Translate this Page

Rating: 3.0/5 (934 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


a linguagem do novo testamento (hermeneutica)
a linguagem do novo testamento (hermeneutica)

                                               Linguagem do Novo Testamento

  

lan'gwāj (Grego). Ver Idioma aramaico também: 

I. O vernáculo "KOINE" A LINGUAGEM DO NOVO TESTAMENTO 

1. O Velho Ponto de vista 

2. A Revolução 

(1) O Papyri 

(2) O ostraka 

(3) as inscrições 

(4) Grego Moderno 

(5) Histórico e Gramática Comparada 

4. Características do vernáculo "koiné" 

II. Elementos literários no Novo Testamento 

III. A INFLUÊNCIA semita 

IV. Peculiaridades individuais do novo teste AMENT ESCRITORES 

V. THE "KOINE" GREGO pronunciadas por Jesus 

LITERATURA

 I. O vernáculo "koiné" a linguagem do Novo Testamento. 

1. O Antigo ponto de vista: 

O fantasma da velha controvérsia purista é agora colocado para descansar para o bem e tudo. A história desse episódio tem interesse principalmente para o historiador da língua e dos caprichos do intelecto humano. Veja Winer-Thayer, gramática do idioma do Novo Testamento , 1869,12-19, e Winer de Schmiedel, sectopm 2, para um esboço desta contenda, uma vez furioso. No século 17 vários estudiosos tentaram provar que o grego do Novo Testamento estava em um parágrafo com o Attic literária do período clássico. Mas os hebraístas ganhou a vitória sobre eles e procurou mostrar que era hebraico grego, uma variedade especial, se não dialeto, um grego bíblico A 4ª edição do da Cremer bíblico-teológico Lexicon de grego do Novo Testamento (traduzido por W. Urwick de 1892 ) cita, com a aprovação, a observação de Rothe (Dogmatik, 1863,238):

 "Podemos falar apropriadamente de uma linguagem do Espírito Santo. Porque na Bíblia, é evidente que o Espírito Santo tem sido no trabalho, moldagem por si mesmo um modo distintamente religiosa de expressão fora do idioma do país que escolheu como sua esfera, e transformar os elementos lingüísticos que achou à mão, e até mesmo concepções já existentes, em uma forma e forma adequada para si e todos os seus próprios. " Cremer acrescenta: "Nós temos uma prova muito clara e marcante deste em grego do Novo Testamento."

 Isso foi há apenas vinte anos e bastante representado a opinião daquele dia. Eclodem em 1889 ( Ensaios em grego bíblico , 34), considerou que com a maioria das palavras do Novo Testamento a leigos chave na Septuaginta. Mas Winer (Winer-Thayer, 20) há muito tempo tinha visto que o vernáculo Koinè era "a fundação especial da dicção do Novo Testamento", embora ele ainda admitiu que "um judeu-grego, que os gregos nativos não inteiramente compreender" (p. 27). Ele não viu a identidade prática do Novo Testamento grego com o vernáculo Koinè - ("Comum" em grego), nem Schmiedel no 8. Auflage de Winer (I. Theil;. II Theil, erstes Heft, 1894-1897). Na segunda edição de sua Gramática do grego do Novo Testamento (tradução Inglês por Thackeray, 1905,2), Blass vê a aurora do novo dia, embora o seu livro foi escrito primeiro antes de ele chegar. Viteau ( Etude sur le Grec du Nouveau Testament , I, Le verbe, 1893, II, Le sujet, 1896) ocupa totalmente a antiga posição de um grego judaico. Um exemplo extremo dessa visão é visto em Hebraisms de Guillemard no Novo Testamento grego (1879).

 2. A Revolução: 

A virada para a verdade vem com fontes do HAA Kennedy do grego do Novo Testamento (1895). Ele encontra a explicação do vocabulário tanto da Septuaginta e do Novo Testamento a ser o vernáculo que remonta a Aristófanes. É um bom exercício de ler a discussão de Westcott da "Língua do NT" na DB , 3 (1888), e em seguida, vire para Moulton, "Língua do Novo Testamento", no 1-vol HDB . Westcott diz: "As principais peculiaridades da sintaxe da mentira do Novo Testamento na reprodução de formas hebraicas." Moulton observa: "Não há nenhuma razão para acreditar que qualquer escritor do Novo Testamento que já viveu na Palestina aprendeu grego apenas como língua estrangeira, quando ele foi para o exterior." Ainda melhor é ler Moulton, "Novo Testamento em grego, à luz da descoberta moderna" em Cambridge Ensaios bíblicos (1909,461-505); Deissmann, Luz do Oriente Antigo (1911); ou Angus, "A Koinè , A linguagem do Novo Testamento ", Princeton Review , Janeiro, 1910,42-92. A revolução chegou para ficar. É agora claro que o grego do Novo Testamento não é um jargão, nem um patoá . Em todos os aspectos essenciais, é apenas o vernáculo Koinè do século 1 dC, a língua franca do império greco-romana, o legado da conquista de Alexandre, o Grande do Oriente. Esta fala mundo estava no fundo do vernáculo Attic tarde com influências dialéticas e provinciais. Não era uma língua em decomposição, mas um discurso viril admiravelmente adaptado para o serviço dos muitos povos da época. O artigo capazes no volume 3 de HDB sobre a "Língua do Novo Testamento", pelo Dr. JH Thayer apareceu em 1900, e ilustra a rapidez com que um artigo da enciclopédia pode tornar-se desatualizado. Há uma riqueza de conhecimento aqui apresentado, como seria de esperar, mas Thayer ainda fala de "esta espécie de grego", "essa expressão peculiar, ... grego judaico", embora ele vê que sua base é o "comum ou falada grego ". O último tema discutido por ele é "Problemas". Ele pouco pensei que o maior "problema" tão perto solução era o caráter da própria linguagem. Foi Adolph Deissmann, depois de Heidelberg, agora de Berlim, que abriu a nova era no conhecimento da língua do Novo Testamento. Sua Bibelstudien ( aus den zumeist Papiros und zur Geschichte der Inschriften Sprache, des Schrifttums und der Religion des hellenistischen Judentums und des Urchristentums ) apareceu em 1895. Neste volume que marcou época ele provou conclusivamente a partir de papiros e as inscrições que muitos dos aparente Hebraisms na Septuaginta e do Novo Testamento eram expressões comuns no vernáculo Koinè . Ele corajosamente afirmou que a maior parte dos Hebraisms foram falsamente assim denominado, exceto no caso da tradução grega do hebraico ou aramaico ou em "perfeito" Hebraisms, o uso genuíno grego fez mais comum por causa da semelhança com a linguagem semita. Em 1897, ele produziu Neue Bibelstudien, sprachgeschichtliche Beitrage zumeist aus den Papiros und zur Inschriften Erklärung des Neuen Testamentos .

