estabelecer de forma constante para o monoteísmo. Com os judeus o elemento exclusivamente nacional foi subordinado ao mais humano e universal, o cerimonial para o religioso. Eles até adotaram a língua mundial do dia- LFedor - e teve suas Escrituras sagradas traduzida para este idioma em que eles levaram em um proselitismo ativo. O espírito romano foi a primeira essencialmente restrita e exclusiva. Mas mesmo os romanos logo caiu sob o feitiço deste cosmopolitismo e ecletismo. Como suas conquistas aumentou, sua mente foi correspondentemente alargado. Eles adotaram a política de Alexander - poupando os deuses dos vencidos e admiti-los para a responsabilidade de guarda de Roma; assimilaram-los com seu próprio panteão ou identificá-los com os deuses romanos. Desta forma, naturalmente, as idéias religiosas dos povos conquistados mais altamente civilizados do que os conquistadores prendeu mentes romanas. 

4. Proteção da Cultura grego:

 

Outro serviço inestimável prestado à humanidade e cristianismo era a proteção que o poder romano deu a civilização grega. Devemos lembrar que os romanos estavam em primeiro bárbaros só conquistando que tinham pouco respeito pela cultura, mas o poder idealizado. Eles já haviam destruído duas civilizações antigas e superiores - a de Cartago sem deixar vestígios, e que da Etrúria, cujos traços foram descobertos nos tempos modernos. 

É difícil conceber que um flagelo Roma teria provou ao mundo se não tivesse caído sob a influência da cultura superior e filosofia da Grécia. Tivesse a Marte romano não foi educado por Pallas Athene os romanos teriam sido vândalos e tártaros em apagando civilização e prender o progresso humano. Os gregos, por outro lado, poderia conquistar mais pela sua preeminência em tudo o que diz respeito à vida intelectual do homem do que eles poderiam segurar a espada. Era necessário um poder prático e político para proteger a especulação grega. Mas os romanos depois de causar muita devastação foram gradualmente educada e civilizada e têm contribuído para a elevação e esclarecimento das civilizações posteriores, tanto a preservação e abertura ao mundo as qualidades espirituais da Grécia. O parentesco do homem com o divino, aprendeu com Sócrates e Platão, saíram em sua ampla evangelho. Esta civilização grega, filosofia e teologia treinou muitos dos grandes teólogos e líderes da igreja cristã, de modo que Clemente de Alexandria disse que a filosofia grega e da lei judaica tinha provado mestres para levar o mundo a Cristo. Paulo, que impediu o cristianismo de uma seita judaica remanescente e proclamou seu universalismo, aprendeu muito com grega - especialmente do estóico - pensou. É também significativo que os primeiros missionários cristãos, aparentemente, foi apenas quando a língua grega era conhecido, que foi o caso em todos os centros de administração romana.

 

5. Linguisticamente:

 

O estado do império romano linguisticamente estava no mais alto grau favorável à difusão do cristianismo. As repúblicas gregas por sua empresa, gênio superior e habilidades comerciais estenderam seus dialetos sobre as ilhas do Mar Egeu, da costa da Ásia Menor, Sicília e Magna Grécia. A preeminência da cultura Attic e literatura favorecido pelo império ateniense curta levantou esse dialeto a um padrão entre os povos gregos. Mas os outros dialetos sobreviveu durante muito tempo. A partir dessa babel de dialetos gregos há, finalmente, surgiu uma normais KOINE ou "linguagem comum". Pelas conquistas de Alexandre e as simpatias helenísticas da Diadochi esta língua grega comum tornou-se a língua franca da antiguidade. Grego era conhecido no norte da Índia, na praça de Parto, e nas margens distantes do Euxine (Mar Negro). A terra natal do evangelho foi cercado por todos os lados pela civilização grega. Cultura e língua grega penetrou no meio dos home-mantendo obstinados judeus da Palestina. Embora grega não era a língua-mãe de nosso Senhor, Ele entendia grego e, aparentemente, poderia falar quando a ocasião requeria - Umramaic sendo a língua de seu coração e de seus ensinamentos públicos. 

