Translate this Page

Rating: 3.0/5 (946 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


historia dos Judeus (periodo antigo parte 2)
historia dos Judeus (periodo antigo parte 2)

                                                 

                                   HISTORIA DOS JUDEUS PARTE N.2

                                     Comércio e do Comércio.

Babilônia foi sempre um país fértil, produzindo produtos de todo tipo. Ambos os escritores judeus e não-judeus descrevem sua riqueza de tamareiras (Pes 87. b et seq. cedros são disse ter sido levado para lá da Palestina) (R. Lam. 1: 4 ). O gafanhoto (inseto), também disse ter sido importado de lá (Yer. Ta 'um. 4:69 b ). De azeite, no entanto, estava faltando o seu lugar a ser fornecida por-óleo de gergelim (Shab. 26 a ). Toalhas foi amplamente fabricado (Ta 'um. 29 b ) e houve um material roxo babilônico especial (Gen. R. 85:14 Tan., Mishpat im. 17), bem conhecido no comércio sob o nome de "Babylonicum." Estes tecidos (Pandects 34: 2,25) foram trazidos pelos judeus para Alexandria (Isaac Voss sobre Catulo, p 196.). Os judeus evidentemente contribuiu para comércio exterior da Babilônia, que nos primeiros dias foi centrada em Seleucia e Ctesiphon. Em dias mais tarde, quando Bagdad ganhou destaque, os mercados já havia sido realizada lá (Streck, lc 52 p.) - é claro, com a ajuda de judeus (Kohut, 06:10 "Aruch.") - e houve uma especial bairro judeu lá, com uma "Ponte dos judeus" (Yak ut, 4: 1045,11- ver Bagdad). A-dia do comércio ainda está principalmente nas mãos dos judeus nessas localidades, como, por exemplo, em Bassora (Ritter, "Erdkunde," 10: 180). Sua indústria fez os judeus ricos, especialmente em mAh uza (Gutschmid, "Kleine Schriften", 5: 677). Não existem leis na Babilônia em restrição do comércio (GIT. 58 b ), mas, como eram dedicados ao comércio, os judeus não me esquivei de tais ocupações humildes como a do canal-dragagem, de fato, o Talmud babilônico menciona todos os tipos de trabalhos manuais como tendo sido seguido por judeus, e até mesmo por estudiosos ilustres entre eles. Sua relação com a agricultura não é tão clara, embora seja quase certo que não eram agricultores entre eles. O Talmud menciona o fato interessante que os judeus da Palestina deu um terço de sua oferta anual ("terumah") "para Babilônia, Media, as províncias distantes, e todo o Israel" (Yer. Shek. 3:47 c ). Não havia nenhuma pedra na Babilônia (Midr. Teh. 24:10) tijolos foram, por isso, utilizado para a construção, e os judeus foram empregados na sua fabricação.

Os judeus são relatadas como tendo erguido sinagogas bonito e faculdades Os Pilares da faculdade em Pumbedita sendo particularmente elogiado ('Er. 22 b ). O conhecimento da Babilônia vestido mais elegante e foram mais orgulhoso no comportamento do que os da Palestina (Shab. 145 b ). O clima era saudável, por isso que foi dito que não havia lepra na Babilônia (Ket 77. b ). -História: Os primeiros relatos dos judeus exilados na Babilônia estão equipados apenas com os detalhes escassos da Bíblia certo não muito confiável fontes procuram suprir esta deficiência dos reinos da lenda e tradição. Assim, o chamado "Small Chronicle" (Seder 'Olam zut T a) se esforça para preservar a continuidade histórica, fornecendo uma genealogia dos Príncipes do Exílio ("Reshe Galuta") de volta ao rei Jeconias, de fato, o próprio Jeconias é feita uma Prince of the Exile (Neubauer, "medievais judeu Chronicles,." 1: 196). O "Small Chronicle 's" declaração, que Zorobabel retornou à Palestina na época dos gregos, não pode, evidentemente, ser considerada histórica. Só isso muito pode ser considerado como certo viz., Que os descendentes da casa de Davi ocupou uma posição exaltada entre seus irmãos na Babilônia, como, naquele período, na Palestina o mesmo. No período da revolta dos Macabeus, esses descendentes palestinos da casa real tinha emigrado para a Babilônia, para o qual um aviso obscura por Makrizi (em De Sacy, "Chrestomathie Arabe", 1: 100) refere-se provavelmente (Herzfeld, "Gesch . des Volkes Yisrael, "2: 396).

