Translate this Page

Rating: 2.9/5 (954 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


"Deus é imutavel"atributo
"Deus é imutavel"atributo

     A IMUTABIIDADE  DE DEUS A VERDADE DE NATURAL  TEOLOGIA. 

  II. ESCRITURAS DOUTRINA DA UNCHANGEABLEN ESS DE DEUS . 

O  imutabilidade de Deus é aquele atributo divino que expressa a verdade que, em Sua natureza e perfeições, em Seu conhecimento, vontade e propósito, Ele permanece sempre o mesmo na plenitude do Seu Ser infinito e perfeito; infinitamente exaltado acima de mudança, tornando-se e desenvolvimento, que são as características específicas de toda a existência finita. Esta é uma das que os teólogos têm chamado os atributos incomunicáveis ​​de Deus, ou seja, uma daquelas características específicas da natureza divina, que faz Deus ser Deus em distinção de tudo o que é finito. Esses atributos também têm sido chamados atributos negativos. Chamando-os de negativo, no entanto, é não significava que eles expressam a natureza de Deus na medida em que Ele é incognoscível e incompreensível para a mente finita, enquanto os atributos positivos, como o amor e justiça, expressar a natureza de Deus como revelado e conhecido . Ambos os tipos de atributos só podem ser conhecidos na medida em que Deus se revela e, além disso os chamados atributos negativos envolvem uma ideia positiva, enquanto os positivos, por sua vez implica a negação de todas as limitações finitas. Além disso, uma vez que a mente finita não pode compreender o infinito Deus, de volta de tudo o que Deus revelou de si mesmo, de volta, mesmo de Seu caráter absoluto, eternidade e imutabilidade, encontra-se a plenitude do Seu Ser infinito, insondável, incognoscível, e incompreensível tanto em Sua natureza e atributos ( Salmo 145: 3 ; Salmo 147: 5 ; Jó 11: 7-9 ; Isaías 40:28 ).

São estes atributos incomunicáveis, incluindo imutabilidade, que fazem Deus ser Deus, e marcam a diferença específica entre Ele e toda a existência finita. Imutabilidade é, portanto, a característica de toda a natureza de Deus e de todos os seus atributos. Ele não pode ser limitado a Sua natureza ética ou ao Seu amor, e, embora seja verdade que esses atributos incomunicáveis ​​são revelados com riqueza especial na acção salvífica de Deus, eles não podem ser limitadas a marcas da ação salvífica de Deus ou propósito. É verdade que Deus é imutável em Seu amor, graça e poder para salvar, mas isso é só porque é o amor e da graça e do poder do Deus absoluto, infinito e imutável.

I. imutabilidade de Deus a verdade da teologia natural.

Como o One infinitamente perfeita e absoluta ou auto-existente Ser, Deus é exaltado muito acima da possibilidade de mudança, porque Ele é independente, auto-existente e ilimitada por todas as causas da mudança. Como não causado e auto-existente, Deus não pode ser alterado a partir do exterior; como infinitamente perfeito, Ele não pode sofrer mudança a partir de dentro; e como eterno e independente do tempo, que é a "forma" de mudança e mutabilidade, Ele não pode estar sujeita a qualquer alteração em tudo. Unchangeablehess de Deus, portanto, decorre da sua auto-existência e da eternidade.

II. Bíblico Doutrina da imutabilidade de Deus.

A doutrina Bíblica de Deus reafirma esta verdade. Ele concebe Deus como uma pessoa que vive em relação ao mundo e do homem, e, ao mesmo tempo em que absolutamente ilimitada, o mundo eo homem, e como absolutamente imutável. O Deus que se revelou no Antigo Testamento e do Novo Testamento nunca é identificado com, ou se fundiram em, os processos da natureza. Ele é completo e perfeito em si mesmo, e não é o resultado de qualquer processo de auto-realização. Ele é tão grande que suas relações com o universo criado não pode começar a esgotar o seu ser, e ainda assim Ele fica nas relações mais próximas ao homem e do mundo como Criador, Preservador, Governador, e Salvador.