A história da luta dos Macabeus proporciona ampla evidência do grau em que a cultura grega, e com ela a língua grega, eram familiares aos judeus. Havia em dias posteriores corpos helenísticas de judeus devotos na própria Jerusalém. Grega foi reconhecido pelos judeus como o idioma universal: a inscrição na parede do pátio do templo exterior proibindo gentios sob pena de morte para entrar era em grego. A KOINE tornou-se a língua mesmo da religião -, onde uma língua estrangeira é menos provável de ser usado - a grande diáspora judaica. Eles perceberam as vantagens de grego como a língua do comércio - ocupação dos judeus - de cultura e de proselitismo. Eles abriu as suas Sagradas Escrituras na Septuaginta e outras versões para o mundo greco-romano, adaptando-se a tradução em muitos aspectos, às exigências dos leitores gregos. "A Bíblia cujo Deus era Yahweh era a Bíblia de um povo: a Bíblia, cujo Deus era ( κύριος , kurios , "Senhor") foi a Bíblia da humanidade "Quando os romanos chegaram à cena, eles encontraram essa linguagem tão conhecida e tão profundamente enraizado que não podia esperar para suplantá-lo Na verdade, eles não tentaram -.. Exceto na Sicília e Magna Graecia - para suprimir grego, mas sim de bom grado o aceitaram como um dos meios comuns de relações entre os povos de seus domínios orientais  .

 

Embora Latina foi, naturalmente, a língua oficial dos conquistadores, os decretos de governadores geralmente apareceu com uma tradução para o grego, para que eles possam ser "understanded das pessoas", e do grego superou Latina, como o Inglês expulsou os franceses dos invasores normandos . Poetas latinos e historiadores mais do que uma vez reclamou que Graecia capta ferum victorem cepit ("conquistou a Grécia venceu seu conquistador popa"). Com a difusão do latim havia dois idiomas do mundo lado a lado por todo o império romano, mas grego era predominantemente a linguagem da metade oriental do Império Romano, que foi o primeiro solo de igrejas cristãs e na primeira metade do império de ser cristianizada. Mais tarde, quando o cristianismo foi capaz de estender a sua actividade para o Ocidente, ela encontrou Latina pronto como os meios comuns de relação sexual. Isso Roma respeitado grego é muito a seu crédito e muito para a vantagem do cristianismo.

 Para o cristianismo, quando começou a visar o universalismo, deixou cair seu aramaico nativo. O evangelho, a fim de tornar-se um mundo-evangelho foi traduzido para o grego. Os primeiros missionários cristãos não aprender as línguas ou dialetos do império romano, mas limitaram-se a centros de cultura grega. Paulo escreveu em grego para a igreja na própria Roma, de onde o grego era a língua. E enquanto o cristianismo estava se espalhando através do grego Leste sob a unificação da administração romana, os romanos foram Romanizing e nivelamento do Ocidente para o cristianismo Latina (ver LATINA). No Ocidente, pode-se notar que o primeiro ponto de apoio da religião cristã estava em grego - a exemplo da igreja em Gália.

 

6. Materialmente:

 

De formas materiais também Roma abriu o caminho para o cristianismo através da construção de grandes estradas para o evangelho. O grande sistema de estradas que malha depois mundo civilizado juntos servido não só as legiões e as escoltas imperiais, mas foram de igual serviço para o início dos missionários, e quando as igrejas começaram a surgir sobre o império, estas estradas facilitou muito que a organização da igreja e fraternidade que fortaleceu a igreja para superar o império. Com o alvorecer da pax Romana todas estas estradas tornou-se vivo mais uma vez com uma galáxia de caravanas e comerciantes. 

Comércio reviveu e foi realizada em circunstâncias mais favoráveis ​​do que os que obteve até o século passado. Homens trocaram não só coisas materiais, mas também as coisas espirituais. Muitos desses comerciantes e artesãos primeiros eram cristãos, e enquanto eles compraram e venderam as coisas que perecem, eles não perdem uma oportunidade de pregar o evangelho. Para um império que abrangia as margens do Mediterrâneo, o mar era um importante meio de intercomunicação; e as rotas do Mediterrâneo eram mais seguras para o comércio e as viagens naquele período do que durante qualquer um anterior. Pompeu, o Grande, tinha levado os piratas ao largo do mar, e com a queda do Sexto Pompeu sem forças marítimas hostis permaneceu. Os navios que navegavam em um número incontável de ponto a ponto deste grande mar interior oferecia vantagens esplêndidos e oportunidade para o início de entusiasmo missionário cristão.