 Em 1901 (2ª edição em 1903), estes dois volumes foram traduzidos como um por A. Grieve, sob o título Estudos Bíblicos. Outros volumes da Deissmann confirmaram sua tese. Os mais importantes são a luz nova sobre o Novo Testamento (1907), A Filologia da Bíblia Grega (1908), vom Licht Osten (1908), Luz do Oriente Antigo (tradução de Strachan, 1910), Paul em função da evolução social e História Religiosa (1912). Na Luz do Oriente Antigo , Deissmann ilustra linguagem do Novo Testamento com muito detalhe do papiro, ostraka e inscrições. Ele agora está trabalhando em um novo léxico do Novo Testamento que irá fazer uso do conhecimento fresco a partir destas fontes.

 O trabalho de outra forma útil de E. Preuschen, Vollstandiges griechisch-Deutsches Handwörterbuch zu den Schriften des Neuen Testamentos und der ubrigen urchristlichen Literatur (1908-1910), não consegue utilizar os papiros e inscrições ao desenhar sobre a Septuaginta eo Testamento Apocrypha Nova e outros literatura cristã primitiva. Mas isso tem sido feito por Ebeling em seus Griechisch-Deutsches Wörterbuch zum Novo Testamento , 1913. O passo seguinte foi feita por A. Thumb, o grande filólogo, em sua Griechische Sprache im Zeitalter des Hellenismus ; Beitrage zur Geschichte und der Beurteilung " Koinè ", De 1901, em que o personagem real do Koinè foi pela primeira vez devidamente estabelecido.

 Winer e Blass tinha tanto lamentou a necessidade de uma gramática do Koinè , E que a demanda ainda existe, mas Polegar foi um longo caminho para fornecê-lo neste volume. É de se esperar que ele ainda vai preparar uma gramática do Koinè . Interesses do polegar cobrir toda a gama de filologia comparativa, mas ele adicionou neste campo "Die Forschungen fibra die hellenistische Sprache in den Jahren 1896-1901," Archiv fur Papyrusforschung , II, 396 f; "Prinzipienfragen der Koina-Forschung," Neue Jahrb. DAS peles kl. Alt. , 1906; "Die sprachgeschichtliche Stellung des biblischen Griechisch", Theologische Rundschau , V, 85-99.

 O outro nome mais importante a acrescentar é que de J. Esperança Moulton, que tem o crédito de ser o primeiro a aplicar o novo conhecimento diretamente para o grego do Novo Testamento Seu Gramática do Novo Testamento grego , I, Prolegômenos (edição 1906,2nd, 1906,3edition, 1908, tradução alemã em 1911, Einleitung in die Sprache des Novo Testamento ) é uma brilhante peça de trabalho e relaciona o grego do Novo Testamento em detalhe cuidado para o vernáculo Koinè E mostra que, em todos os pontos importantes é o grego comum da época e não um grego hebraico. Moulton provavelmente pressionou o ponto longe demais em certos aspectos, no seu zelo contra Hebraisms, mas a posição essencial da Deissmann e Moulton é, sem dúvida som.

 Moulton tinha publicado anteriormente a maior parte deste material como "Notas gramaticais do Papiros," O Expositor , 1901,271-82; 1903,104-21,423-39; A Revisão Clássica , 1901,31-37,434-41; 1904,106-12,151-55; "Características do Novo Testamento em grego," O Expositor de 1904.

 Em 1909 apareceu seu ensaio, grego na Luz de descoberta moderna (veja acima). Desde 1908, O Expositor tem tido uma série de documentos por JH Moulton e George Milligan chamado "Notas lexicais do Papiros", que são muito úteis no lado lexical da língua. Assim, o estudo é bastante lançou em sua nova carreira. Em 1900, a AT Robertson produziu um Syllabus na sintaxe grega do Novo Testamento a partir do ponto de vista da filologia comparativa, que foi reescrito em 1908, com o ponto de vista agregado das pesquisas papiros, como AShort Gramática do grego do Novo Testamento (2ª edição, 1909,3edition, 1912; traduções em italiano em 1910, alemão e francês em 1911, holandeses, em 1912). Em outubro de 1909, S. Angus publicou um bom artigo na Harvard Theological Review sobre "Métodos Modernos em Novo Testamento Filologia", seguido em janeiro de 1910, por outro, no Princeton Review sobre "A Koinè , A linguagem do Novo Testamento. "O novo conhecimento aparece também em Jakob Wackernagel," Die griechische Sprache "(pp. 291-318,2nd edição, de Die griechische und Literatur und lateinische Sprache , 1907). L. Radermachcr fixou adiante muito habilmente "morrer sprachlichen Vorgange em ihrem Zusammenhang", em seu Neutestamentliche Grammatik: Das Griechisch des Neuen Testamentos im Zusammenhang mit der Volkssprache É, na realidade, o fundo do grego do Novo Testamento e é uma preparação excelente para o estudo do grego. Novo Testamento. Uma discussão completa sobre o novo conhecimento em detalhe gramatical foi preparado pela AT Robertson, sob o título AGrammar do grego do Novo Testamento à luz da pesquisa histórica . Moulton e Schmiedel está planejando também para concluir seus trabalhos.

 3. A prova do Novo Cargo: 

A prova da nova posição é traçada a partir de várias fontes: 

(1) O Papyri. 