1. Imobilidade Não sem vida:

Por um lado, então, a Bíblia nunca representa a imutabilidade de Deus como uma imobilidade mortos fora de qualquer relação com o homem e do mundo. Esta tendência do pensamento, temendo antropomorfismo, deriva do princípio de que para fazer qualquer predicações definitivas a respeito de Deus é limitar-Lo. O resultado lógico disto é a imaginar Deus como um ser abstrato ou substância, de modo que a palavra "Deus" se torna apenas um nome para o Incognoscível. Contra este erro, a Escritura representa Deus concretamente como uma pessoa em relação ao mundo e do homem. No princípio Ele criou os céus ea terra, e daquele momento em diante Ele é a vida do mundo, especialmente de Israel, o seu povo escolhido. Para tornar esta verdade anthropomorphisms estão empregados. Deus vem e vai, se revela e se esconde. Ele se arrepende ( Gênesis 6: 6 ; 1 Samuel 15:11 ; Amos 7: 3 ; Joel 2:13 ); Ele torna-se irritado ( Números 11: 1 ; Salmo 106: 40 ); e deixa de lado sua ira ( Deuteronômio 13:17 ; Oséias 14: 4 ). Ele sustenta uma relação diferente com os piedosos e os ímpios ( Provérbios 11:20 ; Provérbios 00:22 ). Na plenitude do tempo, Ele se encarnou por meio do Filho, e Ele habita em seu povo pelo Seu Espírito, a sua experiência de Sua graça é maior em alguns momentos do que em outros.

Mas, por outro lado, a Escritura sempre afirma em termos inequívocos a imutabilidade de Deus. Ele é imutável em sua natureza. Embora o nome 'El Shadday , Pelo qual Ele fez conhecido no período patriarcal da revelação, denota especialmente o poder de Deus, esse nome não esgota a revelação de Deus nesse período. Sua imutabilidade está envolvido em Sua eternidade como fez conhecido a Abraão ( Gênesis 21:33 ). Este atributo encontra a sua expressão mais clara em nomeYahweh como revelou a Moisés, o significado do que é desdobrada na passagem Êxodo 3: 13-15 . Deus aqui se revela a Seu povo como "ISou o que sou ", Usando o tempo futuro do verbo" ser ", que, como mostra o contexto, é dado como o significado do nome Yahweh. Alguns escritores recentes derivaria estas palavras a partir do tronco Hiphil do verbo, e afirmar que isso significa que Deus é o doador da vida. O verbo, no entanto, é no tronco Qal, a tenso denotando a continuidade imutável da vida e da natureza de Deus. A idéia expressa não é somente a de auto-existência, mas também de imutabilidade, e este imutabilidade, como o contexto indique claramente (especialmente Êxodo 03:15 ), é aqui definido não apenas como pertencentes à natureza de Deus em si mesmo, mas é trazido para mais perto conexão com Sua relação de aliança com o Seu povo, de modo que o valor religioso da imutabilidade de Deus é mais claramente implícita nesta afirmação fundamental do atributo. A mesma ideia de imutabilidade de Deus é reafirmada na profecia de Isaías. Ele é conectado com o nome de Yahweh ( Isaías 41: 4 ; comparar também Isaías 48:12 ), onde o Senhor afirma que Ele é o primeiro e, com o último, o mesmo Deus, afirmando, assim, não somente de Sua eternidade, mas também que Ele é o mesmo em Sua existência divina ao longo de todas as idades. Esse atributo, além disso, é reivindicado por Yahweh, e apresentado como uma marca especial de sua divindade em Isaías 44: 6 . A imutabilidade da natureza divina também é afirmado pelo profeta Malaquias, em uma passagem difícil ( Malaquias 3: 6 ). Esta é uma afirmação clara da imutabilidade de Deus, a única questão é se ele é apresentado como o fundamento da confiança de Israel, ou em contraste com a sua inconstância, uma questão que depende, em parte, a do texto.

No Novo Testamento, o pensamento da passagem em Êxodo 3 é reiterada no Apocalipse, onde Deus é descrito como Aquele que é, foi e está por vir ( Apocalipse 1: 4 ). Esta é uma expansão do nome da aliançaYahweh em Êxodo 3: 13-15 , denotando não apenas a eternidade, mas também a imutabilidade. As frases "o Alfa eo Ômega" ( Apocalipse 1: 8 ; Apocalipse 21: 6 ; Apocalipse 22:13 ); e "o primeiro eo último" ( Apocalipse 1:17 ; Apocalipse 22:13 ); e "o princípio eo fim" ( Apocalipse 21: 6 ; Apocalipse 22:13 ) trazer para fora a mesma idéia, e são aplicados a Cristo, bem como para Deus, o que é uma clara indicação da Divindade de Nosso Senhor. O apóstolo Paulo também afirma a incorruptibilidade, a eternidade ea imortalidade da natureza divina, todos os quais idéias implicam a imutabilidade de Deus ( Romanos 1:23 ; 1 Timóteo 1:17 ; 1 Timóteo 6:16 ).