Período grego.

Foi somente com a campanha de Alexandre que informações precisas a respeito dos judeus no Oriente atingiu o mundo ocidental. O exército de Alexander continha numerosos judeus que se recusou, de escrúpulos religiosos, para participar na reconstrução do templo Belus destruído em Babilônia (Josephus, "Contra Ap." 1:22). A adesão de Seleuco Nicator, 312BC, A cujo extenso império Babilônia pertencia, foi aceito pelos judeus e sírios durante muitos séculos como o início de uma nova era para o tempo de acerto de contas, chamado de "AROT SHET minian," æ ra contractuum, ou era de contratos (ver 'Ab. Zarah 10 um , e Rapoport, "'Erek Millin", 73 p.), que era também foi adotada oficialmente pelos partos. Esta chamada era "Greek" sobreviveu no Orient muito depois de ter sido abolida no Ocidente (ver do Sherira "Carta", ed. Neubauer, p. 28). A fundação de Nicator de uma cidade,Seleucia, Sobre o Tigre é mencionado pelos rabinos (Midr Teh. 9: 8.), Enquanto tanto o "Large" e "Small Chronicle" conter referências a ele. A vitória importante, que os judeus são disse ter adquirida ao longo dos Gálatas na Babilônia ( 2Maccabees 08:20 ) deve ter acontecido sob Seleuco Callinicus ou sob Antíoco III. O último nominado resolvido um grande número de judeus da Babilônia como colonos em seus domínios ocidentais, com a visão de verificar certas tendências revolucionárias que perturbam essas terras (Josephus, 12 "Ant.": 3, § 4). Mitrídates (174-136) subjugados, por volta do ano 160, a província de Babilônia, e assim os judeus, durante quatro séculos vieram sob o domínio parta.

Período parta.

fontes judaicas contêm qualquer menção de influência parta o próprio nome "parta" não ocorrer, a menos que de fato "parta" se entende por "persa", que ocorre de vez em quando. Os Sanatroces príncipe armênio, da casa real dos Arsacides, é mencionado no "Small Chronicle" como um dos sucessores ( diadochoi ) de Alexander. Entre outros príncipes asiáticos, o rescrito romano em favor dos judeus chegou Arsaces bem ( 1Maccabees 15:22 ) não é, no entanto, especificou de que Arsaces. Não muito tempo depois, o país Partho-babilônica foi pisado pelo exército de um príncipe judeu o rei sírio, Antíoco Sidetes, marcharam, em companhia de Hircano I., contra os partos e quando os exércitos aliados derrotaram os partos (129BC) No rio Zab (Lico), o rei ordenou a suspensão de dois dias, em razão de o sábado judeu e Festa das Semanas (Josephus, 13 "Ant.": 8, § 4). Em 40BCo boneco-rei judeu, Hircano II., caiu nas mãos dos partos, que, de acordo com seu costume, cortou-lhe os ouvidos, a fim de torná-lo impróprio para governar. Os judeus de Babilônia, ao que parece, tinha a intenção de fundar uma alta sacerdócio para a Hircano exilado, o que eles teriam feito bastante independente da Palestina (Josephus, "Ant." 14:13, § 9 ib. "BJ" 1 : 13, § 6). Mas o inverso estava para vir sobre: ​​os palestinos receberam um babilônico, Ananel pelo nome, como seu sumo sacerdote (15 "Ant.": 2, § 4), o que indica a importância de que gozam os judeus da Babilônia.

