Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
8




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


confissão de fé de AUSBURGO
confissão de fé de AUSBURGO

                                          A Confissão de Augsburgo 1530 

 

A essência do cristianismo foi a espiritualidade. No entanto, neste momento na Reforma, política estavam tomando um controle sobre a Reforma eo seu estava começando a lidar com o mundo em menos de termos espirituais. Uma vez que isto começou a ocorrer, de declínio começou.

Charles ainda não tinha ouvido o édito que veio de Spires, eo resultado do tráfico de lá. Cidadãos alemães que estavam a favor do protesto trouxe a notícia a ele, ea Palavra de Deus foi glorificado como o único fundamento sobre o qual a igreja deve construir. Charles ficou em silêncio. Esta não foi a aliança católica que tinha feito, a fim de destruir a heresia da terra.

Um congresso foi aberto pelo Smalkald onde Ehinger, Caden e Frauentraut, os três que haviam trazido notícias de Charles, apareceu diante deles. Phillip estava satisfeito que seus esforços políticos estavam vindo muito bem juntos. No entanto, ele foi enganado em pensar Charles aceitou a notícia da Spires com prazer e não desdém. Lutero desejava ver a religião ea política wed, mas neste momento a Igreja Protestante não era o estado religioso casada com o imperador - que foi o caso de Roma.

Charles convocou os estados do império de Augsburg, a fim de se reunir e discutir os problemas de ambos os lados da igreja, tanto o protestantismo eo catolicismo, a fim de alcançar um corpo cristão unificado. Isso parecia tudo muito bem. No entanto, este não parece ser Charles em tudo. No começo, ele falou de livrar heresia pela espada, e agora ele está falando sobre a paz. No entanto, cada vez que Charles tinha a tendência de ser cordial com ambas as partes, Ferdinand continuou a trazê-lo de volta para seus sentidos católicos.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 2

Charles desejado para ser coroado pelo Papa, e isso aconteceu em Bolonha. Clement distribuído a massa para ele, tinha-lhe recitar os votos para a Igreja Católica, em seguida, lhe presenteou com uma espada em que ele estava a fazer uso dele contra os inimigos da fé. O imperador beijou um branco cruz-bordado em chinelo do Papa e prometeu defender tal. As pessoas temiam que o imperador desde que foi agora o ungido do papado. Eles pensaram que era o fim para Lutero e Melanchton contra o império de ambos Charles eo pontificado.

O duque da Saxônia perguntou com Lutero quanto ao que deve ser feito se o imperador marchou contra os reformadores. Luther consolou-o não levantar uma espada, nem deve qualquer príncipe, pois Deus iria livrá-los da mão dos seus inimigos. Agora, tudo o que o duque desejado era entreter se ele iria para a dieta em Augsburg ou não, no caso, seria uma armadilha para aqueles que detinham diante a bandeira protestante.

O eleitor decidiu ir para Augsburg, que sua vida pode estar em jogo, e chegou em 02 de maio. Em 12 de maio Phillip de Hesse chegou bem. O próprio Carlos chegou e as pessoas se aglomeravam-lo como ele entrou na cidade. As pessoas pensavam que, como eles estavam discutindo, que a Reforma iria desmoronar agora que Charles estava próximo.

A nova virada aconteceu. Como alguns estavam em Augsburg aguardando o início oficial das questões religiosas relativas à dieta, em Innspruck Duke George e os piores opositores da Reforma realizada uma nova dieta "secreto" com Charles. Este foi contestado por John-Frederick, um príncipe eleitoral, e ele insistiu que a dieta ser realizada onde Charles tinha previsto inicialmente que - em Augsburg. Esta foi a primeira oposição Charles experimentado.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, capítulo 3

Augsburg era agora o lugar oficial onde a dieta deve ser realizada. John e Phillip aproveitou esta dieta, a fim de expressar suas opiniões e da verdade do Evangelho de Jesus Cristo, a fim de converter o império ao protestantismo. Phillip tinha Snepff e Cellarius pregar na Catedral dias subseqüentes, eo Evangelho foi ouvido por todos que participaram. Roma ficou surpreso. A Igreja mãe veio na esperança de ver os criminosos abatido, e em vez disso, eles viram a ferocidade do Evangelho.