 

7 Tolerância:

 

A grande liberdade permitida por autoridades romanas para as religiões de todas as nações favoreceu muito o crescimento da criança cristianismo. O Império Romano nunca foi, em princípio, um perseguidor com uma corte permanente de inquisição. Cultos estranhos vindos do Oriente e do Egito floresceram na capital, e, exceto quando se tornaram um perigo para a moral pública ou para a paz da sociedade foram autorizados a se espalhar sem controle sob os olhos da polícia. Veja abaixo as religiões não-romanos.

 

8 Padrão de uma Igreja Universal:

 

Além disso, o Império Romano proporcionou cristianismo um material e símbolo exterior para a sua ambição espiritual. Ele ampliou a visão da igreja. Apenas um cidadão (Paulo) de tal império mundial poderia sonhar de uma religião para toda a humanidade. Se a espada romana poderia assim conquistar e unificar o terrarum orbis , a igreja militante deve ser provocado a tentar nada menos na esfera religiosa. Também mobilado muitos uma sugestão para os primeiros organizadores da nova comunidade, até que a igreja cristã se tornou a contraparte espiritual do império romano. Os cristãos apropriaram muitos uma arma do arsenal do inimigo e aprendi com eles a agressividade, o valor da organização minuciosa e dos métodos militares.

 

9 Jurisprudência romana:

 

O direito romano, em suas origens foi caracterizada pela exclusividade estreita, eo primeiro código romano formais foi em padrões gregos, mas os romanos aqui como em tantos outros aspectos melhorados o que tinham emprestado e tornaram-se senhores de jurisprudência no mundo antigo. Como seu império e concepções expandido, que remodelou as suas leis para abraçar todos os seus súditos. Uma das maiores bênçãos conferidas por Roma sobre o mundo antigo era um sistema uniforme de boas leis - a fonte de grande parte da nossa jurisprudência europeia. O direito romano desempenhou um papel igualmente importante com o judeu na moldagem e disciplinar para o cristianismo. Ele ensinou os homens a obedecer e respeitar a autoridade, e revelou-se um nivelamento eficaz e poder civilizador do império. A lei universal de Roma foi o pedagogo para a lei universal do evangelho. VejaDireito Romano .

 

Preparação 10 Negativo:

 

Os romanos poderiam oferecer seus súditos boas leis, governo uniforme e proteção militar, mas não uma religião satisfatória. Um império universal chamado para uma religião universal, que o cristianismo só poderia oferecer. Por fim, não só pelo que Roma tinha conseguido, mas pelo que ela mostrou-se incapaz de realizar, o caminho do Senhor foi preparado e um povo preparado para Sua vinda. Foi uma crise terrível na civilização e religião da antiguidade. As velhas religiões e sistemas de crenças nacionais tinham se mostrou incapaz de acalmar crescentes demandas morais e espirituais imperiosas de natureza do homem. A falência moral era imanente. A antiga religião romana de virtudes abstratas tinha declinado no formalismo; estava frio demais para os corações humanos.

 Homem já não podia encontrar o campo de sua atividade moral na religião do estado; ele já não era apenas um átomo na sociedade realizando ritos religiosos, não por sua própria alma, mas para o bem da comunidade. Personalidade foram surgindo lentamente, e as novas escolas de filosofia chamado homem longe do estado para buscar a paz com Deus na solidão de sua própria alma em primeiro lugar. Mas mesmo o melhor dessas escolas encontraram a necessidade premente de um, não uma religião positivo negativo, a necessidade de uma vida ideal perfeito como uma dinâmica sobre as vidas humanas comuns. Assim, foi sentida uma demanda imperiosa de uma nova revelação, para uma nova visão ou o conhecimento de Deus. Nos dias anteriores os homens acreditavam que Deus se revelou aos homens primitivos sábios ou heróis de sua raça, e que as gerações subseqüentes devem aceitar com fé o que esses videntes anteriores, que estavam mais perto de Deus, como disse Cícero, tinha sido o prazer de ensinar do divina. Mas logo esse estoque de conhecimento tornou-se exausto. Platão, após subir ao ponto mais alto de pensamento poético e filosófico sobre o divino, admitiu a necessidade de um demônio ou super-homem para nos dizer os segredos da eternidade. 

