Translate this Page

Rating: 2.9/5 (953 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


sotereologia ou doutrina da salvação
sotereologia ou doutrina da salvação

 

                        DOUTRINA DA SALVAÇÃO OU SOTEREOLOGIA

 

Nas versões inglesas da Bíblia as palavras "salvação" "salvar", não são termos teológicos técnicos, mas denotam simplesmente "libertação", em quase todo o sentido esta última palavra pode ter. Na teologia sistemática, no entanto, a "salvação" denota todo o processo pelo qual o homem é entregue de tudo o que o impediria de consecução para o bem maior que Deus preparou para ele. Ou, por um sentido transferidos, "salvação" denota o gozo efectivo do que bom. Assim, enquanto esses sentidos técnicos são frequentemente associados com as palavras gregas ou hebraica traduzida por "salvar", etc., mas eles ainda são mais frequentemente usado em conexão com outras palavras ou representado apenas pelo sentido geral de uma passagem. E assim uma coleção dos termos originais para "salvar", etc., só tem valor para o aluno fazer um trabalho detalhado minuto, enquanto não é o objetivo do presente artigo é apresentar um panorama geral da doutrina bíblica da salvação.

I. No Antigo Testamento

1. Geral:

(1) Desde que a revelação não tinha levantado o véu que separa esta vida do próximo, o pensamento israelita de seu maior bem da vida, desde a Palestina em um próspero, como descrito mais tipicamente em Deuteronômio 28: 1-14 . Mas uma idéia religiosa definida esteve presente também, para a "terra de leite e mel", mesmo sob a proteção angelical, era inútil sem acesso a Deus ( Êxodo 33: 1-4 ), para saber a quem dá felicidade ( Isaías 11: 9 ; Habacuque 2:14 ; Jeremias 31:34 ). Tal conceito é normal para a maior parte do Antigo Testamento, mas há várias ampliações significativas dela. Que Israel deve receber característica da justiça de Deus é uma parte do ideal ( Isaías 01:26 ; Isaías 4: 3 , Isaías 4: 4 ; Isaías 32: 1-8 ; Isaías 33:24 ; Jeremias 31:33 , Jeremias 31: 34 ; Ezequiel 36:25 , Ezequiel 36:26 ; Zec 8; Daniel 9:24 ; Salmo 51: 10-12 ). Bom foi encontrado na extensão de Israel é bom para as nações vizinhas ( Miquéias 4: 1-4 ; Isaías 2: 2-4 ; Isaías 45: 5 , Isaías 45: 6 ; Zacarias 02:11 ; Zacarias 08:22 , Zacarias 8 : 23 ; Is 60; Isaías 66: 19-21 ; Zacarias 14:16 , Zacarias 14:17 , etc.), mesmo com a extensão do culto sacrificial legítimo ao solo do Egito ( Isaías 19: 19-22 ). Palestina foi insuficiente para o gozo dos dons de Deus, e um novo céu e uma nova terra seriam recebidos ( Isaías 65:17 ; Isaías 66:22 ), e uma participação nos glórias não era para ser negado até aos mortos ( Isaías 26:19 ; Daniel 12: 2 ). E, entre as pessoas tão glorificado, Deus habita em pessoa ( Isaías 60:19 , Isaías 60:20 ; Zacarias 2: 10-12 ). (2) Salvação, então, significa libertação de tudo o que interfere com o gozo dessas bênçãos. Por isso, leva inúmeras formas - a libertação de pragas naturais, de dissensões internas, de inimigos externos, ou a partir da submissão de conquistadores (do exílio, em particular). Tanto quanto inimigos constituem o perigo ameaçador, a oração pela libertação é muitas vezes baseada em sua personagem do mal ( Salmo 101: 1-8 , etc.). Mas para o indivíduo todos esses males são resumidas na palavra "morte", que foi pensado para encerrar qualquer relação com Deus e toda a possibilidade de desfrutar de suas bênçãos ( Salmo 115: 17 ; Isaías 38:18 , etc.). E assim a "morte" se estabeleceu como a antinomia de "salvação", e, nesse sentido, a palavra tem persistido, embora a equação "perda da salvação = morte física" tem sido desde há muito transcendeu. Mas a morte e seu tratador males são trabalhados pela ira de Deus, e assim é a partir dessa ira que a salvação é procurado ( Josué 7:26 , etc.). E assim, naturalmente, a salvação é de tudo o que suscita a ira que, acima de tudo, do pecado ( Ezequiel 36:25 , Ezequiel 36:26 , etc.).

2. O individualismo:

(1) No início, a "unidade da salvação" era a nação (com menos destaque da família), ou seja, um homem embora justos poderia perder a salvação através dos defeitos dos outros. Um pai pode trazer uma maldição sobre seus filhos ( 2 Samuel 21: 1-14 ), um rei sobre seus súditos (2 Sam 24), ou um pecador desconhecido poderia trazer culpa em uma comunidade inteira ( Deuteronômio 21: 1-9 ). (Por outro lado, dez justos teria salvo Sodoma ( Gênesis 18:32 ).) E o princípio da responsabilidade pessoal foi apreendido, mas lentamente. Ele é enunciado em parte em Deuteronômio 24:16 (compare Jeremias 31:29 , Jeremias 31:30 ), definitivamente, em Ezequiel 14: 12-20 ; 18; 33: 1-20, e bastante consistente nos Salmos. Mas mesmo Ezequiel ainda declarou que cinco e vinte poderia contaminar toda a nação ( Ezequiel 08:16 ), e ele não tinha as instalações para a resolução do problema - que os desastres temporais não precisa significar a perda da salvação. (2) Mas, mesmo quando se percebeu que um homem perdeu a salvação através de sua própria culpa, o inverso não seguiu. A salvação veio, não por mera mérito do homem, mas porque o homem pertencia a uma nação peculiarmente escolhido por Deus. Deus fez um pacto com Israel e Sua salvação fidelidade segurado: a salvação vem de Deus por causa de Sua promessa ou (em outras palavras) por causa de seu nome. Na verdade, a grande falha do povo foi a confiar demasiado cegamente a esta promessa, uma atitude denunciou continuamente pelos profetas ao longo (de, digamos, Amós 3: 2 para Mateus 3: 9 ). E, no entanto, mesmo os profetas admitir uma verdade real na atitude, pois, apesar de os pecados de Israel, eventual salvação é certa. Ezequiel 20 estados este baldly: não houve nada de bom em Israel e não há nada de bom em sua própria no dia do profeta, mas, não obstante, Deus vai dar-lhe a restauração (compare Isaías 08:17 , Isaías 08:18 ; Jeremias 32: 6-15 , etc.).