Roma estava chateado que tal pregação tinha ocorrido e tinha Charles levantar duas contagens para criar acusações formais contra John por ter permitido isso. Os sacerdotes de Roma não foram hábeis o suficiente para lutar contra o Evangelho e, portanto, teve de recorrer a arrulhos políticos. João recebeu sua carta e disse ao príncipe que se ele era para ser encerrado, ele iria deixar a cidade. Isto não teria sido bom politicamente. John disse que iria esperar por uma resposta do seu teólogo quanto ao seu curso de ação. Lutero disse que ele deveria ser humilde e respeitoso do rei. Melanchton, que estava em Augsburg com ele, juntamente com os príncipes, concordou com Lutero sobre este curso de ação.

O eleitor e príncipes, juntamente com Melanchton, decidiu elaborar uma confissão comum que poderia entregar o imperador a respeito de sua posição sobre a doutrina, e eles pediram-lhe para permitir que a pregação da Palavra de Deus para continuar a cada dia. Melancthon enviado o projecto de Lutero e Lutero aprovou-a sem correção. No entanto, após o regresso ao Melancthon, ele e os príncipes continuaram a melhorar dia após dia até se acabar. A confissão foi distribuído ao protestantes Unidos e todos concordaram com isso depois de deliberações.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 4

Houve grande agitação na cidade como o rei fez o seu caminho para a dieta. Espanhóis (aqueles que eram católicos devotos) causou alguns problemas para os príncipes como eles chegaram ao local e rasgou as suas armas, e muitas das pessoas da cidade estavam prontos para algum tipo de comportamento ou explosão desenfreada de ter lugar. Soldados foram às ruas, e os magistrados tinham cadeias colocadas, a fim de manter a multidão controlada.

Charles tinha finalmente chegou a Augsburg ele ea multidão de pessoas que o cumprimentaram era inumerável. Os eleitores e príncipes se reuniram na prefeitura e esperou por Charles para chegar lá. Albert de Mentz anunciava a sua chegada, e congratulou-se com o imperador à Dieta.

Os príncipes, eleitores, eo rei montado em Augsburgo, e os romanistas lá desejados ter a massa instituído. Os protestantes protestou veementemente isso. Charles estava agitado por que eles não poderiam simplesmente ir junto com isso, mas seria contra a sua consciência para fazê-lo. Ele com raiva instruiu os teólogos de elaborar um documento afirmando por isso que eles não concordavam com os romanistas sobre isso, e Spalatin tomou a caneta na mão e naquela noite anotou suas diferenças com a ajuda de outros teólogos.

De manhã, o Margrave de Brandenburg foram os porta-vozes em nome dos protestantes para Charles. Eles resistiram ao imperador, e isso lhe causou grande irritação uma vez que ele estava defendendo a doutrina católica, e agora o Papa. Charles enviou uma ordem ameaçadora à luz de sua posição doutrinária contra os protestantes, mas príncipes, que eram de fato os romanos, mas desejadas para manter a paz lá, derrubou-o.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 5

Charles foi derrotado na procissão, mas queria vingar-se dos príncipes, parando os sermões que estavam tendo a cada dia. Os protestantes se reuniram para discernir a pedido do imperador para parar os sermões e foi, obviamente, rejeitada. Falou-se de pôr de lado as duas posições católicas e luteranas e ter capelães simplesmente pregar a Palavra de Deus. Este, embora não seja perfeito aos olhos de Melanchton, era aceitável, pois o desejo dos protestantes era ter Charles ouvir a sua confissão de que eles estavam trabalhando em cima por dias. Se eles continuaram a agitar o imperador não haveria espaço para tê-lo de ver a Confissão.

A dieta montada na catedral e foi dado um sermão ou tipos. Tanto os protestantes e católicos desdenhou ele desde que o homem exaltado os turcos sobre os alemães. Os turcos todos inclinar para um homem, mas os alemães curvar a ninguém. Ele fez os alemães parece ser anarquistas e que eles deveriam ser mortos à espada. Mesmo os cardeais detestava essa linguagem. A Alemanha foi quase em guerra com os turcos, e aqui eles estavam sendo elevado acima dos alemães!

