Translate this Page

Rating: 3.0/5 (907 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


MINUCIO DE FELIX (os pais da igreja primitiva)
MINUCIO DE FELIX (os pais da igreja primitiva)

                                     MINUCIO DE FELIX  

 

Um dos apologistas mais célebres da Igreja latina cedo, floresceu no século 3d. Mas pouco se sabe sobre sua história inicial, além do fato de que ele era um nativo da África, mas removido para Roma, e lá exerceu com sucesso a profissão de advogado até sua conversão ao cristianismo. Lactantius (. Inst Di,. 1.1.: C q, 1, 5, 6) e Jerome são altos em seu louvor, e assegurar-nos que Minucius foi muito admirado por sua eloqüência. Ele está sempre a ser lembrado pela Igreja Cristã como um dos seus mais hábeis defensores de uma obra de sua intitulado Octavius​​, que é um diálogo entre um cristão chamado Octavius ​​e um pagão chamado Cecílio, sobre os méritos das duas religiões, que foram, então, que se esforçam pela supremacia. Neste diálogo, Octavius ​​repele as imputações absurdas dos pagãos contra os primeiros cristãos, a quem acusavam de todos os tipos de impurezas e crimes em suas reuniões religiosas. Por medo de perseguição, estas reuniões tiveram lugar principalmente à noite e em lugares escondidos, que as circunstâncias expostas los para o descrédito da ignorância vulgar. Ao mesmo tempo, Otávio retruca em seu co-litigante, expondo as práticas notoriamente licenciosas dos pagãos. O estilo deste trabalho é argumentativa e suficientemente puro; a linguagem é animado, eo modo de tratar o assunto atraente, sendo misturado com a aprendizagem mitológico e máximo de informações sobre os costumes e as opiniões da época interessante.

 "É", afirma Neander, "uma representação feliz e dramático apreendido de vida, repleto de bom-senso, e permeada por um sentimento cristã viva." Como um pedido de desculpas do cristianismo, o trabalho de Minucius Felix é um companheiro para as de Clemente de Alexandria, Atenágoras, Teófilo de Antioquia, Justino, Tertuliano, e outros defensores iniciais da fé cristã em seus tempos de "tentativa e depressão, e forma uma ligação entre eles e os de Arnóbio, Lactâncio, Eusébio, Ambrósio, e os outros padres do século 4. Octavius ​​era ao mesmo tempo atribuído ao Arnóbio, e foi inserido como o oitavo livro de suas disputas Adversus Gentes; mas Balduíno publicou uma dissertação sobre Minucius (Kiel, 1685), que, sem dúvida, coloca a autoria onde ele pertence com Minucius. Octavius ​​agora é só existiam em um MS. cópia, que permaneceu despercebida na biblioteca do Vaticano até o pontificado de Leão X, que o deu a Francisco I de França. Ele passou por muitas edições, entre os quais os de James Gronevius (Leyden, 1709), por Davis (Cambridge. 1.712), e por Orelli (Turic. 1.836), merecem atenção. Este último é acompanhado por numerosos relatórios por Dr. Davis e outros, e uma dissertação, ou comentário, por Baldwin. Foi traduzido para o francês pelo abade De Gourcy, para o alemão por Kusswurm (Turic. 1,836) e Lubkert (PEI. 1.836), e em Inglês, também, no Apologies de Justino Mártir, etc, o volume 2 A mais recente de Reeve e melhor edição do original é de Carl Halm (Viena, 1867).

Outro trabalho, intitulado De Fatoo, contra os astrólogos, é mencionado por Jerônimo como sendo atribuído a Minucius, embora Jerome expressa dúvidas quanto à sua autoria.

Seu "Otávio" tem inúmeros pontos de acordo com o "Apologeticum" de Tertuliano, semelhanças que têm sido explicado pela teoria de uma fonte comum - um pedido de desculpas por escrito em latim, e que é suposto ter desaparecido sem deixar vestígios, não mesmo em nome de seu autor. Esta hipótese é agora geralmente abandonados. Parece improvável que tal trabalho, a partir do qual Minucius e Tertuliano poderia ter desenhado, teria tão completamente desaparecido. Lactantius (Div. Inst., V, I, 21) enumera os apologistas que o precederam, e nem sequer suspeitam da existência de tal escritor. A suposição mais natural é que um dos dois escritores, Minucius ou Tertuliano, é diretamente dependente do outro. 