3. A fé:

Assim, as condições humanas, a confiança de todo o coração em Deus é o mais importante. ( A crença em Deus é, naturalmente, nunca defendeu na Bíblia .) inconsistentes com essa confiança são, por exemplo, procurando ajuda de outras nações ( Isaías 30: 1-5 ), colocando a confiança em habilidade humana ( 2 Crônicas 16:12 ), ou abandonar a Palestina através do medo (Jer 42). Em Isaías 26:20 inteira passividade é exigida, e em 2 Reis 13:19 tibieza na execução de um comando, aparentemente sem sentido é repreendido.

4. A Lei Moral:

(1) A seguir em importância é a realização de um padrão moral, expressa normalmente em vários códigos da Lei. Mas o cumprimento da carta do mandamento não era de forma tudo o que era necessário. Por exemplo, a lei permitia a venda de um devedor à escravidão ( Deuteronômio 15:12 ), mas o uso imprudente do direito do credor é fortemente condenado ( Neemias 5: 1-13 ). Os profetas são nunca cansado de dar fórmulas curtas que excluam tal supralegalism e reduzir a conduta a uma motivação pura: "Odeio o mal, e amai o bem, e estabelecer a justiça na porta" ( Amós 5:15 ); "Para fazer justiça, e ames a benignidade, e andes humildemente com o teu Deus" ( Miquéias 6: 8 ). E o chefe ênfase na Lei como está escrito é encontrada nos livros posteriores, especialmente Sl 119 (compare Salmo 147: 20 ). (2) Alguns violações da lei não tinha perdão, mas foram visitadas com a morte de uma só vez, mesmo apesar de arrependimento e confissão (Josh 7). Mas para a maior parte é prometido que o arrependimento irá remover a culpa do pecado, se o pecado ser abandonado (Ez 18) ou, no caso de um pecado que não seria repetido, se contrição ser sentida (2 Sam 12). O sofrimento desempenhado um papel na salvação, trazendo o conhecimento do pecado para a consciência, sendo o exemplo mais importante do exílio ( Ezequiel 36:31 ). Mas quase sempre supõe-se que a possibilidade de manter a lei, é do próprio poder do homem, Deuteronômio 30: 11-14 afirmando isso explicitamente, enquanto os livros sapienciais equiparar a virtude com a aprendizagem. Consequentemente, um imenso avanço foi feito quando o homem sentiu a necessidade da ajuda de Deus para guardar a Lei, a necessidade de a inscrição das Leis do coração ( Jeremias 31: 31-34 ). Assim, uma perspectiva foi aberta para um futuro em que Deus faria a nação justa (ver referências em 1, acima).

5. Sacrifícios:

(1) A aceitação de arrependimento como expiar pecados passados ​​foi um ato de misericórdia de Deus. E assim a Sua misericórdia e instituiu outras adicionais meio de expiação, nomeadamente no sector dos sacrifícios. Mas a teologia do sacrifício é conspicuamente ausente de todo o Antigo Testamento, por Levítico 17:11 é muito incidental e obscuro demais para ser qualquer exceção. As interpretações das leis rituais cristãos (judeus muito atraso ou falta de) todos solidez da exegética fundação, apesar de sua prevalência de uma só vez. Nem é o estudo das origens de grande ajuda para o significado ligado aos ritos pelos judeus em históricos vezes. Idéias gerais de oferecer, de abnegação, de propiciação da ira, e de entrar em comunhão com Deus, com certeza existiu. Mas, nos estágios avançados da religião não há nenhuma evidência de que os sacrifícios foram pensados ​​para produzir seu efeito por causa de qualquer uma dessas coisas, mas unicamente porque Deus havia ordenado aos sacrifícios. (2) A maioria dos pecados necessário um sacrifício como parte do ato de arrependimento, ainda que em caso de lesão feito o vizinho, só depois de reparação tinha sido feito. Não é bem verdade que os pecados conscientes não há sacrifícios foram nomeados, no Levítico 5: 1 ; Levítico 6: 1-3 , os pecados estão incluídos que não poderia ser cometido por mera negligência. E assim as regras que Números 15:30 , Números 15:31 não deve ser interpretado muito rigor. (3) Os sacrifícios como meios de salvação são ensinados principalmente por Ezequiel, ao reconstrução do templo (Ageu, Zacarias) e da depressão que se seguiu (Malaquias), eles eram muito mais em primeiro plano, mas os profetas pré-exílio têm pouco a dizer sobre o seu valor positivo ( Jeremias 07:22 é a nadir). Na verdade, em tempos preexilic o perigo era a exaltação do sacrifício em detrimento da moralidade, especialmente com a oferta de paz, o que poderia ser transformado em um revel bêbado ( Amós 5: 21-24 ; Isaías 22:13 ; compare Provérbios 07:14 ). Tentativas foram feitas para "fortalecer" os sacrifícios ao Senhor pelo uso de ritos étnicos ( Oséias 4:14 ; Isaías 65: 1-5 ), mesmo com o extremo do sacrifício humano ( Jeremias 07:31 ; Ezequiel 20:26 ). Mas a insistência sobre a centralização estrita de adoração e crescente ênfase dada pelo pecado e pela culpa ofertas acabou com o pior dos abusos. E muitos dos Salmos, especialmente  Sl 118, dar bela prova da devoção que poderia ser nutrido pelos ritos de sacrifício.

