Translate this Page

Rating: 3.0/5 (905 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


o que a biblia diz sobre vida eterna
o que a biblia diz sobre vida eterna

                                      VIDA ETERNA ESPERANÇA SÓ EM JESUS

 

Eu - môr'tal , im - ou - tal'i - ti ( ἀθανασία , Athanasia , 1 Coríntios 15:53 ​​; 1 Timóteo 6:16 , ἀφθαρσία ,aphtharsıa, Literalmente, "incorruptibilidade," Romanos 2: 7 ; 1 Cor 15; 2 Timóteo 1:10 , ἂφθαρτος ,áphthartos, Literalmente, "incorruptível", Romanos 1:23 ; 1 Coríntios 15:52 ; 1 Timóteo 1:17 ): 

1. Preliminar - N eed de Definição e Distinção

Em quase todo o assunto é mais necessário ter cuidado na definição de termos e distinção clara de idéias, especialmente onde a doutrina bíblica está em causa, do que neste de "imortalidade". Por "imortalidade" é freqüentemente significava simplesmente a sobrevivência da alma, ou parte espiritual do homem, após a morte do corpo. É a afirmação do fato de que a morte não termina tudo. A alma sobrevive. Este é geralmente o que se entende quando se fala de "uma vida futura", "um estado futuro", "a seguir." Não, porém, de me debruçar sobre o fato de que muitos povos não têm uma concepção clara de uma "alma" imaterial no sentido moderno (os egípcios, por exemplo ilustres várias partes, o Ka , O Ba , Etc, que sobreviveu à morte; muitas vezes o eu sobrevivente é simplesmente uma semelhança espectral da auto terrena, alimentada com comida, ofertas, etc.), há a consideração mais séria que o estado em que a parte sobrevivente é suposto entrar na morte não é nada um estado que pode ser descrito como "vida", ou digno de ser dignificado com o nome de "imortalidade". É um estado peculiar de "morte" (ver MORTE); na maioria dos casos, sombrio, inerte, frágil, dependente, sem alegria; um estado a ser temido e encolheu de, não um a ser esperado. Se, por outro lado, como na esperança de imortalidade entre as nações mais nobre, que é concebida, como para alguns, um estado de felicidade - a obstrução do corpo a ser sacudido - isso gera a idéia, que passou para muito do nosso pensamento moderno, de uma "imortalidade da alma", de um imperecibilidade da parte espiritual, às vezes suposto estender para trás, bem como para a frente; uma indestrutibilidade inerente.

2. concepção bíblica

Ele será visto à medida que avançamos, que a visão bíblica é diferente de tudo isso. A alma, de fato, sobrevive ao corpo; mas este estado sem corpo nunca é visto como um dos completa "vida". Para a Bíblia "imortalidade" não é apenas a sobrevivência da alma, o que passa para "Seol" ou "Hades". Este não é, em si mesmo considerado, "vida" ou felicidade. A "imortalidade" a Bíblia contempla é uma imortalidade da pessoa como um todo - corpo e alma juntos. Implica, portanto, a libertação do estado de morte. Não é simplesmente uma condição de existência futura, porém prolongada, mas um estado de bem-aventurança, devido à redenção e a posse da "vida eterna" na alma; que inclui a ressurreição ea vida aperfeiçoado em ambos alma e do corpo. O assunto deve ser agora considerado mais particularmente nos seus diferentes aspectos.

I. A Crença Natural

1. Sua Origem

Em algum tipo a crença na sobrevivência do espírito ou de auto com a morte é um fenômeno praticamente universal. Para o que é rastreável? A hipótese favorita com antropólogos é que ele tem a sua origem em sonhos ou visões, sugerindo a existência continuada dos mortos (compare H. Spencer, Eccles. Instit ., capítulos I, xiv). Antes, no entanto, um sonho pode sugerir a sobrevivência da alma, deve haver a idéia da alma, e de este não parece uma explicação mais simples na consciência que mesmo o selvagem possui de alguma coisa dentro dele que pensa, sente e vontades, em distinção de seus órgãos corporais. Com a morte deste pensamento, sentindo algo desaparece, enquanto o corpo permanece. O que mais natural do que supor que ela persiste em algum outro estado fora do corpo? (Compare Max Müller, Anthrop. Religião , 281.) Sonhos, etc., podem ajudar a essa convicção, mas não é preciso criá-lo. É somente quando assumimos uma raiz tão mais profunda para a crença de que podemos explicar a sua universalidade e persistência. Mesmo isso, porém, enquanto uma presunção instintiva, dificilmente pode ser chamado de uma prova de sobrevivência após a morte, e não deu uma ideia de "imortalidade" em qualquer sentido digno. É, no máximo, como já disse, uma reduplicação fantasmagórica da vida terrena que é, até agora alcançado.

