Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


protestantes da ITALIA ESPANHA FRANÇA
protestantes da ITALIA ESPANHA FRANÇA

             Protestantismo na Itália, Espanha e França 

1. Na Itália, o renascimento dos estudos clássicos e da observação da condição corrupta da Igreja decisão tinha difundido entre as classes educadas e literárias um desprezo generalizado não só da Igreja Católica, mas do cristianismo em geral.

 Os amigos de uma reforma da Igreja teve. no entanto, organizada sociedades em Roma, Veneza e outras cidades, e os escritos dos reformadores alemães e suíços encontraram, portanto, com uma grande dose de simpatia em todas as partes da Itália. Uma parte dos reformistas italianos, que contaram entre os seus membros vários cardeais, como Contarini e pólo, era avesso a uma separação da Igreja e esperava uma regeneração evangélica da antiga Igreja. Outro partido saiu em favor de uma reforma completa, pela primeira vez em Ferrara (sob a proteção da duquesa Renata, uma princesa francesa), em seguida, em Modena e muitas outras cidades. Um centro importante de movimentos reformatórios foi posteriormente na cidade de Nápoles, onde o nobre espanhol Juan Valdez exibida uma atividade notável, e onde dois dos maiores pregadores da Itália - Bernardino Occhino, o general dos Capuchinhos, eo instruído agostiniano Peter Martyr Vermigli - foram obtidas para a Reforma. Traduções dos principais escritos de reformadores alemães e suíços, a maioria com nomes falsos, encontraram uma grande circulação, e se os reformistas italianos publicaram um grande número de escritos, o mais célebre dos quais é a obra intitulada Sobre o Benefício de Cristo. De acordo com Paulo III os católicos evangélicos, como Contarini e seus amigos, tinha por um tempo um líder influência sobre o governo da Igreja; mas em 1542 uma reação decidida começou quando o papa, pelo conselho do Cardeal Caraffa, que anteriormente tinha sido um amigo de Contarini, nomeou uma inquisição para a supressão do protestantismo. Muitos dos principais amigos da Reforma fugiram para países estrangeiros; entre eles Occhino, Vermigli, Vergerio (bispo de Capo d 'Istria), e Caraccioli, sobrinho do cardeal Caraffa.

 Quando Caraffa se tornou papa, sob o nome de Paulo IV, a perseguição estendeu também para os católicos de sentimentos evangélicos, incluindo um número de cardeais e bispos. De acordo com Paul V um Índice Librorum Prohibitorum levou à supressão de toda a literatura amigável ao protestantismo. Protestantismo na Itália, como em outros países, tinha sido dividida em luteranismo eo calvinismo, com uma inclinação prevalecente a este último; e seguidores Anti-trinitária de Servet tinha também tornar-se numerosos, embora tivessem de manter suas opiniões em segredo. A divisão dos protestantes enfraqueceu seu poder de resistência, e antes do final do século, a Inquisição tinha destruído todos os vestígios de comunidades protestantes. Entre os mártires ilustres da Reforma eram Carnesecchi e Palearius; duas congregações valdenses na Calábria foram arrancados em um terrível massacre.

A UNIÃO de Espanha sob uma régua com a Alemanha ea Holanda facilitou a introdução dos escritos dos reformadores alemães.

. Além disso, a partir de Béarn, que era inteiramente protestante, as doutrinas da Reforma suíça espalhou em Aragon. Sevilha e Valladolid se tornaram os principais lugares da Reforma. Diego de Valera, John Egidius, Ponce de la Fuente (todos de Sevilha), Alfonso e Juan Valdez, e Agostinho Castalla estavam entre seus amigos de destaque. Francis Enzonas e Juan Perez, traduziu a Bíblia. Do medo da Inquisição, os protestantes espanhóis nunca se aventurou a constituir congregações; a Inquisição, no entanto, descobri-los, e exterminado com crueldade implacável. Em 1570 o protestantismo foi considerado como totalmente extinto.

3. França, durante a Idade Média, muitas vezes tinha tomado um papel de liderança na oposição às pretensões do papado, e em afirmar a superioridade dos conselhos gerais sobre o Papa; mas não havia demonstrado simpatia com uma reforma profunda da doutrina.