6. Lei Ritual:

Dos outros meios de salvação a lei ritual (nem sempre claramente distintas da lei moral) granéis bastante grande na legislação, mas não é proeminente nos profetas. Requisito para a salvação era a abstenção de certos atos, artigos de alimentos, etc., como abstinência parecendo estar no fundo do termo "santidade". Mas uma violação ritual foi muitas vezes uma questão de dever moral (enterrar os mortos, etc.), e, por tais infracções, através de rituais de purificação são fornecidos e deixou cair o assunto. Evidentemente essas coisas colocar sim sobre a circunferência da religião, mesmo com Ezequiel, com seu zelo ansioso contra o mínimo profanação. O ponto mais alto ritual é tocada por Zacarias 14:20 , Zacarias 14:21 , onde todos de Jerusalém é tão santo que não uma panela a ser impróprios para uso no templo (compare Jeremias 31: 38-40 ). No entanto, mesmo com esta santidade perfeita, os sacrifícios ainda teria um lugar como um meio pelo qual a santidade pode ser aumentado. Na verdade, essa visão mais "positivo" de sacrifícios era, sem dúvida, presente desde o primeiro.

II. Literatura Intermediário.

1. Geral:

 

(1) A grande mudança, em comparação com o período anterior, é que a idéia de Deus se tornou mais transcendente. Mas isso não significa, necessariamente, um aumento no valor religioso, pois não havia uma tendência correspondente para tirar Deus da relação com o mundo por um processo de intelectualização. Isso, quando combinado com a persistência do antigo conceito de salvação em apenas nesta vida, resultou em um esvaziamento do instinto religioso e no indiferentismo. Esta tendência está bem representada em Eclesiastes, de forma mais intensa em Siraque, e nos tempos do Novo Testamento que dominou o pensamento dos saduceus. Por outro lado, a expansão da idéia de salvação para corresponder com a mais elevada concepção de Deus rompeu as limitações desta vida e criou a nova forma literária de apocalípticos, representada no Antigo Testamento, especialmente por Zacarias 9 a 14; Isaías 24 através 27, e acima de tudo por Daniel. E na literatura intermediário todos os tons de pensamento entre os dois extremos estão representados. Mas muita ênfase dificilmente pode ser colocado sobre o fato de que este ensino intermediário é, em muitos aspectos simplesmente fiéis ao Antigo Testamento. Quase tudo o que pode ser encontrado no Antigo Testamento - com a importante exceção da nota de alegria do Deuteronômio, etc. - pode ser encontrada aqui novamente. (2) Das concepções do bem maior o menor é o epicurismo do Eclesiástico. O mais alto é provavelmente a de 2 Esdras 7: 91-98 Versão Revisada: "Para contemplar o rosto daquele a quem em sua vida serviram" o último toque de materialismo que está sendo eliminada. De fato, o materialismo real é o grande ausente no período, mesmo Enoque 10: 17-19 ser menos exuberante do que as fantasias de tais escritores cristãos como Papias. Individualismo é geralmente tida como certa, mas que a opinião contrária não era de forma latente, mesmo em um período de atraso, é mostrado por Mateus 3: 9 . A idéia de um privilégio especial de Israel, no entanto, é claro permeia toda a literatura, sibilino Oráculos 5 e Jubilees sendo os livros mais exclusivos e o Testamento dos Doze Patriarcas, a mais ampla de coração. Em lugar de privilégio nacional, embora, por vezes é encontrado o recurso ainda menos edificante do partido privilégio (Sl Sol; Enoch 94-105), o caso mais ofensiva sendo a afirmação de Enoque 90: 6-9 que o (inativo) Israel ser salvo pelo esforço dos fariseus "little lamb", diante do qual se dobrará todo joelho no reino messiânico.

2. A Lei:

(1) As concepções das exigências morais para a salvação, por vezes, chegar a um nível muito alto, especialmente no Testamento dos Doze Patriarcas (fazendo todos os descontos em interpolações cristãs). "O espírito de amor opera conjuntamente com a lei de Deus em longo sofrimento para a salvação dos homens" (Test Gad. Mateus 4: 7 ) dificilmente é indigno de Paul, e até mesmo Jubilees pode dizer: "Que cada um ama a seu irmão em misericórdia e justiça, e que ninguém deseja o outro mal "(Jub 36: 8). Mas a grande tendência é a de ver a lei de Deus apenas como uma série de estatutos escritos, não exigindo, exceto aqueles adquirida com a interpretar rígida da carta. Em Lucas 10:29 : "Quem é o meu próximo?" é uma verdadeira questão - se ele não é o meu vizinho não preciso amá-lo! Então deveres não literalmente comandados foram resolvidos pela motivações utilitárias, como fora do domínio da religião, eo fenômeno doentio de obras de supererogation fez a sua aparição ( Lucas 17:10 ). O escritor de sabedoria pode se sentir presunçosamente a certeza de salvação, porque a idolatria havia sido absteve-se de (Wisd 15: 4; contraste polêmica de Paulo em Rom 2). E as discussões sobre "maiores mandamentos" causado personagem em sua relação com a religião para ser esquecido. (2) Como os mandamentos de Deus eram vistos como os estatutos da distinção entre a moral eo ritual foi perdido, e da lei ritual atingiu proporções enormes e familiares. A bela história de Judith é projetado principalmente para ensinar a abstinência de alimento impuro. E o caso mais extremo é em Jubilees 6: 34-38 - todos os problemas do Israel vêm de manter as festas pela lua real em vez de por uma lua correta (teórico) (!). (3) Quando a auto-complacência cessou e um forte sentido moral estava presente, o desespero faz a sua aparição com freqüência extraordinária. O período é o período de orações penitenciais, com uma corrente de dúvida sobre até que ponto a misericórdia pode ser esperado (Cântico dos Três crianças versículos 3-22; Pr Man; Baruch 3: 1-8 , etc.). "O lucro é a nós, se não ser nos prometeu uma vez imortal, ao passo que nós temos feito as obras que trazem a morte?" ( 2 Esdras 7: 119 a Versão Revisada (britânico e americano)). A grande maioria dos homens estão perdidos ( 2 Esdras 9:16 ) e deve ser esquecido ( 2 Esdras 8:55 ), e Ezra pode confiar em sua própria salvação somente por uma revelação especial (7:77 Versão Revisada (britânico e americano )). Então, evidentemente, a experiência pré-cristã de Paulo houve ocorrência única. (4) Importante para o fundo do Novo Testamento é a extrema falta de proeminência dos sacrifícios. Eles nunca são dadas uma interpretação teológica (exceto em Philo, onde eles deixam de ser sacrifícios). De fato, em Siraque 35 que sejam explicitamente dito ser devoções para que somente os justos, aparentemente premiadas apenas como uma herança do passado e "por causa do mandamento" ( Eclesiástico 35: 5 ; ainda comparar 38:11). Quando o templo foi destruído e os sacrifícios cessaram, o judaísmo continuou o seu caminho quase inalteradas, mostrando que os sacrifícios não significava nada essencial para as pessoas. E, mesmo em épocas anteriores, os essênios rejeitado sacrifícios por completo, sem perder assim o seu reconhecimento como judeus.