Estes rolos ter ficado nos museus do mundo muitos anos e atraiu pouca atenção. Para listas das principais coleções de papiros ver Moulton, Prolegômenos , 259-62; Milligan, Seleções da papiros gregos , XI, XII; Mayser, Grammatik der griechischen Papiros aus der Ptolemaerzeit ; Lautund Wortlehre, vii-x; Deissmann, Luz do Oriente Antigo , 20-41; Robertson, Gramática do grego do Novo Testamento , Bibliografia . Novos volumes de papiros, como resultado de explorações recentes no Egito são publicados a cada ano. Ver PAPIRO, E nas outras enciclopédias sob a palavra. A maior parte do papiro descoberto pertencem ao período do Koinè (os primeiros três séculos BC e AD em números redondos), e com grande riqueza de ilustração que mostra a vida das pessoas comuns da época, seja no Egito ou Herculano (as duas regiões principais representado). Existem vários graus de cultura mostrados, como pode ser visto em qualquer das grandes volumes de Grenfell e Hunt, ou nos manuais de Lietzmann, Griechische Papyri (1905), e de Milligan, grego Papyri (1910). Eles vêm a partir da sucata-montes de o há muito tempo, e são, principalmente, recibos, contratos, cartas de negócios ou amor, documentos militares, etc. Eles mostram todos os tipos de cultura, desde o analfabeto com ortografia fonética para o homem das escolas. Mas temos aqui a linguagem da vida, e não dos livros. De uma maneira mais surpreendente nota-se as semelhanças de vocabulário, formas, e sintaxe entre a linguagem dos papiros do primeiro século AD e que os livros do Novo Testamento. Já em 1778, FW Sturz, fez uso da Charta Borgiana ", o primeiro papiro já trouxe para a Europa" (Deissmann, Luz do Oriente Antigo , 39), e, em 1841, do mesmo modo Thiersch viu o valor dos papiros para a filologia da Septuaginta. Mas o assunto não foi pressionado. Lightfoot jogou fora uma dica sobre o valor das cartas do povo, que não foi seguido até Deissmann viu o ponto; comparar Moulton, Prol., 242. Não é necessário aqui para ilustrar o assunto longamente. Deissmann ocupa em detalhe as palavras "bíblicas" em Thayer Lexicon , e não tem dificuldade em encontrar a maioria deles nos papiros (ou inscrições). Assim πληροφορέω , plērophoréō , Mostra-se comum nos papiros. Veja Deissmann, estudos bíblicos e Luz do Oriente Antigo , por extensas listas. O show papiros também os mesmos significados de muitas palavras que se pensava peculiar à Bíblia ou o Novo Testamento. Um exemplo é visto no sentido oficial do πρεσβύτερος , presbuteros , Nos papiros, ὀ πρεσβύτερος τῆς κώμης , ho presbuteros TES kṓmēs ( Pap. Lugd . A 35 f), "sem dúvida, uma designação oficial" (Deissmann, Estudos Bíblicos , 155). Então ἀδελφός , Adelphos , Para os membros da comunidade, ἀναστροφή , anastrophe , Por forma de vida, ἀντίλημΨις , antılēmpsis "Ajuda", λειτουργία , leitourgia , "Serviço público", πάροικος , pároikos , "Estrangeiro", etc. (Deissmann, Luz do Oriente Antigo , 107). R. Helbing ( Grammatik der Septuaginta , 1908) e H. John Thackeray ( AGrammar do Velho Testamento em grego de acordo com a Septuaginta , 1909) aplicaram o novo conhecimento para a linguagem da Septuaginta, e que tem sido discutido com muita habilidade nos primeiros volumes. O uso do papiro para fins gramaticais é facilitada pelo excelente volume de E. Mayser, Grammatik der griechischen Papiros aus der Ptolemaerzeit; Wortlehre und Laut- (1906), embora o seu "Sintaxe", ainda é um desiderato. Útil também é G. Cronert, Memoria Graeca Herculanensis (1903).

 (2) O ostraka. 

A literatura sobre o assunto ainda é pequeno em massa. Em 1899 Ulrich Wilcken publicado Griechische ostraka aus Aegypten und Nubien , e em 1902 WE Crum produziu seu livro de ostraka cristão chamado copta Ostraca das coleções do Fundo de Exploração do Egito, o Museu do Cairo, e outros . Isto foi seguido em 1905 pelo do HR Salão coptas e gregos Textos do período cristão da ostraka, estelas , etc. Estes pedaços quebrados de cerâmica foram utilizados por classes mais baixas como material de escrita. Foi muito utilizado porque era muito barato. Wilcken fez mais do que qualquer outra pessoa para coletar e decifrar o ostraka. Deissmann ( Luz do Oriente Antigo , 46) observa que o estóico Cleantes ", escreveu em ostraka ou no couro", porque pobre demais para comprar papiro. Assim, ele cita o pedido de desculpas de um cristão para a utilização de caco de uma carta: "Desculpe-me que eu não posso encontrar o papiro como eu sou no país" (Crum, copta Ostraca , 55). O uso de ἀπέχω , apéchō , Em um ostrakon um recibo na íntegra, ilustra bem o uso freqüente desta palavra no Novo Testamento (Deissmann, Luz do Oriente Antigo , 111).

 (3) as inscrições.

