Translate this Page

Rating: 3.0/5 (934 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


historia da igreja primitiva N.11
historia da igreja primitiva N.11

 

                                                 Ireneu (130-200)

Nascido em Esmirna, na Ásia Menor (Turquia), no ano 130, em uma família cristã, Ireneu era grego e foi influenciado pela pregação de Policarpo, bispo de Esmirna. Anos depois, mudou-se para Gália (atual sul da França), para a cidade de Lyon, onde foi um presbítero em substituição do bispo que havia sido martirizado em 177.Ireneu também recebeu influência de Justino. Ele foi uma ponte entre a teologia grega e a latina, a qual iniciou com um de seus contemporâneos, Tertuliano. Enquanto Justino era primariamente um apologista, Irineu contribuiu na refutação contra heresias e exposição do Cristianismo Apostólico. Sua obra maior se desenvolveu no campo da literatura polêmica contra o gnosticismo

 

Clemente de Alexandria—Instrutor de novos conversos

 

Outro filósofo que achou o cristianismo em sua busca da verdade foi Clemente. Vendo a vaidade da filosofia humana, voltou-se a Cristo. Depois de converter-se em cristão, viajou por todo o império romano, aprendendo os preceitos da fé cristã pessoalmente dos maestros cristãos mais anciões e estimados. Os escritos de Clemente, datados para o ano 190, refletem a soma da sabedoria de seus maestros. Inspiraram a muitos cristãos através dos séculos, inclusive a João Wesley. Com o tempo, Clemente se mudou a Alexandria, Egito. Foi ordenado ancião naquela congregação e encarregado de instruirá os novos conversos. Pelo geral se lhe chama “Clemente de Alexandria para distingui-lo de outro Clemente, quem era bispo da igreja em Roma a fins do primeiro século. Neste livro, se não o explico de outra maneira, quando falo de “Clemente” me refiro a Clemente de Alexandria.

 

 Orígenes— dedicado a Deus

 

 

                              Orígenes (185 ou 186-254)

Nasceu de pais cristãos em 185 ou 186 da nossa era, provavelmente em Alexandria. Escritor cristão de vasta erudição, de expressão grega. Estudou letras e aprendeu de cor textos bíblicos, com seu pai, que foi morto por ocasião da repressão do imperador Setímio Severo às novas religiões. O bispo de Alexandria passou a Orígenes a direção da Escola Catequética, sendo então sucessor de Clemente. Estudou na escola neoplatônica de “Ammonios”. Viajou a Roma, em 212, onde ouviu ao sábio cristão Hipólito. Em 215 organizou em Alexandria uma escola superior de Exegese Bíblica. Devido ao seu vasto conhecimento viajava muito e ministrava ao público nas igrejas.

 

O fato de se haver castrado por devoção, lhe criou dificuldades com alguns bispos, que contrariavam o sacerdócio dos eunucos. Em 232 se transferiu para Cesaréia, na Palestina, onde se dedicou exaustivamente aos seus estudos. Sobreviveu aos tormentos de que foi vítima sob o Imperador Décio (250-252). Posteriormente a esta data morreu em Tiro, não se sabendo exatamente quando.Foi considerado o membro mais eminente da escola de Alexandria e estudioso dos filósofos gregos.

Entre os alunos de Clemente em Alexandria tinha um jovem hábil chamado Orígenes s. Quando Orígenes s tinha só 17 anos, estourou uma perseguição severa em Alexandria. Os pais de Orígenes foram cristãs fiéis, e quando seu pai foi apresado, Orígenes s lhe escreveu uma carta, animando-o a que permanecesse fiel e não renunciasse a Cristo por causa de sua preocupação por sua família. Quando se anunciou a data para seu juízo, Orígenes s decidiu acompanhar a seu pai ao juízo para morrer com o. Mas durante a noite anterior, enquanto dormia, sua mãe escondeu toda sua roupa para que não pudesse sair da casa. Assim é que se lhe salvou a vida.

Ainda que tivesse só 17 anos, Orígenes s se distinguiu na igreja e Alexandria pelo cuidado amoroso que prestava a seus irmãos na fé durante a perseguição. Mas as multidões enfurecidas também notaram o cuidado de Orígenes s pelos cristãos perseguidos, e em variadas ocasiones Orígenes s mal escapou com a vida.

Orígenes s tinha aprendido à gramática e a literatura grega de seu pai, e começou a dar classes privadas para sustentar a seus irmãos menores. Era mestre tão sobressalente que muitos pais pagãos mandaram a seus filhos a receber instrução de Orígenes s Mas muitos destes jovens se converteram em cristãos como resultado do depoimento de Orígenes s.