III. O ensinamento de Cristo.

1. O Batista:

Batista proclamou autoritariamente o próximo advento do Reino de Deus, precedida por um julgamento messiânico que traria fogo para os ímpios e do Espírito Santo para o justo. Ensinamento moral simples, mas incisiva e advertência contra confiando em privilégios nacionais, com o batismo como um sinal exterior de arrependimento, eram para preparar homens para enfrentar este julgamento de forma segura. Mas não temos dados para determinar o quanto mais longe (se houver), o Batista concebeu seu ensinamento para liderar.

2. Reino de Deus:

Foi no calor completo deste avivamento escatológica que Batista tinha ventilado, que Cristo começou a ensinar, e ele também começou com a frase escatológica, "O reino de Deus está próximo." Conseqüentemente, seu ensino deve ter sido tomada de uma só vez em um sentido escatológico, e é bastante inútil a tentativa de limitar essas implicações para passagens onde frases escatológicas modernas são utilizadas de forma inequívoca. "O reino de Deus está próximo" tinha a conotação inseparáveis ​​"O julgamento está à mão", e, neste contexto, "Arrependei-vos" ( Marcos 1:15 ) deve significar "para que não sejais julgados." Assim, o ensinamento de nosso Senhor sobre a salvação tinha sobretudo um conteúdo futuro: positivamente, a admissão para o reino de Deus, e negativamente, a libertação do julgamento anterior. Assim, o reino de Deus é o "bem maior" do ensinamento de Cristo, mas, com a sua habitual reserva, Ele tem pouco a dizer sobre a sua externos. A natureza do homem é para ser perfeitamente adaptada ao seu ambiente espiritual (vejaRESSURREIÇÃO), Eo homem é para estar com Cristo ( Lucas 22:30 ) e os patriarcas ( Mateus 08:11 ). Mas por outro lado - e, novamente, como de costume - as descrições atuais são usados ​​sem comentários, mesmo quando eles descansam em imagens bastante materialista ( Lucas 22:16 , Lucas 22:30 ). Seja qual for o reino é, no entanto, o seu significado é o mais certamente não se esgota por uma mera reforma da atual ordem das coisas materiais.

3. Presente e Futuro:

Mas o destino do homem em julgamento depende do que o homem é antes do julgamento, de modo que o problema prático é a salvação das condições que trarão julgamento; ou seja, presente e futura salvação são inseparavelmente ligados, e qualquer tentativa de fazer distinções rígidas entre os dois resultados em logomachies. Ocasionalmente, mesmo Cristo fala do reino de Deus como presente, no sentido de que os cidadãos do reino futuro já estão vivendo nesta terra ( Mateus 11:11 ; Lucas 17:21 (?), o significado do último versículo é muito duvidosa ). Tais homens são "salvos" já ( Lucas 19: 9 ; Lucas 07:50 ? ()), ou seja, esses homens foram entregues a partir da má condição moral que foi tão alargado que Satanás poderia ser dito para manter o domínio sobre o mundo ( Lucas 10 : 18 ; Lucas 11:21 ).

4. O individualismo:

Que o indivíduo era a unidade neste libertação não precisa de ênfase: Ainda assim, o privilégio divino dos judeus era uma realidade e trabalho normal de Cristo limitou-se a eles ( Mateus 10: 5 ; Mateus 15:26 , etc.). Ele admitiu ainda que a posição dos líderes religiosos judeus descansou em uma base real ( Mateus 23: 3 ). Mas as "boas novas" foram de molde que a sua extensão a todos os homens teria sido inevitável, mesmo não tinha havido uma ordem explícita de Cristo a este respeito. Por outro lado, enquanto a mensagem envolvido em cada caso rigorosa escolha individual, mas o indivíduo que aceite a sua entrada em relações sociais com os outros que tinham tão escolhidos. Então salvação envolvido admissão a uma comunidade de serviço ( Marcos 9:35 , etc.). E na última parte do ministério de Cristo, Ele retirou-se da maior parte dos seus discípulos para dedicar-se à formação de um círculo interno dos Doze, um ato explicável apenas na suposição de que estes seriam os líderes dos outros depois que ele foi tirado. Essas passagens como Mateus 16:18 ; Mateus 18:17 apenas corroboram essa.

