Translate this Page

Rating: 2.9/5 (953 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Pre-milenianismo doutrina e historia
Pre-milenianismo doutrina e historia

                                

                          Pre-milenianismo doutrina e historia

Pre-milenarismo , na escatologia cristã , é a crença de que Jesus retornará fisicamente à terra antes do Milênio , mil anos literal idade de ouro da paz. Este retorno é referido como a Segunda Vinda . A doutrina é chamado de "pré-milenarismo", porque defende que retorno físico de Jesus à Terra irá ocorrer antes da inauguração do Milênio. É distinta das outras formas de escatologia cristã, como postmillennialism ou amilenismo , que vêem a regra milenar como ocorra, quer antes da segunda vinda, ou como sendo figurativo e não-temporal. Para o século passado, a crença tem sido comum no fundamentalismo cristão Premillennialism é baseado em um fundamentalista-literal interpretação do Apocalipse 20: 1-6 no Novo Testamento , que descreve a vinda de Jesus à terra e reinado subsequente ao final de um período apocalíptico de tribulação . Ele vê esta idade futuro como um tempo de cumprimento da esperança profética do povo de Deus, tal como consta no Velho Testamento . Outros, como os ortodoxos orientais afirmam que esta passagem do Apocalipse descreve o tempo presente, quando Cristo reina no céu com os falecidos santos ; tal interpretação vê o simbolismo do Apocalipse como referindo-se a uma batalha espiritual, em vez de uma batalha física na Terra.

Os proponentes da Amilenismo interpretar o milênio como sendo um período simbólico de tempo, o que é consistente com a natureza altamente simbólica do gênero literário e apocalíptica do livro do Apocalipse, por vezes, indicando que os mil anos representam o domínio de Deus sobre a sua criação ou a Igreja . Premillennialism é muitas vezes usado para se referir especificamente para aqueles que aderem às crenças em um reino milenar terreno de Cristo, bem como um arrebatamento dos fiéis que vem antes (dispensational) ou depois (histórico) da tribulação que precede o milênio. Pós-milenarismo, por exemplo, concorda com premillennialism sobre o futuro reinado terrena de Cristo, mas discorda sobre o conceito de um arrebatamento e tribulação antes do milênio começa. Postmillennialists sustentam a visão de que a segunda vinda vai acontecer depois do milênio.

Conteúdo 

1 Terminologia

2 História

2.1 antecedentes judaicos

2.1.1 Enoch

2.1.2 2 Esdras

2.1.3 Outras contribuições judaicos

2.2 idade patrística

2.2.1 Justino Mártir e Ireneu

2.2.2 Outros premillennialists ante-Nicene

2.2.3 oposição Ante-Nicéia

2.3 Idade Média e da Reforma

2.3.1 agostiniano fundação escatológico

2.3.2 Medieval e Reforma amillennialism

2.4 era moderna

2.4.1 séculos 17 e 18

2.4.2 século 19 para apresentar

3 vs. Historic escolas dispensacionais

3.1 escola Historic

3,2 escola Dispensational

4 Veja também

5 Referências

6 Leitura

6.1 Works partir de uma perspectiva amillennial ou postmillennial

6.2 Works partir de uma perspectiva premillennial

6.3 Works a partir de múltiplas perspectivas ou nenhuma perspectiva aparente

6.4 Obras sobre a história da escatologia

7 Ligações externas

Terminologia

Historicamente cristã "premillennialism" também tem sido referido como "chiliasm" (de chilias , a palavra grega para mil) ou "milenarismo". O atual termo "premillennialism" religioso não entrar em uso até meados do século 19. Este período em que "premillennialism" foi reavivado coincidiu com uma abordagem ao estudo bíblico que se divorciou interpretação textual escatológica de um contexto histórico, por exemplo, uma hermenêutica-histórico onde Revelations sendo escrito para igrejas específicas que sofrem perseguição em um contexto histórico em torno da queda do templo em 70 dC foi de nenhuma conseqüência para interpretação; igualmente na interpretação de Daniel, ou os escritos de São Paulo. Cunhando a palavra era "quase inteiramente da obra de britânicos e americanos protestantes e foi motivada por sua crença de que os franceses e revoluções americana (o francês, especialmente) percebeu profecias feitas nos livros de Daniel e Apocalipse . "