Com o Império Romano cedo começou um período de tremenda agitação religiosa. Homens tentaram filosofia, magia, astrologia, ritos externos, para encontrar um lugar seguro de descanso. Isso explica a difusão rápida e extensa de mistérios orientais que prometiam a comunhão com Deus iniciado aqui, um "melhor esperança" na morte, e satisfez o desejo de imortalidade além do tempo. 

Estas foram as almas mais graves que de bom grado aceitar as consolações de Jesus. Outros, perder toda a fé em qualquer forma de religião, entregaram-se ao desespero em branco e aceito epicurismo com o seu evangelho de aniquilação e seus Carpe diem moral. Este sistema tinha um fascínio terrível para aqueles que se haviam perdido; apresenta-se em sua forma mais atraente nos versos de Lucrécio - o Omar Khayyam de literatura latino. Outros ainda, incapaz de encontrar a Deus, entregaram-se à triste ceticismo.

 A necessidade dolorida do novo evangelho da vida e da imortalidade vai ter em cima da mente de quem lê as inscrições sepulcrais gregos e romanos. E mesmo Sêneca, que era quase um cristão, em alguns aspectos, fala da imortalidade como um "sonho lindo" ( Somnium bellum ), embora a tribulação depois deu uma visão mais clara da "cidade de Deus". Sérvio Sulpício, escrevendo a Cícero uma carta de consolo sobre a morte de seu saudoso Túlia, teve apenas um triste "se" a oferecer sobre o futuro (Cic. Fam. Iv. 5). Em nenhum lugar a descrença eo pessimismo de dias pré-cristãos entre as classes mais altas atacar mais uma força do que na famosa discussão registrado por Salústio ( Bel. Cat 51. f) quanto à punição dos conspiradores Catilinarian. César, que ocupou o alto sacerdócio romano e da mais alta autoridade sobre a religião do Estado, propõe prisão perpétua, como a morte só traria destruição e descanso para esses vilões - nenhum futuro, nenhuma recompensa ou punição ( eam cuncta mortalium mala dissolvere; ultra-neque curae neque gaudio locum ESSE ). Cato próxima fala - o homem religioso mais da sua geração - em termos que lançar nenhuma repreensão sobre o epicurismo de César eo materialismo (ibid., 52). Cícero ( De Gato . iv. 4) se contenta em deixar a imortalidade uma questão em aberto. Os filósofos de Atenas zombou Paulo no Areópago, quando ele falou de uma ressurreição. Tal era a atitude das classes educadas do mundo greco-romano, no alvorecer do cristianismo, ainda que não se pode negar que houve também um forte desejo de continuidade.

 As outras classes ou foram superficialmente realização dos ritos de uma religião nacional ou morto wereseeking, alguns, excitação ou culto estético ou mesmo possibilidade de as paixões mais baixas, alguns, paz e promessa para o futuro, nos mistérios orientais. A distinção entre o mal moral e físico estava vindo para a superfície, e, portanto, uma consciência do pecado. Religião e ética ainda não haviam sido unidos. "O trono da mente humana" foi declarado vago, eo cristianismo estava em minhas mãos como o melhor pretendente. Na verdade, a mente greco-romana havia se expandido para receber os puros ensinamentos de Jesus.

 

III. Atitude do Império Romano às religiões.

 

1. Roman ou Estado Religião:

 

A história da religião romana revela uma penetração contínua de italiano, etrusca, grega, pelo culto e ritos egípcia e oriental, até que a antiga religião romana tornou-se quase irreconhecível, e até mesmo o aprendizado de um antiquário Varro mal conseguia descobrir o significado original ou o uso de muitos divindades romanas. Os elementos romanos ou modos de adoração progressivamente recuou até eles e os ritos estrangeiros com os quais foram sobrepostos cedeu diante da força do cristianismo. Como Roma expandido, as suas exigências religiosas aumentada. Durante o período régio religião romana era a de uma comunidade agrícola simples. No período entre o Regifugium e da Segunda Guerra Púnica religião romana tornou-se mais complicado e do Panteão romano foi em grande parte um aumento de importações da Etrúria, Lácio e Magna Grécia. 