5. Moral Progresso:

Das condições para o indivíduo, o primário (crença em Deus a ser dado como certo) era um ideal moral correta. Exclusão da salvação veio da casuística farisaica que tinha inventado limites para a justiça. Êxodo 20:13 nunca tinha contemplado permitindo pensamentos de raiva se o assassinato real foi evitada, e assim por diante. Em contraste está definida a idéia do caráter, do único olho ( Mateus 06:22 ), de coração puro ( Mateus 5: 8 ). Só assim pode a casa espiritual ser construída sobre uma base de rocha. Mas o mero ideal não é suficiente; esforço persistente em direção a ela e uma certa quantidade de progresso são exigidos imperativamente. Somente aqueles que aprenderam a perdoar pode pedir perdão ( Mateus 6:12 ; Mateus 18:35 ). Eles que omitir obras naturais de misericórdia não têm parte no reino ( Mt 25: 31-46 ), pois até mesmo palavras ociosas serão tomados em conta ( Mateus 12:36 ), e o bem mais precioso que interfere com o progresso moral é ser sacrificados sem piedade ( Mateus 18: 8 , Mateus 18: 9 , etc.). Homens são conhecidos pelos seus frutos ( Mateus 07:20 ); é aquele que faz a vontade do Pai, que deve entrar no reino ( Mateus 7:21 ), e o ideal final - que é também o objetivo - está se tornando um dos filhos do Pai que está nos semelhança moral ( Mateus 5:45 ) . Que este progresso é devido à ajuda de Deus é tão intimamente uma parte do ensinamento de Cristo em toda a dependência da alma em Deus que ele recebe pouca menção explícita, mas Cristo refere-se ainda a sua própria milagres com o poder do Pai ( Lucas 11:20 ).

6. Perdão:

Esforço Moral, através da ajuda de Deus, é uma condição indispensável para a salvação. Mas o sucesso completo na luta moral não é de todo um estado, no sentido de que a perfeição moral é necessária. Para os discípulos de Cristo, a quem o reino é prometido ( Lucas 12:32 ), o homem paralítico que recebe a remissão dos pecados ( Marcos 2: 5 ), Zaqueu, que se diz ter recebido a salvação ( Lucas 19: 9 ), estavam longe de ser sendo modelos de impecabilidade. O elemento no caráter que Cristo ensina como compensando a falta de perfeição moral está se tornando "como uma criança" (compare Marcos 10:15 ). Agora, a questão aqui não é credulidade (para a crença não está em discussão), nem é mansidão (para crianças são notoriamente não manso). E certamente não é a pura passividade do recém-nascido, pois é gratuita para supor que apenas essas crianças foram feitos mesmo em Lucas 18:15 , enquanto que em Mateus 18: 2 (em que a criança vem em resposta a uma chamada ) esta interpretação é excluída. Agora, no ensinamento de Cristo mais amplo o significado é claro o suficiente. A salvação é para os pobres em espírito, porque os que têm fome e sede de justiça, porque o filho pródigo sabendo que sua miséria. É para o publicano penitente, enquanto o fariseu auto-satisfação é rejeitada. Um senso de necessidade e um desejo que Deus lhe dê são as características. Uma criança não argumentam que ele ganhou os benefícios do seu pai, mas olha para ele em um sentimento de dependência, com uma prontidão para fazer o seu lance. Por isso, é a alma que deseja toda a justiça, esforça-se em direção a ele, sabe que ele fica aquém, e confia em seu pai para o resto, que é a alma savable.

7. Pessoa de Cristo:

Cristo fala do perdão do publicano ( Lucas 18: 9 e ss) e do filho pródigo bem recebido pelo Pai ( Lucas 15:20 ), ambos sem intermediário. E talvez não seja necessário assumir que todos os que encontrar pela porta estreita ( Mateus 7:14 ) foram explicitamente entre os discípulos de Cristo. Mas será que Cristo admitiram que qualquer um que tinha chegado a conhecê-Lo e se recusou a obedecer-Lhe teriam sido salvas? Para fazer esta pergunta é para respondê-la no negativo ( Mark 09:40 é irrelevante). Real conhecimento do Pai só é possível através do conhecimento exclusivo do Filho ( Lucas 10:21 , Lucas 10:22 ), e falta de fé no Filho perde todas as bênçãos ( Marcos 6: 5 , Mark 6: 6 ; Marcos 9 : 23 ). Fé Nele traz perdão instantânea dos pecados ( Marcos 2: 5 ), e do amor dirigido a Ele é um sinal indiscutível de que o perdão tem ocorrido ( Lucas 07:47 ). Mas Cristo pensou em si mesmo como o Messias e, se o termo "Messias" não é para ser esvaziada do seu significado, isso fez dele juiz do mundo (versos como Marcos 8:38 quase não são necessários para a prova directa). E, uma vez que para a consciência de Cristo uma judgeship terrena é impensável, um cargo de juiz transcendental é a única alternativa, corroborada pelo uso do título Filho do Homem. Mas passagem de simples humanidade para a glória transcendental do Messias Filho-de-Man envolveu uma mudança dificilmente exprimível exceto por morte e ressurreição. E a expectativa de morte estava na mente de Cristo a partir da primeira, como é visto por Marcos 2:18 , Marcos 2:19 (mesmo sem Mark 02:20 ). Que ele poderia ter visto Sua morte como vazio de significado para a salvação humana é simplesmente inconcebível, e a atribuição de Marcos 10:45 a Pauline influência é em desafio dos fatos. Também não é credível que Cristo concebeu que no intervalo entre sua morte e sua Parusia Ele estaria fora de relação com o Seu próprio. Para ele, o mundo invisível estava na relação mais próxima com o mundo visível, e sua passagem para a glória iria fortalecer, e não enfraquecer, o Seu poder. Portanto, há uma justificação completa de Marcos 14: 22-25 : a Cristo Sua morte teve um significado que só poderia ser acompanhada pela morte da vítima Pacto em Êxodo 24: 6-8 , pois por ela uma relação inteiramente nova foi estabelecida entre Deus eo homem.