História

Antecedentes judaicos

O conceito de um reino messiânico terrena temporária no Messias vinda 's não foi uma invenção do cristianismo. Em vez disso, foi uma interpretação teológica desenvolvida no âmbito do apocalíptico literatura do início do judaísmo .  No judaísmo durante o cristão período intertestamental , havia uma distinção básica entre a idade atual ea "era por vir" . A "era por vir" era comumente visto como um nacionalista Golden Age em que as esperanças dos profetas se tornaria uma realidade para a nação de Israel . Na superfície, os profetas bíblicos revelou uma "era por vir", que foi monolítica. Aparentemente, os profetas não escrever de uma de duas fases eschaton que consiste em uma era messiânica temporária seguido por um estado eterno. No entanto, isso foi o conceito de que alguns intérpretes judeus se derivam de sua exegese. Suas conclusões são encontrados em alguma da literatura e teologia do judaísmo primitivo dentro dos séculos tanto antes como durante o desenvolvimento do Novo Testamento cristão . RH Charles em seu comentário no livro do Apocalipse concluiu que a escatologia judaica devem ter desenvolvido o conceito de um terreno reinado messiânico temporário antes do estado eterno, o mais tardar em 100 aC Enoch

Artigo principal: Livro de Enoque

O mais antigo exemplo na literatura judaica que ensina uma era messiânica terrena temporária antes de um estado eterno começou com "The Apocalypse das Semanas" contida no 1 Enoch 91-107. Este trabalho provavelmente data do início do século 2 [ 5 ] e mostra uma esquematização da história divina dividido em dez períodos ambíguas de tempo chamado de "semanas." No apocalipse , semanas 1-7 (93: 1-10) recontar a bíblica história da criação da humanidade em tempos do autor da escrita (possivelmente durante o Maccabean crise). No entanto, após o sétimo "semana", a idade messiânica terrena temporária começa e ocorre por um período de mais três "semanas" (93: 12-15). Após o reino messiânico temporária, a criação dos novos céus e da nova terra ocorre (93:16).

2 Esdras

Segundo Esdras provável data de logo após a destruição de Jerusalém no ano 70 dC O livro apócrifo foi aparentemente uma tentativa de explicar as dificuldades associadas com a destruição de Jerusalém e do templo para o povo judeu.  Durante uma das visões no livro, Esdras recebe uma revelação do anjo Uriel . O anjo explica que, antes do juízo final , o Messias virá e estabelecer um reino temporário com duração de 400 anos depois que toda a criação será obliterado incluindo o Messias (7:28). Sete dias após este evento cataclísmico, a ressurreição eo julgamento ocorrerá seguido pelo estado eterno (07:36).

Outras contribuições judaicos

Literatura judaica cedo adicionais que se refere a um reino messiânico temporário antes do estado eterno pode ser encontrada em 4 Esdras 0:34; 2 Baruch 24: 1-4; 30: 1-5; 39: 3-8; 40: 1-4; jubileus 1: 4-29; 23: 14-31. A crença judaica na era messiânica terrena temporária continuou durante e para além do tempo em que foi escrito o livro do Apocalipse.  Uma amostra dos rabínicos contribuições para o conceito estão listados a seguir:

Por volta do ano 90 dC Eleazar ben Hurcanus alegou que o reino messiânico duraria 100 anos com base no Salmo 90:15 ;

Por volta de 100 dC Eleazar ben Azarias alegou que o reino messiânico duraria 70 anos com base em Isaías 23:15 ;

Por volta de 110 AD Joseph ben Galiléia alegou que o reino messiânico duraria 60 anos com base em Salmo 72: 5 ;

Por volta de 150 dC Eliezer ben Joseph da Galiléia alegou que o reino messiânico duraria 400 anos com base em Gênesis 15:13 e Salmo 90:15 ;

Vários rabinos ao redor do fim do século 1 dC alegaram que o reino messiânico duraria 2000 anos com base em 4 Esdras 7:28;

Alguns contemplado que pode não haver reinado messiânico em todos.