 

     Teodoro de Beza – Thèodore de Bèze – (1519 – 1605)

 

Dados gerais: Nascido em Vézlay, na Borgonha francesa, pertencente à baixa nobreza territorial borgonhesa, estudou com Theodor Wolmar, alemão e simpatizante da Reforma, primeiro em Páris e depois em Bourgues que nessa época se convertera num centro de difusão da Reforma antes que seu mestre fosse forçado a voltar para a Alemanha devido ao edito de Francisco I contra a reforma eclesiástica. Posteriormente, estudou Direito em Orleãns, obtendo a agregacion em 1539, dedicando-se, porém mais à leitura dos clássicos latinos do que propriamente à jurisprudência. Advogado em Páris (1539 – 1548) adoece gravemente sendo que possivelmente fosse em decorrência desse mal que passou a se voltar mais para as coisas espirituais, convertendo-se quase que imediatamente à Reforma e a seguir, contraindo matrimônio com Claudine Denoese, mulher de origem humilde com quem se casa em 1548 indo se refugiar em Genebra. Nomeado professor de grego em Lausanne (1549), torna-se amigo e posteriormente o principal aliado de Calvino, defendendo-o publicamente de sua atuação no caso de Serveto (De um Haereticis Magistratu Puniendis Civili, publicado em latim em 1554 e em francês em 1560). Entre 1557 e 1558 envida esforços em favor dos valdenses e dos hunguenotes franceses perseguidos, obtendo uma declaração de apoio de Melanchthon e dos luteranos alemães, mas não logrando êxito em relação às cidades reformadas suíças de Berna e Zurique. Nomeado professor de grego da Academia de Genebra (1559) e com a morte de Calvino pregador da mesma (1564). Nesse período, as tensões religiosas na França começaram a evoluir lentamente para uma guerra aberta entre católicos e protestantes e na qual, ao longo de todo o período (1562 – 1598) Beza teve papel fundamental, primeiro mobilizando tropas e recursos para sustentar o esforço de guerra dos seus compatriotas contra o partido católico, e ainda realizando gestões principalmente na Inglaterra, tentando sem êxito levar o governo inglês a encampar a causa dos seus patriotas. Posteriormente, após o genocídio praticado pelo partido católico que dizimou a comunidade protestante de Páris (Massacre de S.Bartolomeu, 1572), atua, como líder da Companhia dos Pastores de Genebra, em substituição à Calvino, no sentido de acolher os refugiados hunguenotes franceses que, após esse evento, emigrarão em massa para aquela cidade. Em 1574 escreve o libelo Do Direito dos Magistrados, advogando o direito à resistência de qualquer cidadão contra quaisquer atos que signifiquem violação de sua consciência e, ao mesmo tempo, advogando a plenitude da liberdade religiosa e como a maioria dos reformadores do seu tempo, envolveu-se em várias polêmicas (contra Brenz e os luteranos do sul da Alemanha acerca da Eucaristia e contra Samuel Huber, pastor luterano de Berna, acerca da doutrina da predestinação). Em 1598 reprovou severamente Henrique IV de Navarra, hunguenote, que aceitou a conversão ao catolicismo para subir ao trono da França, mesmo que isso significasse diretamente o fim das guerras religiosas naquele país (Edito de Nantes, 1598), ao mesmo tempo em que dedicou suas últimas forças a responder a uma catilinária dos jesuítas da França, Itália, Inglaterra e França, de que ele junto com toda a cidade de Genebra havia retornado ao catolicismo. Afastado das funções públicas em decorrência da piora de seu estado de saúde, a partir de 1597, Teodoro de Beza morreu em Genebra em 13 de outubro de 1605, tendo pouco antes contraído segundas núpcias (sua primeira esposa, Claudine Denoese, morreu em 1588), com a genovesa Catarina Del Piano, sendo enterrado no antigo mosteiro de St Pierre.

Embora no âmbito da Teologia Reformada Teodoro de Beza seja mais vinculado à doutrina da predestinação e ao desenvolvimento de uma teologia posterior à Calvino que dificilmente poderia ser considerada continuidade daquela, mesmo no âmbito da própria tradição reformada [15], a sua maior contribuição à teologia da Reforma, lembrando o fato de que ele não era um teólogo de formação, é sem dúvida o libelo Do Direito dos Magistrados sobre seus Súditos (1574) em que se elabora pela primeira vez uma teologia política. Beza prega abertamente a insurreição quando instilada pelo próprio rei quando este, ao invés de cumprir o preceito divino de proteger e amar os súditos investe contra eles para persegui-los e os degolar. A lembrança da carnificina das ruas parisienses ainda estava muito viva na memória do jurista francês, não menos porém que o gesto notavelmente famoso e denodado dos cidadãos de Magdenburgo [16], mas inegavelmente o reflexo dessa obra extrapola as fronteiras da jurisprudência uma vez que ela é concebida dentro de uma reflexão teológica. Se o governo é estatuído por Deus, como tratar um governo que violenta o bem comum? A resposta para Beza é bem clara. O governo é legitimado na medida em que é defendido pela Igreja porque expressando a guarda da fé, está em harmonia com ela. Contudo, na medida em que passa a perseguir a verdadeira fé, o compromisso com a igreja se rompe principalmente quando considerado que os magistrados receberam seus poderes entre outras coisas, para proteger os fundamentos da verdadeira religião. Além disso, a autoridade do rei não está estabelecida mediante apenas a concessão divina, mas também pela vontade dos homens que escolheram esse governo e podem igualmente rejeitá-lo.