Valdez implorou Melancthon para chamar a Charles que uma conferência pode ser tido que era menos público do que uma disputa entre todas essas pessoas na dieta. Melancthon desejado tal conferência muito mais do que o debate público, e novamente Valdez retransmitida para Melancthon desejo do imperador para manter as coisas discretas. Melancthon foi quase conquistou a tal reunião, mas o duque João interveio neste e não acho que essa conferência foi adequada. Teria que ser um debate público das sortes entre os protestantes e Charles.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 6

Charles, desejando ter esta disputa terminou, pedi o eleitor tem a Confissão ler até sexta-feira. Isso levou os protestantes de surpresa. Eles trabalharam dia e noite para ter a Confissão pronto. Na quinta-feira o documento foi lido durante um encontro dos eleitores e príncipes. O landgrave, sendo Zwinglian e não luterana, bem como a Strasburgers, queria um ponto sobre o sacramento da Ceia mudou, mas o pedido foi negado.

Os eleitores e príncipes estavam prontos a assinar o documento quando Melancthon disse que só os ministros e teólogos devem ser os únicos a colocar a sua assinatura a ela. Não foi por príncipes para fazer essas coisas. No entanto, John foi bastante contundente em seu desejo de defender a verdade, e Melancthon deu lugar aos príncipes a assinar o documento.

Melancthon estava em angústia. Ele não tinha certeza de como tudo isso iria acabar e desejava tanto ter Luther ao seu lado. No entanto, devido às ameaças contra a vida de Lutero, ele não poderia comparecer à Dieta na cidade foi realizada. Melancthon não estava sozinho embora. Lutero estava tendo tempo para orar fervorosamente pela dieta eo sucesso do Evangelho lá. Em vez de tomar suas horas de estudo de primeira linha, ele usou esse tempo para orar. Ele levou três horas por dia para orar por esta dieta ea importância do mesmo. Ele desejava, tanto quanto os príncipes e teólogos assistir, para ver uma vitória feliz vir do trabalho que Melancthon tinha colocado em sobre a Confissão. A confissão foi escrito pela graça da oração, juntamente com a proeza teológica do intelecto de Melanchton.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 7

Finalmente chegou o dia em que a confissão seria lido diante do rei. A audiência terá lugar na capela do Palácio Palatine, e Charles sentou-se no trono e preparou-se para ouvir o protestante. John o eleitor, seu filho, Phillip de Hesse, e os outros eleitores protestantes e margraves se levantou com alegria diante do rei para apresentá-lo com a Confissão. Bayer foi escolhido para ler a Confissão claramente, lenta e precisamente.

A Confissão pintado a expressão da fé da Igreja cristã, os sacramentos da ceia eo batismo, o governo da Igreja, o perdão dos pecados, e então mudou-se para a segunda parte da Confissão que delineou os abusos que os protestantes não poderia, em bom Uphold consciência. A leitura levou duas horas.

O próprio documento foi profundo, e continua a ser um dos trabalhos escrita do gênio da Reforma. Documentos romanos saem sem Escritura, e pressionou aspereza e ameaças. Este documento foi preenchido com a Bíblia e propôs solenidade e alta estrutura intelectual e linguagem que estava sereno. Ao escrever desta maneira, Melancthon demonstrou que ele estava sendo tão sábio como uma serpente e inofensivos uma pomba. Ele comprometido em nada, mas dirigida tudo o que deve ser dito no contexto em que foi escrita.

Charles manteve a cópia Latina para si mesmo, e deu a um alemão para o eleitor de Mentz já que ele não era proficiente na língua. Charles se levantou de seu trono e pediu-lhes em voz baixa para não publicar a Confissão e eles concordaram. A capela foi demitido.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 8

A igreja romana esperava um documento dura que atacou suas doutrinas. Em vez disso, ouviu a confissão de protestantes ao seu Senhor Jesus Cristo. Muitos foram ganhas para a verdade por este documento, entre os quais estavam o arcebispo Hermann, eleitor de Colônia, o conde-palatino Frederick, duque de Brunswick-Erick Luneberg, duque Henrique de Mecklenburg e Duques da Pomerânia. O próprio Carlos tinha a Confissão traduzidas para o francês, italiano, espanhol e Português, a fim de enviá-lo para todos os tribunais, ecoando os sentimentos que Lutero desejados.