 Aqui o cuidado deve ser usado uma vez que muitas das inscrições dar, não o vernáculo, mas a linguagem literária. O oficial (legal e militar) decreta muitas vezes aparecem em estilo muito formal. Mas um número não preservar o idioma vernáculo e muitas vezes têm a vantagem de ser datado. Essas inscrições são principalmente em pedra, mas alguns são em metal e há algumas tábuas de cera. O material é vasto e está em constante crescimento. Veja a lista dos principais coleções de Deissmann Luz do Oriente Antigo , 10-20. Boeckh é o grande nome aqui. Já em 1779 Walch ( Observationes em Matt. ex graecis inscriptionibus ) fez uso de inscrições gregas para Exegese do Novo Testamento, e RA Lipsius diz que seu pai (KHA Lipsius, autor de Grammatische Untersuchungen über die Biblische Gracitat ) "contemplado um grande gramática da a Bíblia grega, em que ele teria feito uso das descobertas em epigrafia moderno "(Deissmann, luz , etc., 15). Schmiedel fez bom uso das inscrições até agora em sua revisão de Winer; HAA Kennedy ( Fontes de grego do Novo Testamento , 1895), H. Anz ( ad Subsidia Cogn ., etc., 1894), R. Helbing ( Grammatik der Septuaginta , 1908), J. Psichari ( Essai sur le Grec de la Septante , 1908), H. John Thackeray ( AGrammar do Velho Testamento em grego de acordo com a Septuaginta , 1909), e R. Meister ( Prol. zu einer Grammatik der Septuaginta , 1907) virou-se para boa conta as inscrições para os problemas linguísticos da Septuaginta, como, aliás, Hatch ( Essays in grego bíblico , 1889) já havia feito. W. Dittenberger acrescentou algumas valiosas "Grammatica et orthographica" ao seu Orientis Graeci Inscriptiones Selectae (2 volumes, 1903,1905). Veja também EL Hicks e GF Hill, gregos inscrições históricas (1901), e papel de Hicks "em alguns termos políticos empregados no Novo Testamento," Revisão Clássica , 1887,4 ff, 42 ff. Da WM Ramsay Cidades e bispados da Frígia (2 volumes, 1895,1897) e seus outros trabalhos mostram percepção aguçada no uso das inscrições. Deissmann de Estudos Bíblicos (1895,1901) aplicou o conhecimento das inscrições para a Septuaginta e ao Novo Testamento. Em sua Luz do Oriente Antigo (1910) o uso abundante é feito das inscrições para o estudo do Novo Testamento. Moulton ( Prol ., 1906.258 f, para listas) está vivo para o valor das inscrições para o Novo Testamento gramática, como de fato foi Blass ( Grammatik des neutestamentlichen Griechisch , 1896) antes dele.

 Compare mais, G. Thieme, Die Inschriften von Magnésia sou Maander und das Neue Testament (1906); T. Nageli, Der Wortschatz des Apostels Paulus (1905), e J. Rouffiac, Recherches sur les caracteres du Grec dans le Novo Testamento d'apres les Inscr. de Priene (1911). Tratados especiais ou fases da gramática das inscrições aparecem em Meisterhans-Schwyzer, Grammatik der attischen Inschriften (1900); Nachmanson, Laute und Formen der magnetischen Inschriften (1896); Schweizer, Grammatik der pergamenischen Inschriften (1898).

 Moulton e Milligan ter desenhado livremente também sobre as inscrições para os seus "Estudos lexicais" rodando em O Expositor (1908 e nos anos seguintes). O valor das inscrições para o grego do Novo Testamento é mostrado em cada turno. Por exemplo, πρωτότοκος , prototokos , Não é mais uma palavra "bíblico". Ele aparece em uma inscrição métrico (sem data) de Trachonitis em uma tumba de um pagão "sumo sacerdote" e "amigo dos deuses" (Deissmann, luz , etc., 88); comparar Kaibel, Epigrammata Graeca, etc., número 460. Mesmo ἀγάπη , boquiaberto , Ocorre em uma inscrição pagã da Pisídia ( Papers da Escola Americana de Estudos Clássicos em Atenas , 2,57). Veja-se, ainda, WHP escotilha do "Algumas Ilustrações de Novo Testamento Uso de inscrições gregas da Ásia Menor", Journal of Biblical Literature , 1908,134-146.

 (4) O grego moderno. 

Já em 1834 Heilmeier viu que o vernáculo grego moderno voltou para o Koinè (Moulton, Prologoumena , 29), mas só nos últimos anos que ele foi visto claramente que o grego moderno das escolas e, geralmente, nos jornais é artificial, e não o vernáculo real hoje. O trabalho de Mullach ( Grammatik der griechischen Vulgarsprache , 1856) foi deficiente nesse aspecto. Mas Jannaris ' histórico grego Grammar (1897) traz a história do grego vernacular junto com o estilo literário. Hatzidakis, Einleitung em neugriechische die Grammatik de 1892, limpa o ar muito e liga o grego moderno com o Novo Testamento. Mas é a Thumb que estamos em dívida para o melhor conhecimento do vernáculo ( ἡ δημοτική , ele dēmotikḗ ), Em oposição à linguagem literária ( ἡ καθαρεύουσα , ele kathareúousa ) De hoje. Mitsotakis ( Praktische Grammatik , 1891) tratou os dois juntos, apesar de Wied ( Die Kunst, morrer neugriechische Volksprache ) deu apenas o vernáculo. Mas Wied é apenas fundamental. Polegar só tem dado um tratamento adequado do vernáculo grego moderno, mostrando a sua unidade e contato histórico com o vernáculo Koinè ( Handbuch der neugriechischen Volkssprache , 1895; Thumb-Angus, Handbook of Modern vernáculo grego , 1912). Assim, pode-se ver o fluxo vivo do discurso do Novo Testamento, uma vez que chegou até o final dos tempos. É impossível superestimar a importância do vernáculo grego moderno no conhecimento de grego do Novo Testamento. O desaparecimento do optativo, o desaparecimento do infinitivo antes ἴνα , Hina E itacismo são apenas exemplos de muitos outros que são luminosos à luz do vernáculo grego moderno. Veja Psichari, Essais de grammaire historique neo-grecque (1886-1889).

 (5) Histórico e Gramática Comparada. 