Em matéria religiosa babilônios, como, aliás, toda a diáspora, foram, em muitos aspectos dependente Palestina. Eles foram em peregrinação a Jerusalém para as festas, e um deles, cujo nome completo é dado em Mekilta em Deut. (Xiv:. 23, ed Hoffmann), trouxe primícias da sua terra a Jerusalém (h 04:11 al.), Mas neste caso não foi autorizado a constituir um precedente. Se Sherira, embora fortemente tendenciosa em favor de sua própria casa, reconhece que, quando o Sinédrio e as faculdades estavam florescendo na Palestina, nem existia na Babilônia fato que parece justificar a inferência de que os judeus da Babilônia deve ter enviado para a Palestina para o ensino religioso , como, por exemplo, no caso de Hilel. De acordo com o "Small Chronicle", no entanto, os exilarchs neste período já tinha sua corte-escolares. Como livre uma mão os partos permitiu que os judeus é talvez melhor ilustrada pelo aumento do pequeno ladrão-Estado judeu na Nehardea (vejaAnilai e Asinai). Ainda mais notável é a conversão do rei de Adiabene ao judaísmo (verAdiabene). Estes casos mostram não só a tolerância, mas a fraqueza dos reis partas. Os judeus babilônicos queria lutar em uma causa comum com seus irmãos palestinos contra Vespasiano, mas não foi até que os romanos guerra travada sob Trajano contra Partia que eles fizeram o seu ódio sentidos (Eusébio, 4 "Hist Eccl.".: 2) para que ele foi, em grande medida devido à revolta dos judeus babilônicos que os romanos não se tornaram mestres da Babilônia também. Philo ("ad Legatio Cajum", § 36) fala do grande número de judeus residentes nesse país, uma população que foi, sem dúvida, inchou consideravelmente por novos imigrantes após a destruição de Jerusalém. Acostumado em Jerusalém desde os tempos primitivos a olhar para o leste para a ajuda ( Baruch 4: 36,37 Pseudo-Solomon, Salmos 11 ), e consciente, como o procurador romano Petrônio era, que os judeus da Babilônia poderia prestar assistência eficaz, Babilônia tornou-se com a queda de Jerusalém o verdadeiro baluarte do judaísmo. Jornadas de Rabi Akiba para Nehardea e Gazaka (Gen. R. (Yeb, final). 33: 5 ) foram, sem dúvida, conectado com os preparativos para a revolta (. Rapoport, em "Bikkure ha- 'Ittim", 1823, p 70), e É um fato que os judeus da diáspora matriculados-se sob Bar Kokba ("Gola," em Saadia ibn Danan, em "Pe 'er ha-Dor", No. 225), enquanto ele é, sem dúvida errada quando no "Yuh asin" ( ed. Londres, 245 b ) mantém-se que Bar Kokba travaram guerra com os romanos na Mesopotâmia: isso pode ser apenas uma reminiscência das lutas sob Trajano. O desastre Bar Kokba sem dúvida, adicionado ao número de refugiados judeus em Babilônia.

Resh Galuta.