2. em contraste com o Finite:

Não é apenas a imutabilidade da natureza de Deus afirmou na Escritura, e colocado em relação ao Seu relacionamento com os homens, mas também ele é declarado ser a característica distintiva da natureza de Deus em contraste com todo o universo de ser finito. Enquanto os céus ea terra e mudança estão passando, Deus dura para sempre e para sempre o mesmo Deus ( Salmo 102: 26-28 (versificação hebraico, 27-29)). A aplicação da linguagem deste salmo a Cristo pelo autor da Epístola aos Hebreus 1: 10-12 envolve a imutabilidade de Cristo, que é novamente explicitamente afirmado nesta epístola ( Hebreus 13: 8 ), sendo mais uma indicação clara de a maneira pela qual a divindade de Jesus Cristo permeia o Novo Testamento. Esta ideia de imutabilidade de Deus, em contraste com a mutabilidade da existência finita que é a Sua criação, é dada expressão no Novo Testamento pelo apóstolo Tiago. Como Criador dos corpos celestes, Deus é chamado de Pai das luzes. Enquanto as luzes, no entanto, são intermitentes, a luz de Deus está sujeito a nenhuma mudança nem obscurecimento ( Tiago 1:17 ).

De acordo com esta idéia da imutabilidade da natureza de Deus, a Escritura, em atribuir vida e personalidade a Ele, nunca diz respeito a Deus como sujeito a qualquer processo de tornar-se ou auto-realização, e os pontos de vista que até conceber Deus são unscriptural se proceder de acordo com a unitária ou uma base trinitária.

3. O conhecimento de Deus, Will e Propósito:

Deus também está representada na Escritura como imutável em seu conhecimento, vontade e propósito. Ele não é um homem para que se arrependa ( 1 Samuel 15:29 ). Seus propósitos são, portanto, imutáveis ​​( Números 23:19 ; Isaías 46:11 ; Provérbios 19:21 ); e Seus decretos são, portanto, comparada a "montes de bronze" ( Zacarias 6: 1 ). Sua justiça é tão imutável como montanhas ( Salmo 36: 6 (em hebraico 7)); e Seu poder também é imutável ( Isaías 26: 4 ). Assim, enquanto a Escritura representa Deus como sustentar relações que vivem às suas criaturas, não concebê-lo como condicionados ou determinados de forma alguma por atos dos homens, quer no seu conhecimento, vontade, finalidade ou de poder. Deus sabe eternamente mudando o curso dos acontecimentos, e Ele age de forma diferente em diferentes ocasiões, mas todos os eventos, incluindo as ações humanas, são determinados pela imutável propósito de Deus, de modo que o conhecimento e as ações de Deus não estão subordinados aos qualquer coisa fora de si mesmo.

Embora, portanto, a idéia de Deus como sendo puramente abstrata, fora de qualquer relação com o mundo, não é bíblico, não é menos verdade que a concepção de Deus que representa uma reação a partir deste, e que concebe Deus anthropomorphically e como condicionado e determinada pelo mundo e do homem, também é bastante contraditória com a concepção Escritura de Deus. Esta última tendência vai longe demais na direção oposta, e cai no erro de conceber o conhecimento de Deus, vontade, propósito e poder também anthropomorphically, e como limitado pelas ações livres dos homens. Enquanto a tendência oposta manteve Deus fora de qualquer relação com o mundo, este erige relação de Deus com o mundo em algo que limita a Ele. Essa forma de conceber de Deus, que é o erro do Racionalismo, Socinianism e Arminianismo, é como unscriptural como aquele que concebe Deus como um ser abstrato, incognoscível, e inteiramente fora de relação com o mundo.

4. Em sua relação com o mundo:

Imutável em Sua natureza e atributos, Deus é também imutável em sua relação com o mundo, o que diz respeito a Escritura representa como criação e da providência, e não como emanação. Assim, enquanto tudo muda finitos, Deus permanece sempre o mesmo ( Salmo 102: 26-28 ). Conseqüentemente, a idéia panteísta também é bíblico, que ideia, indo mais longe do que a concepção antropomórfica e dualista que coloca em todo o mundo contra Deus, se funde completamente Ser de Deus no mundo e seus processos de mudança, afirmando que Deus vem a auto-realização em a evolução do mundo e do homem. Na sua reacção a partir da negação da relação viva de Deus para o mundo, essa visão não pára com a limitação Deus por causa dessa relação, mas funde-Lo completamente no-desenvolvimento mundial. A Escritura, pelo contrário, sempre concebe Deus como imutavelmente livre e soberano em Sua relação com toda a criação.