A religião misteriosa da Etruria primeira impressionou a mente romana, ea partir deste trimestre provavelmente veio da Trindade do Capitólio (Júpiter, Juno, Minerva) previamente introduzido na Etruria de fontes gregas, mostrando assim que os romanos não foram os primeiros na Itália a ser influenciados pela religião da Grécia. Novos modos de culto, não-romana em espírito, também veio dos etruscos e elementos estrangeiros da mitologia grega. Lazio também fez a sua contribuição, o culto de Diana vindo Aricia e também um Júpiter Latina. Dois cultos latinos penetrou até mesmo dentro do Roman pomoerium - a de Hércules e Castor, com divindades de origem grega. Os assentamentos gregos no sul da Itália (Magna Grécia) foram generosos em suas contribuições e abriu o caminho para a invasão depois de divindades gregas. Os Livros Sibilinos foram cedo importados de Cumas como escrituras sagradas para os romanos. 

Em 493 BC durante uma fome um templo foi construído para a trindade grega Deméter, Dionísio, e Perséfone, sob os nomes latinos de Ceres, Liber e Libera - o início de desconfiança no romano primitivo numina e dessa prática, tão freqüentemente repetida na história romana , da introdução de novos e estranhos deuses em períodos de grande angústia. Em 433 Apollo vieram da mesma região. Mercúrio e Asclepius seguida em 293 aC, e em 249 BC Dé Proserpina e foram trazidos de Tarento. Foram introduzidos outros modos não-romanos de abordagem à divindade. Roma tinha sido neste período muito tolerante em sua política de atender às crescentes necessidades religiosas da sua comunidade, mas ela não tinha ido tão longe para além da Itália. 

Um gosto também havia desenvolvido para formas dramáticas e mais estéticas de culto. O período da Segunda Guerra Púnica foi uma crise na vida religiosa romana, ea fé dos romanos diminuiu antes crescente incredulidade. Ambas as classes educadas ea população abandonou a antiga religião romana, o ex-afundou ceticismo, este último na superstição; o ex-filosofia colocar no lugar da religião, os últimos dos cultos mais sensuais do Oriente. Os romanos foram para o exterior novamente para pedir divindades - desta vez para a Grécia, Ásia e Egito. Divindades gregas foram introduzidas por atacado, e prontamente assimilado ou identificado com deuses romanos (verROMA, III, 1).

 Em 191BC Hebe entrou como Juventas, em 179 Artemis como Diana, em 138 Ares como Marte. Mas a casa de religião - a Orient - provou ser mais útil. Em 204BC Cybele foi introduzida a partir Pessinus a Roma, também conhecido como a Grande Mãe ( Magna Mater ) - um golpe fatal e final a antiga religião romana e um impulso para o selvagem e cultos mais orgiásticos e misterioso encanto que cativou a mente comum. Baco com sua imoralidade logo em seguida. Sila introduziu Ma da Frígia como a contrapartida da Bellona Romano, e do Egito deu Isis. Nas guerras de Pompeu contra os piratas Mitra foi levado a Roma - o maior rival do cristianismo. Religião agora começou a passar para as mãos de políticos e, no final da república era quase inteiramente em suas mãos. Culto degenerou em formalismo, o formalismo e culminou em desuso. Sob o império sistemas filosóficos continuou ainda mais para substituir a religião e ritos orientais se espalhou rapidamente.

 O renascimento religioso de Augusto foi um esforço para dar vida a ossos secos. Seu plano era apenas em parte religiosa e em parte política - para estabelecer uma religião imperial e popular de que ele era o chefe e centrar ao redor de sua pessoa. Ele descobriu a necessidade de uma religião imperial. No Oriente, os reis tinham muito antes foi considerado divino por seus súditos. Alexandre, o Grande, como um político sábio, pretendia usar isso como um elo de união de seus domínios de largura. O mesmo hábito estendeu entre os reis Diadochian, especialmente no Egito e na Síria. Quando Augustus trouxe a paz ao mundo, o Oriente estava pronto para chamar ele como um deus. Fora isso foi desenvolvido o culto do imperador reinante e de Roma personificados.