8. Nota:

(1) A salvação da física mal era uma parte muito real, no entanto subordinar, do ensinamento de Cristo ( Marcos 1:34 , etc.). (2) práticas ascéticas como um elemento necessário para a salvação, não pode julgar a autoridade de Cristo. Ele é muitas vezes esquecido que os Doze não eram apenas os discípulos de Cristo. Certamente nem todos os cento e vinte dos Atos 1:15 (compare Atos 01:21 ), nem dos quinhentos de 1 Coríntios 15: 6 , foram convertidos após a Paixão. E todos eles certamente não poderia ter deixado suas casas para viajar com Cristo. Assim, as exigências feitas no caso especial dos Doze (e muito menos em um caso tão extremamente especial como Marcos 10:21 ) não representam uma prática normal de Cristo, qualquer que seja a prontidão para a auto-sacrifício pode ter sido solicitado de todos. Assim, as representações de Cristo como impiedosamente exigentes tudo de todo mundo são bastante injustificado pelos fatos. E é bom lembrar que se trata de Mateus 11:19 que contém o termo de reprovação que seus adversários lhe deu.

IV. Paulo.

Em vez de colocar estresse primal em contribuições peculiares de Paulo a soteriologia, será preferível começar a partir de tais passagens como Pauline simplesmente continuar o ensino explícito de Cristo. Pois é, em grande parte devido à reversão comum deste método que o presente aguda "Jesus-Paulus" existe controvérsia.

1. Geral:

Que Paulo espera que o próximo advento do Reino de Deus com um julgamento anterior, e que a salvação significava para ele, principalmente libertação do presente acórdão, não precisa ser discutido. E, consequentemente, a ênfase é jogado às vezes sobre o futuro libertação e, por vezes, nas atuais condições para a libertação (contraste Romanos 5: 9 e Romanos 8:24 ), mas a prática problema é o último. Mais explicitamente do que na do registrado ensinando a natureza e as bênçãos do reino são descritos Cristo , Mas a questão é, sem adicional especial importância religiosa. Um certo privilégio dos judeus aparece ( Romanos 3: 1-8 ; 9-11), mas o conteúdo prático do privilégio parece ser apenas escatológico ( Romanos 11:26 ). Conversão individual é, naturalmente, um dado adquirido, mas a vida depois que se torna altamente corporativa.

2. Moral Progresso:

(1) O ideal moral é claramente a de caráter. Paul, de fato, é frequentemente obrigada a dar orientações quanto aos detalhes, mas as instruções detalhadas são chamados constantemente para o princípio subjacente, Romanos 14 ou 1 Coríntios 8: 1-13 serem excelentes exemplos disso, ao passo que "o amor é o cumprimento da lei "( Romanos 13:10 ) é o resumo. (2) esforço moral persistente é indispensável, e da nova vida absolutamente deve dar fruto para Deus ( Romanos 6: 4 ; Romanos 13:12 ; Gálatas 5:24 ; Colossenses 3: 5 ; Efésios 2: 3 ; Efésios 4:17 , Efésios 4: 22-32 ; Tito 2: 11-14 ). Só por boa conduta pode um por favor Deus ( 1 Tessalonicenses 4: 1 ), e as obras de até mesmo os cristãos devem ser submetidos a um teste de pesquisa ( 1 Coríntios 03:13 ; 1 Coríntios 4: 5 ; 2 Coríntios 5:10 ), em As decisões não a ser enfrentado sem o esforço mais sério ( 1 Coríntios 10:12 ; Filipenses 2:12 ), nem mesmo pelo próprio Paulo ( 1 Coríntios 9:27 ; Filipenses 3: 12-14 ). E a possibilidade de condenação por causa da falta de realização moral não deve ser autorizado a deixar a mente ( 1 Coríntios 03:17 ; Gálatas 5:21 ; comparar Romanos 8:12 , Romanos 8:13 ; Romanos 11:20 ; 1 Coríntios 10:12 ; Gálatas 6: 7-9 ). Por conseguinte, o crescimento em real justiça é tão vital na soteriologia de Paulo, pois é nesse ensinamento de Cristo: os cristãos têm "despojar-se do velho homem com os seus feitos" ( Colossenses 3: 9 ).

3. O Espírito:

Que esse crescimento é a obra de Deus é, no entanto, um ponto em que Paul se expandiu suposição tranquila de Cristo em vez elaborada. Em particular, o que Cristo tinha feito a fonte de seu próprio poder sobrenatural - o Espírito Santo - é especificado como a fonte do poder da vida cotidiana dos cristãos, bem como das dotações mais especiais . No Espírito, o cristão recebeu a bênção prometida a Abraão ( Gálatas 3:14 ); por que as obras do corpo pode ser condenado à morte e todas as virtudes fluir para a alma ( Gálatas 5: 16-26 ), se um homem caminha de acordo com ele ( 1 Coríntios 6:19 , 1 Coríntios 06:20 ; 1 Tessalonicenses 4: 8 ). A passagem palmar é Romanos 7 a 8. Em Romanos 7 Paulo olha para trás com um tremor em seu desamparo pré-cristã (que é, naturalmente, o extremo de exegético perversidade para argumentar que ele não temia o pecado em si, mas apenas o castigo de Deus sobre o pecado). Mas o Espírito dá força para morrer as obras do corpo ( Romanos 8:13 ), a ignorar as coisas da carne ( Romanos 8: 5 ), e para cumprir o decreto da Lei ( Romanos 8: 4 ). Tal poder moral é o teste do Cristianismo: como os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus ( Romanos 8:14 ).