Anteriormente, Minucius foi considerado como posterior a Tertuliano. As primeiras dúvidas a este respeito foram expressas na França por Blondel em 1641, por Dallaeus em 1660, e na Inglaterra por Dodwell. A teoria da prioridade de Minucius foi defendida por van Hoven na segunda edição de Lindner em 1773 Nos tempos modernos, foi mais habilmente defendida por Ebert. A prioridade de Tertuliano foi sobretudo defendida pelo anúncio. Harnack, que tem sido refutada por A. Krueger. M. Valsa, o estudioso mais bem familiarizados com Minucius Felix eo que foi escrito sobre ele :, está inclinado a pensar ele anterior a Tertuliano.

 Os argumentos em favor de uma ou outra dessas teorias não são decisivos. No entanto, pode-se dizer que nas passagens tiradas dos autores antigos, como Seneca, Varro, e, especialmente, Cícero, Minucius parece ser mais exata e mais perto do original; conseqüentemente, ele parece ser intermediário entre eles e Tertuliano. Os autores eclesiásticos foram, provavelmente, não mais bem informados do que nós em relação a Minucius. Lactantius coloca-lo antes de Tertuliano (Div Inst, I, XI, 55,.. V, i, 21), e São Jerônimo depois; mas, St. Jerome se contradiz, colocando-o depois de São Cipriano (Ep LXX, (lxxxiii);. v; lx; XLVIII; "Em Isaiam", VIII, Praef.), e em outros lugares colocando-o entre Tertuliano e São Cipriano (De Viris, lVIII). Fronto (d. Cerca de 170) é mencionado por Minucius. Se o tratado, "Quod non sint idola dii" é por São Cipriano (cerca de 258 d.), Não há necessidade de ir para além dessa data, por este tratado é baseado no "Octavius​​". É verdade que a atribuição do referido tratado de São Cipriano foi contestado, mas sem motivo grave. Se este ser rejeitado não há QUEM período ante antes Lactantius.

 

O local de nascimento do autor se acredita ser a África. Isto não é provado pela imitação do Minucius de autores africanos, mais do que é pela semelhança entre Minucius e Tertuliano. Neste período, os principais escritores eram africanos, e era natural que um latino, de qualquer província que fosse, iria ler e imitá-los. As alusões aos costumes e crenças da África são numerosos, mas isso pode ser explicado pela origem Africano do campeão do paganismo.

 O "Octavius​​" é um diálogo que Ostia é a cena. Cecílio Natalis defende a causa do paganismo, Octavius ​​Januário que do cristianismo; o próprio autor é o juiz do debate. Cecílio Natalis era um nativo de Cirta; ele viveu em Roma e atentamente seguido Minucius em sua atividade como advogado. Octavius ​​tinha acabado de chegar de um país estrangeiro onde tinha deixado sua família. Minucius viveu em Roma. Todos os três eram defensores. O nome Minucius Felix foi encontrado em inscrições em Tebessa e Cartago (Cor Inscrip Lat VIII, 1964 e 12499...); a de Otávio Januário em Saldae (Bougie;. ib, 8962); a de Cecílio em si Cirta (ib., 7097-7098, 6996). O M. Caecilius Natalis das inscrições desempenhou funções municipais importantes e deu festivais pagãos com prodigalidade memorável. Ele pode ter pertencido à mesma família que o interlocutor do diálogo. Tentativas têm sido feitas para torná-los idênticos ou estabelecer relação familiar entre eles. Estas são hipóteses puros subordinadas ao parecer ocupados com a data do diálogo.

 

As pessoas são reais. O diálogo pode também sê-lo, apesar do fato de que Minucius se transformou em um debate quase judicial que deve ter sido uma mera conversa ou uma série de conversas. Devido ao adiamento dos tribunais durante o tempo vintage, os três amigos foram para o descanso de Ostia. Aqui eles caminhavam na praia do mar, e quando passou diante de uma estátua de Serapis, Cecílio saudou-a com o beijo habitual. Octavius ​​Então expressou sua indignação que Minucius deve permitir que seu companheiro diário para cair na idolatria. Eles retomar a sua caminhada enquanto Otávio dá um relato de sua viagem; eles vão para lá e para cá na praia e cais; eles assistem crianças pulando no mar. Este princípio é encantador; é a porção mais perfeita da obra. Durante a caminhada Cecílio, silenciados pelas palavras de Otávio, não falou. Ele agora se explica e é acordado para resolver o debate.