A partir desta fonte do Koinè ganha uma nova dignidade. Vai demorar um muito longe de esboçar aqui a revolução linguística forjado desde a publicação do e, em parte causada por, de Bopp Vergleichende Grammatik (1857), após a descoberta do sânscrito Sir William Jones '. A grande obra de Brugmann e Delbrück ( der Grundriss vergleichenden Grammatik der indogermanischen Sprachen , IV, 1892-1909) marca o clímax do desenvolvimento atual, embora muitos trabalhadores ganharam distinção neste campo. O ponto para acentuar aqui é que, por meio de filologia comparativa da língua grega é visto em suas relações apropriadas com outras línguas da família indo-germânica, ea interpretação correta de caso, preposição, de modo, tempo, voz, etc., é tornada possível. O velho empirismo tradicional é relegado para o ferro-velho, e uma nova ciência gramatical consonância com os fatos tomou o seu lugar. Veja Delbrück, Introdução ao Estudo da Linguagem (1882), Giles, manual Curto of Comparative Filologia (1901), para um resumo dos fatos. Wright, Gramática Comparada da língua grega (1912), aplica-se a um novo aprendizado para a língua grega. O progresso na erudição clássica é bem mostrado por Sandys em sua História da Bolsa Clássica (I-III, 1906-8) e pela Gudeman, Geschichte der Klass. Philologie , 2. Aufl, 1909. monografias Inúmeros têm enriquecido a literatura sobre este assunto. Agora é possível ver a língua grega como um todo, e apreender a sua unidade histórico. Visto por este prisma a Koinè não é uma língua ou um dialeto morrendo corrupto. É uma evolução normal e natural dos dialetos gregos em um discurso mundo, quando as conquistas de Alexandre tornou possível. O vernáculo Koinè que desenvolveu para o vernáculo grego moderno era por si só o descendente direto do vernáculo Attic, que teve suas raízes no vernáculo dos dialetos anteriores. Os desenvolvimentos dialéticos estão intimamente esboçado por Polegar, Handbuch der griechischen Dialekte (1909), e por Buck, Introdução ao estudo do grego Dialetos (1910), para não mencionar as obras mais antigas de Hoffmann, Meister, etc. Jannaris se comprometeu em seu Histórico Gramática grega (1897) para esboçar e interpretar os fatos da língua grega ao longo de sua longa carreira, tanto em seus aspectos literários e vernáculas. Ele conseguiu muito bem no conjunto, embora não ver a verdade sobre o vernáculo grego moderno. Schanz está a tentar estabelecer as bases para o trabalho ainda melhor por sua Beitrage zur historischen Syntax der Sprache griechischen (1882 e anos seguintes). Mas estudante do Novo Testamento deve ser aberta a todos os nova luz a partir desta região, e é muito grande. Veja-se, ainda, Dieterich, zur Geschichte der Untersuchungen Griech. Sprache von der hellen. Zeit (1898).