Enquanto, Clemente, o mestre encarregado do doutrinamento dos novos conversos, estava em perigo. Os oficiais da cidade tramaram sua morte, e ele se viu obrigado a escapara outra cidade para continuar seu serviço cristão. Numa decisão extraordinária, os anciãos cristãos de Alexandria lhe nomearam a Orígenes s, de só 18 anos, para tomar o lugar de Clemente como maestro principal na escola para os novos conversos. Foi decisão sábia, e Orígenes s se dedicou de coração à obra Deixou sua profissão de poucos meses como instrutor de gramática e literatura. Vendeu a prazo todos seus livros de obras gregas, vivendo na pobreza do pouquinho que recebeu mensalmente da venda deles. Recusou aceitar salário algum por seu trabalho como maestro cristão. E depois de suas classes de cada dia, estudava as Escrituras até horas avançadas da noite

Cedo Orígenes s chegou a ser um dos maestros mais estimados de seu dia. AOS poucos anos, alguns de seus alunos lhe pediram que desse uma série de discursos de exposição bíblica, comentando sobre cada livro da Bíblia, passagem por passagem. Os alunos pagaram escrevas os quais escreveram o que Orígenes s dizia, e estes escritos chegaram a ser os primeiros comentários bíblicos que se produziram. Não foi intenção de Orígenes s que estes comentários se tomassem muito em sério. Com freqüência ele se saía do texto e dava suposições pessoais. Em todo o comentário, manteve um espírito aprazível, pouco contencioso. Muitas vezes terminou seu discurso, dizendo: “Bem que assim me parece a mim, mas pode ser que outro tenha mais entendimento do que eu”.

Orígenes s tinha uma das mais brilhantes mentes de seu dia. Estava em correspondência pessoal com um dos imperadores romanos. Mas sua fama também atraiu o atendimento dos inimigos dos primeiros cristãos. Várias vezes teve que se transladar para outro lugar para escapar da perseguição. No entanto, chegou aos 70 anos. Nesse então seus perseguidores o prenderam e o torturaram. Mas por mais do que o torturaram, ele não negou a Jesus. E ao fim deixaram de torturá-lo, exasperados. Com tudo, Orígenes s nunca se recuperou da tortura e ao fim morreu.

 

Tertuliano—Apologista aos romanos

 

Tertuliano de Cartago (150-230)

Nasceu por volta de 150 d.C. em Cartago (cidade ao nordeste da África), onde provavelmente passou toda sua vida, embora alguns estudiosos afirmem que ele morasse em Roma. Por profissão sabe-se que era advogado. Fazia visitas com freqüência a Roma, sendo que aos 40 anos se converteu ao cristianismo, dedicando seus conhecimentos e habilidades jurídicas ao esclarecimento da fé cristã ortodoxa contra os pagãos e hereges. Tertuliano foi o pai das doutrinas ortodoxas da Trindade e pessoa de Jesus Cristo. As doutrinas de Tertuliano a respeito da Trindade e da pessoa de Cristo foram forjadas no calor da controvérsia com Práxeas, que segundo Tertuliano, “sustenta que existe um só Senhor, o Todo-Poderoso criador do mundo, apenas para poder elaborar uma heresia com a doutrina da unidade. Ele afirma que o próprio Pai desceu para dentro da Virgem, que ele mesmo nasceu dela, que ele mesmo sofreu e que, realmente, era o próprio Jesus Cristo”. Foi o primeiro teólogo cristão a confrontar e rejeitar com grande vigor e clareza intelectual essa visão aparentemente singela da Trindade e unidade de Deus. Ele declarou que se esse conceito fosse verdade, então o Pai tinha morrido na cruz e isso, além de ser impróprio para o Pai, é absurdo.

AOS primeiros cristãos do ocidente, Tertuliano é quiçá o mais conhecido de todos os escritores cristãos dos primeiros séculos. Chegou a ser ancião na igreja de Cartago no África do norte.4Tertuliano era um dos apologistas mais hábeis da igreja primitiva. O escreveu em latim, não em grego como a maioria dos primeiros cristãos. A Tertuliano se lhe recorda por vários ditos famosos, por exemplo: “O sangue dos mártires é a semente da igreja.

Tertuliano escreveu entre os anos 190 e 210 d.C. Além de suas obras apologéticas, Tertuliano escreveu várias obras curtas, tanto cartas como tratados, para animar aos cristãos apresados ou para exortar aos crentes que mantivessem sua separação como mundo.

Ao final de sua vida, Tertuliano se uniu à seita montanista, a qual pelo geral se aferrou à doutrina cristã ortodoxa, mas adicionou normas estritas sobre a disciplina na igreja e o trato duro do corpo. Pelo menos a metade das obras de Tertuliano se escreveram antes que ele se fizesse montanista. E ademais, já que este grupo não se apartou dos fundamentos da fé cristã, ainda seus escritos de depois têm grande valor em alumiar o pensamento dos primeiros cristãos. Com tudo, citei de suas obras montanistas só com muito cuidado.