2. Argumentos Filosóficos

(1) A Alma Espiritual

Os argumentos mais filosóficas que são invocados para a imortalidade da alma. (Ou sobrevivência) não são de igual peso. O argumento baseado na essência metafísica da alma (ver Platão Fédon ) não é nestes dias senti a ser satisfatória. Por outro lado, ele pode ser mantido contra o materialista por motivos irrefutáveis ​​de que a alma, ou espírito de pensar, no homem é imaterial da Natureza, e, se este for concedido, não há, nem pode haver, qualquer prova de que a morte, ou dissolução física, destrói esse espírito consciente. A presunção é poderosamente para o outro lado. Cicero de idade argumentou que a morte não precisa nem mesmo ser a suspensão dos seus poderes (compare Tusc Disp. I.20.); Butler raciocina o assunto a partir da analogia ( Anal , I, capítulo i.); cientistas modernos como JS Mill ( Três Ensaios , 201) e Professor Huxley ( Life and Letters , I, 217ff; comparar William James, Ingersoll Lecture ) admitem que a imortalidade não pode ser refutada. A única negação ouve de vários lados com mais freqüência do que antes, portanto, não se justifica. Ainda possibilidade não é certeza, e não há nada como ainda para mostrar que, mesmo que a alma sobrevive à morte, o seu novo estado de existência tem em si nada desejável.

Alma não Intrinsecamente Indestructible

Foi sugerido que um uso que os gregos fizeram do argumento metafísico era provar a indestrutibilidade da alma - a sua imortalidade, no sentido de não ter começo nem fim. Esta não é a doutrina cristã. A alma não tem essa indestrutibilidade inerente. É dependente de Deus, como tudo o resto é, para a sua existência. Será que Ele retirará o Seu poder de sustentação, ele deixaria de existir. Isso ele não continuar a existir não é posta em dúvida, mas isso deve ser discutido por outros motivos.

(2) As capacidades da natureza humana

Um argumento muito mais apreensível para a imortalidade - de forma mais rigorosa, de um futuro estado de existência - é desenhada a partir das capacidades ricas e as possibilidades da natureza humana, para a qual a vida terrena proporciona tão breve e inadequada a esfera do exercício. É a característica do espírito que ela tem em si um elemento de infinitude, e aspira ao infinito. O melhor que o mundo pode dar nunca pode satisfazê-la. Ele tem em si a possibilidade de progresso sem fim, e cada vez mais elevados de satisfação. Foi esta consideração que levou Kant, com todo o seu ceticismo teórico, para dar a imortalidade um lugar entre suas "crenças doutrinárias" (ver sua Crítica da Razão Pura , a tradução de Bohn, 590-91), e se mudou JS Mill para falar dele como a única esperança que deu margem adequada para as faculdades e sentimentos humanos, "as aspirações mais elevadas já não sendo mantido baixo por um sentimento de insignificância da vida humana, o sentimento desastroso de" não vale a pena "( Três Ensaios , 249). No entanto, quando estes argumentos são calmamente pesados, eles ascendem a não mais do que uma prova de que o homem é constituído de imortalidade; eles não dão uma garantia de que esse destino não pode ser perdida, ou se deu essa garantia para o bem, eles quase não fazê-lo para o ímpio. A crença, no seu caso, deve depender de outras considerações.

(3) O argumento moral

É, como Kant também sentiu, quando entramos na esfera moral que a imortalidade, ou a continuação da existência da alma, torna-se uma certeza prático para a mente sério. Com personalidade moral está ligada a idéia de lei moral e responsabilidade moral; este, por sua vez, exige o pensamento do mundo como um sistema moral, e de Deus como Governante moral. O mundo, tal como a conhecemos, é, certamente, uma cena de administração moral - de provação, de disciplina, de recompensa e pena - mas como, obviamente, uma cena de incompleta administração moral. A condição emaranhado de coisas nesta vida pode satisfazer ninguém senso de justiça. Bondade é deixado para sofrer; iniqüidades triunfos exterior. Própria consciência do malfeitor proclama ele responde, e aponta para futuro julgamento. Há necessidade de uma retificação final do que está errado aqui. Mas enquanto um estado futuro parece, assim, pediu, esta por si só não garantir a existência eterna para os ímpios, nem se tal existência ser "imortalidade", no sentido positivo. Tendo em vista o mistério do pecado, a luz da razão escurece. Para mais luz, devemos olhar para revelação.