 Este culto deu unidade religiosa ao império, ao mesmo tempo ampliando o imperador. Mas o esforço foi em vão: a antiga religião romana foi morto, e as necessidades espirituais do império continuou a ser atendidas mais e mais pela filosofia e os mistérios que prometia imortalidade. O culto ao gênio do imperador logo perdeu toda a realidade. O próprio Vespasiano em seu leito de morte brincou com a idéia de ele se tornar um deus. O imperador culto diminuiu de forma constante, e nos 3e 4 séculos cultos orientais foram supremo. A religião do Império Romano tornou-se logo de que tipo cosmopolita e eclética, tão característico da nova era.

 

Religiões 2 não-romanos: Religiones Licitae e Religiones Illicitae:

 

As religiões não-romanos foram divididos em religiones licitae ("cultos licenciados") e religiones illicitae ("sem licença"). Os romanos em diferentes momentos, por conta dos terremotos, pestes, fome ou de desastres militares, introduziu cultos não-romanos, como forma de apaziguar o numina . Isso geralmente significa que os cultos em questão poderia ser realizada com a impunidade por seus adeptos estrangeiros. Ele legalizou o colegiado necessária para estes cultos a partir do qual os cidadãos romanos foram excluídos por lei. Mas, de modo geral, qualquer pessoa que se estabelecem em Roma, foi permitido a liberdade de seu próprio culto nativo na medida em que o seu exercício não interferiu com a paz do estado ou corromper a moral da sociedade. 

Em uma ocasião (186 aC), por um decreto do senado, uma inquisição grave foi instaurado contra os ritos Bacchanalian que causou flagrante imoralidade entre os adeptos. Mas Roma nunca foi um perseguidor sistemático. Estes ritos estrangeiros e superstições, embora muitas vezes proibido e seus seguidores professos expulsos da cidade, sempre voltava mais forte do que nunca. Cidadãos romanos logo descobriu o fascínio dos mistérios orientais e gregos, e dedicou-se a deuses estranhos, mantendo o formalismo necessário para a religião do Estado. Muitas vezes, os cidadãos romanos também seria presidentes dessas irmandades religiosas. Não se deve esquecer que os elementos morais originais tinha caído da religião romana, e que tornou-se simplesmente uma religião política e militar para o bem-estar do Estado, não para a salvação do indivíduo.

 O indivíduo deve estar de acordo com certos ritos prescritos, a fim de evitar a calamidade do Estado. Isto feito, o Estado exigiu mais nada, e deixou-lhe uma grande liberdade na busca de excitação ou prazer estético nos mistérios estrangeiros quentes e mais sociais. Assim, enquanto os romanos mantida a distinção de religiones licitae e illicitae , eles raramente utilizado gravidade contra este último. Muitos cultos não licenciados nunca incomodem. Na verdade, a própria idéia de império prestados tolerância de religiões não-romanos uma necessidade. Na prática, embora não teoricamente, o império abandonou a idéia de religiones illicitae , enquanto ele manteve-a sobre o estatuto-book para usar em caso de uma emergência desse tipo, como a religião cristã envolvidos. 

Não só o governo foi tolerante, mas as diferentes variedades de religiões eram tolerantes e em bons termos com o outro. O mesmo homem pode ser iniciado nos mistérios da meia dúzia de divindades. O mesmo homem pode até ser sacerdote de dois ou mais deuses. Alguns não tiveram a menor objeção a adoração a Cristo, juntamente com Mitra, Isis e Adonis. Homens estavam crescendo consciente da unicidade do divino, e creditados os seus vizinhos com a adoração a um desconhecido sob diferentes nomes e formas. Adriano disse ter meditado a construção de templos em todo o império ao Deus Desconhecido.

 

(1) Judaísmo a "Religio licita."

 

Um interessante e, para a história do cristianismo, exemplo importante de uma religio licita é o judaísmo. Ninguém mais exclusivos e obstinados poderia ter sido encontrada em quem para conceder o favor. No entanto, desde os dias de Júlio César a política imperial para o judeu e sua religião era uniformemente favorável, com a breve exceção da tentativa louca de Gaius. O governo muitas vezes os protegia contra o ódio da população.