 

Cipriano—Um rico que tudo o entregou a Cristo

 

Cipriano (200 – 258)

Tharsius Caecilius Cyprianus. Converteu-se em 246 d.C. e já em 249 d.C. foi nomeado bispo de Cartago, no Norte da África.

 

Durante dez anos ele conduziu seu rebanho através da perseguição do Imperador Décio, uma das mais cruéis. Foi também o grande sustentáculo moral e espiritual da cidade, quando esta foi atacada por uma epidemia. Além disso, escreveu e batalhou pela unidade da Igreja.Seu nome está ligado a uma grande controvérsia a respeito do batismo e da ordenação efetuada por hereges. No entender de Cipriano, estas cerimônias eram inválidas, pelo fato dos oficiantes estarem em desacordo com a ortodoxia e, portanto, deveriam ser rebatizados e reordenados todos que entrassem pela verdadeira Igreja. Estevão, Bispo de Roma, discordou e isto gerou um cisma, uma vez que Cipriano além de rejeitar a autoridade do bispo romano, convocou um concílio no Norte da África para resolver a questão.

 

Seus escritos consistem em tratados de caráter pastoral e de cartas, 82 ao todo, das quais 14 eram dirigidas para ele mesmo e as restantes tratavam de questões de sua época.Morreu como mártir, decapitado em 14 de setembro de 258 d.C, durante a perseguição do imperador Valeriano.

Um dos alunos espirituais de Tertuliano se chamava Cipriano. Tinha sido romano rico, mas se converteu em cristão à idade de 40 anos. Ainda que aluno de Tertuliano, não se uniu aos montanistas. Sempre se opôs aos hereges e às tendências sectárias.

Como cristão recém convertido Cipriano estava tão agradecido por sua vida nova em Cristo que vendeu tudo o que tinha e o repartiu aos pobres. Gozou-se de estar livre do peso das responsabilidades de suas posses materiais. Seus escritos contêm umas das palavras mais comovedoras que jamais se escreveram a respeito do novo nascimento do cristão. Sua entrega total a Cristo cedo ganhou o respeito da igreja em Cartago. Depois de uns poucos anos, numa decisão sem precedente, chamaram-lhe a ser bispo da igreja ali.

Os escritos de Cipriano têm um valor especial já que constam maiormente de cartas pessoais a outros anciãos cristãos e igrejas. Em suas cartas vemos os interesses e os problemas diários das congregações cristãs daquele então Cipriano se viu obrigado a trabalhar como pastor clandestinamente, já que durante a maior parte de seu ministério rugia a perseguição contra a igreja primitiva. Como pastor, trabalhava incansavelmente, dando seu tempo e sua vida pelo rebanho de Cristo que lhe tinha sido encomendado. Ao fim, foi preso pelos romano se decapitado no ano 258.

 

 

Lactâncio Mestre do filho do imperador

Lactâncio é pouco conhecido aos cristãos de hoje em dia. Em isto nós perdemos, porque Lactâncio escreveu com clareza e eloqüência extraordinária. Antes de converter-se ao cristianismo, foi instrutor célebre da retórica. Ainda o imperador Diocleciano lhe louvou Depois de sua conversão, dedicou suas habilidades literárias causa de Cristo. Sobreviveu a última grande perseguição dos romanos contra a igreja primitiva ao princípio do quarto século. Com o tempo, fez seu lar em França. Ainda que Lactâncio fosse muito ancião quando Constantino se fez imperador, este lhe pediu que voltasse A Roma para ser o professor particular de seu filho maior. Os escritos de Lactâncio têm grande importância para nós porque se escreveram ao final da época pré-Constantina da igreja primitiva. Demonstram amplamente que a grande maioria das crenças cristãs tinham mudado muito pouco durante os 220 anos entre a morte do apóstolo João e o princípio do reinado de Constantino

Se talvez a você se lhe esquecem estes nomes...

Bem posso crer que estes nomes não são conhecidos para muitos de vocês. Possa que lhes seja difícil recordá-los. Por este motivo, incluí um dicionário biográfico ao final deste livro. Este dicionário apresenta um quadro biográfico muito breve de todos os escritores que vou citar no livro. É possível que queira pôr um marcador de livro nesta página para que possa refrescar sua memória sobre qualquer dos nomes que menciono.