Embora Beza não tivesse estabelecido todos os fundamentos teóricos da teoria do contrato social, que só serão plenamente desenvolvidos no século XVII pelo jurista holandês arminiano Hugo Grotius e no século das luzes por Rosseau, é inegável que ele lançou os fundamentos dessa nova relação entre sobreanos e súditos, além de colocar o debate político no centro das preocupações e especulações teológicas, além de se situar, junto com outros autores como Francisco Hotman e Felipe du Plessis-Mornay numa tradição constitucionalista, ao ponto de o próprio calvinismo como um todo e o protestantismo francês em particular se tornarem sinônimos de constituição [17] já que na jurisprudência reformada de Beza é o parlamento que detém o direito de governança por ter sido ele delegado pelo próprio povo [18] . É bem verdade que Beza não entende o povo segundo a premissa de nossos dias, ou seja, o conjunto de todos os cidadãos no pleno exercício de seus direitos. Beza concebe povo como sendo os seus representantes nos estados gerais e por receberem delegação dos demais cidadãos para os representarem, esses acabam sendo de fato o povo na medida em que exercem de fato seus direitos como representantes das massas. Esse contrato que nada tem a ver com a aliança bíblica estabelecida por Deus com os homens, é, na obra de Beza uma constituição totalmente humana, uma delegação de poderes acertada entre o povo e seus representantes.

fonte www.comunidadewesleiana.blogspot.com

 

Quando vista de Lutero tornou-se conhecido na França, eles foram condenados (1521) pela Sorbonne. Um dos bispos franceses, Guillaume Brionnet, tomou, no entanto, um interesse ativo na reforma da Igreja.

 Ele ligou para seus homens de ajuda como Lefevre, Farel (que era na época regente do colégio de cardeal Le Moine em Paris), Roussel, e outros; mas, quando a acusação de heresia foi levantada contra ele, ele desprendeu de suas amigos reformados, e em 1523, pronunciada contra Lutero. Quando o Parlamento foi objecto de recurso para a supressão do protestantismo, ele emprestou ao mesmo tempo o seu braço para o clero de perseguição sangrenta. Em 1524 Jean le Clerc, de Meaux, o primeiro mártir da Reforma, foi executado em Metz. Em 1529 uma grande sensação AUA despertado pelo enforcamento e queima de Louis de Berquin, um conselheiro real e aderente zeloso da Reforma, cujos escritos e traduções tinha anteriormente (1523) foi condenado pela Sorbonne.

 Francis eu era um admirador de Erasmo, e, por natureza, avesso a qualquer atitude decisiva em assuntos religiosos: ele era, além disso, na detecção rápida das vantagens que uma aliança entre os príncipes protestantes da Alemanha e do governante da França contra o imperador católico da Alemanha pode ter para ele e para a França. Por outro lado, ele estava com medo de perturbar a unidade religiosa da França, e desejosos de obter ajuda do papa em sua guerra contra o imperador alemão. Assim, o seu curso no progresso das controvérsias religiosas estava oscilando e indecisos. Na sua corte, e até mesmo em sua família, ambas as partes foram representadas, o chefe patrono da Reforma ser sua irmã Margaret, rainha de Navarra.

Enquanto a perseguição dos luteranos foi para a frente, e, em janeiro de 1535, vários dos Reformados foram executadas em Paris de uma maneira bárbara, Francis assegurou aos príncipes protestantes da Alemanha que ele estava realmente em favor de uma reforma religiosa, e que só alguns fanáticos foram punidos na França. De grande interesse são as negociações que ocorreram entre Francis e Melanchton. O rei tornou-se familiarizado com a Melanchton, em consequência de um memorial que esta última dirigida em 1531 a Guillaume Bellay, e na qual explicou os pontos essenciais da Reforma, e como eles podem ser conciliadas com a doutrina católica. De Melancthon Loci Comunas ao rei muito. Em 1535, John Sturm, então professor em Paris, convidou Melancthon para a França. Melancthon respondeu cordialmente, e foi formalmente convidado pelo próprio rei, pelo cardeal Bellay, Sturm, e Guillaume Bellay. Lutero era a favor de aceitar o convite, mas o eleitor acentuadamente recusou-se a dar-lhe permissão. Melanchton, portanto, não ir, mas em agosto do mesmo ano, seu Consiliumn, com muitas alterações, foi apresentado à Sorbonne para a sua decisão, na forma de uma confissão de fé, e foi declarado por eles para ser bem desagradável. O rei, no entanto, anunciou em dezembro para os protestantes príncipes montados em Smalkald que ele tinha formado uma opinião favorável dos artigos de Melanchton. Logo, porém, o rei, principalmente através da influência do cardeal Tournon, deixou de manifestar qualquer simpatia com a causa da Reforma. Com ele a ligação dos franceses com a Reforma Luterana parece ter chegado ao fim, até que, em um período posterior, a conquista de territórios alemães deu à França um número considerável de congregações luteranas.