Idade patrística

Um dos primeiros expoentes da crenças quiliásticas foi o gnóstico Cerinto . A Igreja Primitiva durante os séculos 2 e 3 continuavam a debater a definição de uma escatologia cristã ortodoxa e se deseja incluir crenças milenaristas.  Muitos cristãos intérpretes aplicou a idéia apocalíptica judaica anterior de um reino messiânico temporária para a sua interpretação do capítulo 20 de John apocalipse. Justino Mártir , Ireneu e Tertuliano todas as referências explícitas feitas ao conceito de um reino de mil anos terrena na vinda de Cristo.  Estes são vistos como tendo sido influenciado pelo Chiliasm que surgiu na Ásia Menor no início da história da Igreja. Tertuliano, em particular, foi convencido pela heresia de Montanism , uma heresia que fez milenarismo popular na Ásia Menor , uma vez que surgiram na Frígia. Ironicamente, seria, no final, ser Montanismo que levaria os ortodoxos para rejeitar decisivamente Chiliasm, como todo o cristianismo viu os seguidores de Montanus atender nas montanhas da Frígia vestida de branco, aguardando a descida da Nova Jerusalém, só para ser muito desapontados. Isso tirou a credibilidade do movimento e da própria Chiliasm, e, portanto, a Igreja no Oriente estava relutante em aceitar o Apocalipse de João, quando viram as muitas heresias desenvolvidas contra o que eles foram detidos as tradições dos Apóstolos. Além disso, o imperador Domiciano vi relatos de uma segunda vinda de Cristo como uma ameaça a seu próprio domínio, com sua solução sendo para exterminar a todo da linhagem de Davi. No entanto, ao questionar os parentes vivos conhecidos apenas de Cristo, ele estava certo de que a vinda do reino de Cristo não era deste mundo, mas era espiritual e terá lugar no fim do mundo quando o Senhor veio como o juiz dos vivos e os mortos.

Embora não podia ser negado que o livro de Apocalipse fala de um reinado de mil anos de Cristo com os santos, Santo Hipólito de Roma, São Cipriano de Cartago, Santo Ambrósio de Milão, Santo Atanásio de Alexandria, St. Cyril de Jerusalém, e Agostinho de Hipona interpretado Apocalipse de uma forma ortodoxa, revelando rejeição da doutrina quiliásticas da Igreja,  embora alguns na comunidade protestante, particularmente os fundamentalistas, apresentar a Igreja Primitiva como acreditando fortemente no Chiliasm.

O ponto mais marcante na escatologia da era pré-Nicéia é o chiliasm proeminente, ou milenarismo, que é a crença de um visível reinado de Cristo em glória na terra com os santos ressuscitados por mil anos, antes da ressurreição geral e julgamento . Ele realmente não era a doutrina da Igreja encarnada em qualquer credo ou forma de devoção, mas uma opinião amplamente atual de professores ilustres, como Barnabé, Papias, Justino Mártir, Irineu, Tertuliano, Metódio, e Lactâncio, enquanto Caio, Orígenes, Dionísio, o Grande, Eusébio (como depois Jerônimo e Agostinho) se opuseram a ela.

- Philip Schaff ,  História da Igreja Cristã

Esta apresentação da Igreja Primitiva fornece lados opostos, mas não lida com as origens e os efeitos da Chiliasm, ea resposta progressista da Igreja, concluindo na rejeição pura e simples de Chiliasm no Concílio de Constantinopla em 381 como o Creed revisto acrescentado " e seu reino não terá fim ". Apesar de esta rejeição por parte da Igreja, restavam uns poucos indivíduos que procuravam um milênio, como Lactantius, tutor ao filho de Constantino Crispus. Ele viu o milênio de uma forma muito semelhante como fez Irineu, mas também passou por as idéias sensuais de seu antecessor como ele também ligado as idéias pagãs do reinado de Saturno.

Justino Mártir e Ireneu

Justin Martyr, no século 2 foi um dos primeiros escritores cristãos para descrever-se claramente como continuar na crença de "judeu" de um reino messiânico temporária antes de o estado eterno. De acordo com Johannes Quasten, "Em suas idéias escatológicas Justin partilha os pontos de vista dos Chiliasts relativas ao milênio." Ele mantém um distintivo premillennial, ou seja, de que haveria duas ressurreições, um dos crentes diante de Jesus reinado 'e, em seguida, um general ressurreição depois. Justin escreveu no capítulo 80 de seu trabalho Diálogo com Trifon , "Eu e outros que são cristãos de direito de espírito em todos os pontos estão certos de que haverá uma ressurreição dos mortos, e mil anos em Jerusalém, que serão então construídos. .. Para Isaías falou dessa maneira a respeito deste período de mil anos. "Embora ele admitiu mais cedo no mesmo capítulo que sua visão não era universal, dizendo que ele" e muitos dos que pertencem à fé pura e piedosa, e são verdadeiras cristãos, pensam o contrário. "

 

Santo Ireneu ( c. 130-202), um dos primeiros cristãos Premillennialist.