Em meus primeiros rascunhos deste livro eu descrevi as crenças e práticas dos primeiros cristãos, incorporando só uma citação ou duas deles em cada capítulo. Mas quando dei estes primeiros capítulos a meus amigos para ler, todos eles comentaram o mesmo: “Queremos ouvir aos primeiros cristãos, não a você.”Assim é que isso fiz. Tenho aqui a história deles, contado em grande parte por eles mesmo. Espero que lhe mude a você tanto como me mudou a mim. 

 

                             Eusébio de Cesáreia (265-339)

Foi Constantino que incumbiu Eusébio de fazer a narração desta primeira história do Cristianismo, coroando-a com a sua imperial adesão a Cristo. “A ortodoxia era apenas uma das várias formas de cristianismo, durante o século III, e pode só ter se tornado dominante no tempo de Eusébio” (JOHNSON, 2001: 69). Ele é o autor de importantes obras tais como: “História Eclesiástica”, “Vida de Constantino” entre outras. 

 

111 - Perseguição aos cristãos em Bitínia: Carta de Plínio a Trajano
112 - Sete Cartas de Inácio de Antioquia
115 - Ignatius introduziu o conceito de um líder acima dos outros (o bispo, distinguindo assim este título dos outros). Esse conceito tornou-se prevalente no século III
138 - Possível martírio de Telésforo, bispo de Roma, pelo Imperador Adriano
140-50 - Justino mantém uma escola de filosofia cristã em Roma. Justino Martir promove a primeira mudança com relação ao batismo com água e a divindade. Já que Justino não acreditava que Cristo era Deus, o Pai manifesto como homem, conforme os apóstolos ensinavam, batizava seus convertidos e seguidores da seguinte forma: "Eu te batizo em nome de Deus o Pai de todos e nosso salvador Jesus Cristo e do Espírito Santo". Justino acreditava e ensinava da mesma forma que os judeus que crêen que o nome de Deus é tão sagrado que o homem não deve pronunciá-lo, daí a sua afirmação de que Deus, o Pai e seu filho Jesus Cristo eram duas pessoas diferentes, pois ele não cria no nome de Jesus Cristo, sendo também, o nome do Deus Pai e do Espírito Santo. Esse resultado foi o pilar para o desenvolvimento de diferentes trindades no mundo religioso cristão.
142-55 - Pio I torna-se o 1º e único bispo a governar a cidade de Roma
144 - Marcião propõe um cânone com apenas o Evangelho de Lucas e 10 cartas de Paulo
144 - Marcião é expulso da comunidade cristã de Roma devido à inúmeras heresias
155 - Surge a 1ª reforma na igreja primitiva: o Montanismo
156 - Surge o termo "Igreja Católica" = "Igreja Universal"
160 - Marcião tenta introduzir o gnosticismo no cristianismo, considerado, posteriormente, um movimento herético
161 - Martírio de Policarpo em Esmirna
163 - Martírio de Justino em Roma
170-80 - Taciano propoe o "Diassentêrom", uma versão condensada dos Evangelhos tradicionais. A proposta foi rejeitada pelos cristãos
180 - Nascimento de Sabélio, um dos expoentes da heresia modalista que negava a doutrina da Trindade
193 - Clemente ensina a doutrina cristã em Alexandria
195 - Tertuliano passa a defender a supremacia do bispo de Roma sobre os demais bispos
197 - Tertuliano de Cartago defende os cristãos na obra "Apologética", a mais importante literatura da igreja primitiva
197 - 1ª Doutrina anti-bíblica: movimento herético de Zeferino, bispo de Roma, contra divindade de Cristo
200 - É escrito "a Diogneto", uma vibrante apologia de um autor cristão ao seu destinatário pagão

 

                              SECULO N.3

 

202 - Leis de Séptimo Severo contra os cristãos
203 - Hipólito escreve a obra "Comentário a Daniel"
207 - Tertuliano converte-se ao Montanismo
210 - Tertuliano de Cartago enfatiza que os cristãos não devem participar do serviço militar
215 - Sabélio passa a pregar a heresia unissista
217 - Calixto torna-se bispo em Roma: cresce o sincretismo entre o cristianismo e outras religiões
217 - Nova divisão na igreja primitiva: Hipólito também proclama-se bispo de Roma e acusa Calixto de apoiar o herege Sabélio
218-23 - Surge a lenda de que Pedro foi o 1° papa