Os amigos que bispo Brionnet chamara para Meaux para ajudá-lo em seu trabalho reformatório permaneceu na maior parte, como ele próprio, dentro da velha Clhurch, contentando-se com a difusão de sentimentos espirituais e evangélicos entre os católicos. Lefivre (Faber Stapulensis), depois de ter fugido para Strasburg por conta das acusações de heresia feitas contra ele, foi lembrada por Francisco I, em Blois, onde ele traduziu o Antigo Testamento nomeado bibliotecário, e passou o fim de sua vida na corte de Margarida de Navarra. Gerald Roussel, que fugiu com Lefevre para Strasburg, tornou-se, posteriormente, bispo de Oleron, onde introduziu reformas importantes, mas nunca deixou de ser suspeito de heresia. Mesmo Margarida de Navarra, o patrono zeloso de todos os amigos da Reforma, que reformou todas as igrejas do seu estado pouco de acordo com os princípios evangélicos, nunca considerou que é necessário separar externamente a partir da Igreja Católica. Seu curso foi reprovado por Calvino, mas seu trabalho foi continuado por sua filha Jeanne d'Albret, a esposa de Antoine de Bourbon, e em 1569 a Reforma foi totalmente realizado em Bearn.

O principal movimento de reforma da França, que tem desempenhado um papel notável no seu eclesiástica, bem como a história política, atribui-se o nome de João Calvino.

Ele era um nativo da França, e ficou completamente imbuído de ideias reformadoras enquanto estudava ' em Bourges e Paris. Ele teve que fugir em 1533, passou um curto período de tempo na corte da rainha de Navarra, voltou a Paris, mas teve que fugir novamente para a Suíça em 1534, quando escreveu suas Institutas, no prefácio do qual ele expõe a injustiça de o rei. De Basileia foi para Genebra, onde, com exceção de alguns anos que ele passou em Estrasburgo, que era então uma cidade alemã, ele permaneceu até o fim de sua vida, como autor e reconhecido líder de um dos dois grandes divisões da Reforma do século 16. Embora ele não foi autorizado a voltar para a França, Genebra tornou-se o forno e casa a partir da qual a Reforma na própria França foi constantemente recebendo novos alimentos. Nos últimos anos do reinado de Francisco a perseguição dos reformados aumentou em gravidade; e, especialmente, os valdenses em Merindol e Cabrieres, em Provence, sofria de uma perseguição mais horrível, que em 1545 terminou em um massacre geral. Não obstante a perseguição, o número de Reformada cresceu de forma constante; era muito grande, mesmo com a morte de Francisco I, em 1547, e aumentou rapidamente durante o reinado de Henrique II. Congregações regulares começaram a ser formadas nas grandes cidades, em 1555, e em 1559 um sínodo geral realizada em Paris acordada uma confissão de fé e uma ordem da Igreja. (Para a história posterior da Igreja Reformada.

A história subsequente do Reformada, a quem em breve o nome de huguenotes foi geralmente aplicada, está intimamente ligado com a história política da França.

Eles foram forçados em legítima defesa a agir não menos como um político de um partido eclesiástico. Enquanto os católicos aderiram aos Guises fanáticos, os protestantes procuraram proteção aos Bourbons. Em 1570, eles receberam na Paz de St. Germain direitos iguais, e várias fortalezas ", como uma garantia da paz; mas dois anos depois (1572), véspera de São Bartolomeu foi o início da mais terrível provação pela qual passou em toda a sua história, mais de 30.000 deles sendo massacrados durante um mês. Rei Henry III foi impulsionado pela arrogância dos Guise para as fileiras dos huguenotes, e foi logo depois assassinado pela Clement Dominicana. Então, o primeiro protestante, Henrique de Navarra, subiu ao trono francês. Para salvar a causa protestante, ele apresentou externamente à Igreja Católica; mas aos seus antigos correligionários ele preservou a sua simpatia e garantiu direitos iguais no Édito de Nantes. Durante os reinados dos reis seguintes os huguenotes novamente passaram por uma série de severas perseguições: sob Louis XIV do Édito de Nantes foi revogado, e um grande número de famílias obrigadas a emigrar, e para se estabelecer em países estrangeiros. A Revolução Francesa, finalmente começou para eles, o soro de liberdade religiosa.    fonte Cyclopedia of Biblical, Theological e Literatura Eclesiástica 1870