Irineu, o segundo final do século bispo de Lyon era um premillennialist franco. Ele é mais conhecido por seu tomo volumoso escrito contra a segunda ameaça gnóstico do século, comumente chamado Contra as Heresias . No quinto livro de Contra as Heresias , Irineu se centra basicamente na escatologia. Em uma passagem ele defende premillennialism, argumentando que um futuro reino terrestre é necessário por causa da promessa de Deus a Abraão , ele escreveu: "A promessa continua firme ... Deus prometeu-lhe a herança da terra. No entanto, Abraão não recebê-lo durante todo o tempo de sua viagem lá. Por conseguinte, deve ser que Abraão, juntamente com a sua semente (isto é, aqueles que temem a Deus e crer nEle), vai recebê-lo na ressurreição dos justos. "  Em outro lugar Irineu também explicou que a bênção de Jacob "pertence, sem dúvida, para os tempos do reino quando os justos irão suportar regra, após a sua ressurreição dos mortos. É também o momento em que a criação vai dar frutos, com uma abundância de todos os tipos de alimentos, tendo sido renovado e posto em liberdade ... E todos os animais se alimentam de vegetação da terra ... e eles vão estar em perfeita submissão ao homem. E estas coisas são testemunho no quarto livro dos escritos de Papias , o ouvinte de John , e companheiro de Policarpo . "(5.33.3) Aparentemente Irineu também realizou a / o regime septamillennial sexta- escrito que o fim do história humana irá ocorrer após o ano 6000. (5.28.3) [ 19 ]

Outros premillennialists ante-Nicene

Irineu e Justin representam duas das premillennialists mais francos da igreja pré-Nicéia. Outros premillennialists primeiros incluídos Pseudo-Barnabé , [ 20 ] Papias ,  Metódio , Lactantius ,  Comodiano  Teófilo , Tertuliano,  Melito ,  Hipólito de Roma , Vitorino de Pettau  e vários grupos gnósticos e os Montanists . Muitos desses teólogos e outros na igreja primitiva expressa sua crença em premillennialism através de sua aceitação da tradição sexta-septamillennial. Essa crença afirma que a história humana vai continuar por 6.000 anos e, em seguida, irá desfrutar de sábado por 1.000 anos (o reino milenar), assim toda a história humana terá um total de 7000 anos antes da nova criação .

Oposição Ante-Nicéia O primeiro adversário clara de premillennialism associado com o Cristianismo foi Marcião . Marcião se opôs ao uso do Antigo Testamento ea maioria dos livros do Novo Testamento que não foram escritas pelo apóstolo Paulo . Em relação ao Marcião e premillennialism, Harvard estudioso H. Brown observou,

A primeira grande herege rompeu drasticamente com a fé da igreja primitiva em abandonar a doutrina do retorno iminente, pessoal de Cristo ... Marcião não acreditava em uma verdadeira encarnação , e, consequentemente, não havia lugar lógico em seu sistema para uma verdadeira Segunda Vinda ... Marcião esperado a maioria da humanidade para ser perdido ... ele negou a validade do Antigo Testamento e sua Lei ... Como a primeira grande herege Marcião desenvolveu e aperfeiçoou seu sistema heterodoxa antes ortodoxia tinha totalmente se definia ... Marcião representa um movimento que tão radicalmente transformado a doutrina cristã de Deus e Cristo, que dificilmente pode ser dito para ser cristão.

Ao longo da Patrística período, particularmente no terceiro século não tinha havido crescente oposição a premillennialism. Orígenes foi o primeiro a desafiar abertamente a doutrina. Através alegórico interpretação, ele tinha sido um defensor da amillennialism (claro, a tradição sexta-septamillennial foi ele próprio com base em meios similares de interpretação alegórica).  Embora Orígenes não foi sempre totalmente "ortodoxo" em sua teologia, ele tinha pelo um ponto completamente espiritualizada da segunda vinda de Cristo profetizou no Novo Testamento. Orígenes fez isso em seu comentário sobre Mateus [ 30 ] , quando ele ensinou que "o retorno de Cristo significa sua divulgação de Si mesmo e de Sua divindade para toda a humanidade de tal maneira que todos pudessem participar de Sua glória na medida em que as ações mandado de cada indivíduo ( Comentário em Mateus 12.30). "  Mesmo as formas mais leves de Orígenes deste ensinamento não deixou espaço para um milênio literal e era tão extrema que poucos realmente seguiu. Mas sua influência fez ganhar uma aceitação mais ampla, especialmente no período seguinte Constantine .