 

4. Mistica União:

Esta doutrina do Espírito é simplesmente que o que Cristo fez na terra seriam exercidas com maior intensidade após a Paixão. Que este trabalho poderia ser pensado fora da relação com Cristo, ou que o próprio Cristo poderia ter tão pensado nisso (ver acima, III, 7) é incrível. Assim, o Cristo exaltado aparece como a fonte do poder moral e espiritual (Paulo fala ainda mais da ressurreição de Cristo, do que da Paixão), as duas fontes (Cristo eo Espírito) sendo muito perto combinados em 2 Coríntios 03:17 ; Romanos 8: 9 ; Gálatas 4: 6 . Nosso velho homem foi crucificado, assim, colocar um fim à escravidão do pecado, e nós podemos evitar o pecado reine em nossos corpos mortais, para o nosso sepultamento na morte de Cristo era para nos permitir andar em novidade de vida ( Romanos 6: 2 -14 ). A ressurreição é uma fonte de energia, e com a força de Cristo todas as coisas podem ser feitas ( Filipenses 4:13 , Filipenses 4:10 ). Cristo é o centro real da personalidade do crente ( Gálatas 2:20 ); o homem tornou-se uma nova criatura ( 2 Coríntios 5:17 ; comparar Colossenses 2:20 ; Colossenses 3: 3 ); juntou-se a outro para que possamos dar fruto para Deus ( Romanos 7: 4 ). E pelo contato com a glória do Senhor, somos transformados na mesma imagem ( 2 Coríntios 3:18 ), a fim de ser conformação à imagem do Filho ( Romanos 8:30 ).

5. Perdão:

(1) Este crescimento na santidade real, então, é fundamental com Paulo: "Se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele" ( Romanos 8: 9 ). E a aquisição da força através da união com Cristo é vitalmente com a remissão dos pecados. Em Romanos 7: 1-6 (compare Colossenses 2:11 , Colossenses 2:12 ), a união mística com Cristo torna Seus nossa morte (compare Colossenses 3: 3 ) e por isso nos afasta da Lei (compare Romanos 10: 4 ; 1 Coríntios 15:56 ), que não tem relação com os mortos. E pelo poder dessa união que dá vida a força do pecado é quebrado ( Romanos 6: 6 ). (2) A condição do homem que possibilita o perdão Paulo chama de "fé" - um termo muito complicado. Seu uso principal, no entanto, está em oposição a "obras" (mais claramente em Rom 9:30 através 10:13). "Busca de justiça" dos judeus - a tentativa de arrancar a salvação de Deus como salários ganhos - era vaidoso ( Romanos 10:13 ), e em contraste é o apelo a Deus, o abandono consciente de tudo reivindicação ( Romanos 4: 5 ) . A alma olha com confiança para a salvação de seu Pai, precisamente a atitude dos "filhos" na doutrina de Cristo. Mas não mais do que no ensino de Cristo é a fé a virtude puramente passivo, pois o homem deve ser "obediente" a ele ( Romanos 1: 5 ; Romanos 10:16 ; 1 Tessalonicenses 2:13 ). E para a necessidade da presença do amor na fé comparar 1 Coríntios 13: 2 ; Gálatas 5: 6 ; Efésios 3:17 .

6. Expiação:

Por causa da fé - especificamente, a fé em Cristo (exceto Romanos 4 ; Gálatas 3: 6 )- Gnão od não visitar as penas da pecados na crentes, mas trata-los como se fossem justos ( Romanos 5: 1 , etc.). Mas isso não é por causa de uma qualidade no crente ou na fé, mas por causa de um ato que precedeu o ato de fé cristã, a morte de Cristo (e não a cruz, especificamente, para Paulo não argumenta a partir do cruzamento de todos de Roman). Através desta morte misericórdia de Deus pode ser estendido com segurança, enquanto antes disso o exercício dessa misericórdia provou desastrosa ( Romanos 3:25 , Romanos 3:26 ). E essa morte foi um sacrifício ( Romanos 3:25 , etc.). E é certo que Paul concebeu este sacrifício como existente de forma totalmente independente de seu efeito sobre qualquer ser humano. Mas ele nos deu nenhum dado sobre a doutrina do sacrifício realmente completa, uma declaração suficientemente provado pela variância desesperada das interpretações que foram propostas. E que Paulo jamais construído uma teoria da operação de sacrifícios deve ser posta em dúvida. Não há ninguém na literatura judaica contemporânea, não há ninguém no Antigo Testamento, e não há nenhum no resto do Novo Testamento, nem mesmo em Hebreus. Aparentemente, os ritos eram tão familiares que terminologia sacrificial estava pronto para entregar e foi usado sem especial reflexão e sem tentar dar-lhe conteúdo teológico preciso. Isto é comprovado pela facilidade com que em Romanos 3:24 , Romanos 3:25 Paul passa de uma ilustração do resgate (resgate) para um (muito discordante) ilustração propitation. Para uma discussão mais aprofundada . Aqui é suficiente fazer uma teoria jurídica construída a partir de implicações paulinos e ilustrações centrais no cristianismo é fazer exatamente o que Paulo não fez.

7. Resumo:

Resumindo, há uma dupla linha de pensamento em Paul: a remissão das penas através da morte expiatória de Cristo e da destruição do poder do pecado através da força que flui de Cristo, o elemento humano em ambos os casos ser fé. A questão da ordem dos passos é fútil, para "ter fé", "estar em Cristo" e "ter o Espírito" são termos conversíveis, ou seja, em uma linguagem doutrinal, os primórdios da santificação são simultâneos com justificação. As tentativas de unificar as duas linhas de pensamento em uma única teoria não pode reivindicar apoio puramente bíblica. A teoria da "ética", que em sua melhor forma faz com que o perdão de Deus dependem do fato de que o pecador será santificado (pelo menos no outro mundo), apresenta o menor número de elementos estranhos, mas ele diz algo que Paulo não diz. Por outro lado, pode-se sentir que, considerando Paul como um todo - para não falar do resto do Novo Testamento - a doutrina pura justificação tem bulked um pouco grande demais em nossas dogmática. O perdão de Deus para o pecado é uma questão extremamente importante, mas ainda mais importante é a nova força da santidade.