II. A doutrina bíblica- T ele Antigo Testamento

1. Partindo-Point - M de uma relação com Deus

A visão bíblica da imortalidade começa a partir de relação do homem com Deus. O homem, como feito à imagem de Deus ( Gênesis 1:27 ), está equipado para o conhecimento de Deus, para a comunhão com Ele. Isto implica que o homem é mais do que um animal; que ele tem uma vida que transcende o tempo. Nele encontra-se já a promessa da imortalidade se o homem é obediente.

A natureza do homem

Com isso corresponde a explicação dada para a criação do homem e estado original. O homem é um ser composto de corpo e alma; ambos são partes integrantes de sua personalidade. Ele foi criado para a vida, não para a mortalidade. A advertência: "No dia em que comeres dela certamente morrerás" ( Gênesis 2:17 ), implica que se o homem continuou obediente ele viveria. Mas esta não é a imortalidade da alma só. É uma vida no corpo (compare Gênesis 03:22 ). Seu tipo é casos como Enoque e Elias ( Gênesis 5:24 ; 2 Reis 2:11 , 2 Reis 2:12 ; compare Salmo 49:15 ; Sl 73:24 ).

2. O pecado e da morte

A frustração deste destino original do homem vem através do pecado. Sin implica morte (verMORTE). Morte em seu aspecto físico é uma separação da alma e do corpo - um quebra-se da unidade da personalidade do homem. Em certo sentido, portanto, é a destruição da imortalidade, que era o destino original do homem. Não se trata, no entanto, implica a extinção da alma. Que sobrevive, mas não em um estado que pode ser chamado de "vida". Ele passa para o Sheol - a triste morada, sombrio dos mortos, em que não há alegria, atividade, conhecimento dos assuntos da terra, ou (na visão da Natureza) lembrança de Deus, ou louvor da Sua bondade (nessa assunto, ea crença hebraica no futuro estado geral, verEscatologia do Antigo Testamento; MORTE; Seol). Este não é o futuro "vida" - e não "imortalidade".

É a parte da graça e da redenção para restaurar a imortalidade no verdadeiro sentido. Tivesse o mundo foi deixado de desenvolver no pecado, não mais esperança poderia ter chegado a ele. A imagem de Sheol teria se tornado cada vez mais escuro, como a idéia de retribuição ficou mais forte; ele nunca poderia se tornar mais brilhante.

3. Graça e Redenção - T ele a verdadeira imortalidade

Mas a graça de Deus interveio: "Livra-o de descer à cova, eu encontrei um resgate" ( Jó 33:24 ). A misericórdia de Deus irrompe na desesperança do lote do homem. Ele dá ao homem as suas promessas; faz o seu pacto com o homem; admite o homem a Sua comunhão ( Gênesis 3:15 ; Gênesis 4: 4 ; Gênesis 05:24 ; Gênesis 6: 8 , Gênesis 6: 9 ; Gênesis 12: 1-3 ; 15, etc.). Nesta comunhão da alma ressuscitou a sua verdadeira vida, mesmo na terra. Mas este lugar em que também uma esperança para o futuro. As promessas feitas na vanguarda como símbolos de favores de Deus eram de fato predominatingly temporais - promessas para esta vida -, mas dentro destes (o kernel dentro da casca) foi a posse suprema do próprio Deus ( Salmo 4: 6 f; Salmo 16: 2 ) . Este lugar em que a esperança de redenção e o princípio de todo o bem.

A libertação do Sheol

Aqui chegamos ao cerne da esperança do Antigo Testamento sobre a imortalidade. Tal comunhão como o crente tinha com Deus não pode ser perdido, mesmo no Sheol; além de que era a libertação do Sheol. Em seus momentos mais altos foi essa esperança que sustentou patriarcas, salmistas, profetas, em suas perspectivas sobre o futuro. A dúvida pode nublar a mente; pode haver épocas de trevas e até mesmo desespero; mas era impossível em momentos de forte fé para acreditar que Deus jamais iria realmente abandoná-los. O Deus eterno foi sua morada; eles eram braços eternos ( Deuteronômio 33:27 ; compare Salmo 90: 1 ). Sua esperança de imortalidade, portanto, era, em princípio, a esperança não apenas de uma "imortalidade da alma", mas da mesma forma da ressurreição - de completa libertação do Seol. Assim, é claramente no desabafo apaixonado de Jó ( Jó 19: 25-27 ; comparar Job 14:13 ), e em muitos dos salmos. A esperança se reveste sempre na forma de libertação completa do Seol. Assim, no Salmo 17:14 f, os maus têm a sua parcela "nesta vida", mas, "Quanto a mim, eu verei a tua face na justiça; eu estarei satisfeito quando acordar, com a tua semelhança" (o americano Padrão Versão Revisada "com contemplar tua forma"); e no Salmo 49:14 f, os ímpios são "apontado como um rebanho para Sheol", mas "Deus remirá a minha alma do poder do Seol, pois me receberá" (mesma expressão que, em relação Enoch, Genesis 5: 24 ; compare Salmo 73:24 ). Recorde-se que, quando Jesus expôs a declaração: "Eu sou o Deus de Abraão", etc., era como uma promessa de ressurreição ( Mateus 22:31 f). A idéia vem a expressão final na declaração de Dan de uma ressurreição dos justos e injustos ( Salmo 12: 2 ). Para mais desenvolvimento e ilustração verEscatologia do Antigo Testamento .