De acordo com esta idéia da imutabilidade da natureza e os atributos de Deus, a Bíblia sempre mantém absoluto e transcendência da natureza e dos seus processos de Deus em todas as relações que ele mantém com o universo finito. Entrou ser por Sua fiat criativo, não por qualquer processo de emanação de seu ser. Ele sustenta na existência, e governa-lo, não por qualquer processo de auto-realização de uma série de causas secundárias, mas de fora, por sua vontade e poder soberano. E Ele introduz-se na série de causas finitas Milagrosamente, produzindo eventos na natureza que são unicamente devido a seu poder. Quando para a salvação do homem, o Filho de Deus se encarnou, não foi por qualquer mudança de Sua natureza em aparte, que alguns ou todos os atributos da Divindade, mas assumindo uma natureza humana em união pessoal com a natureza divina. As passagens bíblicas que falam da encarnação de nosso Senhor indicam claramente que o Filho manteve a sua plena divindade em "carne tornando-se" (compare especialmente o prólogo do Evangelho de João e Filipenses 2: 6-8 ). Além disso, a doutrina do Velho Testamento sobre o Espírito de Deus como fonte de vida para o mundo é sempre o cuidado de evitar qualquer mistura do Espírito com os processos da natureza, ea mesma coisa acontece com a doutrina do Novo Testamento da habitação do Espírito na vida do crente, mantendo sempre o espírito distinto do espírito do homem ( Romanos 8:16 ).

5. Suas relações com os homens:

Por fim, Deus é imutável, não só em relação ao universo, mas em suas relações com os homens e, especialmente, para o Seu povo. Isto decorre da sua natureza ética imutável. A Escritura frequentemente liga a imutabilidade de Deus, com a Sua bondade ( Salmo 100: 5 ; Tiago 1:17 ); com Sua veracidade e misericórdia ( Salmo 100: 5 ; Salmo 117: 2 ); e pelas Suas promessas da aliança ( Êxodo 03:13 ff). Em conexão com suas promessas de aliança, imutabilidade de Deus dá a idéia de Sua fidelidade que é enfatizado no Antigo Testamento para despertar confiança em Deus ( Deuteronômio 7: 9 ; Salmo 36: 5 (em hebraico 6); Salmo 92: 2 (em hebraico 3) ; Isaías 11: 5 ; Lamentações 3:23 ). Essa idéia de imutabilidade de Deus em Suas promessas de aliança ou Sua fidelidade é repetido e enfatizado no Novo Testamento. Seus dons ou graças e eleição são sem arrependimento ( 1 Tessalonicenses 5:24 ; Romanos 11:29 ); Ele é fiel para com os homens, porque imutavelmente fiel à Sua própria natureza ( 2 Timóteo 2:13 ); Sua fidelidade permanece, apesar da falta de homens de fé ( Romanos 3: 5 ), e está em muitos lugares representados como a base da nossa confiança em Deus, que é fiel à sua eleição e graciosas promessas ( 1 Coríntios 1: 9 ; 1 Coríntios 10 : 13 ; 2 Tessalonicenses 3: 3 ; Hebreus 10:23 ; Hebreus 11:11 ; 1 Pedro 4:19 ; 1 João 1: 9 ). VerFIDELIDADE. É, portanto, o significado religioso e valor da imutabilidade de Deus, que é especialmente enfatizado ao longo do Escritura. Porque Ele é imutavelmente fiel às Suas promessas, Ele é o objeto seguro da fé religiosa e confiança, em quem só podemos confiar em meio à mudança humano e decadência. É essa idéia de que a expressão é dada por Deus de chamar uma rocha, a rocha da nossa força e da nossa salvação ( Deuteronômio 32:15 ; Sl 18: 2 (em hebraico 3); Salmo 42: 9 (em hebraico 10); Salmo 71 : 3 ; Isaías 17:10 ). Deus é mesmo eternamente uma pedra, o objeto que nunca falha de confiança ( Isaías 26: 4 ).

Parece, portanto, que a idéia de Escritura da imutabilidade de Deus insiste em quatro pontos. Em primeiro lugar, não é imobilidade sem vida, mas a imutabilidade de uma pessoa viva. Em segundo lugar, é, no entanto, um verdadeiro imutabilidade da natureza de Deus, atributos e propósito. Em terceiro lugar, essa imutabilidade é apresentado como uma das características específicas da Divindade em distinção de tudo o que é finito. Em quarto lugar, imutabilidade de Deus não é tratado de uma forma abstrata ou meramente teórico, mas o seu valor religioso é invariavelmente enfatizou como constituindo Deus único e verdadeiro objeto de fé religiosa.

Fonte Enciclopédia Internacional Standard Bible 1870

VEJA MAIS WWW.PENTECOSTALTEOLOGIA.BLOGSPOT.COM