 Até 70 AD eles foram autorizados livremente para enviar sua contribuição anual ao templo; eles podiam nem privilégios de auto-governo e os poderes legislativos entre si, e assim formaram uma comunidade exclusiva no meio da sociedade romana. Até mesmo a desastrosa guerra de 68-70AD e da queda de Jerusalém não trouxe a perseguição sobre o judeu, embora a maioria destes auto-governar e poderes de auto-legislar foram retirados e os judeus foram obrigados a pagar uma pesquisa de impostos ao templo de Júpiter Capitolino. Ainda assim a sua religião permaneceu licenciado, tolerada e protegida. Eles foram dispensados ​​de tarefas impossíveis para sua religião, tais como o serviço militar. Esta tolerância da religião judaica era de importância incalculável para a criança cristianismo, que a princípio pretendia ser não mais do que um judaísmo reformado e ampliado.

 

(2) Por que o cristianismo estava sozinho proibidas.

 

A próxima pergunta que surge é: Se tal era a política universalmente leve e tolerante do império para encontrar espaço para todos os deuses e cultos, e respeitar as crenças de todos os povos subjugados, como vem a anomalia que só o cristianismo foi proscrito e perseguido? O cristianismo era de fato uma religio illicita , não tendo sido aceito pelo governo como uma religio licita , como o judaísmo. Mas isso não é resposta. Havia outras religiões não licenciados que cresceram em ritmo acelerado no império. Nem foi simplesmente porque o cristianismo era agressivo e dado ao proselitismo e se atreveu a aparecer mesmo na família imperial: o mitraísmo e Isism foram militante e agressivo, e ainda assim eram tolerados. Também não era simplesmente por causa do ódio popular, para o cristão não era odiado por cima do judeu. Outras razões devem explicar a anomalia.

 

(3) dois impérios: causas do conflito.

 

O fato é que dois impérios nasceram quase ao mesmo tempo tão parecidos e tão ao contrário de tornar um conflito e lutam até a morte inevitável. Os cristãos eram inequívoco ao afirmar que a sociedade em que eles estavam esperando e trabalhando era um "reino".

 

(A) A confusão de Temporal e Espiritual:

 

Eles pensaram que não apenas no nacional ou racial, mas em termos ecumênicos. Os romanos não conseguiam entender um reino de Deus sobre a terra, mas confuso ambição cristã com política. Logo se descobriu que o cristianismo não veio para salvar, mas para destruir e desintegrar o império. Cedo entusiasmo Christian fez o termo "reino" muito provocante ao patriotismo pagão, para muitos, procurando a Parousia de seu Senhor, eram eles mesmos enganados ao pensar da nova sociedade como um reino em breve a ser criado sobre a terra com Cristo como rei. Aos poucos, é claro, os cristãos se iluminou sobre este ponto, mas o dano já estava feito. Tanto o império Rein eo cristianismo foram com o objetivo de uma organização social para abraçar o humanum genus . Mas, embora esses dois impérios eram tão parecidos em vários pontos eo tinha feito tanto para preparar o caminho para o outro, mas o contraste era muito grande para permitir a conciliação. O cristianismo não perderia o átomo na massa; visou universalismo ao longo do caminho do individualismo - dando um novo valor à personalidade humana.

 

(B) Reivindicações exclusivas do cristianismo:

 

Parecia também para provocar orgulho romano por suas reivindicações absurdas. Ele pregava que o mundo seria destruído pelo fogo para abrir caminho para novos céus e uma nova terra, que a Cidade Eterna (Roma), foi condenado a cair, que um rei viria do céu, que os cristãos deveriam obedecer, que, em meio a próximos desolações os cristãos devem permanecer tranquilo.