Dionísio de Alexandria ficou contra premillennialism quando o trabalho chiliastic, a refutação do alegorizadores escritos por Nepos, um bispo no Egito tornou-se popular em Alexandria . Dionísio argumentou contra a influência de Nepos e convenceu as igrejas da região de amillennialism. O historiador da Igreja, Eusébio , relata isso em sua História Eclesiástica .  Eusébio também tinha pouca consideração para o Chiliast, Papias, e ele deixá-lo ser conhecido que em sua opinião Papias era "um homem de pequena capacidade mental", porque ele tinha tomado o Apocalipse literalmente.

Idade Média e da Reforma

Oxford teólogo Alister McGrath observou que "tudo medieval teologia é 'agostiniano' em maior ou menor grau. " [ 34 ] (354-430) influência de Agostinho em forma não só a Ocidental Idade Média , mas também influenciou os reformadores protestantes , que constantemente referido o seu ensino em seus próprios debates. Seu ensino é "ainda um dos elementos mais potentes em pensamento religioso ocidental". Portanto, para analisar o que aconteceu com premillennialism na Idade Média e da Reforma, é necessário observar a fundação agostiniano.

Em seu período inicial, Agostinho realizada à sexta- / septamillennial visão comum no início do cristianismo (veja acima seção sobre Patrística Age).  De acordo com este ponto de vista, Agostinho divide a história em duas dispensações distintas, a primeira era da igreja (o idade atual de 6.000 anos), e em seguida, o reino milenar ( Sermão 259,2 ). No entanto, no início de sua carreira Agostinho convertido de premillennialism para amillennialism. Anderson localiza três razões que podem ser responsáveis ​​por mudança teológica de Agostinho:

A reação a donatista excesso - Agostinho exibida uma repulsa para festas bacchanal os donatistas ", que aparentemente utilizadas quantidades excessivas de alimentos e bebidas ( de Cidade de Deus , 20,7).  Os donatistas eram premillennial e, assim, Agostinho formou uma conexão entre o seu comportamento sensual e sua expectativa terrena escatológica.

A reação a escatológica sensacionalismo -. O fervor milenar de premillennialists como o AD ano 500 estava se aproximando fez com que eles têm celebrações excessivamente jovial (alguns intérpretes septa- / sextamillennial calculados nascimento de Jesus ter acontecido 5.500 anos após a criação)  Essas festas apareceu a Agostinho a ter mais prazer no mundo físico do que o espiritual. Tal folia terrestre era repulsivo a Agostinho uma vez que ele colocou pouco valor no mundo material.

A preferência pela interpretação alegórica - Finalmente, Augustine foi influenciado pela interpretação alegórica popular da Escritura, sobretudo do Livro do Apocalipse. Ticónio (d. c , uma Donatist 400). lay teólogo ", cuja reinterpretação da de seu cultura separatistas e milenares tradições desde o ponto de partida para o que é mais brilhante e idiossincrática na própria teologia de Agostinho. E é Ticónio, mais precisamente, cuja própria leitura do Apocalipse de João determinada exegese da Igreja ocidental para os próximos 800 anos. "

Depois de se mudar para longe de premillennialism amillennialism, Agostinho viu o descanso sabático no esquema / septamillennial sexta- como "simbolicamente representativa da Eternidade." Além disso, o milênio de Apocalipse 20 tornou-se para ele "simbolicamente representativa de presente o reino de Cristo com os santos."  Richard Landes observou o 4o século como um tempo de grande mudança para a escatologia cristã, observando que "marcou um momento crucial na história do milenarismo, já que durante este período Augustine repudiou mesmo a variedade allegorizing ele próprio tinha aceitado anteriormente. Deste apontar em que ele dedicou grande parte de sua energia para livrar a igreja dessa crença . "

Medieval e Reforma amillennialism

Mais tarde amillennial vista de Agostinho lançou as bases para escatológica da Idade Média, que praticamente abandonada premillennialism.  O termo "reino" teológica manteve a sua função escatológica, embora não fosse necessariamente futurista. Em vez disso, consistentemente se refere à idade atual, de modo que a igreja estava experimentando atualmente o eschaton. Julian de Toledo (642-690) resume a doutrina medieval do milênio, referindo-se a ela como "a igreja de Deus, que, pela difusão de sua fé e as obras, é espalhar-se como um reino de fé a partir do momento da encarnação até que o tempo da vinda do juízo ".