 4. Características do vernáculo "koiné": 

Como já indicado, o grego do Novo Testamento é o principal apenas o vernáculo Koinè do século 1 dC, embora grego como o usado por homens de capacidade e diversos graus de cultura. A diferença mais notável entre o vernáculo Koinè eo Sótão literária é visto no vocabulário. Os escritores da literatura Koinè mostrar mais semelhança com o Attic clássico, mas mesmo eles revelam as mudanças devido aos séculos de intervenção. Havia, é claro, nenhuma ruptura violenta. As mudanças ocorreram de forma gradual e naturalmente. É principalmente neste ponto que Deissmann fez esse trabalho brilhante em suas bíblicos Estudos e outros livros. Ele tomou as listas de "bíblica" e as palavras "eclesiásticos", como dado pela Cremer e Thayer, e tem mostrado a partir dos papiros, ostraka, inscrições, ou Koinè escritores que não são peculiares a Bíblia, mas pertencem ao atual discurso da época. A prova é tão grande e extensa que não pode ser dada aqui. Algumas palavras ainda não foram encontrados no não-bíblicos Koinè , Mas pode ser qualquer dia. Algumas poucas palavras, é claro, pertence à própria natureza do cristianismo χριστιανός , Cristianos , Por exemplo), mas ἀπόστολος , apóstolos , βαπτισμός , baptismos , πάροικος , pároikos , συναγωγή , sunagoge , E centenas de outros já não podem ser listados como "bíblica". Novos significados vir a palavras antigas também. Compare δαιμόνιον , daimonion . É interessante notar que o Novo Testamento mostra muitas das palavras encontradas em Aristófanes, que alcançou o vernáculo do seu dia. O Koinè utiliza mais palavras de estratos mais baixos da sociedade. Aristóteles também tem muitas palavras comuns no Koinè , Uma vez que ele fica na encruzilhada dos caminhos entre os antigos dialetos eo novo Koinè de conquistas de Alexandre. O Koinè desenvolve uma predileção para o composto e composto ainda de casal (sesquipedalian) palavras; comparar, por exemplo, ἀνεκδιήγητος , anekdiḗgētos ; ἀνεκλάλητος , aneklálētos ; ἀνεξερεύνητος , anexereúnētos ; ἀνταποκρίνομαι , antapokrınomai ; οἰκοδεσπότης , oikodespótēs ; ὀλιγόψυχος , oligópsuchos ; προσαναπληρόω , prosanaplēróō ; συναντιλαμβάνομαι , sunantilambánomai ; ὑπερεντὔγχάνω , huperentugchánō ; χρυσοδακτύλιος , chrusodaktúlios , Etc. O uso de diminutivos também é digno de nota na Koinè como no grego moderno: compare θυγάτριον , thugátrion ; κλινάριον , klinárion ; κοράσιον , korásion ; κυνάριον , kunárion ; ὀνάριον , onárion ; ὀψάριον , opsárion ; πλοιάριον , ploiárion ; ὠτίον , oção , Etc. A formação de palavras por justaposição é muito comum como em πληρο-φορέω , plēro - phoréō , χειρό-γραψον , Cheiro - GraphOn . Em fonética é para ser notado que ει , οι , ρ Ο2 ηπ , ρ Ο2 ηπ , ρ Ο2 υπ , ρ Ο2 ιπ todos tinham o valor de "ee" em "pés". Este itacismo era evidente no início Koinè . Assim ai = ρ Ο2 επ e ρ Ο2 οπ e ρ Ο2 ωπ não eram bem diferenciados. The Attic ττ tornou σς , exceto em alguns casos, como ἐλάττω , eláttō , κρείττων , kreıttōn . A tendência para o de-aspiração (compare Ionic) se manifestou; comparar ἐφ ' ἑλπίδι , eph'helpıdi , Para o processo inverso. Elisão é menos freqüente do que no sótão, mas assimilação é levado mais longe. As consoantes finais variáveis ​​ρ Ο2 νπ ( nu ) E ρ Ο2 σπ ( sigma ) São usados ​​geralmente antes de consoantes. Encontramos - ει - para - ιει - como em πεῖν , Pein . Οὐθείς , outheıs E μηθείς , mētheıs , São comuns até 100 aC, quando eles desaparecem gradualmente antes οὐδείς , oudeis E μηδείς , mēdeıs . Em geral há menos senso de ritmo e mais simplicidade e clareza. Alguns dos refinamentos sutis de forma e sintaxe do clássico não sobreviveu no Koinè vernáculo. Em accidence apenas alguns pontos podem ser observados. Em substantivos o Ionic ρης , - RES , É freqüente. A segunda declinação Attic desaparece. Na terceira formas de declinação como νύκταν , núktan , Mostram assimilação para o primeiro. Ambos χάριτα , Charin E χάριτα , charita , Ocorrer. A contração é por vezes ausente (compare Ionic) como em ὀρέων , Oreon . Adjetivos mostrar formas como ἀσφαλῆν , asphalḗn E indeclinável πλήρης , pleres , Aparece e πᾶν , panela , Para πάντα , Panta (Compare μέγαν , Megan ), δυσί , Dusi , Para δυοῖν , duoın . A dupla está desaparecido. Mesmo os pronomes dupla ἑκάτερος , hekáteros E πότερος , póteros , São raros. Τις , tis , É usado ocasionalmente como ὄστις , Hostis . Ὄς ἐάν , hos EAN , É mais freqüente do que άν ὄς , hos án , No século 1 dC. As duas conjugações misturar mais e mais em um só, como as μι- formas desaparecem. Há uma certa confusão no uso de άω e εω verbos, e novos presentes ocorrer como ἀποκτέννω , apokténnō , ὀπτάνω , optánō , στήκω , Steko . As formas γινομαι , ginomai , γινώσκω , ginosko , São a regra agora. Há muito aumento aoristos como ἔσχα , Escha , E como imperfects εῖχα , Eicha . A forma οσαν , - osan ( εἴχοσαν , eıchosan , ἔσχοσαν , éschosan ) Aparece ocasionalmente. Muito frequente é um perfeito como δεδωκαν , dédōkan Eo augment é muitas vezes ausente nos plu-perfeitos como em δεδώκει , dedṓkei . Por contra , um augment duplo ocorre em ἀπεκατέστη , apekatéstē E um augment agudos em ἠνέχθησαν , ēneṓchthēsan . O augment temporal é muitas vezes ausente com ditongo como em οἰκοδομήθη , oikodomḗthē . O Koinè O grego tem τωσαν , - Tosan , Não ντων , - Nton . Na sintaxe a tendência é para a simplicidade, a frases curtas, a construção paratactic, eo uso moderado de partículas. O vernáculo Koinè evita tanto o estilo bombástico de Asianism ea artificialidade dos aticismo. Há, de fato, mais liberdade em violar as regras de concordância quanto ao gênero, número e caso. Os nominativus pendens é comum. O comparativa faz o dever muitas vezes para o adjetivo superlativo, eo superlativo geralmente tem o elative sentido. O acusativo está cada vez mais comum com verbos. A linha entre verbos transitivos e intransitivos não é uma dura e rápida. O crescimento do uso de preposições, ambos com substantivos e na composição é bastante perceptível, mas algumas das preposições mais velhos, como ἀμφί , AMPHI , Estão desaparecendo. Os casos usados ​​com várias preposições estão mudando. O uso instrumental da ἐν , en , É muito comum. Muitas novas locuções adverbiais e prepositivas têm desenvolvido. O optativo é quase morto eo infinitivo (além do uso de τοῦ , Tou , ἐν τῶ , en a , εἰς τὀ , eis tó , Com o infinitivo) está se deteriorando antes ἴνα , Hina . O particípio futuro é raro. Μή , me , Começa a invadir οὐ , OU , Com infinitivos e particípios. A conjugação perifrástica é especialmente comum. O discurso direto é mais freqüente do que a indireta. O uso não-final de ἴνα , Hina , É bastante perceptível. Há, além disso, as peculiaridades dialéticas e provinciais, mas estes não destruir a verdadeira unidade do vernáculo Koinè mais do que os traços individuais de escritores distintos.

 II. Elementos literários no Novo Testamento. 

Deissmann ( Luz do Oriente Antigo , 245) está disposta a negar qualquer qualidade literária de livros do Novo Testamento salvar a Epístola aos Hebreus. "A Epístola aos Hebreus nos mostra o cristianismo se preparando para um vôo de seus níveis nativas na maior região de cultura, e estamos conscientes dos primórdios de um mundo-literatura cristã." Ele fala também como "uma obra que parece pairar no fundo como um intruso entre a empresa Novo Testamento de livros populares." Sente-se que esta é uma posição extrema e não pode ser justificada pelos fatos. É verdade que Pedro e João foram ἀγράμματοι καὶ ἰδιῶται , agrámmatoi kai idiṓtai ( Atos 4:13 ), e não os homens das escolas, mas isso certamente não era o caso de Lucas e Paulo, que eram homens de cultura literária, no sentido mais verdadeiro. Lucas e Paulo não eram Atticists, mas que idioma artificial não representa o melhor tipo de cultura. Deissmann admite que o Novo Testamento tornou-se literatura, mas, fora ele, ele nega qualquer qualidade literária em sua composição. Paul, por exemplo, escreveu apenas "letras", não "epístolas". Mas Romanos e Efésios nos confrontar. Veja Milligan, grego Papiros , xxxi, para um protesto contra a declaração arrebatadora de Deissmann neste ponto. Não é preciso ir ao extremo de Blass, "Die rhythmische Komposition des Hebr. Noivas," Theol. Studien und Kritik , 1902, 420-61; Die Rythmen der asiatischen und romischen Kunstprosa de 1905, para encontrar em Hebreus e os escritos de Paulo ilustrações das regras artificiais dos Asianists. Há, sem dúvida, o ritmo em passagens eloqüentes de Paulo (compare 1 Coríntios 13: 1-13 ; 15), mas é a qualidade poética natural de uma alma em chamas com paixões elevado, não conformidade com as regras da retórica. Para negar a qualidade literária de Lucas e Paulo é dar um sentido estreito da palavra "literário" e de ser vítima de uma teoria. O cristianismo fez uso do vernáculo Koinè, O maravilhoso mundo fala tão providencialmente na mão. Mas a equação pessoal figurou aqui como sempre. Homens de cultura diferem em sua conversa de homens analfabetos e mais estilo literário quase aproximada. É apenas em Lucas, Paulo e autor de O que nós descobrimos o sabor literário de homens de capacidade e de cultura, embora livre de artificialidade e pedantismo. A eloquência Ele é a da paixão, não da arte da Asianism. De fato, os Evangelhos mostram todos os habilidade literária no uso de materiais e na beleza da linguagem. O Evangelho de João tem a elevação rara e dignidade do mais alto tipo de mente. Não há tendência Atticistic no Novo Testamento como em Josefo, Ant . Não há posando para o presente ou para a posteridade. É a linguagem da vida, o vernáculo no principal, mas crescente, por vezes, da própria força da paixão de altos planaltos da emoção e da imaginação e graça poética das penas dos homens de capacidade real, e em alguns casos de alta cultura.