Nas lutas contínuas entre os partos e os romanos, os judeus tinham todos os motivos para odiar os romanos, os destruidores do seu santuário, e ao lado com os partos, seus protetores. Possivelmente, era o reconhecimento dos serviços prestados, assim, pelos judeus da Babilônia, e pela casa de Davi, especialmente, que induziu os reis partas para elevar os príncipes do exílio, que até então tinha sido pouco mais do que meros coletores de receita, à dignidade dos príncipes reais (F. Lazarus, em Brü ll do "Jahrbü cher", 10:62). Assim, então, os inúmeros assuntos judaicos foram fornecidos com uma autoridade central que garantiu um desenvolvimento pacífico de seus próprios assuntos internos. É neste período que os primeiros certos traços da dignidade do príncipe do exílio são encontrados e o primeiro-nomeado galuta resh é Nahum ou Nah unya. Por volta do ano 140 da era comum, Ananias, sobrinho de R. Joshua, migrou para a Babilônia antes da guerra Bar Kokba, e fundou uma faculdade em Nehar-Pek od (compare "Pecode" em Jeremias 50:21 chamado em outros lugares " Nehar-Pek ou, "provavelmente após o general parta célebre Pakorus). Após a derrota da insurreição e interrupção da comunicação com a Palestina, Ananias definir sobre como organizar o calendário, que até então tinha sido a prerrogativa exclusiva do patriarca palestino possivelmente ele mesmo meditou a construção de um novo templo. Este espírito de independência certamente deve ter sido gratificante o galuta resh mas quando o Sinédrio palestino enviou dois mensageiros para a Babilônia com a sugestão sarcástico que Aías (o galuta resh) deve construir um outro altar e que Ananias deve tocar harpa para o efeito, o protesto foi suficiente para trazer as pessoas para os seus sentidos novamente, e para beliscar o cisma perigoso pela raiz. Este episódio causou uma impressão tão forte sobre a opinião pública de que há vários relatos de que (Ber. 63 a Yer. Ned. 40 a Yer. Sanh. 19 a ). Judah b. Bathyra, que tinha uma faculdade em Nisibis, também influenciou Ananias para desistir de sua intenção, no entanto, a faculdade de este último ainda foi reconhecido na Palestina como autorizado (Sanh. 32 b ). Nathan, um filho ou irmão do exilarch, foi vice-presidente do Sinédrio palestino neste momento. A partir deste período, os casos são numerosos de talentosos babilônios atingindo alta estima na Palestina. Os babilônios estavam bem conscientes de sua preeminência e um babilônico Amora expressou-se assim a seu respeito: "Quando a Torá foi esquecido em Israel, Esdras veio da Babilônia e restaurado quando esquecido novamente, babilônico Hillel veio e reabilitou-lo esquecido mais uma vez, R. h iyya e seus filhos vieram e restabeleceu-la "(Suk. 20 a ). Este enunciado bastante arrogante ignora o fato de que tanto Hillel e H iyya, embora babilônios por nascimento, ganhou o seu conhecimento nos colégios palestinos. O fato de que Abba Arika (comumente chamado de "Rab"), sobrinho do H iyya, estudou na Palestina, levou a resultados notáveis ​​para os judeus babilônicos para Rab era amigo íntimo do último rei parta, Artaban IV. (209-226).

Período Sassânida.

As pessoas persas eram agora novamente para fazer sentir sua influência na história do mundo. Artaxerxes I. (Ardeshir I., filho de Babek o nome completo aparece em Abraham ibn Daud, ed. Neubauer, p. 60) destruiu a regra dos Arsacids no inverno de 226, e fundou a dinastia ilustre dos sassânidas. Diferente dos governantes partas, que na língua e religião inclinado para o helenismo, os sassânidas intensificaram o lado persa da vida, favoreceu a língua Pahlavi, e restaurado com zelo a antiga religião dos Magos, fundada sobre fireworship, que agora, sob o favorecimento influência do governo, atingiu a fúria de fanatismo. Naturalmente, ambos os cristãos e os judeus sofreram com isso, mas o último, habitando em massas mais compactas, não foram expostos a tais perseguições gerais como eclodiu contra os cristãos mais isoladas. A atitude do primeiro sassânidas, Ardeshir I., em direção a este movimento não é clara. Gibbon ("Declínio e Queda do Império Romano", cap. Viii.) Narra que Ardeshir perseguidos cristãos e judeus, e aduz Sozomen, livro ii., Cap. i., na qualidade de entidade esta passagem, no entanto, refere-se apenas aos cristãos.

Ardeshir I.