4. Mais tarde Pensamento Judaico

Mais tarde, o pensamento judaico realizado essas idéias do Antigo Testamento para promover questões. Um futuro abençoado para o justo foi agora aceite, e foi definitivamente ligado à idéia de ressurreição. Os ímpios permaneceu no Sheol, agora concebida como um lugar de castigo. Os gentios, também, compartilhou esta desgraça. VerEscatologia .

III. A esperança cristã

1. a imortalidade através de Cristo

Em plena consonância com o que se revela, em parte, no Antigo Testamento, é a esperança da imortalidade descoberto no Novo Testamento. O anel de presente alegre esperança é ouvido em toda parte dos escritos apostólicos. "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo", diz Peter ", que, segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, sem mácula, e imarcescível, reservada nos céus para vós "( 1 Pedro 1: 3 f). Paulo declara: "Nosso Salvador Jesus Cristo, que ... trouxe vida e imortalidade (incorruptibilidade) à luz através do evangelho" ( 2 Timóteo 1:10 ). Em Romanos 2: 7 ele tinha falado de quem ", com perseverança em fazer bem, procuram glória, honra e incorruptibilidade, a vida eterna." Esta imortalidade, é visto, faz parte da vida eterna através de Jesus concedeu aos crentes. É garantido pela própria ressurreição e vida de Cristo em glória. A natureza dessa esperança do evangelho pode agora continuar a ser analisados.

(1) Survival of the Soul

A alma sobrevive ao corpo. Um estado futuro, tanto para o justo eo ímpio é claramente declarada pelo próprio Jesus. "Aquele que crê em mim", ele disse a Marta ", ainda que morra, viverá; e todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá" ( João 11:25 f). Para Seus discípulos, Ele disse: "Se eu for e vos preparar um lugar para você, eu virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estou, estejais vós também" ( João 14: 3 ). Compare suas palavras ao ladrão arrependido: "serás Hoje estarás comigo no paraíso" ( Lucas 23:43 ). A sobrevivência de ambos justos e ímpios está implícito na parábola do homem rico e Lázaro ( Lucas 16: 19-31 ). Assim, em muitos outros lugares (por exemplo, Mateus 05:29 F; Mateus 10:28 ; Mateus 11: 21-24 ; Mateus 12:41 , etc.). O mesmo é o ensino das epístolas. A doutrina de um julgamento futuro depende e pressupõe esta verdade ( Romanos 2: 5-11 ; 2 Coríntios 5:10 , etc.).

(2) A união com Cristo no Mundo Invisível

A morte para os remidos, apesar de um resultado do pecado, não destrói a relação da alma a Deus ea Cristo. A vida eterna implantada na alma em flores de vez em sua fruição na vida e bem-aventurança da eternidade ( Romanos 8:10 f; Filipenses 1:21 ; Colossenses 1:27 ). A alma é, de fato, em um estado incompleto até a ressurreição. It "aguarda a nossa adoção, a saber, a redenção do nosso corpo" ( Romanos 8:23 ). Mas o seu estado, embora incompleto, ainda é uma feliz. Hades perdeu a sua tristeza, e é por isso um "paraíso" ( Lucas 23:43 ). Ele mora em uma câmara da casa do Pai ( João 14: 2 f; João 17:24 ). É para ser, mesmo no estado despido ("ausente do corpo"), "em casa com o Senhor" ( 2 Coríntios 5: 8 ). É para ele um objeto de desejo de ser "com Cristo" nesse estado após a morte ( Filipenses 1:21 ). As fotos da Rev, embora altamente figurativa, indicar uma condição de grande bem-aventurança ( Apocalipse 7: 9-17 ).

