Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Jesus no jardim do Getsemani MT 26.36-46
Jesus no jardim do Getsemani MT 26.36-46

                                                           Mateus 26: 36-46

 

Em seguida, foi Jesus com eles a um lugar chamado Getsêmani, e disse a seus discípulos: "Sente-se aqui, enquanto eu vou ali orar." Ele levou consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se ea angustiar. Então ele lhes disse: "A minha alma está profundamente triste até à morte. Fique aqui e vigiai comigo."

Ele foi um pouco mais adiante, caiu sobre seu rosto, e orou, dizendo: "Meu Pai, se é possível, deixe este cálice longe de mim;. No entanto, não o que eu desejo, mas o que você deseja"

Ele veio para os discípulos, e achou-os dormindo, e disse a Pedro: "O que, você não poderia vigiar comigo por uma hora? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca. "

Mais uma vez, uma segunda vez que ele foi embora, e orou, dizendo: "Meu Pai, se este cálice não pode passar sem que eu o beba, seu desejo ser feito." Ele veio novamente e os encontrou dormindo, porque seus olhos estavam pesados. Ele deixou-os de novo, foi embora, e orou pela terceira vez, repetindo as mesmas palavras.Então ele veio para os seus discípulos, disse-lhes: "Dormi agora e descansai. Eis que é chegada a hora lado, eo Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos pecadores. Levantai-vos, vamos estar indo. Eis , aquele que me trai está à mão. "

Os versos agora temos lido, descrever o que é comumente chamado de agonia de Cristo no Getsêmani. É uma passagem que, sem dúvida, contém coisas profundas e misteriosas. Devemos lê-lo com reverência e admiração, pois não há muito nele que nós não podemos compreender plenamente.

Por que achamos nosso Senhor tão "triste e muito pesado", como ele é descrito aqui? O que estamos a fazer de suas palavras, "minha alma está triste até a morte?" Por que nós vê-lo indo além de seus discípulos, e caindo sobre seu rosto, e chorando para seu Pai, com forte clamor e oração três vezes repetido? Porque é que o Filho de Deus Todo-Poderoso, que tinha trabalhado tantos milagres, tão pesados ​​e perturbado? Por que é Jesus, que veio ao mundo para morrer, então, como um pronto para desmaiar na aproximação da morte? Por que tudo isso?

Não há senão uma resposta razoável a estas perguntas. O peso que pressionava para baixo a alma de nosso Senhor, não era o medo da morte, e as suas dores. Milhares de pessoas já suportou os sofrimentos mais agonizantes de corpo, e morreu sem um gemido, e por isso, sem dúvida, pode, nosso Senhor. Mas o peso real que se inclinou o coração de Jesus, era o peso do pecado do mundo, que parece ter agora pressionado para baixo sobre ele com força peculiar. Foi o fardo de nossa culpa imputada a ele, que foi agora cair sobre ele, como sobre a cabeça do bode expiatório. Como grande fardo que deve ter sido, nenhum coração do homem pode conceber. Ele é conhecido apenas por Deus. Bem pode a ladainha grego falar dos "desconhecidos sofrimentos de Cristo." As palavras de Scott sobre este assunto são provavelmente correto - "Cristo neste momento suportou tanta miséria, do mesmo tipo com a de espíritos condenados, como poderia consistir com uma consciência pura, perfeito amor de Deus e homem, e um certeza de confiança de um evento glorioso. "

Mas, por mais misterioso esta parte da história de nosso Senhor possa nos parecer, não devemos deixar de observar as preciosas lições de instrução prática, o que ele contém. Vamos agora ver o que essas lições são.

Vamos aprender, em primeiro lugar, que a oração é o melhor remédio prático que podemos usar no tempo da angústia. Vemos que o próprio Cristo rezou, quando Sua alma estava triste. Todos os verdadeiros cristãos devem fazer o mesmo.

O problema é que um copo que todos devem beber neste mundo de pecado. "Nascemos para problemas como as faíscas voam para cima." (Jó 5: 7.) Não podemos evitá-lo. De todas as criaturas, nenhuma é tão vulnerável quanto o homem. Nossos corpos, nossas mentes, nossas famílias, nossos negócios, nossos amigos, são todos tão muitas portas através das quais julgamento virá. Os santos mais sagrados não possam reivindicar isenção a partir dele. Como seu Mestre, muitas vezes são "homens de tristeza."