Contra a declaração, também, é a evidência de Ibn Daud que nos dias de Ardeshir os judeus e persas se amavam, como também nos dias de Rei gosto. S. Cassel acredita que os judeus foram favorecidos pelos persas e Graetz sabe de nenhuma perseguição sob Ardeshir. Há, no entanto, no "Small Chronicle" - embora não na sua colocação adequada a afirmação de que "os persas obtido domínio no ano 245 depois da destruição do Templo de Jerusalém, e instituiu uma perseguição dos judeus." A passagem em "Yuh asin" (ed. Londres, 93 a ) define este evento no período da exilarch Neemias, no ano 175 depois da destruição. Longe de ser declarada errônea (Lazarus, em "Jahrbü cher," de Bru ll 10:95), esta afirmação merece toda a confiança, mas o ano deve ler "165" em vez de "175", ou seja, no ano 233 da era comum , sete anos após a inauguração do poder persa. Determinadas contas Talmudical, pertencente ao período, corroboram essa assim, R. Kahana diz: "Até aqui os persas [partos] permitida judeus para exercer a pena capital, mas agora os persas não o permitem" (B. Ḳ 117. a ). Os judeus não foram nomeados para o wardenship dos canais ("reshe nahare"), nem aos escritórios do Tribunal ("gezirpaṭ i" persa, hazar paiti grego, ἀ ζ α ρ α π α τ ε ῖ ς), que No entanto, os judeus considerado como uma vantagem (anit Ta ', 20 um ) canal guardiões, que também eram taxcollectors, a ser realizada de tal pavor (como é descrito graficamente em Sanh. 25 b ) que os judeus estavam contentes de ser aliviado do dever. A prisão-carcereiro é mencionado ("zanduḳ na," anit Ta '22 um ), mas ele foi, provavelmente, a serviço da exilarch. Quando a notícia foi trazida para R. Joanã, a amora mais caros na Palestina, que os Guebers (no Talmud, "h abrina") - ou seja, a magicolor invadiram e conquistaram a Babilônia, ele desmaiou afastado em simpatia por seus irmãos babilônicos mas ao ser revivido ele tranquilizou-se com o pensamento de que os conquistadores estavam abertos a dinheiro incentivos (Yeb. 63 b ). Dificuldades foram colocados no caminho dos judeus em assuntos como o abate de bovinos para alimentação, e quanto aos seus balneares-lugares e cemitérios, que foram objecto de intrusão ( ib. ). Em certos dias santos persas, os Guebers não permitiria qualquer luz nas casas dos judeus (Sanh. 74 b comparar Shei ODP di R. Ah ai, § 42) eles não fizeram nenhuma exceção, mesmo em um caso de doença (GIT. 17 um ). Tal instância acontecendo em sua própria família, bar bar Rabba h ana disse ter exclamou: "Deus todo-misericordioso! Quer sob Tua proteção, ou, se não, sob a proteção de Esaú [Roma]." Que este enunciado foi oposição a outra, por R. H iyya, que atribuiu isso à providência especial de Deus que os judeus encontraram refúgio de Roma na Babilônia, foi explicada pela observação de que os maus tempos na Babilônia começou apenas com o Guebers ( ib. ). O patriarca Judá II. foi informado de que os partos se assemelhavam aos exércitos do rei David, mas que o novo persas eram como demônios do inferno (id k. 72 a ) e foi nesses exércitos que os judeus, embora, possivelmente, um pouco mais tarde, teve de prestar serviço militar (Sanh. 97 b MS. Munique, no entanto, tem [Roma] para ).

Todas essas coisas que deve ter ocorrido sob a vigorosa Ardeshir. Quão poderosa foi a impressão feita por ele sobre a fantasia dos judeus, pode ser obtida a partir do chamado Apocalipse de Elias (ed. Jellinek, em "BH" 3:66 ed. Buttenwieser, Leipzig, 1897), que, muito provavelmente, refere-se a guerra de Ardeshir contra os romanos ("judeu Quart Rev..". 14: 360). Para sua campanha em 230 a declaração obscura do Latin autor Solinus deve ser encaminhado, que Jericó foi destruída por "Artaxerxes" (Th. Reinach, no Volume Kohut Memorial, pp. 457 e segs. ). O cismático Mani, fundador do maniqueísmo, apareceu neste momento: a sua execução (sem dúvida porque maniqueísmo exercido alguma influência sobre o judaísmo) sob Shabur é mencionado por Ibn Daud (p 61)..

Academias Fundado.