(3) A Ressurreição

A plenitude da bem-aventurança da imortalidade implica a ressurreição. A ressurreição é um artigo de cardeal do ensinamento de Cristo ( Mateus 22: 29-32 ; João 5: 25-29 ; João 11: 23-26 ). Ele mesmo é o Senhor da vida e doador de vida na ressurreição ( João 5:21 , João 5:25 , João 5:26 ; João 11:25 : "Eu sou a ressurreição ea vida"). A ressurreição de crentes é garantida por sua própria ressurreição. Jesus morreu; Ele ressuscitou (verRESSURREIÇÃO). Sua ressurreição traz consigo a certeza da ressurreição de todo o Seu povo. Este é o grande tema de 1 Cor 15. Como Cristo vive, eles devem viver também ( João 14:19 ). Os crentes que estão vivos na Sua Parousia deve ser alterado ( 1 Coríntios 15:51 ; 1 Tessalonicenses 4:17 ); aqueles que estão mortos ressuscitarão primeiro lugar ( 1 Tessalonicenses 4:16 ). O corpo da ressurreição é um organismo como a de Cristo próprio ( Filipenses 3:21 ) - incorruptível, glorioso, poderoso, espiritual, imortal ( 1 Coríntios 15:42 , 1 Coríntios 15:53 ​​f). Isto não deve ser confundido com a uniformidade de partículas materiais ( 1 Coríntios 15:37 f), ainda não é a conexão de uma ligação vital entre o corpo velho e do novo. Esta é a esperança do crente, sem o qual sua redenção não seria completa.

(4) The Wicked também levantou

Os ímpios também são levantadas, não, porém, para a glória, mas para o julgamento ( João 5:29 ; Atos 24:15 ; Apocalipse 20: 12-15 ). A mesma verdade está implícita em todas as passagens sobre o juízo final. Excluem-se a bem-aventurança dos justos, seu estado é descrito por Jesus e seus apóstolos como um dos tribulação extremo e angústia (por exemplo, Mateus 25:46 ; Marcos 9: 43-50 ; Romanos 2: 8 f). Esta não é a "imortalidade" ou "vida", embora a existência da alma está implícito nele (veja PUNIÇÃO , ETERNA; HELL; RETRIBUIÇÃO ).

(5) Vida Eterna

A condição do bem-aventurado no seu estado de imortalidade é um dos felicidade indizível da alma e do corpo para sempre. Há, de fato, graus de glória - este é cuidadosa e consistentemente ensinou ( Mateus 25:14 ; Lucas 19:12 ; 1 Coríntios 3: 10-15 ; 1 Coríntios 15:41 ; Filipenses 3: 10-14 ; 2 Timóteo 4 : 7 f; 1 João 2:28 ) - mas a condição como um todo é um dos perfeita satisfação, santidade e bem-aventurança (compare Mateus 13:43 ; Mateus 25:34 ; Romanos 2: 7 , Romanos 2:10 ; Apocalipse 22 : 3 , etc.). A bem-aventurança deste estado eterno inclui elementos como o seguinte: (1) restauração da imagem e semelhança de Deus para a Cristo ( 1 Coríntios 15:49 ; 2 Coríntios 3:18 ; Efésios 4:24 ; Colossenses 3:10 ; 1 João 3 : 2 ); (2) santidade perfeita na posse do Espírito de Deus ( 2 Coríntios 7: 1 ; Filipenses 1: 6 ; Apocalipse 21:27 ; Apocalipse 22: 4 ​​, Apocalipse 22:11 ); (3) A visão revelada da glória de Deus ( Apocalipse 22: 4 ​​; compare Salmo 17:15 ); (4) a liberdade de toda tristeza, dor e morte ( Apocalipse 21: 3 f); (5) poder do serviço incansável ( Apocalipse 22: 3 ).

2. Contraste

O contraste entre a visão bíblica da imortalidade e que do paganismo e das escolas vai agora ser óbvia. Não é mera existência futuro; não a imortalidade nu, abstrato da alma; é o resultado da redenção e da renovação pelo espírito de Deus; ela abraça a personalidade, alma e corpo; não é compartilhada pelo profano; ele inclui a perfeição da bem-aventurança racional, moral e espiritual, em um ambiente adequado para tal existência glorificado. Como tal, é o prêmio supremo após o que cada crente é chamado a se esforçar ( Filipenses 3:13 f).

FONTE Enciclopédia Internacional Standard Bible1915

VEJAM MAIS WWW.PENTECOSTALTEOLOGIA.BLOGSPOT.COM