Uma notável exceção à escatologia medieval normativo é encontrado em Joaquim de Fiore (c. 1135-1202), um cisterciense monge, que até certo ponto, salientou temas pré-milenaristas. Joachim dividiu a história da Terra em três períodos. Ele atribuiu cada idade de uma pessoa em particular da Trindade como princípio orientador da época. A primeira época foi a história do Antigo Testamento e foi, consequentemente, a idade do Pai ; a idade atual da igreja era a idade do Filho ; e ainda, no futuro, de Joachim era a idade do Espírito . Para Joachim, ano 1260 foi para marcar o final do segundo e início do terceiro e último idade de ouro da história da Terra. Durante o período da Reforma, amillennialism continuou a ser a visão popular dos reformadores. Os luteranos rejeitou formalmente chiliasm em A Confissão de Augsburgo . "Arte. XVII., Condena os anabatistas e outros 'que agora espalham opiniões judaicas que, antes da ressurreição dos mortos, os piedosos devem ocupar o reino do mundo, sendo o ímpio por toda parte suprimidas.' "  Da mesma forma, o suíço reformador Heinrich Bullinger escreveu a Segunda Confissão Helvética , onde se lê "Rejeitamos também o sonho judeu de um milênio, ou idade de ouro na terra, antes do juízo final." Além disso, João Calvino escreveu em Institutos que milenarismo é uma "ficção" que é "muito infantil ou precisar ou para valer a pena uma refutação". A Igreja Anglicana originalmente formalizada uma declaração contra o milenarismo nos artigos anglicanos . Isto é observado no 41º dos Estatutos anglicanos, elaborado por Thomas Cranmer ( 1553), que descreve o milênio como uma "fábula de dotage judaica", mas foi omitida em um momento posterior na revisão sob Elizabeth (1563).

Ao contrário, certos anabatistas, huguenotes , e Irmãos Boêmios foram premillennial. Miguel Servet ensinou uma visão chiliastic, embora ele foi denunciado pelos reformadores como um herege e executado em Genebra sob a autoridade de Calvino. Alguns no mainstream aceitou, tais como Joseph Mede (1586-1638) [ 50 ] e, possivelmente Hugh Latimer (falecido em 1555),  mas nunca foi uma crença convencional ao longo do período.

Era moderna

 

Comparação das interpretações cristãs milenaristas

Séculos 17 e 18. Na Idade Moderna milenarismo ganhou uma aceitação surpreendente entre os Pietists de Alemanha durante o século 17 e 18.  Embora não fossem premillennial, o Inglês teólogo Daniel Whitby (1688-1726), o alemão Johann Albrecht Bengel (1687-1752 ), eo norte-americano Jonathan Edwards (1703-1758) "alimentou idéias milenares com nova influência no século XIX." Foi autores como estes que concluiu que o declínio da Igreja Católica Romana seria abrir caminho para a conversão e restauração da nação de Israel . Edwards ensinou que um tipo de Millennium iria ocorrer "1260 anos depois AD 606, quando Roma foi reconhecida como tendo autoridade universal."  Seus puritanos contemporâneos, Aumente Mather e Cotton Mather , abertamente proclamado a crença em um milênio literal. Aumente Mather escreveu "O que me forceja por isso, como que eu não posso negar a opinião Chiliastical, é que eu levo essas coisas por princípios, e não há maneira dúvida de que eles são demonstráveis. 1. Que os mil anos apocalípticos não são passados, mas futuro. 2. Que a vinda de Cristo para ressuscitar os mortos e julgar a terra será dentro de muito menos do que estes mil anos. 3. Que a conversão dos judeus não será até o presente estado do mundo está próximo até o seu final. 4. Que, após a conversão dos judeus, haverá um dia glorioso para os eleitos sobre a terra, e que este dia será muito duradouras. "

Do século 19 para apresentar

Entre 1790 e meados do século 19, premillennialism era uma visão popular entre Inglês evangélicos , mesmo dentro da Igreja Anglicana. Thomas Macaulay observado isso e escreveu "Muitos cristãos acreditam que o Messias em breve estabelecer um reino na Terra, e visivelmente reinar sobre todos seus habitantes ".  Ao longo do século 19, premillennialism continuou a ganhar maior aceitação em ambos os EUA e na Grã-Bretanha, particularmente entre os Irvingites , Irmãos de Plymouth , Christadelphians ,  Igreja de Deus , Christian Church israelita .  Premillennialism continua a ser popular entre os evangélicos, fundamentalista cristão e da Igreja viva de Deus comunidades nos séculos 20 e 21, ampliando ainda mais para as igrejas da Ásia , África e América do Sul .