Foi, no entanto, antes da adesão dos sassânidas que o poderoso impulso para o estudo da Torá surgiu entre os judeus da Babilônia que fez desse país o próprio foco do judaísmo por mais de mil anos. Uma data exata pode ser determinada: Sherira e que dependiam dele (compare "Seder Tanaim we-Amoraim", na versão do Mah Zor Vitry, p 482). Definida como a data do retorno de Rab da Palestina no ano 530 do era selêucida que Isaías 219 da era comum, ou, de acordo com Ibn Daud ( lc p. 57), o ano do mundo 3979. Parece que a bolsa palestino havia se esgotado com a compilação da Mishná e foi um fácil questão de levar a obra concluída para a Babilônia. Quando Rab voltou para lá, já havia uma academia em Nehardea sob a liderança de um obscuro R. Shila, que tinha o título "sidra resh". Com a morte deste último era natural que o mais eminente Abba Arika- cuja distinção é indicado pelo título de "Rab" - deve tornar-se chefe da escola. Mas, na sua modéstia, Rab renunciou a academia em Nehardea para seu compatriota mais jovem Samuel, enquanto ele próprio fundou uma instituição semelhante em Sura (conhecida também com o nome de uma cidade adjacente, Mata meh asya). Nehardea, um assento de longa data da vida judaica na Babilônia, em primeiro lugar alcançado eminência florescente através deste proeminente professor, Mar Samuel e quando, com a morte de Rab (247), o esplendor da Sura desapareceu, Nehardea permaneceu por sete anos a única academia ("metibta") na Babilônia. A partir desse período, a história dos judeus na Babilônia, até então obscuro, torna-se muito claro (veja Academias em Babilônia ).

Sapor I.

A massa de tradição zelosamente preservados nas academias babilônico envolve uma série de datas e fatos que iluminam sua vida. O galuta resh sobre este tempo parece ter sido 'ba Reino Unido, ou Nathan' Mar Reino Unido proibição (c. 210-240), o juiz-presidente foi um certo Arna k durante Rab realizada a muito mais problemático do que brilhante posição oficial de um "agoranomos "(Yer. BB 05:15 b ). Embora ainda Rab próprio teve de suportar dureza nas mãos de oficiais do exilarch, a partir deste momento, parece que os exilarchs, de acordo com o espírito predominante de veneração para a aprendizagem, começou a dedicar-se à aquisição de conhecimentos, bem como de poder, aproximando-se, assim, o exemplo dos patriarcas palestinos. Rei gosto I. (240-271) favoreceu Samuel com um tal grau de intimidade que o último foi, por vezes chamado de "Rei gosto" e "Arioc" (amigo dos arianos ver Ḳ id. 39 a Shab. 53 a ), e o as pessoas geralmente falavam dele com respeito, como "o sábio judeu" (Shab. 129 a ). Mas Samuel, também, gostava de os persas. Ele foi o autor do célebre ditado, "A lei da terra é o direito de ir por" (BB 54 b ), referindo-se, naturalmente a matéria civil e até mesmo quando seu rei, nas exigências da guerra, sentiu-se compelido para abater doze mil judeus em Mazaga (CAE Sarea), na Capadócia, Samuel estava pronto para defendê-lo (M. k. 26 a ). Sob Sapor começou a disputa amarga com os romanos pela posse das ricas terras do Eufrates, tão densamente povoada por judeus. R. Joanã apropriadamente comentou a respeito dessas lutas que "Holwan, Adiabene e Nisibis são as três costelas que o profeta Daniel descreve como sendo mantido na boca do animal, às vezes mastigou e às vezes caiu" (id k. 72 a ver Daniel 7 : 5 ). Os persas penetrou no coração do território romano, até Odenath, príncipe de Palmyra, movida contra eles e levou sua presa a partir deles (261). Várias passagens do Talmud falar de um certo bar Papa Naz ou, que é identificado por Cassel e Graetz com Odenath, enquanto nenhum ldeke ( lc 22 p., nota 2) faz dele um irmão de Odenath. Zenobia, esposa de Menath, é distintamente referido no Talmud. De acordo com os escritores não-judeus, Odenath só penetrou até Ctesifonte enquanto fontes judaicas (Sherira, o "Small Chronicle" e o "Seder tannaim") referem-se a calamidade da destruição de Nehardea pelo Papa bar Naz ou. Samuel era então já não viva suas filhas foram feitos prisioneiros e seus discípulos fugiram para Shekanẓ ib, Shelhi e Mah uza Nehardea deixou de ser o principal foco da vida judaica, embora a sua academia ainda continuou a existir. Muitos rabinos também fugiu para Pumbedita, que a cidade agora se tornou a sede por mil anos do colégio judaico babilônico mais célebre ao lado de Sura.

Sapor II.