 III. A influência semita. 

Já não é possível explicar todas as variações no Novo Testamento a partir do sótão clássico pelo termo hebraísmo. Essa solução fácil desapareceu. Acalmar a dizer, quando o verdadeiro caráter do vernáculo Koinè Fica entendido, que não é muito à esquerda para explicar. O grego do Novo Testamento, como regra é apenas normal Koinè . Milligan ( grego Papiros , xxx) admite, por parte de Moulton "um overtendency para minimizar" a "presença de indubitáveis ​​Hebraisms, tanto na linguagem e gramática." Isso é verdade, e é devido à sua forte reação contra a velha teoria de tantos Hebraisms. Os Semiticisms (Hebraisms e Aramaisms) são resultados muito naturais do fato de que o vernáculo Koinè foi usado pelos judeus que lêem a Bíblia hebraica e da tradução Septuaginta, e que também falava aramaico como sua língua nativa. A Septuaginta, como tradução do grego, diretamente do hebraico (ou aramaico), tem um número muito maior desses Semiticisms. Veja Swete, Uma Introdução ao Antigo Testamento em grego (1900), para os factos mais marcantes. Thackeray em sua Gramática do Velho Testamento em grego (1909) mostra "a κοινή , Koinè -. A base da Septuaginta grega "na seção 3, e na seção 4 discute" o elemento semita na Septuaginta grega "A questão varia em diferentes partes da Septuaginta, mas em todas as partes da influência semita vai muito além do que é na Novo Testamento. No Novo Testamento temos composição livre, em grego, exceto em certas porções dos Evangelhos e Atos, onde os originais em aramaico (oral ou escrita) estão além do texto grego. Assim, em especial, Lucas 1 , as palavras de Jesus em Lucas 2 e os capítulos iniciais de Atos. Ver Dalman, palavras de Jesus (1902), e JT Marshall, "O Evangelho aramaico", o expositor , sor. 4 volumes II-VIII; veja tambémARAMAICO supra . Não é, até certo ponto, a tradução-Gr, como na Setenta. As citações do Antigo Testamento são a partir do original hebraico, ou, como mais freqüentemente, a partir da Septuaginta. Em ambos os casos, temos de tradução grega novamente. Estas duas classes cobrir os Semiticisms mais óbvias se somarmos nomes hebraicos (pessoas e lugares) e outras transliterações como ἀβαδδών , Abbadon , ἀλληλούΐα , allēloúia . O grego da Septuaginta não, é claro, dar uma imagem fiel do grego falado pelos judeus em Alexandria ou na Palestina. Mas a leitura constante da Septuaginta foi obrigado a deixar a sua impressão sobre o estilo das pessoas (comparar a King James Version e do idioma Inglês). A surpresa, na verdade, não é o número de Semiticisms, mas, bem vistas as coisas, o pequeno número delas. Lucas, só porque ele era um gentio e assim observar os Hebraisms na Septuaginta, mostra um pouco mais deles do que os outros escritores do Novo Testamento: compare προσέθετο τρίον πέμψαι , prosētheto tritão pémpsai ( Lucas 20:12 ). Alguns dos pontos de estilo tão comum na Septuaginta encontrar ocasional paralelo nos papiros ou inscrições, como βλέπων βλέπω , blépōn blépō, χαρᾶ χαίρω ,Chará chairo, ὄν ... ἀυτόν ,HON ...Auton. Outros são mais obviamente imitações do estilo hebraico, como em ἀπέσκειν ἐνώπιόν τινος ,aréskein enṓpión tinos, Em vez de τινί ἀρέσκειν ,aréskein Tini. Mas há uma certa dignidade e elevação de estilo tão característico do hebraico o Antigo Testamento, que reaparece no Novo Testamento. O uso freqüente de καί ,Kai , Em partes do Novo Testamento lembra da Septuaginta e do hebraico waw () ו . Há, além disso, um tom indefinível no Novo Testamento que se encontra no Antigo Testamento. Swete ( Apocalipse de João , CXX) lamenta a tendência a desvalorizar indevidamente a presença de Hebraisms no Novo Testamento. O pêndulo pode ter balançado muito longe da verdade. Ele vai atingir o nível, mas nunca deve novamente ser capaz de preencher nossas gramáticas e comentários com explicações de tantos Hebraisms peculiares no Novo Testamento. Por todo o Novo Testamento grego é vernáculo padrãoKoinè .