Muitas denominações tradicionais continuam a opor-se ao conceito de um reino milenar literal. A Igreja Luterana-Sínodo de Missouri afirma explicitamente: "Quando Cristo voltar," novos céus e uma nova terra "será criado ( 2 Pe. 3: 10- 13). "O Catecismo da Igreja Católica ensina no parágrafo 676 que o milênio deve ser entendido como "além da história". O número, no pleno lê "deception 676 do Anticristo já começa a tomar forma no mundo cada vez que o pedido é fez perceber dentro da história que a esperança messiânica, que só pode ser realizado além da história através do julgamento escatológico. A Igreja tem rejeitado até mesmo formas modificadas deste falsificação do reino para vir sob o nome de milenarismo, 577 especialmente a forma política "intrinsecamente perverso" de um messianism.578 secular ".

Whalen observou que premillennialism moderno está "severamente criticado por bolsas de estudo ingênuo que confunde o poético e inspirador prosa de profecia com adivinhação ", embora" Os pré-milenistas respondem que eles simplesmente seguir a Palavra de Deus, independentemente do ridículo. "Em seguida, ele observa que, no entanto, "a teologia virtual que rodeia premillennialism é hoje mais forte e mais amplamente difundida do que em qualquer momento da história".

Escolas dispensacionais vs. históricos Premillennialism contemporânea está dividida em duas escolas de pensamento.

Escola histórica

Premillennialism histórico, ou Classic é distintamente não-dispensacional. Isso significa que ele não vê nenhuma distinção teológica radical entre Israel ea Igreja. É muitas vezes postam significado tribulational que o arrebatamento da igreja ocorrerá após um período de tribulação . Premillennialism histórico mantém chiliasm por causa de sua visão de que a igreja serão arrebatados ao encontro de Cristo no ar e depois acompanhá-lo para a terra, a fim de partilhar a sua regra literal mil anos. Os defensores da visão incluem Charles Spurgeon ] e George Eldon Ladd .

Escola Dispensational

 

CI Scofield popularizado premillennialism dispensational através da Bíblia de Referência Scofield.

Premillennialism Dispensational  geral sustenta que Israel ea Igreja são entidades distintas.  É também amplamente detém para o retorno pretribulational de Cristo, que acredita que Jesus voltará para ocupar os cristãos para o céu por meio de um arrebatamento imediatamente antes de uma tribulação de sete anos em todo o mundo. Isto será seguido por um retorno adicional de Cristo com seus santos (embora existam dispensationalists tribulação cargo, tais como Robert Gundry ).

Dispensationalism traça as suas raízes para as décadas de 1830 e John Nelson Darby (1800-1882), um clérigo anglicano e um dos primeiros líderes dos Irmãos de Plymouth. Em os EUA, a forma dispensational de premillennialism foi propagada em nível popular em grande parte através da Bíblia de Referência Scofield e sobre o nível acadêmico com Lewis Sperry Chafer oito volumes da Teologia Sistemática . Mais recentemente dispensationalism tem sido popularizado através de Hal Lindsey 's 1970 best-seller, The Late, Grande Planeta Terra e através da Left Behind Series by Tim Lahaye e Jerry Jenkins . Defensores populares de premillennialism dispensational ter sido John F. MacArthur , Phil Johnson, Ray Comfort , Jerry Falwell , Todd Friel , Dwight Pentecost , John Walvoord ( d . 2002), Tim Lahaye, Charles Caldwell Ryrie (nas notas para a Bíblia de Estudo Ryrie ), a poesia teológico-folk de Jack Royerton, e Charles L. Feinberg . Craig Blaising e Darrell Bock desenvolveram uma forma de dispensationalism que está crescendo em popularidade conhecido como dispensacionalismo progressivo. Essa visão entende que um aspecto do reino escatológico actualmente existe, mas deve aguardar o milénio a ser realizado plenamente. 

fonte wikipedia