Mas qual é a primeira coisa a ser feita em tempo de angústia? Devemos orar. Como Jó, devemos cair e adoração. (Jó 01:20). Como Ezequias, devemos abrir nossas questões diante do Senhor. (2 Reis 19:14). A primeira pessoa que deve recorrer para pedir ajuda, deve ser o nosso Deus. Devemos dizer a todos nossa tristeza ao nosso Pai no céu. Devemos crer confiança de que nada é demasiado trivial ou minuto para ser colocado diante dele, contanto que fazê-lo com toda a submissão à Sua vontade. É a marca da fé para manter nada de volta do nosso melhor amigo. Assim fazendo, podemos estar certos de que teremos uma resposta. "Se for possível," ea coisa que pedimos é para a glória de Deus, deve ser feito. O espinho na carne deve ser removido, ou graça para suportá-la, será dada para nós, como foi para Paul. (2 Cor. 12: 9.) Que todos nós possamos armazenar até esta lição para o dia da necessidade. É um verdadeiro provérbio, que "orações são as sanguessugas de cuidados."

Aprendamos, em segundo lugar, que toda apresentação de vontade à vontade de Deus deve ser um dos nossos principais objetivos neste mundo. As palavras de nosso Senhor são um belo exemplo do espírito que devemos seguir depois de nesta matéria . Ele diz: "Não seja como eu quero, mas como tu queres." Ele diz novamente, "pode ​​Sua vontade seja feita."

A vontade não santificado e descontrolada, é uma grande causa de infelicidade na vida. Pode ser visto em pequenos lactentes. Ela nasce com a gente. Nós todos gostamos nosso próprio caminho. Nós desejamos e queremos muitas coisas, e esquecer que somos totalmente ignorantes que é para o nosso bem, e incapaz de escolher por nós mesmos. Feliz é aquele que aprendeu a não ter desejos, e em todos os estados para ser conteúdo. É uma lição que somos lentos para aprender, e como Paulo, devemos aprender não na escola do homem mortal, mas de Cristo. (Fil. 4:11).

Será que vamos saber se somos nascidos de novo, e crescer na graça? Vamos ver como ele está conosco em matéria de nossas vontades. Podemos suportar decepção? Podemos colocar-se pacientemente com provas inesperadas e vexames? Podemos ver nossos planos animal de estimação, e esquemas querido cruzados sem murmuração e reclamação? Ainda podemos sentar e sofrem com calma, assim como ir para cima e para baixo e trabalhar ativamente? Estas são as coisas que provar se temos a mente de Cristo. Ele nunca deveria ser esquecido, que os sentimentos quentes e alegres quadros não são as evidências mais verdadeiros da graça. A vontade mortificada é uma possessão muito mais valioso. Até mesmo o nosso próprio Senhor nem sempre se alegram; mas Ele sempre poderia dizer, "pode ​​Sua vontade seja feita."

Aprendamos, em último lugar, que  grande fraqueza, mesmo em verdadeiros discípulos de Cristo, e que eles têm preciso vigiar e orar contra ela. Vemos Pedro, Tiago e João - esses três apóstolos escolhidos, dormir quando deveria ter sido vigiando e orando. E nós encontramos nosso Senhor enfrentá-los com estas palavras solenes: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação - o espírito está pronto, mas a carne é fraca."

Há uma dupla natureza em todos os crentes. Convertido, renovado, santificado como eles são, eles ainda carregam com eles sobre uma massa de corrupção que habita, um corpo de pecado. Paulo fala disto quando ele diz: "Acho que uma lei, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo. Sinto prazer na lei de Deus segundo o homem interior. Mas vejo outra lei nos meus membros, guerreando contra a lei da minha mente ". (Rom. 7: 21-23.) A experiência de todos os verdadeiros cristãos em todas as épocas confirma isso. Eles encontrar dentro, dois princípios contrários e uma luta contínua entre os dois. Para estes dois princípios, nosso Senhor alude quando se dirige aos discípulos despertou meio. Ele chama a uma só carne eo outro espírito. Ele diz, "o espírito está pronto, mas a carne é fraca."

Mas será que nosso Senhor desculpar essa fraqueza de Seus discípulos? Longe de nós a pensar assim. Aqueles que tirar essa conclusão confundir seu significado. Ele usa essa mesma fraqueza como um argumento para a vigilância e oração. Ele nos ensina que o próprio fato de que estamos rodeados de uma enfermidade, deve estimular-nos continuamente para "vigiar e orar."

Se sabemos nada da verdadeira religião, nunca esqueçamos essa lição. Se desejamos andar com Deus confortavelmente, e não cair, como Davi ou Pedro, não esqueçamos nunca a vigiar e orar. Vamos viver como os homens na terra do inimigo, e estar sempre em guarda. Nós não podemos caminhar com muito cuidado. Nós não podemos ser demasiado zeloso de nossas almas. O mundo está muito enganarem. O diabo é muito ocupado.Deixe as palavras do Senhor soar em nossos ouvidos diariamente como uma trombeta. Nossos espíritos pode às vezes ser muito dispostos. Mas a nossa carne é sempre muito fraco. Então, vamos sempre assistir e orar sempre.

fonte coment. biblico M.HENRY (N.T) www.avivamentonosul.blogpsot.com