Translate this Page

Rating: 3.0/5 (920 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


escola dominical e seus frutos
escola dominical e seus frutos

                           INSTRUÇÃO BIBLICA NA EBD E OS FRUTOS ?

 

                     O que Deus espera encontrar na Escola Cristã de Educação por Princípios?

     

 “E Jesus entrou em Jerusalém, no templo, e, tendo visto tudo em redor, como fosse já tarde, saiu para Betânia com os doze. E, no dia seguinte, quando saíram de Betânia, teve fome. E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos”. Marcos 11:11-13

 Este é mais um relato bíblico daqueles que nos deixa “com a pulga atrás da orelha”.  Por que Jesus tem uma atitude tão drástica em relação àquela figueira sem frutos, já que a bíblia afirma que não era tempo de figos?

 Este fato ocorre no começo da semana da paixão de Cristo e faz parte de uma série de advertências ao povo de Israel. Jesus se dirige a Jerusalém, onde  chega montado num jumentinho e é aclamado Rei, conforme predisseram os profetas. Provavelmente, em seguida, purifica o templo pela segunda vez e sai da cidade, em direção à Betânia, passando por Betfagé, uma pequena aldeia no meio do caminho, cujo nome significa “casa dos figos”.  Um local, certamente repleto de figueiras. Ao olhar para qualquer delas podia-se avistar uma árvore comum, preparando-se para a tão esperada  estação dos frutos. Mas, dentre elas se destaca uma, repleta de folhas, e que chamava a atenção pela aparência saudável e forte, além de oferecer uma gostosa sombra. Como as folhas das figueiras só aparecem após a frutificação, era de se esperar que nela houvesse algum fruto. Jesus estava com fome e se aproximou buscando o alimento que a bela árvore aparentava ter, mas era só “propaganda enganosa”. O famoso “parece, mas não é”, tema sobre o qual os profetas que O precederam e o Mestre vinham advertindo Israel.

 O “pecado” da figueira, o viver de aparência, escondido atrás da religiosidade vazia  se aplica à nossa vida pessoal, pois obviamente pode ser ou estar sendo praticado por qualquer um de nós. E é absolutamente necessário se arrepender e abandonar esta atitude, que entristece o Espírito Santo.

 Mas, proponho refletirmos em como as Escolas Cristãs podem se tornar uma “figueira sem figos”. Uma árvore frondosa, que oferece sombra, um ambiente saudável, amigável, mas  infrutífera. Um local onde não há “festas pagãs” e onde se oferece uma educação moderna, contextualizada, mas que “não mata a fome”.

 Nossa fome primária é pelo próprio Deus. Então, a Escola Cristã de Educação por Princípios deve servir o alimento espiritual que nutre o coração. E, como diria meu sábio netinho Gabriel, de 4 anos: “nossa vida é o nosso coração”.  Através do ensino das matérias acadêmicas e de um discipulado vivo e dinâmico, precisamos levar nosso aluno a Cristo, verdadeiro “pão que desceu dos céus”. Se a sua aula e seu relacionamento com os estudantes não são planejados para isso, então você é uma figueira sem figos.

 Além disso, vale ressaltar que não importa  apenas “o que se ensina”, mas “como se ensina e para que se ensina”. Porque aprender, conhecer, raciocinar, criar, produzir  são atributos divinos, manifestos em nós pela “imagem e semelhança” que temos com Ele. Creio que, se não fôssemos seres da queda, teríamos todos um desejo natural por conhecer. Seríamos todos cientistas, investigadores do universo criado. E não é uma coincidência o fato de que as crianças pequenas são naturalmente, melhor, divinamente curiosas, ávidas por aprender.  Mas vão perdendo isso, ao longo da vida... Na escola cristã de Educação por Princípios, ensinar é um processo redentor, que nos reorienta ao propósito original de nos apropriarmos de todo conhecimento disponível  para “cultivar e guardar” o nosso jardim - planeta e para adorar ao Criador. Gn. 2:15

 A bíblia diz que “Os céus manifestam, o firmamento anuncia, o dia e  a noite revelam conhecimento e por toda a terra se faz ouvir a Sua voz”. Salmo 19: 1-6. Tudo que os professores ensinam , todas as Ciências estão contidas nesses versos e o propósito de cada uma é mostrar quem é Deus e como podemos conhecê-Lo e nos relacionar com Ele.

 A revelação das escrituras deve nos levar ao arrependimento, caso nossas aulas e nosso fazer pedagógico, em geral, reflitam apenas a proposta educacional  medíocre e alienadora que se pratica neste país. Um país cujos governantes, ou grande parte deles para não ser injusta com a minoria, não têm um bom caráter e não manifestam boas obras. Líderes que buscam seus próprios interesses e não levantam a sua voz em favor do pobre e do aflito. Que desprezam o órfão e a viúva,  que não honram aos idosos e os abandonam à sua própria sorte. Um país com altos índices de analfabetismo real e funcional, que não oferece nem mesmo Educação  Básica de qualidade às suas crianças e jovens. Você ensina apenas para o aluno ser aprovado no Enem? Parabéns, seus pupilos alcançaram a linha da mediocridade intelectual!  Resta saber se os estudantes que colocamos nas universidades concluirão com louvor e dignidade os seus cursos e se serão cidadãos honrados e de bem.

  Você ensina a Pesquisar? A Raciocinar sobre o que se ouve e de  lê, utilizando todas as informações disponíveis, inclusive aquelas contidas na Palavra de Deus?  E a Relacionar o conhecimento à vida pessoal?  Você ensina a Registrar? Os estudantes produzem textos sobre o assunto estudado, sob o seu comando ou são meros consumidores das “informações” apresentadas pelos livros didáticos?  O método dos 4Rs, proposto pela Educação por Princípios não é moderno e nem lúdico, mas,  se praticado de forma coerente e consistente é eficaz para desenvolver as competências e habilidades que desejamos em todas as áreas de conhecimento.

 Deus não se engana com as aparências. Ele espera ver em nós o fruto do Espírito Santo, gerado através do processo contínuo de salvação e santificação que acontece na vida de todo aquele que é nascido de novo. O fruto do Espírito é:

 Amor: a Deus, acima de tudo, pelos estudantes e pela Educação por Princípios, lembrando que o amor bíblico não é um sentimento, mas uma atitude.

 Alegria: sirva a Deus e aos seus alunos, aos pais e aos seus colegas de trabalho, com alegria!

 Paz: que é um efeito da justiça, ou seja, na escola onde se pratica a justiça haverá paz, repouso e segurança. Isaías 32:17

 O fruto do Espírito é a longanimidade, a benignidade,  a bondade, a fé, a mansidão, a temperança. Contra estas coisas não há lei. Gálatas 5:22-23. Nenhuma “PEC”  ou “P.L pode derrubar esse fruto.

 E é isso que Deus procura, entre aqueles que se dispuseram a ser “Educadores Cristãos por Princípios”.  Durante todo o ano de 2014, Jesus  “irá passar pelas figueiras” das escolas cristãs. Que Ele ache fruto em nós.

fonte www.eecep.org.br

 mauricio berwald