220 - Origenes introduz a doutrina da trindade para bebês, na sua escola de preparação para o batismo em Alexandria, Egito.
235 - Maximiano condena à morte Hipólito e Ponciano. Ambos consideravam-se bispos de Roma
250 - O imperador Décio persegue cristãos por todo o Império
250 - Martírio de Fabiano, bispo de Roma
251 - Nova divisão na igreja primitiva: Cornélio é eleito bispo de Roma, alguns cristãos querem Novaciano, então surge o Novacionismo
251 - Sínodo de Roma contra o cisma de Novaciano
257 - O Sabelianismo propaga-se entre os cristãos da Lídia
257-58 - Leis de Valeriano contra os cristãos
258 - Martírios de Cipriano (bispo de Cartago) e Sisto (bispo de Roma)
261 - Édito de tolerância para os cristãos
265 - Sínodo de Antioquia: condenação de Paulo de Samósata
270 - Santo Antônio dá origem a vida monástica no Egito
280 - Conversão ao cristianismo de Tiridates, rei da Armênia
297 - Diocleciano inicia nova perseguição aos cristãos
300 - Surge a primeira lei de celibato para os sacerdotes


                                     Jerônimo (325-378)

Erudito das Escrituras e Tradutor da Bíblia para o Latim. Sua tradução, conhecida como a Vulgata, ou Bíblia do Povo, foi amplamente utilizada nos séculos posteriores como compêndio para o estudo da língua latina, assim como para o estudo das Escrituras. Nascido por volta do ano 345 em Aquiléia (Veneza), extremo norte do Mar Adriático, na Itália, Jerônimo passou a maior parte da sua juventude em Roma estudando línguas e filosofia. Apesar da história não relatar pormenores de sua conversão, sabe que se batizou quando tinha entre dezenove para vinte anos. Logo após, Jerônimo embarcou em uma peregrinação pelo Império que levou vinte anos.

                          Crisóstomo (aprox. 344-407)

Criado em Antioquia, seus grandes dotes de graça e eloqüência como pregador levaram-no a ser chamado a Constantinopla, onde se tornou patriarca, ou arcebispo. Como os outros Apologistas, ele harmonizou o ensinamento cristão com a erudição grega, dando novos significados cristãos a antigos termos filosóficos, como a caridade. Em seus sermões, defendia uma moralidade que não fizesse qualquer transigência com a conveniência e a paixão, e uma caridade que conduzisse todos os cristãos a uma vida apostólica de devoção e de pobreza comunal. Essa piedosa mensagem, entretanto, tornou-o impopular na corte imperial e mesmo entre alguns membros do clero de Constantinopla, de modo que acabou sendo banido e morreu no exílio.

 

 

                            A VIDA DA IGREJA PRIMITIVA

 

A PALAVRA acompanhada da oração:A Palavra de Deus era o centro do culto, o assunto dos crentes e a paixão que viviam dia e noite orando e meditando com prazer nas Escrituras (Salmos 1.2). 

    Perseverança na Palavra. Atos 5.42:  E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar e de pregar Jesus, o Cristo.

Estavam em torno das escrituras e todos os dias se reuniam para orar e aprender a Palavra de Deus. Além disso, o texto diz que elesperseveravam, ou venciam os obstáculos através da Palavra de Deus (2.42,43) crendo verdadeiramente nas verdades bíblicas. 

   Objetivo comum de anunciar a Palavra.Atos 4.20: pois nós não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos.

Além de conhecer a Palavra, tinham um objetivo em comum que era pregar o Evangelho. Todos eram missionários, pregadores e todos testemunhavam a Obra de Deus em suas vidas. 

    A simplicidade na Pregação.Atos 3.6: “não possuo ouro nem prata, mas o que tenho isso te dou: em nome de Jesus Cristo Nazareno, levanta e anda”

Atos 10.34: “Deus não faz acepção de pessoas”

Atos 16.31: “crê no Senhor Jesus e serás salvo tu e tua casa”

Podemos perceber nas orações e pregações dos apóstolos palavras simples e poderosas devido à fé que tinham. 

d)   Discutiam seus problemas à luz da Palavra.Atos 6.1-4: Ora, naqueles dias, multiplicando-se o número dos discípulos, houve murmuração dos helenistas contra os hebreus, porque as viúvas deles estavam sendo esquecidas na distribuição diária. Então, os doze convocaram a comunidade dos discípulos e disseram: Não é razoável que nós abandonemos a palavra de Deus para servir às mesas. Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço; e, quanto a nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra.Atos 16.6,7: E, percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu.Atos 16.12,13: e dali, a Filipos, cidade da Macedônia, primeira do distrito e colônia. Nesta cidade, permanecemos alguns dias. No sábado, saímos da cidade para junto do rio, onde nos pareceu haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido.

Antes de pensarmos nossas opiniões e as defendermos, precisamos saber qual é a opinião do Dono ou Cabeça da Igreja. Precisamos aprender a discutir nossos problemas à Luz da Palavra de Deus como os apóstolos fizeram ao escolher os diáconos para se manter dedicados ao estudo, oração  ensino da Palavra e também o Concílio de Jerusalém foi momento de decidir o futuro da Igreja à luz da Palavra de Deus. 