Lutero estava muito feliz que o documento estava se movendo através da cristandade, mas o resultado de um tal de drama seria outra coisa. O que seria o fim de tudo isso ser? Lutero propôs que não seria tão bom quanto as atuais circunstâncias.

Charles, sabendo que ele precisava para unificar a nação, pensei que ele iria atacar as confederações menores primeiro por tê-los aderir ao edital da Dieta de Spires. Estes pequenos confederações pensei que isso era estranho e pediu tempo para considerar isso. No dia seguinte, eles responderam ao imperador, dizendo que não conseguia segurar ao recesso da Dieta que contradizia a Palavra de Deus, e por isso recusou seu pedido. Charles chamou todos os príncipes juntos como debate começou sobre a Confissão. Os príncipes mantiveram firmes de coração e George da Saxônia e de Brandemburgo Joachim foram ambos animado e franco em suas opiniões. Charles teve então um grupo de teólogos sentar com Melancthon para passar por cima deste documento e veja se resolve poderiam ser feitas. Resolve não foi cumprida porque fazê-lo seria dar-se o catolicismo que os teólogos romanistas aderido. Entre os teólogos de consultoria foram John Eck e Faber.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 9

A refutação da confissão estava começando pelos teólogos católicos, cada uma adicionando suas próprias refutações e seus próprios pensamentos de ódio contra o documento. A refutação foi "confuso, violento e sedento de sangue." Charles viu imediatamente a diferença entre os dois documentos - foi muito franco para ser negado. Charles teria vergonha de ter uma tal refutação ler na Dieta e ele disse que eles devem revisá-lo e torná-lo mais curto, com linguagem moderada.

Os romanistas teólogos e Charles sabia que não iria ganhar os protestantes com o documento. Em vez disso, eles decidiram realizar reuniões com os eleitores um a um, pensando que não seria capaz de manter-se forte em pé sozinho. Eles acusaram John de se aliar com a Suíça (dia Bucer e Capito tinha chegado antes da Confissão foi lido, mas os romanistas não sabia desses médicos célebres também estavam presentes). Isso não funciona, para a fé cristã era mais forte do que a pressão católica.

O documento de refutação foi revisto e submetido à dieta. Os protestantes viu suas esperanças de sucesso fade, eo engano de recepção do rei da Confissão tinham elaborado não era nada mais do que um exercício para ele. Os católicos colocados diante de suas objeções, e até mesmo o Papa, em Roma, estabelecidos em papel certas doutrinas que os protestantes se prestam atenção - eles pressionado tradição feita pelo homem que a Confissão rejeitada. Os protestantes viram este documento como uma manobra para definir as bases do romanismo novamente e temia que este seria o recurso. No dia 6 de agosto, um sábado à noite, os soldados foram levados para a cidade por comando de Charles, para guardar os portões e manter uma vigilância sobre o eleitor e os príncipes.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 10

Embora uma tempestade estava subindo sobre ele, Phillip de Hesse manteve-se firme contra o rei e seus estratagemas. Charles convocou-o para falar com ele e Phillip teve a oportunidade. Charles trouxe acusações contra ele, mas Phillip justificava a si mesmo em cada um, embora Charles não aceita o seu testemunho de sua fé como um protestante e ordenou-lhe que se submeter a ele. Charles estava "estupefacto" com a ousadia do landgrave. Phillip então desejado os protestantes para unificar e vir contra o rei por uma guerra civil, mas os protestantes se recusou. Phillip, de nenhuma utilidade para um ou outro lado, saia da cidade.

Charles chamou os eleitores e príncipes novamente para o salão para se encontrar. O orador foi novamente Joachim que se recusou, em nome dos príncipes e eleitores, a desistir de suas doutrinas. O imperador gritou paz só se comprometeria suas crenças. Como podiam descartar a confissão que tinham se esforçado para transmitir à dieta? Eles não iria se retratar de suas doutrinas evangélicas e deixou a violação abertos entre as duas partes.