8. Nota:

(1) O batismo apresenta outro obstáculo para a unificação rigorosa da teologia paulina. A sacramentarismo muito mais forte é admitido em Paul hoje do que teria sido aceito uma geração atrás, e passagens como Romanos 6: 1-7 ; Gálatas 3:27 ; Colossenses 2:12 torná-lo certo de que ele considerava o batismo como conferindo muito real poderes espirituais. Mas que ele fez uma distinção mecânica entre as bênçãos dadas em seguida e os indicados em algum outro momento deve ser posta em dúvida. (2) Salvação da carne ( Romanos 7:24 ) não envolve nenhum dualismo metafísico, como "carne" é o todo da natureza inferior do que o poder de santidade salva um homem ( Romanos 8:13 ). Na verdade, o próprio corpo é um objeto de salvação ( Romanos 8:11 ; e veja RESSURREIÇÃO). (3) Quite no fundo encontra-se a idéia de salvação do mal físico ( 2 Coríntios 1:10 , etc.). Esses males são males reais ( 1 Coríntios 11:30 ), mas nas mãos de Deus eles podem se tornar bênçãos puros ( Romanos 5: 3 ; 2 Coríntios 12: 7 ). (4) A salvação do pecado , após a conversão é devida a Deus de julgar o homem em termos da natureza sobrenatural adquirida ( Romanos 8:14 , etc.). No entanto, certos pecados pode destruir a união com Cristo completamente ( 1 Coríntios 3:17 , etc.), enquanto outros trazem julgamento castigo de Deus ( 1 Coríntios 11: 30-32 ). Ou castigo adequado pode ser infligida pelo próprio Paulo ( 1 Coríntios 5: 1-5 ; 1 Timóteo 1:20 ), ou pela congregação ( Gálatas 6: 1 ; 2 Tessalonicenses 3: 10-15 ; 2 Coríntios 2: 6 ).

V. Mais notas Novo Testamento: Resumo.

1. John:

(1) John tinha a tarefa de apresentar Cristo aos gentios, que eram tão familiarizado com o significado técnico de frases como "reino de Deus" ou "Filho do Homem" como é o mundo hoje, e aos gentios que tinham em vez de uma série de conceitos desconhecidos na Palestina. Assim, uma "tradução de valores espirituais" tornou-se necessária se o evangelho fosse fazer um apelo imediato, uma tradução realizada com tanto sucesso que o Quarto Evangelho tem sido sempre o mais popular. Os Synoptists, especialmente o Mark extremamente literal, imperativamente exigem um comentário histórico, enquanto que John tem evitado com sucesso esta necessidade. (2) O "reino de Deus", como uma frase ( João 3: 3 , João 3: 5 ; compare João 18:36 ). "vida eterna", é substituída por Esta vida é dada neste mundo para aquele que aceita o ensinamento de Cristo ( João 5:24 ; João 6:47 ), mas a sua plena realização estará nas "muitas moradas" da casa do Pai ( João 14: 2 ), onde o crente vai estar com Cristo ( João 17:24 ). Um julgamento de todos os homens vão preceder o estabelecimento deste estado glorificado ( João 5:28 , João 5:29 ), mas o crente pode enfrentar o julgamento com serenidade ( João 5:24 ). Então o crente é entregue a partir de um estado de coisas tão ruins como expresso como um mundo sob o domínio de Satanás ( João 12:31 ; João 14:30 ; João 16:11 ), um mundo em trevas ( João 3:19 ), na ignorância de Deus ( João 17:25 ), e em pecado ( João 8:21 ), todos exprimível em uma palavra "morte" ( João 5:24 ). (3) Os judeus tinham privilégio real na recepção da mensagem de Cristo ( João 1:11 ; João 4:22 , etc.), mas a extensão das boas notícias para todos os homens era inevitável ( João 0:23 , João 12: 12 , etc). A crença em Cristo é totalmente um assunto pessoal, mas os crentes entrar em uma comunidade de serviço ( João 13:14 ), com a unidade do Pai e do Filho como seu ideal ( João 17:21 ). (4) A natureza do ideal moral, reduzido a uma única palavra "amor" ( João 13:34 ; João 15:12 ), assume-se como conhecido e identificado com "as palavras de Cristo" ( João 5:24 ; João 6: 63 , etc.), bem como a necessidade de progresso em direção a ela como pontiagudo como nos sinóticos. O pecador é escravo do pecado ( João 8:34 ), uma mudança total de personagem é necessário ( João 3: 6 ), e a bênção é apenas sobre ele que faz os mandamentos de Cristo ( João 13:17 ). Este "fazer" é a prova de amor para com Cristo ( João 14:15 , João 14:21 ); apenas por dar frutos e mais fruta pode discipulado ser mantida ( João 15: 1-6 ; compare João 14:24 ), e, de fato, ao levar os homens de frutas realmente tornar-se discípulos de Cristo ( João 15: 8 , Gr). O conhecimento de Cristo e de Deus que é a vida eterna ( João 17: 3 ) vem somente através do esforço moral ( João 7:17 ). Em João os contrastes são coloridos de forma tão vívida que quase parece como se a perfeição foram exigidos. Mas ele não apresenta mesmo os apóstolos como modelos de santidade ( João 13:38 ; João 16:32 ), e auto-justiça é condenado sem compromisso; o pecado coroação seja, "Nós vemos" ( João 9:41 ). Ele é o Filho que liberta do pecado ( João 8:36 ), entrega das trevas ( João 8:12 ; João 12:46 ), e dá a vida eterna ( João 11:25 , João 11:26 ; compare João 3:16 ; João 5:24 ;

 

FONTE Enciclopédia Internacional Standard Bible 1870

VEJA MAIS WWW.PENTECOSTALTEOLOGIA.BLOGSPOT.COM