A Palavra de Deus é o fundamento da Igreja.                     

2- A FÉ seguida de prática.A fé era uma conseqüência da Palavra por que “a fé vem pelo ouvir e ouvir a pregação da Palavra de Deus” (Romanos 10.17).

Os cristãos eram chamados ‘discípulos’ devido ao estilo de vida que tinham (Atos 11.26; 13.52). 

a)     Fé baseada numa experiência pessoal.

Atos 1.3,4: A estes também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus. E, comendo com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, a qual, disse ele, de mim ouvistes.

Todos afirmaram que tiveram um encontro como salvador. Não falavam do que ouviram, mas do que experimentaram pessoalmente. 

c)     Fé transformadora.     

Atos 19.18-20: Muitos dos que creram vieram confessando e denunciando publicamente as suas próprias obras. Também muitos dos que haviam praticado artes mágicas, reunindo os seus livros, os queimaram diante de todos. Calculados os seus preços, achou-se que montavam a cinqüenta mil denários.Assim, a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente.Como fruto da fé, vidas eram transformadas e se convertiam publicamente sem nenhuma vergonha. 

c)    Fé comprometida com o próximo:Atos 4.32-35: Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum. Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. Pois nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terras ou casas, vendendo-as, traziam os valores correspondentes e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a qualquer um à medida que alguém tinha necessidade.

Essa fé gerava uma ajuda mútua, companheirismo e compromisso com o próximo. 

e)     Fé incondicional:  

Atos 14.22,23: fortalecendo a alma dos discípulos, exortando-os a permanecer firmes na fé; e mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus. E, promovendo-lhes, em cada igreja, a eleição de presbíteros, depois de orar com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido.

Criam na vontade soberana de Deus mesmo diante de problemas com o martírio de Estevão (7.54-60) e naufrágios como os de Paulo (21.9-11e 22.26). Também oravam por seus líderes e acreditavam que Deus os abençoava. A liderança pregava a Palavra e vivia a fé.

A fé é o sustento da Igreja! 

3- O PODER como fruto da fé na Palavra:A Palavra alimenta a Fé e a Fé gera o Poder. O Poder é conseqüência a Fé na Palavra de Deus. Quem tem fé conhece o poder de Deus.

 

a)     Buscaram até receber poder     

Atos 2.1-4: Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem.

Os que creram permaneciam na fé buscando a Palavra até receberem o poder.  O início da Igreja foi marcado pelo recebimento do poder de Deus para pregar a Palavra (Atos 1.8). Todos receberam o poder, não havia distinção de uns mais espirituais do que outros. 

b)   O poder do nome de Jesus.Atos 4.9-12: visto que hoje somos interrogados a propósito do benefício feito a um homem enfermo e do modo por que foi curado, tomai conhecimento, vós todos e todo o povo de Israel, de que, em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, a quem vós crucificastes, e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, sim, em seu nome é que este está curado perante vós. Este Jesus é pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a pedra angular. E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos.Os crentes tinham ciência de que não agiam por si mesmos, mas em nome de Jesus, fazendo sua vontade. 

c)    O poder gera coragem.Atos 4.27-31: porque verdadeiramente se ajuntaram nesta cidade contra o teu santo Servo Jesus, ao qual ungiste, Herodes e Pôncio Pilatos, com gentios e gente de Israel, para fazerem tudo o que a tua mão e o teu propósito predeterminaram; agora, Senhor, olha para as suas ameaças e concede aos teus servos que anunciem com toda a intrepidez a tua palavra, enquanto estendes a mão para fazer curas, sinais e prodígios por intermédio do nome do teu santo Servo Jesus. Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus.

Os cristãos não tinham medo nem vergonha de enfrentar qualquer perigo. Com intrepidez pregavam a Palavra e Deus operava maravilhas. Muitas vezes Deus não age por que não temos coragem de falar em nome de Jesus. 

d)   O poder da ressurreição.Atos 4.33: Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça.

A fé na ressurreição dos mortos era algo real e testemunhado pelos cristãos ao ponto de não terem medo de morrer por crerem que se preciso Deus os ressuscitaria. A maior manifestação do poder de Deus para eles era o de dar a vida e retorná-la. Pela fé no impossível ressuscitaram a Êutico (Atos 20.7-12) e a Dorcas (Atos 9.36-46). O poder que age sobre nós é o mesmo que ressuscitou a Jesus dentre os mortos. O homem poder dizer que cura através de remédios, mas não pode devolver a vida. Por isso pregavam tanta a ressurreição dos mortos na volta de Cristo. 

e)    Poder de cura e milagres. Atos 5.12-16: Muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas mãos dos apóstolos. E costumavam todos reunir-se, de comum acordo, no Pórtico de Salomão. Mas, dos restantes, ninguém ousava ajuntar-se a eles; porém o povo lhes tributava grande admiração. E crescia mais e mais a multidão de crentes, tanto homens como mulheres, agregados ao Senhor, a ponto de levarem os enfermos até pelas ruas e os colocarem sobre leitos e macas, para que, ao passar Pedro, ao menos a sua sombra se projetasse nalguns deles. Afluía também muita gente das cidades vizinhas a Jerusalém, levando doentes e atormentados de espíritos imundos, e todos eram curados.