Phillip pediu uma licença de ausência do imperador e ele deixou a cidade sem abordar qualquer um de seus amigos, mais agitados com eles por causa de sua incapacidade de pegar em armas. Charles teve a matéria conhecida para os protestantes, mas eles não sabiam que Phillip tinha partido e tudo isso foi feito sem o seu consentimento para ele sair. Com Phillip foi, no entanto, ambos os lados do conflito embainhou suas espadas e não quiseste disputas para sair no sangue. Ambos os lados desejada paz, embora os protestantes sempre tinha desejado isso.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 11

Teólogos romanistas novamente passou a Confissão e discordaram apenas com seis ou sete pontos fora de vinte e um anos. Isso era muito mais condescendente do que tinha sido anteriormente. Após nova deliberação, os pontos foram diminuiu para três. O primeiro foi de penitência, a segunda foi a invocação dos santos, ea terceira a justificação pela fé. Dr. Eck achei um absurdo acreditar é justificado pela fé, ou sola. Eck queria a palavra sola retirado do documento. Os protestantes se recusou. Os teólogos católicos eram apenas aquiescer na medida em que poderia equivocar-se o documento para o seu próprio Assemelhar.

Em seguida, eles traçaram os abusos mencionados na Confissão. A pergunta que eles ocuparam nesta parte da Confissão foi o governo da igreja. Os protestantes decidiu dar um pouco e permitir que os bispos e padres a residir desde que não perseguiram os pregadores do Evangelho. Eles ainda concordou que o Papa poderia permanecer Papa, desde que eles não estariam sob sua tirania. Eles confessaram-no como anticristo, mas como Faraó era sobre os judeus para que eles permaneceriam sob a sua autoridade, a este respeito, mas não doutrinariamente.

Estas, e outras concessões foram feitas entre protestantes e católicos, e quando a notícia de tudo isso chegou às ruas os protestantes estavam na rejeição do mesmo. Ele impugnada sobre a liberdade cristã e derrubou-o. Luther ouvido falar dele e desejar que ele seja dispensado de tais concessões. O Papa não se reconciliar com ele e ele não iria se reconciliar com o Papa. Melancthon mesmo tinha cegado a uma tomada de posição, e sua fraqueza foi demonstrando-se nessas concessões.

História da Reforma do século XVI: Livro 14, Capítulo 12

O eleitor John estava furioso com o resultado do tribunal e não podia fazer nada, mas sair da cidade. Os protestantes foram proibidos de imprimir qualquer coisa, desde os católicos tinham reivindicado para refutar a Confissão pelas Sagradas Escrituras e os protestantes não se curvar à sua refutação. A Recess foi escrito e distribuído a eles. Os eleitores e príncipes se reuniram cedo para ir ao longo deste documento e desejava estar diante de Charles novamente para protestar contra este documento. Charles, no entanto, deu-se todas as esperanças de reconciliação.

Charles reuniu-se com os príncipes após a sua reunião de manhã e Joachim novamente falou para eles. Eles rejeitaram o documento e não poderia concordar com isso. Charles ficou impressionado com sua firmeza e não esperava tal resolução. Os eleitores e príncipes se inclinou para fora diante do rei, e Charles pediu seu tio não esperava tal coisa poderia ser feito entre as famílias. Mas o tio saiu de cena bem sem resposta.

Na parte da tarde os eleitores e príncipes sair da cidade e se dirigiu para suas respectivas províncias. Charles V escreveu ao Papa e lhe informou que todas as negociações estavam fora e que a reconciliação não tivesse ocorrido. Os adversários de Roma eram mais firme do que nunca. A Reforma foi unificado em sua fé, apesar de alemães e suíços não estavam todos de acordo em todos os pontos da Ceia e da adoração do Senhor.

A dieta em Augsburg foi convocada com o propósito expresso de destruir a Reforma, e, no entanto, a providência de Deus teria-se que o mesmo iria fortalecê-la. Um dos mais úteis confissões reformadas surgiram a partir daí, vulgarmente conhecida como a Confissão de Augsburgo.

Postado por AVIVAMENTO NO SUL