 IV. Peculiaridades individuais de Novo Testamento escritores a. 

Não há espaço para uma extensa discussão deste tópico. O fato em si chama para dar ênfase, pois há uma grande variedade de estilo entre o Evangelho de Marcos e Hebreus, 1 Pedro e romanos, o Evangelho de Lucas eo Apocalipse. Não há Atticists encontrados no Novo Testamento (compare 4 Macc na Septuaginta e Jos ), mas não são os escritos mais literários (Mateus, Marcos, os livros de João, as outras epístolas católicas) e os escritos mais literários (escritos de Lucas, epístolas de Paulo e Hebreus). Mas, mesmo assim, nenhuma linha dura e rápida pode ser desenhado. Moulton, Cambridge Ensaios bíblicos , 484, pensa duas Peter mais como os escritos Atticistic, "embora certamente as Atticists teria desdenhado de possuir um livro tão cheio de" solecismos ". Moulton assume que 2 Pedro é pseudepigraphic, e não creditar o noção de que o crude "Babu" grego, para usar o termo de Abbott, pode ser próprio estilo sem correção de Pedro (compare Atos 4:13 ), enquanto 1 Pedro pode ter o efeito de suavização de mão Silvano '(compare 1 Pedro 5:12 ). Uma explicação semelhante está aberta sobre os lapsos gramaticais do Apocalipse, uma vez que John também é chamado ἀγράμματος , agrámmatos, Em Atos 04:13 , enquanto que o Evangelho de João pode ter tido a revisão dos anciãos de Éfeso (compare João 21:24 ). Mas qualquer que seja a explicação, não há dúvida do estilo grandes divergências entre os diferentes livros e grupos de livros na lista do Novo Testamento. Os grupos de Lucas, joaninos, petrino, Paulinas estar distante, mas com clivagens dentro de cada grupo. Harnack ( Lucas do Médico , 1907; os ditos de Jesus , 1908; Os Atos dos Apóstolos , 1909; A data dos Atos dos Apóstolos , 1911) aceitou e reforçou a tese de Hawkins ( Horae Synopticae , 2ª edição, 1909 ) e de Hobart (Linguagem Médica de Lucas , 1882) que os termos médicos no Evangelho de Lucas e de Atos mostram que os livros foram escritos pelo mesmo autor e que um médico, e assim por Luke. As diversidades de estilo aqui e ali são principalmente devido às fontes de informação utilizadas. Mesmo nos livros de Pauline, que forma tão bem marcadas uma coleção, impressionante diversidade de linguagem e estilo aparecer. Mas essas cartas cobrem um período de cerca de 15 anos de intensa atividade e desenvolvimento mental e espiritual, e tratar uma grande variedade de tópicos. Eles refletem adequadamente a mudança das fases da pregação de Paulo da cruz de Cristo em lugares diferentes e sob variadas circunstâncias e enfrentar sempre novos problemas. As peças de Shakespeare oferecer um paralelo útil. Mesmo na velhice de Paulo, nas Epístolas Pastorais o selo do espírito de Paul é admitido por aqueles que admitem apenas fragmentos paulinos; comparar J. Weiss, Beitrage zur Paulinschen Rhetorik (1897). O estilo é de fato o homem, mas o estilo é também a função do sujeito, eo estilo varia de acordo com diferentes períodos da vida de um homem. EA Abbott fez uma excelente discussão sobre o vocabulário joanino (1905) e de joanina Grammar (1906), mas gramáticas especiais de cada escritor é difícil de ser previsto ou desejado. Mas Nageli iniciou um estudo do vocabulário de Paulo em sua Wortschatz des Apostels Paulus (1905). O Evangelho de Mateus mostra muito pouco do que hebraísmo que se esperaria a partir do propósito geral eo tom do livro. É possível, é claro, que o suposto original em aramaico, ou, se em grego, de um tipo mais Hebraistic. Se o presente grego de Mateus fez uso do Evangelho de Marcos e uma coleção de Logia (Q), não sabemos. Certamente o Evangelho de Marcos é escrito em coloquial Koinè com pouca evidência da cultura das escolas. Mark é um repórter fiel e faz o seu trabalho com rara simplicidade e vivacidade. Ele revela claramente o fundo aramaico do ensinamento de Cristo. Os escritos de James e Jude não mostram que apenas o grego era falado no lar de Nazaré, nem que eles usaram apenas aramaico. Estas duas epístolas são, evidentemente, composições livres em grego, com grande parte do frescor de imagens tão evidente nas parábolas de Jesus. Este breve esboço não faz justiça à riqueza e variedade da linguagem nos livros do Novo Testamento.

 V. A "koiné" faladas por Jesus. 

 

Ver Idioma aramaico uma prova de que Jesus falou que a linguagem como o vernáculo do povo da Palestina. Mas Cristo falou a Koinè também, de modo que o Novo Testamento não é uma expressão que era desconhecida para o Mestre. Gwilliam (1-vol HDB "Língua de Cristo") ainda nega que Jesus falava grego, enquanto Roberts leva o outro extremo, em seu livro, grego a língua de Cristo e Seus Apóstolos (1888). Por contra , novamente, Julicher considera impossível supor que Jesus usou Grego (art. "helenismo" em EB ). JEH Thomson, "A Linguagem da Palestina durante o tempo de nosso Senhor" (Temple, Dicionário Bíblico ) argumenta convincentemente que a Palestina era bi-lingual e que Jesus conhecia e falava grego, assim como o aramaico Peter evidentemente falou em grego, no Dia de Pentecostes e foi compreendido por todos. Paul foi entendida em Jerusalém quando ele falou em grego ( Atos 21:37 ). Jesus ensinou em Decápolis, uma região grega, na região de Tiro e Sidom (grego novamente). Própria Galiléia foi largamente habitada por gentios que falavam grego. Na época do Sermão do Monte, lemos que as pessoas estiveram presentes desde Decápole e Perea, além da multidão mista da Galiléia, da Judéia, e de Jerusalém ( Mateus 04:25 ; Lucas 06:17 ). Thomson prova também que no Evangelho de Mateus a citação do Antigo Testamento, nas palavras de Jesus é a partir da Septuaginta, enquanto próprias citações de Mateus são do hebraico. O caso parece claro. Não é possível dizer sempre quando Jesus falava grego e quando aramaico. Isso vai depender da audiência. Mas é praticamente certo que o próprio Cristo sabia e falou à vontade vernáculo Koinè E, portanto, tinha essa ligação linguística com o grande mundo da época e com os amantes do Testamento grego hoje.

 fonte Internacional Standard Bible Encyclopedia 1915 

 

Postado por AVIVAMENTO NO SUL