Deus quer salvar o homem por inteiro, corpo, alma e espírito, o libertando de tudo o que o prende e o oprime. O Jesus que cremos é o mesmo que curava muitas pessoas e se Ele está entre nós então Ele ainda cura. 

f)     O poder do louvor.Atos 16.25,26: Por volta da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam. De repente, sobreveio tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces da prisão; abriram-se todas as portas, e soltaram-se as cadeias de todos.

Diante das perseguições e lutas eles oravam e louvavam a Deus crendo que os libertaria das prisões (Atos 12.5 e 7)Sem poder, a Palavra e a fé são infrutíferas. 

 A Igreja precisa de Poder para pregar a Palavra com Fé.Uma Igreja poderosa não é uma Igreja que se exalta por ter muitos bens ou influência e sim uma Igreja que pela Fé na palavra de Deus vê o impossível acontecer.

Existe uma Igreja sem problemas: A Igreja Missionária. A Igreja que se ocupa de pregar o evangelho e exercer a fé para curar e libertar vidas só tem um verdadeiro inimigo que é o diabo e só tem um verdadeiro problema que é resgatar vidas perdidas no mundo.

Nada do que foi falado é novidade e às vezes até nos questionamos: por que tantas vezes nossa realidade é tão diferente? É por que está faltando estas três coisas: a Palavra, a Fé e o Poder. Quando a Igreja deixa de ter compromisso com a Palavra para buscar outras prioridades, ela enfraquece na Fé e perde o Poder.

O que tem faltado em sua vida ou em sua Igreja? Tem faltado poder? Será que está faltando a Fé? Ou você não tem buscado a Palavra?Aquela Igreja vivia em paz, não por não ter problemas, por que tinham muitos, mas por que criam na Palavra, vivendo a Fé e através do Poder de Deus os milagres aconteciam.Não tinham uma estratégia de crescimento e nem recursos quaisquer, apenas tinham paz uns com os outros e com Deus, então a Igreja crescia naturalmente.

 

NOTAS FONTE esboçosermao.com

            

                             Século N.4

                               PERIODO DE AGOSTINHO

 

Não falo às presas quando digo que Agustinho, bispo de Hipona do quarto século, foi o maestro cristão mais influente de toda a história... pelo menos, da história do cristianismo no Ocidente A final de contas, creio que ele foi mais influente do que os mesmos apóstolos, já que a igreja do Ocidente leu até as obras dos apóstolos através dos olhos dele. Em verdade quase todo mundo reconhece que Agustinho é o pai da teologia ocidental.

Agustinho tinha inteligência e capacidade muito sobressalentes.Antes de converter-se, foi professor da retórica persuasiva e da arte de escrever. Como bispo na igreja, utilizava estas mesmas habilidades. Não tinha ninguém em toda a igreja ocidental que pudesse resistir suas argumentações. Enquanto ele ainda vivia, ele se fez quase a única autoridade do Ocidente em todos os temas de doutrina e moralidade.

É notável que Agustinho raciocinasse como habitante do Ocidente.Os escritores cristãos anteriores raciocinavam como habitantes do Oriente. Nós podemos entender a lógica de Agustinho muito melhor do que podemos entender a dos escritores anteriores.Desafortunadamente para nós, o Novo Testamento não foi escrito por homens do Ocidente, senão por homens com uma mentalidade oriental, influídos grandemente pela cultura grega. O mesmo Agustinho sabia muito pouco grego. Istoé de suma importância. Não só o Novo Testamento foi escrito em grego, senão também quase todos os escritos cristãos anteriores. Isto talvez nos ajude a entender por que Agustinho se apartou do cristianismo primitivo em tantas áreas, mais do que qualquer outro maestro cristão daquele tempo. E este grande maestro, com sua mente aguda, levou-se consigo à igreja do Ocidente. Lamentavelmente, apartou-a de seus fundamentos anteriores.