Os judeus, em seguida, se, ao que parece, meio século de repouso não muito tempo de uma pausa para o enorme trabalho intelectual acontecendo. Por escritores cristãos judeus são acusados ​​sem mandado de ter instigado a matança de vinte e dois bispos por Sapor II. (310-382), como parte de seu antagonismo com a predileção Christian para Roma (Sozomen 2: 8 Burckhardt, "Die Zeit Constantins des Grossen", 2ª ed, 1880, p 90..). O "Small Chronicle" narra que quando Huna foi exilarch, e Rabá chefe da academia, Sapor foi contra Nisibis e conquistou. A perseguição dos judeus é mencionado como tendo lugar em 313 (Teófanes, ed. De Boor, p. 25), mas Sapor era naquela época ainda uma criança. Rabá b. Nah mani, o chefe da academia em Pumbedita (falecido em 331), caiu vítima de perseguição. A acusação foi feita contra ele que os 12.000 discípulos que se reuniam duas vezes por ano para o estudo público usual ("kallah" verAcademias em Babilônia) Fez isso apenas para evitar pagar o imposto (ver BM 86 a ). Rabá fugiu e pereceram miseravelmente, perdido em um lugar chamado Agma (pântano?) (Ver Sherira, lc p. 31). Seus sucessores, R. Joseph Cegos e Raba (que seguiu Abaye), apreciamos a favor da rainha-mãe Ifra Hormiz (BB 8 um , 10 b Ta 'anit 24 b Niddah 20 b Zeb. 116 b ) que não o fez, no entanto, impedir Raba de ser preso em cima de uma acusação sem fundamento (Ber. 56 a ). Rabá e, ainda mais, seus alunos e Abaye Raba são considerados os fundadores da dialética talmúdicos agudas praticados em Pumbedita. Após as presidências curtas de R. José e Abaye, o renomado Raba se tornou o chefe de Pumbedita nos seus dias foi a única academia restante na Babilônia para Sura tinha deixado de existir. R. Papa, no entanto, atualmente fundou uma nova escola em Naresh perto Sura, que mais tarde foi removido para aquela cidade, onde, sob R. Ashi, que atingiu alta eminência.

Na guerra vigorosa que o imperador Juliano travada, e em que a Mesopotâmia e Babilônia adequada estavam envolvidos, é provável que os judeus, apesar da atitude amistosa do governador romano, ficou do lado de seu próprio soberano. Uma cidade pequena, Birta- chamado Bithra por Sozomen (iii, 20) - foi abandonada por seus habitantes, que eram judeus, e em retaliação os romanos queimaram o lugar. O mesmo destino teve a cidade mais importante Firuz Shabur (Pyrisabora), que também possuía uma grande população judaica mAh uza, também, perto Ctesifonte, local de nascimento de Raba ea sede de sua academia, também foi colocada em cinzas, em conjunto, sem dúvida, com muitos outros cidades em que os judeus moravam. Havia provavelmente há outros resultados duradouros desta campanha romana, para registros de judeus mencionar nenhum. Julian honrado os judeus em Haran (Charræ), quando, em uma visita lá, ele testemunhou os mistérios (Bar-Hebræ nós ", crônico syriacum", ed. Kirsch, 1:65).

Yezdegerd I.

dos sucessores de Sapor, Yezdegerd I. (397-417, 399-420 Justi, Nö ldeke) não foi, pelo menos hostil aos judeus. O fato de que os chefes das academias, Amemar de Nehardea, Mar zut ra de Pumbedita, e Ashi de Sura, foram grotescamente manipuladas por seneschal do rei, enquanto espera pela audiência no palácio (Ket 61. um , de acordo com a leitura alterada de Rapoport em "'Erek Millin", p. 35, e' áruk), não certamente indicar um grau muito grande de amizade. O b Huna. Nathan, cujo Yezdegerd cinto ajustado com alguns lisonjeiro palavras- uma atenção educada que foi muito valorizado até mesmo pelo eminente R. Ashi (Zeb 19. a ) - foi, sem dúvida, o exilarch dessa data, Graetz em contrário, não obstante. Este incidente provavelmente ocorreu em anos anteriores este monarca, mais tarde, ele se tornou um forte fanático religioso, e em 414 ordenou uma sangrenta perseguição dos cristãos. Pode ter sido a intenção do rei que o exilarchate deve gradualmente perdem sua importância política, para o Talmud (GIT. 59 a ) relata que Huna b. Nathan se subordinou a R. Ashi enquanto Sherira acrescenta a isso a informação de que os "rigle", as festas públicas dadas pelo exilarch, foram transplantadas para Mata meh asya (Sura), a casa de R. Ashi. Isso mostra que Nehardea tinha deixado de ser a residência do galuta resh, e que Sura havia se tornado o centro político do Jewish Babilônia. Com R. Ashi, que uniu em sua pessoa rank e aprendizagem (Sanh. 36 a ), a posição do diretor da academia atingido quase igual eminência com a do exilarch.