 

(C) da novidade do cristianismo:

 

Novamente depois de o cristianismo chegou debaixo da égide do judaísmo, ele deve ter levado o governo um pouco de surpresa, como um novo e sem licença religião que tinha crescido forte sob um equívoco. Foi a religião mais novo e mais recente do império; ele veio de repente, por assim dizer, no palco sem passado. Não era óbvio para a mente romana que o cristianismo tinha se espalhado para uma geração sob a tolerância concedida ao judaísmo ( sub Umbráculo licitae Judaeorum religionis: . Terc), o último dos quais foi "protegido pela sua antiguidade", como disse Tácito. Os romanos eram de natureza conservadora e inovações não gostavam. O maior estadista da época de Augusto, Mecenas, aconselhou o imperador a estender nenhuma tolerância para novas religiões como subversivo da monarquia (Dio Cassius lii. 36). A nova fé que aparece de repente com uma grande clientela pode ser perigoso para a paz pública ( ingens multidão: Tac. Ann. xv 44;. πολὺ πλῆθος , Polu plêthos Clem. ROM .; Cor 1 6).

 

(D) Intolerância e exclusividade da religião cristã e Christian Society:

 

De uma forma acentuada cristãos contravcned o espírito tolerante eclective do império - a intolerância eo absolutismo da sua religião e da exclusividade de sua sociedade. Todas as outras religiões do império admitiu compromisso e ecletismo, estavam dispostos a morar sim sobre os pontos de contato com seus vizinhos do que sobre o contraste. Mas o cristianismo admitiu nenhum compromisso, era intolerante a todos os outros sistemas. Deve-se admitir que, desta forma, foi bastante injusto para outros cultos que ofereciam conforto e apoio espiritual a milhares de a raça humana antes do alvorecer do cristianismo.

 Mas não devemos culpar, quando reconhecemos que, para a sua própria vida e missão, era necessário mostrar-se em primeiro lugar intolerante. Muitos pagãos de bom grado aceitar a Cristo, juntamente com Mitra e Isis e Serapis. Mas o cristianismo exigia a separação completa. O culto Jesus podia tolerar nenhum rival: ele alegou ser absoluto, e os adoradores de Jesus deve estar separado do mundo. A igreja cristã era absoluto em suas demandas; não ponto com, mas acima, todos adora. Este espírito foi, naturalmente, em inimizade com a do dia que permitiu cultos rivais de coexistir com a maior indiferença. Adicione a isso o estado exclusivo da sociedade cristã. No pagãos piedoso que purificou sua alma pelo ascetismo e os sacramentos da antiguidade poderia ser admitida a inscrição, a menos que ele renunciou coisas queridas para ele e de algum valor espiritual. Em cada detalhe da vida pública esse espírito exclusivo se fez sentir. Cristãos se reuniam à noite e realizou assembléias secretas em que foram a fama de perpetrar os crimes mais escandalosos. Banquetes Thyestean, Oedipean incesto, assassinato de crianças, estavam entre os encargos provocados pela sua exclusividade.

 

(E) Obstinatio:

 

Adicione a isso também a obstinação taciturna com que os cristãos satisfazer as necessidades da potência imperial - uma característica muito ofensiva para conter governadores. Sua religião seria deixou imperturbado se eles só prestar obediência formal à religião do Estado. Clemência Roman eo respeito pela lei ficaram perplexos diante obstinação cristã. Coragem do mártir apareceu como pura fanatismo. O piedoso Aurélio refere-se, mas uma vez ao cristianismo, e, nas palavras ψιλὴ παράταξις , psilḗ parataxis , "Pura teimosia", e Aristides aparentemente se refere ao cristianismo como αὐθάδεια , authádeia , Teimosia. 

(F) A agressividade contra Pagan Fé: 

 

Mas os cristãos não estavam contentes com a retirada intransigente das práticas do culto pagão: eles também atacou ativamente do culto pagão. Para os cristãos tornaram-se doutrinas de demônios. O culto imperial e adoração do gênio do imperador eram muito profana, à vista deles. Assim, eles caíram sob as acusações de deslealdade para com o imperador e pode ser provado culpado de majestas. Eles preso por desacato a doutrina de que a grandeza de Roma era devido à sua reverência aos deuses; os cristãos eram ateus , do ponto de vista pagão. E, como a religião era um político.

 

FONTE N.1 Internacional Standard Bible Encyclopedia 1915

 

FONTE N.2  WWW.ESTUDARHISTORIADAIGREJA.BLOGSPOT.COM