 Eles sentam-se em um cais solitário; Minucius sentado no centro é ser o árbitro. Então Cecílio começa atacando o cristianismo; Minucius diz algumas palavras, e depois Octavius ​​responde. No final Minucius e Caecilius expressar sua admiração e este declara que ele se rende. Explicações mais completas da nova religião são adiadas para o dia seguinte. Por isso, o diálogo é composto por dois discursos, o ataque de Cecílio ea refutação de Otávio.

 

Os ursos de discussão sobre um pequeno número de pontos: a possibilidade de o homem chegar à verdade, criação, Providence, a unidade de Deus, a necessidade de manter a religião de seus ancestrais e, especialmente, a vantagem para os romanos da adoração dos deuses , o baixo caráter dos cristãos, a tendência a esconder-se, os seus crimes (incesto, o culto de uma cabeça de jumento, a adoração dos órgãos reprodutores do sacerdote, orações dirigidas a um criminoso, o sacrifício de fiIhos) sua concepção ímpia e absurda de a divindade, sua doutrina do fim do mundo, e da ressurreição dos mortos, as dificuldades de sua vida, ameaçado, e exposto sem remédio para todos os tipos de perigos, corte das alegrias da vida. Neste debate a concepção do cristianismo é muito limitado, e é reduzido quase que exclusivamente para a unidade de Deus, Providência, a ressurreição ea recompensa após a morte. 

O nome de Cristo não aparece; entre os apologistas do segundo século Aristides, São Justino, Tertuliano e são os únicos que pronunciava. Mas Minucius omite os pontos característicos do cristianismo em dogma e culto; isso não é porque ele é obrigado a silenciar pela disciplina do segredo, por São Justino e Tertuliano não tenha medo de entrar nesses detalhes. Além disso, no próprio discussão Octavius ​​termina abruptamente. Para a acusação de adorar um criminoso ele mesmo conteúdo com responder que o Crucificado não era nem homem nem culpado (xxix, 2) e ele está em silêncio em relação aos mistérios da Trindade, da Encarnação e da Redenção, que teria feito limpar sua resposta. Ele apenas repele a acusação de incesto e infanticídio sem descrever o ágape ou a Eucaristia (XXX e XXXI). Ele não citar as Escrituras, ou pelo menos muito pouco; e ele não menciona o cumprimento das profecias. Por outro lado, ele faz apenas uma breve aIlusion ao modo de proceder contra os cristãos (XXIII, 8). Ele não fala de lealdade dos cristãos para com o Estado e os imperadores. Considerações políticas e judiciais, que são dadas tanto espaço em Tertuliano, são quase inteiramente ausente aqui.

 Estas omissões são explicadas por uma limitação voluntária do sujeito. Minucius desejava apenas para remover os preconceitos dos pagãos, a prepossess seus leitores por uma discussão agradável, e mostrar-lhes a possibilidade de o cristianismo. Ele próprio indicou esta intenção, adiando até o dia seguinte uma discussão mais aprofundada (xl, 2). Dirigiu-se, principalmente, ao aprendido, para os céticos, e à cultura; e desejava provar-lhes que não havia nada na nova religião que era incompatível com os recursos da dialética e os ornamentos da retórica. Em uma palavra sua obra é uma introdução ao cristianismo, uma Protrepticon.

 

 

É um mosaico de imitações, especialmente de Cícero, Sêneca e Virgílio. O plano em si é o de "De natura deorum" de Cícero, e Caecilius aqui desempenha o papel de Cotta. No entanto, os personagens têm suas características peculiares: Cecílio é um jovem, presunçoso, um pouco vaidoso, sensível, cedendo a sua primeira impressão. Otávio é mais calmo, mas a vida provincial parece tê-lo feito mais intolerante; sua súplica é quente e emocional. Minucius é mais indulgente e calmo. Estes homens instruídos são amigos encantadores. 

O diálogo em si é um monumento de amizade. Minucius escreveu em memória de seu querido Otávio, recentemente falecido. Na leitura que se pensa de Plínio, o Jovem e seus amigos. Estas mentes exibiu a mesma delicadeza e cultura. O estilo é composto, sendo uma combinação harmoniosa do período Ciceronian com as frases brilhantes e curtas da nova escola. Por vezes, assume matizes poéticos, mas a cor dominante é a de Cicero. Pela escolha dos temas tratados, a sua facilidade em conciliar idéias muito diferentes e estilos, a arte de combinações em idéias, bem como na linguagem, Minucius Felix pertence à primeira categoria de escritores latino cujo talento consistia em misturar elementos heterogêneos e provando-se individual e original na imitação.

fonte ministerio-pentecostal.blogspot.com.br