Santo Agostinho (354-430), Bispo e Doutor da Igreja - Nasceu em Tagaste, Tunísia, filho de Patrício e S. Mônica. Grande teólogo, filósofo, moralista e apologista. Aprendeu a retórica em Cartago, onde ensinou gramática até os 29 anos de idade, partindo para Roma e Milão onde foi professor de Retórica na corte do Imperador. Alí se converteu ao cristianismo pelas orações e lágrimas, de sua mãe Mônica e pelas pregações de S. Ambrósio, bispo de Milão. Foi batizado por esse bispo em 387. Voltou para a África em veste de penitência onde foi ordenado sacerdote e depois bispo de Hipona aos 42 anos de idade. Foi um dos homens mais importantes para a Igreja. Combateu com grande capacidade as heresias do seu tempo, principalmente o Maniqueísmo, o Donatismo e o Pelagianismo, que desprezava a graça de Deus. Santo Agostinho escreveu muitas obras e exerceu decisiva influência sobre o desenvolvimento cultural do mundo ocidental. É chamado de “Doutor da Graça”. São Leão Magno (400-461) - Papa e Doutor da Igreja - nasceu em Toscana, foi educado em Roma. Foi conselheiro sucessivamente dos papas Celestino I (422-432) e Xisto III (432-440) e foi muito respeitado como teólogo e diplomata. Participou de grandes problemas da Igreja do seu tempo e pôde travar contato pessoal e por cartas com Santo Agostinho, São Cirilo de Alexandria e São João Cassiano, que o descrevia como “ornamento da Igreja e do divino ministério”. Deixou 96 Sermões e 173 Cartas que chegaram até nós. Participou ativamente na elaboração dogmática sobre o grave problema tratado no Concílio de Calcedônia, a condenação da heresia chamada monofisismo. Leão foi o primeiro Papa que recebeu o título de Magno (grande). Em sua atuação no plano político, a História registrou e imortalizou duas intervenções de São Leão.

Há uma grande lista de doutrinas e práticas iniciadas por Agustinho ou se não iniciadas por ele, autorizadas por ele. A seguir dou uma lista parcial do que ele ensinou:

•1.que Maria nasceu e viveu sua vida inteira sem pecadoalgum.

•2.que os meninos não batizados se condenameternamente.

•3.que o coito ainda dentro do casal é sempre um ato depravado.

•4.que a guerra pode ser santa.

•5.que não terá um milênio literal.

•6.que não há perdão de pecados senão só dentro da igrejacatólica.

•7.que algumas das práticas e ensinos dos apóstolos já não se aplicam aos cristãos porque os apóstolos viveram numa época diferente.

•8.que há um fogo purgante para as almas dos justos a quem lhes falta a purificação completa.

•9.que os mortos podem sacar proveito do sacrifício da eucaristia.

•10.que é justo que um estado cristão persiga aos hereges.

Deste último ponto, Agustinho escreveu:

“Que sejam todos chamados à salvação. Que sejam todos chamados de voltar da senda que conduz à destruição.Alguns, são chamados pelos sermões dos pregadores católicos. Outros, pelos editais dos príncipes católicos. Uns,porque obedecem as advertências de Deus. Outros, porque obedece mas leis do imperador… O rei Nabucodonosor… convertido por um milagre de Deus, promulgou uma lei justa e louvável para apoiar a verdade: que quem quer que falasse contra o Deus verdadeiro, o Deus de Sadrac, Mesac e Abed-nego, perecesse sem remédio, em união com sua família...

“Se a igreja verdadeira é a igreja que suporta a perseguição,não a igreja que a inflige [como dizem alguns], que façam a pergunta ao apóstolo qual igreja representava Sara quando perseguiu a sua serva. Porque [o apóstolo] declara que a mãe livre de todos nós, a Jerusalém celestial—a qual é a igreja verdadeira de Deus foi representada por aquela mulher [Sara], quem perseguiu cruelmente a sua serva. Com tudo, se pesquisamos a fundo a história, vemos que em realidade foi a serva por sua altivez que perseguiu a Sara… [Sara] singelamente lhe impôs a disciplina que merecia sua altivez.

“Outra vez digo, se os homens bons e justos nunca perseguem a ninguém, senão só são perseguidos, de quem são as palavras a seguir escritas pelo salmista? ‘Persegui a meus inimigos, e os atingi, e não voltei até acabá-los’ [Salmo 18.27]. Desta maneira se desejamos declarar e reconhecer a verdade, há uma perseguição de parte dos injustos, a qual os ímpios infligem à igreja de Cristo; e há uma perseguição justa, a qual a igreja inflige aos ímpios. Mas [a igreja os] persegue no espírito de a mortos outros, no espírito de ira.”11.

Depois de ler isso, você provavelmente pode entender muito bem porque se diz que Agustinho é o pai da igreja católica romana. Mas talvez você se surpreenderá ao dar-se conta de que ele é também o pai da Reforma protestante.