 

. Bahram V. Yezdegerd II

Bahram (Varanes) V. (420-438) deixou os judeus em paz é provavelmente a seu tempo, que Teodoreto (ii: 264) se refere quando diz que Babilônia foi preenchida com os judeus (Lagarde, "Mittheilungen , "4: 145). Seu sucessor Yezdegerd II. (438-457) instituiu uma perseguição dos judeus que transcenderam a crueldade em tudo o que tinham até então experimentado no Irã, e foi um precursor dos sofrimentos ainda mais severas. No ano de 456 (em que ambos os diretores da Academia Sura, R. nah homem b. Huna e R. Reh Umai [ou neh Umai] de Pumbedita, morreu), o rei emitiu um decreto proibindo todos observância do sábado. Sua morte precoce impediu novas perseguições. As crônicas judaicas relatam que ele foi engolido por uma serpente, mediante a oração dos chefes das academias, Mar b. R. Ashi e R. Zoma. Rapoport não questionou a autoridade desta fonte judaica, mas novas descobertas mostram que, de acordo com a tradição local, esta morte súbita na realidade se abateu sobre Yezdegerd I., e que somente os judeus atribuiu isso ao seu perseguidor, Yezdegerd II. A perseguição foi provavelmente instigado pelo Magi os cristãos e maniqueístas tendo sido perseguidos cinco anos antes ("Revue Etudes Juives," 36: 296). Para este período é para ser encaminhado a discussão de Amemar com um Magus (Sanh. 39 a ). 

Firuz.

O segundo filho de Yezdegerd e sucessor, Firuz, ou Perozes (459-486), continuou a perseguição em uma escala maior. Os judeus de Ispahan foram acusados ​​de terem esfolado vivo dois Magi (Hamza, ed. Gottwaldt, p. 56) e metade da população judaica foram abatidos e os seus filhos entregue aos adoradores do fogo. Mas na Babilônia também a perseguição ganhou posição Firuz "ímpios" (H ul. 62 b ) colocar o exilarch Huna Mari, filho de Mar zut ra I., à morte e os judeus, que vem sob o domínio persa imediato, passou por um ano de sofrendo, 468, que no Talmud é chamado de "o ano da destruição do mundo" (ver Brü ll, 10 "Jahrb.": 118). A partir deste ano, para 474 uma série de atos violentos se seguiram, como a destruição de sinagogas, proibição do estudo do Direito, a entrega forçada de crianças para o Fogo Templos, a prisão e execução de Amemar b. Mar Yanuk um e Meshershiya. A destruição de Sura (Shab. 11-A), possivelmente, também teve lugar neste momento. Mah Zor Vitry (p. 483) afirma que Firuz sofrido uma morte violenta (resultado de um terremoto?) Em 483, ou, mais corretamente, 486. Em 501Rabina morreu, o último dos sucessivos professores amoraim foram chamados Saboraim.

O Talmud.

A compilação e edição do Talmud babilônico, iniciada por R. Ashi, foram preenchidos por Rabina, embora o Saboraim também pode ter trabalhado em cima dele. A redução do material legal tradicional para A escrita anteriormente forbidden- originou nenhuma dúvida no ansiedade causada pelo aumento contínuo perseguição: não era mais seguro para limitar esse material valioso para as tradições orais das academias que deve ser estabelecido de forma permanente em escrevendo para a posteridade. Outro resultado surpreendente destas perseguições foi a emigração de judeus da Babilônia e persas para a Índia sob Joseph Rabban.

Fonte enciclopédia judaica 1910